História Sex Toy → jjk + kth - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Byun Baekhyun, Daddyking, Jeon Jungkook, Kim Taehyung, Kooktae, Kookv, Min Yoongi, Park Chanyeol, Park Jimin, Taekook, Vkook
Exibições 359
Palavras 3.063
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - F I V E


Uma semana.

 

Durante uma semana eu não vi Taehyung. Ele sumiu em um passe de mágica, ele não apareceu na boate durantes esses dias, ia todos os dias naquele local na tentativa de vê-lo, mas ele não estava lá.

 

Yoongi me disse que não sabia o motivo de Taehyung ter sumido e que não perguntaria isso ao namorado, pois isso era um problema meu e não dele. Pelo menos ele disse que não foi nada grave, caso contrário, Jimin teria lhe dito alguma coisa e isso não aconteceu.

 

Queria saber como o loirinho tinha ficado após ter quase sido agarrado por aquele homem. Fiquei sabendo que essa não era a primeira vez, outros caras já tinham tentado ter algo com o loiro a força. Isso me fez pensar que, Taehyung é realmente muito bonito, muitos caras com certeza queriam ter algo há mais com o menor, ele é quase perfeito.

 

Ele seria perfeito se não me batesse ou fosse rude comigo. Mas, por incrível que pareça, eu gosto dele não ser como os outros que ficam se jogando em cima de qualquer um. Taehyung é uma caixinha de surpresas, um mistério. Mistério ao qual eu quero desvendar, sou bem insistente quando eu quero algo e com aquilo que desejo.

 

Não é atoa que, agora, eu estou em frente a escola do loiro, apenas esperando todos serem liberados para que eu possa vê-lo. Tive que insistir muito para que o Yoongi me falasse o endereço daqui, obviamente ele sabia, pois de vez em quando ele vem buscar o Jimin.

 

Mas o meu amigo é um chato por completo e não queria me falar, com a simples desculpa de que eu deveria descobrir sozinho, já que isso interessa só a mim e não a ele, pois ele já sabia. Depois de insistir muito mesmo, ele acabou me dizendo, alegando que eu já estava ficando insuportável e obcecado. Talvez estivesse, talvez não.

 

Levo um pequeno susto ao escutar um som irritante que vinha de dentro da escola, indicando que os alunos já poderiam sair de suas respectivas salas para ir para suas casas. Logo um amontoado de alunos vão saindo da escola, todos bem arrumados apesar deles terem ter passado uma boa parte do tempo lá. A escola parecia ser um pouco rigorosa, aliás, qual escola não é rigorosa? E ela também era uma das melhores e mais caras da cidade.

 

Continuo encostado no meu carro, olhando com atenção cada aluno que saia da escola. Todos estavam vestidos iguais, isso poderia dificultar com que o reconhecesse, mas não foi muito difícil encontra-lo já que nunca me esqueço de um rosto bonito.

 

Logo vejo Taehyung e Jimin saindo da escola, um ao lado do outro. O mais baixo foi o primeiro a me ver e me lançou um sorriso gentil, algo que eu achei estranho. Ele veio puxando o seu irmão, que reclamou com o ato, em minha direção. Assim que o loiro me olhou ao ver para onde estava sendo levado, revirou os olhos.

 

   — Oi, Jeongguk. — Jimin me cumprimentou, sorrindo amigavelmente.

 

   — Posso saber o motivo de você estar aqui? — Taehyung perguntou, antes mesmo que eu pudesse responder ao seu irmão.

 

   — Oi, Jimin. — Respondo, retirando os meus óculos escuros e fico o segurando na mão. — Oi para você também. — Me refiro a Taehyung que estava com os braços cruzados e me olhando com uma cara nada boa.

 

   — Você não respondeu a minha pergunta. — O loiro revirou os olhos, novamente, para mim. 

 

   — E você não me cumprimentou, estamos kits. — Pisco o provocando, dando uma sorriso de lado.

 

   — Diz logo o que você está fazendo aqui! — Pediu, agora, segurando fortemente as alças da mochila preta que estava em suas costas, sem desviar o seu olhar do meu. 

 

   — Curioso você, não? — Ergo a sobrancelha, vendo a curiosidade estampada nos olhos do menor.

 

   — Quer saber? Isso não me interessa mesmo, então tanto faz. — Deu de ombros, virando de costas para mim. Provavelmente para seguir rumo a sua casa, mas seguro o seu braço, o impedindo. — Me solta, Jeongguk!

 

   — Não. — Balanço a cabeça em negação, vendo o loiro puxar o seu braço para se afastar do meu toque. — Eu vim te ver.

 

   — Por quê? — Perguntou, voltando a me encarar e cruzar os seus braços.

 

   — Não posso mais sentir saudades de você? — Faço biquinho, voltando a me encostar no meu carro.

 

   — Não. — Respondeu simplista, como se aquilo fosse óbvio.

 

   — Você machuca os meus sentimentos, sabia? — Suspiro, tentando parecer triste e chateado ao mesmo tempo.

 

   — E você tem sentimentos? — Soltou uma gargalhada baixa, mas logo se controlando. 

 

   — Ah, agora você machucou de verdade. — Murmuro, o olhando incrédulo. — Lógico que eu tenho sentimentos! Se eu não tivesse, não teria vindo aqui na sua escola só para saber como você estava.

 

Taehyung suspirou baixinho, parecendo se arrepender do que havia me dito. Lógico que eu tenho sentimentos, talvez não seja os melhores possíveis, mas eu tenho. Se eu não sentisse nada, não teria vindo atrás dele e nem ficado preocupado. Sei que o que eu sinto é atração, eu acho, mas mesmo assim eu sinto isso por ele.

 

Ok que eu não sou uma das melhores pessoas do mundo, mas eu fiquei realmente preocupado com o sumiço do loiro durante essa semana depois daquele ocorrido. Chegou a passar pela minha cabeça que aquilo havia acontecido de novo e ele estivesse machucado, ou algo parecido.

 

   — Desculpa...

 

   — Oi? — Olho para ele confuso, não acreditando muito no que ele havia dito.

 

   — Eu pedi desculpa. — Repetiu, novamente, e eu pude confirmar que eu ouvi muito bem. 

 

   — Pelo o que, exatamente? — Resolvo perguntar somente para provocar o loiro, parecia ser difícil para ele pedir desculpas a mim.

 

   — Aish, por ser rude com você. — Respondeu de um jeito infantil, porém, extremamente fofo.

 

   — Ok. Me desculpe também. — Peço, recebendo um olhar confuso do loiro. — Por tudo, caso eu tenha te ofendido alguma vez, por tudo.

 

   — Tudo bem. — Murmurou, mordendo levemente o seu lábio inferior, arrancando um suspiro meu por ter vontade de morder aqueles lábios. — Bom, eu vou indo. Tenho que ir para casa.

 

   — Eu te levo. — Me ofereço, lembrando que esse era um dos motivos para eu ter ido ali.

 

   — Não precisa, vou andando com o Jimin, já que os nossos pais não puderam vim nos buscar. — Balançou a cabeça em sinal de negação ao meu pedido.

 

   — Não sei se você percebeu, mas o Jimin já foi embora há muito tempo com o Yoongi. — Solto um riso ao notar que o loiro não viu quando o irmão foi embora.

 

   — O quê? — Arregalou os olhos, olhando em volta e constatou que realmente o seu irmão não estava lá. — Como eu não vi ele indo?

 

   — Porque você estava preocupado demais em me dar atenção. — Por mais que eu não queria, minha voz saiu em um tom de provocação de novo.

 

   — Droga! — Praguejou baixo, passando as mãos entre os seus fios loiros. — Mesmo assim não precisa, eu vou sozinho! — Virou-se para seguir rumo a sua casa, mas o impedi, segurando o seu braço, de novo. 

 

   — O que custa aceitar a minha carona? — Indago, ainda segurando o braço dele e vendo que, dessa vez, ele não fez questão de soltar.

 

   — O meu tempo e o seu tempo.

 

   — Mas hoje eu tirei um tempo para te levar para casa e não aceito um não como resposta! — Insisto em levá-lo.

 

   — Me dê um bom motivo para aceitar a sua carona. — Se soltou delicadamente de mim, diferente da outra vez.

 

   — Compro sorvete para você no meio do caminho. — Digo a primeira coisa que veio na minha cabeça.

 

   — Ah, isso é jogo baixo. — Resmungou, fazendo um biquinho emburrado, mas, adorável.

 

   — Isso quer dizer que você aceita? — Pergunto para ter certeza na resposta do mais novo.

 

   — Sim, eu aceito. — Assentiu, dando um sorriso mínimo. — Mas saiba que só é pelo sorvete.

 

   — Ok. — Levanto as minhas duas mãos em sinal de rendição, e estendo uma a ele logo em seguida, para que segurasse. — Vamos? 

 

   — Vamos. — Ignorou totalmente a minha mão e caminhou apenas alguns passos, parando ao lado do meu carro.

 

Resmungo para mim mesmo, sem o mais novo ouvir e abro para ele, fechando logo quando o mesmo entra. Dou a volta no carro, adentrando o veículo e coloco o cinto em seguida.

 

   — Coloque o cinto. — Peço ao loiro, virando um pouco o rosto para olha-lo.

 

   — Não gosto de usar cinto. — Estalou a língua em negação.

 

   — Não é o caso de gostar, é o caso de que você é obrigado a usar. — Reviro os olhos. — Coloque logo isso, Taehyung! É para a sua própria segurança.

 

   — Como você-

 

   — Xiu! — Interrompo ele antes que reclamasse novamente. — Apenas faça o que eu pedir.

 

   — Chato. — Soltou um resmungo, atendendo o meu pedido e colocando o seu cinto.

 

   — Bom garoto. — Solto um riso ao ver a face burrada dele. — Gosto quando me obedecem. — Começo a dirigir rumo ao meu destino desejado.

 

   — Não se acostume, pois isso não deverá acontecer novamente. — Murmurou, enquanto mexia em algo no seu celular.

 

   — Você é um amor de pessoa. — Solto uma risada irônica, deixando de prestar atenção nele e focar na estrada.

 

   — Sou mesmo, mas apenas com quem merece.

 

   — E eu não mereço? — Pergunto, parando no sinal vermelho. 

 

  — Não. — Respondeu simplista. 

 

   — Por quê? — Olho para o garoto ao meu lado e vejo que ele continua mexendo em seu celular.

 

   — Porque simplesmente, não. — Reforçou a sua resposta, sem desviar o seu olhar para mim. — Já ficou verde.

 

   — O quê? — Questiono, não entendo ao certo o que ele disse.

 

   — O sinal, seu idiota! — Apontou para frente, fazendo com que eu seguisse o meu olhar até onde ele indicava.

 

   — Ah. — Volto a dirigir, rindo mentalmente pelo fato de não ter percebido isso e o motivo do carro atrás do meu buzinar.

 

Taehyung soltou um risinho, provavelmente de mim, mas continuou focado em seu celular. Duas coisas me chamou atenção. O seu sorriso que é encantador e diferente dos outros, e o fato de que ele não tirava os olhos da tela daquele celular.

 

Um silêncio pairou dentro daquele automóvel e eu mantive o foco na estrada, olhando hora ou outra para Taehyung, que parecia não se importar com a minha presença, bom, pelo menos ele não está me xingando.

 

   — Chegamos. — Anuncio assim que chegamos ao meu destino, depois de estacionar o carro.

 

   — Aqui não é a minha casa e nem uma sorveteria. — Taehyung franziu o cenho, parecendo confuso. Aliás, deveria ser confuso.

 

   — Vamos almoçar primeiro para depois tomar sorvete. — Destravo o cinto, saindo do meu carro e espero o loiro que não demora em fazer o mesmo.

 

   — Mas eu não aceitei almoçar com você! — Exclamou, parecendo estar irritado com o meu ato.

 

   — Mas devemos almoçar antes da sobremesa, que vai ser o seu sorvete. — Dou a volta no carro, ficando ao lado do mais novo. — Não adianta recusar. 

 

   — Você parece os meus pais. — Bufou, desviando o seu olhar de mim para o restaurante.

 

   — Bem que eu gostaria de ser o seu Daddy. — Sussurro somente para mim ouvir, mas acho que foi em vão já que Taehyung bufou mais ainda e entrou a passos largos no restaurante. — Tenho que controlar a minha boca.

 

Solto um riso, seguindo o loiro até o restaurante. Às vezes eu falo as coisas sem pensar e isso obviamente irrita o mais novo, mas dessa vez ele não foi rude comigo, preferiu ignorar. Talvez isso seja um bom sinal e espero que seja mesmo.

 

Assim que entro no local, vejo Taehyung sentado em uma mesa, mexendo naquele celular de novo. Me pergunto o que tem de tão interessante naquilo, bom, aplicativos e etc. Será que aquilo é melhor que a minha companhia? Só queria um pouco de atenção.

 

Solto um breve suspiro e me sento na cadeira que ficava em frente a do loiro. Porém, ele pareceu não ligar para a minha presença e nesse momento eu queria que ele fosse pelo menos rude comigo. 

 

   — Não sei o que é pior, você sendo rude comigo ou não me dando atenção. — Resmungo e ele não pareceu não se importar para o que eu disse.

 

Sério, acho que até o garçom que veio anotar o meu pedido, ele já havia anotado o do Taehyung antes mesmo de eu ter entrado, me deu mais atenção do que o loirinho. Acho que com o tempo eu me acostumei, comecei a comer sozinho e sem me importar com aquele silêncio. Aliás, na maioria das vezes eu faço as minhas refeições sozinho ou com o Yoongi, quando ele não tem compromisso. Só tenho ele como amigo e os meus pais estão viajando, o que dar em nada já que eu não moro com eles.

 

   — Me conte sobre você.

 

   — Quê? — Levo um pouco susto ao escutar o silêncio ser quebrado por Taehyung, me fazendo olhar para ele que já havia guardado o seu celular e me fitava.

 

   — Pedi para você me contar sobre você. — Repetiu sua frase e notei que ele parecia curioso.

 

   — Quer saber o quê? — Pergunto, tomando um pouco do meu vinho que eu havia pedido.

 

   — O que você quiser me contar. — Deu de ombros, se ajeitando melhor em sua cadeira. Percebi que ele já tinha acabado de comer e eu não, o que me fez estranhar ter ficado distraído.

 

   — Bom, meu nome você já sabe. — Começo a me pronunciar, sem desviar o meu olhar do loiro a minha frente. — Tenho 22 anos, cuido dos negócios do meu pai enquanto ele viaja com a minha mãe, cuidado de mais negócios, ou seja, sou praticamente o dono daquela empresa.

 

   — Então você é rico? — Taehyung perguntou, parecendo estar interessado no que eu dizia, o que me deixou no mínimo feliz.

 

   — É, eu sou, mas isso não vem ao caso. — Passo a língua entre os lábios, sentindo o gosto de vinho ainda presente nos mesmos. — Enfim, não sou muito de sair de casa, não gosto de boates e baladas. Digamos que eu não tenha muita coisa para contar, não sou interessante como você.

 

   — Se você não gosta de boates, por que vai na dos meus pais? — Perguntou, com uma expressão confusa tomando sua face.

 

   — Por você. — Respondo sendo sincero nas minhas palavras, porque aquele é o verdadeiro motivo. — Yoongi me levou lá no primeiro dia, eu contava em não voltar nunca mais. Mas você chamou a minha atenção e eu não resistir, tive que voltar.

 

   — Ah... — Foi a única coisa que saiu de sua boca e eu pude notar um tom levemente rosado em suas bochechas, mas não apreciei muito essa vista bonita porque ele abaixou um pouco a cabeça. 

 

    — Não vai falar sobre você para mim? — Pergunto depois de alguns segundos de silêncio.

 

   — Por quê? — Soltou um riso, voltando a me olhar. — Você já sabe sobre mim.

 

   — Não, não sei. Você nem me falou o seu nome. — Minto, mordendo o lábio inferior para não rir. Claro que eu sabia coisas sobre ele, mas queria ouvir dele mesmo.

 

   — Jura? — Cruzou os braços, me lançando um olhar questionador. — Eu tenho impressão que você sabe muita coisa sobre mim.

 

   — Pois eu não sei nada. — Solto um suspiro falso, tentando parecer estar chateado. — Sabe, um certo garoto não quer me contar.

 

   — Se você dizer tudo o que sabe sobre mim eu aceito sair com você de novo.

 

   — Kim Taehyung, 17 anos, aparentemente gay. — Solto um riso ao falar a última frase que era bem óbvio e volto a falar tudo rapidamente. — Filho adotivo de Byun Baekhyun e Park Chanyeol, irmão adotivo do Jimin, gosta de se vestir com roupas fofas, mas ao meu ponto de vista são extremamente sexy. Não fica com ninguém, gosta de dá tapa na cara de quem lhe dar uma cantada barata e não gosta de receber presentes. Aliás, eu tinha comprado uma caixa com bombons de chocolates para você, mas descobri isso e tive que jogar. 

 

   — Bombons de chocolates com morangos? — Pergunto, tomando mais um pouco do seu suco que, por coincidência, era de morango.

 

   — Sim, um dos melhores. — Respondo, fazendo biquinho ao lembrar que tive que jogar chocolates tão caros no lixo.

 

   — São os meus favoritos. — Confessou, soltando um risinho.

 

   — Sério? — Olho para ele incrédulo e o mesmo assentiu. — Vou comprar de novo e te dou.

 

   — Ok. — Disse ele, ainda rindo, me fazendo acompanha-lo nas risadas. — Eu disse que você sabia de coisas sobre mim.

 

   — Como sabia? — Indago curioso.

 

   — Você me chamou de Taehyung quando estávamos no carro. — Respondeu dando de ombros. — Eu não havia lhe dito o meu nome.

 

   — Ah, sim. — Solto um riso, notando que fui idiota nessa parte. — Vamos? — Pergunto, chamando o garçom para pedir a conta.

 

   — Sim. — Balançou a cabeça em confirmação, terminando de beber o seu suco.

 

Depois de ter pagado a conta, fui para uma ótima sorveteria com Taehyung, aliás, eu ainda lhe devia um sorvete. O loiro passava a língua entre os lábios, olhando os vários tipos de sabores de sorvete. Confesso que senti a minha boca salivar, são tão variados e todos pareciam ser muito bons, o que não me ajudou na escolha.

 

   — Não sei qual escolher. — Taehyung reclamou, sem tirar os olhos daquelas variadas cores chamativas.

 

   — Escolhe quantos quiser, eu pago. — Dou de ombros, optando por escolher um sorvete de prestígio que continha alguns pedacinhos de chocolates.

 

   — Ótimo, porque um bom Daddy deve agradar o seu Baby.

 


Notas Finais


Obrigada aos mais de 100 favoritos ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...