História Sentimentos Destrutivos - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Ikki de Fênix, Saori Kido (Athena), Shaka de Virgem, Shun de Andrômeda
Tags Afrodite De Peixes, Afrodite X Shun, Drama, Gravidez, Incesto, Shun de andromeda, Violencia
Visualizações 112
Palavras 5.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meus queridos leitores!
Esse capítulo vai quebrar um pouco a calmaria, se preparem para fortes emoções.
Espero que gostem e tenham uma boa leitura.
Obs. Leiam as notas finais.

Capítulo 11 - Instinto paterno


Fanfic / Fanfiction Sentimentos Destrutivos - Capítulo 11 - Instinto paterno

Assim mais algum tempo se passou e os gêmeos conseguiram várias conquistas, estavam com nove meses e já se sentavam sem apoio ou ajuda e estavam craques em segurarem e passarem objetos de uma mão a outra. Não faziam mais tanta sujeira na hora da comida e estavam mastigando bem os alimentos.

Afrodite e Shun conseguiram se adaptar bem ao revezamento para cuidarem dos bebês, no começo foi um pouco difícil para o virginiano que era mais sensível e apegado nos filhos, mas graças ao carinho e apoio de Afrodite, o mais novo conseguira se adaptar bem a nova rotina.

Há poucos dias o casal tivera uma enorme surpresa quando Erick se levantara e começou a dar alguns passinhos desajeitados se apoiando no sofá da sala. Blenda até tentara imitar o irmão, mas não tivera sucesso, suas pernas ainda não estavam fortes para agüentar seu peso.
Shun e Afrodite os incentivavam de forma diferente, mas sempre respeitando o ritmo de cada um deles. Usavam as brincadeiras para estimularem o desenvolvimento deles e estavam tendo bastante sucesso.

- Daqui a pouco ele vai estar andando sozinho. E não vai demorar muito para ser a vez da Blenda.
- Eu digo o mesmo, esses dois estão cada vez mais espertos e arteiros, cada um no seu devido ritmo. Teremos que ter ainda mais cuidado com as portas abertas, o jardim venenoso e a piscina são um perigo mortal pra eles.
- Nós daremos um jeito de bloquear a passagem deles, fora esses detalhes a nossa casa é bastante segura pra eles.
- Depois que você voltar de viagem nós faremos uma inspeção na casa.
- Nem me fale dessa praga, eu não queria ir.
- Shun, nós vamos ficar bem e o Shion precisa muito de você nessa missão.
- Eu sei que você vai cuidar muito bem deles, mas não consigo deixar de me preocupar. Nunca fiquei tanto tempo longe desses pequenos.
- Entendo a sua preocupação, mas teremos que nos acostumar com isso, nem sempre vamos estar juntos cuidando deles.
- Você tem razão, eu estou parecendo um idiota sentimental.
- Não diga isso meu anjo, é normal que se sinta mal tendo que ficar longe deles, mas você vai conseguir superar mais essa prova. Cuidarei muito bem deles, eu prometo.
- Dois dias longe de vocês será uma tortura, mas eu vou agüentar.
- Agora tente relaxar e aproveite o momento.
- Eu estou tentando. Não sei por que, mas sinto um aperto no peito, como se algo ruim fosse acontecer.
- Ah meu anjo, isso deve ser por que essa é a primeira vez que você vai ficar longe deles. Nada ruim vai acontecer, nós vamos ficar bem.

Antes que Shun pudesse responder, Afrodite o beija carinhosamente e depois o abraça forte tentando passar conforto ao mais novo. Naquela noite o casal se amou novamente até ficarem exaustos e caírem em um sono profundo.
Antes do amanhecer, Shun já se sentia melhor e deixa a casa de peixes com um leve sorriso, Seu amado peixinho cuidaria muito bem dos bebês e ficaria tranqüilo, logo estaria de volta.

Algumas horas mais tarde, o sueco é acordado ao sentir o seu celular vibrando. Depois de se espreguiçar demoradamente, se levantou da cama e foi esquentar o leite para os bebês, Shun tinha tirado seu leite e o congelado em alguns potes para que os gêmeos não ficassem sem aquele complemento tão importante.

Assim que esquentara o leite, colocou em dois copos especiais para que esfriasse e pudesse dar aos bebês. Enquanto isso, fez um café da manha bem caprichado para si, pois precisaria de força e energia para treinar a manha inteira na arena.
Shiryu ficaria cuidando dos gêmeos até a hora do almoço, depois ficaria o resto do dia com seus amados filhos.

Quando terminou de comer, ouviu os bebês chorando e foi direto para o quarto levando os copinhos cheios de leite.
Ao chegar no quarto, colocou Erick sentado no confortável divã e lhe deu o copinho cheio de leite. Como o menino já o usava muito bem, não demorou a sugar lentamente seu conteúdo. E o mesmo podia ser dito de Blenda que estava sentada sobre as pernas do sueco e bebia todo o leite com vontade.

Depois que estavam bem alimentados, trocou as fraldas deles e os colocou para dormir novamente, pois ainda estavam com sono.
Assim que já estava pronto para ir a arena, sentiu pelo cosmo Shiryu pedir permissão para entrar na casa, momentos depois encontrou o libriano na sala.

- Bom dia Afrodite, como eles estão?
- Bom dia Shiryu, eles tomaram leite e agora estão dormindo. Mais uma vez obrigado pela sua ajuda.
- Que isso, é sempre um prazer ajudar um amigo. Bem, algum pedido em especial?
- Não, apenas não aceite a visita de certas pessoas quando eu estiver fora. Eles só vão acordar mais tarde e já deixei algumas frutas picadas para o lanche deles. Também deixei algumas orientações escritas sobre a mesa da cozinha e qualquer problema não hesite em me chamar pelo cosmo.
- Pode ficar tranqüilo que cuidarei muito bem dos meus sobrinhos.
- Eu sei, mas como está o seu menino?
- Cada vez maior e mais arteiro, até pensei em trazê-lo, mas isso podia não dar certo.
- Quem sabe outro dia, seria bom eles terem contato com outras crianças além da Ângela.
- É uma boa idéia, um dia combinamos isso.
- Agora eu tenho que ir, tenha uma boa manhã.
- Você também.

Assim que o sueco saiu da casa, o libriano foi até a cozinha dar uma lida nas orientações deixadas pelo loiro. Não vira nada fora do que já estava acostumado, como Afrodite já deixara o lanche e o almoço deles prontos, não teria muito trabalho.
Em seguida pegou seu notebook e foi para a sala, aproveitaria bem aquelas horas que eles estavam dormindo, pois depois não desgrudaria os olhos dos seus sobrinhos.

Um pouco mais tarde na arena, Afrodite estava concentrado em seu treino com Máscara, sabia que seus pequenos estavam sendo muito bem cuidados pelo libriano, então podia treinar sossegado.
Isso surpreendeu um certo grupo de dourados que pensou que o pisciano iria levar uma surra por só pensar nos bebês. Ao mesmo tempo que estavam impressionados, também tiveram uma boa idéia.

- Achei que você não iria conseguir se concentrar.
- O Shiryu também é pai e sei que está cuidando muito bem deles. Então posso dar tudo de mim no treino, farei aquele bando de babacas morderem a língua.
- Sei muito bem pelo que está passando, pra eles é fácil falar, pois não são pais como nós. Mas um dia eu ainda dou o troco neles.
- Também tenho vontade de dizer poucas e boas, mas só perderia o meu tempo.
- Dite, eu não quero mais saber deles. Depois da conversa que ouvi, nem mesmo no Shura eu confio mais.
- Entendo os seus motivos e terei que fazer o mesmo, pois o meu coração aperta toda vez que eles visitam os meus filhos.
- Eu lamento em dizer isso, mas eles só vão até a sua casa por causa do Erick. Mas como você não sai de perto, eles fingem interesse na Blenda. Veja se eles visitam a minha filha, os únicos que fazem isso são os amigos que confiamos.
- Detesto admitir isso, mas você está certo.
- Sei que é uma situação complicada, mas você precisa cortar esse mal pela raiz antes que a sua filha saia machucada.
- Se eles fizerem mal a Blenda, juro que os mato!
- Dite, você precisa pensar nos seus filhos. Nós temos amigos maravilhosos e aqueles babacas não farão falta. Essa situação está acabando com você e o Shun.

O loiro apenas acenou com a cabeça, seu irmãos estava certo, não podia mais sustentar aquela situação, seus filhos não mereciam aquilo. Mas primeiro precisava ter certeza e fingir baixar a guarda, não deixaria que machucassem sua filha, apenas queria ver o que eles fariam pelas suas costas.

Assim boa parte da manhã se passou normalmente, Shiryu adorou brincar com seus sobrinhos que estavam cada vez mais arteiros. Perto da hora do almoço, Erick começara a reclamar de fome, já Blenda não largava os blocos de empilhar e estava sempre tentando fazer algo novo com eles. Então antes que o menino fizesse um berreiro, foi até a cozinha esquentar a sopa que o sueco tinha deixado pronta.

Quando já estava tudo pronto, buscou o menino e o colocou no cadeirão. Não pode deixar de sorrir ao ver Erick devorar aquela sopa com gosto, já tinha percebido que ele era mais comilão que a irmã e atribuiu aquilo ao fato dele ser mais agitado, então era normal que tivesse mais fome e a sentisse mais cedo.

Pouco tempo depois, sentiu a presença de Afrodite que não demorou a encontrá-los na cozinha. Como estava suado e sujo, o sueco apenas pode se aproximar um pouco enquanto ria ao ver Erick devorar a sopa que tinha feito.

- Como foi a manhã de vocês?
- Muito boa, eles são uns anjinhos e estão cada vez mais espertos e ativos. Agora só ele quis almoçar, a Blenda agarrou os blocos e não os largou mais.
- Isso é normal, mas logo ela também vai querer comer. Vou só tomar um banho rápido e já volto para te liberar.
- Não precisa ter pressa, é um prazer ajudar e ficar mais um pouco com esses anjinhos.
- Obrigado Shiryu, mas prefiro não abusar.

Em seguida o pisciano vai para o quarto enquanto o libriano alimentava o menino que repetira mais meio pratinho de sopa.
Assim que Erick estava satisfeito, o limpou com um paninho e depois o levou novamente para a sala onde Blenda brincava com uma bola colorida. Com cuidado colocou o menino perto dela e depois foi para a cozinha lavar a louça que tinha sujado.

Mas quando chegou no local, sentiu alguns cosmos entrarem na casa sem pedirem permissão e foi correndo para a sala, não deixaria ninguém chegar perto dos bebês sem a autorização do pisciano. Momentos depois, um certo grupo de dourados entrou na sala como se estivessem em sua própria casa.

- O que vocês querem aqui? É uma afronta entrar na casa dos outros sem permissão.
- Nós viemos visitar essas gracinhas, e ninguém impediu a nossa entrada.
- Aiolia, vocês avisaram ou pediram permissão ao Afrodite para ver os filhos dele?
- Não, decidimos fazer uma surpresa, pena que ele não está em casa.
- Sinto muito, mas sem a permissão dele eu não posso...

Quando o libriano ia expulsá-los da casa de peixes, Afrodite pede pelo cosmo que permitisse aquela visita, pois não iria demorar. Também pediu para que não contasse que estava na casa, pois queria tirar uma dúvida.
Shiryu entendeu na hora o que o pisciano queria fazer e se preocupou muito, mas acabou aceitando o pedido do sueco.

- Então, vai ficar no nosso caminho?
- Vocês podem brincar com os bebês. Afrodite não está em casa, mas pediu pelo cosmo para que eu deixe vocês brincarem com eles.
- Viu seu intrometido, o peixinho confia em nós.
- Só tome cuidado Kanon, Erick acabou de almoçar.

Em seguida o libriano se afastou do grupo e pode ver eles pegarem os dois bebês, ficaram alguns momentos brincando com os gêmeos fazendo o libriano baixar um pouco a guarda.
Mas assim que perceberam que não estavam mais sendo vigiados, Kanon colocou a menina no cercadinho de qualquer jeito e apenas encostou a portinha.

Então o leonino tirou de uma sacola de pano um belo embrulho e o colocou diante do menino que agarrou a caixa, mas não conseguia rasgar o papel. Para adiantas as coisas o capricorniano abriu o embrulho e depois entregou ao menino o brinquedo que era formado por um dinossauro e várias bolas coloridas de plástico. Assim que o geminiano colocou uma bola na boca do bicho, e esta caiu dentro da barriga dele, uma breve musica ecoou pelo ambiente.
Curioso do jeito que era, Erick pegou uma das bolas e a colocou na boca do dinossauro e ficoi feliz ao ouvir uma música diferente.

- Isso mesmo garotão, trouxemos esse presente só pra você. Vai, coloca outra.
- Ele está cada vez mais parecido com o Dite, vai ser um dourado poderoso.
- Concordo com você Shura. Já a pirralha não vai servir pra nada.
- Mas até que ela é bonitinha Debas.
- Talvez ela ainda seja útil como uma serva.
- Esqueça isso Aiolia, o Dite nunca permitiria isso, mas seria muito bom ter essa menina para nos servir. Sonhar é de graça.
- Falou tudo Debas. Mas do jeito que ela ainda é atrasada, burra e preguiçosa, acho que só vai servir para dama de companhia.
- Eu digo o mesmo que você Shura. Esse garotão é muito melhor que ela, ele já está quase andando e é bem mais ativo e esperto.  Ela está muito atrasada, mas não dá pra esperar muito de uma menina, ainda mais esta sendo burra e preguiçosa.
- Aiolia está certo, mas ao contrário da pirralha, esse garotão tem um grande futuro e será motivo de muito orgulho.

Mas uma coisa que o grupo não contava era que o som do brinquedo fosse chamar a atenção da menina. Blenda engatinhou até a portinha e tentou chamar a atenção deles balbuciando algo incompreensível. Como não teve nenhuma atenção, ela tenta empurrar a porta e depois a puxa e vê que poderia abrir e chegar até seu irmãozinho.

Esperta do jeito que era, Blenda foi puxando a porta até que conseguiu abri-la. O grupo estava tão distraído com Erick que só percebera a fuga da menina quando Aiolia sentiu algo esfregar em si. Todos ficaram surpresos e pasmos ao verem a menina ali.

- Kanon seu babaca, era pra trancar a porta.
- Como eu ia saber que a pirralha ia conseguir abri-la. E não me olhe com essa cara Debas.
- Era só o que faltava, uma chata querendo atenção.

Foi então que eles viram Erick estender uma das esferas para a irmã chamando a menina para brincar. Blenda se aproximou rapidamente e pegou uma das esferas coloridas, coisa que desagradou o grupo.

- Não, esse brinquedo não é seu! Mas que pirralha nojenta e intrometida.

Sem qualquer consideração Kanon tira o brinquedo das mãos dela fazendo a menina dar um grito e depois resmungar. Em seguida Shura a pegou de qualquer jeito e depois a colocou no cercadinho sem nenhum cuidado fazendo a menina chorar ainda mais estranhando aquele tratamento que recebia.

Naquele momento Shiryu entrou na sala e pensou em intervir e expulsar aqueles covardes, mas antes que pudesse fazer algo, o grupo leva um enorme susto ao ouvir uma porta ser bruscamente aberta e o pisciano ir até eles com uma expressão furiosa.

- O que vocês fizeram com a minha filha?!
- Dite, nós...

Mas antes que Shura pudesse dizer mais, ele e os amigos são acertados por uma forte rajada de cosmo que os joga na porte de entrada da casa, mas passou longe do menino e não causou nenhum dano a estrutura da casa. Afrodite aperfeiçoara muito bem aquele ataque.
Erick via tudo com uma expressão surpresa e confusa, já os quatro no chão estavam apavorados com aquela agressividade do sueco, o peixe tão sereno tinha virado um enfurecido tubarão pronto para atacar suas presas sem nenhuma piedade.

A expressão deles era de pavor, nunca tinham visto o pisciano tão furioso e temiam levar uma enorme surra ou serem estrangulados pelas poderosas vinhas. Afrodite tinha uma expressão furiosa que daria medo até em Hades, o grupo tremia de medo enquanto via o loiro se aproximar rapidamente. 

- Afrodite, nós só...
- Nunca mais cheguem perto dos meus filhos! Desapareçam da minha frente seus monstros!

Apavorados pela fúria do pisciano, o grupo sai correndo desesperado da casa de peixes. Já Afrodite corre para ver se sua filha estava ferida, ficou aliviado ao pegá-la no colo e sentir pelo cosmo que ela não estava machucada.
Seu coração doía ao vê-la chorando daquele jeito, a última vez que a tinha visto naquele estado foi quando ela tomara a vacina dos dois meses.

- Calma minha querida, eu estou aqui, ninguém mais vai te fazer mal.
- Me perdoe Afrodite, a culpa é toda minha, eu...
- Não Shiryu, eu sou o culpado por ter aberto essa brecha, mas nunca pensei que eles fossem capazes de maltratar um bebê. Eu...
- Nenhum de nós esperava por isso e foi tudo muito rápido. A Blenda vai ficar bem, não se angustie meu amigo.
- Me dói muito ver que ela pagou pelo meu erro, se eu tivesse sido um pouco mais rápido.
- Dite, há males que vem para o bem. Agora sabemos que eles não prestam e os faremos pagar pelo mal que fizeram.
- Como? Eles vão negar tudo.
- Eu filmei tudo com a minha pequena câmera, não os deixei sozinhos sem algo os vigiando.
- Shiryu você é um gênio, esses monstros terão o que merecem.

Aos poucos Blenda foi se acalmando nos braços do pisciano, Afrodite a abraçava contra seu peito enquanto a ninava de forma suave, não pode deixar de sorrir ao ver a menina mais calma lhe olhando de forma atenta e terna, nunca mais deixaria que alguém fizesse mal a ela.
Foi então que sentiu alguns puxões em sua calça e ao olhar para o chão viu Erick estendendo um brinquedo que não conhecia.

Em seguida o libriano o pegou no colo e novamente o menino estende o brinquedo na direção da irmãzinha e do seu pai. Aquele gesto tão terno fez o pisciano sorrir ainda mais e diminuiu aquele remorso em seu coração.

- Não meu amorzinho, agora não dá pra brincar.
- Acho que ele quer consolar a irmã e brincar com ela. E lindo como já demonstram esse vinculo fraternal.
- Sim, e faremos de tudo para que sejam unidos e não competitivos entre si. Mas que brinquedo é esse?
- Acho que foi trazido por aqueles quatro.
- Então será dado ao orfanato, não quero nada daqueles covardes.
- Também faria o mesmo. Quer que eu o leve?
- Sim, isso já seria uma grande ajuda.
- Tenho certeza que muitas crianças ficarão felizes. Se você quiser, vou agora mesmo mostrar esse vídeo ao Shion.
- Me passe uma cópia, mais tarde eu mesmo irei falar com o Shion. Mas antes verei o que aqueles monstros fizeram com a minha filha. Então não mostre isso a ninguém.
- Isso ficará só entre nós, pode ficar tranqüilo. Você precisa de mais alguma coisa?
- Não, você pode ir. Mais uma vez muito obrigado pela sua ajuda.
- De nada, foi um prazer.

Depois de passar uma cópia do vídeo para o tablet do pisciano, Shiryu deixa a casa de peixes levando consigo o indesejado brinquedo.
Não demorou muito e Blenda adormeceu nos braços do seu pai, então Afrodite a leva para dormir no berço e depois volta para a sala onde brincou um pouco com Erick que não demorou muito a cair no sono e depois também foi levado para o quarto.

Apesar de estar mais calmo, Afrodite ainda sentia muita raiva daqueles quatro, faria eles pagarem muito caro por terem deixado sua filha naquele estado de medo e desespero.
Ao ver aquele vídeo, sentiu seu sangue ferver ao ouvir eles desprezando sua filha e se apavorou ao ver o pouco cuidado que Shura tivera com Blenda quando a pegou e depois a colocou no cercadinho, aquilo poderia ter machucado muito a pequena menina.
Era imperdoável o que eles tinham feito com sua filha, aquilo tinha sido uma enorme brutalidade e estava ainda mais decidido a fazer eles pagarem muito caro por terem maltratado sua filha sem nenhum motivo.  

Em seguida foi para a cozinha esquentar o seu almoço, não queria nem ver quando Shun soubesse daquilo. Assim como ele o virginiano certamente ficaria furioso e jamais perdoaria aqueles quatro.

Depois que terminou de almoçar, foi para seu quarto e sorriu ao ver os gêmeos dormindo serenamente, decidiu aproveitar aquele tempinho e tirar um cochilo, estava cansado do treino e sabia que logo Blenda acordaria com fome, pois não tinha almoçado.
Dormiria um pouco antes dela acordar da soneca, aquele golpe também tinha lhe deixado acabado e aquele cochilo lhes faria muito bem.

Algum tempo depois em um dos cantos da arena, o grupo ainda se recuperava do enorme susto que levaram e também estavam preocupados por terem sido pegos no flagra, pois o pisciano não deixaria aquilo passar em branco.

- Eu pensei que ele ia matar a gente, nunca vi o baiacu tão furioso.
- Digo o mesmo Debas, achei que era o meu fim. Ele nos enganou direitinho e agora estamos ferrados.
- Se acalme Shura, a gente nega tudo e ele não tem como nos acusar sem provas.
- O Kanon está certo, mas foi um enorme susto.
- E bota susto enorme nisso Aiolia, acho que ele só não nos mandou para o hospital por causa dos bebês. Mas o que faremos agora?
- Certamente foi isso Debas, agora temos que esperar a poeira baixar.
- Isso ainda vai dar merda pro nosso lado, temo que esse seja o fim das nossas visitas a aquele menino lindo.
- Não seja pessimista Aiolia, assim que a fúria do baiacu passar, nós fingimos estarmos arrependidos e ele irá nos perdoar.
- Não acredite nisso Kanon, eu conheço muito bem o Afrodite e depois dessa ele nunca vai nos perdoar. Devíamos ter tomado mais cuidado.
- Nós caímos em uma armadilha. E concordo com o Shura, o baiacu nunca mais vai confiar na gente. Tudo isso por culpa daquela menina nojenta.
- Não adianta surtar Aiolia, isso não vai salvar os nossos pescoços.
- Calma Kanon, o máximo que vai nos acontecer é o Shion nos dar um enorme esporro e o baiacu não nos deixar mais ver o menino.
- O Debas está certo, estamos nos preocupando a toa. Agora vamos treinar que a gente ganha mais.

Em seguida o grupo volta mais confiante e tranqüilo para a arena acreditando que não receberiam um grande castigo. Mal sabiam eles que estavam completamente enganados.

Cerca de uma hora mais tarde na casa de peixes, Afrodite acorda ao ouvir sua filha resmungando e vai até ela, Blenda parecia normal e não estava agitada ou angustiada, isso deixou o loiro aliviado pois temia que ela ainda estivesse traumatizada.

Quando a pegou no colo, viu que a fralda já estava quase cheia, com aquela enorme confusão na hora do almoço tinha se esquecido de trocá-los.
Depois de fazer a troca, levou a menina para a cozinha, Blenda ainda resmungava um pouco e sabia muito bem que era fome, pois ela não tinha almoçado.

Para enrolar o estomago dela enquanto fazia um nutritivo mingau, deu a ela alguns pedaços de frutas que foram devorados com gosto.
Para que as propriedades do leite não fossem perdidas, o esquentou e fez a receita em banho-maria. Assim que ficou pronto, colocou a porção em uma tigela e conferiu a temperatura. Como estava no ponto ideal, ofereceu a menina que o comeu com gosto e aos pouquinhos devorou toda a porção que o loiro tinha feito.

- Boa menina, você realmente adora uma boa comida. Como não conseguisse almoçar, farei algo bem caprichado para o seu jantar. Agora que já está alimentada, vamos brincar um pouco.

Depois de limpar o rostinho de sua filha e tirar o babador, o loiro a pega nos braças e vai para a sala onde se senta no chão e a coloca ao seu lado. Depois pegou uma bola bem colorida e a colocou um pouco longe para que Blenda fosse tentar pegá-la.
Momentos depois a bebê vai até o brinquedo, mas quando foi pegá-lo, ele rolou para mais longe enquanto emitia alguns sons agradáveis. 

Afrodite ria de leve enquanto controlava a bola através de um pequeno controle remoto, aquela brincadeira ajudaria a musculatura dele ficar mais forte para que conseguisse andar depois.
Fez a menina dar uma boa volta pela ampla sala e depois guiou a bola até o meio dos brinquedos favoritos dela.

Momentos depois, o sueco vê a bola rolar em sua direção e sorri ao ver o que a pequena castanha queria. A jogou de volta e a bebê fez o mesmo, era uma brincadeira simples, mas muito divertida e prazerosa. 
Mas ao ouvirem algumas vozes a menina fica estática e depois engatinha rapidamente até seu pai e o agarra pelas roupas como se pedisse socorro. Ao ver o medo de sua filha, o sueco a abraça tentando lhe passar segurança.

- Calma minha pequena, eu estou aqui e não vou deixar que te machuquem. Ninguém vai te fazer mal.

Assim que as vozes de Shura e Kanon não foram mais ouvidas, Blenda finalmente relaxou nos braços do loiro. Aquela reação de sua filha, fez Afrodite ter ainda mais vontade de fazer algo que atingisse aqueles quatro em cheio. Seu consolo era saber que Shion e Saori ficariam do seu lado e dariam o merecido castigo a eles.

- Não precisa ter medo, eles já foram embora. Você está segura aqui minha pequena.

Para tirar sua filha daquele estado de alerta, Afrodite pegou um dos brinquedos e a incentivou a brincar consigo. Mas é novamente surpreendido quando a menina se segura em si para tentar ficar em pé, Blenda até consegue o feito por alguns instantes, mas como suas pernas ainda não eram fortes o suficiente acabou caindo sentada.
O pisciano até tentou ajudá-la lhe dando apoio, mas ainda não era a hora dela dar alguns passos com apoio.

- Não fique triste, logo você vai conseguir ficar de pé.

Em seguida o sueco pegou um dos brinquedos e em poucos momentos a menina já estava bastante entretida. Ficou ali brincando com ela até que ouviu Erick chorar, então deixou Blenda brincando na sala e foi até o quarto ver o que seu filho precisava.

Depois de trocar a fralda, o levou até a cozinha onde serviu a ele um creme grosso feito com banana e abacate. Erick o devorou com gosto e depois que já estava satisfeito, Afrodite o levou para a sala e o colocou perto da irmã para que brincassem juntos.
Sentiu pelo cosmo que Shion estava no templo principal e decidiu que era hora de agir, então o chamou pelo cosmo.

- Shion, você poderia vir até a minha casa?
- Sim, mas aconteceu alguma coisa? Sinto uma leve perturbação no seu cosmo.
- Aconteceu sim e foi algo horrível, te explicarei tudo quando chegar.
- Já estou indo.

Enquanto Shion não chegava, Afrodite ficou observando os gêmeos brincarem juntos, faria o que estivesse ao seu alcance para que mais ninguém fizesse mal a sua filha.
Não demorou muito e Shion os encontrou ali na sala, o ariano tinha uma expressão preocupada e intrigada.

- Afrodite, está tudo bem aqui?
- Agora sim, mas esse assunto é muito sério e revoltante.
- Mas o que aconteceu? Sabe que pode confiar em mim para o que precisar conversar.
- Shion, alguns dourados estiveram aqui e maltrataram a minha filha.
- O que?! Mas isso é...
- Sei que isso é chocante e difícil de acreditar, mas foi o que aconteceu.
- Quem foi o covarde que maltratou a sua filha?
- É melhor que você veja com os seus próprios olhos.

Em seguida o pisciano entrega seu tablet ao ariano, Shion fica chocado ao ver aquele vídeo e a forma machista e bruta que eles trataram a pequena Blenda, aquilo era inaceitável e não poderia ficar impune.

- Dite, isso foi uma enorme crueldade, eles não podiam ter feito isso com a Blenda.
- Eu já sabia que eles a discriminavam, mas nunca imaginei que fossem chegar a esse ponto.
- Isso não ficará impune, o que eles fizeram foi uma enorme barbaridade. Eu vou falar com Saori e decidiremos o castigo mais adequado a eles.
- Peço para que não tenham compaixão, pois eles não se importaram em fazer mal a minha filha.
- Não se preocupe, eles serão severamente castigados por essa conduta inaceitável. Foi muita coragem deles fazerem aquilo com você em casa.
- Eles não sabiam que eu estava aqui.
- Então você armou uma armadilha?

Afrodite acena com a cabeça e depois conta o ariano qual tinha sido o seu plano, mas que dera um pouco errado, pois não tivera tempo de impedir que Blenda fosse machucada. Também contou das coisas horríveis que falavam da sua filha e isso deixou Shion ainda mais furioso com aqueles quatro.

- Amanhã mesmo farei uma reunião com todos os dourados, eles passaram dos limites e essa conduta é inaceitável.
- Pra mim está ótimo, quero que isso já esteja resolvido quando o Shun voltar.
- Só espero que ele não tenha um ataque.
- Não se preocupe, sei muito bem como acalmar o meu esposo. Shun vai ficar furioso, mas com tudo resolvido será mais fácil ele se acalmar.
- Assim espero, não sei como você conseguiu se controlar e apenas usar sua rajada de cosmo neles. Eu teria feito coisa pior se fosse comigo.
- A minha vontade era de estrangulá-los com as vinhas e mandá-los para o hospital, mas a minha maior preocupação era com a minha filha. E para não deixá-la ainda mais nervosa e assustada, eu me controlei e apenas usei a rajada.
- E fizesse muito bem, mas como ela está?
- Agora ela está bem, depois que se acalmou acabou dormindo. Mas ainda não sei se ficou algum trauma mais profundo. Há alguns minutos quando Kanon e Shura passaram conversando, ela parou de brincar e se agarrou em mim.
- Ela deve ter reconhecido a voz deles e se lembrado do que lhe fizeram. Se quiser eu posso dar uma examinada nela.
- Shion, isso pode ser...
- Não se preocupe, não farei nada que possa machucá-la.
- Está bem.

Em seguida o ariano pega a menina no colo e sorri ao ver que ela só desenvolvera medo daqueles que a maltrataram. Mas para ter certeza, pediu ao sueco para pegar o menino no colo e se afastar do cercadinho. Blenda apenas os acompanhou com o olhar mas depois voltou a brincar.

- Felizmente o único trauma é o medo que ela acabou tendo deles. Mas isso não vai afetar o convívio dela com as outras pessoas. Amanhã você pode fazer outro teste com alguns amigos e ver como ela vai reagir em uma visita deles.
- Fico aliviado em saber que ela não ficou traumatizada. E como eles nunca mais chegarão perto dela, logo esse medo deve passar.
- Eu penso o mesmo, o máximo que pode acontecer é ela os tratar como estranhos. A sua filhinha é muito esperta e vai ficar bem. Ainda não estou acreditando que ela abriu a porta do cercadinho.
- Também fiquei pasmo quando vi aquilo. Blenda é muito observadora e deve ter aprendido nos vendo abrir e fechar a portinha.
- Então é melhor não subestimar essa pequena.
- Jamais cometeria esse erro, ela sempre foi bem esperta desde que era pequena.
- Vejo que você já os deixa fora do cercadinho.
- Quando estamos por perto os deixamos livres aqui na sala, já colocamos proteção nas tomadas e também um portãozinho nas portas de acesso a cozinha a na de entrada. Também bloqueamos as escadas.
- Realmente todo cuidado é pouco, agora eles vão querer explorar tudo.
- É por isso que colocamos esses limitadores. Ainda tenho que achar uma forma de bloquear o acesso deles ao jardim venenoso e a área da pisciana.
- Poderia usar as suas vinhas.
- É uma boa idéia, depois farei um teste. Essa casa não precisou de grandes modificações para se tornar segura. Mas mesmo com todos os nossos cuidados, o pior problema veio de fora.
- Esqueça aqueles quatro, farei eles se arrependerem amargamente por terem feito aquela crueldade com a Blenda. Acredite, eu ainda estou horrorizado.
- Eu sei que está, você também é pai e sabe como eu estou me sentindo.
- Espero do fundo do meu coração que esse problema acabe aqui.
- Agora que eu sei que eles não prestam, terei que ter muito cuidado.
- Ensine os dois serem pessoas seguras de si e a não se preocuparem com as opiniões e comentários dos outros. Infelizmente esses machistas vão estar presentes em alguns momentos da vida dos seus filhos.
- É justamente isso que penso fazer e sei que não estou sozinho nessa.
- E nunca estará, os verdadeiros amigos sempre estarão por perto. Agora se sente melhor?
- Sim, saber que esse mal não ficará impune me deixou mais tranqüilo.

Mas quando Shion ia dizer algo, eles escutam o barulho de algo caindo e ao olharem para ox bebês, viram que Erick tinha caiso sobre alguns brinquedos de empilhar. Provavelmente tinha tentado andar sozinho, mas não tivera sucesso.
O menino apenas resmungou irritado, mas não demonstrou nenhum sinal de choro e isso deixou o pisciano aliviado. Já o ariano tinha um grande sorriso ao ver o menino se apoiar no sofá e dar alguns passos desajeitados.

- Esse menino está com pressa pra andar sozinho.
- Erick sempre foi o mais agitado e ativo, acho que vai andar sozinho mais cedo do que esperávamos.
- Isso é normal, alguns bebês são mais apressados que outros. Mu andou sozinho com onze meses, já o Kiki fez essa proeza com nove meses. Mas o que você fez com aquele andador?
- Como não consegui trocá-lo o joguei no lixo reciclável. Jamais colocaria os meus filhos naquela porcaria, eles precisam passar por essa fase que por sinal está sendo bem divertida pra eles.
- E fizesse muito bem, aquilo é perigoso é só faz mal aos bebês. Sem falar que não se deve tentar pular ou acelerar nenhuma fase do desenvolvimento deles.
- Nós pensamos o mesmo e usamos as brincadeiras para estimulá-los de forma saudável. Shun e eu aproveitamos muito bem cada momento com eles, pois esse tempo passa rápido e nunca mais irá voltar.
- E vocês só estão ganhando com isso.
- E estamos vendo esses ganhos a cada dia que passa.

Os dois ficam conversando por um bom tempo até que Shion precisou voltar ao templo principal. Ao se ver a sós com os bebês, Afrodite brincou um bom tempo com eles e depois ficou lendo um livro enquanto os gêmeos brincavam.
Na reunião dourada no dia seguinte, mostraria do que era capaz para proteger seus amados filhos. Aqueles quatro que se cuidassem, pois não deixaria barato aquela crueldade que eles fizeram com sua filha.


Notas Finais


No próximo capítulo saberemos o que vai acontecer com aqueles covardes.
Também teremos mais momentos fofos do peixinho com seus filhos.

E para aqueles que acompanham a Inocente Coração, eu já postei um novo capítulo.
https://spiritfanfics.com/historia/inocente-coracao-7300106/capitulo38
E assim que a minha querida Akyla terminar um desenho muito especial, postarei o próximo.
Já tenho a fic escrita até o capítulo anterior ao nascimento da Sayuri e pretendo postá-la até o nascimento dela. Depois disso, não sei como vão ficar as fics, vida de estudante de Direito é fogo.

Muito obrigada a todos que estão comentando e acompanhando a fanfic, E também a todos que deixaram seu favorito. O apoio de você é muito importante e significa muito pra mim.
Um grande abraço e até breve.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...