História Sex My Brain - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags Amor, Drama, Fanfic, Romance, Sexo, Tragedia
Visualizações 13
Palavras 1.411
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Apenas fingir


Fanfic / Fanfiction Sex My Brain - Capítulo 3 - Apenas fingir

 

Hoje iriamos receber uma visita da mamãe de Luke. Segundo ele, a víbora estaria aqui dentro de poucos minutos

 

Ele passou horas praguejando a vida de sua mãe, segundo suas histórias, ela insistia que ele deveria se casar, ou pelo menos conseguir uma namorada que não pedisse cache após o sexo

 

Luke bebia whisky como se bebe água, apenas se preparando para a vista inoportuna. Foi entre uma dessas doses que ele teve a brilhante ideia, já que estou morando em sua casa, porque não fingir estarmos em uma relação ?

 

Ignorando totalmente meu não. Ele ensaiou cada palavra que eu deveria dizer, e como dizer

 

Até mesmo cedeu o vestido caro de uma de suas 'amigas', que surpreendentemente, não parecia a vestimenta de uma prostituta

 

Depois de ter tomado um banho revigorante, em uma banheira que tinha o dobro do meu tamanho, estava pronta para ser forçada a fingir uma relação

 

"Fez o que eu disse ?" Luke parecia nervoso, como eu o odeio, essa é a única coisa que não mudou com o passar dos dias

 

"Sim, lavei meus cabelos exatamente como mandou" era estranho pra cacete a quantidade de produtos para cabelo que ele possuía, qualquer um montaria um salão no subúrbio fácil. 

 

"Vem aqui, preciso ter certa" ele me puxou  com força pelo braço, nos aproximando o suficiente para que pudesse sentir o perfume em meu pescoço

 

Estranhamente, fiquei arrepiada, poderia apenas dizer que foi a surpresa por seu toque delicado, vamos acreditar que foi apenas isso

 

A porta foi aberta, nos afastando automaticamente, Luke agora adquiriu uma coloração pálida, como quem havia visto um fantasma ou algo do tipo

 

........ For Luke.......

 

 

"Querida prole" o tom de voz de Liz quase fez meus tímpanos estourarem, é ridículo como ela se recusa a me chamar de filho, até a porra do cachorro ela chama assim "Ainda solteiro ? Seus espermatozoides estão ficando maduros querido, é a hora perfeita para gerar um herdeiro"

 

Não havia se passado nem cinco minutos, e já estava tendo que me controlar para não gritar com ela. Agora lembro claramente porque prefiro passar o natal com Calum. Michael e Ashton

 

 

"Mãe, gostaria que conhecesse Katy, minha namorada" não sei qual foi a pior parte, chamar Liz de mãe, ou a ruiva de namorada

 

"Interessante" Liz lançou um olhar de alerta, como se esperasse alguém anunciar a pegadinha. Após perceber que nada aconteceria, ela se limitou a apenas erguer uma sobrancelha

 

"Não tem nenhuma pergunta ?" WOW. Foi mais fácil do que pensei, ela se manteve calada por um longo período, até resolver soltar seu veneno

 

 

"Prazer em finalmente conhecê-la" praticamente ignorando a ruiva, Liz caminhou até o sofá, onde sentou-se lentamente "Diga-me por favor, está aqui por causa do dinheiro de meu filho ?"

 

Aí está a mulher que assustou todas as minhas namoradas, por causa desse comportamento, estou sozinho até hoje

 

"Acredite, não estou aqui por conta do dinheiro" Katy fita o chão, suas bochechas estavam coradas, até sentiria pena, se não estivesse em pânico "A única coisa que peço do seu filho, é que ele me entregue seu coração, e cuide bem do meu"

 

Não posso evitar olhar surpreso para ela, nem em minhas maiores expectativas ela se sairia tão bem, seu comentário me deixou estranhamente aliviado e surpreso 

 

"Comovente" minha mãe disse em tom de deboche "Espero que saiba onde está de metendo, pequena borboleta"

 

Não poderia deixar esta conversa continuar, já sabia como acabaria, e acredite, não seria nada bem

 

"Era suposto a senhora vir apenas no próximo mês, porque se adiantou ?" ela decidia me fazer uma visita à casa seis meses, eram os piores doze dias do ano, tinha que aturar sua presença por 24 horas, sem perder a cabeça ou estar chapado

 

"Negócios. Seu pai irá precisar de sua ajuda para vetar minha proposta, peço que negue isto a ele" como sempre, Liz tentava me usar para passar por cima de meu pai, inutilmente 

 

"A resposta é não! Papai me ligou semana passada. Sua ideia de protótipo é insana" não havia dúvidas de que ela era completamente maluca, mas o fato de sempre insistir em suas alucinações de poder, chegava a ser alarmante

 

"Vou me lembrar de sua resposta quando estiver fazendo meu testamentos, filho" apesar de não demonstrar sinais, por dentro a megera estava se matando 

 

"Tenha um bom dia, Liz" fui em direção à porta, esperando que ela se retirasse por vontade própria

 

"Precisa estar presente no lançamento da nova patente, sua assinatura foi solicitada por um dos acionistas" claro que foi, nenhum deles poderia me ver feliz, sem querer arruinar o resto do ano

 

 

"Estarei lá" falo convicto, mesmo que tivesse certeza que iria ligar em cima da hora e desmarcar "Era só isso ?"

 

"Ah querido, porque não me conta sobre sua vida ? É isto que os filhos e as mães costumam fazer, conversar !" ela exibe seu melhor sorriso de aparência, dentes extremamente brancos e simétricos, um horror

 

"Está interessada em minha vida ? Vamos nos poupar desse desperdício de tempo, porquê não nos abraçamos e dizemos adeus, como sempre ?" quando menos tempo passasse com ela, melhor para mim, essa mulher me abalada psicologicamente

 

"Claro que estou interessada, apesar de tudo, ainda é meu filho. Gostaria de conhecê-lo melhor" argumenta, ela poderia ser tudo, menos uma boa atriz 

 

"Está vinte anos atrasada" a coloco para fora delicadamente, sem deixar de sorrir "Tenha uma boa vida"

 

"Estão morando juntos?" Liz perguntou, parada diante de mim, que droga, não era mais simples apenas ir embora ?

 

"Estamos. Agora se nos da licença, precisamos transar" tento fechar a porta, mas minha mãe coloca seu salto na frente. Vadia. 

 

"Você não tem família, doçura ?" o tão conhecido olhar de reprovação, na cabeça ultrapassada de Liz, só era elegante falar de sexo depois do matrimônio, talvez em sua louca utopia, as mulheres ainda se casavam virgens e imaculadas

 

"Eles faleceram em um acidente, há alguns anos" Katy responde um pouco desnorteada, pobre garota

 

"Agora está claro" Liz a encara sem a menor compaixão por os supostos país mortos, megera

 

"Terminamos por aqui ou também vai querer saber se sentiram muita dor antes de morrer ?" o mais rude possível, coloco minha mãe para fora desta casa, de uma vez por todas. Ou pelo menos tentei. 

 

"Possui algum plano para o futuro ?" a parasita loira continua a se fazer presente na conversa, maldição. 

 

"Relações Internacionais" Katy fala um tanto duvidosa, natural para alguém que caiu de paraquedas na loucura de Luz

 

"Adeus. Liz" finalmente consigo trancar a maldita porta, teria me desculpado pela morta rude que a expulsei, mas conhecendo minha mãe, ela estava pouco de fodendo

 

"Não consigo entender porque estamos fazendo tudo isso, sua mãe não me parece  tão incomodada com seu status de relacionamento" Katy finalmente se permiti dizer mais que duas palavras, agora que a víbora partiu, de volta a ignorar minha companheira ruiva

 

"Você não tem que entender nada, apenas faça ! Calada." volto a beber meu tão sofisticado e caro, whisky, que deixei de lado para atender aos pedidos de minha progenitora

 

"Finalmente compreendo o motivo de você ser assim" Katy começa seu discurso tolo, porque mulheres são sempre tão tapadas ? Havia milhares de formas mais proveitosas de usar seus lábios e boca, formas que não enxeriam minha paciência "Você foi negligenciado, sua mãe te trata como um empregado. Você é rejeitado, por isso age assim, como se não se importasse"

 

"Com que propriedade você pode falar ? Seus pais estão mortos, posso não ter recebido beijos e abraços, mas ainda sim, recebi o dobro se tomamos em conta sua situação" poderia ser mais insensível que isso ? Acho que não, devo ter sido bruto o suficiente para fazê-la chorar e me odiar 

 

"Liz não foi uma mãe muito presente. Muito menos meu pai, apesar de tudo, não trocaria meu dinheiro por nenhum segundo de amor e carinho" completo meu discurso frio, algum lugar de meu coração se feriu ao dizer isso, uma parte sem importância alguma

"Não sente falta do amor materno ? De dormir abraçado a sua mãe ?" a ruiva pergunta, como uma verdadeira idiota sentimental

 

"Quer mesmo falar sobre isso ? Comigo ?" pergunto incrédulo, nem de longe sou alguém que você gostaria de discutir sobre sentimentos, os únicos que tenho são relacionados a minha cabeça, de baixo. 

 

"Babaca" diz Katy, se dirigindo as escadas. Finalmente, sozinho"

 

GOSTOU ??? Então comenta neah 

 

 

 


Notas Finais


GOSTARAM LINDAAAAS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...