História Sense7 | Markson - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7, Sense 8
Personagens BamBam, Capheus, Jackson, JB, Kala Dandekar, Lito Rodriguez, Mark, Nomi Marks, Riley Blue, Sun Bak, Will Gorski, Wolfgang Bogdanow, Youngjae, Yugyeom
Tags Bambam, Got7, Jackson, Mark, Markson, Yaoi
Exibições 42
Palavras 873
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Super Power, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Agora que essa pussy vai andar nos trilhos, amém

Alguém já viu a série Sense8?

Se não, vejam, é muito boa

Mas para não ficarem confusos, é o seguinte: Oito pessoas possuem um poder em comum, que é poder sentir as mesmas coisas, ver as mesmas coisas e estar no lugar que certa pessoa está, ou até mesmo trocar de lugar com ela e é isso que vai acontecer nesse capítulo.

Só não espero que fique confuso para vocês, mas aqui vai uma breve explicação dos personagens caso ainda não tenham entendido:

Jackson é o estudante, ligado a Mark
Mark é o que mais sofre, o mesmo é ligado a Jackson

Choi e Bambam (Bambam que usa o colar, e sempre que eu mencionar isso, será ele) são irmãos e são ligados ao presidiário, que é o Yugyeom e ele praticamente usará macacão laranja a fanfic inteira e sempre que eu mencionar isso, vai ser ele.

Já Jaebum, é o azarado da vida que é ligado ao ricasso Jin que praticamente também só usará roupas sociais e termos a fanfic toda, e sempre que eu mencionar tal coisa será ele.

Entenderam os personagens? Ótimo, espero que não fiquem confusos

PS: Todos são ligados, mas os casais são os principais

Todos moram em países diferentes, exceto os irmãos

Capítulo 4 - 0.4 - You promise?


Jackson P.O.V

Naquele mesmo dia, depois da aula de Educação Física, minha mente nublou e eu senti que ia desmaiar. O sentimento de dor que eu senti de Mark apenas aumentou para algo mais do que apenas angústia, era uma mistura de ansiedade e medo.

Parecia que meu corpo todo estava respondendo a chamados involuntários e o pior, eu sentia uma angústia incessante no peito e dores pouco fracas na área do pulso, pescoço, coxa e... Bunda.

Não demorou muito para que Jimin, meu melhor amigo, viesse até mim, pois eu já sentia-me suando e agonizando cada vez mais.

Que sentimento é esse?! Me perguntava.

- Você está bem? - Jimin pegou em meus ombros, pois eu já estava dando indícios de que iria cair a qualquer momento. - Vem, vou te levar na enfermaria. - Disse ele, apoiando meu braço em seu ombro e caminhamos até a enfermaria. 

Assim que cheguei lá, não demorou muito para eu estar deitado sobre uma das camas brancas e pouco confortáveis. 

A enfermeira me deixou sozinho para que ela pudesse pegar algum remédio, pois achava que meu mal era ânsia de vomito e crise de ansiedade, mas era pior que isso.

- Você também está sentindo isso? - Olhei para o lado e vi um cara, de macacão laranja e que certamente era um presidiário, esse que, descascava um pedaço de madeira com uma lâmina.

- Está ficando cada vez pior. - Outro disse, esse que usava terno e seu cabelo era totalmente arrumado.

- Ele está pedindo ajuda! - Um que possuía um colar de uma pedra brilhante, disse. 

Quando pisquei duas vezes, meu olhar caiu sobre o quarto de Mark, mas eu não conseguia gritar, pois uma mão tapava minha boca e outra apertava minha bunda fortemente.

- Calma, princesa, vamos nos divertir muito hoje, entendeu? - O mesmo cara, bem mais velho que Mark, disse no pé de meu ouvido. - Finalmente poderei ter o que tanto quero. - Ânsia, isso o que eu senti agora.

Era como se eu tivesse trocado de lugar com Mark, e realmente troquei, pois o mesmo observava tudo em um canto do quarto assim como os outros cinco que eu nunca tinha visto.

O homem tirou a mão de minha boca e nesse exato momento, ele atacou meu pescoço. Ele segurava meus pulsos fortemente, achando que isso me tornaria mais entregue pois a dor me impediria de fazer algo, já que Mark cortava os pulsos, mas eu não.

- M-me solta! - Eu disse, tomando a voz de Mark como minha.

- Ou o que? Vai me agredir? - Ele riu conta meu pescoço, e eu podia sentir seu lábio começar a sugar a pele de meu pescoço.

- E-eu não... - Eu falei, ainda no lugar de Mark. - Mas eu sim. - O presidiário disse, tomando o lugar na posição de Mark no mesmo intanste.

Mark não tinha aquela força, mas aquele cara tinha. 

Com as duas mãos, puxou o pulso daquele professor e apertou fortemente, jogando-o contra a parede e apertando seus corpos.

- Gosta de foder gente indefesa, é? - Ele riu. - Vamos ver se vai conseguir foder alguém depois disso. - Ele disse, acertando uma joelhada em sua parte íntima, fazendo-o abaixar-se de dor rapidamente.

Foram exatos cinco joelhadas em sua barriga, seguidas de dois socos no rosto e assim que ele caiu no chão, um chute bem forte em seu rosto.

- Da próxima eu não uso camisinha, putinha. - O de laranja disse, cuspindo em seu rosto.

Em um piscar de olhos estavam apenas Mark, eu e o homem - que apanhou muito, e merecia mais - no chão do quarto. Mark tinha parado de chorar, mas ainda estava um pouco assustado com tudo e eu não o julgava, ele tinha motivos para isso e agora eu sei o porquê dele se cortar.

Ele é abusado por um professor particular vai saber lá quanto tempo, e eu sei que não é só isso, eu sinto que não!

- Mark, você está bem?! - Fui até ele, abraçando-o fortemente contra mim. - Oh Deus, nunca mais me mande embora se um homem desses aparecer, você ficou louco?! - Suspirei alto.

- P-por favor, não deixe ele me pegar! - Mark sussurrou contra meu ouvido, apertando-me mais forte ainda.

Assim que nos viramos, o homem não estava mais no quarto e uma trilha de pequenas gostas de sangue se fizeram presente no carpete até a porta, e isso me fez pensar: como ele ainda tinha forças para andar?

Ignorei meus pensamentos e tranquei a porta, em seguida, apaguei a luz aproveitando que o dia se acabava naquele país, mas no meu apenas começava pois ainda era de manhã.

- Eu não vou sair daqui... Estou na enfermaria e não vou sair daqui tão cedo. - Sussurrei para ele, obtendo uma risada baixa.

- Até a enfermaria na sua escola é legal, me pergunto se seria assim se eu estudasse em uma escola... - Mark se levantou, pegando minha mão e me levando para sua cama.

Ele se deitou primeiro e logo me deitei atrás de si, abraçando sua cintura e trazendo suas costas para meu abdômen.

- Quando eu acordar, você ainda vai estar aqui? - Ele perguntou, sussurrando.

- Sim, eu vou. - Respondi na mesma altura de sua voz.

- Promete? - Ele fechou os olhos, respirando fundo.

- Prometo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...