História Seu coração me pertence? - I (Em Manutenção) - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Hoseok, Jhope, Jin, Kpop, Romance
Exibições 68
Palavras 3.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Me responsabilizarei para todos os casos de ataques cardíacos, amém.
Boa leitura~

Capítulo 46 - Reestabelecimento


Fanfic / Fanfiction Seu coração me pertence? - I (Em Manutenção) - Capítulo 46 - Reestabelecimento

11 dias depois – Terça-feira, 19 de abril (4ª semana)

 

Av. Dogok, Seul – 9 AM

 

Dedilhei o volante de acordo com a batida da música que soava em meu carro, enquanto esperava o sinal abrir – era uma faixa do novo álbum do BTS, minha preferida.

Hoje acordei animada para encontrar Ha Jun – uma das fisioterapeutas do hospital onde trabalho –, combinamos ontem à tarde um horário para que eu pudesse tirar dúvidas sobre o tratamento de Hobi que começará daqui três dias.

 

Severance Hospital – 9:11 AM

 

Estacionei meu carro e no caminho até a entrada do hospital reconheci enfermeiros que não vejo a um tempo, os cumprimentei de longe e continuei meu percurso. Estava com saudades do cheiro único do hospital – o lugar que mais amo e que mantem viva minha essência –, perambulei um pouco, lamentando alguns pacientes que se encontravam sofridos e bem doentes, enquanto, aos pacientes que recebiam alta, ganhavam meu sorriso que era retribuído da forma mais carinhosa possível. Quem disse que coreanos são frios? Essa pessoa poderia estar ao meu lado agora vendo isso e retirar esta banalidade.

Ao encontrar a sala da doutora Ha Jun, dei dois toques.

Pode entrar! – Sorri e abri a porta esticando minha cabeça para dentro; vi Ha Jun tomando um gole de seu café ao mesmo tempo que lia um papel qualquer e, quando percebera que se tratava de mim ali, abriu um sorriso. – Ah, você chegou, venha! Entre! – Se levantou largando os papéis, vindo em minha direção.

Tudo bem? – A abracei em cumprimento.

Sim, e você? – Se afastou segurando meus ombros. – Como vai seu paciente “querido”? – Riu com malícia.

Ei, quem te contou? – Ri espalmando seu braço.

Quem você acha? – Arqueou uma sobrancelha ainda com o mesmo sorriso.

Ah, o Kim! – Dissemos em sincronia e rimos. – Enfim... estou bem. – Ela se moveu estendendo a mão à cadeira para que eu sentasse e o fiz observando-a sentar-se em sua poltrona novamente. – Hoseok está respondendo bem à cicatrização da perna, eu retirei seus remédios há dois dias, não quero acostumá-lo a tal vício, sabe? – Coloquei meus cotovelos sobre a mesa olhando para a decoração da mesma.

Entendi... mas desde quando ele os toma? Se lembra? – Colocou os óculos anotando algumas coisas no papel.

Bem... – Revirei os olhos tentando lembrar. – Acho que desde que recebeu alta, na verdade, desde que foi para casa. Umas três semanas? – Questionei a mim mesma e Ha Jun riu soprado negando minha falta de memória. *Juro que é momentânea, não sou de esquecer essas coisas, o que está acontecendo comigo?*

Sabe que isso pode prejudica-lo quando começar a reabilitação, não é? – Colocou a caneta sobre a mesa e me encarou.

Como assim? – Franzi o cenho.

_____, se o remédio controlava essa dor, pode obter um choque ao corta-lo de repente. Por exemplo, ele é dançarino, sim? – Assenti. – Então, é um paciente delicado, já faz praticamente um mês que ele não pratica, porque como você sabe, dançarinos praticam todos os dias, fazem exercícios para manter-se aquecidos e em forma, etc. – Bebeu mais um gole do café e prosseguiu. – Você deverá ter cautela com ele, não exigir muito e manter o ritmo de calmo a veloz, para que não haja complicações. Entenderá melhor ao ver o estado dele após cada seção, digo, como ele ficará cansado.

Entendo, vou tomar cuidado... – Respondi pensativa, isso me preocupa.

Sei que irá. – Sorriu. – Antes de começar os exercícios que te passei, quer dizer, você os leu?

Sim, sim. – Assenti atenta; ela me enviou um PDF com instruções resumidas via e-mail ontem depois que conversamos, melhor coisa que eu poderia ter estudado foi aquilo.

Então, aconselho que faça uma massagem na perna antes, algo suave e que o relaxe. Melhor! Faça nas duas, sei que ele teve a grande sorte de ter uma perna livre, porém é bom que trabalhe as duas, certo? – Concordei.

Ha Jun me explicou tudo o que estava no PDF adicionando observações, o que ampliou minhas sugestões. Tirei mais dúvidas e ela conseguiu resolvê-las, depois conversamos sobre o hospital e descemos para rever outros amigos médicos que eu estava sentindo falta. Infelizmente, hoje era o dia de folga do Kim, mas se eu quiser posso chamá-lo para beber a qualquer hora, como o mesmo já disse várias vezes...

 

~ Hoseok P.O.V ON ~

 

Cobertura, Seul – 10:24 AM

 

Despertei mais tarde hoje, ao abrir os olhos, senti um incômodo na perna, o mesmo de ontem à noite, mas acho que consigo aturá-lo, pois é fraco.

Peguei minha cadeira e me movi até a sala encontrando minha mãe arrumando a mesa para o café da manhã.

Acordou tarde também senhora? – Brinquei recebendo seu sorriso.

Oh, bom dia filho! – Ela beijou minha bochecha. – Acordei com ____ saindo, mas voltei a dormir e me levantei faz alguns minutos. – Riu.

Ah, ela saiu?

Sim, disse que tinha um encontro com a doutora Ha Jun, fisioterapeuta do Severance, lembra?

Hum... sim, lembro-me que comentou sobre isso comigo ontem. Havia me esquecido. – Minha cadeira foi arrastada por mamãe e fiquei frente à mesa.

O que foi? Ficou sério de repente? – Notou minha preocupação.

É que não quero que _____ ande sozinha por aí. – Murmurei.

De novo isso filho. Você tem que deixá-la se recuperar sozinha. – Sentou-se em minha frente batendo a colher na mesa a cada palavra, como se quisesse enfiar na minha cabeça cada uma, o que não é primeira vez.

Sim omma, eu sei. Sei que estou sendo superprotetor, é que- ah... – Passei a mão no rosto um pouco tenso. – Me sinto incapaz de protege-la no meu estado atual. – A mirei desabafando. – Desde aquilo pelo Skype, não consigo manter distância dela.

Filho- – A interrompi.

Mãe, ela não comeu por três dias, três! – Fiz uma pausa engolindo em seco. – Ela não se lembra direito disso, mas eu sim. Aquilo mexeu comigo de tal forma que quase explodi em irritação. Ainda bem que a senhora estava ao meu lado... – Ela abaixou a cabeça, percebi que estava emocionada, peguei em sua mão e a apertei. – Obrigado por me apoiar, eu lhe prometo que me casarei com ela e nada disso será em vão. – Recebi seu olhar doce e marejado e sorri.

Se preocupe com você também, ambos precisam de forças. Se Jin está em tratamento devemos ter a consciência que não será fácil lidar com o mesmo, e você sabe disso... sinto pelos meninos que estão tão perturbados com essa história. – Suspirou e assenti ainda segurando sua mão.

Conversei com Yoongi esses dias, ele disse que as coisas melhoraram um pouco em relação aos fãs, bom, depois que as notícias falsas foram retiradas. – Encostei no assento da cadeira e respirei fundo.

Graças à Deus... – Ela pegou o chá e me serviu um pouco.

Não perguntei sobre Jin, e nem sobre os outros, mas ele deixou claro que estão todos bem. – Peguei a xícara soprando e em seguida levando à boca para um gole.

Isso é bom, mas você sabe que pode ser mentira, não é?

Sei, porém não vou pressioná-lo exatamente por isso. Além do mais, sinto muito a falta deles e queria estar junto nos shows e nos momentos difíceis, como prometi quando nos tornamos um grupo de verdade. Por que tudo isso foi acontecer omma, me explica? – Soltei a xícara um pouco tenso.

Por que ao invés de me pedir explicações, você não reflete sobre tudo e tenta tirar algo que te eduque? Não acha que isso é um dos testes do destino para que o ensine mais um conhecimento que talvez não o esqueça jamais? E se houver uma próxima vez, talvez não consigo e sim com seus filhos ou netos, você então saberá como encontrar uma saída. Que tal? – O que minha mãe disse me fez pensar melhor, talvez eu devesse ser mais paciente e refletir sobre cada acontecimento e dar uma resposta definitiva para cada problema e obstáculo.

Vou conversar melhor com ____, preciso saber se ela está realmente bem com tudo isso... – Vi minha mãe suspirar e iniciei minha refeição.

~ Hoseok P.O.V OFF ~

Severance Hospital – 10:56 AM

Voltei ao meu carro e iniciei uma chamada com o viva-voz do carro, ligando para Kim.

Telefone – Bluetooth do carro ON

Kim: O que foi? – Sua voz sonolenta atendeu o telefone e ri. – Vai continuar rindo?

Eu: Isso são horas para estar dormindo senhor fofoqueiro? – Dei partida no carro, saindo do estacionamento.

Kim: Ah, você me acordou para falar sobre isso? – Sua voz estava muito engraçada, mais grossa e rouca, não evitei rir baixo. – ­­____!

Eu: Calma, estou dirigindo. – Respondi olhando pelo retrovisor os carros que vinham.

Kim: Claro, claro. CONVERSANDO NO TELEFONE ENQUANTO DIRIGE! – Gritou e fechei um de meus olhos com a altura.

Eu: Ficou maluco? Quase me enfiei no poste aqui! – Menti; na verdade estava parada no sinaleiro olhando os pedestres atravessarem a rua.

Kim: Me desculpe... – Sua voz amansou e ri tapando a boca. – Por que me ligou?

Eu: Queria conversar com um amigo, estou um pouco confusa, ando tendo sonhos ruins esses dias. Aliás, amanhã é aniversário de minha irmã. – O sinal se abriu e acelerei o carro voltando ao caminho. – Tenho que conversar com ela...

Kim: Tudo bem, então ligue para ela. – Semicerrei os olhos, percebi que não queria conversar agora. – Diga que mandei um abraço.

Eu: KIM!

Kim: Estou muito cansado agora, me faça seu muro das lamentações mais tarde. Beeeijos! – Ri soprado negando sua atitude e a ligação terminou; eu já estava entrando na garagem do condomínio.

Telefone – Bluetooth do carro OFF

Peguei minha bolsa e celular e subi para a cobertura. Ao abrir a porta me deparei com Hobi e sua mãe tomando o café da manhã em silêncio.

Bom dia amores! – Sorri dando um beijo na bochecha da senhora e outro na testa de Hobi, ambos sorriram ao receber o carinho.

E então, como foi? – Hobi perguntou me observando sentar à mesa.

Estou pronta para cuidar de você, mas só em três dias, preciso monitorar algumas coisas. – Peguei um dos pães dentro da cesta e coloquei no prato.

Ela disse algo que seja ruim? – A mãe de Hobi perguntou enquanto eu cortava o pão e parei lentamente o que fazia pensando em uma resposta convidativa.

Ah, não. Se depender de mim nada de ruim irá acontecer com ele. São apenas exercícios. – Sorri e ambos se entreolharam assentindo.

Precisamos conversar depois, tudo bem? – Hobi me surpreendeu e concordei emitindo um som. Não sabia do que se tratava, mas percebi que era sério pelo seu tom.

Olhei para sua mãe e ela sorriu, assim, prosseguimos a refeição e depois ajudei a limpar tudo.

[...]

Cobertura, Seul – 11:25 AM

Fui até o quarto e peguei roupas confortáveis no armário me direcionando ao banheiro, optei pela banheira, queria algo relaxante hoje para reorganizar meus pensamentos. Preciso saber o motivo de tantos pesadelos que me estressam tanto.

Abri a torneira em água morna e despejei sais de banho nela e também outros produtos que haviam ali – Dawon os deixou aqui desde que foi embora e nem mexi –, e já que não curto desperdícios, resolvi experimentá-los agora.

Entrei naquele vapor delicioso e me ajeitei encostando a cabeça na toalha que dobrei servindo de travesseiro.

Flashback ON

“Depois que Jin se mostrou na frente de todos como realmente me tratava, meu coração se despedaçou, eu queria morrer ali, naquele momento, principalmente quando mencionou que eu estava o traindo, aquilo foi o ápice para todos meus sentimentos desabarem em lágrimas o que percebi que não era o suficiente. Queria fechar os olhos para tudo em minha volta e esquecer tudo o que vi. Porém para minha dor e culpa aumentar, Hoseok estava ali, comigo, me amparando em seus braços. Seu carinho comigo é tão imenso e ao mesmo tempo inexplicável. A forma que me balançava para frente e para trás e como repetia “está tudo bem pequena, está tudo bem” ecoavam e ainda ecoam em minha mente e a dor se expande ainda mais. Meus sonhos não são criações de meu inconsciente e sim momentos pelos quais já vivenciei e não consigo esquecer, apenas ficam guardados e demoro um pouco para relembrá-los para você ver o quão o meu corpo sabe do que eu preciso ou não ter absoluta consciência. E aliás, nem tenho certeza de que tudo pelo que passei ainda está aqui, é uma incógnita. Percebi que durante esses dias que se passaram, Hobi e sua mãe sempre me perguntam o mesmo: “você está bem?”; “precisa de algo?”, ou então, apenas ficam ao meu lado observando tudo o que faço ou até mesmo falo.

Ainda há sonhos incompletos que não consigo assimilar com fatos acontecidos e que tenho lembrança, mas sei que irei descobri-los mais cedo ou mais tarde.

Sobre minha irmã e os meninos, tenho dúvidas ainda, mas conversamos diariamente, conversas curtas, porém o suficiente, resolvi aceitar o perdão de todos que, inclusive, não têm absolutamente nada a ver com o que se passa entre mim e Jin, mesmo sendo próximos, então... continuamos afeiçoados uns aos outros e trocando forças para prosseguir nossa caminhada de cabeça erguida.”

Flashback OFF

Levantei de uma vez, jorrando alguns respingos de água e coloquei a mão na testa – esses pensamentos me deixam aflita, meu coração está acelerado e minha respiração incontrolável –. Engoli em seco e mergulhei focando no equilíbrio e a paz.

 

~ Narradora ON ~

 

Casa de Sun Hee e seu namorado

A jovem descobriu mudanças em seu corpo semanas depois que voltou para a Coréia, isso não a deixou surpresa e muito menos preocupada – já sabia do que se tratava.

Meu plano deu certo! – Exclamou se jogando na cama enquanto olhava para o exame em mãos; seu namorado não estava em casa. – Finalmente poderei ficar com Jin e ninguém irá me impedir desta vez, não é bebê? – Se sentou dizendo enquanto acariciava a barriga. – Jinie não recusaria seu próprio filho, né? – Riu de forma carinhosa consigo mesma e o “bebê”. – Agora... preciso esconder isso em algum lugar... – Se levantou procurando algum local em que não houvesse chances de seu namorado encontrar e ela levar uma surra por isso, pois fazem dois meses que ambos não tiveram relações sexuais pela mesma estar sendo perseguida e por ter viajado para colocar seu plano em ação, então está fora de cogitação o feto de poucos dias ser de seu atual namorado, que ficou na Coréia todo esse tempo à trabalho e indiferente ao que ocorria com sua “amada”. – Pronto, e agora... terceiro passo: contar ao Jin! – Riu de forma psicopata e riscou algo em seu bloco de notas guardando-o junto ao exame – escolheu uma caixa velha onde guardava álbuns de fotos e tranqueiras velhas que não valiam nada.

Após comemorar mais um pouco, recebeu uma mensagem da Big Hit, fazendo-a cuspir a água que no momento bebia.

“Choi Sun Hee, declaramos que você está demitida e desconectada de toda a Big Hit e proibida de continuar sua carreira como secretária na área musical, por motivos de difamação e justa causa contra as regras da empresa. Poderíamos leva-la a polícia, mas o CEO Bang Si Hyuk lhe concedeu uma segunda chance por ter desempenhado bem seu trabalho durante o tempo que ficou em seu cargo, junto ao consentimento de sua antiga encarregada _____ _____ _____*, venha até a empresa para mais informações e para concluir todos seus direitos como colaboradora.” (*: seu nome inteiro)

Aquela vadia, isso é tudo culpa dela! Estou perdendo meu emprego por culpa dela!! – Jogou o copo no chão o transformando em cacos pequenos de vidro banhados por água. – Eu ia pegar leve... mas quero vê-la morta, MORTA! – Colocou o celular sobre o balcão e entrou para o quarto para planejar mais algum plano doentio, Sun Hee se encontra insana e ativa pela ira. O fato de Jin ter namorado e ainda amar ____ a deixava furiosa e em sua mente só desejava vingança.

~ Narradora OFF ~

 

Cobertura, Seul – 12:02 PM

Saí do banho um pouco zonza ainda e no quarto me sentei na cama pegando meu notebook. Ao tê-lo ligado, vi que Vivian estava online no Skype, aproveitei para chama-la.

Chamada no Skype ON

Vivian: Oi maninha... – Vi que estava sozinha deitada de frente para a câmera de seu notebook.

Eu: Como estão as coisas por aí? – Tirei a toalha de minha cabeça e comecei a pentear meus cabelos úmidos.

Vivian: Bom, são três da manhã aqui e estou sozinha, porém bem. – Riu e sorri.

Eu: Onde vocês estão?

Vivian: Londres...

Eu: Cadê os outros? – Sua expressão mudou e ela olhou para baixo quando questionei.

Vivian: É, eu estou em um apartamento separado. – Sorriu brevemente e fez um bico, ouvi seu celular anunciar uma mensagem no KT* e ela o pegou para olhar. – Oh, é o Yoongi, ele está vindo aqui. – Sorriu. (*: Kakao Talk)

Eu: Vivian, por que vocês estão em apartamentos separados? E por que apartamentos? – Parei o que fazia e a encarei, ela abaixou o olhar novamente, deixando o celular de lado e respirou fundo.

Vivian: Na verdade, estou em um hotel perto do prédio em que eles estão residindo. Foi melhor assim... – Brincava com o celular sobre a cama.

Eu: Melhor por quê? Não me diga que...

Vivian: Eu e “ele” – parecia não querer mencionar o nome de Jimin – conversamos melhor e até que o Jin volte ficaremos distantes para refletir sobre as coisas e tal, você sabe... – Passou a mão no cabelo expulsando o assunto.

Eu: Entendi... só não briguem mais, ouvi uma conversa de Hobi com o Suga e fiquei sabendo que estão se estranhando. – Revirei os olhos, eles poderiam crescer, não?

Vivian: É que somos muitos diferentes em algumas coisas, eu sabia que isso iria acontecer, mas... ah, sei lá. Vai ficar tudo bem. – Nem ela sabe o que está falando, neguei veemente e ela estralou a língua. – Mudando de assunto, como vão as coisas aí? Está melhor? Hoseok?

Eu: Estamos todos bem, não se preocupe. Bem... – uma pergunta que deveria ter feito desde o começo, mas estou hesitando, quer ser liberta agora – e o... Jin? – Olhei para baixo.

Vivian: Sabia que iria perguntar... ele está em Cambridge, é uma hora e meia de distância daqui. – Disse olhando para o teto. – Nam está sempre recebendo notícias da médica, ela parece ser um doce, e também come muitos, fofinha. – Inflou as bochechas dizendo que a mulher é gordinha, sei que só estava tentando me fazer rir, e conseguiu; rimos juntas e ela olhou para a porta. – Ah, é o Yoongi, calma aí. – Se levantou e foi para o lado esquerdo da tela, sumindo de minha visão.

Suga: Está falando sozinha louca? – Ouvi a voz de bêbado sóbrio do Suga e meu coração se apertou de saudade.”

Vivian: Para! É minha irmã, idiota! Venha vê-la. – A vi puxar Suga pelo braço e ambos se jogaram na cama frente a câmera.”

Suga: Ora, ora, o que temos aqui? – Disse sorrindo e rimos de seu jeito. – Como vai lady?

Vivian: Ele começou a chamar todas de lady, diga para que pare! – Socou de leve o ombro do amigo e ri negando o pedido.

Eu: Gostei! Estou bem e você?

Suga: O mesmo, só não aguento mais ver o Jimin suspirar pelos cantos do apartamento. – Disse com a mão tapando o lado da boca que direcionava à Vivian, como um segredo indireto e direto ao mesmo tempo.

Vivian: Veio aqui jogar na minha cara Min Yoongi? – Empurrou o mesmo que riu.

Suga: Não, eu vim aqui porque quero comer o doce dos deuses. – Foi direto ao ponto, certo do que queria.

Vivian: Aish. Você já comeu brigadeiro antes de ontem. – Ela deu-lhe outro soco, eu estava me divertindo em vê-los assim. Diferente da última vez.

Suga: Idaí? Anda, quero de novo, bora colocar esse corpinho para trabalhar, Jimin me deu duas horas para ficar aqui e não curto perder tempo. – Deu tapas na coxa de minha irmã e ela revirou os olhos.

Eu: Podem ir, tenho algumas coisas pendentes para resolver. – Deixei que os dois se divertissem por agora.

Suga: Obrigado my special lady, unique, beautiful and glamorous ____! (trad.: Obrigado minha dama especial, única, linda, e glamorosa ____!) – Me enviou um beijo com a mão e ri sem parar, principalmente pela forma desgostosa que Vivian o olhava.

Vivian: Okay. Depois nos falamos unnie~ bye~ – Acenou e Yoongi continuava parado na mesma posição de beijo enviado, Vivian desligou e continuei rindo ao fechar a tela do notebook.

Chamada no Skype OFF

Pelo menos me sinto melhor agora que estão todos visualmente bem.

Do que ri tanto pequena? – Ouvi a voz de Hobi e sorri ao vê-lo.

Acabei de conversar com minha irmã e de pacote veio o Suga fazendo graça. – Ri me lembrando.

Ah, sim... – Disse pensativo. – Bom, podemos conversar agora? Ou prefere almoçar primeiro? – Coloquei o notebook de lado e espalmei a cama indicando para que se sentasse e ele entrou quieto.

Porém, quando se levantou caiu no chão e arqueou de dor, foi tudo muito rápido, acabei em choque.

 


Notas Finais


Postei correndo e saí~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...