História Seu coração me pertence? - I - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Hoseok, Jhope, Jin, Kpop, Romance
Exibições 18
Palavras 4.119
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Vai ter gente que nunca comentou aqui, mas irá comentar depois desse capítulo. Espero, por favor, preciso de opiniões <3 E obrigada pelos favoritos, é tão bom ver que gostam :3

Capítulo 46 - Esgotamento


Fanfic / Fanfiction Seu coração me pertence? - I - Capítulo 46 - Esgotamento

Apartamento BTS, Nova Iorque – 4:30 AM (6:15 PM em Seul) – Quinta-feira, 7 de Abril (2ª semana)

 

~ Vivian P.O.V ON ~

 

Depois que Jin caiu no chão, Jimin e Taehyung o levantaram, ele estava realmente desmaiado. O colocaram sobre o sofá, seu rosto estava pálido e o corpo gelado.

Está tão frio assim lá fora? – Perguntei olhando para os três que chegaram algum tempo atrás.

Sim, mas acho que isso também é pelo estado dele. Talvez tenha passado mal na rua. – Jimin me respondeu visivelmente preocupado enquanto verificava o corpo do mais velho.

Vou pegar um cobertor! – Nam correu em direção ao seu quarto.

Mas é claro que ele deve ter passado mal, cabeção. – Tae disse e estralou a língua depois.

Cale a boca idiota. – Jimin disse ríspido.

Hoje você tirou o dia para ser grosso, né? – Tae o pegou pelo colarinho.

Ei, ficou maluco? – Jimin o empurrou.

Hey, parem! Não estão vendo que estamos com algo mais importante agora?! – Estressei me enfiando no meio dos dois, ficando de frente com Jimin; Suga segurou Tae e Kook observava calado, como sempre faz nesses momentos.

O que houve aqui? – Nam chegou com o cobertor vermelho de veludo em mãos tentando entender a situação.

Nada, é... – Empurrei Jimin para frente para afastá-lo de Tae. – Vou chamar o médico. – Quando ia me afastar Jimin segurou minha mão que estava em seu peito e sussurrou no meu ouvido “Temos que conversar.”, logo me soltou e voltou sua atenção para Jin. Engoli em seco um pouco assustada ainda com tudo.

Conhece algum médico confiável? Nam questionou; observei Suga sussurrar algo no ouvido de Tae que parecia furioso.

Hã? Ah, sim. – Respondi. – Hee Chul deixou um número comigo, só para emergências. E bem... – Olhei para Jin no sofá. – Essa é uma emergência.

Liguei para o médico e descobri que ele cuidou de outros ídolos, não só coreanos, mas daqui dos Estados Unidos também, ou seja, Jin está em boas mãos. Já estava um pouco aflita em vê-lo passar mal sempre e não podermos leva-lo ao hospital, e outra coisa que me preocupava é a quantidade de remédios que toma. Lembro-me que minha irmã não aprovara tal atitude, porém ele não deu atenção.

[...]

Passaram-se alguns minutos e a campainha tocou, atendi rapidamente cumprimentando o doutor.

Me desculpe pelo horário, mas é... – O senhor de cabelos grisalhos, coreano também, colocou a mão em meu ombro com um sorriso gentil me interrompendo.

Onde ele está? – Perguntou.

Ah- ali, entre. – Abri mais a porta dando passagem e ele entrou com sua maleta em mão. Namjoon se aproximou para cumprimenta-lo e depois fomos até Jin.

Examinou o peito verificando os batimentos cardíacos, e depois aferiu a pressão. Sua feição era de dúvida e seus atos de persistência, como se quisesse entender o que via e ouvia.

Você sabe o que ele tem? – Jimin cruzou os braços quebrando o silêncio que havia na sala. Todos se mantinham atentos ao médico, inclusive eu.

Bem... seus batimentos estão lentos, a respiração também, provavelmente tomou algum medicamento. Sua inconsciência deve estar ligada a isso. – Ele se afastou de Jin olhando em nossos rostos ao explicar, não entendi muito bem onde queria chegar.

Mas o remédio dele é para dor, vou pega- – Nam se interrompeu. – Na verdade acho que ele não tomou o remédio que deveria...

Como assim? – Questionei.

O remédio que pegamos no aeroporto está no quarto dele.

Isso aqui pode responde-los? – Jimin mostrou um frasco e me surpreendi.

Deixe-me ver. – O médico pegou analisando o rótulo e encarei Jimin um pouco nervosa, percebi que Namjoon fazia o mesmo.

Estava no bolso do casaco dele... – Acrescentou.

Por que não disse antes? – Nam sussurrou.

Achei que era apenas mais um remédio. – Deu de ombros como se fosse óbvio e até entendi seu lado; Nam suspirou voltando o olhar para o senhor.

Sim, isso aqui é aspirina e meprobamato. Mas, antes, poderiam me informar o porquê de ele estar tomando remédios para dor? – Perguntou e explicamos que houve um “acidente” em um bar e ele foi atingido por uma garrafa de vidro que cortou sua cabeça e desde então sente dores e usa o remédio para aliviá-las.

Ele se demonstrou compreensivo e pediu para ajudá-lo a virar Jin para ver o machucado.

Está cicatrizado, não há motivos para ele sentir dores. Faz tempo, não faz?

Sim... algumas semanas, eu acho. – Nam respondeu e os outros assentiram, mas não sabíamos a data exata.

Foi antes de um de nossos membros se machucar no palco. – Suga ressaltou e concordamos. De certa forma lamentei em lembrar de Hoseok, tenho certeza que todos aqui, exceto o médico, estão com o coração apertado em relação a ele. Digamos, saudades e preocupação.

Entendo... – Fez uma pausa. – Este remédio aqui, – levantou o frasco ao ar – se tomado em grande dosagem pode causar até morte. Vocês têm sorte em terem me chamado. Se ele está assim é porque tenho total certeza que tomou mais de dois. – Respirou fundo; fiquei em choque, então é assim que médicos são para dar notícias ruins? Meu corpo está tenso. Jimin e Tae ainda estão se encarando, isso não é agradável, não quero mais brigas. – Vou aplicar soro para limpar um pouco seu sangue. Conseguem leva-lo para o quarto? Ele deve permanecer na cama até que acorde e consiga se levantar. – Disse; Nam e Jimin assentiram indo carrega-lo até o quarto.

[...]

Apartamento BTS, Nova Iorque – 5:20 AM (7:11 PM em Seul), quinta-feira (2ª semana)

O médico fez seus procedimentos e pediu para que relatássemos o comportamento de Jin desde que se machucou, apenas dissemos ações e loucuras que ele fazia e logo depois mudava de repente, arrependido de tudo, como se fosse delírios, porém não citamos _____, o que ficou vago para o profissional.

O senhor sabe quando ele acordará? – Kook perguntou.

Irá demorar, ele precisa descansar. Mantenham-se atentos, não sabemos como ele agirá quando recobrar a consciência. – Fechou a maleta e assentimos em silêncio; espero que Jin acorde bem e nos conte o que aconteceu, tenho certeza que a mensagem que recebi não fora atoa.

Encerramos a conversa com o médico e o levei para a porta na companhia de Namjoon e Jimin.

Entretanto, deixem-me alertá-los, – parou na porta, como se lembrasse de algo – Jin pode estar com delírios assim, como me disseram, pois há algo em sua mente que o faz agir desta forma. Pode ser um trauma, ou até mesmo, alguém ou uma coisa que ele goste muito e não saiba lidar. A dor é apenas um efeito colateral da mente bagunçada dele. Não quer dizer que realmente esteja machucado, pode ter se tornado psicológico, entendem? – Assentimos nos entreolhando, fazia sentido. – Por agora, durmam, percebi que estão exaustos e está tarde. – Sorriu fraco como despedida.

Obrigada por ter vindo. – Agradeci e os outros dois agradeceram também.

Me liguem se precisarem novamente. Estarei à disposição. – Disse e se foi. Fechei a porta e o silêncio voltou ao clima pesado da sala de estar.

Vivian... – Jimin se aproximou com um tom sério e baixo e não obtive reação. – Que tal-

Me deixe respirar um pouco. – Me direcionei ao quarto em que dormimos e ele não fez nada; não olhei para Nam, mas sei que está irritado com a situação também. Ele costuma ficar calado, até demais, acho que para pensar e achar “saídas” ou resoluções, algo que tenho muita dificuldade normalmente.

Abri a porta do cômodo e fechei ao adentrá-la, agora devíamos esperar. Provavelmente Namjoon cuidaria de Jin, já que estão dividindo o mesmo quarto, então o que me resta é tentar dormir.

Troquei de roupa, colocando um pijama apresentável, e me deitei.

[...]

           

Apartamento BTS, Nova Iorque – 7:10 AM (9:10 PM em Seul), quinta-feira (2ª semana)

Acabei rolando na cama, o sono não vinha e meu coração palpitava, eu ainda estava aflita, queria saber o que acontecera com Jin e a quem pertencia aquelas mensagens. Isso me deixa com raiva e eu não quero me sentir assim agora.

Vi meu celular sobre o criado mudo vibrar indicando mensagem no Kakao Talk e o peguei vendo o nome de minha irmã. Acabei me esquecendo de retorná-la como havia dito da última vez.

[7:14 AM] ____: Estou sozinha agora, pode me ligar...

Ao “responde-la” digitei e apaguei, até pretendia gravar áudio, porém cancelei várias vezes por não saber o que dizer e como dizer.

[7:20 AM] ____: Por que não me liga de uma vez?!  – Percebi que estava irritada e fiquei mais tensa.

[7:21 AM] Eu: É que no momento eu não posso ligar, quando seu celular tocar atenda, será eu. Por agora vá dormir, está tarde para ficar perambulando na casa dos outros. – Acho que fui um pouco grossa, mas não importa, não queria falar com ela no estado em que estou, acabaria dizendo o que não devo.

[7:21 AM] ____: Quê?! Tá louca? – Realmente. Preciso dar um jeito de sair.

[7:22 AM] Eu: Desculpa, estou com raiva, depois conversamos. – Disse a verdade mesmo e coloquei o celular de volta no criado.

Olhei para o relógio vendo as horas e resolvi me levantar para verificar as coisas. Abri a porta olhando em volta no corredor e na sala em frente, não vendo ninguém. Andei pela casa procurando Jimin e vi seu corpo escorado na cerca da sacada. Parei na porta para observá-lo e respirei fundo.

Também não conseguiu dormir? – Perguntei sendo vaga, olhando para a vista que a sacada proporcionava. Estava um clima friozinho por ser de manhã, me encolhi um pouco sentindo a brisa gélida; Jimin se virou surpreendido e assentiu emitindo um som, parecia triste e preocupado.

Não queria te atrapalhar... – Disse brincando com os dedos sobre a cerca de metal.

Você não atrapalha Jimin. – Me aproximei de si com um tom sério, ficando ao seu lado. – Devia ter pelo menos tentado dormir, precisa descansar. – Vi seu sorriso sem humor e então me encarou.

Estou bem, o sofá é confortável. – Sorriu de lado e revirei um pouco os olhos. – Além do mais, você disse que precisava respirar, então foi o que deixei fazer. – Disse olhando para o céu; porque estou com pena agora? Ele é tão fofo e ao mesmo tempo tão teimoso, droga...

Certo... – Escorei na sacada também e ficamos calados observando a vista.

Minutos depois senti um tecido quente me cobrir e vi que era uma jaqueta de couro com o perfume de Jimin.

Precisa se aquecer, o vento está gelado aqui. – Sua voz rouca me arrepiou, olhei para ele, não sei por que diabos quero chorar, mas posso segurar apenas engolindo isso. – Desculpa por te magoar. – Prosseguiu.

Tudo bem... – fiz uma pausa – eu o culpei sem motivos. – Respondi apertando minhas mãos em nervosismo.

Você tinha razão, eu estava enchendo a cara com meus amigos-

Jimin. – O interrompi.

Não, você precisa saber. – Tocou meu ombro com os olhos ansiosos. – Eu estava tentando fugir disso tudo e acabei me desligando de todos, depois daquilo com o Jin hyung, que ele te... tentou te- Você sabe. Eu não consegui manter meus pensamentos em total equilíbrio. Posso ter agido como um adolescente, sim, mas espero que me entenda. – Senti meus olhos marejarem, e pisquei rapidamente para espantar futuras lágrimas. – Eu quero que fique tudo bem, como era antes. Quero ver o Hoseok hyung, sinto muita falta, quero também ajudá-lo a se recuperar, pois sei que não será fácil o processo de reabilitação. – Sugou o nariz, estava abalado, porém eu não via suas lágrimas.

S-Sim, eu te entendo, vai ficar tudo bem. – Comecei a ter pensamentos involuntários e os problemas ainda não resolvidos me perturbavam. Jimin notou meu silêncio e me abraçou, mas continuei afogada em minhas profundas amarguras que pedem para ser libertas.

Ficamos juntos por um tempo e conversamos melhor, ressaltando tudo o que não foi explicado, desde a mensagem que recebi ontem à noite até minha opinião em relação ao que o médico disse sobre Jin.

Mais tarde recebi uma mensagem de Hee Chul me chamando para almoçar junto com ele e os superiores. Deixei um almoço simples preparado para os meninos e saí.

Na reunião meu chefe e os outros estavam visivelmente felizes, eu não entendia o porquê. Até que me disseram que o autor das notícias falsas, que até o momento é anônimo, retirou todas as acusações e fofocas, dizendo que as criou por total diversão com intuito de prejudicar o BTS. No entanto não disse o porquê de ter mudado de ideia, apenas deixou esta mensagem, que agora está circulando nas redes de comunicação do mundo todo.

Discutimos mais sobre o assunto e me senti levemente aliviada, porém algo não retirou minhas preocupações. Talvez isso tenha a ver com o estado de Jin nesta madrugada. Muito estranho...

[...]

Apartamento BTS, Nova Iorque – 3 PM, quinta-feira (5 AM em Seul, sexta-feira – 8 de abril), (2ª semana)

Voltei para o apartamento encontrando Suga e Kook na sala, escutei vozes altas vindo do corredor e identifiquei ser de Jimin e Tae, estão discutindo de novo?

Ah, você chegou. – Kook se levantou ao me ver, parecia assustado.

O que houve? Por que eles estão discutindo de novo? – Perguntei deixando a bolsa sobre o sofá.

O mesmo assunto infantil. – Yoongi revirou os olhos, ainda sentado no sofá.

Mas que droga! – Retirei meu casaco e fui em passos forte até os dois, Kook me seguira tentando impedir, mas o ignorei. – Parem já com isso! Eu não posso sair um minuto que vocês estragam tudo! – Exclamei relativamente nervosa e ambos me olharam surpreendidos com os punhos fechados.

Eu te disse que isso aconteceria! – Jimin olhou para Tae que virou o rosto desviando do meu olhar.

Estou farto disso. – Tae esbarrou em Jimin, passando por mim e Kook, indo para a sala.

Taehyung! – O chamei. – Não haja como uma criança, vamos conversar! – Tentei em vão impedi-lo, mas ele me ignorou.

Não adianta, ele não escuta ninguém. – Jimin segurou meu braço e estralei a língua em reprovação.

Acho que é você quem não me entende. – Me soltei e puxei Kook, deixando Jimin para trás.

Quando cheguei ao fim do corredor para a sala, Namjoon me surpreendeu abrindo a porta do quarto onde ficou com o Jin esse tempo todo.

N-Nam? – Parei no caminho, soltando o braço de Kook. Jimin vinha logo atrás.

Ele acordou. – Disse com a voz grossa, parecia exausto.

Sério?! – Eu e Kook dissemos em uníssono.

Sim, venham! – Abriu mais a porta e entrei, o mais novo não entrou comigo.

Avistei Jin sentado na cama, seu corpo dava espasmos e ele gemia como se estivesse com frio.

Jin... tudo bem, você está bem. – Ajoelhei ao pé da cama e tentei confortá-lo, isso pode ser psicológico como o médico disse.

Mesmo nervosa, tentei me acalmar para obter, finalmente, as respostas que queria.

E-Eu – Gaguejava e não olhava em nossos olhos, apenas para a cama em sua frente. – Sun H-Hee. – Minha atenção se voltou completamente quando esse nome foi mencionado.

Sun Hee? O que tem ela? – Questionei afobada e ele se afastou de mim, respirei fundo me concentrando.

Aqui hyung, eu trouxe água. – Jungkook passou pela porta, pude ver Taehyung e Yoongi o seguindo e entrando no quarto, em sua mão carregava um copo cheio e então se ajoelhou ao meu lado entregando para Jin que o pegou vorazmente. Suas mãos tremiam derramando gotas de água sobre o cobertor. O mais novo me olhou preocupado e coloquei a mão em seu ombro com um sorriso fraco para que afastasse e assim Namjoon veio até seu lugar.

Jin hyung, se acalme um pouco. Nos explique o que aconteceu, por que sumiu por tanto tempo? – Nam disse em voz rouca e calma tendo o olhar de Jin que parecia compreender. Eu juro que meu coração estava para sair pela boca em vê-lo assim, temo que fique louco de vez e não haja cura. Isso não é brincadeira.

Eu recebi uma... mensagem. – Engoliu em seco antes de prosseguir. – Os meninos... bar... estavam demorando. – Quê? Ele não está conseguindo formar frases agora? – Fiquei preocupado, Vivian- perguntar. E então, a ligação, a ligação, dizia que em perigo... eles estavam- perigo. – Mensagem ou ligação? Eu estava ficando impaciente por não o entender, mas Nam continuava ouvindo, olhei em volta vendo os garotos e eles também pareciam não entender. – Que bom que estão bem... – Suspirou olhando rapidamente para Kook, Tae e Jimin. – Sun Hee me fez, aish- – Colocou a mão nos olhos os apertando, apertei o braço de Namjoon involuntariamente.

Jin, prossiga, está tudo bem. – O líder mantinha a calma, não sei como ele consegue. (Talvez seja porque ele não sabe o que você sabe né amiga? Kkkkk)

Sun Hee... me ameaçou.

O quê?! – Levantei de uma vez; não sei quem mais falara junto comigo, mas me surpreendi mais uma vez.

Ela disse que se eu- desejo dela, retiraria todas as notícias ruins. Foi ela quem provocou tudo isso. Foi ela... foi ela... – Repetia baixo, isso me fez ferver, notei as veias do punho de Jimin que se aproximou ficando ao meu lado, pulsarem por ele apertar tanto.

E qual era o desejo dela Jin? – Nam insistiu franzindo o cenho.

Eu t-transei com ela. – Encarou Namjoon certo do que dizia.

Ouvir essas palavras saírem de sua boca me fez desabar, agora tudo fazia sentido, ela fez a armadilha e Jin caiu.

Por que fez isso?! – Suga vociferou me assustando. – Você é um idiota!

Era isso ou ela chamava as g-garotas para me atacarem!

Por que não socou a cara dela? Tão simples! – Suga estava realmente bravo.

Eu tinha que fazer isso! – Retrucou.

Claro que não, isso é idiotice, ela fez o joguinho e você aceitou!

O quê?

Começaram a discutir e meu coração se apertava mais.

E agora? O que vai fazer se essa vadia aparecer grávida?! Vai assumir seu erro idiota? VAI?! – Algo que eu não havia pensado foi adicionado em minha mente, me deixando mais nervosa.

Eles continuaram discutindo e Jin tentava se defender, todos gritavam, minha cabeça estava explodindo. E essa fora a gota d’água.

Me afastei em passos lentos, de costas e com os olhos marejados, me virei saindo do quarto e batendo a porta com uma força que não imaginava ter.

            Peguei o celular de Jimin, foi o primeiro que vi na sala, e iniciei uma ligação para _____. Minha irmã é a única que me entende, sempre fomos sintonizadas. Eu sou muito nova para aguentar tudo isso sozinha, preciso desabafar, estou esgotada.

Percebi que Jimin me seguira.

O que vai fazer? – Ignorei sua pergunta com minha mão esquerda na boca e a direita segurando o celular. – Vivian? – O celular não atendia.

Telefone ON

_____: Quem é? – Sua voz estava fraca, como se tivesse acabado de acordar.

Eu: ____! – Minha voz estava atrapalhada pela vontade de desabafar e chorar.

Por que está ligando para ela?! – Jimin tentou me tomar o celular e desviei.

Me solta! – Gritei.

Você não pode falar! – Ele gritou de volta visivelmente bravo, mas eu não estava me importando.

_____: Vivian? O que está acontecendo? – Disse provavelmente assustada com nossos gritos.

Não me encoste! – Me afastei dele e logo vi os outros saírem do quarto para ver o que está acontecendo, exceto Jin.

Eu: ____, vou lhe contar tudo, não aguento mais segurar isso, já chega. – Engoli em seco olhando para o chão.

_____: Espera, calma, primeiro me diz o que está acont-. – A interrompi e comecei a dizer tudo o que queria, desabafando as vezes que fomos atacados por fãs no Japão e na Tailândia, shows que foram cancelados, a pressão que sofri pelos superiores em relação à gestão de funcionários e a verba que estava ficando negativa, os delírios de Jin que só pioravam, o porquê de eu não ligar para ela como havia prometido.

Eu: O Jin muda de repente, ele é obsessivo! Tentou me atacar- – Solucei.

______: O quê? Vivian calm-

Alguém pega o celular dela antes que algo pior aconteça! – Kook disse.

Não me encoste, eu já disse! Eu vou dizer tudo, t-tudo o que está entalado aqui! – Lágrimas desciam pelo meu rosto, Jimin me olhava como se não me reconhecesse.

Eu: Desde então, houve muitas brigas aqui, Jimin, Tae... eles discutem por coisas fúteis, dizem coisas fúteis, eu tento ao máximo protege-los de tudo, mas parece que eles não entendem que a situação está precária e precisamos nos unir para que tudo dê certo. Eu não tenho ninguém para desabafar, como eu tinha quando estava contigo. – Parei chorando um pouco e não entendia o que ela dizia, mas percebi que começou a chorar ao ouvir minhas palavras. – Aquelas notícias falsas me faziam virar noites acordada para tentar apagar ao máximo os comentários maldosos, para que você não visse e eu me sentisse melhor. No entanto, acho que não consegui extinguir tudo e esconder de você irmã... me desculpe por te dar mais este fardo. – Tentei manter minha voz firme para prosseguir.

Vivian... – Jimin sussurrou e apertei os olhos.

Eu: Noite passada – comecei estabilizando minha voz e olhando para um ponto fixo, estava certa em contar o que havia acontecido – Jin sumiu por longas horas e só voltou às 4:30 desta madrugada aqui em New York. Equivalente às 6:30 da tarde aí em Seul.

Não, por favor. – Jimin tentou se aproximar e me afastei novamente.

Não faça isso! – Tae disse.

Eu: Resumindo tudo o que ele disse, que fora algo sem nexo, mas com cem por cento de certeza, Sun Hee o enganou e ambos fizeram sexo. Eu não sei como chegaram nesse ponto e nem porque, mas sinto que você devia saber!Ouvi ela gritar e chorar, e me senti mal, porém continuei. Sei que o que aconteceu com o Hoseok antes de viajarmos fora a pior das coisas para você, e também sei que há mais algo que está escondendo de mim que a fez ficar muito mal. Mas, espero que os dias melhorem e você possa sorrir novamente como fazia sempre quando acordava de manhã e me via como um zumbi. – Ela soluçou chorando alto e acabei chorando mais. – Eu...- Eu não aguento mais, eu sinto muito a sua falta, preciso de você! Eu nunca pensei que seria tão difícil estar por conta desses garotos. – Caí aos prantos, escutando ela fazer o mesmo.

~ Vivian P.O.V OFF ~

~ JHope P.O.V ON ~ (surprise motherfucker again~)

Depois de algumas horas trabalhando em minha música, resolvi tomar um banho. Já eram quase cinco horas da manhã. Me levantei vendo minha pequena ainda dormindo e depositei um beijo em sua testa e sussurrei “te amo”, deu vontade, então o fiz.

Girei as rodas da cadeira até a outra que era especialmente para o banho e troquei de lugar. Entrei no banho e abri a torneira em água morna. Havia deixado a porta do banheiro um pouco aberta em caso de alguma emergência, sim, eu estava ciente que é perigoso tomar banho sozinho, mas sei que consigo e estou feliz, nada me impede.

Alguns minutos depois, enquanto cantarolava e me enxugava, parei ao escutar a voz sonolenta de ____ e enquanto me vestia percebi choro e soluços, franzi o cenho sem entender e findei o que fazia indo para a porta. Talvez ela esteja tendo um pesadelo ou algo do tipo.

Me surpreendi ao vê-la sentada com o celular no ouvido e chorando sem consolo algum, parecia realmente abalada, comecei a pensar no pior e resolvi abordá-la para saber por que está assim.

____? O que foi? – Me aproximei da cama com a cadeira de rodas e ela se assustou ao me ver.

~ JHope P.O.V OFF ~

~ Vivian P.O.V ON ~

____: H-Hobi?

Eu: Hoseok?! – Me surpreendi ao escutá-lo. – *tum, tum, tum*– Ouvi o som de ligação terminada e acabei percebendo a merda que fiz, talvez ele tenha escutado, meu Deus.

Telefone OFF

Os garotos se espantaram ao me ouvirem dizer o nome dele e quando levantei o olhar para fita-los vi Jin surgir no corredor visivelmente fraco, ele se apoiava nos portais. Até que seus olhos se encontraram com os meus e senti um calafrio percorrer minha espinha, era o mesmo olhar de ódio que vi dias atrás quando Jimin o empurrou ao chão.

Jin? – Engoli em seco soltando o telefone.

Ele se aproximou devagar olhando para o chão e quando estava a dois passos de mim, voltou a me encarar com o mesmo sentimento de ódio.

Por que você... POR QUE VOCÊ DISSE A ELA?! POR QUÊ? JÁ NÃO BASTA O QUE PASSEI TENTANDO CONQUISTAR O PERDÃO DELA, AGORA SERÁ IMPOSSÍVEL E A CULPA É TODA SUA! – Começou a gritar e de súbito veio para cima de mim com as mãos em direção ao meu pescoço enquanto eu me afastava, não conseguia responde-lo, eu estava assustada. – POR QUÊ FEZ ISSO? POR QUÊ? POR QUÊ?! POR QUÊÊÊÊ?! – Me encurralei na parede e ele se aproximou mais, gritando como louco[... continua]


Notas Finais


Por essa vocês não esperavam, certeza... Tentem imaginar o Jin gritando "por quê?" em coreano: WAE? WAE?! WAEEE?!
Maravilhoso :v

Links Imagine

*Jimin olhando de lado para Vivian na sacada*:
http://data.whicdn.com/images/212505182/large.gif


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...