História Sempre um até logo. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lana Parrilla, Sean Maguire
Tags Lana Parrilla, Outlawqueen, Sean Maguire, Seana
Visualizações 145
Palavras 1.932
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi amores,
Olha mais OS Seana. Eu amo escrever sobre eles.
Esse vem falar da volta de Sean para serie, desde a convenção Fairy Tales, qual foi tema do outro OS Seana que eu escrevi o "Até logo". Vou deixar o link lá nas notas finais. Então esse é como uma segunda parte daquele.

Esse OS vem também de fato comemorar a volta do Sean para serie, eu estou tão feliz que nem estou me cabendo dentro de mim, amo ele tanto e ver ele Lana juntos novamente, meu Deus. Não está sendo fácil, a todo momento é um ataque de fofuras.

Acompanhe esse OS com a musica: "Vìveme - Laura Pausini feat. Alejandro Sanz".

Então, boa leitura.

Capítulo 1 - Capítulo único - O agora.


Depois que iniciaram as gravações da sexta temporada, nada havia sido com antes, parecia estar faltando algo e estava. Sem Sean fazendo parte do elenco, as brincadeiras entre nós eram menos descontraídas, pareciam não ter a mesma graça que tinha quando ele estava junto, aprontando com todos juntamente comigo. Confesso que éramos uma dupla e tanto. Ele é como minha família, melhor amigo e a falta que ele nos faz, bom, me faz aqui, todos os dias é triste.

Sean é capaz de saber como eu estou no dia, apenas olhando nos meus olhos. Ele é capaz de desvendar meus piores medos observando meu modo de agir. Ele compreende meus fantasmas internos no simples ato de falar comigo. 

Muitas pessoas passaram na minha vida, pessoas que me fizeram quem eu sou. Outras passaram e me apoiam no que eu sou. E Sean é uma dessas pessoas, que consta na lista das mais importantes para mim. 

Desde que ele saiu do elenco, nunca mais perdemos o contato, raro é a semana que não nos falamos. Eu ligo ou ele liga. Minha relação com a família dele e ele com a minha, é realmente como se fossemos da mesma família. Tanya, como irmã, o filhinho deles, um sobrinho de uma tia babona que sou. Fred e Sean, parecem amigos de infância, a relação que criei com ele, meu marido também criou, brincamos muito em respeito disso. Alfredo até chama Sean de "Namorado da minha mulher." 

Mais tem algo a mais, que eu não dou a capacidade de confessar, nem a mim mesma. A aproximação entre eu e ele foi tão forte, que talvez só amizade não fosse o rótulo capaz de suprir todo meu sentimento por ele. Quando ele se despediu de mim na última convenção que participamos juntos, eu jamais vou esquecer. Eu sei eu sou casada, Fred é um homem incrível. Sean também, sua família então. Perfeita. Mas quando se trata do coração, como lidar, é impossível tapear, principalmente a mim mesma.

Quando saiu a notícia que ele estaria de volta a série, ele fez questão de ligar a mim e contar que estaria de volta, essa notícia me atingiu em cheio, como se eu fosse os fãs dele, empolgação, emoção felicidade, nervosismo. Automaticamente minha mente me levou ao dia que ele chegou sendo apresentado como meu par romântico no decorrer da série. 

Eu não, nem havia modo de negar mais, que tudo que eu sinto por ele, a partir do momento que ele chegou de fato no set de filmagens e minhas pernas estremeceram e as malditas borboletas no estômago deram seus sinais vitais.

 

- Laninha, será que agora a Gina vai ter o final feliz dela? - Bex brincou enquanto andávamos em direção a Sean para acolhe-lo e dá-lo as boas vindas novamente.

- Eu acho que sim, maninha. - Brinquei tentando conter o nervosismo que estava quase escrito na minha testa.

 

A cada passo que eu dava em direção a ele, era como um passo para o abismo do meu coração. 

 

Abismo sem volta. 

 

Como sempre, ele com aquele sorriso estampado no rosto, o sorriso que eu admirava. Seus cabelos mais louros pelo reflexo do Sol, os olhos azuis tão nítidos com o céu de Vancouver. 

Recepcionado por todos da produção, os diretores, nossos colegas de atuação. Literalmente a presença dele no set fazia toda diferença e todos sentiam sua falta. Não sei o porquê, mas estava com receio de abraçá-lo. Abraço que poderia me levar a perdição total de mim. 

Estava mais ao canto, ainda não havia falado com ele. Esperava todos cumprimentá-lo. Não demorou muito até que nossos olhares se cruzassem. E lá estava eu, perdida.

 

- Lana! - Ele me chamou e ao mesmo tempo andava em minha direção. 

- Sean. - Maldita hora para voz falhar, parecia estar de brincadeira comigo. 

 

Ele me abraçou e eu cai na tentação de me aconchegar em seus braços. Sentindo apenas o cheiro bom e amadeirado que ele tinha. Segundos, minutos? Perdi a noção do tempo de quanto ficamos ali, sem trocar uma palavra se quer, apenas matando a saudade e acabando com o resto da sanidade que me restava. 

 

- É bom te ter de volta. - Disse ainda baixinho me afastando com dificuldade, buscando olhar para ele.

- É bom estar de volta. - Maguire depositou um beijo em minha testa, como ele fazia todos os dias quando chegava e quando ia para casa. - Senti sua falta. 

- Eu senti a sua também. - Sorri.

- Bom, já vimos que o nosso casal está de volta, vamos trabalhar. - Adam disse fazendo todos rirem. 

 

Assim fizemos, começamos os ensaios e junto com eles, a volta das brincadeiras. Sean, Josh e Colin, o trio palhaçada. Não tinha um que ficava sem rir com eles. 

Gravamos, e com toda certeza, o episódio fora um dos mais difíceis para mim. Assim como a partida de Sean, a morte do personagem dele também me abalou. Não foi preciso forçar choro ou algo do tipo, eu realmente estava em prantos. E reviver aquilo, sempre foi bem triste. 

Horas mais tarde e o dia de gravação chegou ao fim. Eu ainda estava com as vestimentas de Regina, agradeci a Deus por não ser os vestidos extravagantes da Rainha, só para tirá-los gastaria quase trinta minutos e a ajuda de mais umas três pessoas. No meu trailer mesmo eu iria me trocar, mas antes precisava comer, lembrei-me de uma salada de frutas que havia trazido pela manhã e não tive o tempo para comê-la. 

O meu tempo no trailer, era o tempo que eu tirava para repassar minhas falas, descansar, pensar um pouco. Pensamentos que dessa vez foram invadidos por Sean, não sei porque, se eu já sabia que ele estaria de volta, porque eu estava tão nervoso com a presença dele? Naquela convenção, aquele beijo, eu saiba que não seria um adeus, eu disse a ele que seria um até logo, e lá estávamos nós, vivendo o "até logo", voltando a ser como antes. 

Meus pensamentos foram cortados quando fui pega de surpresa por batidas na porta de meu trailer. Estranhei que poderia ser, talvez Ginny ou Rebecca, mas quando abri a porta lá estava o motivo do meu nervosismo. Eu fiquei inerte, e ele parado ali em minha frente, também ainda estava com os trajes de Robin Hood.

 

- Lana? - Ele disse sorridente. - Só posso entrar? - Eu estava tão inerte que nem consegui dizer nada. - Lana?

- Oh sim, entre por favor, Sean. - Sorri amarelo e dei passagem para ele entrar. 

- Bom eu só queria te dar boa noite. - Ele estava com as mãos no bolso e balança nos calcanhares. - Saber como você está, não pudemos nos falar direito durante o dia. - Mal ele sabia que eu estava o evitando ao máximo, para não cair nas armadilhas do meu coração. - Você está bem?

- Sim. E você? Ainda bem que está de volta, senti... sentimos sua falta. - Tratei logo de corrigir-me. Mas com ele sorrindo daquela forma para mim, impossível não me deixar levar.

- Eu senti falta de vocês, de você Lana. 

- Maguire... - Ele me abraçou e mais uma vez eu estava jogada no precipício do meu coração.

-Tampinha... 

 

Como alguém pode mexer com o nosso interior de tal forma que nem nós mesmo podemos ver? Sean tinha e tem esse dom. Ele muda meu interior apenas olhando para mim. 

Me chamem de maluca, mas não dá mais para dizer que isso tudo é só amizade. Não consigo negar mais a mim mesma. Mas, espera. E ele? Sente o mesmo, ou apenas é mais um jogo que meu coração está armando para mim? 

Ele me beijou naquela convenção. Ele me disse coisas que jamais em toda minha vida serei capaz de esquecer. Ele disse que me amava, eu disse que o amava. Mas será mesmo? A dúvida infernal. 

 

"Você e uma perfeita idiota, como uma adolescente que tem sua primeira paixão. Lana Parrilla para! Você está casada e ama seu marido... Ou ama Sean? Ah! Não sei, não sei de mais nada."

 

- Eu não esperava que fosse aparecer. 

- Por que não? Eu sempre vinha aqui. - Ele sorriu. - Sempre vinha para despedir antes de irmos embora. 

- Foi algum tempo sem você. - Nos sentamos no sofá. - Você fez tanta falta aqui, suas brincadeiras, é tão bom ter você de volta. Eu pensei que não iria voltar. 

- Ei, eu estou aqui não é? Além do mais, Regina precisa ser feliz, você não acha? - Ele brincou. 

- É eu acho que sim. - Falei sem graça. 

- Tampinha, agora é sério. É tão bom estar de volta, voltar a trabalhar com vocês. - Sean segurou minha mão. - Eu senti falta, sua falta. Desde aquela convenção em Paris, Lana, eu não sei, mas eu precisei fazer aquilo. Eu não sei ainda o que é, mas posso dizer que meu coração não quer só sua amizade, Lana, eu amo você. 

- Sean... - Disse com minha voz trêmula. - Por favor! Não vamos nos enganar. Você ama a Tanya. 

- Eu a amo sim, mas eu não vou negar que também sinto o mesmo por você. Aquele dia, não foi só no calor do momento, foi verdadeiro. 

- Eu sei. Mas... - Não bastou mais palavra alguma para Sean, ele calmamente a beijou.

 

Vestidos como nossos personagens, mas sentimentos eram reais. Um beijo de saudades, de renovação, sentimentos, medo, repreensão. Amor. Acima de tudo amor. Foi preciso dizer nada, o amor exalava por todo o trailer. O amor que até então estava guardado dentro de nós. Um até logo que se tornou um "estou de volta". Sim ele estava de volta, pra mim, para Regina. 

Esquecemos de que o mundo existia lá fora, as consequências de nossos atos seriam julgados depois. Apenas eu e ele. Era para ser uma despedida para nós encontramos no dia seguinte. Acabou no começo de um entrega, a entrega do amor que sentíamos um pelo outro. 

Aos poucos as vestes de Robin e Regina estavam espalhas pelo chão, mostrando apenas Lana e Sean. Nos amamos naquele sofá, sem se importar com o depois, vivendo o agora. Beijos selavam nosso carinho, o nosso amor. Carícias trocadas, vidas renovadas, esperanças nasciam. 

Depois de um começo de noite regado a um amor, digamos, um amor proibido. Tivemos que nos lembrar que existia um mundo lá fora que precisava de nós. Sean acariciava meus cabelos, enquanto eu fazia desenhos imaginários em seu peitoral. 

 

- Queria eu que o tempo parasse para que pudéssemos ficar aqui até a eternidade. - Eu comentei. 

- Queria eu poder ter você em meus braços até o fim. - Ele deixou um beijo no topo de minha cabeça e me abraçou mais forte. 

- Se pudéssemos... Eu ficaria aqui para sempre. 

- Ei, vamos viver o agora. Pode ser assim? - Ele se afastou somente o necessário para olhar em meus olhos. - O agora. 

- O agora. 

 

Infelizmente precisamos nos despedir. Ele tem a família dele e eu tenho a minha. Estarmos como estávamos com toda certeza era errado, mas nos preocuparíamos com isso depois. 

Antes de sair de meu trailer ele fez o que sempre fazia, depositou um beijo em minha testa. 

 

- Sempre um até logo, nunca um adeus. - Ele disse antes de sumir de minha visão. 

- Sempre um até logo. - Sussurrei para mim mesma sorrindo feito boba. 

 

Felicidade. 

 

Ele estava de volta e a felicidade era o sentimento. 

 

Ao agora. 

 


Notas Finais


Aqui o link do OS - Até logo: https://spiritfanfics.com/historia/ate-logo-5833216

Espero que tenham gostado. Beijocas e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...