História Sentimentos também se confundem - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P, EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Youngjae
Tags Baekhyun, Baekyeol, Bap, Chanbaek, Chanyeol, Confusão, Gay, Seme, Sentimentos, Uke, Yaoi, Youngjae
Exibições 66
Palavras 5.815
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Hentai, Lemon, Slash
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, minha primeira fic sozinha, espero que se alguém ler, goste.

Capítulo 1 - Capitulo único


Fanfic / Fanfiction Sentimentos também se confundem - Capítulo 1 - Capitulo único

CHANYEOL ON

Acordei. Eram 9h da manhã. Sim, eu acordo esse horário, não preciso me preocupar pois sou o CEO de uma empresa de entretenimento em Seul. Até pouco tempo atrás eu chegava cedinho, cumpria com todos os meus deveres mas se tornou tão cansativo que passei a distribuir minhas funções para os meus secretário. Acho que tenho uns 5, talvez 6, sei lá, tenho vários. Um deles é meu amigo, na verdade, todos se tornaram meus amigos. Ainda bem que os tenho, assim não me sinto tão solitário.

Caminhei até o banheiro, fiz minhas higienes matinais, tomei o banho mais demorado que eu poderia e me vesti. Por mais que não estivesse nem um pouco animado, jamais ia deixar de me arrumar. Coloquei uma calça branca com rasgos/desfiados nos joelhos e na coxa, uma camiseta básica preta sem estampas, um all star e fui. Bom, parece um pouco “marginal” demais para um CEO se vestir assim, mas eu gostava. Tinha 25 anos, meu pai que era o antigo dono, morreu de repente, minha mãe já havia morrido há anos por causa de um câncer de mama, não tinha irmãos... Não tinha ninguém. Af, o que estou pensando? Sempre chego nessas melancolias. Enfim, era assim que eu gostava, apenas meu estilo despojado.

Caminhei até meu carro e segui direto para a empresa. Quando cheguei, pude cumprimentar todos os funcionários que encontrava nos corredores, eram todos simpáticos. Gostava do “ar” da minha empresa. Não me sentia sozinho alí enquanto destribuia “bom dia” a todos que me olhavam sorridentes se curvando em cumprimento, só quando estava em meu escritório. Quando tinha algo pra resolver, que ninguém pudesse fazer por mim, eu o fazia. Até me sentia bem fazendo algo.

Entrei em meu escritório e avistei Suho sentado no sofá grande cheio de almofadas azuis. Suho havia se tornado um ótimo amigo, talvez o melhor de todos. Ele me dava conselhos e me ajudava muito, além de ser um grande secretario.

– Suho-ssi, o que faz tão cedo aqui? – disse o olhando.

– Cedo? Você sabe que horas são? – disse como se estivesse me repreendendo e fiz uma careta. – São quase 11h30, Chanyeol! – terminou.

– Eu sei, desculpa a demora. –  Até parecia que o dono da empresa era ele né?!

– Tá certo, venha rápido, os novos secretários estão chegando para você os entrevista-los. E eu o segui revirando os olhos. Tinha contratado novos secretários porque alguns de meus amigos, mais especificamente Kai, Lay, Xiumin e Chen iriam sair da empresa pra começar seu próprio negocio, e eu os apoiei muito.

– Pra que? Se eu já contratei não precisa disso! Eu sei que são bons, eu vi seus currículos.

– Não custa ter certeza.

Caminhamos até a sala de conferencias, sei lá porque falaríamos com eles naquela sala mas tudo bem. Quando entramos vi 3 garotos sentados, provavelmente tinham minha idade.

– Garotos, o CEO chegou! – disse Suho.

Me olharam assustados pela forma que eu estava vestido, totalmente despojado e juvenil, acho que também se assustaram por eu ser tão... Jovem.

Logo foram se apresentando. – Olá Sr. Park, me chamo Tao e vou cuidar de toda parte financeira e também posso ajuda-lo com a administração de empres, sou gestor e auditor . E se curvou me cumprimentando. Retribui o gesto.

– Eu sou Kris, e vou cuidar da parte financeira. Estou aqui também como seu medico e nutricionista, caso precise mesmo que não seja da minha função. E também se curvou. Retribui o gesto sorrindo.

E por fim, me deparei com um garoto baixo e magro, não esquelético, apenas magro... Bonito.

– Olá, me chamo Baekhyun e meu dever aqui será cuidar de toda a sua agenda, contribuindo em todos os outros setores da empresa, o Sr. Kim disse que queria um psicólogo por perto então logo me apressei para que conseguisse esse emprego, pois sou um. E se curvou sorrindo. E eu sem hesitar, retribui tanto o sorriso quanto o gesto.

Depois de longos minutos os conhecendo, conclui que estava tudo certo. Apesar de achar desnecessário da parte de Suho (Sr. Kim) me levar até lá para isso, gostei de conhece-los, pareciam boas pessoas mas me intimidei com Baekhyun, ele era um pouco seco e grosseiro.

 

 

2 semanas depois

Lá estava eu em minha sala, em plena tarde, discutindo com Baekhyun sobre ele fazer o que eu mando e ele se recusando.

– Você quer que eu faça trabalho de estagiários, Sr. Park? Eu estou aqui como secretario geral e psicólogo da empresa, me trate como tal.

– Você está aqui para fazer o que eu mando. – disse bufando de raiva.

– Que fique claro, não vou ir pra uma sala arrumar papeis de correspondência e outros. Meu trabalho aqui não é esse. – falou entre os dentes, parecendo muito bravo.

– Certo. Não faça.

Ele não disse nada e ia saindo da minha sala.

– BAEKHYUN-SSI. – declarei com a voz alta.

Ele se virou e me encarou.

– Depois do expediente venha a minha sala.

Claro que eu estava puto da vida com aquele garoto. Era tão exigente. Tudo bem, não era função dele mas e daí? Ele não estava fazendo nada em sua sala.

 

 

BAEKHYUN ON

Eu estou realmente irritado. Se aquele homem pensa que pode mandar em minha profissão só porque é meu chefe, ele esta muito enganado. Eu to aqui para ajuda-lo e ele está me tratando como estagiário? É como se jogasse todo meu currículo pro ar desviando minha função. E ainda tenho que ir vê-lo! – pensei e acabei resmungando enquanto entrava em minha sala de tamanho médio.

Me sentei e comecei a fazer todo meu trabalho. Estava entupido de coisas a fazer. Tinha 3 apresentações de projetos para a saúde psicológica da empresa buscando a melhora do estado mental de todos que trabalhavam lá, inclusive treinees e os que já tinham debutado. Fora isso, tinha consulta marcada com alguns trabalhadores e ainda tinha que acompanhar um idol em seu show, pois ele estava muito abalado com a morte de sua mãe. Depois que o garoto entrou pro grupo B.A.P parecia tudo certo até ela morrer e deixa-lo só, Youngjae sofria então era meu dever acompanha-lo. Assim então me fazendo preparar receitas de remédios calmantes e até mesmo truques psicológicos como forma de acalma-lo para que pudesse se sair bem.

Depois de resolver parte de meus assuntos pendentes, estava prestes a sair e ir pra casa. Então lembrei-me que meu chefe me mandou ir até sua sala depois do expediente e mesmo não querendo, me dirigi até lá, que não era muito longe. Sua sala era no final do corredor do terceiro andar e a minha era no inicio.

– Estou aqui. – disse seco sem expressão alguma.

– Certo. Quero que apenas me escute. Balancei a cabeça em sinal positivo.

– Estou aqui para pedir desculpas. – disse Chanyeol, quer dizer, Sr. Park. Ele estava um pouco tenso.

– O que? – eu disse incrédulo.

– Pedi desculpas. Falei com Suho sobre o ocorrido e ele me contou que você estava muito ocupado e tem ficado muitas vezes até tarde na empresa depois do expediente. Sinto muito a maneira que falei, não deveria acusa-lo sem saber. – disse o CEO me parecendo convincente, até fiquei surpreso.

– Tudo bem. – disse por fim. E saí da sala.

 

 

 

FLASHBACK - DE ALGUMAS HORAS ANTES (Chanyeol)

 

Eu estava extremamente irritado com aquele garoto, ia esculacha-lo depois que todos fossem embora e só sobrasse apenas nós dois. Corri contar a Suho esperando que ele me entendesse e não foi assim que ocorreu.

– SUHO HYUNG! – gritei em sua direção enquanto entrava em sua sala. Admito que parecia uma criança indo falar mal de um amiguinho da turma mas okay. Segui dizendo altes que ele pudesse responder a meu chamado. – Aquele baekhyun não esta obedecendo minhas ordens e não faz nada o dia todo, fica praticamente fora de sua sala o tempo todo e quanto entra, só fica sentado.

Suho me olha sério.

– Chanyeol, você está sendo precipitado. Já foi conferir pessoalmente ao invés de espiona-lo tirando conclusões precipitadas pelo que via mas não sabia o que era?

– Eu... Eu não o espiono. – disse.

– Certo. Veja bem, ele fica fora porque está atendendo os trabalhadores como psicólogo. Ele fica até mais tarde que todos, até mesmo as senhoras da limpeza, averiguando o estado mental de cada funcionário que ele consultou. Ele vai até shows, entrevistas e qualquer lugar que os idols dessa empresa necessitem de sua presença sempre, sem negar um que seja. Fora isso, tem preparado inúmeras palestras sobre saúde para que ninguém tenha problemas. E ele não tem nem 2 semanas aqui, ele realmente está trabalhando duro. – Suho me olhou sério e concluiu seu breve discurso. – Você deveria ver o esforço dele também, parece que não se deram muito bem no começo não foi? Eu disse que poderia encontrar outra pessoa mas a sua preguiça falou maior e você não quis entrevistar outros, preferiu isso. Ele tem trabalhado duro, só você não viu. – Eu sai de sua sala, sem dizer nada, apenas pensando como sou irresponsável. Apenas me curvei depois que passei da porta e disse “tudo bem, hyung” um pouco baixo.

FIM DO FLASHBACK

 

 

BAEKHYUN ON

O que? Acabou de acontecer? Hm, tudo bem... Vou apenas ignorar tudo isso. Pelo menos ele pediu desculpas. Sinto como se não fosse mais velho que o CEO já que ele se sente tão superior, mas naquela hora eu realmente fiquei surpreso ao conversar com ele sem ao menos discutirmos. Estava cansado de tudo isso.

Depois de ouvi-lo sai um pouco envergonhado da sala, não sei porque, apenas estava constrangido em ve-lo baixar a guarda. Não vou dizer que não gostei.

Adoro quando tenho razão. – pensei. Mas escutei minha própria voz, talvez não tivesse falado em meus pensamentos. Logo me virei para ver se meu chefe havia escutado meu breve devaneio. Mas não tinha ninguém. Ufa.

Sai e pensei em ir numa cafeteria que ficava aberta até tarde da noite. Eram 11h e eu estava atravessando a rua em diagonal, pois a cafeteria não ficava exatamente em frente a empresa. Então entrei, me sentei, pedi um café puro e apreciei meu momento só e o silencio da cafeteria quase que sem ninguém, além do dono que estava no caixa e de Chanyeol que acabou de entrar pela porta.

Não acredito! Que saco! Por que? Eu queria ficar sozinho em um lugar com apenas estranhos? Gente rica deveria ir pra casa.

Mas ele não me viu pois eu estava bem longe, estava no fundo da cafeteria. Pegou o café dele, que ouvi ser o mesmo que o meu, puro sem açúcar, e saiu.

Soltei um “Ufa” baixo. Não estava com saco pra aguentar seus olhos de ódio sobre mim. Tudo bem que ele havia se desculpado pela forma como falou comigo mas não significa que tivesse me odiado menos. Eu também não gostava nada nada dele.

Escuto meu celular tocar e logo atendo. Era Chen. O meu amigo que me indicou a empresa que eu estava trabalhando, e ele havia saído para começar seu próprio negocio. Chen abriu uma boate totalmente luxuosa pois teve uma grande ajuda de não sei quem, um amigo dele.

– Oi Chen... O que foi? – disse desanimado.

– Venha pra minha boate, aproveite que hoje é sexta! Vamos! Fica por minha conta, todos os meus amigos estão chegando. Alias é meu aniversario de 1 ano com o Xiumin. – disse todo animado.

Nem ousei dizer que não. Jamais ia faltar assim, deixar meu melhor amigo na mão quando ele só queria se divertir com as pessoas que ele realmente gosta.

– Tudo bem. Tô chegando aí. – Nem havia ido em casa para me trocar ainda. Mas sou desses.

Fui em casa logo, tomei banho, coloquei uma roupa que eu considerava linda, passei um delineador e saí. Quando cheguei estavam todos os amigos de Chen em volta a uma mesa no segundo andar da boate cheia e fui de encontro a eles. Conheci todos os seus amigos. Kai, lay, Tao, Kris, D.O e Xiumin seu namorado. Já conhecia seus outros dois amigos, Luhan e Sehun, que namoravam fazia uns 3 anos, quase casando na verdade mas eles nem haviam chegado ainda. Naquela noite rimos e rimos mas Chen parecia não estar pronto para comer o bolo porque seus outros dois amigos que o ajudaram na construção da boate não haviam chegado.

Até ver Chanyeol entrar pela porta ao lado de Suho.

 

 

CHANYEOL ON

Depois que praticamente me tornei um idiota por pedir desculpas ao meu secretario geral por ter sido abusivo demais esperei que o mesmo deixasse a empresa e fui até um coffee shop ali perto. Entrei pela porta rapidamente pois tinha que ir a festa de Chen e Xiumin, e pedi meu café puro para que me mantivesse acordado. E quem eu vejo? Baekhyun lá no fim da cafeteria. Como eu estava desconfortável pois meu ego estava ferido depois de ter me desculpado nem o olhou, fingi que não o vi. Ele parecia cansado, cheguei a sentir pena. Não pena tipo “sou melhor que ele, coitado”, e sim pena por perceber seu cansaço nos olhos que vi enquanto ele encarava seu café.

Eu estava realmente me sentindo um babaca por o tratar tão mal o tempo todo e fazer que muitas vezes ele se desviasse de sua função.

Enfim, jamais admitiria isso em voz alta. Apenas saí logo dalí e fui pra casa. Me troquei. Estava realmente lindo, em minha percepção.

Pensava sobre o relacionamento de Chen e Xiumin que entre vários obstáculos envolvendo a aceitação de sua família e outros amigos conseguiram ficar juntos, isso é um alivio, até teve um tempo que tive que ajuda-los. Chen estava sem lugar pra ficar, cedi minha casa e aumentei seu salario na empresa para que ele conseguisse tudo e o ajudei em seu sonho, seu próprio empreendimento. Não me sinto orgulhoso por o ajudar, me sinto orgulhoso por ele ter se reerguido e conseguido tudo que quis e também ter mantido aquele sorriso que me ajudou muito enquanto eu me sentia tão só.

Cheguei á boate de Chen um pouco atrasado. Deixei o carro rapidamente no estacionamento e encontrei Suho que também já estava atrasado. Entramos logo indo direto ao segundo andar. O lugar era tão grande. O térreo tava cheio enquanto passamos correndo, e como o elevador era transparente, pude ver que o primeiro andar bem agitado também e logo chegamos ao segundo.

Vi Baekhyun e fiquei me perguntando “O que ele faz aqui?”

 

 

NARRADORA ON

Baekhyun viu Chanyeol vindo em sua direção para se sentar ao seu lado, pois haviam só dois lugares na mesa onde estavam e o outro próximo a Lay, Suho tinha sentado primeiro. Os dois se cumprimentaram com um “oi” mudo acenando a cabeça e logo se pegaram na conversa com os outros. Se distraíram, beberam, beberam muito. Mas Baekhyun não, ele tinha só bebericado um pouco de cerveja.

Depois de muita conversa, Suho estava um pouco alterado.

– Porque não estão conversando, Chanyeol? – olhando para Baekhyun ao mesmo tempo que olhava para Chanyeol. – Conversaram hoje? Não brigaram né?

Lay logo diz, entendendo errado a situação – Vocês se pegam?

– O que? – Baekhyun e Chanyeol se olham incrédulos ao escutarem isso.

– Não é isso, Lay, esses dois praticamente se odeiam na empresa. – disse Suho.

– Ah então você conseguiu o emprego na empresa que te indiquei, Huyng? – disse Chen à Baek, aliviado por ele ter conseguido um emprego logo, mesmo sem que Baek o tivesse contado sem motivos.

– Consegui sim. Andava tão ocupado que esqueci de te contar já que mal nos vimos nas ultimas duas semanas, Chen.

– Hmmmmmmmm, achei que estava me traindo. – disse D.O querendo zoar com ele, fazendo uma cara de safado.

– Claro que não, D.O. Jamais faria isso. – disse Baekhyun rindo por entrar na brincadeira de D.O dando um leve soco no mesmo.

– Que confusão vocês são bêbados. Vou pegar uma bebida. – disse chanyeol sorrindo meio sem graça com a situação.

Antes de Chan dizer isso, Baekhyun já estava levantando pra ir ao banheiro.

Chanyeol estava bêbado o bastante pra ir cambaleando até o bar. Baekhyun foi ao banheiro rapidamente e logo estava voltando passando perto do bar. Chanyeol estava passando mal e então saiu correndo até o banheiro. Baek ficou preocupado e foi atrás, não queria que seu chefe passasse mal sem alguém perto pra chamar ajuda se fosse preciso.

Baek entrou no banheiro enquanto Chanyeol estava lavando o rosto enquanto se livrava daquele sentimento de tontura.

– Sr. Park? Está bem?

– Estou. – disse recuperando o folego e secando o rosto a uma toalha de papel.

– Que bom, vamos voltar lá.

– Tá bem. – disse passando perto de Baekhyun saindo pela porta, quando virou para olhar o mais velho se ele estava vindo também, viu ele tropeçar e acabar segurando se em seu próprio corpo. Baekhyun um pouco desnorteado pelo barulho, foi por isso que tropeçou.

– Baekhyun­-ssi.

– Sr. Park, desculpe. – disse se desgrudando do corpo do outro meio constrangido.

Chanyeol estava tão desnorteado que viu o rosto do secretario e sentiu uma vontade imensa de beija-lo. Aqueles lábios delineados e parcialmente molhado pela própria saliva o estava chamando. Baekhyun mordia os lábios de nervosismo enquanto o CEO da empresa que trabalha o encarava com um olhar de ansiedade.

– Baekhyun-ssi?

– Oi Sr. Park?

– Me desculpe por isso. – E selou seus lábios aos de Baekhyun antes que ele o questionasse o porque de pedir desculpas. Mas logo o mais velho não aguentou a vontade de deixar aquele beijo mais intenso e começou a mexer seus lábios contra o do outro, o mordendo de leve e logo depois sua língua pede acesso ao interior da boca de seu chefe e ele concede fazendo o mesmo movimento com a língua, procurando todo cantinho que pudesse encontrar um na boa do outro. No inicio era um beijo voraz, algo que eles necessitassem muito, mas depois o beijo foi ficando mais calmo dando a oportunidade para que os dois sentissem um ao outro ali.

Talvez fosse pelo efeito do álcool. – pensou Chanyeol enquanto enfiava a sua língua dentro da boca de seu odiado secretario.

E depois de uns minutos se beijando e passando a mão pelo corpo do outro e ele retribuindo os dois pararam para respirar e se encontraram perdidos.

– Mas o que... – não conseguiu completar enquanto encarava chanyeol.

– Eu disse pra me desculpar.

– É... mas...

– Você gostou que eu sei. – disse o olhando tão perto que era possível ouvir até os próprios corações batendo rápido.

– Eu não gostei.

– Aham sei. – Disse se aproximando do pescoço de baekhyun e logo que terminou a fala, começou a beijar seu maxilar, pescoço e todo lugar que encontrou exposto, até chegar a boa do mais velho.

– O que você tá fazendo? – disse Baekhyun, gemendo porque ansiava por mais. Eles estavam excitados. Talvez o ódio que os dois sentiam um pelo outro fazia a situação ficar mais gostosa.

– Se você gemer desse jeito eu não vou me controlar. – disse puxando a cintura do outro enquando ele correspondia a seu toque, se envolvendo num abraço um tanto quanto herotico em meio a beijos e gemidos de desejo.

– Sr. Park... Pare. – Estava ofegante, quase não conseguia respirar.

– Só se você parar de agir desse jeito tão gostoso de ver, realmente não consigo pensar nem em quanto te odeio enquanto te olho assim. – passava a coxa entre as pernas do menor o fazendo gemer num tom necessitado.

– Eu também não consigo, Sr. Park. – arfava, gemia, o faltava respiração.

– Acho bom eu aproveitar enquanto você está aqui quase totalmente entregue pra mim.

Chanyeol se abaixou e consigo levou a calça do outro pra baixo. Viu seu pênis totalmente exposto, duro e com um leve indicio de gozo. Não conteve sua vontade e o abocanhou. Passava a língua desde o inicio ao final do pênis do menor.

– Sr. Park? – disse Baekhyun entre gemidos. E Chanyeol só o olhou ainda com a boca em seu membro, em sinal de “continue a falar”.

– Eu não sabia que era gay. – disse e chanyeol levantou se grudando seu corpo ao dele, fazendo Baek sentir seu pênis tocar o do chefe ainda com a roupa por cima, porem duro e praticamente pulando a sua calça.

– Eu sou bi. E tem muita coisa que você não sabe sobre mim. – disse firme rente a boca de Baekhyun prestes a o beijar. Até que escutam um barulho e se assustam. Baekhyun fica sem jeito e coloca suas calças. Ainda totalmente duro tentando conter a vontade que tava de chupar seu chefe e se entregar pra ele. Não sabiam porque mas naquele momento, sentiram uma imensa vontade de transar.

Depois disso, os dois saíram do banheiro enquanto dois homens, aparentemente heteros, entraram no banheiro os olhando. Eles estavam descabelados, com os lábios vermelhos e com chupões pelo pescoço. Pelo menos, isso Baekhyun conseguiu fazer, marcou-o da mesma forma que ele havia o marcado.

Foram perto de seus amigos que estranharam a demora e o silencio entre eles. Pareciam nervosos. E assim terminou a noite.

 

 

CHANYEOL ON

 

Acordei com uma baita dor de cabeça. Tomei remédio e logo fui pro banho relaxar. Era sábado e eu estava tão cansado que adormeci o dia todo e no domingo a mesma coisa.

Na segunda feira, não cheguei tão tarde na empresa e fui direto a minha sala. Meu secretario geral estava lá sentado me esperando, parecia aflito.

– Bom dia. – disse com sinceridade.

– Bom dia. – respondeu hesitante.

Me aproximei e lhe dei um beijo, na verdade, um selinho e ele me olhou assustado, como se esperasse que eu não lembrasse da noite passada.

– Acho que deveríamos terminar o que começamos ontem.

– O que? Você? Sério? Você ta bem Sr. Park?

– Pare de me chamar de senhor, eu sou mais novo que você. – Puxei pra perto de mim, mais do que já estávamos.

– Como devo chama-lo então? – a voz dele falhava.

– Dongsaeng. Sou seu dongsaeng.

– Mas... você... não gostava de mim.

– Tem como não gostar depois de te ver daquele jeito todo entregue, dizendo que não aos meus toques mas os correspondendo na mesma intensidade?

– Eu... – disse baekhyun envergonhado.

– Cala essa boca. – E o beijei até perder o ar. O empurrei em cima da minha mesa e enfiei minhas pernas entre as dele, fazendo o se enrolar no meu corpo. Sai do beijo para trancar a porta e fechar as cortinas e depois tirei a roupa dele, lentamente enquanto o olhava com o olhar brilhando de desejo, e fui correspondido a esse olhar.

Ele me levantou e me empurrou na mesa. Parecia cansado de esperar pra me tocar e tirou a minha roupa em meio de beijos um tanto quanto selvagens. Começou a me masturbar com a mão enquanto enfiava a língua na minha boca como se houvesse amanhã. Eu o puxei pro sofá grande que se estendia em minha sala e joguei as almofadas no chão. Ele me beijou lentamente enquanto se levantava e se posicionava em minha frente, se ajoelhou em uma das almofadas azuis e abocanhou meu membro de uma forma tão calma e ao mesmo tempo tão excitante, me olhando enquanto eu gemia de desejo. Sentia ele se arrepiar e isso fazia com que eu me arrepiasse também, ainda esquentando mais as coisas. Foi o melhor boquete da minha vida, constatei isso quando ele enfiou meu pênis no fundo da sua garganta e me chegar no ápice. Engoliu todo o liquido que saiu de mim e lambeu seus próprios lábios com satisfação.

Não aguentei vê-lo assim. O puxei pra perto de mim e o beijei novamente, logo lambi toda sua cavidade o preparando, em seguida, com meus dedos e por fim, penetrei vagarosamente a o inicio de meu membro com uma certa gentileza para que ele não sentisse dor, e parei um pouco dentro dele, esperando que se acostumasse com meu volume. Ele logo rebolou em cima de meu pênis como um ato de me avisar que estava pronto. Fiz um movimento de vai-e-vem devagar e depois fui aumentando a velocidade até senti-lo tremer de prazer, sentindo-me dentro dele. Era tão bom. Mal podia esperar para fazer isso de novo e de novo e de novo. Depois de tanto investimento em minhas estocadas, segurei seu membro e o masturbei no mesmo embalo enquanto pressionava meu pênis dentro dele. Chegamos em nosso ápice juntos, ele se derramou em meu abdômen e eu me derramei dentro dele.

– Isso foi... ­ – ele tentava procurar palavras pra descrever.

– Como se nunca tivéssemos nos odiado? Sim. Eu quero de novo.

– Também quero, mas o próximo a sentar vai ser você. – me disse olhando com um sorriso maléfico nos lábios e eu estremeci querendo isso. Mas estávamos tão cansados pelos vários movimentos que fizemos que acabamos ficando ali no sofá deitados um sobre o outro, depois de pegarmos um papel para limpar nossos líquidos derramados em nós.

Depois de um tempo abraçados, baekhyun me olha e diz se afastanto – Isso é estranho... acho melhor eu ir. – Não fui atrás dele depois que saiu da minha sala pois Suho havia me chamado.

– chanyeol? Eu escutei barulhos estranhos e resolvi passar aqui... O que foi que aconteceu? – Suho estava me olhando como se duvidasse que algo comprometedor.

– Eu transei com o Baekhyun.

– O que? Você e ele? NÃO ACREDITO – disse bem assustado.

– Sim.

E conversamos até eu ser obrigado a ir numa reunião.

 

 

 

BAEKHYUN ON

O que foi que eu fiz? Meu deus, eu não deveria. Logo hoje que D.O viria aqui me ver, acho que ele esta esperando. Não que eu tenha algo com ele mas não gosto de deixar ninguém me esperando.

– D.O desculpa a demora, eu tava tomando café...

– Ah sim, tudo bem.

Conversamos até ele ser obrigado a ir embora pois era medico e tinha que voltar ao hospital, nos conhecemos lá quando ele fazia residência e eu trabalhava na ala de psicologia e psiquiatria. Após a saída dele, fui aos meus afazeres. Dei as palestras, consultei algumas pessoas e fui no show com YoungJae. Ele parecia fragiu com tudo que estava acontecendo com ele e vivia dizendo se sentir sozinho.

– Sr. Byun? Você acha que eu consigo? – disse em meio a soluços enquanto chorava.

– Vai sim. – e instintivamente o abracei.

Depois do dia em que fiz isso, ele sempre me procurava com um certo carinho em seus olhos, me abraçava. Enquanto Chanyeol, vivia me evitando depois de transarmos. Eu infelizmente fui atrás dele... Queria conversar.

Fui até a sala de Chanyeol com um grande “Sr. Park” em sua porta, acho que mudou as letras. Bati na porta e escutei um “entre” abafado. Ele estava sozinho com uma secretaria que acabou de contratar, e quando eu disse “acabou”, é tipo 5 minutos atrás. Eles estavam com os lábios vermelhos. Eu sabia o que havia acontecido ali.

Eu estava com ciúmes. Não sei, algo falou mais alto em mim e eu disse com raiva – desculpe atrapalhar os beijos do casal, volto mais tarde. – eles me olharam como se estivessem em choque por eu saber. Chanyeol se pronunciou dizendo para que ela saísse pois tinha uma tarefa a me deliberar. E ela saiu.

 

 

 

CHANYEOL ON

– Baekhyun, preciso que converse com o YoungJae sobre os pais dele e conserte isso. – disse brevemente esperando que ele me retrucasse como sempre.

– Certo, Sr. Park. – e ele simplesmente caminhou até a porta. Segurei seu pulso antes que ele saísse.

– Não vai dizer nada? Questionar? Nada? Serio? – ele só balançou a cabeça que sim e continuou indo até a porta. Eu sei que o havia evitado, queria ignorar o que fiz junto a ele e sabia que ele também não queria isso. Ou talvez quisesse...

– Não tenho nada a te dizer.

– Porque esta assim? Se foi por causa do que fiz... – ele não deixou que eu terminasse e foi logo falando.

– Foi um erro. – seus olhos lacrimejavam. – Eu não deveria ter gostado. Mas não se importe, eu vou sair daqui.

– Você esperou que tivéssemos algo a mais? – disse incrédulo.

– Não, mas eu me apaixonei.

– Eu sinto muito. – disse confuso mas minha frase pareceu se tornar seca, fazendo o ficar mais triste e sair as pressas de minha sala.  Não fui atrás. Eu não sei se o correspondia.

Eu sinceramente não fui atrás dele, deixei que se afastasse. Passou um mês depois disso e eu nem o olhava direito, as vezes o via triste pelos cantos forçando-se sorrir as pessoas. Chegava a me doer mas não fiz nada, alias não o correspondia.

 

 

BAEKHYUN ON

 

Depois do que ele fez comigo, ainda sentia como se gostasse dele. Ele não foi atrás de mim, sei que ele não retribuía essa “paixão”, também não sei como fiz isso. Não acredito que fui me deixar levar a sentimentos, eu estava melhor sozinho, sem relações e olha só o que deixei acontecer.

Fui a uma entrevista acompanhar YoungJae, ele parecia melhor, mas vivia me abraçando na frente das pessoas. Até que me chamou pra sair. Eu estava precisando espairecer então aceitei. Marcamos de ir depois que terminássemos o que tínhamos que fazer naquela quinta-feira. Era noite e não havia muitas pessoas no local.

– Vamos, Hyung? – vi Youngjae me puxar de minha sala, atrapalhando meus desvaneios. Eu ainda não tinha parado de me sentir atraído por chanyeol mas mal o via, ainda bem.

– Vamos. – sorri sem mostrar meus dentes. E ele segurou minha mão pela porta e logo percebi que alguém nos viu.

Era Suho com Chanyeol.

Mesmo assim, desviei o olhar cumprimentando-os como um adeus e YoungJae fez o mesmo. Chanyeol parecia serio e Suho me deu um sorriso, não parecia incomodado.

YoungJae me puxava até a cantina da empresa, pois tinha que falar com a moça que trabalhava ali, eles eram amigos desde a infância, eu acho.

O esperei ali.

– Oppa, sua mãe esta em casa?

– Ta sim, quer falar com ela?

– Quero sim. Eu ia pedir a ajuda dela com um garoto que ela da aulas de dança, eu gosto há muito tempo dele e ele ainda é treinee, não idol como você mas ele é bem legal.

– Eu conheço? – disse animado.

– Acho que sim, oppa. Você também poderia me ajudar...

– Claro que ajudo.

– Então você o conhece há quanto tempo?

– Ah uns 6 meses, mas me interessei. Estou com vergonha de pedir pra sair comigo.

– Entendo. Eu chamei o Baekhyung pra sair mas como amigo sabe? Sem ser meu psicólogo. Acho que você deveria fazer o mesmo. Primeiro como amiga, depois tenta algo mais.

– Então você pretendo algo a mais com ele? – disse era rindo.

– NÃO!! Ele é só meu amigo mas meu conselho pra você foi um exemplo de uma situação. Eu tenho namorada, bobona. – disse me olhando envergonhado com um olhar suplicando que eu não zoasse a situação depois. E eu sabia que ele tinha namorada, alias sou seu psicólogo e o ajudei com tudo mas todo mundo achava que tinha algo mais entre nós pois ficamos muito próximos.

– Eu sei, oppa. Estou brincando.

Depois de uns trinta minutos escutando a conversa deles, fiquei pensando se Chanyeol e Suho tiveram pensado errado também. Mas não importava.

– Hyung, vamos, agora é serio. – ele riu e me puxou pela mão, como sempre fazia. Segurei sua mão também e estávamos saindo da empresa até escutar alguém chamar meu nome alto com um tom de raiva.

 

 

CHANYEOL ON

Eu estava saindo pelo corredor e passei na frente da sala de Baekhyun e o encontrei de mão dadas com um idol de minha empresa. Senti raiva, não sei porque, mas senti. Fechei a cara na hora e nem respondi seu cumprimento um pouco corado. Aquele rosto já tinha ficado vermelhinho pra mim... mas por outra causa. Me perdi em meus pensamentos. Conversei com Suho Hyung sobre isso e ele só ria. Também né, alguém confuso como eu, que fica nesse chove e não molha... Sinceramente me irritei ao ouvir Suho dizer que talvez eles estivessem saindo. Eu nem conhecia o YoungJae profundamente pra saber se ele era gay ou não mas isso não importava. Tomei meu sentimento de raiva a flor da pele e saí deixando Suho falando sozinho.

Vi os dois saindo pela porta da empresa, e reparei que estavam de mãos dadas. Não aguentei e gritei seu nome.

– BAEKHYUN!

Ele se virou assustado ao ouvir seu nome e Youngjae também, ainda segurando a mão dele. Eu corri e separei as mãos dele com brutalidade.

– O que você acha que está fazendo? – disse Baekhyun com um tom de estresse na voz.

– Eu... – fiquei sem palavras ao perceber o que tinha feito. Eu estava com ciúmes? Não acredito... Eu sinto que gostava dele mas não admiti pra mim porque eu me recusava a acreditar que realmente estava sentindo isso.

– Sr. Park? Você esta bem? – disse youngjae.

– Não. Vai embora, preciso falar com Baekhyun.

– Mas a gente ia sair...

– Ah então vocês estão realmente saindo? – e ele balançou a cabeça positivamente só que um tanto assustado.

– Realmente não sei o que eu você está fazendo... – Baekhyun murmura.

– Vai embora. – Disse a YoungJae –  e ele fica assustado e vai, se despedindo de Baekhyun com o olhar.

Depois que o vi sair. Colei meu corpo ao de Baekhyun bruscamente. E ele se assusta.

– Ele é melhor do que eu quando te chupa? – disse com raiva em meus olhos.

– Ele é meu amigo, Chanyeol. O que acha que está fazendo?

– Eu não quero saber de você com ninguém além de mim. Eu cansei de ve-los de mãos dadas e trocando abraços. Eu morro de ciúmes. – falei sincero e irritado.

– Ciumes? Depois de transar comigo e me ignorar por completo por dias e depois me descartar quando disse que me apaixonei depois de te beijar na festa? Sério, Chanyeol? Você chega a ser ridículo.

– Eu... Eu gosto de você. Não consigo imaginar você beijando outro cara.

– Gosta de mim? – deu uma risada amarga. – Pelo amor de deus, Chanyeol... ou melhor, Sr. Park.

Vejo seu rosto marejado, como se estivesse pronto a chorar por estar magoado e o beijo. Ele reluta mas depois cede. Eu estava com saudades de beija-lo, nem eu mesmo sabia o quanto até aquela hora.

Depois que nos separamos ele me olhou, ainda parecia bravo, mas pude ver que ainda gostava de mim.

– Me desculpe por ter te magoado...

– Tudo bem, mas se fizer isso de novo... Eu nunca mais vou aceitar que você faça isso de novo.

– Me chama de Sr. Park de novo, é tão sexy. – disse em meio a vários selinhos em sua boca.

– Sr. Park. – disse ele sorrindo. E retribuindo.

 

 

Depois disso eu simplesmente me deixei levar e dois meses depois, já me via amando baekhyun, ele era tão... não encontro palavras pra descreve-lo.

Eu simplesmente me arrependo de ter feito desse jeito. Eu gostava dele mas fui um idiota. Deixei que meus problemas pessoais atrapalhassem minha mente me fazendo ignorar sentimentos, que estavam aqui o tempo todo, eu só não queria aceitar... Até porque, quem o beijou primeiro, foi eu. Ele continuou sendo amigo de Yongjae e com o tempo parei de ter ciúmes, ou melhor, eu tive menos ciúmes.

Foi mais ou menos isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...