História Separation Anxiety - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Infinite
Personagens Dongwoo, Hoya, Myungsoo (L), Personagens Originais, Sunggyu, Sungjong, Sungyeol, Woohyun
Tags Gyuwoo, Sunggyu, Woogyu, Woohyun
Visualizações 16
Palavras 1.696
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drabs, Drama (Tragédia), Festa, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Foi inspirada na música Day After Day - NELL
Link para música: youtube.com/watch?v=jHUmNOT9n-8
(link tbm nas notas finas)

∞ itálico é pensamentos; o que está em negrito e itálico é a letra musica ∞

Capítulo 11 - Day After Day


Fanfic / Fanfiction Separation Anxiety - Capítulo 11 - Day After Day

Sunggyu suspirou fundo e colocou a mala no chão.

A mansão para qual se mudou estava caindo aos pedaços, mas era um lugar afastado e a cidade mais próxima ficava longe. Por enquanto, teria que se contentar. Isso até descobrirem de novo sua identidade.

Lá fora o vento soprava forte e o barulho das árvores balançando era ouvido pela casa silenciosa. Depois de um tempo, decidiu subir as escadas e ir procurar seu quarto. Se estabeleceu sem muitos problemas.

Meus lábios estão secando

Eu vou e vou, mas não consigo ver o fim

Passou a mão no rosto e decidiu dormir logo, afinal a manhã já estava nascendo. Fechou as cortinas e se deitou na grande cama.

Passou pelo menos um mês na casa, já estava se acostumando a viver lá sozinho.

Tinha voltado de uma caça complicada, quando viu o garoto em frente a escada. Ele estava sentado e cabisbaixo, abraçando os joelhos. Não aparentava ter mais que 18 anos.

– Ei, garoto! Como entrou aqui? Essa casa é minha.

 Ele levantou a cabeça e Sunggyu achou que ele parecia estranhamente pálido.

– Essa casa foi minha antes de ser sua. Eu estava aqui primeiro. – Ele susurrou sombriamente.

Sunggyu franziu o cenho, estranhando.

– Cadê os seus pais? Eles sabem que você está na casa de outra pessoa uma hora dessas?

– Não tenho pais. Eles estão mortos.

O mais velho já ia retrucar uma coisa quando o garoto levantou a cabeça e sorrindo disse:

– Assim como eu..... e você.

Foi então que Sunggyu entendeu do que se tratava.

Era só o que me faltava...

– Apenas não me incomode. – Alertou e passou por ele, subindo a escada.

Os dias pasaram e aquele mesmo garoto sempre estava na sua linha de visão. Sunggyu apenas o ignorava, mas como ele sempre tentando puxar conversa, ás vezes, sem querer respondia meio inconscientemente.

Logo a companhia do garoto se tornou bem vinda porque era raro quando ele podia sair – com medo de ser perseguido por humanos. Sua sede por sangue às vezes o incomodava muito, mas ele tentava resistir.

Eu nunca pensei que seria

Cada momento era uma luta

Mas ainda assim

Woohyun era um garoto curioso e sempre perguntava da vida de Sunggyu, que ás vezes falava uma coisa ou outra, assim como Woohyun também falava um pouco de sua vida passada.

Disse que vivia lá por uns 20 anos depois da sua família ser brutalmente assasinada na guerra por soldados inimigos. Ao contrário de seus pais e irmão, porém, ele permaneceu como espirito na casa.

Assim, aos poucos, eles se tornaram amigos.

Um dia no qual voltou de uma caça ocasional, não achou Woohyun sentado no último degrau na escada como sempre. Estranhou e incosciemente, começou a procurar pelo menino em todo lugar da casa. Um medo dentro de si, de que o garoto tivesse finalmente desaparecido, se fez presente.

Eu vou correr

Apenas espere

Não desapareça

Como sempre, naquele lugar

Achou ele agachado ao lado de sua cama, ele chorava alto. Suspirou e se aproximou do garoto.

– O que houve?

Woohyun não respondeu e apenas soluçou, começando aos poucos a parar de chorar. Sunggyu queria confortá-lo, mas não tinha meio como porque sua mão passava sobre o garoto quando tentava passar a mão em sua cabeça, então desistiu.

–  Porque você estava chorando?

– Não... é... nada. – Woohyun abaixou a cabeça enquanto soluçava.

O mais velho desviou o olhar, sem saber o que fazer. Era ruim com isso de consolar pessoas ou pior, fantasmas.

– Você pode me dizer se quiser. Não é como se eu tivesse alguém para contar de qualquer forma.. – brincou e Woohyun deu um risada curta.

Depois de uma pausa, o garoto disse:

– É que... meus pais morreram aqui. E eu sinto falta deles.... já faz tanto tempo...

Sunggyu sentiu dó pelo garoto mesmo que não tinha sentido nada em séculos. Consolou ele com uma gentileza que não sabia que tinha.

Querendo distraí-lo, Sunggyu contou sua história pra ele, de como tinha se tornado um vampiro. Que vivia a mais de duzentos anos.

Woohyun adorava histórias. Era um rapaz, mas com jeito de garoto.

Lentamente, seu sorriso contagiava Sunggyu que se acomodou com a presença do garoto.

Sempre viveu em solidão, com medo de se relacionar com pessoas. Viu as pessoas que ele amava  morrer uma por uma, então se fechou completamente do mundo por escolha própria.

Aquela imortalidade era sua sina, seu fardo pra carregar pela eternidade.

Talvez seja por isso que se identificou com Woohyun. Os dois estavam presos a uma época que não os pertencia, a uma realidade que nunca sairiam.

Isso era o que Sunggyu pensava, pelo menos.

Quando voltou da caça, Woohyun o esperava na escada. Ele fazia isso toda vez que o vampiro saia, como uma cachorrinho esperando pelo dono.

Espere por mim, dia após dia

Porém, se levantou quando seus olhos se encontraram. A preocupação estava estampada claramente em seu rosto.

– O que houve?

Sunggyu estava todo machucado e ele mancava.

Minha visão está ficando mais escura

Minhas pernas estão perdendo força, eu estou caindo

Cada respiração está ficando na garganta

Em breve se curaria, mas seu corpo ainda doía por inteiro.

– O que aconteceu hyung? – Woohyun disse apavorado.

–  Digamos que eu encontrei certas pessoas deságradaveis.

Nessa ocasião, ele já estaria arrumando as malas para trocar de endereço às pressas, depois de ser descoberto, mas ele não queria ir. Não queria deixar Woohyun sozinho.

– Esqueça. Não é nada. Daqui a pouco eu fico melhor. – Disse ele, tentando fazer com que o fantasma melhorasse seu humor, mas ele continuava preocupado.

Woohyun não disse mais nada, mas a pergunta ficou no ar.

Sunggyu também não citou mais o incidente.

Com sorte, ele despistou os humanos que o atacaram e não sabiam onde estava a casa dele. Tentou passar os dias de modo normal de novo.

Claramente não é tão fácil

Ninguém me disse que seria

Cada passo será pesado

Mas ainda assim

Uma vez, Woohyun o trouxe até o quintal, onde um matagal se estendia extenso.

 – Um dia, isso foi um lindo jardim. Minha mãe costumava cuidar e ela tinha muito orgulho. Em volta da nossa casa era lindo. Eu queria que você tivesse visto, hyung. – Ele sorriu para o vampiro que jurou que seu não-vivo coração bateu mais rápido.

Talvez foi a falta de interação com outros seres que deixou ele de joelho fracos para o belo, sensível e gentil garoto-fantasma. Era idiotice, sabia. Mas não se conteve.

Woohyun não estava mais vivo, então como pôde se apaixonar por ele?

Por isso que fez a estupidez de perguntar porque Woohyun ainda estava ali. Para fanstasmas ficarem na terra, era porque ainda tinham algo para resolver.

– Eu não sei. Não é vingança nem algo do tipo. Talvez eu apenas esteja incapaz de seguir em frente ainda.

– Algo que você queria fazer muito quando estava vivo talvez?

Para aquilo, o garoto sorriu misteriosamente.

Eu vou correr

Apenas espere

Não desapareça

Como sempre, naquele lugar

É por isso que sugeriu a ideia. Seu louco ser apaixonado queria impressionar o garoto.

Sunggyu foi até a cidade mais próxima – disfarçado, lógico –  e comprou coisas de jardinagem. Organizou o jardim de modo a deixá-lo bonito novamente. Woohyun amou a ideia e mesmo que não pudesse ajudar, foi instruindo Sunggyu do que ele devia fazer.

No final do mês, as flores já tinham florescido e o jardim estava lindo.

Sunggyu não queria recompensa melhor do que o lindo sorriso que se abriu no rosto de Woohyun quando viu o ambiente.

Quando eles se sentaram um do lado do outro no banco que dava a vista pro jardim, Sunggyu decidiu que não precisava de mais nada, apenas da companhia de Woohyun.

Não se sentia feliz assim há anos.

Fique aí, dia após dia

Dia após dia

Foi por isso que não esperava as próximas palavras de Woohyun.

“Hyung, acho que já estou pronto pra ir.”

Nunca pensou que palavras podiam ferir tanto quanto aquelas. Mas Sunggyu foi covarde. Não pediu pra ele ficar.

Quem era ele pra privar Woohyun de subir? O fantasma estava há anos preso naquela casa, quem era ele pra impedir Woohyun de finalmente se libertar?

Ele era apenas alguém apaixonado. Um lamentável vampiro apaixonado.

– Quando você vai?

– Antes de ir, preciso fazer algo. Amanhã, me espere aqui nesse mesmo horário e então vou lhe falar. – Então o fantasma sumiu da sua linha de visão e Sunggyu passou a mão no rosto, sem saber o que fazer.

~~

Quando o amanhã veio, ninguém o preparou para a despedida. Chovia, mas ele não se importava.

Sua pernas estavam com caibras, mas continuou esperando.

Vou navegar através da chuva torrencial

Mesmo que eu fique molhado

Mas quem se importa?

Vou dançar na chuva

Apenas diga

Diga que você vai ficar

– Hyung. – Woohyun disse e Sunggyu se levantou. O garoto se aproximou dele.

Nunca ficaram tão próximos assim antes. Ele era um pouco mais baixo que Sunggyu e também tão lindo. O vampiro segurou a respiração, mesmo que não precisasse.

– Meu desejo sempre foi me apaixonar. Acho que por isso que fiquei aqui, inconformado de morrer antes de realizá-lo. Mas depois que você veio, depois que te conheci, pude conhecer um pouco desse sentimento.

Ele levantou a mão e acaricou a maçã do rosto de Sunggyu, apesar das suas mãos não serem sólidas, o vampiro ainda sentiu o frio toque ali.

– Obrigado por me mostrar o que é o amor antes de eu partir.

– Woohyun-ah, você sabe que não precisa... podemos viver eternamente aqui.

– Não hyung. Eu não pertenço a esse mundo e sei disso. Esse era meu único desejo e tudo graças a você, eu consegui realiza-lo. Obrigado hyung.

Ele juntou seus lábios e Sunggyu quase podia jurar que sentiu algo. Woohyun estava impecável. Como um anjo, ele brilhava e lentamente desaparecia.

Sunggyu chorava, algo saia de seus olhos, mas isso não importava. Não conseguia dizer mais nada. Apenas observava enquanto o garoto que tinha lhe cativado sumia no ar, na luz forte da lua e da chuva sobre eles.

– Não me esqueça e me guarde no seu coração. Vamos nos encontrar na próxima vida, hyung.

E com isso, ele se foi.

Fique aí, dia após dia

Dia após dia


Notas Finais


Link: https://www.youtube.com/watch?v=jHUmNOT9n-8

~~ E voltamos com a onda de separação~

Na verdade essa era com outra música que eu tive a ideia, mas como não combinou, eu escolhi essa que fica melhorzinha <3
Nossa eu não posto aqui desde fevereiro kkkkkkk //corre em vergonha

Desculpa gente eu sou um lixo eu sei kk sorry e bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...