História Sete Nomes - Capítulo 33


Escrita por: ~ e ~tiaSnape

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Argo Filch, Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Fílio Flitwick, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Minerva Mcgonagall, Narcissa Black Malfoy, Pansy Parkinson, Pedro Pettigrew, Personagens Originais, Rodolfo Lestrange, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Vincent Crabbe
Tags Comensais, Dumbledore, Harry Potter, Snape, Vergonha Alheia, Voldemort
Exibições 57
Palavras 1.794
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Canibalismo, Mutilação, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


BOA NOITE, WIZARDS!

VOCÊS RECUPERARAM O AR DO CAPÍTULO POSTADO ANTERIORMENTE?
EU AINDA NÃO ACREDITO QUE A TAI FUGIU DO SNAPE, SÉRIO, ALGO ERRADO NÃO ESTÁ CERTO
NJJDBABADAD

QUEREMOS AGRADECER ESSES AMORES QUE COMENTARAM E FAVORITARAM ESSA SEMANA <3
VOCÊS SÃO O GÁS DESSE BALÃO
KE
NANDADBADA

BOA LEITURA E NOS VEMOS LÁ EMBAIXO!

Capítulo 33 - Reencontro


Fanfic / Fanfiction Sete Nomes - Capítulo 33 - Reencontro

   Anteriormente em Sete Nomes:

   “O vaso caiu no chão e virou vários cacos, vendo isso vi meu futuro como moradora de rua, amiga dos mendigos.”

                                                                           

                                                                 P.O.V Amanda

   Um súbito desespero me invadiu. Já quase fui estrangulada pelo Snape por causa da cueca e agora eu não sei o que seria de mim. Não que eu tivesse medo, gostava de desafia-lo. Meu passatempo predileto é irritar.

   – Vamos duelar? – Pedi, casualmente, como se não tivesse acabado de quebrar o vaso preferido de Severinho.

   Tainara me olhou.

   – Se interna – disse. – Você viu o que acabou de fazer? Meu cu está piscando de tanto medo, e você está dizendo de duelar.

   Começo a rir. Umedeço os lábios e a encaro.

   – Você sabe consertar? – Perguntei.

   Ela me olhou, assentindo.

   – Reducto – exclamou Tai apontado a sua varinha de tortura para o vaso, que se consertou em seguida.

   Agradeci mentalmente. Coloquei o vaso no mesmo local que estava.

   – Agora podemos duelar – Afirmei.

   – Vamos dormir, amanhã duelamos.

   Falou ela indo em direção das escadas.

   Eu quero duelar! Cadê o Rabicho nessas horas? Af! Ele só me quer pra sexo.

   Merlin, é cada pensamento que eu tenho...

                                                                          

                                              [30 de Agosto de 1995, quarta-feira]

   Acabamos de voltar do Beco Diagonal, e já compramos os livros que faltavam.

   Estou preparando café, já é perto das 16h00min. Sinto uma dor descomunal no meu antebraço, levo instantaneamente a mão para esfregar o local da dor. Caralho.

   Levanto a manga do casaco e vejo a cobra da Marca Negra mexendo-se. O Lord está chamando. Merlin...É a primeira vez que ele nos chama!   

   – Tai!

   Sai da cozinha chamando-a. Ela está sentada no sofá, olhando a Marca.

   – A sua também dói? – Pediu.

   Assenti, puxando todo o ar possível para meus pulmões.

   – SNAPEE! – Berrei, fingindo apavoramento, como se alguém tivesse invadido a casa.

   Até Rabicho desceu, e eu senti vontade de jogar o vaso, que fora consertado há pouco tempo, em sua cabeça.

   Snape nos encara com aquela sua expressão.

   Mostrei meu antebraço a ele.

   – Está se mexendo. Nós vamos ir?

   Snape assente, e eu e minha prima aparatamos com ele.

                                                                                 

   Uma cena curiosa me chamou atenção. Narcisa estava distribuindo pacotes. Peguei um, e Tai também.

   Havia dentro, uma roupa de veludo preto, e uma máscara, realmente encantadora.

   Perguntamos a ela onde poderíamos trocar a roupa e ela indicou um cômodo com porta de carvalho negro.

   Entramos no local indicado, no cômodo só continha três poltronas de couro preto, uma copa com várias bebidas e um espelho do teto ao chão.

   Saímos do cômodo vestidas de Comensais da Morte, estamos muito lindas dentro dessas vestes. E seguimos para o local onde ganhamos a nossa Marca Negra, a biblioteca.

   Adentramos a biblioteca, e vários rostos mascarados viraram-se a nós.

   Voldemort encontrava-se no canto da sala. Fizemos uma reverência, não queria levar um Crucio na primeira reunião. Queria mesmo era uma pirocada. Meu Deus, dá pra desligar a minha mente?

   Nos juntamos aos outros comensais.

   Observei cada um deles com atenção, apenas os olhos ficavam expostos. E um eu reconheci. Um par de olhos verdes brilhantes. Não pude deixar de sorrir, já que não apareceria por conta da máscara. Pois, se havia uma máscara, significava que não se era para descobrir quem estava atrás.

   Mas bem, eu reconheceria os olhos de Ethan até por trás de paredes. Bem, talvez nem tanto, mas não vem ao caso. Ele pareceu me reconhecer também, e se eu estava realmente certa, ficaria feliz com isso. Aquele par de esmeraldas me encarava, e eu podia sentir o desejo que emanava deles. Ah, como eu o queria. Como eu queria beija-lo novamente... Caralho, que tesão!

   Se minha mente tivesse olhos, ela estaria os revirando nesse exato momento.

   O Lord nos informou que nossa lealdade seria testada: teríamos que torturar trouxas. Parte de mim gostou disso, e eu tentei mostrá-la a Lord Voldemort.

   Estava indo por fila. Eu era a próxima. Já haviam ido 8 Comensais. Me aproximei e berrei o devido feitiço. Vi o trouxa escolhido por mim – um homem de estatura média, e parecia cansado – se contorcer e agoniar. Dei uma gargalhada psicopata, mas não percebi alguma surpresa no rosto do Lord. Filho da mãe. Ele deveria estar me agarrando de quatro agora. Socorro, eu quero o Ethan, não esse Nariz-de-tomada! Bem, talvez eu queria os dois, não é mesmo...

   A vítima de Tainara chorou de dor, e se contorcia, suando. Mas não gritou como a minha, acho que era masoquista. Minha prima bufou, frustrada, mas parecia feliz.

   Um dos comensais já não tivera a mesma sorte, não conseguiu realizar a tortura. Não provou ser leal, e agora encarava o Lord com medo.

   – Acalme-se, Anastácio. Entendemos que seu fascínio por trouxas o faça fraco – os olhos de Voldemort eram frios e vazios. Não havia vida lá. Não havia uma alma. Ele apontou a varinha para Anastácio. – Avada Kedavra!

   Uh, que pena.

   Bocejei.

   Terminando a nossa “tarefa”, Lord das Trevas soltou uma risada fria que ecoou no cômodo inteiro, eriçando os pelos da minha nuca.

   – Comensais, – disse com um sorriso colgate (mentira, seus dentes eram bem amarelos. Acho que darei a ele um creme dental) – testaremos realmente a lealdade de vocês agora. Ordeno que vocês matem esses trouxas.

   Engoli em seco.

   Eu nunca havia tirado uma vida – fora a do sapo nada inocente. Não sabia como era destruir parte da alma.

   Mas mesmo assim, eu e Tainara o fizemos. Matamos. Sinceramente, não senti nada. Evitei sentir culpa ou pesar. Evitei mais ainda, sentir prazer.

   Os outros tiveram sucesso também.

   O Lord sorria.

   – Me parece que foram bem preparados – ele sorriu friamente. – Estão liberados.

                                                                          

   Acordamos cedo no dia seguinte, ansiosas para arrumar as coisas e finalmente, retornar à Hogwarts.

   Fora isso, o dia foi chato e sem novidades.

                                                                           ◇  

                                           [01 de Setembro de 1995, sexta-feira]

   Estávamos na Estação King’s Cross, esperando a saída do trem. Eu quase dormia, lutava para manter a consciência. Tainara já estava roncando no banco da frente.

   Ouvi a porta ser aberta e abri os olhos.

   – Ethan! – Gritei, pulando em seus braços. Tainara acordou com meu escândalo. Ao ver Jhonny, ela levantou e o abraçou também. – Estive com saudades.

   Sentamos no compartimento e conversamos em variados assuntos até chegarmos no castelo, conversamos principalmente sobre a primeira reunião de Comensais da Morte.

   [...]

   Chegamos em Hogsmeade ao anoitecer. E em vez de escutarmos Hagrid chamando os primeiranistas, uma voz feminina os chamava-os, a Prof. Grubbly-Plank.

   E quando olhei as carruagens que andam sozinhas, levei um susto. Tinham cavalos magros e negros com longas asas. Posso dizer que eles até me fascinaram.

   Nós quatro: eu, Tai, Ethan e Jhonny fomos na mesma carruagem. E entre a viagem de Hogsmeade à Hogwarts conversamos sobre o animal que puxava a carruagem. Eles nos explicaram que só quem já presenciou a morte, podia vê-los. E bem, havíamos presenciado. Na verdade, havíamos matado.

   Chegando ao castelo, fomos com os outros alunos ao Salão Principal, para assistir à seleção dos alunos e o jantar logo depois.

   Sentamos no mesmo lugar de sempre. O chapéu Seletor falou sobre as casas se unirem mais e assistimos à seleção logo em seguida. Não consegui prestar muita atenção desde que sentei na mesa da Sonserina, e olhei na mesa do corpo docente, vendo uma individua vestida toda de rosa, chegava a doer os meus olhos. O engraçado é que ela está sentada perto de Snape, que é completamente diferente diante a cores.

   Depois de enchermos as nossas barrigas com o delicioso jantar feito pelos elfos domésticos, o Diretor levantou de sua mesa e encaminhou-se até a bancada, informando-nos sobre algumas novas mudanças que a maioria odiou. Por exemplo, a Roupa-Rosa seria a nova professora de defesa contra as artes das trevas. Ela vai ensinar-nos o quê? A matar borboletas?

   E essa Roupa-Rosa teve a audácia de interromper o discurso do Diretor, acho que nunca ninguém fizera isso antes, porque o Salão inteiro ficou surpreso pelo atrevimento.

      [4 de Setembro de 1995, segunda-feira]

   Levantei, resmungando. Ontem fui dormir tarde. Eu, Tai, Ethan e Jhonny, ficamos conversando até altas horas da noite. Falamos sobre o Lord, e eu mencionei que havia reconhecido Ethan. Tai e Jhon conversavam mais animadamente, e Ethan havia mencionado um “Nós”. Eu não soube o que responder, mas, obviamente, eu queria dar mais uns amassos nele.

                                                

   Eu e Tai havíamos descido, e nos sentamos na ponta do banco. Como sempre. Felizmente, nenhum dos novatos havia gerado incômodo. Eu estava com dor de cabeça, não remediaria em dar um soco nos dentes de quem perturbasse.

   – Tai... Você vai voltar com Jhonny? – A olhei.

   – Não sei...Mas quero. E no entanto, não quero. Sabes por que.

   Não demorou muito para que nossos homens se juntassem à nós.

   – Oi – Pronunciaram em uníssono, e sentaram-se. Respondemos o mesmo que eles.

   Na metade do café da manhã, as corujas do Corujal entraram no Salão, como sempre. Mas dessa vez duas corujas pararam em frente a Ethan e Johnny, carregando um jornal em sua pata. Vamos dizer que as corujas não eram muitas cuidadosas, porque quase derrubaram a taça de suco de Jhonny e pararam em cima do prato de Ethan.

   Eles pegaram o embrulho e elas alçaram voo.

   Ethan abriu o jornal, Profeta Diário, li em sua capa. E uma foto do Alvo Dumbledore na capa chamou minha atenção, e ainda chamou mais a minha atenção, o fato da imagem se mexer. Interessante.

   – Estão chamando Dumbledore de maluco – informou Jhon de trás de seu jornal, Tai está lendo o jornal junto com ele.

   – E o Potter de menino que só quer chamar atenção – Ethan disse. – O Ministério da Magia não acredita que Você-Sabe-Quem voltou. Idiotas.

   Isso me fez dar um riso debochado. Otários.

   Realmente, Snape mostrara a Marca Negra em seu braço para Fudge, na enfermaria aquela vez, e ele não acreditou.

                                                                           

   Estamos indo para o Salão Principal, acabamos de sair da terceira aula da manhã, e à tarde terá ainda duas aulas. Meu estômago está reclamando de fome.

   No almoço fiquei pensando nos N.O.M.s que os professores falaram que iria ter esse ano.

                                                                           

   O cheiro da sala da professora de Adivinhação é estranho, sem falar que dá sono.

   Nos encaminhamos para a aula de Defesa Contra As Artes Das Trevas.

   A Prof. Umbrigde trata a gente como criancinhas. Ela obrigou-nos a falar: “Boa dia, professora Umbrigde”, em alto e bom som, me senti no jardim de infância trouxa. Sem falar que ela vai trabalhar só no livro, o que significa que não usaremos varinhas nas aulas. Está parecendo as aulas de História da Magia.

   Nesse primeiro dia de aula já tínhamos trabalho para fazer, adivinha de quem? Snape, que eu percebi que não olhava para Tainara. Eles estavam se ignorando, eu tenho que pensar em algo para fazê-los se comer. Aqui na escola.


Notas Finais


EITA PORRA, O QUE ACHARAM DO CAPÍTULO? BOM OU PÉSSIMO?

O VASO FOI CONSERTADO, AINDA BEM NDJABDADA
COMO ASSIM RABICHO SÓ QUER SEXO COM AMANDA? JÁ TÔ SHIPPANDO ESSES DOIS, CASAL LINDO NADBABADAAD
ESCOLHA DOS NOMES PARA O SHIPP: RABADA, RAMANDA, AMABICHO... DJAABDABBAD SUGESTÕES?
AS MENINAS CONSEGUIRAM PASSAR NO TESTE DA LEALDADE, AGORA SÃO OFICIALMENTE COMENSAIS DA MORTE, MAS AGORA ELAS ESTÃO COM A ALMA CORROMPIDA...
VIXI, MAIS UMA DISPUTANDO O CORAÇÃO DO LORD DAS TREVAS, SE A BELLATRIX DESCOBRIR ISSO VAI FICAR DOIDA, RESUMINDO -> VAI DÁ MERDA
NJANDBADA
OS POMBINHOS ESTÃO SE IGNORANDO, O QUE SERÁ QUE AMANDA VAI APRONTAR PARA FAZER ELES SE COMEREM NA ESCOLA? JANDBADADA
DIRETOR, FIQUE DE OLHO PORQUE VAI ROLAR TCHACA TCHACA NA BUTCHACA NA ESCOLA!
NDADBDADA

Peço desculpas por qualquer erro ortográfico :D

*SPOILER MAROTO*
Tentei não reparar nos olhares de quase toda Hogwarts em nós, e enfiei a cabeça por dentro da capa, para ajeitar os botões.
– Não vejo nada! – Escuto um estalo, e um botãozinho transparente cai no chão aos meus pés. – Inferno! Vai ficar com um decotão!
*FIM DO SPOILER*

DECOTÃO? COMO ASSIM? AJNDABADA
SERÁ QUE É O COMEÇO DO PLANO DE AMANDA PARA AJUNTAR SNAPE E TAI?
OU SERÁ QUE...ISSO FOI DEPOIS DE UMA PEGAÇÃO?
NJADBAABDAD

ATÉ, MY LOVES :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...