História Sete Minutos no Céu - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Brigas, Drama, Dylanobrien, Faculdade, Hollandroden, Mathewdddario, New Adulto, Newadulto, Nudez, Romance, Sexo, Vingança
Visualizações 123
Palavras 1.563
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Bom dia povo meu!!!!!!
Trazendo para vocês mais um capítulo lindo de ADELINE!!!!
Boa leitura

Capítulo 16 - Capítulo 12


Música do capítulo:

Same Mistake: One Direction

 

Harris, Adam Taylort

Pela primeira vez em todos esses anos, a tirania de Otavian havia me prestado um favor. Aquela monitoria era tudo o que precisava para levar Eve para a cama. Aqueles três dias na semana eram aguardados com muita ansiedade e eu aproveitava cada segundo para admirá-la. Ela era tão esperta e inteligente... ficava criando dúvidas que nunca existiram apenas para prolongar suas explicações. Sua voz me deixava completamente hipnotizado. Era tão rouca e sensual que não havia formas de não fantasiar com seus sussurros ao pé do ouvido tal como ela fazia em meus sonhos.

Todas as noites minha mente era invadida por cenários e situações eróticas onde Eve era mantida como o centro das atenções. Ela era sempre tão sacana e disposta a coisas novas que me fazia acordar vergonhosamente ejaculado. Tive que passar a dormir de cueca para diminuir a sujeira que amanhecia em meus lençóis. A última vez que havia estado naquela situação fora aos quatorze anos quando flagrara a vizinha se tocando na frente do espelho. Lembro que sonhara com aquilo até os quinze quando transei pela primeira vez.

Agora ali estava eu, envolto na mesma situação e sem ter a menor idéia de como faria para reverter aquilo já que, sempre ao final de nossa sessão, Liam aparecia para buscá-la. Os dois vinham saindo desde o início da semana e não me surpreenderia se já estivessem namorando. Eve era esse tipo de garota. Ela curtia flores, bombons, jantares a luz de velas, mãozinhas dadas e toda a baboseira romântica que Hollywood infundia na cabeça das mulheres deixando-as descerebradas. Mas ao contrário de todas, Eve instigava a vontade de trata-la dessa forma. Por baixo de toda a camada de roupas bregas e de seu perfeccionismo e linguagem pomposa, ela era divertida e espirituosa. Não que tenhamos conversado muito durante esses dias, mas havia percebido seu humor divertido e sarcástico em certos comentários e durante suas explicações. Havia me contido um par de vezes para não convidá-la para algum programa, mas estava se tornando cada vez mais difícil.

“Eu estive pensando...” iniciei a conversa tirando a atenção de Eve do livro de literatura.

Não faz isso Adam! A voz em meu cérebro gritou.

“... Tem um filme em cartaz que estou muito a fim de ver e queria saber...”

Pare agora seu imbecil! Meu subconsciente gritava cada vez mais alto e de forma desesperada.

“... Se você gostaria de me fazer companhia!”

Merda, merda, merda!  Ele exclamava derrotado.

Eve arregalou seus lindos e hipnotizantes olhos verdes e um tom rubro se apoderou do rosto. Ela olhou de um lado ao outro claramente sem saber o que fazer ou como agir. Minhas mãos estavam ensopadas de suor e aos primeiros tremores, tratei de escondê-las embaixo das pernas para que ninguém percebesse meu nervosismo. Era assim que os caras se sentiam quando convidavam garotas para encontros? Bom.... esse era um ótimo motivo para não repetir a experiência. Isso e o fato de meu estômago estar tentando trocar de lugar com os rins....

“Adam eu... você está bem?” ela questionou olhando-me de forma preocupada. Ah meu Deus! Eu deveria estar com a expressão péssima.

“Sim... estou ótimo!” respondi dando uma risada esganiçada totalmente horripilante. Dava para sentir as gotículas de suor se formando em minha testa e de repente foi ficando difícil de respirar. Meus pulmões queimavam e pareciam diminuir a cada segundo. Eu estava à beira de um ataque de asma! Aquilo não poderia ficar mais constrangedor.

“É obvio que não está Adam, você está vermelho e hiperventilando!”

“É que está um pouco difícil de respirar!” respondi tentando puxar o ar com mais afinco. Precisava me acalmar. Não tinha um ataque asmático há anos.

“Você é asmático?” questionou assustada se aproximando antes de colocar sua mão sobre meu braço enquanto a outra alcançava o rosto.

“Fui... na infância!”

“Ai meu Deus.... preciso tirá-lo daqui!”

“Não... calma! Eu... só... preciso...  me... acalmar!” falei fechando os olhos e tentando inspirar todo o ar que podia antes de expirar lentamente. Durante a infância, minha mãe me ensinara algumas manobras para controlar determinados tipos de ataques. Nem sempre conseguia, mas depois de adulto, meus episódios eram facilmente controlados com as técnicas. Eu apenas precisava focar em algo relaxante.

As mãos frias de Eve foram para o meu rosto quando ela começou a falar palavras tranquilizantes em meu ouvido me distraindo do desconforto respiratório. Após alguns minutos, meus pulmões descontraíram e o ar enfim começou a circular de forma natural. Abri os olhos para fitar o rosto preocupado de Eve a minha frente. Assim que percebeu que o pior havia passado, sua boca desenhou um sorriso lindo e aliviado fazendo-me agir por impulso e dar-lhe um rápido selinho.

Fora apenas uma roçada de lábios, mas forte o suficiente para me fazer acender como a Time Square em véspera de Natal. Eve permaneceu olhando-me com incredulidade e por um momento me arrependi por ser tão impulsivo.

“Desculpe-me!” pedi entendendo que havia cometido um tremendo erro.

“Por favor, não faça mais isso!” ela pediu antes de arrumar suas coisas e sair.

“Merda!” xinguei alto recebendo um saraivada de pedidos de silêncio de metade da biblioteca.

Reprimindo a vontade de manda-los a puta que os pariu, arrastei a cadeira para trás a fim de levantar e fui atrás de Eve.

“Desculpa por aquilo Berry. Eu apenas queria agradecer pela ajuda. Foi algo totalmente sem segundas intenções.”

Descarado mentiroso! Recriminei a mim mesmo. O gesto fora totalmente cheio de segundas intenções. Estava cheio delas há dias. Só pensava em beijá-la de forma selvagem enquanto me enfiava com toda força em seu interior.

“Liam e eu estamos ensaiando um relacionamento e não posso me ver inserida em situações constrangedoras como as que me sujeitou!”

“Eve foi apenas um selinho sem importância!”

“Você me chamou para um encontro também e eu... arghh!” ela gemeu passando as mãos pela testa demonstrando que sua irritação vinha mais do fato de ela ter querido aceitar do que pelo beijo. “Não posso querer encontros com alguém como você!”

Ela estava tão frustrada quanto eu empolgado por saber que ela se sentia tentada a aceitar.

“Eve, eu não tenho encontros. Apenas a convidei para assistir ao filme porque estamos nos dando bem e gostaria de retribuir a ajuda com os estudos.”

Mentira, seu nome do meio é Adam!

“Não vou tentar nada com você, prometo!”

Ela me analisou por um momento antes de aceitar o convite. Meu coração explodiu em felicidade e fora inevitável o sorriso. Sentia como se houvesse acabado de ganhar o maior prêmio do mundo.

Ainda sustentando o sorriso bobo na expressão, acenei em direção ao porshe e rumamos para o shopping. Durante o trajeto, entreguei o celular a ela para que reservasse as entradas. Eve arqueou a sobrancelha esquerda de maneira surpresa quando lhe falei o título do filme. Uma onda de nervosismo me assolou por temer que ela não tenha gostado da escolha.

“Você aprecia filmes indianos?”

“Sim...” respondi sem encará-la por estar irritado com sua reação. Sempre que alguém descobria sobre meu gosto cinematográfico, esboçava uma reação de surpresa como se gostar de filmes estrangeiros fosse um crime hediondo. “Gosto de filmes estrangeiros no geral, mas possuo um apreço especial pelos de Bollywood!”

“Soaria estranho se eu confessasse também partilhar de sua opinião?”

Agora fora minha vez de esboçar surpresa.  Nunca havia encontrado alguém além de Lia que demonstrasse empatia por aqueles tipos de filmes.

“Estranho não... apenas surpreendente!” falei enquanto tentava me recuperar do impacto de possuir uma semelhança com aquela garota.

“Posso me referir a você da mesma maneira! Desculpe, mas você não se assemelha em nada a pessoas que apreciam alguma coisa além de filmes de ação e de super - heróis. Não que eu tenha algo contra.”

Ela se apressou em se desculpar fazendo-me sorrir.

“Eu curto também, apesar de sempre sair frustrado com as adaptações...”

“Vocês nerds de HQs conservadores sempre fazem muxoxos sobre os estúdios nunca possuírem fidelidade aos quadrinhos... isso é tão irritante!”

Caramba, aquela garota nunca iria parar de me surpreender?

“Como sabe que leio quadrinhos?”

“Somente um alucinado pelo tema esboçaria a carranca que você fez ao falar das adaptações.”

Eu a olhei confuso fazendo-a sorrir

“Além do mais, eu vendi a Moira a edição numero 15 do Homem Aranha e como percebi que tanto ela quanto Dylan não possuem a refinada arte de apreciação por esse tema deduzi que seria para você!”

“Caralho! Era sua?”

Dizer que estava impressionado era pouco diante aquela informação. Eve estava falado de uma das edições mais raras do mundo. Como ela conseguira se desfazer daquele tesouro?

“Porque está me olhando como se eu houvesse cometido um crime? Garotas também podem gostar de quadrinhos!”

“Eu sei! Mas é que você parece o tipo de garota que curte aqueles romances água com açúcar de Hollywood. Saber que curte Hqs de forma tão... profunda é de causar surpresa.”

“Assim como você e seus filmes Bollywoodianos!”

Nós sorrimos e continuamos o assunto sobre quadrinhos. Era impressionante o quanto suas opiniões e críticas possuíam embasamentos tão coesos. Vê-la defender motivações e apontar semelhanças psicológicas entre vilões e mocinhos era sexy para caralho. Eve havia implantado um novo fetiche em minha mente e esse, assim como os demais que me assombravam desde o começo da semana, só poderia ser realizado com ela.


Notas Finais


Caramba, confesso que não consigo parar de sorrir de Adam!
O garoto tem tanta resistência a compromissos que até uma crise de asma o atacou por conta de um simples convite!
Amo esse menino!!!!!!!
Então.... Eve e Liam né?
Algo me diz que isso não irá durar kkkkkkkkk
Me contem o que acharam dessa conversa nerd entre eles. Adeline finalmente percebendo que não são tão diferentes assim no final nao é mesmo?
Comentem e recomendem SETE MINUTOS NO CÉU. Vamos fazer mais pessoas se apaixonar por esse casal maravilhoso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...