História Sencond Chance - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin & Ally
Personagens Ally Dawson, Austin Moon, Dez, Patricia "Trish" Maria De La Rosa, Personagens Originais
Tags Ally, Austin, Romance
Exibições 69
Palavras 1.249
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi amoreeess... EU SEI QUE DISSE PRA VOCÊS QUE POSTAVA ONTEM, MAS NÃO DEU.
cof cof tavalendoPercyJackson cof cof :D

Mas então. Algumas pessoas podem não gostar do que vai ser revelado, fazer o que. Mas é minha imaginação e eu quis assim, AVISO que de agora em diante vou focar na Ally e no Austin. Como tudo isso aconteceu muito rapido, já deixo avisado que pode não ser o que vcs esperavam, pq eu sou um cú mesmo.

Quero agradecer a todos que estão lendo essa merda, e PRINCIPALMENTE quem comenta, porque eu adoro interagir com quem ta lendo o que escrevo.
EU TIVE UM ÓTIMO PAPO COM UMA LEITORA, obrigado á kalynch_r5 por me aturar kkkkkk
E kauane, miga. Ta ai o segredinho do Brady, talvez não seja o que vc pensou, sorry.

Capítulo 4 - Segredo


             '' Eu não me importo se você é branco, negro, hétero, bissexual, gay, lésbica, baixo, alto, gordo, magro, rico ou pobre. Se                                                         você for gentil comigo, eu serei com você. Simples assim. '' - Eminem 

      

                 

              ‘’ Eu estava correndo em direção á uma floresta, muito escura. Nas mãos eu carregava um arco e a aljavas de flechas nas costas, usava um vestido longo muito bonito. Ouvi um grito. Era ele. Corri mas rápido que pude.

                   Cheguei, ele estava amarrado no tronco de uma árvore. Estava todo sujo de lama, mas ainda era o mesmo homem com quem dancei a noite toda. O homem que eu era apaixonada. Comecei a tirar as cordas que o prendia.

              - Ally depressa.

             Finalmente o libertei, ele assoviou e não demorou para que um cavalo alado aparecesse em meio as arvores. Subimos e o cavalo vôo para longe da floresta. De longe vimos os ladrões praguejando em uma língua estranha e brandindo suas espadas inutilmente.

            - Eu sabia que quando esse dia chegasse você seria capas de me salvar, você foi incrível Ally. – ele me beijou e sorriu – Eu te amo, princesa.

            - Eu também te amo, Austin... ‘’

 

                 - AHHH! – acordei com o barulho do meu celular tocando.  Era o Austin. – O que você quer criatura ???

                 - Brady me pediu pra vir te buscar,  ele quer que você vá tomar café conosco.

                Andei até a sacada do meu quarto, Austin estava encostado no seu carro acenando com um sorriso.

                - Já desço. – falei e desliguei  o celular.

             Ninguém merece ser acordada ás 08H da manhã, de um sábado. NA MINHA FOLGA.

             Escovei os dentes e lavei o rosto, mas não tirei o meu pijama. Peguei uma mochila e coloquei algumas roupas, coisas de higiene pessoal, meu celular e o carregador. Coloquei minhas pantufas de panda e desci.

               Minha madrasta tava tomando café da manhã e assistindo uma novela. Eu passei reto e fui na direção da porta.

              - Aonde você ta indo vestida assim?

              - Não interessa. – falei e abri a porta.

              - Pelo que eu saiba, você ainda vive em baixo do meu teto e tem que me dar explicação de onde vai sim! – disse ela me encarando.

               - Primeiro: essa casa não é sua. E segundo: eu não devo satisfação da minha vida pra ninguém, muito menos pra você! 

                - Seu pai vai adorar saber que a filhinha dele ta saindo ás 8H da manhã no carro de um homem qualquer vestida como uma vadia.

                - SOU UMA VADIA MESMO.  – sorri pra ela. – E mas uma coisa. Não vá esquecer de falar para meu pai, que os chifres dele daqui uns dias não passa da porta, os da nossa vizinha ta de dar inveja nas renas do papai Noel.

               Bati a porta, e ouvi o som de algo quebrando e os gritos dela. Austin tava me encarando, mas começou a rir.

                - Uau! Tem alguém aqui que esta de mau humor.

               - Eu estou ótima. – disse, e era verdade.Sempre que discutia com aquela vaca me sentia muito melhor, eu descontava toda minha raiva nela.  – Vamos logo.

                - Você quem manda. Ally tive um sonho mui...

                - Não me fale de sonhos! – pedi alarmada ao me lembrar do pesadelo que tive.

                - Certo. – ele começou a dirigir e cantarolar uma musica que conhecia muito bem.  

                                  ‘’ Seu sorriso é tão resplandecente

                                    Que deixou meu coração alegre

                                    Me dê a mão pra fugir desta terrível escuridão

 

                                    Desde o dia em que eu te reencontrei

                                    Me lembrei daquele lindo lugar

                                   Que na minha infância era especial para mim

                                   Quero saber se comigo você quer vir dançar

                                   Se me der a mão eu te levarei

                                   Por um caminho cheio de sombras e de luz

 

                                   Você pode até não perceber

                                   Mas o meu coração se amarrou em você

                                   Que precisa de alguém pra te mostrar o amor que o mundo te dá ‘’

 

              A voz dele era tão bonita, eu poderia passar o dia ouvindo ele cantar. Mas o que me chamou atenção é o fato de eu estar usando um pijama do desenho, eu amo o Dragon Ball, e ele cantar a música da serie.

            - Gostei do pijama. – disse, eu tinha esquecido que ele lê mentes.

            - É muito bonitinho mesmo, valeu.

            Chegamos á um bairro de classe média. Muito simples e aconchegante, aqueles que lhe da uma nostalgia da infância. A mãe dos gêmeos não possuía tanto dinheiro como o pai deles. Na separação a mãe não exigiu nada do ex- marido, só a pensão dos filhos. Mas o pai queira ficar com um dos filhos, e assim aconteceu. Austin ficou em New York com o pai, e Brady veio para Miami, e nas férias acontecia uma troca entre eles. É uma família complicada.

              Então Austin teve uma discussão com o pai e decidiu vir para Miami.

             Sim, Austin me contou tudo sobre ele, e eu escondi tudo ao meu respeito, pelo menos o que envolvia minha infância trágica.

              - Vamos princesa?

             - Não me chame assim! – disse irritada.

             - Não ta mas aqui quem falou.

            Entramos e eu deixei minhas coisas no sofá, fui até a cozinha onde Brady preparava o café da manhã. Ou pelo menos tentava.

              - Nossa, não sabia que você sabia fritas ovos. – falei rindo da situação, ele veio me abraçar.

              - Bom dia morena. Gostei do pijama. – falou o loiro á minha frente.

             - Ele ta fazendo sucesso hoje. – olhei para Austin que estava sentado na mesa e dei uma piscadela pra ele. – Quer ajuda ?

              - Aceito.

             Assim que terminamos de tomar café, fomos pra sala assistir desenho. Brady disse que tinha que falar comigo, e me levou para seu quarto.

               - Tudo bem. Não surta. – falou

               - Certo, não vou.

               - Eu estou namorando. – aquilo me atingiu em cheio, tipo, não que eu ainda me iluda com a possibilidade de um dia ele gostar de mim, mas eu não tava pronta pra isso.

                - Legal, a Taylor tem sorte e...

                - Não é com a Taylor. – ele soltou uma gargalhada, e eu fiquei sem entender nada.

                - Como assim, vocês estão sempre juntos, ela te leva pra sair e coisas do tipo.

                - Exato. Ela me leva pra sair, mas não com ela, pra me encontrar com outra pessoa. – ta! Isso ta muito estranho e confuso, eu não estou entendendo nada. Acho que Brady passou sua lerdice pra mim, se é que isso é possível.  – Ela me leva pra encontrar com o irmão dela. Ally eu sou gay.

                   Ele me olhava esperando uma reação minha. Mas a real é que eu estava surpresa. Claro eu fiquei feliz por algum motivo, mas me senti traída. Ele confiou na Taylor pra falar primeiro pra ela, tudo bem que o seu namorado era irmão dela, mas eu era sua melhor amiga.

                 O choque foi realmente grande. Eu não esperava, mas aprendi que não conhecemos as pessoas como elas realmente são, eu mesma me escondo de todo mundo.

                 A noticia ainda estava sendo processada na minha mente. Eu esbocei um sorriso. Brady não é namorado da Taylor e nunca vai ser. Brady na verdade é gay.

                - Brady eu estou muito feliz por você, mas um pouco chateada por não ter me contado antes .

                - Eu quem estou chateado com você. Ally porque nunca me disse que era apaixonada por mim?

                Não acredito. Eu não acredito que o Austin contou pra ele. Aquele filho da mãe. Eu confiei naquele babaca fofoqueiro. 

                -   EU VOU MATAR AUSTIN MOON. 

             

 

 

                 

 

 


Notas Finais


E foi isso...



COMENTEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEM
. E me dizem Oi, e o que acharam e que sou linda :) brinks eu sou feia pra caramba, mas isso não vem ao caso. Vou me calar agora.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...