História Senhor das estrelas《Kaisoo》 - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun, Suho
Visualizações 56
Palavras 1.661
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Científica, Lemon, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


😊😊😊
Espero que gostem

Capítulo 2 - 2


P.o.v Kyungsoo

Quinta-feira, 16/09/2010, 13:30

- NÃO, CHANYEOL! - eu gritei e o ruivo ficou surpreso, afinal, estávamos na biblioteca e eu não sou do tipo que grita na biblioteca (nem em lugar nenhum) - Eu não vou te ajudar. - falei bravo - Isso é problema seu e do Baekhyun!

- M-mas Soo-

- Não me chame de Soo. - o cortei - Sabe que não gosto que me chamem assim. - ele revirou os olhos

- Tá, mas por que não? - ele parecia abalado, mas eu não ceder àqueles olhinhos de cachorro abandonado - Por que não vai me ajudar a me desculpar com o Baek?

- Por quê!? É sério mesmo? - fechei o livro e quardei na estante ao meu lado - Primeiro, ele é o SEU melhor amigo; seg-

- Ele não é o meu melhor amigo, Kyung, e você sabe disso! Você que é! - suspirei chateado pois era verdade - O Baek é meu… hum, não sei se o termo amigo se aplica mais entre nós depois desses anos...

- Nunca se aplicou, se quiser saber a minha opinião. - ri e ele acabou me acompanhando. Comecei a andar para dentro da escola - Ok; segundo, quem beijou a SunHee na frente dele não fui eu, foi vo-

- ELA QUE ME BEIJOU! - ele parou na minha frente e algumas pessoas passaram a encarar a gente - Ela que me beijou, Kyung, não eu.

Revirei os olhos e o encarei - E terceiro, e mais importante : ele me pediu para que não te ajudasse.

- O QUE!? - dei um tapa na cabeça dele, e não foi fraco - AÍ! - dei outro - QUER PARAR DE ME AGREDIR!?

- Você quer parar de gritar ou quer que eu enfie uma faca na sua garganta para você entender? - falei entre os dentes e vi ele estremecer e engolir em seco - Ele não quer que eu te ajude pois você não vai pensar na porcaria que fez se eu fizer. Você vai ter que resolver sozinho.

- M-mas…

- Mas nada, Chanyeol. - franzi o cenho - Você tem que se resolver com ele. Sozinho. Ou vai ter que esquece-lo.

- Aigoo… - ele tentou fazer aegyo, mas só conseguiu me fazer revirar os olhos - Onde ele tá agora?

- Na casa do Lu Hyung. Chorando. - ele me olhou espantado - O que? Pensou que ele estaria rindo e jogando purpurina por aí? Ou a surpresa é porque achou que ele estaria em casa, para os pais descobrirem que ele está triste por causa de outra pessoa, ainda mais por um homem!? Credo, Channy. Você já foi melhor. - desviei dele e ia começar a andar, mas o orelhudo segurou o meu braço - O que foi agora?

- Me passe o endereço do Lu. Agora. Eu preciso, Kyung. Por favor. - ele parecia desesperado

- … Tá. - suspirei e mandei uma mensagem para ele falando o endereço - Se o Byun vir tentar me matar depois, eu arranco o teu couro! - apontei o dedo para a cara dele na tentativa de amendronta-lo, mas ganhei um beijo no rosto

- Valeu, Kyung! Te amo! - e saiu correndo

Coloquei a mão sobre o lugar que ele tocou e senti meu rosto esquentar um pouco…

"Aish, eu não acredito que estou corado por causa disso..."

Bufei e voltei a andar.

Fazia muito tempo desde a última vez que me senti assim por Chanyeol. Muito tempo mesmo.

Há dez anos, eu dei uma festinha do pijama e ganhei em troca um coração partido e um sonho muito estranho com um cara vestindo um sobretudo todo cheio de purpurina e glitter.

Nesse sonho eu tinha desejado alguém que me amasse e esse homem, muito lindo (muito lindo mesmo), apareceu falando que ele ia ser esse alguém. Que eu nunca mais estaria sozinho. Que ele iria me amar.

Quando acordei no dia seguinte, eu estava na minha cama e os meninos estavam na sala. Os quatro me afirmaram que eu tinha falado que estava com sono e que fui dormir na minha cama, mas eu sempre achei isso, no mínimo, suspeito.

Por que eu iria dormir no meu quarto se eu podia dormir com meus novos amiguinhos? Se isso não fazia sentido na cabecinha do Kyung de sete anos, não tinha a menor chance de fazer na do Kyung de dezessete.

Bom - voltando - o coração partido foi bem real. Baekhyun não desgrudava do Channy de maneira alguma e isso me deixava triste, mas eu não sentia a dor que quase estava me matando no dia anterior. Era como se eu estivesse curado.

Os anos passaram e acabamos os cinco nos tornando melhores amigos - mas eu ainda era o melhor amigo do Channy, isso acabou não mudando - e fomos todos para a mesma escola.

Hoje eu estava no meu terceiro ano, Sehun no segundo, Baek, Channy e Suho (apelido carinhoso que demos para Junmyeon por ter berrado naquele filme o tempo todo) na faculdade. Baek fazia faculdade de Artes Cênicas, Channy Sociologia (ele fazia estágio aqui na escola para ser professor, por isso que estava comigo agora a pouco) e Suho educação física, para ajudar a entrar na Polícia.

Bem, nesses belos dez anos, Chanyeol e Baekhyun meio que estavam namorando (meio, porque o Chan não oficializa essa relação. Mais um motivo para o loirinho ficar chorando por aí), Junmyeon estava parecendo uma mãe de tanto que enchia o meu saco e o do Hunnie para melhorarmos na escola e eu e ele estavamos curtindo nosso ensino médio de maneira bem normal, pois eramos adolescentes sem muito dinheiro.

Bem, nesses anos todos eu tinha sempre o mesmo sonho : eu, sentado no campo aberto na parte de trás da casa, esperando Kai aparecer para me ouvir e me dar carinho todas as noites.

Era um sonho bom, pois o moreno me fazia bem.

Kai era a minha bateria, sem ele eu não teria forças para continuar no dia seguinte.

Caminhei até meu armário imerso nos meus pensamentos que nem reparei que estava sendo seguido.

Quando abri o armário, duas mãos agarraram minha cintura e uma mordida foi deferida no meu pescoço:

- KYAA! - dei um gritinho bem másculo como puderam ver, não é mesmo? As mãos abraçaram a minha cintura e uma cabeça descansou no meu ombro - Aigoo, Hunnie! Não faz isso, seu besta… eu quase morri.

- Desculpa, Hyung. - ele riu e eu comecei a pegar as coisas do meu armário com ele ainda pendurado em mim - O que vai fazer depois da escola?

- Hum… - fiz uma expressão de dúvida e sorri - Depende para onde você quer me levar, Hunnie. - ri e ele sorriu, me mordendo na bochecha - AÍ! Você tá com fome, menino!? Eu não sou comida!

- Oh! - ele sorriu - Estou com fome sim, Hyung! Para onde você vai me levar? - miserável! Estava me usando!

- Você não presta, Sehun. - murmurei e fechei meu armário

- Eu sei! - me soltou e começou a saltitar ao meu lado - Quero sorvete!

- Aigoo… - ri andando atrás dele e saímos da escola, dando de frente a algumas garotas histéricas - O que é isso? - Sehun bufou

- É um cara que tá parado aí faz umas duas horas. - revirou os olhos - As meninas estão todas bobas só porque ele tem uma moto.

- Que ridículo. - falei rindo e passamos por elas - Vamos log-

- Soo! - uma voz me chamou e eu a reconheceria de todas as formas, pois ela sempre visitava durante meus sonhos.

Olhei para trás e fiquei chocado. Era…

- … Kai… - falei quase como um sussurro

Kai.

O mesmo Kai que me visitava durante dez anos durante meu sono.

O mesmo Kai que falou que ia me amar e que já me amava quando tinha apenas sete anos.

O mesmo Kai que era apenas um sonho.

… O mesmo Kai que eu tinha me apaixonado ao longo dos anos.

- Soo! - ele correu até mim e tive que prender a respiração para controla-la - Eu estava te esperando! - sorriu. Aquele sorri devia ser proibido! Ele matava pessoas!

- Me esperando? - franzi o cenho confuso e ele deu uma risadinha, socorro

- "Consegui vir mais uma vez para a Terra."- sussurrou e acabei sorrindo, "Então nunca foi um sonho…" - Vim só por você... - sorriu doce

- Para onde vai me levar? - sorri também e vi seu rosto ficar radiante

- Aonde você quiser, Soo. - ele era bem mais bonito pessoalmente

- Que tal você me explicar o que está acontecendo aqui, Hyung? - Hunnie me cutucou e eu finalmente lembrei dele ali - Espero que não tenha esquecido de mim… - ele franziu o cenho e acabei rindo, pois era exatamente isso que tinha acontecido

- Sehunnie, minha portinha. - ele me olhou bravo e eu sorri - Eu vou sair com o Kai e você chama o Lu para te buscar. - ele me olhou indignado - Se for me falar que não dá porque o Baek tá lá, já vou avisando que o Channy tá indo também.

- VOCÊ FALOU PARA ELE!? - ele gritou e fechei os olhos contando até onze para não matar meu nenênzinho

- Só passei o endereço, o resto ele faz por si só. - suspirei - Tire o Lu Hyung de casa para ele se resolver com o Chan. Aproveita e pede um sorvete! Ele não vai negar um agrado para sua cara de portinha.

Sorri e ele fez bico. Nessas horas Sehun é um neném, pois faz birra e fica pedindo dengo. Sei bem que ele tem uns problemas de convivência com o Lu Han Hyung, mas sei também que aquilo é amor reprimido. Ele parecia mais agitado agora do que antes para tomar esse sorvete.

Olhei para Kai e ele sorriu. Sorriu de forma que eu só faltei cair no chão, porque aquilo pareceu um tiro.

Ele me conduziu até a moto dele e dirigiu para longe…

E foi dessa maneira que aquele homem me mostrou as estrelas.


Notas Finais


😊😊
Vai ter mais quatro cap, sendo 2 especiais e o último que é o fofo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...