História Senhor Destino - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 19
Palavras 2.768
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 2 - Capítulo II


Acordei sentindo alguém afagar meus cabelos, abri os olhos e olhos verdes me encaravam. Felipe estava sentado no chão ao meu lado.

_Me desculpa! – Sussurrou e beijou minha testa.

_Tudo bem. – Disse baixinho.

_Já está na hora de ir pro colégio, se arrume e venha tomar café. – Disse se levantando.

_Ok. – E saiu.

Me arrumei, peguei a mochila e fui para a cozinha.

_Bom dia mãe, bom dia pai! – Dei um abraço em Mirian e Horlando beijou minha bochecha.

_Bom dia querida! – Tomamos café em paz e em silêncio. – Não querem que eu leve vocês para o colégio? – Perguntou Horlando quando estávamos saindo.

_Não precisa pai. Até o almoço! – Disse Felipe.

_Até!

Felipe estacionou a moto e descemos, ele passou o braço sobre meus ombros e fomos para as mesinhas que era um tipo de praça que tinha dentro do colégio, sempre íamos para lá esperar os outros.

_Bom dia pessoal! – Exclamei quando vi que todos já estavam lá.

_Bom dia! - May respondeu com um sorriso, havia feito uma trança embutida no cabelo, estava linda como sempre.

_Vejo que a Bela Adormecida resolveu despertar hoje! – Lucas brincou, estava com um pé na cadeira e uma mão apoiada na perna.

_Engraçadinho! – Disse antes de me sentar.

_Guilherme. – Felipe disse com uma voz incrivelmente grossa, ainda em pé.

_Sim? – Guilherme olhou para Felipe.

_Posso falar com você?

_Claro. – E se levantou seguindo Felipe, lancei um olhar para Felipe que significava “não faça nada de errado” e ele ignorou.

*

Felipe levou Guilherme para uma sala vazia e fechou a porta.

_O que você quer? – Guilherme perguntou numa boa. Mas Felipe simplesmente ergueu a mão e acertou um soco no rosto de Guilherme. – O que aconteceu Felipe? – Guilherme perguntou meio alterado com a mão onde tinha levado o soco.

_O que aconteceu? – Desdenhou. – O que aconteceu foi que você transou com a minha irmã, seu desgraçado! – Ele foi para dar outro soco em Guilherme mais dessa vez Guilherme foi mais rápido, segurou a mão de Felipe antes que ela se chocasse contra seu rosto.

_Ela é sua irmã, não sua namorada! E além do mais não foi uma decisão só minha, ela também quis, então para de bancar o irmão super protetor e vê se entende que ela faz o ela quiser com quem ela quiser! – Disse Guilherme meio alterado e o outro lhe deu um soco na barriga e os dois começaram a briga.

Guilherme jogou Felipe no chão e começou a socar o rosto dele, de repente Guilherme fica no chão e Felipe se levanta começando a chuta-lo. Então Guilherme se levanta e empurra Felipe sobre umas carteiras e a briga vai se intensificando até que Isabela entra.

_O QUE ESTÁ CONTECENDO AQUI? – Ela diz exaltada. Os dois param e ficam frente a frente encarando o outro cheio de raiva e ambos com ferimentos no rosto, Isabela fica no meio dos dois. – Será que dá pra parar com essa briga idiota? – Perguntou olhando de um para o outro. – Vocês dois são importantes para mim e mais vocês são amigos, sempre foram. Porque estão brigando?

_Porque o seu irmão não aceita que você já está grandinha o bastante para tomar decisões na vida. – Alfinetou Guilherme, ainda olhando para Felipe.

_Não me provoque! – Diz Felipe nervoso.

_Hã, desculpa atrapalhar alguma coisa mais a professora está entrando na sala, não querem ganhar uma advertência no meio do ano, querem? – Disse May entrando na sala.

_Estamos indo May! – Disse Bela e May foi embora. –Essa briga não tem lógica, se entendam logo e parem com essa criancice! – Disse antes de sair da sala.

*

Eu não acreditava no que eu tinha visto, Guilherme e Felipe brigando? Não consegui me concentrar na aula, os dois sentaram longe um do outro e eu fiquei atrás de May como sempre ficava. Meu peito doía, meu corpo estava cansado e só queriam deitar e minha mente estava a mil. Me doía mais saber que a razão da briga era eu, os dois eram tão amigos não podiam ficar brigados.

_Isabela e Guilherme, o trabalho por favor! – Peguei a redação que havia feito e Guilherme pegou o desenho, por causa daquele bendito trabalho aconteceu algo que não devia e agora duas pessoas que eu amo estão em “guerra”. – Muito bem, linda letra Isabela! – Elogiou a professora.

_Obrigada!

O sinal do intervalo bateu e eu sai com May, fomos para a nossa mesinha. Guilherme ficou em outra me encarando e Felipe ficou em outra conversando com Lucas e olhando para mim de minuto a minuto.

_O que aconteceu entre você, Guilherme e Felipe? – May perguntou baixinho.

_Muita coisa, vai lá em casa hoje umas duas horas e vamos dar uma volta, precisamos conversar.

_Ok, vamos aproveitar nosso último ano sem trabalhar. – Brincou.

O resto da manhã foi do mesmo jeito, mas quando estava saindo para encontrar Felipe para irmos embora Guilherme me chamou.

_Bela! – Gritou no meio do bolo de aluno, eu parei e me virei. – O que acha de a gente sair amanhã? Podemos andar de jet-ski, chupar sorvete, ir no BoB’s. O que acha?

_Ok, mas com uma condição! - Ele sorriu.

_Lá vem...

_Você vai ter que experimentar sorvete de açaí, é sério, você não sabe o que está perdendo! – Brinquei.

_Ok senhorita, vou experimentar isso, vemos o horário amanhã.

_Ok. – E me deu um abraço para depois ir embora.

Segui meu caminho e encontrei Felipe já montado na moto, me esperando.

_Porque demorou tanto? – Perguntou numa boa.

_Conversei com Guilherme. – Disse pondo o capacete e montando na moto.

_Hum, e o que ele queria? – Felipe com ciúmes era novidade para mim.

_Ele me convidou para dar um passeio amanhã. – Deu partida na moto e saímos do colégio.

_E você vai?

_Sim...

_Hum...

O resto da viagem foi só silêncio. Chegamos em casa e Felipe não falou muito comigo, mal chegou e foi para o quarto, ele com certeza havia ficado enciumado por eu ter aceitado o convite de Guilherme. Eu me troquei e fiquei na sala encarando a TV até May chegar.

_Então você transou com Guilherme e Felipe ficou puto? – Perguntou May assim que contei a história. – Você é tapada ou o quê? – Ela me olhou incrédula. – Felipe gosta de você! Ou você acha que isso é ciuminho de irmão? É claro que não! Você está no tão temido “triângulo amoroso” e vai ter que escolher entre os dois.

_May, eu não posso, eu amo os dois e eles são amigos. – Retruquei.

_Eram amigos Bela, eram. Vamos sentar um pouco. – Sentamos num banquinho de frente para o mar. – Vamos simplificar, feche os olhos! – Mandou, lancei lhe um olhar e ela ignorou – Anda logo! Agora pense, qual dos dois é o Aspen?

_Você tá zuando né? – Olhei para ela incrédula, ela não podia estar querendo comparar minha vida com a de uma protagonista de um livro, uma fantasia! A minha vida era real.

_O que? Você ama essa trilogia ok? E isso vai te dar as respostas, feche os olhos. – Fechei-os novamente. – Pense no seu Aspen e no seu Maxon, quem é quem?

_Eu... Eu não sei May. – Disse de cabeça baixa e ela afagou meus cabelos.

_Tudo bem, desculpe, só queria levantar seu astral. – Ela disse e eu a abracei e ficamos assim por um bom tempo. – Quer um conselho de irmã mais velha?

_Você só é três meses mais velha que eu!

_Mais mesmo assim eu sou mais velha. Meu conselho é que você tente conviver com eles, passe um tempo com Felipe e com Guilherme, saia com eles e quando souber quem é o mais amado escolha. – Disse ainda afagando os meus cabelos.

_Todos são queridos... – Comecei.

_Só lhe resta saber quem é o mais querido! – Dissemos juntas, era uma citação de A Seleçao que nós duas amava.

_Mudando de assunto, quando você vai deixar de mimimi e dizer que está gostando do Lucas?

_Fica quieta Bela, eu não gosto dele! – Defendeu-se.

_Não? No dia do meu aniversário Lucas teve que levar uma certa pessoinha de cavalinho porque essa pessoinha dizia que estava cansada demais. Me engana que eu gosto Mary May! – Provoquei-a.

_Feche a matraca, eu estava cansada! – Disse mais seus olhos dizia outra coisa, eu juntaria esses dois até o fim do ano.

_Uhum, sei!

Ficamos mais um tempo lá e depois fomos para nossas casas, May realmente era minha irmã mais velha. Tudo que acontecia comigo eu lhe contava e lhe pedia conselhos e ela também, nosso laço era forte e nada poderia quebra-lo.

Cheguei em casa eram quase cinco horas da tarde, Mirian não trabalhava desde que casou com Horlando. Antes ela era contadora e era ela quem paga as contas, organiza o dinheiro e essas coisas. Quando cheguei ela estava mexendo nas papeladas na varanda, disse um oi e fui ver onde Felipe estava.

Encontrei-o no quarto assistindo TV e comendo brigadeiro.

_Bonito, que bonito. Comendo brigadeiro sem mim? Considero isso um insulto a minha pessoa! – Brinquei e ele riu.

_Eu não te achei, não estava em seu quarto. Aonde estava?

_Fui dar uma volta com May. Estou toda suada, vou tomar um banho e já venho. – O fiz e voltei ao quarto de Felipe, já com o meu pijama de joaninha.

_Já de pijama?

_Claro! – Ele estava assistindo a primeira temporada de Gossip Girl. – Gossip Girl? Sério?

_Qual o problema? Nunca esteve nessa fase? – Brincou.

_Ok Ok, admito que já estive nessa fase, e essa série até que é legal!

Assistimos dois episódios antes dele desligar a TV e me encarar, já estava de noite.

_O que foi? – Perguntei.

_É que no próximo final de semana eu vou na casa da minha mãe, em Curitiba. Quer ir comigo? Desde quando você foi lá no ano passado ela vive me enchendo o saco para te levar de novo, ela gosta de você! – Disse, e eu gostava muito dela. A mãe dele era um amor de pessoa, loira, de olhos castanhos e perfeita. E era obvio que eu iria de novo lá.

_É claro, eu gosto muito da sua mãe!

_Certo, bom acho melhor dormimos. Boa noite Bela! – Ele beijou minha testa.

_Boa noite! – Beijei-lhe as mãos para depois ir para o meu quarto e capotar na cama.

No outro dia Mirian veio me acordar, achei estranho pois sempre era Felipe que vinha. Ele arreganhava as cortinas e começava a gritar “Vamos, Bela, cê vai se atrasar, vamo, vamo, vamo! ”.

Tomamos café juntos como sempre e depois eu e Felipe fomos para o colégio, eu fiquei com May, Guilherme estava com Lucas e Felipe ficou sozinho, sentado em uma mesa olhando os outros indo e vindo, seus cabelos loiros estavam mais longos e mais lindos. Os olhos dele estavam opacos, ele estava infeliz, estava triste, era novidade para mim vê-lo triste. O Felipe sorridente e brincalhão havia sumido, eu havia exilado aquele Felipe e isso era a última coisa que eu queria.

_Eu vou ver o que Felipe tem. – Disse a May, ela estava conversando sobre roupa com Leticia e nem notou quando eu sai. – Oi! – Disse a Felipe sentando a seu lado.

_Oi! – Seus olhos brilharam ao me ver o que me fez sorrir igual uma idiota.

_Porque está aqui sozinho? Não estou te reconhecendo mais, você era tão sorridente. – Comentei.

_Eu não sei. Estou me sentindo... Sozinho. – Ele olhou para mim e era verdade, Lucas era amigo de Guilherme e Felipe mais não era a mesma coisa, e eu que era irmã dele o estava abandonando.

_Desculpa, eu tenho te deixado sozinho nesses dias.

_Não tem problema Bela, entendo você. – Pausa – Vamos dar uma volta! – Ele se levantou e me estendeu a mão que a peguei de imediato.

_Quais são seus planos para depois do colégio? Te perguntei isso quando tinha quinze anos e você disse que faria faculdade de advocacia. – Ele disse.

_Advocacia dá dinheiro mais deve dá também muita dor de cabeça, então não. Bem, eu não sei se é uma boa ideia mais eu queria fazer um curso para ser fotografa, é algo que eu amo e dá um dinheiro bom.

_Você tem que fazer esse curso! Sério, você arrasa nas fotos, tem um talento incrível! – Elogiou-me.

_Obrigada! – Agradeci meio vermelha, fico toda sem graça quando alguém me elogia. – Bela eu, pedi desculpas para Guilherme ontem, hoje quando chegamos e você foi com May a gente se cumprimentou e nos falamos um pouco. – Ele disse de cabeça baixa.

_Sério? Então vocês estão numa boa? – Perguntei feliz por eles terem esquecido essa história de escolher.

_Mais ou menos, mais acho que logo estaremos nos falando. – Ele deu sorriso tímido.

_Que bom Feh, você não sabe como essa notícia é boa pra mim. – Dei um abraço nele e o sinal bateu. -Vamos logo antes que aquela professora chata nos deixe para fora!

_É a professora Marli hoje? Ah, não. – Reclamou ele e eu dei risada.

As aulas passaram lentamente, tivemos uma aula com a Marli e duas de história, ela deu um trabalho muito importante e poucas pessoas conseguiram terminar. Quando bateu o sinal eu terminei e Felipe terminou logo depois, os outros já haviam saído. Andamos juntos até as mesinhas onde todos nós ficávamos, May, Lucas e Guilherme já estavam lá. No começo teve um clima meio tenso, Felipe sentou do meu lado e colocou o braço por trás dos meus ombros como fazia as vezes, Guilherme olhava para o nada, Lucas estava sentado de frente para May.

_A gente podia ir na praia amanhã depois do colégio, o que acham? – Perguntei.

_É uma boa ideia. – Disse May.

_Fechou então. – Afirmei.

_Então, vocês estão sabendo da festa que vai ter na casa do Alex Muller? – Perguntou Lucas.

_Vamos? – Perguntei.

_Precisamos de convite e o Alex é do time de futebol, não irá nos convidar. – Disse Felipe.

_Ele é do time de futebol mais ele não brigou com vocês naquele dia. – May disse e olhou para mim com aquele olhar de “você sabe como conseguir o convite”.

_Está pensando no que eu estou pensando? – Perguntei a May devolvendo o mesmo olhar.

 _Eu fico aqui, você vai lá! – Sorri para ela e levantei.

_Estou bem assim? – Perguntei olhando para minha roupa, tênis All Star preto, calça jeans rasgada nos joelhos, camisa azul xadrez e os cabelos pretos até metade das costas solto.

_Com esses olhos meu amor você conquista qualquer um! – Incentivou May.

_Você vai seduzir um deles? – Perguntou Guilherme sorrindo.

_Precisamos de cinco convites meu amor e eles não caem do céu! – Respondeu May por mim. Eu andei em direção a mesa dos jogadores, sentia meus amigos me observarem.

_Eai pessoal? – Disse quando estava perto e todos olharam para mim.

_Eai gata? – Disse um garoto musculoso e gato que me puxou fazendo eu me sentar em seu colo, o reconheci como Pedro Torres, o melhor amigo de Alex Muller.

_Eai, o que vai fazer sábado à noite? – Perguntei na maior “inocência”.

_Vou na festa do meu amigo ali! – Ele apontou para outro garoto musculoso e gato, Alex. – Quer ir também princesa? – Perguntou beijando meu pescoço.

_Eu adoraria mais para isso preciso de um pretexto para sair de casa, se você convidasse meus amigos eu conseguiria! – Fiz cara de bebê querendo chupeta.

_Quem são seus amigos?

_Eles! – Apontei para a mesa em que meus amigos estavam. – Sei que vocês não gostam muito deles mais se eles não forem eu também não vou, cuidarei para que eles não arrumem encrenca! – Prometi.

_Você cuidará de mim princesa! – Disse Pedro maliciosamente.

_Então tá legal, te vejo no sábado à noite! – Dei-lhe um selinho para depois levantar.

_Pegue! – Disse Alex me entregando cinco pulseiras transparentes. – Para entrar você precisará disso!

_Obrigada Alex! – Peguei-as e sorri. Caminhei até minha mesa e quando cheguei lá distribui as pulseiras. – Consegui! – Disse alegre.

_Arrasou! – Elogiou May.

_Verdade, precisava ganhar o prêmio no Melhores do Ano que passa no Domingão como Atriz Coadjuvante! – Disse Lucas.

_Mandou ver! – Disse Guilherme e batemos as mãos.

_Pelo menos o esforço valeu a pena! – Disse Felipe guardando sua pulseira no bolso da calça jeans. Logo bate o sinal. – Vamos para a sala pessoal, assistir a aula da professora Demônio, vulgo Marli!

_Tá mais para demônio.

As aulas passaram rápido, saímos da sala e fomos para o estacionamento, Lucas e May foram para a casa a pé pois moravam perto (o que facilitaria meu plano de juntar os dois até o fim do ano).

_Até amanhã cara! – Disse Guilherme batendo na mão de Felipe.

_Até amanhã!

_Bela, te pego hoje as cinco pode ser?

_Claro! – Dei-lhe um abraço, ele montou na moto e foi embora.

Peguei o capacete na mão de Felipe, montei na moto e fomos embora.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...