História Sequestrada? - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers), Percy Jackson & os Olimpianos, Thor
Personagens Anthony "Tony" Stark, Atena, Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Loki, Natasha Romanoff, Odin, Pepper Potts, Percy Jackson, Personagens Originais, Poseidon, Steve Rogers, Thor, Zeus
Tags Loki
Visualizações 42
Palavras 1.511
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Super Power, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiee pessoenhas
Turuh bom com vcs?
*Desligando modo blogueirinha fake*
Voltei com mais um capítulo antes de completar um mês sem atualização (tô até orgulhosa de mim mesma)
Eu escrevi esse capítulo pelo computador, então se tiver algo errado me avisem, até pq não tem corretor q nem o do celular
Aliás, estou postando pelo pc agora mesmo, e estou amando tinha esquecido o quanto é bom escrever e mexer no pc
Tentei até postar ontem e tals, pq o capítulo tava até pronto, mas eu terminei era mais de onze da noite e eu tava mt cansada, então pra eu conseguir revisar rapidamente e postar, ia demorar mt e eu estava realmente bem cansada
Não postei hj mais cedo pq tenho compromisso todo domingo de manhã e saí com minha mãe a tarde toda, até mais ou menos umas sete e meia
Bora parar de enrolar e boa leitura!

Capítulo 16 - Capítulo XVI


Senti que Loki havia deixado algumas coisas para trás enquanto me contava o que havia acontecido, mas decidi não perguntar. Minhas memórias iriam voltar logo.

Ele continuava na poltrona, encostado e descontraído. Olhou nos meus olhos poucas vezes em que eu fazia alguma pergunta, e ficou tenso quando coloquei minha mão por cima da dele -mas não a retirou.

Quando terminou de me contar tudo, se levantou e pegou seu livro na ponta da cama, e sentou-se ao meu lado na cama. Me ajeitei de uma forma que conseguiria ler o livro e que não me incomodasse. Encostei minha cabeça em seu ombro e dessa vez ele não ficou tenso. Talvez tinha se acostumado com minha aproximação repentina.

Percebi que o livro era de alguma língua não-midgardiana e suspirei. Eram apenas desenhos, como alguém conseguia ler aquilo?! Senti o deus rir ao meu lado.

-O que foi? -desencostei dele e o encarei sorrindo um pouco.

-Não são desenhos. São letras, assim como as que têm em Midgard. -ele continuava a olhar para o livro, mas sorria. Sabia que ele falaria algo do gênero ao ver que tinha lido minha mente.

-As da Terra -usei o nome mais comum -, são bem mais normais do que esses desenhos. Mais simples.

Suspirou. Continuava a sorrir. Vi o quanto ficava bonito sorrindo. Me encarou antes de dizer:

-Se quer que eu a ensine a ler, é só pedir.

Fiquei surpresa. Eu não tinha pensado nessa possibilidade ainda, mas ele viu que eu queria aprender apenas pelo meu olhar. Ele havia me decifrado e continuava indecifrável para mim.

Eu teria o abraçado ali mesmo se pudesse. Entendam, se pudesse. Minhas recentes fraturas me impediam de me mover tanto, imagina me jogar em cima dele. E eu sabia que ele ficaria estranho se eu o abraçasse. Nesse tempo que fiquei com ele, pude perceber que não gostava de tanto contato.

Sorri em resposta. Claro que eu queria. Seria um alívio conseguir ler pelo menos uma parte daquela biblioteca. E teria algo para fazer enquanto me recuperava.

-Podemos começar quando? -o perguntei. Estava ansiosa.

-Daqui a pouco. Terminarei de ler esse capítulo. -Loki me respondeu.

Me encostei novamente nele e esperei. Nesse meio tempo pensei em como nossa “relação” havia melhorado. Ele me tratava melhor e não ouvia seu tom de sarcasmo fazia um tempo. Vi o verdadeiro sorriso dele, o que também me fazia sorrir. Ele escondeu seu lado bom atrás de sarcasmo e mentiras. Agora que havia tirado essa máscara e mostrado seu verdadeiro eu para mim, esperava que não colocasse de volta nunca mais.

Ele terminou de ler e me ajudou a levantar. Olhou meus ferimentos mais uma vez e me levou até a grande biblioteca. Me sentei numa mesa que tinha no fim da biblioteca atrás de várias estantes -a qual eu nem fazia ideia de sua existência -, e esperei Loki voltar com os livros que dissera que iria buscar. Ele demorara mais do que eu havia imaginado, dando tempo suficiente para eu ficar entediada de olhas as altas estantes sem poder me mexer, e procurado uma posição mais confortável do que sentada de qualquer jeito na cadeira.

Quando Loki voltou fiquei um pouco surpresa, pra não dizer que fiquei muito. Ele voltou com alguns livros bem grossos em mãos, que pareciam que ninguém mexeu neles por dezenas de anos. Espalhados na mesa percebi que tinha mais poeira do que o quarto da Sara na casa do pai dela, pois além de ficar quase sempre na Torre, não se dava muito bem com o padrasto dela (o qual todos ainda acham que seja o pai legítimo dela) e a mãe adúltera. E também não fazia questão de limpar ou pedirem para limpar seu quarto.

Ao abrir um livro próximo de mim senti poeira impregnando o ar me fazendo espirrar. Quando espirrei, meu tronco foi para frente com mais força do que eu imaginava e senti minhas costelas se mexendo mais do que o esperado. Soltei um gritinho de dor agudo e deitei minha cabeça na mesa esperando que parasse de doer. Tentava regular minha respiração descompassada para não doer mais do que já estava doendo.

Após controlar minha respiração voltei a me encostar na cadeira sentindo dor a cada movimento que fazia. Encontrei o olhar de Loki que ainda me encarava esperando que eu me recompusesse para começarmos. Sua expressão era indecifrável, sem o sorriso sarcástico ou cínico, sem um pingo de preocupação passava pelos olhos dele fazendo com que eu me perguntasse se realmente nossa “relação” havia melhorado ao menos um pouco. Na verdade, ele passou de ódio para indiferença, que se olharmos era uma grande evolução, ele só continuava a ser o babaca de sempre.

-Podemos começar. -eu consegui dizer depois de me acomodar direito na cadeira.

-Você se sente melhor? Quer ajuda com alguma coisa? -ele perguntou com um sorriso que imaginei ser falso, porque como alguém passa de indiferente para preocupado em segundos? Algum livro pesado caiu na cabeça dele quando foi buscar os livros?

-Não… Por quê? -consegui responder fazendo uma pergunta em seguida sem conter minha curiosidade e estranhamento. O mais estranho era que ele me olhava com uma sobrancelha levantada como se soubesse de algo antes e só quisera provar mais para ele mesmo.

-Você ouviu o que acabou de falar?

-Um pouco óbvio talvez, querido. -respondi rindo sarcástica. -A primeira pessoa que ouve a sua voz é ela própria, então sim, eu ouvi o que eu dis… -não terminei de falar por sentir algo estranho. Eu não estava falando em inglês. Era outra língua, que eu não deveria saber, até porque nunca havia feito aula dessa língua, desconhecida por enquanto.

Loki continuava a me olhar com aquela maldita sobrancelha levantada. Odeio quando ele faz isso, como se fosse superior à mim -bom, nesse caso ele deve realmente ser, que além de eu estar machucada, eu não sei onde caralhos eu estou -, e esperava que isso fosse acontecer, seja lá o que aconteceu.

Ele colocou um livro na minha frente, menos empoeirado do que o último que eu havia pegado, e mandou eu ler o texto da página em que estava. Comecei a ler passando meus olhos pelas letras estranhas e desconhecidas antes de ver o deus ali se segurar para não bater na própria testa e murmurar um “midgardiana burra”.

-Leia em voz alta, midgardiana.

Suspirei alto antes de começar: -”Héstia, filha de Cronos e Reia, irmã mais nova de Hera e Deméter, mais velha de Hades, Poseidon e Zeus, é uma das doze divindades olímpicas. Jurou virgindade perante Zeus por ser cortejada por Poseidon e Apolo, recebendo dele a honra de ser venerada em todos o lares…” E por que me fazer ler sobre essa deusa grega? -perguntei.

Ele me olhava incrédulo, talvez fosse por eu ser incrivelmente retardada. Quando percebi o que eu havia feito minha vontade era de bater minha cabeça na mesa até perder a consciência. Eu tinha lido aquele texto em uma língua que eu julgava não ter conhecimento sobre.

-Pra começar midgardiana estúpida, você leu em grego antigo sem dificuldades. Segundo, você conversou comigo antes também em grego antigo sem perceber. Apesar de parecer, você pode não ser tão burra e inútil quanto eu pensei.

Revirei os olhos. Vai ser difícil aguentar essa criatura pelas próximas horas.

***

Loki só não me fez ler o livro em grego antigo todo porque mandou em ler no meu quarto depois que terminássemos com os outros livros ali. Ele me ensinou a ler o básico do nórdico antigo, a língua em que quase todos os livros da biblioteca de Asgard foram escritos. Ainda era falado o nórdico antigo em algumas partes de Asgard. Então era dali que o sotaque forte do Loki viera. Não vou mentir, o inglês dele consegue ser mais sexy do que o britânico, algo que eu considerava teoricamente impossível, já que o inglês britânico era maravilhosamente sexy. Senti uma invasão na minha mente que logo desapareceu seguido de um deus trapaceiro rindo de leve.

Após terminarmos depois de horas seguidas dentro daquela biblioteca com cheiro de livros e carvalho, eu pude voltar ao meu quarto com o livro de grego antigo em mãos, sozinha. Loki ficara dizendo que iria organizar algumas coisas e que se eu precisasse dele era só gritar. Estranho? Sim, mas ele é estranho, então deixei pra lá.

Eu estava consideravelmente com fome, mas decidi esperar o Loki voltar, sabendo que descer as escadas sem auxílio dele seria praticamente suicídio. Sentei na minha cama tentando não me machucar muito e deixei o livro no meu colo. Toquei levemente os detalhes do livro. Parecia tão delicado e ao mesmo tempo tão grosseiro. Parecia ter sido feito por alguém extremamente talentoso, mas que foi finalizado às pressas. Suas letras gregas delicadas e fortes. Desenhos lindos e sombrios.

Apesar de me sentir curiosa, o cansaço era maior e ficava cada vez mais difícil manter meus olhos abertos. Quando menos esperei meus braços se soltaram do livro e caíram do lado do meu corpo e eu adormeci.


Notas Finais


Gostaram? Odiaram? Mereço comentários? Voltei cinco dias antes do que eu imaginava, então só por isso já acho q vcs deveriam comentar ksdjjksfnsj
Zoas, ngm é obrigado a comentar, mas me faria mt feliz se os fantasmas aparecessem *emoji de coração, pq o pc não tem emoji*
Byee e até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...