História Senhorita Haruno - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Karin, Kizashi Haruno, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Tsunade Senju
Tags Amor, Boate, Drogas, Romance, Sasusaku
Exibições 269
Palavras 2.975
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Iaeeew.
Bom o combinado foi postar de mês em mês, porém estou praticamente sem net na vida! Eu ia postar de boa já estava pronto foi quando uma chuva de coisas caiu em cima de mim e eu não pude postar bom... Espero q entendam e muito obg as novas leitoras❤❤❤❤ e as antigas tbm ❤❤❤❤ BOA LEITURA!!!!👑👑👑

Capítulo 18 - O outro lado do uchiha.


-------------BOATE THE KILLER---------

Não sabia ao certo a quão danificada sua integridade estava naquele momento, porém mesmo com tamanha ira em que se mantenha sabia que o necessário era revidar para que seu coração se acalmasse. Caminhavam diretas pelos corredores de dormitórios do bordel, onde várias mulheres a observava sobre ombros, olhares de curiosos a debochados com sorrisos sarcásticos e previsíveis, até porque, várias que ali estavam sabiam que Karin era uma das cabeças chaves daquele lugar. A ruiva apenas prosseguia destemida sendo acompanhada pelos seguranças de seu pai até seu escritório no andar de cima. Era um longo trajeto pelas luzes neon vermelha e azul até se deparar com uma porta enorme de madeira de fechaduras douradas com puro ouro. Displicência rara de seu pai notar detalhes tão minuciosos... Porém dava-lhe um ar de cafetão de luxo.

_Olá papai! Abriu as portas em um solavanco exasperado.

_Eu estava a sua espera meu pequeno lírio. Jiraya estava de costas para a grande varanda de vidro sentado sobre sua gloriosa poltrona.

_Precisava desta recepção tão calorosa? Karin caminhava em direção ao pai alisando os lábios cortados deixando escancarada a porta. Os seguranças observavam a agressividade da moça com certa surpresa.

_Anda com a sua guarda muito baixa minha filha. Sentimentos devem ser deixados de lado em zona de perigo... O grisalho por sua vez levantou-se indo a encontro com a ruiva mediana.

_Mais um de seus testes? Isso é crueldade senhor Jiraya! Karin abraçou o pai deixando sua cabeça se afogar no peito largo do homem que apenas a apertou cheirando seus cabelos lisos.
Jiraya a tinha não apenas como uma filha, ela era o sucesso de seus planos o futuro garantido da sua vida... E o mais importante ela era o inalcançável. Investira muito antes em uma magricela e chorona menininha cheia de sardas para que hoje se tornasse uma mulher bipolar egocêntrica e insensível, capaz de realizar tudo o que o pai a pedisse. Mei observava a cena com um grande sorriso nos lábios.

_E então dona Karin resolveu em fim por onde começaremos? Mei chegava junto para o abraço em família sendo logo acolhida pela menina e o homem.

_Sei sim mamãe... E garanto que será a melhor coisa que faremos em nossas vidas... Além de dinheiro a senhora terá tudo o que mais deseja... Mansões, joias, reconhecimento... Já sei bem como destruir a vida daqueles cretinos metidos a mafiosos, e o mais importante... Sei muito bem como acabar com a vida dele...
“Sasuke você não perde por me esperar...”.
------------BOATE THE KILLER---------------

--------Sakura on----
Enfim eu poderia despedir-me da maneira correta das pessoas a quem realmente eu amei em toda a minha vida... Desde a morte de meus pais jamais fui ao cemitério onde foram deixados... Sabia que seria um encontro doloroso, mas, mesmo assim, eu não me sentiria tão vazia como eu estava há todos esses anos. Com algumas economias juntas da boate fui à florista em que eu me lembrava de que minha mãe comprava rosas e flores de cerejeira. Com meus trocados comprei arranjos dignos de minha mãe e meu pai, em que fiz questão que fossem enterrados lado a lado.
Itachi estava sendo realmente bom comigo, talvez nosso trato tivesse algo verdadeiro, entretanto, eu não estava a fim de fazer parte de seu teatro e sim ser a protagonista da minha própria estória e vingança longe dele... Ou “deles” na verdade...  Os dois irmãos me insinuavam cruamente para o erro. O erro em que eu fazia questão de tentar fugir e mesmo assim caia como um cordeiro indefeso...
Enquanto minha mente vagava na noite passada nos braços de nada mais nada menos meu certíssimo e bom futuro cunhado de braços e lábios quentes. Uma doce ilusão para quem nunca soube distinguir nem cores fortes das fracas surgia em minha doce cabecinha desnaturada. Algum centímetro de mim estava meu motorista “particular” que me olhava a cada cinco segundos pelo retrovisor. Realmente Itachi tinha o mando para ficar de olho em mim “literalmente”. Ele nem sorria nem estava sério, sua boca era um linha no horizonte e isso lhe deixava meio que alucinótico... Algo ali naquele carro me incomodava, os olhos daquele homem pairavam para mim, mas não completamente, era uma trajetória irregular.

Eu já podia sentir o cheiro de mato e terra molhada o que indicava que o cemitério estava próximo. Assim que chegamos tratei de pegar algo para limpar o tumulo de meus pais e logo encontrei, sendo interrompida pelo motorista que insistia para que me ajudasse, e eu, como uma boba teimosa é claro que neguei, fazendo-o desistir. E logo caminhei deixando de lado os momentos difíceis daquela semana, me apegando somente em poder ter um tempo com mamãe e papai... A cada passo dado era um peso a mais em meu peito... Lágrimas rolavam e lembranças do enterro de ambos gritavam em minha cabeça. Era a mesma estradinha estreita onde passei de mãos dadas com mamãe para deixar papai ali, e agora era apenas eu... Uma sozinha no mundo sem eles. Minhas lágrimas molhavam minhas pernas me dando calafrios por conta do vento gélido do fim do outono. E ali estava de frente a mim, duas lápides tão velhas e simples que rachavam com o tempo e o desgaste do sol e da chuva.

“Kisame Haruno” e “Mebuki Haruno”
~Saudades eternas~

Minhas pernas tremiam, minha garganta ardia... Comecei jogando um pouco de água para tiras as folhas e a poeira seguida pelo pano em que meus dedos esfregavam com certa agonia. Meu vestido agora sujo e molhado meus olhos inchados e minhas pernas arranhadas pelo choque contra os pequenos matinhos que ali nascia apenas me mostravam o quão difícil era estar longe de quem agente mais ama...

Tanto que nem frio nem arranhões eram superados a minha dor. Delicadamente coloquei sobre cada um suas flores. Para papai rosa vermelhas e mamãe flores de cereja. Tudo conforme seus gostos... Permaneci assim por um longo silêncio reconfortante, o silêncio da calmaria que meu peito estava tendo. Eu agarrava a terra com minhas unhas como seu eu fosse ser arrastada e isso me acalmava... Foi quando senti algo quente macio e completamente reconhecível tocar meus ombros... Era o mesmo cheiro que me entorpecia e me dilacerava...

-----Sakura fora------

.---------.
_Então é aqui que eles foram enterrados? Sasuke se aproximou ficando em pé ao lado da rosada cabisbaixa. Era notória a simplicidade dos túmulos e a falta de cuidado em que eles estavam com certeza faziam-se anos que alguém tinha passado por ali.

_O que está fazendo aqui?

_Sinceramente? Não sei... O homem abaixou-se limpando um pouco da terra dos braços da mulher que tremia de frio _Eu estava de saída quando vi você entrar no carro de Itachi... Pensei que era ele, porém era um dos subordinados e cá estou.

_O que veio fazer aqui? Sakura agora um pouco mais rígida perguntou novamente afastando-se do toque. Seu coração palpitava a cada pequeno toque que aquele homem lhe oferecia.

_Digamos que não é apenas você que possui entes queridos neste cemitério... Sua mente vagava em Konan e posteriormente para aquela ninfa de cabelo rosa, ela lhe afetava de uma forma que era difícil manter o contexto da conversa. Ele se exponha pra ele rapidamente como se uma porta fosse aberta rapidamente em seu peito.

_Pelo que vê estou bem, não preciso de ajuda. Sei chegar a casa tenho meu motorista. Sakura levantou-se evitando contato em seus olhos entregando ao Uchiha seu paletó agora úmido.

_Sei que não foi correto te deixar daquela maneira hoje de manha, mas prometo que não irá mais acontecer... Disse o homem segurando a rosada pelo pulso.

_é claro que não teremos mais nada... Até por que não teremos outros destes encontros sujos... Cuspiu as palavras com ódio para o homem a sua frente que apenas a observou com uma exasperação em seu peito _ Tudo o que eu mais quero é me livrar de você e sua família Sasuke não entende?

_Não devia ter aceitado a proposta dele Sakura... Seu primeiro erro foi esse. Sasuke tentava de a melhor forma acalmá-la e acalmar-se com tantas acusações diretas.

_Meu primeiro erro foi ter aceitado a bebida de Mei e ter transado com você Sasuke...

_Como assim bebida? O moreno caminhou ficando a poucos centímetros dela sendo capaz de sentir seu corpo tremer.

_Ela me deu uma droga para que eu dormisse com você e ferrasse o resto da minha vida... Mas não! Eu já tinha sido comprada há alguns dias por Itachi e estava apenas dançando para ajudar livrar duas meninas de um futuro podre como o meu. Foi quando você apareceu sem ser convidado... Você não entende o que iria acontecer?

_Sakura há quantos anos vivia naquela situação? Sasuke se aproximava cada vez mais percebendo o quão em choque ambos estavam. Ela realmente era forte e não uma inútil como antes a chamara...

_Desde quando meus pais morreram há quatro anos... Agora imagine como é ser obrigada a fazer algo que você não quer todos os dias, sendo assombrada pela imagem de um homem que te perseguia que por fim tinha uma laia pior e ter seu filho arrancado de você... Sakura desabou cambaleando para o lado sendo amparada pelos fortes braços. 

_Ele ainda está vivo? Sasuke sabia que eram dolorosas todas aquelas perguntas, mas ele tinha que fazer aquilo, só a entenderia se ela colocasse sua dor para fora. Sabia da metade da história e queria ouvir resto dos lábios dela...

_Eu... Não sei Sasuke... Após o aborto passei dois dias em estado crítico, perdi muito sangue e não sei por que não morri... Tudo tinha sido mais fácil com minha morte. Seu corpo se desequilibrava cada vez mais e ele a segurava firme olhando em seus olhos agora vermelhos de tanto chorar. _Só o que me disseram que era um menininho saudável, porém prematuro, não me importo com nada que me aconteceu... Mas eles tiraram o resto de esperança de mim levando meu filho.

_Minha pequena... Sasuke a abraçou fortemente a levantando no ar. Tentava preencher o vazio de seu coração com coisas demasiadas superficiais como bebida e uma boa noite ao lado de alguma mulher, mas sentiu-se incompleto desde que a conhecera... Nada mais acalmava seus desejos como ela.

Ela era apenas um caixinha de pandora recém-aberta e ele gostava disso. Queria se preencher nas suas amarguras e fazê-la sorria novamente. Uma vontade incontrolável tomava ambos novamente. E o silêncio da mansão dos mortos testemunhava a compaixão e tentavam da forma mais desesperadora possível completarem a dor um do outro.

_Por isso que quero que nunca mais faça isso Sasuke... A mulher o apertava com todas suas forças enquanto sibilava contra seus ouvidos _Quero que pare de me procurar para que minha desgraça não seja completa...

_Não posso... Mesmo que eu queira Sakura! Respondeu de imediato. Já não negava o quanto sentia por ela e isso estava claro, não iria desistir dela.
.---------.

A noite na casa do loiro foi muito mais interessante e mais calma do que imaginava ser, seus futuros sogros lhe recebera de braços abertos literalmente. O casal não estava mais que animado por tal feito e junto a Sai e Ino conversavam sobre o futuro tão próximo.

A loira estava mais que animada já que por sorte divina iria morar em paris com o futuro artista. Hinata, porém queria apenas reencontrar sua família e casar com o homem que realmente amava. Por sorte em breve agradeceria ao seu anjo pela tal força que tinha recebido. Jamais esqueceria o que a amiga tinha feito por ela, era tanto que já a considerava a pessoa mais importante depois de sua família... Ela era como uma irmã para a morena e ela faria tudo pela rosada.

-------Alguns dias depois...
A cada dia que passava a data tão esperada chegava... Com 95% dos preparativos do casamento faltavam menos de duas semanas até seu casamento com o Uchiha Itachi. Desde que encontrara Sasuke os dias tinham se tornado menos tenso... Não o via pelos corredores da casa e tão pouco no escritório de Hiashi onde ele deixava a porta aberta.

Era livrador e estranho. Sentia-se como se algo faltasse, como se uma parte do seu ser tivesse sido negada a ela mesma... Estava com saudades de Itachi e ao mesmo tempo não parava de pensar nas palavras sujas que Sasuke lhe dizia nos seus encontros “casuais”. Ajudava Mikoto com os assuntos das empresas, eram trabalhos que só mulheres podiam realizar dizia ela. Mas não passavam do que ela já estava acostumada a vivenciar...

Nós mulheres éramos encarregadas de seduzir compradores de ações para roubar seus bilhões e ganhar joias... Ora eram apenas jantares formais aonde íamos ao lugar de nossos maridos pela falta de tempo dos mesmos ou descaradamente criavam-se “casos” o local mais apropriado era o motel. Eram muitas informações a serem processadas e muita falta de tempo para pensar, quando vi já estava em meio ao caos.

Sakura terminava de ser arrumar enquanto esperava ansiosa a chegada de Itachi... Estava nervosa e eufórica, o que usar? Será que ele gosta desta cor de vestido? Varias perguntas se formavam, e o que ela queria era apenas agradá-lo, a promessa era ficar fora por alguns dias e sua demora já eram três semanas fora de casa. Usava um vestido verde pastel colado e uns escarpam cor de pele baixo. Arrumou seus cabelos em um coque refinado e passou um gloss rosa em seus lábios. Olhava-se satisfeita em frente ao espelho sua silhueta agora mais definida. Estava mais esbelta e suas curvas eram notórias com mais diversidade.

Foi quando ouviu os portões abrirem-se e a mesma correu em direção a janela para confirmar as batidas aceleradas de seu peito. E lá vinha seu carro... Não demorou muito até atravessar os jardins e já estava saindo se seu carro. Alto e imponente... Olhava boquiaberta a elegância de Itachi. Ele assim que desceu levantou a sua visão até minha janela dando um fino sorriso de canto. Foi de mais para meu pequeno ser, que paralisou com o olhar cheio de segundas intenções... Eu conhecia aquele olhar em qualquer homem da face da terra... Ele estava louco por mim...


Bem vindo de volta senhor Itachi! Respondeu um dos subordinados seus segurando as malas do Uchiha que adentrou a casa apressadamente. A casa estava silenciosa, porém, não por muito tempo pensou o Uchiha que subia os degraus de dois em dois até chegar a seu quarto... A casa já tinha o cheiro dela e isso bastava para o mesmo. Entrou sem hesitar batendo a porta atrás de si encarando uma rosada corada.
_Itachi-Sama... Bem vindo de volta! Sibilou Sakura estática com o olhar sobre ela. Deu dois passos em falso para o lado e logo foi agarrada pelos braços por ele.


Itachi gostava da notória inocência que ela ainda possuía e com isso trancou a porta atrás de si e foi em direção a ela.
Tocaram primeiro seus braços macios colando seu corpo no dele e sentiu a mesma respirar fundo. Não iria nem de longe ser gentil, necessitava de seu toque e não iria ter aos poucos.
_Como foi sua viajem? Tentou diálogo com ele fracassado mente. Sentia seu peito subir e descer de encontro com ele e um calor percorrer seu corpo. Foi quando Itachi desamarrou meu coque soltando meus fios e tocando meu rosto predatoriamente.

_Estou melhor agora Senhorita Haruno! Respondeu-me mordiscando minha orelha e subindo suas mãos até meu pescoço. Ele me olhava como se eu fosse o ser mais curioso do mundo e isso me acalmava... Pouco a pouco ele foi tomando meu corpo e minha consciência dando leves beijos sobre meu colo ate chegar a meus lábios onde enfiou a língua sem pedir permissão.

Cedi desarmada e entregue. Comecei a tirar seu terno em busca do toque de sua pele morena e ele não rejeitou primeiramente desarrumou sua gravata colocando-a em volta do meu pescoço e apertando. Eu conhecia seus fetiches, e como era de se esperar dele ele iria brincar com sua presa... Tirei sua roupa ate ele ficar com sua boxe azul marinho volumosa de excitação. Minhas mãos dançavam pelo seu peito definido foi quando em um o movimento ele rasgou meu vestido em trapos apertando meus glúteos com firmeza arrancando um gemido desesperado de minha boca. Ele apertava cada parte do meu corpo como quem temesse perder algo.

Abaixei-me acariciando seu membro ereto que latejava ao meu toque. Abocanhei de uma vez sentindo o corpo do mesmo se contrair, e quanto mais eu o chupava mais ele movimentava seus quadris sem tirar os olhos de mim. Até que ele não aguentou por muito tempo e me jogou direto na cama contemplando minha nudez... Seus olhos pareciam duas turmalinas negras apaixonantes... Ele continuou com seus beijos selvagens por todo meu corpo estimulando minha intimidade inchada e me levando aos gemidos mais sujos que eu tinha dentro do meu ser. Continuou a me torturam quando de uma vez me penetrou me colocando sentada em seu colo com facilidade.

Seus movimentos eram constantes e ele não parava de me encarar, a essa altura eu estava à loucura, ele sabia usar seu corpo do jeito mais prazeroso o possível.

_Itachi-kun... Sakura chamava por ele desesperadamente o que só aumentava o sorriso nos lábios do Uchiha mais velho. Sakura se movimentava tortuosamente sobre o membro do mesmo que soltava baixos gemidos de satisfação e prazer... Sakura não tinha o show mais caro da noite por pouco...

Ela fazia um bom trabalho na cama! Deitou o corpo do mesmo sobre a cama e começou a mover-se rapidamente à medida que via o sorriso malicioso do mesmo aumentar mais e mais. Sabia que era quase insaciável sua fome por sexo, mas ele merecia tratamento VIP já que tinha sido um homem tão bom para ela...
Continua...


Notas Finais


Eeeitaaa contiuna o secxuu viu gente 😂😂😂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...