História Sex Love - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Amor, Hot, Justin Bieber, Lily Collins, Sexo
Exibições 762
Palavras 3.003
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


B
O
A

L
E
I
T
U
R
A
!

Capítulo 31 - Me deixa cuidar de você?


Fanfic / Fanfiction Sex Love - Capítulo 31 - Me deixa cuidar de você?

Justin P.O.V.

Já era quase 4pm, quando finalmente tudo estava completamente resolvido. Respirei mais aliviado. Acho que todos ali estavam igual a mim. Cansados, mas satisfeitos por termos conseguido concertar tudo a tempo. Não foi nada fácil.

Vi meu pai se levantar e Ryan continuava a me encarar entranho. Depois do meu encontro com Megan e o incidente na boca dentro do banheiro, quando retornei ao escritório, ele passou a me encarar estranho. Chris questionou o corte na minha boca e lhe falei que havia me cortado com o copo. Sei que não foi lá muito convincente, mas foi a única coisa que consegui falar.

Me levantei também e vi Christian fazer um toque com o meu pai e depois se dirigir a mim. Ryan permaneceu sentado, não estava nada satisfeito, mas o que ele queria? Que eu tivesse fodido com a Meg? Sei que se Caitlin não tivesse chegado provavelmente aquele beijo não pararia por ali, eu a desejava, mas isso não aconteceu.

– Primeiro, quero agradecer a todos, isso daqui foi bem cansativo... – Jeremy falou despertando-me de meus pensamentos.

– Somos uma equipe, certo? – Chris galou risonho e eu também forcei um sorriso.

– Que isso, Jeremy... – Ryan falou educadamente e meu velho riu de lado.

– Agora, estão todos liberados, sem trabalho segunda, para compensar o dia de hoje...

– Sério? – Chris perguntou contente e o Jer assentiu – Valeu, Jeremy!

Eles fizeram outro toque e vi Ryan pôr-se de pé, encostando-se na escrivaninha e colocando as mãos nos bolsos. Ele realmente me parecia chateado e agora tentava me ignorar ali.

– Aew, vocês vão ficar por aqui? – Chris perguntou entusiasmado.

– Não sei o Justin, mas eu estou voltando hoje para New York. – Jer respondeu e Christian me encarou.

– E ai, Drew?

– Eu não sei cara... – falei um tanto confuso, não seria nada bom se eu ficasse.

– Fique, Justin, divirta-se um pouco, vocês merecem relaxar. Qualquer coisa mando o jatinho de volta... – Jeremy insistiu e eu assenti.

– Certo, eu ainda vou passar na casa da mamãe e lá a gente vê... – falei e eles assentiram.

– Tudo bem. Vamos? – Jeremy falou e se virou com Christian.

Olhei rápido para Ryan, que analisava uns papeis sobre a escrivaninha, e balancei minha cabeça de um lado ao outro, tentando me convencer de que não havia feito nada errado, afinal não rolou nada mesmo, certo? Então por que a droga da minha consciência estava pesada? “Talvez porque você beijou a Meg, e gostou tanto disso que ficou excitado...” uma voz me repreendeu em minha cabeça. Quando ia dar um passo a frente para sair dali, o escutei me chamar.

– Precisamos conversar! – falou em tom sério e o encarei novamente.

Agora me encarava de volta. Assenti e o vi colocar as folhas de volta a escrivaninha, e depois caminhar em minha direção. Seu maxilar estava travado e era provável que estivesse se segurando para não me acertar um soco.

– O que rolou lá em baixo? – questionou e eu franzi o cenho.

– Eu já expliquei...

– Não isso, eu tô perguntando o que rolou de verdade...

– Onde você tá querendo chegar, cara?

– Olha, Justin, eu posso até parecer idiota, mas vi o modo que olhava a Meg no corredor e sei muito bem que o lance da água foi um pretexto para vê-la, então você volta com a porra da boca cortada e quer que eu acredite que foi um copo? Que idiota se corta bebendo água?

Tá, aquela foi uma péssima mentira, mas qual é? O que mais eu podia inventar? Que caí? Não!

– FALA! – ele gritou sem paciência, me empurrando e senti a raiva me invadir – FALA SEU FILHO DA PUTA, DESGRAÇADO!

– FALAR O QUÊ? VOCÊ DEVIA CONFIAR MAIS NA MEG, ELA NUNCA FARIA ISSO COM VOCÊ!

– O PROBLEMA NÃO É ELA, EU CONHEÇO VOCÊ, CONHEÇO MUITO BEM!

– EU NÃO COMI A MEG, TÁ BOM? ENCONTREI COM ELA NA COZINHA, ELA ESTAVA SÓ DE BIQUÍNI, E VOCÊ SABE TANTO QUANTO EU COMO AQUELA MULHER É GOSTOSA. EU JURO QUE TENTEI ME CONTER, MAS EU A DESEJO COM TODAS AS MINHAS FORÇAS, E FIQUEI DURO, CARA. FIZ ISSO NA DROGA DA MINHA BOCA PRA NÃO COMER A TUA MULHER NAQUELA MERDA DE COZINHA, PORQUE A MINHA VONTADE ERA ESSA. SATISFEITO?

Ele me empurrou novamente com mais força e me acertou um soco no rosto. Me segurei na mesinha que tinha ali, derrubando um vaso, que se quebrara ao chão. O encarei com cenho franzido. Eu havia merecido aquele soco.

– VOCÊ É UM GRANDE FILHO DA PUTA E NUNCA VAI SER PRA ELA METADE DO QUE EU SOU! – ele gritou partindo pra cima de mim novamente e cerrei os punhos, acertando-lhe um soco de volta.

– O QUE TÁ ACONTECENDO AQUI? – Jeremy e Chris entraram novamente no escritório.

Senti outro soco do Ryan atingir meu rosto e logo após o gosto de sangue invadir minha boca. Jeremy e Christian nos separaram e eu realmente gostaria de quebrar a cara daquele desgraçado.

– VOCÊS ESTÃO LOUCOS? – Chris questionou, puxando Ryan para trás.

– Me solta! – exigi, me largando de Jeremy.

Saí daquela merda de escritório como uma bala rasgando o ar. Estava com ódio, do Ryan, por ser um babaca, e mais ainda de mim, por conseguir ser pior que ele. Notei Jeremy me chamar pelo corredor, mas fingi não ouvir. Desci as escadas apressadamente e ao chegar a sala notei Caitlin, Ambrey e Megan sentadas em um sofá. Todas me olharam assustadas e Meg franziu o cenho, um tanto confusa.

– O que aconteceu? – Caitlin perguntou rápido, pondo-se de pé, e eu neguei com a cabeça.

– Justin, espera! – ouvi a voz de Jeremy e voltei a fechar a cara.

Meg se pôs de pé também, dando um passo em minha direção e eu segui rápido para a porta, não queria ter que lhe dar explicações sobre o que acontecera lá em cima. Caminhei rápido até o carro e ouvi novamente a voz de Jeremy.

– Dá pra explicar o que aconteceu? – ele exigiu se aproximando.

– Abre a porra do carro! – falei grosso, sem paciência.

– Eu te fiz uma pergunta...

– E EU MANDEI ABRIR A DROGA DO CARRO! – gritei com raiva e ele tirou as chaves do bolso e destravou aquela merda.

Abri a porta adentrando ali, e logo o vi fazer o mesmo. Deu partida sem falar mais uma palavra sequer e saímos rápido dali. Eu ainda não acreditava que fora tão filho da mãe com Ryan. Mereci aqueles socos, e não devia estar chateado por isso, mas acontece que ele afetara o meu ego.

Jeremy permaneceu em silêncio no carro por um bom tempo, acho que notara que não estava para conversas, e eu fui tentando me acalmar. Notei que ele puxara o carro para o acostamento e o encarei, ele estacionou e tirou a chave da ignição.

– Certo, agora eu acho que mereço uma explicação. – foi o que falou, passando a me encarar de volta.

Suspirei e recostei minha cabeça no banco, analisando o teto do carro. Não sabia se queria contar a verdade, talvez essa não fosse a escolha certa, ter que explicar tudo seria no mínimo cansativo...

– Aquilo não foi nada... – falei e ele riu pelo nariz.

– Olha, Justin, eu posso estar ficando velho, mas isso não quer dizer que esteja ficando burro... – o olhei novamente e franzi o cenho.

– O que quer dizer com isso, Jer? – perguntei e ele negou com a cabeça.

– Não sou eu que quero dizer... Filho, aquela moça, eu vi o jeito que olhava para ela e pensei que fosse me socar quando beijei sua mão... – eu sorri sem ânimo.

Aquilo realmente me passou pela cabeça. Odiava o fato de outros caras olharem para Meg com desejo, eles simplesmente não podiam, porque ela era min... No que estou pensando? Meg não é um objeto! Eu devo estar ficando louco...

– Aquilo não foi nada. Eu e a Meg nos conhecíamos de antes e ficou meio estranho vê-la ali, só isso. – menti descaradamente.

– Sei... Então você quer que eu acredite que ela não tem nada a ver com o corte em sua boca, ou com a discussão com o Ryan?

Jeremy era esperto, ele tinha percebido tudo, eu não conseguiria enganá-lo... Suspirei vencido e assenti contra a minha vontade. O conhecia bem e sabia que teria que lhe explicar as coisas agora.

– Qual é, ela é gostosa... – ele riu novamente pelo nariz.

– Gostosa a ponto de te fazer brigar com seu melhor amigo? – o encarei por alguns segundos e suspirei, voltando a observar o teto.

Eu nunca brigara com os caras por conta de mulher. Aquilo era tão pateticamente ridículo... Mas acontece que nunca a situação tinha sido essa, eu era o cara que roubava as vadias, não o contrário. Drake estava certo, eu só estava um tanto frustrado com isso.

– A verdade é que eu e ela saímos a um tempo, antes do Ryan, sabe? Mas era só lance físico, sempre foi com todas... Ai eu acabei machucando ela e agora os dois estão juntos.

– E você não me parece muito bem com isso... – ele falou e eu suspirei pesadamente.

– Isso não importa, ela está bem com ele, melhor que comigo, posso dizer, e eu só preciso parar de fazer merda.

– Não acho que ela esteja bem com ele, não notou a forma que ela também te olhava? – ele insistiu e eu ri fraco pelo nariz.

– Você não entende, Jer...

– Acho que entendo sim. Você tá apaixonado por essa moça! – franzi o cenho e o encarei confuso, eu não estava apaixonado por ninguém.

– Não, claro que não! – falei rápido e ele negou com a cabeça.

– Isso não foi uma pergunta, Justin. Você brigou com o Ryan por causa dela...

– Não tem nada a ver. Ele me tirou do sério. Eu só acho a Meg gostosa, só isso! – afirmei e ele suspirou.

– Quantas garotas já te fizeram socar o seu melhor amigo daquela forma? – ele perguntou encarando meus olhos e eu engoli em seco – Diga o que você sente por ela, Justin, isso não é vergonhoso...

– E-eu... – gaguejei nervoso e ele riu fraco.

– Seja homem para assumir o que sente, assim como foi para leva-la pra cama! Mas faça isso antes que aquela mulher escape de vez das suas mãos!

Mas que merda ele estava falando? Eu não tava apaixonado porra nenhuma, certo? Então por que diabos aquelas últimas palavras me fizeram suar frio? A ideia de perder Megan de vez não era nada satisfatória. Mas o que eu podia fazer?

– Chega desse assunto, tá bom? Liga o carro que eu quero ir logo embora daqui! – falei sendo absurdamente grosso.

– Tem certeza? – o ouvi perguntar e apenas assenti.

O vi dar partida no carro novamente e recostei minha cabeça no banco, fechando os meus olhos. Suas palavras ecoavam em minha cabeça. “Seja homem para assumir o que sente, assim como foi para leva-la pra cama!” “Não seja hipócrita, Justin. Nunca rolou sentimento entre a gente... Você só pensa em sexo, é só isso que tem na droga da sua cabeça.” as palavras dela também me circundavam ali, ela sentira algo por mim? “Não notou a forma que ela também te olhava?”.

Droga! Eu simplesmente não podia estar apaixonado por Megan, e ela também não podia estar por mim. Não servia para aquilo. Jeremy estava louco, eu não me apaixonaria por ela, muito menos ela por mim, certo? O que rolava entre a gente era só desejo, vontade de foder gostoso, era só isso, sexo!

 

Megan P.O.V.

Depois daquele beijo na cozinha, Caitlin me encheu de perguntas e eu me senti mal por ter feito aquilo com Ryan, mas Justin tinha um poder tão grande sobre mim... A verdade é que eu era absurda e completamente vulnerável a ele.  Acabei explicando o que acontecera, e pedi para que ela não contasse nada a Ambrey, que se soubesse provavelmente ficaria chateada comigo.

As horas foram passando e eu gostaria de ver logo Ryan, e conta-lo sobre o beijo, não iria esconder aquilo dele, nem o quanto ficara mexida. Até porque ele não merecia isso, e nossa relação era bem clara, nunca lhe escondera que amava Justin com todas as minhas forças, seria baixo da minha parte se o fizesse.

Quando Justin desaparecera novamente, segui com Caitlin para a sala e cumprimentei seus pais, logo subindo para tomar um banho e vestir uma roupa descente. Depois disso, desci novamente e fiquei um bom tempo conversando com eles na sala. Até que os pais de Chris subiram para também tomarem um banho e Caitlin propôs assistirmos um filme, eu concordei, apesar de minha cabeça estar em outro mundo agora.

Estávamos sentadas na sala, quando ouvimos o barulho de algo quebrar na parte de cima. Me assustei um pouco e logo ouvimos passos descendo a escada, era Justin. Ele estava nervoso e parou uns segundos nos olhando. Franzi o cenho ao notar sua boca rasgada e seu rosto avermelhado. Havia brigado com Ryan?

– O que aconteceu? – Caitlin perguntou rápido e em um sobressalto pôs-se de pé.

– Justin, espera! – Jeremy falou descendo as escadas e eu também me levantei rapidamente, dando alguns passos em sua direção, mas ele fechou a cara e saiu pela porta – Me desculpe, garotas...

Seu pai passou por nós e saiu em seguida. Senti meu coração apertar e lágrimas se formarem em meus olhos. Algo dentro de mim gritava para que eu saísse também por aquela porta, mas assim que dei um passo naquela direção ouvi novamente passos descerem as escadas, me virei para a mesma e vi Ryan descer junto ao Christian.

Ele me olhou chateado e percebi seu rosto vermelho também. Aquilo confirmava para mim que os dois realmente haviam brigado. Ouvi o barulho do motor do carro e olhei para a porta por alguns segundos, suspirando, Justin fora embora... Voltei a olhar para frente e vi Ryan dar as costas e seguir para a cozinha. Christian e as meninas me olharam apreensivos, e eu respirei fundo, juntando forças para falar alguma coisa.

– O que aconteceu? – perguntei baixinho.

– Ele e o Bieber se desentenderam, nada demais, coisa de trabalho... – Chris mentiu e eu assenti.

– Ah, acho que preciso falar com ele...

– Eu não acho uma boa. – Caitlin se pronunciou e eu a encarei confusa.

– A Cat tá certa, Meg. Deixa o cara esfriar a cabeça, certo? – Chris pediu e eu neguei com a cabeça, abraçando um de meus braços.

– Obrigado, mas eu realmente preciso falar com ele... – falei firme e eles assentiram.

Passei por Chris e segui para a cozinha. Mas ao chegar lá, notei não haver ninguém. A porta dos fundos estava aberta então era provável que Ryan estivesse la fora. Respirei fundo e segui para lá em passos lentos, não queria fazer barulho.

Assim que cheguei a porta, o vi sentado a beira da piscina e engoli em seco, será que ele já sabia do meu beijo com Justin? Talvez estivesse chateado por isso, não fora certo da minha parte, eu sei, mas não podia fazer nada quanto a isso. Dei mais alguns passos, caminhando em sua direção, mas ele não me olhou.

– Podemos conversar? – perguntei baixinho e ele assentiu olhando o nada na piscina.

Me sentei então ao seu lado e olhei para frente, encarando a água igualmente a ele.

– O que aconteceu? Por que brigaram de novo? – perguntei voltando a olhá-lo e ele suspirou.

– Aquele filho da puta te viu de biquíni. – ele falou com raiva e eu franzi o cenho, era sério isso?

– Ryan, o Justin já me viu sem nada, nós dois tínhamos uma relação...

– Ele ficou duro por você, Meg. – ele me interrompeu e me encarou – E teve coragem de falar isso na minha cara!

Então ele não sabia sobre o beijo? Suspirei e baixei a cabeça, eu precisava conta-lo...

– É que... – aquilo saiu tão baixo que por um momento tive medo que ele não ouvisse.

– É que o quê, Meg? – o encarei nervosa e respirei fundo.

– Eu o beijei! – falei rápido e ele franziu o cenho.

– Você...

– Eu sei que não devia ter feito isso, mas acontece que foi mais forte que eu! – o interrompi e o vi se levantar nervoso, então me levantei também.

– Por que fez isso?

– Eu amo o Justin, e isso é difícil pra mim. – falei sentindo as lágrimas chegarem.

– Como? Como você pode amar um cara que leva uma mulher diferente todas as noites para a cama? – ele questionou com raiva e senti uma lágrima escorrer.

Eu sabia exatamente quem era Justin Bieber, mas ouvir aquilo me machucava, porque eu simplesmente não queria acreditar que era verdade. Eu tinha a falsa esperança de que ele sentisse algo por mim.

– Eu sei que ele não presta, tá bom? Mas acontece que não posso escolher o que sinto ou por quem eu sinto. – sequei minhas lágrimas e ele se aproximou.

– Acontece que pra ele você é só mais uma. Não tem importância alguma. Ele não te merece! Não merece nada de você, Meg! Como você pode...

– Chega, Ryan. – minhas lágrimas caiam sem controle – Eu sei exatamente o que sou pra ele, sempre soube. Justin nunca me enganou, nunca mentiu pra mim, então não posso bancar a adolescente de colegial que teve os sentimentos feridos, porque não foi bem assim. Eu que me apaixonei, ele não teve culpa disso!

– Ele não teve culpa? Meg, ele brincou com você, te usou, como faz com todas as mulheres que caem em sua cama! Eu não consigo acreditar que mesmo assim você o ama...

– Por favor, não haja como se não soubesse disso. Eu nunca enganei você em relação ao que sinto. Realmente gostaria de não sentir, mas não está sob o meu controle! Por mais que me machuque, eu o amo...

As lágrimas caíam cada vez mais, aquilo estava doendo tanto dentro de mim... Me sentia um tanto perdida ali, abracei um de meus braços na esperança de me controlar e senti os braços de Ryan a minha volta puxando-me para um abraço. Pousei minha cabeça em seu peitoral e suas mãos passaram a afagar meus cabelos, delicadamente.

– Só me deixa cuidar de você, Meg? – o ouvi falar e tentei controlar o meu choro...


Notas Finais


'o' socorrrrr... Jeremy sincerooooo! kkkkkkkkk E ai, o que acharam? Deixem seus comentários, favoritem a fic e compartilhem com as amigas... Até o próximo capítulooooo!

XoXo :* :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...