História Sentimentos Túrbidos - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Colegial, Drama, Hentai, Naruto, Romance
Exibições 213
Palavras 3.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Minna, mais um capítulo! E tive que dividir em partes, ou ia ficar um capítulo muito grande... Espero que gostem!

Capítulo 28 - A viagem escolar (parte II): Quebrando a máscara


Fanfic / Fanfiction Sentimentos Túrbidos - Capítulo 28 - A viagem escolar (parte II): Quebrando a máscara

Capítulo XXVIII – A viagem escolar (parte II): Quebrando a máscara

- Bom dia! – Naruto falou para as meninas que se aproximavam da mesa e se servir para o café da manhã.

- Você é sempre tão animado assim? – Ino falou e bocejou em seguida.

- Aqui faz tanto frio... – Sakura esfregou as mãos nos braços em uma tentativa de lhe proporcionar calor.

- Naruto-kun, bom dia. – Hinata sorriu e corou levemente ao receber um beijo em sua bochecha. – V-Você dormiu bem?

- Ah... Sim! – ele falou e riu nervosamente ao lembrar-se da noite anterior que mal conseguira dormir por conta de seus pensamentos nada decentes. – M-Muito b-bem!

- Você não consegue ser sincero... – disse Ino ao notar o nervosismo dele.

- Não se esqueçam de se vestir apropriadamente para uma trilha. – Asuma falou para a Yamanaka que vestia uma saia – Entenderam?

- Não nasci para isso... – ela resmungou.

Após o café da manhã, os professores orientaram os alunos a se prepararem para a trilha que iriam fazer como colocarem garrafa de água na mochila, protetor solar, usar calça e tênis ou bota apropriada. Demorou mais do que o esperado para todos estarem prontos, ainda mais para entenderem a atividade que iriam fazer.

- Irei explicar mais uma vez... – repetiu Kurenai – Dividimos vocês em trios. Cada grupo irá andar por uma trilha e coletar fungos que encontrarem. Já entreguei o kit de coleta.

- Quando retornarem, iremos explicar o que irão fazer. – Asuma completou.

- Por que fiquei justo com vocês? – Ino se lamentou ao ouvir anunciarem seu grupo: ela, Shikamaru e Chouji.

- Que problemática... – Shikamaru suspirou.

- Sakura! – abraçou a amiga que estava tentando ignorar o drama.

- Você não é mais uma bebê, Ino! – ela gritou. Estava mais preocupada com a sua situação, afinal... Os membros de seu grupo eram Sasuke e Naruto.

“O que eu vou fazer?” pensou consigo mesma, quase em colapso.

- Não ficamos no mesmo grupo... – Naruto falou baixo para Hinata, com o rosto tristonho.

- É verdade... – ela respondeu.

- Bem... – ele coçou atrás de sua cabeça, um sinal de que estava constrangido – Foi até bom. Eu não iria conseguir me concentrar... – riu quando as bochechas de sua namorada de rosadas passaram a ser vermelhas.

- Vocês são tão nojentos... – Kiba resmungou atrás de Hinata.

- Vamos logo Kiba, Hinata... – Shino falou já andando na frente – Temos até o meio dia para concluir a atividade.

- Ei, Shino! – Kiba gritou e correu para alcança-lo – Não precisa levar isso tão a sério!

- Shino-kun! Kiba-kun! Me esperem! – Hinata correu também.

- Hina... – Naruto choramingou com a mão estendida ao vê-la se afastando.

- Vocês não nasceram grudados. – disse Sasuke com frieza.

- Olha aqui, cuide da sua vida!

- Vamos. – Sakura falou com os materiais em mãos e com uma expressão séria no rosto.

- O que há com vocês dois? – Naruto perguntou, sentindo a áurea ficar tensa demais.

Andaram para a trilha que o professor havia indicado para eles e tinham até o meio dia para retornarem.

Normalmente ficaria nervoso pela presença de Sakura, já que um tempo atrás tinha uma paixão platônica por ela, mas agora era como se aquele sentimento nunca tivesse existido. Tudo havia sumido. Claro que ainda achava a Haruno bonita, mas seu coração não se agitava tanto quanto se agita quando ver Hinata.

Quão forte são seus sentimentos por aquela pequena e tímida garota?

Chegou aos poucos ao seu lado e lá permaneceu. Iria fazer de tudo para mantê-la ali mesmo.

Será que finalmente havia superado o sofrimento que Shion lhe causou? Será que se entregaria tanto assim?

“Calma... Aos poucos...” pensou ao mesmo tempo em que respirava fundo.

Não havia muito tempo que ele e Hinata se tornaram de desconhecidos para amigos, de amigos para namorados. Tinha que ir devagar. Um passo de cada vez. Estava com medo, pois não sabia o que aconteceria se fosse se entregar totalmente.

Será que Hinata estava se entregando totalmente?

Seria injusto se não fosse algo do mesmo nível. Ela era uma boa pessoa, uma ótima pessoa. Perfeita demais para ser verdade. Hinata é totalmente diferente das outras garotas que já conheceu. Totalmente diferente de Shion. Pelo menos era nisso que acreditava.

Queria ver mais do sorriso de Hinata. Queria ouvir mais a sua voz. Queria sentir mais suas mãos acariciando seu rosto. Queria sentir mais sua respiração. Queria sentir mais a aceleração de seu coração. Queria ver mais sua face avermelhada. Queria sentir mais daqueles lábios que ele nunca se cansava de provar...

- O quê? – Naruto parou de andar por um instante e levou a mão ao peito. Seu coração estava acelerado só em ter Hinata em seus pensamentos.

Agora, além da dúvida de querer saber o quão forte são seus sentimentos por aquela pequena e tímida garota. Uma nova dúvida surgiu...

“Quando foi que fiquei tão apaixonado por Hinata?” ele pensou.

- Ei, Naruto. – Sasuke o chamou quando notou que o amigo estava ficando muito atrás.

- Você vai nos atrasar! – Sakura gritou mais a frente.

- Desculpe! – ele falou e balançou a cabeça para tentar se focar em sua atividade.

- Andem rápido vocês dois! – Sakura gritou novamente, já irritada.

- Não preciso de você ordenando o que eu devo fazer... – Sasuke retrucou, igualmente irritado.

- Não estou afim de aguentar seu mal humor.

- Igualmente... Ainda mais de uma pessoa falsa como você... – ele disse quase rosnando, seus olhos cerrados.

- Você realmente é muito... – estava tão irritada que não conseguia achar uma palavra devida – Cabeça-dura!

- Não abra a boca para falar de mim!

- Ei! Ei! Ei! – Naruto colocou-se no meio dos dois, respirando profundamente, denunciando que havia corrido para poder alcança-los – Qual o problema de vocês?

Ambos cruzaram os braços e viraram o rosto torcido de raiva.

- Temos um trabalho a fazer. – falou Sasuke retomando a caminhada.

- Onde você pensa que vai? – Sakura perguntou.

- Irei continuar... – ele respondeu virando-se, ainda irritado.

- Temos que coletar aqui. – Sakura falou – Não está vendo que as árvores impedem a luz solar?

- Ela tem razão, Sasuke... – Naruto adentrou um pouco por entre a alta vegetação – Já vejo uns fungos aqui. Deve ter mais.

O Uchiha resmungou e andou para onde os outros, adentrando o pequeno bosque e coletando os fungos que encontravam no chão e em troncos de árvores.

- Acho que estamos nos distanciando demais da trilha... – Sakura falou olhando para trás e não reconhecendo mais o local onde estavam.

- Sakura-chan! Olhe isso! – Naruto gritou, mas ela não conseguia o ver, só via árvores e arbustos.

- Não sei onde você está!

- Siga minha voz! – e ela foi andando em linha reta e teve que fechar os olhos pela intensa iluminação que repentinamente se fez. A luz solar a ofuscou e as árvores deram lugar a um lindo lago de água azul quase cristalina. Podiam-se ver alguns peixes nadando assustados com os novos visitantes. – Que lindo! Queria que Hinata tivesse aqui para ver isso!

- Uma cachoeira... – Sasuke apontou para o outro lado, na qual havia um paredão de pedras a cinco metros de altura e caia água, quebrando-se no lago.

- Incrível... – Sakura falou totalmente maravilhada com o local. – Como iremos voltar?

- Marquei as árvores pelo caminho. – Sasuke respondeu mostrando um canivete preto em mãos.

- Astuto como sempre...

- Devemos ser, ou as pessoas pisam em você sem um pingo de piedade. – falou a encarando.

- Escuta aqui...

- Vocês querem parar? – Naruto vociferou, não aguentando mais aquela situação. – Acho que vi uma coisa ali... – ele andou até a cachoeira e com uma lanterna que pegou de sua mochila, andou com cuidado e, atrás daquela queda de água havia uma fenda por entre as pedras.

- O que está fazendo? – Sakura perguntou em voz alta para Naruto ouvir.

- Tem tipo uma caverna aqui... – ele gritou de volta – Pode ter mais fungos. Eu vou entrar!

- Não acho que seja uma boa ideia... – ela falou para o Uchiha ao seu lado, mas ele a ignorou.

 

***

Gaara percebia que Sai o encarava a todo o momento, mesmo quando andava mais a frente ou ficava para trás. Com certeza queria tirar satisfação pelo fato de estar com Ino todas as vezes que tentava se aproximar dela. E ele não iria se segurar... Estava decidido em não permitir Sai escapar de uma briga se ele viesse lhe provocar ou provocar a Ino.

Quem achava que era de estar no direito de saber da vida dela? Fez o que fez e tinha que arcar com as consequências. Mesmo que ele mesmo tenha que dar-lhe uma lição a base da força bruta.

- Gaara-kun... – Matsuri, uma garota da outra turma e que era de seu grupo de coleta, o chamou a atenção, interrompendo seus pensamentos.

- Desculpe... – ele falou e ficou surpreso com a dor em sua mão que veio em seguida. Havia esmurrado o tronco de uma árvore e nem ao menos havia percebido.

“Preciso me acalmar...” pensou consigo mesmo recolhendo sua mão em seu peito.

- Você está bem? – Matsuri perguntou.

- Estou sim...

- Deixe-me ver, posso cuidar disso. – ela estendeu a mão para ver a dele.

- Eu já disse que estou bem. – respondeu com mais rispidez.

- Ora, vamos. – ela puxou e riu quando ele fez uma careta de dor – Está ótimo pelo que vejo. – disse com ironia. – Irei fazer um curativo.

- Parece que você se aproveita de todas as garotas... Não é mesmo? – Sai perguntou. Estava agachado abaixo de uma árvore, recolhendo um fungo de um tronco.

- Matsuri, termine logo com isso. – ele falou enchendo-se de ira.

- Calma, Gaara-kun... Por favor. – disse ela, tendo um mau pressentimento quanto à situação.

- Acha que pode ficar rondando Ino o tempo todo?

- Você não tem direito sobre ela... – o rosto de Gaara já estava ficando da cor de seu cabelo.

- E você acha que tem? Acha que ela pode se apaixonar por você? – perguntou em tom de deboche – Que ilusão a sua... – Sai riu ocasionando ainda mais raiva em Gaara – Ela é muito areia para seu caminhão...

- Você realmente não sabe nada sobre ela! – ele gritou levantando-se abruptamente após perceber que seu curativo já fora finalizado.

- E saber para que? – ele riu novamente – Você busca nela a mesma coisa que eu...

- O que? – ele preferiu não ter ouvido o que veio em seguida.

- Garanto que ela é boa nisso...

A única coisa que Sai viu em seguida foi um vulto seguidamente de uma dor nas costas e na cabeça por conta de terem chocado com o chão.

- Gaara-kun! – Matsuri gritou desesperada, tentando apartar aquela briga, mas tinha receio de tentar separá-los e acabar sendo acertada.

Gaara prendeu a cintura de Sai entre suas pernas e lhe deu seguidos socos. Estava cego de raiva. Tudo o que queria era arrancar, queria destruir aquele semblante convencido daquele sujeito. Definitivamente não o suportava.

- Parem! Por favor! – Matsuri gritou novamente.

O que Ino iria pensar se o visse naquele estado?

Aquela pergunta o abateu de surpresa e parou com um punho no ar, caindo em si. Sai estava com o rosto inchado e sangrando. Já era o suficiente.

- Qual o seu problema? – Sai perguntou ainda atordoado.

- Nunca mais ouse mencionar o nome de Ino novamente. – ele disse com um olhar sombrio, encarando-o diretamente nos olhos.

- O-Ok... – foi tudo o que disse. Estava amedrontado demais para rebater.

- Ótimo. – o ruivo virou-se para Matsuri – Desculpe, Matsuri... E obrigado pelo curativo. Acho que terá que fazer outro.

- S-Sem problemas... – ela respondeu, buscando os materiais necessários na mochila.

 

***

- Naruto! – Sasuke gritou ao notar que o loiro estava demorando a retornar. – Naruto! Droga...

- Eu disse que não era uma boa ideia... – Sakura o provocou. – Esse idiota...

- Quer parar de reclamar? – Sasuke a repreendeu – Se não for ajudar, fique aqui esperando.

- Cala essa boca. – ela o acompanhou, tomando cuidado para não escorregar nas pedras úmidas, mas quando ia atravessando a fenda, Sasuke a segurou pela cintura, pois ia caindo após ter pisado em falso.

- Tenha cuidado. – ele disse.

- Não preciso da sua ajuda. – ela soltou-se das mãos dele.

- Tenha ao menos um pouco de gratidão! – Sasuke resmungou e vasculhou a fenda escura com a sua lanterna. – Aqui... – ele caminhou e se ajoelhou, molhando suas roupas e botas, já que estavam pisando em águas na altura de seus tornozelos.

- É um barranco? – Sakura perguntou, também se agachando.

- Ali! – ele apontou para baixo, onde o feixe da lanterna iluminou um andar de rocha um pouco mais abaixo, na qual Naruto estava caído e desacordado. – Naruto!

- Ele deve ter batido a cabeça.

- Droga... – Sasuke olhou para os lados, tentado achar uma solução.

- Temos que procurar ajuda!

- Não vou deixa-lo aqui sozinho. – ele falou virando-se para a Haruno.

- Eu não vou voltar sozinha! – Sakura falou quase histérica – E se aparecer um animal?

- Até os animais selecionam suas presas... – falou Sasuke com um sorriso e se levantou. – Com certeza você não está no cardápio deles.

- Você quer parar de me atacar?

- Se você não tivesse atacado meu irmão... – Sasuke serrou os olhos a encarando novamente.

- Você entendeu tudo errado! – Sakura falou gesticulando.

- Eu entendi o que eu vi... – seus olhos pareciam que a fuzilavam com violência. – Você e Itachi estavam se agarrando... Me pergunto se isso ocorria ao mesmo tempo em que nós tínhamos nossos encontros... – seu sorriso foi malicioso. Algo sombrio e ao mesmo tempo malicioso.

- Chega, Sasuke! – um baque ecoou na caverna e Sasuke tocou em sua bochecha, que ardia. Sakura havia lhe dado um tapa bem forte. – Chega... Eu quero ajudar você!

- Ajudar? – ele riu do que ouviu.

- Pare com isso! – Sakura o empurrou já cega de irritação – Eu vou quebrar essa sua máscara! – continuou o empurrando até encostá-lo na parede fria e úmida.

- Mas do que diabos você está falando? – ele vociferou e Sakura respirou fundo.

- Fui a sua casa para me desculpar sobre o ocorrido na escola... – ela o olhou nos olhos e ele se surpreendeu o quanto aquele verde brilhava mesmo com uma fraca iluminação – Eu não havia entendido o motivo de você ter ficado tão chateado naquele dia... Desculpe-me, Sasuke-kun... – ela falou com a voz trêmula e o segurou pelos ombros, para ele permanecer com seu olhar nela – Itachi-san me contou tudo. Você... – houve um soluço.

“Ela está chorando?” ele pensou com os olhos arregalados.

- Você sofreu muito... Carrega muita dor em suas costas... – Sakura continuou.

- O quanto ele te contou? – perguntou com a cabeça abaixada, a afastando pelo ombro.

- Tudo... – respondeu em um sussurro.

- Ele não tinha o direito... – Sasuke murmurou, apertando os punhos com frustração.

- Pare, Sasuke-kun! A culpa não foi dele! Eu insisti!

- Para que você queria saber sobre isso?

- Você tenta se esconder por trás desse mal humor... Desse temperamento oscilatório... Dessa comportamento frio... – Sakura falou com mais calma – Mas você não é assim, Sasuke-kun. Você só tem medo...

- Não sabe o que está falando!

- Sim, eu sei muito bem o que estou falando. – ela o interrompeu – Você tem medo de sofrer mais do que já sofre. Esteve sozinho por muito tempo, carregando essa dor sozinho. Não permitirei mais isso!

- Do que... – um soluço saiu da boca de Sasuke, que deixou a Haruno surpresa – Do que está falando?

- Disso... – ela levou uma mão ao peito dele, o que o fez levantar o rosto e nunca havia visto uma criança tão vulnerável. Sasuke estava com os olhos marejados, mas mordia os lábios, tentando segurar seu pranto – Liberte essa dor de dentro de você... – ela sorriu e abriu os braços – Eu estou aqui... – uns minutos se passaram, mas a barreira fora destruída como um explosivo estourando uma grande rocha.

Sasuke entrou em pranto e quase pulou, abraçando Sakura fortemente. Acolheu-o em seus braços, como uma mãe faz com seu filho assustado. Ele realmente estava vulnerável a ponto daquilo... Ele realmente estava precisando de um pilar para sustentá-lo. E ela estava decidida em ser aquele pilar.

Ele ainda chorava compulsivamente e Sakura acariciava seus cabelos, beijava sua cabeça. Comovida com a cena, mas enfim... Quebrou a máscara de Sasuke. Enfim ele estava se mostrando verdadeiramente.

Os minutos se passavam e o seu pranto foi diminuindo até sobrar apenas soluços, depois apenas lágrimas silenciosas. Ele a abraçou mais forte, como se tentasse coloca-la dentro de si. Seus sentimentos eram intensos, isso Sakura notou. Ficaram abraçados por mais minutos, sem nenhum profetizar qualquer palavra.

- Você está bem? – Sakura perguntou, quebrando o silêncio entre eles.

- Sim... – Sasuke se afastou e limpou os olhos com as mãos, virando-se de costas.

- Tudo bem, Sasuke-kun... – ela o abraçou por trás, apertando-o entre seus braços novamente – Não irei permitir que sinta tudo isso sozinho. Não mais... – ela ficou encantada com o verdadeiro rosto de Sasuke, que havia se virado para ela novamente. Ele estava sorrindo e acariciou sua bochecha.

- Sakura... Obrigado... – até sua voz estava diferente.

- Ei! – a voz de Naruto foi ouvida – Quanto tempo irão me deixar aqui?

- Naruto! – Sasuke correu para a beira da rocha e se agachou – Irei buscar algo para te puxar! – Sasuke saiu correndo em seguida.

- Você está bem? – Sakura perguntou.

- Só com frio! – ela mirou a lanterna nele e viu que um feixe de sangue descia da lateral de seu rosto – Está ferido!

- Alguns arranhões...

- Sasuke-kun está vindo, aguente mais um pouco! Você tem que voltar inteiro para Hinata! – ela sorriu e correu para se juntar ao Uchiha. Procuravam um galho grande que sustente o peso de Naruto para poder puxá-lo.

- Acho que esse serve. – ela pegou o pedaço de madeira caído no chão e ela o ajudou a carregar, levando até onde estava um Uzumaki apreensivo e ainda sentindo-se meio zonzo com a queda acidental.

- Segure firme. Iremos te puxar. – dizendo isso, Sasuke o puxou com toda a força.

- Vai devagar! – Naruto gritou, tropeçando e caindo quando chegou na superfície em que os outros estavam.

- Você foi muito imprudente! – Sakura falou apontando para Naruto, que apenas riu e levantou a mão com um fungo muito diferente do que já haviam coletado. – Como conseguiu?

- Enquanto estavam brigando... – ele se levantou e notou suas roupas molhadas. – Vamos voltar. Acho que já deu por hoje...

Todos concordaram e fizeram todo o caminho de volta seguindo as marcas que Sasuke havia deixado nas árvores com o canivete. Se não fosse por aquilo, demorariam muito mais em achar o caminho de volta.

Apesar do pequeno imprevisto e do cansaço, Sakura estava feliz de certa forma, ainda mais quando via serenidade no olhar de Sasuke.

De algum modo, ele havia mudado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Minna, o que acharam? Espero que tenham gostado! Quero saber a opinião de vocês, gosto muito de ler nos comentários. Até o próximo capítulo ainda sobre a viagem com muitos acontecimentos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...