História Seu Sorriso - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Drama, Faculdade, Paixão, Passado, Romance
Visualizações 9
Palavras 1.188
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Steampunk, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - VII - Vidinha perfeita?!


Fanfic / Fanfiction Seu Sorriso - Capítulo 7 - VII - Vidinha perfeita?!

 

A vida é nos trás muitas surpresas, as vezes amargar, as vezes doces. Quando desistimos de tudo e nos entregamos a escuridão. Surge uma voz doce e nos estende a mão... Seu nome é esperança..

 

Nathaniel

É engraçado pensar em como um momento feliz pode se transforma em uma tragédia em questão se segundos. É engraçado pensar que você sempre teve um porto seguro e o ver sendo arrancado de vez de forma bruta. E por alguns segundos você se pergunta... Deus realmente existe? Ele está nos olhando e mesmo assim nos deixa sofrer? Se ele é tão misericordioso assim. Porque continua parado enquanto só ver miséria e dor.... Acho que nunca vou saber.

-- NATHANEL SALVATORE -- me assusto olhando para estrada procurando o perigo e quase perdendo o controle do carro e encaro a figura loira ao meu lado.

-- PORRA ASHLEY! NÃO ME ASSUSTA ASSIM! -- encaro ela respirando fundo e voltando meu olhar atento para estrada observando cada carro.  Sinto minhas mãos suadas, tiro uma das mãos do volante e a limpo na calça, e faço o mesmo com a outra. 

-- Desculpa Nath -- diz ela me analisando. Enquanto meu mantenho meu olhar nas ruas. -- Eu estava falando com você. E parecia que estava no mundo da lua.

Aperto o volante enquanto olho o carro que está atrás de mim pelo retrovisor. Ela sabe que eu não gosto disso e mesmo assim insiste em me gritar enquanto dirijo. Respira fundo Nathan. Respira fundo. A pessoa agora não pode nem pensar em paz. Só o que me faltava. 

Balanço a cabeça afastando os pensamentos. Tudo o que eu quero nesse exato momento é a minha casa. Piso no acelerador enquanto troco a macha.

-- Não me grita. Eu posso bater o carro merda! -- olho para ela que engole em seco e balança a cabeça concordando.

-- já pedi desculpa.

Como se ela fosse parar de me gritar. Reviro os olhos e escuto meu telefone tocar. Coloco a ligação no viva voz e logo escuto uma voz feminina porém muito familiar para mim. É a garota loira da minha sala. A Elizabeth.

-- Fala irmão! -- escuto a risada dele de fundo e o mesmo pergunta se a acompanhante quer algo que logo responde que não.

-- Avisa a Rosa que eu não vou chegar para almoçar ou jantar hoje não. Não quero preocupar ela. Então avise.

-- Quem é a loira que está com você? -- olho para ela e arqueio a sobrancelha. Pelo seu tom de voz ser de alguém que estava acusando ele de algo.

-- Elizabeth Müller da área de medicina. Mesma sala que o Nathan... Porque? -- pelo que conheço do meu irmão o mesmo deve está sorrindo do outro lado -- sem ciúmes flor de mel.

-- Pare de me chamar assim seu ridículo! -- rosnou ela -- vá se divertir a loira falsificada.

Escuto a risada do Ricardo pelo alto falante do carro e acabo rindo também. Acho que meu irmão está passando muito tempo comigo. O filho prodígio está se tornando a ovelha negra? Será será será? Vamos aguarda os próximos capítulos da novela..

-- Olhe que eu estou me divertindo. E posso alegar que ela é loira natural. Sabe eu observo muito bem as coisas.

-- Vá se Foder Ricardo!

-- Olha a língua Ashley Chase. Olhe a língua. Que coisa feia! Vou pedir a Rosa para lavar a sua boca com quiboa.

Se parar para pensar é capaz da Rosa fazer isso mesmo. Ela não gosta de ouvir xingamento ainda mais de nos. Seus "filhos".

-- Seu recado será dado com sucesso irmão. Se divirta e use camisinha pelo amor de qualquer coisa. Quero ser tio tão cedo não.

Abro um sorriso de lado e logo avisto o grande portão da casa dos Salvatore. Ou melhor como dizia a Hanna Mansão Salvatore.

-- Pode deixar. Eu tenho mais juízo que você.

-- Disso eu não duvido nada querido irmãozinho. Beijos 

Desligo a ligação e abro o portão com o pequeno controle que fica no meu carro. Não gosto que abram para mim. Mesmo tento segurança para isso. Ainda acho essas coisas idiotice.

Estaciono o carro na garagem. Tiro a chave a guardando na pasta. Aperto a trava do cinto de segurança e saio do carro olhando para casa.

-- ROSAAAAAA, OH ROSAAAAA -- grito e dou risada pelo olhar que a Ashley me manda.

-- Vocês vão acabar matando minha mãe do coração com esses gritos. Você e seu irmão.

Quando iria abrir a boca para contestar ela. Escuto a voz da Rosa antes da mesma entrar em meu campo de visão.

Rosa não é nada mais. Nada menos. Que a nossa empregada. Mas é como se fosse da família. Ela criou eu e o meu irmão desde que o Ricardo tinha 7 e eu 5 anos de idade. Até hoje meus pais nunca param em casa. E eu e a minha mãe temos uma pequena desavença. 

Mais esse ser baixinho. É como uma mãe para mim. No lugar da outra. Sempre cuidou de mim como se fosse seu filho. Amou, educou, brincou. Enfim ela me criou enquanto os queridos Luis e Andreia Salvatore estavam viajam. Olha que beleza!

 Abro um sorriso ao abraçar ela apertado mesmo ouvindo a sua reclamação e por fim sua risada dizendo que eu estava de mais.

-- Um dia você ainda me mata do coração Nathan -- reclamou ela me batendo com o pano de prato. O que só me fez rir. -- vão tomar banho direitinho enquanto eu coloco a comida de vocês... Principalmente você Nathan.

Reviro os olhos olhando para ela que me bate outra vez com o pano de prato. Os anos podem passar mas a Rosa vai continuar achando que eu tenho 7 anos. Vai entender. Acho que ela ainda não percebeu que eu cresci e estou ficando cada vez mas gato.

-- Fui Nathan, pôs eu estou realmente com fome -- diz a loira indo para casa dela. Essa esfomeada.

Ashley e Rosa, moram nos fundos da minha casa. Minha mãe mandou fazer para ela a muito tempo atrás. É como se elas morassem e não morassem aqui, ok isso ficou confuso mas eu não vou explicar novamente. 

Beijo a bochecha dela e sigo em rumo as escadas em direção ao meu quarto. Assim que passo pela porta, respiro fundo olhando cada pequeno detalhe. A cama de casal com os lençóis grosso e aquelas almofadas e travesseiros chiques, o sofá. A tv na parede. É dona Andreia é exagerada!

Entro no banheiro tirando a roupa e em meio ao banho penso na Sophia. Até ter os pensamentos invadido pelas imagines da Hanna. Fazendo o meu coração ficar apertado e logo as lágrimas quererem descer... 

Eu não tenho a vida perfeita como pensam. Eu não sou totalmente feliz. E sim a uma escuridão em mim. Algo que me prende e me sufoca... Algo que cada vez me arrasta para o fundo do poço. A imagem dela naquele dia é como uma chave para as minhas lágrimas descerem e novamente eu estava no poço.


Notas Finais


Espero que gostem, foi feito com carinho
Beijinhos com rosas
{^_^}


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...