História Serenata - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Kai, Personagens Originais
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Comedia Romantica, Exo, Fluffy, Romance, Serenata, Yaoi
Exibições 309
Palavras 1.286
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, meus anjos. Chegamos ao último capítulo de Serenata. Sim, chegamos ao fim. D: Estou triste e feliz ao mesmo tempo, é uma sensação estranha. Essa é a segunda fanfic que finalizo aqui no site. nhoonhonho *-* kkkk
Bem, não falarei muito aqui. Leiam as notas finais. <3

Hoje não temos observações, então...
Boníssima leitura! <3

Capítulo 7 - Serenata.


capitolo sette

 

 

 

Seis meses depois.

 

"Quem diria, Chanyeol. Há um ano você dizia que serenatas eram algo desnecessário, chato, meloso demais, e olhe só para você agora... Se preparando para uma."

Semicerrei os olhos. Alessandro vinha me dizendo isso desde que eu lhe contei sobre a minha ideia. Eu sabia que era brincadeira dele, mas eu já estava ficando um pouco irritado consigo. Estava ansioso para ver a reação de Baekhyun, em minha mente só se passava isso, então qualquer coisa me fazia perder a paciência com rapidez.

Grunhi de nervoso.

"Eu só quero agradar ao Baekhyun, Alessandro. Depois de todos esses meses, sinto que chegou a hora de oficializarmos o nosso relacionamento. Eu só não o fiz antes porque ainda estávamos nos conhecendo e"

"Shhhh!" Cortou-me. "Eu sei, Chanyeolli. Estou apenas brincando, não precisa repetir. Mas é que eu acho engraçado." Gargalhou. Devia estar me imaginando. Pensei em tacar a minha almofada em seu rosto, mas ele voltou a falar: "Eu estive certo esse tempo todo. O que te irritava era saber que estavam querendo roubar a atenção de Baekhyun, não as serenatas. A ideia de perdê-lo de vez te irritava."

Sim, Alessandro sempre esteve certo. Mas como sou orgulhoso, preferi mudar de assunto:

"Baekhyun já está em casa mesmo?" Perguntei.

"Sim, eu o vi chegando."

"Certo."

Dei mais uma checada no horário, sentindo borboletas no estômago pela milésima vez naquela noite. Restavam dez minutos.

No mês anterior, eu havia decidido que faria uma serenata para Baekhyun. A ideia surgiu quando nós presenciamos uma, que acontecia numa viela perto da nossa. Baekhyun suspirou ao ver a cena e disse: "Ah, eu acho serenatas tão românticas. Ainda mais quando são feitas pela pessoa certa."

Senti um pouco de ciúmes, confesso. Jongin havia feito a ele várias serenatas. Entretanto, o que me animou fora a sua indireta para mim. Bem, eu achava que era.

Seria eu a pessoa certa, de acordo com ele?

Esperava que sim.

 

 

Decidi que usaria e abusaria da serenata tradicional. E o dia ainda estava contribuindo para isto. O céu era domado por estrelas brilhantes, não existia uma nuvem sequer. A Lua encontrava-se perto do horizonte, como no Ano Novo, para tornar-se uma com o mar. E desta vez eu não senti inveja dos dois. Em poucos minutos, eu e Baekhyun passaríamos a ser um, também.

Tudo estava pronto.

Algumas pessoas que passavam por mim percebiam que ali aconteceria uma serenata e, então, paravam para observar. Alguns tinham olhares curiosos; outros, esperançosos. Italianos adoram uma cena romântica.

Pude ver expressões de surpresa por parte dos meus vizinhos. A maioria sorria e me desejava sorte através de gestos com as mãos, ou através de simples olhares. Aquilo tudo fazia o meu estômago revirar em nervosismo.

A alguns metros de onde eu me encontrava, estava Alessandro abraçado à própria namorada. Ele balançou a cabeça positivamente, encorajando-me.

Ajeitei o microfone em minhas mãos e olhei para os músicos que contratei. Contei até três, como o combinado, para que eles começassem a tocar os instrumentos. E quando o momento certo da música chegou, comecei a ditar o texto que fiz e memorizei para aquela ocasião:

"Byun Baekhyun," Fiz uma pausa. "Nesta noite, exatos seis meses se completam desde que nós saímos juntos pela primeira vez. O tempo passa rápido, não é mesmo?" Abri um sorriso, nostálgico. "Sabe... eu nunca disse isso de maneira tão explícita para você, pois esperei o momento certo para fazê-lo, e esse momento é agora. Toda vez que penso em ti, eu desejo que nós dois sejamos um só, assim como o mar e a Lua fazem todos os dias. E esse desejo vem de muito, muito tempo. Vem desde quando nós nos vimos pela primeira vez. E quando eu te olho..." Sorri, lembrando do sorriso dele. "essa vontade só aumenta." Todos me olhavam, emocionados. Até mesmo Alessandro. Tive vontade de rir, mas me segurei. "Esses seis meses se foram, porém deixaram comigo uma certeza: eu quero você. Eu quero que seja você, a pessoa a passar todos os dias da minha vida ao meu lado. Eu quero te amar intensamente, eu quero te abraçar com a certeza de que você é meu e, principalmente, olhar-te, quando estivermos mais velhos, com o orgulho de ter construído a minha vida ao lado de alguém tão especial como você. Então" Ajoelhei-me, estendendo uma rosa vermelha em direção à janela do quarto de Baekhyun. "O que tu me dizes, Baekhyun? Aceita passar os seus dias apenas ao meu lado, a partir de hoje?"

Silêncio.

Voltei a fitar a janela pela qual Baekhyun deveria aparecer, mas nada. Comecei a ficar nervoso e frustrado. Baekhyun seria capaz de fazer aquilo comigo, após seis meses agindo como se fôssemos namorados?

Ao contrário do que muitos esperavam, eu não me levantei. Permaneci ajoelhado, para o caso de Baekhyun aparecer do nada.

Vi Alessandro ameaçar vir até mim, quando uma voz cortou o silêncio:

"Chanyeol!"

Era Baekhyun. Ele chorava, e eu não sabia se era um choro de emoção ou tristeza.

Ele correu até mim, deixando seu corpo se chocar contra o meu. Seus braços me apertaram com força e eu podia sentir o seu coração bater feito um louco. Não muito diferente do meu, vale lembrar.

"O-o que houve, Baekkie?"

"Meu Deus, eu achei que você... fosse embora achando que eu te ignorei." Sua fala era entrecortada pela respiração arrítmica. "Decidi aparecer para você aqui embaixo, como uma surpresa, mas eu não estava achando a minha chave em lugar algum. Me desculpe, me desculpe..."

Fiquei de pé. Levei minhas mãos às suas faces, fazendo-o olhar fixamente para mim. Senti-me aliviado ao tê-lo à minha frente.

"Ei, ei. Calma, Baekkie." Encostei nossas testas e vi-o fechar os olhos. "Mas você está bem?"

Ele fez que sim.

"Só estou emocionado."

"Isso é bom."

Ele riu.

"Sim..."

"Mas sabe... se você tentasse fugir de mim, eu iria atrás de ti."

Baekhyun iniciou um carinho em minha nuca.

"Mesmo?"

"Mesmo. Jamais desistiria de você, Baekhyun."

Sorrimos.

"Park Chanyeol." Afastou-se de mim. Ele falou o meu nome de forma tão bonita... "Eu aceito passar a minha vida ao seu lado. Não só essa, mas como todas as outras. Faço de suas palavras as minhas."

E todos ao nosso redor vibraram em comemoração. Alessandro foi o primeiro a gritar, contagiando o resto ali presente. Baekhyun ficou envergonhado, mas não conseguiu ficar sério com aquela cena. Já eu, não fiz questão de segurar as lágrimas. Chorei, beijei os lábios de Baekhyun, envolvi o seu corpo pequeno com meus braços; eu tinha a sensação de dever cumprido. Eu era um homem realizado.

"Eu te amo, Chanyeol." Baekhyun sussurrou em meu ouvido, enquanto éramos rodeados pelas pessoas. Os músicos, com seus violões, tocavam algo mais animado agora, e todos aproveitavam para dançar ao nosso redor. Eles comemoravam o nosso amor.

"Eu também te amo, Baekkie. Você não faz ideia do quanto."

Segurei sua cintura e o trouxe para mais perto de mim. Baekhyun fez o mesmo.

"Você me concede a honra?" Perguntei. Acabei por ficar com vontade de dançar, também.

"Sempre."

Rimos.

E dançamos sob a luz da Lua até nossas pernas pedirem um descanço. Sorrimos, aquecemos nossos corações com beijos molhados e apaixonados, confirmando aquele sentimento que sempre existiu dentro de nós. Fizemos juras de amor, do nosso amor, que eu sabia que seria eterno. Não sei quantas vidas dura a eternidade, mas tenho a certeza de que quero passá-la ao lado de Baekhyun, independente do que teremos de enfrentar para ficarmos juntos mais uma vez.

 

 

 

 

"[...]Amo-te afim, de um calmo amor prestante

E te amo além, presente na saudade

Amo-te, enfim, com grande liberdade

Dentro da eternidade e a cada instante[...]"

Vinícius de Moraes.

 

 

 

Fim.


Notas Finais


Primeiramente, quero agradecer pelos favoritos, pelos comentários carinhosos, por tudo! Vocês são maravilhosos.
Muito obrigada por me acompanharem em Serenata. Sempre serei grata a todos vocês, de verdade. Muito, muito obrigada!
Desculpem, eu sou péssima com despedidas... e falando nisso: eu só voltarei a postar aqui no site em Dezembro. Estou escrevendo uma outra Chanbaek. É quase certo que eu comece a postá-la no final de Dezembro, no máximo início de Janeiro. Então, se vocês querem lê-la, sugiro que sigam o meu perfil para não perdê-la. Estou dando o meu melhor para que ela seja inesquecível.

Bem, é isso. Mais uma vez, muito obrigada por TUDO! EU AMO VOCÊS! <3

Até a próxima.

Mil beijos,
Isa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...