História Severo Snape e Hermione Granger- Um segredo de Hogwarts - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Visualizações 97
Palavras 2.449
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


EU HERMIONE GRANGER JURO SOLENEMENTE NÃO FAZER NADA DE BOM

Capítulo 3 - A PRIMEIRA AULA DO ANO


Fanfic / Fanfiction Severo Snape e Hermione Granger- Um segredo de Hogwarts - Capítulo 3 - A PRIMEIRA AULA DO ANO

Os dias iam se passando e a polêmica da troca de cargo do Snape e os novos professores  ia ficando para trás cada vez mais rápido, até a primeira aula  do ano de  defesa contra as artes das trevas ser chegar.

Nos direcionamos para estreita escada de pedra que levava às masmorras, cada vez mais baixo às escada entraram no enorme saguão cheio de ecos, iluminado por tochas deixando o ambiente húmido e escuro, à medida que ia me aproximando da porta sentia meu corpo ficar cada vez mais dormente, eu conseguia ver a sombra dele perto da porta.

Entramos, não o vimos mas o ouvimos:

-Bem  v -i -n – d – o - s – em tom cordial, mas sem perder sadismo ele nos cumprimentou.

Eu sabia que estava no fundo da sala, precisamente a direita já que o aroma de maçã e canela que exalava do seu perfume era inconfundível ao meu olfato.

O seu ânimo mostrava que ele estava muito satisfeito, podíamos detectar um olhar de

triunfo nos olhos de Snape, ele surgiu do fundo da masmorra escurecida como eu havia pressentido.

Caminhava em nossa direção imponente com sua longa capa negra, seu andar era predador.

-Acredito que já saibam desarmar seu adversário depois da  tentativa do professor Gilderoy Lockhart no clube de lutas… antes ter a memória apagada… - o olhar de Snape cruzou com o de Harry e rapidamente voltou a atenção para a turma inteira.

-Formem duplas, 10 passos de distância na frente e dos lados – Snape começou nos passando as regras.

-Eu vou com você harry, tenho medo da Hermione me transformar em um rato – rony cochichou, ou pelo menos acha que cochichou perto dos ouvidos de Harry.

-É uma boa ideia Rony – ironizei enquanto me posicionava 10 passos ao lado de harry.

-Reflexo e agilidade são o segredo de um perfeito expelliarmus – aumentou a voz e nos encarou o ex professor de porçoẽs.

-Hermione, eu quero aquele pergaminho que Dumbledore deu a Snape antes dele entrar na sala, a forma que Snape recebeu me deixou curioso – harry sussurrou de cabeça baixa em direção a mim enquanto Malfoy se aproximava colocando-se na minha frente:

-M.D.R, que desonra sobrar somente você, diga adeus a seus amiguinhos estranhos – me cumprimentou Malfoy- M.D.R eram as siglas do apelido que ele usava quando se referia a mim, “machuda de sangue ruim”

O ignorei e olhei para o Harry:

-Como pretende fazer isso Harry?

-Vou lançar o feitiço contra o Roni de forma que o faça cair em cima da mesa, assim ele pega o pergaminho quando se levantar – Harry me explicava com os olhos fixos na distância entre Rony e a mesa do novo professor de defesa.

- Harry!! é muito longe, você ficou maluco? Tentei fazê-lo mudar de ideia.

-Trocando suas últimas palavras com seu namorado de mentira Granger? - Malfoy tomou nossa atenção.

-Ou…. declarações de amor desessenciarias – Snape completou; estava atrás de nós nos observando e pela sua entrada irônica ele não havia nos ouvidos.

Nós o encaramos em silêncio enquanto Malfoy dava risadinhas com seus colegas Crabbe e Goyle, a risada dos três juntos lembravam hienas no cio.

Snape se afastou em passos curtos com os punhos fechados atrás das costas observando a posição do corpo um a um dos alunos, corrigia a posturas deles com olhos fixos em Harry.

Harry olhou para a Rony que fez sinal positivo com a cabeça e ali eu entendi que tinha sido a última a saber o plano de pegar o pergaminho que Dumbledore entregou tão misteriosamente a Snape que recebeu de mal grado.

-Roni, não! Falei apenas com o movimento da boca, mas Rony fez que não viu.

- Prontos? Agora... a cada passo eu poderei ou não entrar com um outro feitiço, vocês devem  estar em modo perceptivo sempre, nunca se sabe se seu inimigo está ou não... acompanhado…- o professor nos passou um aviso final.

Snape lançou um olhar de puro veneno a harry,  nasceu no rosto do professor um singelo sorriso no canto esquerdo da boca, ele manteve seu olhar sádico encarando Harry e desarmou sua posição em câmera lenta como uma cobra que se desenrola de um bote desistido.

- Expelliarmus é usado para desarmar o inimigo, acrescentou o professor com os passos seguros como se pudesse andar sobre as águas, - Petrificus Totalus paralisa o adversário… - ele olhou para Malfoy e seus olhos brilharam ao encontrar o seu aluno favorito – e com Legilimens entra-se na mente do inimigo,  - voltou os olhos para Harry, - podendo ter acesso a suas memórias e planos. . . - ele cerrou os olhos e encarou harry com um olhar penetrante, -  vou usar todos eles, não sei em que ordem… não sei quando.

Harry o olhava Snape fixamente como se desejasse experimentar o mesmo desejo.

Naqueles poucos minutos que se passaram eu, Rony e Harry víamos que estava se iniciando um duelo pessoal entre Harry e Snape, alguns alunos se encolheram enquanto assistiam a troca de olhar entre o professor e seu menos querido aluno, era a oportunidade de poder atacá-lo.

A primeira imagem que me veio a cabeça foi snape atingindo Harry com Legilimens e tomando conhecimento do plano de roubar o pergaminho dado por Dumbledore a Snape, era óbvio que ele faria isso, eu olhei para Harry preocupada mas me lembrei de que tinha Draco Malfoy como meu adversário, se Draco tivesse sido mais rápido teria pego o lugar de Rony, o que me fazia subentender que um ódio em dobro seria descarregado pela sua varinha contra mim e pelos olhares entre Malfoy e seu mestre, Petrificus Totalus seria o que me espera quando ele desse o sinal.

-Façam suas reverências, meia volta e mais três passos a frente -Ele disse antes que eu pudesse terminar de pensar- esperem meu sinal e virem-se … - ele diminuiu o volume da voz e soletrando as sílabas nos autorizou:

-A-ta-quem.

Rony sussurrou que ainda não estava pronto, e que snape estava perto demais, poderia vê-lo apanhar o pergaminho, Harry concordou e continuaram defendendo seus ataques sincronizadamente ensaiados em uma velocidade difícil de desconfiar, mas nada é difícil de desconfiar para Snape que inclusive vinha de direção de Harry o analisado a todo momento. Ele percebeu a farsa e desistiu de sua rota para o fim da fila escolher alunos lentos para lançar um segundo feitiço, mudou de direção antes do meio da fila para direção de Harry.

-Ele está voltando Harry! - Rony  arregalou os olhos em direção a harry e abaixou a varinha.

-Disfarça – Harry sussurrou e continuou com a varinha apontada para Rony.

Ao mesmo tempo que tudo acontecia eu bloqueia os incansáveis Petrificus Totalus de Malfoy.  Snape em passos apressados porém disfarçados continuava vindo em nossa direção sem nem olhar os outros alunos, seu olhar fixo em Harry mostrava claramente seu objetivo e seu alvo, era como um lobo negro descendo as rochas guiado pelo brilho da lua. Rapidamente O professor puxou a varinha da manga, seis passos ainda de distância de nós, ele ergueu a varinha e apontou contra Harry.

Harry trocou a mira de sua varinha mesmo tempo e eles trocaram o mesmo feitiço repetindo em uma só voz:

-  Negilimens

Snape foi mais rápido e o defendeu, fixei meu olhar em Drago e rapidamente o ataquei:

-Immobilus! - apertei mais forte a varinha apontada para o menino.

Draco paralisou-se  em minha frente como uma estátua que pausava seu último movimento, eu me virei para Harry e corri 10 passos a direita, o empurrei para desarmar o professor com o feitiço expelliarmus para que não descobrisse o plano de pegar o pergaminho, isso era roubo e daria todo direito de expulsão a nós três.

Mas Snape lançou o feitiço um segundo antes que alcançasse Harry.

O feitiço me acertou, senti meu corpo receber uma descarga de energia tão intensa que meus músculos paralisaram enquanto minha mente se abria, era como se eu fosse induzida a um transe num involutario . Eu me vi em um banheiro onde me assistia sentada em uma piscina do banheiro abandonado dos monitores, só duas velas iluminavam meu redor, enquanto eu me tocava o movimento violento embaixo d’água fazia respingar as gotas nos rascunhos de desenhos de Snape que eu carregava comigo no livro de Herbologia, que por suposto estava sempre  com as páginas húmidas;  eu me masturbava lá nos ensaios de jogos do quadribol, a murta que geme sempre me dava privacidade e mantinha os outros fantasmas longe, sempre foi minha confidente desde o meu primeiro ano em Hogwarts, tínhamos algo em comum, gostávamos do mesmo professor, murta que geme assistiu a infância de severo em hogwarts, ele também tinham algo em comum com ela, porque sempre se esconderam nos banheiros abandonados depois que sofriam bullying, por isso o professor reconheceu o lugar imediatamente.

Tentei imaginar uma parede para trocar de visão, mas a primeira parede que me veio a cabeça foi a do meu quarto cheio de seus desenhos feitos a lápis, os detalhes das vestes negras ondeando à brisa gelada, as expressões vazias e cruéis no seu semblante e dezenas de rascunho de outros diferentes olhares como o que sempre lançava a Harry.

A tela se de lembranças ficava transparente até que desaparecesse e logo outra surgia tornando-se mais nítida a medida que se desenrolava. Eu tinha um frasco de seu perfume nas mão, maça com canela, e o borrifava em meu travesseiro que mais tarde substituiria meu o bruxo nas minhas fantasias sexuais, as inúmeras vezes que eu me desviava de Harry e Rony usando a desculpa de precisar ir até a biblioteca, as vezes que menti a eles estar de detenção e passar a tarde na banheira do banheiro abandonado, minhas confidências sobre como eu o descrevia para murta que geme, sobre as aulas de poções, o quanto seu comportamento mexia eroticamente comigo, como eu o admirava sua inteligência e seu jeito mistérioso, eu assistia nossas conversas  vendo o reflexo de snape nos espelhos,  Quanto mais lutava para sair destas memórias mais essas se misturavam fazendo do professor a única importância atual nos meus pensamentos, tentei mover o corpo e abrir os olhos na esperança de enxergar a sala e jogar um contra feitiço em minha defesa, mentalmente gritei - “ JÁ CHEGA!” , E meu corpo voltou ao normal, cai de joelhos enjoada e cansada como se tivesse subido correndo 3 lances das escadas de Hogwarts.

Levantei a cabeça e olhei em volta os alunos mais longe, eles trocavam feitiços uns contra os outros e os alunos mais próximos me encaravam, isso mostrava que o que aconteceu durou segundos no lado de fora e horas dentro da minha cabeça mas que tinha acontecido de forma discreta pois não chamou atenção da classe inteira. Levei meu olhar ao professor, continuei ali imóvel encarando aquele homem magro, com a pele macilenta, um nariz curvo e cabelos negros até os ombros, como se eperace minha morte, ele tomou conhecimento do estado do seu aluno preferido imobilizado e voltou os olhos a mim de uma forma que me escaneia lentamente cima a baixo como se pudesse enxergar dentro e fora de mim.

-Curioso…  ele comentou friamente com olhos cerrados- eu pensei que você só gostasse de menin... - Falava pouco acima de um sussurro mas não terminou porque esse sim paralisou a aula.

Neville havia soltado um feitiço errado e ouvi-se uma explosão de fumaça, tinha cor amarela e conseguiu alcançar 20 passos o que era suficiente para envolver em fumaça dois alunos, um a sua direita e outro a sua esquerda.

Snape o olhou para Neville com sangue nos olhos, sacudiu a varinha em direção a Neville fazendo toda a fumaça desaparecer, ele se virou para mim lentamente com uma expressão psicopata e sem tirar os negros olhos de mim cuidadosamente tocou a ponta da varinha no ombro e Draco sussurrou :

- Finite incantatem.

Draco voltou ao normal no mesmo instante e olhou-me assustado erguendo a varinha, foi interrompido pela varinha do professor que como uma espada a bloqueou fazendo força para o chão com a varinha grudada na do do menino o induziu a  abaixar a guarda.

- É somente isso por Hoje Draco - aliviou a força sobre a varinha do aluno preferido e recolheu sua varinha para dentro da Manga, manteve seu olhar fixo no meu todo o momento, como se fosse me penetrar a mente de novo por telepatia, seus olhos grudados ao meu eram como imãs e ainda que eu tentasse desviar os olhos parecia inútil. Fechei o olhos e virei a cabeça para Harry para depois assim abrir os olhos novamente.

- Guardem suas varinhas- ele dobrou os braços para trás e deus largo passos até a porta.

Voltou os olhos para Harry e Rony que rapidamente arrumavam suas mochilas, tentei me esconder por trás de Neville que era alto, mas em vão, Neville abaixou e demorou incansáveis minutos amarrando os sapatos. Quando snape professor me avistou, fixou o olhar com o meu, senti o arrepio percorrer em meus braços, eu percebi que teria que passar pela a única porta que a masmorra tinha, mas estava com a metade bloqueada pelo o professor por quem tinha fetiches e agora ele sabia disto.

Eu procurei Harry e Rony e fui em suas direções, meu plano b era sair entre os dois para que Snape não me percebesse, mas tinha 100% de chance de não dar certo, eu estava sendo observada passo a passo pelo olhar negro do professor, mesmo assim eu fiquei entre Harry e Rony e juntos caminhamos em direção a saída, chegamos na porta e Snape rapidamente olhou Harry e deu um passo à frente de nós três:

- Potter! Snape o chamou secamente, - distraído pelo fiel escudeiro Weasley, salvo pela apaixonada namorada. A boca de Snape se contorceu num riso de desdém.

- Tsk, tsk … Que vergonha para você, o famoso Harry Potter, - sibilou, a voz gélida.

Nos mantemos em silêncio e em frente quando cruzamos finalmente a porta prontos para subir as escadas, Snape se virou para os degraus e comentou:

- Senhorita Granger - falou com um sorriso estranho e torto.

Nós viramos para encará-lo. Snape  continuou:

– O que seria tão importante assim, a ponto de colocar-se em uma posição tão vulnerável… subitamente  -  os olhos negros faiscando à luz das velas, dava uma aparência macabra ao Professor.

-O que ele quer dizer com isso? - Harry me olhou rapidamente, seu rosto ficou pálido.

-Não importa, vamos embora antes que ele dê falta do pergaminho- Rony sussurrou e puxou Harry disfarçadamente pela mochila.

Ignoramos os comentários e subimos rapidamente as escadas, não consegui olhar pra

trás.

 


Notas Finais


VEJO VOCÊS NOS COMENTARIOS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...