História Seven love letters - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias My Chemical Romance
Tags Frank Iero, Frerard, Gerard Way, My Chemical Romance
Visualizações 37
Palavras 657
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Epílogo curtinho, mas muito lindo

Boa leitura <3

Capítulo 28 - Epílogo


Esta noite estou cozinhando com o coração, escolhendo acreditar em mim mesmo, em vez de ter medo.

Embora eu sempre tenha sido um aventureiro da culinária, fazendo experiências com receitas arrancadas das páginas das revistas Bon Appétit e Gourmet desde que tinha 12 anos, Gerard e eu costumamos preparar juntos esta refeição em especial. Ele pilotando o fogão; eu, o ávido subchefe, fatiando e picando salsinha, chalotas e alho. Agora, graças ao seu treinamento gentil, tenho um pouco mais de confiança no que diz respeito à arte de preparar os pratos flambados da gastronomia francesa. Além do mais, não posso permitir que um pouquinho de calor me assuste na minha própria cozinha.

Finalmente chegou a hora de dominar meu nervosismo de flambar — sozinho.

Na primeira tentativa, o fósforo ganha vida sibilando, produzindo um fio de fumaça. Dou um passo para trás, estico o braço e toco a ponta acesa no pastis com a mão firme. Chamas incendeiam e o aroma da bebida de anis permeia a cozinha. As labaredas se assentam num fogo brando, e solto o ar que estava preso no meu peito. Só que minha técnica ainda não é impecável. Para o deleite da gata, um camarão roliço cai no chão. Bella ergue as ancas e pula sobre a presa. Posso não ter conseguido mexer direito com a frigideira, mas consegui deixar uma pantera em miniatura muito feliz.

Depois de ajustar o temporizador, giro o botão para deixar o fogo baixo, o que vai permitir que o sabor do pastis penetre no camarão só um pouco mais. Gerard já colocou a mesa lá fora e eu saio no jardim para me juntar a ele.

— Vinho? — ele pergunta.

Concordo com a cabeça e coloco minha cadeira onde posso ouvir a cozinha, notando o perfil bonito do meu marido, as costeletas bem cuidadas, o nariz fino e uma leve sombra de barba, enquanto ele tira a rolha da garrafa de Cabernet d’Anjou.

Continuo tão atraído por ele como da primeira vez em que nos conhecemos, há mais de vinte anos.

Bem quando estamos a ponto de fazer um brinde com as taças, o temporizador na cozinha apita. Antes que eu possa mover um músculo, Gerard diz:

— Fique. Fique.

Ele pula da cadeira e entra na casa. Alguns segundos depois, ele volta às pressas para o deque e coloca uma sacola de papel preto brilhante sobre meu prato. Vejo o nome de uma joalheria: 18k, Montres et Bijoux.

Aponto, boquiaberto.

— Mas não era para me comprar nada…

— Eu queria. — ele dá de ombros e solta o ar bufando como apenas um francês consegue fazer sem parecer bobo.

— Mas o camarão…

— Pode esperar um minuto. Eu desliguei o fogo. — ele aponta a sacola — Ouvre-le.

Ele não precisa traduzir as palavras para o inglês. Sacudindo a cabeça, coloco a mão entre as camadas de papel de seda para descobrir um relógio dentro de uma caixa revestida de cetim. O fecho é delicado, mas Gerard consegue abri-lo em questão de segundos. O objeto envolve meu pulso e o detalhamento me faz ficar boquiaberto, as facetas reluzindo à luz de velas. Algo sobre a forma como a luz reflete na joia, quase pulsando, me traz um momento de completa clareza. Olho para o céu estrelado antes de encontrar o olhar de Gerard, tentando recuperar meu fôlego. Só posso sussurrar:

— Obrigado.

As mãos dele envolvem a minha.

— Frank, você nunca, jamais, precisa me agradecer.

Ah, mas eu agradeço.

Três anos atrás, quando deixei um casamento sem amor, abri falência, comecei a levar cachorros para passear e voltei para a casa dos meus pais no sul da Califórnia, pensei que as coisas não podiam ficar nem um pouco piores. Mas então, num momento de saudade e memória, usei a internet para procurar Gerard e dei continuidade a um romance inacabado de décadas passadas. Esta noite comemoramos nosso segundo aniversário de casamento.

Esta é a história de como formatei minha vida e reiniciei meu coração.

 


Notas Finais


Wow, chegamos realmente ao final dessa adaptação açucarada hahsauasuh
Tenho muito à agradecer a tds que leram, favoritaram e comentaram, muito obrigada mesmo, vcs são incríveis <3
Quero agradecer especialmente a ourmychem que leu a fanfic primeiro que todo mundo e me ameaçava para que eu postasse logo hahsaush E também à soumpouquinho, que graças a seven love letters viramos amigas <3
Então essa história foi realmente bem especial pra mim, não pensei que seria tão difícil terminá-la, maaaas tudo que é bom, tem um fim né :/

Bom, então é isso... E venho aqui na humildade divulgar algumas coisinhas muito boas...

Eu já comecei a postar uma nova adaptação, espero que gostem dela: https://spiritfanfics.com/historia/maybe-not-8988028

E também leiam a shortfic da ourmychem, pq porra, é maravilhosa demais: https://spiritfanfics.com/historia/be-mine-8849507

E por fim, essa tradução é incrível, todo mundo deveria ler: https://www.wattpad.com/story/103219517-i-think-i-like-it


Enfim, é isso, espero ver vocês em Maybe Not e outras fics que vem por aí que planejo postar, muito obrigada por chegarem até aqui <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...