História SEXO ou AMOR - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Josh Devine, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Drama, Sexo, Violencia
Exibições 44
Palavras 4.250
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Pansexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


bom gente, eu sinto q devo um pedido enorme de desculpas a vcs pela demora, então mais uma vez vamos la kk, me desculpem pela demora, está tudo um atraso, minha vida é um grande atraso kk, n se preocupem em relação a fic ser excluida, eu nunca excluiria ela sem antes informar a vcs, obg por todos q estão acompanhando e interagindo, me perdoem pelos erros ortograficos e boa leitura,,,

Capítulo 15 - Cap-15


Point of view Ada ~

Quatro...quatro meses se passaram. Ah, é. Eu nunca estive tão fodidamente bem desde que o Harry foi morar na minha casa em Nova York. Ele me ligou umas duas vezes desde esse tempo todo, recusei as duas. Minha mãe está com muita raiva e sinto que ela desconfie dos meus motivos para sair daquela casa, acho que ela já desconfiava de algo desde aquele dia.

A parte boa em estar só, é que posso ser aquela parte de mim, que luto exasperadamente para não mostrar, e sim, aniquilar.
O que posso dizer, isso me domou e me transformou no que sou hoje. Esse animal podre de estimação. Aquela pedra menos valorizada, aquela que qualquer um chama de pedra. Sem riqueza, ou beleza. A simples pedra que você encontra em qualquer lugar e a qualquer hora.

Lídia-eu volto ais onze, prometo.- assenti e ela sorriu antes de sair do quarto e fechar a porta.

Me levantei da cama e fui para o banheiro, curioso sobre a Lídia? Ela é só uma prostituta que conheci na semana passada e desde que dormimos juntas, ela meio que me arrastou para o seu apartamento, a parte chata é que ela está muito ligada nisso tudo, e a parte legal, é que não pago, água, comida, ou luz. Mas confesso que as vezes ficar só é melhor.

Fechei a porta do banheiro e vi os cigarros de maconha encima da bancada. Escovei meus dentes e abri o armário em baixo da pia. Vi varios vasos com erva e...cola.
Afastei eles e peguei uma toalha que havia atrás. 
Comecei a tirar minha roupa e entrei dentro da ducha. Liguei o chuveiro e fui para de baixo.

Ao sair, me troquei rápida, peguei as chaves do meu carro e meus pertences, saí do apartamento, tranquei a porta e coloquei em baixo do tapete.

{...}

Quando cheguei em casa, fui para o quarto e liguei a secretaria eletrônica do meu telefone enquanto trocava de roupa.

~ oii Ada, escuta, eu tava falando com o Louis, a gente ta querendo ir te visitar. A gente sabe que você não ta mas em Nova York, vamos pra Las Vegas, você sabe que só fui ai uma vez então, vai ser divertido.. me liga, tchaau.- Gemma.

Ada, porque você não retorna minhas ligações, minha filha você sabe que só quero o melhor para você, pare de ser criança, você não entende? Olha, acho que já tivemos essa conversa. Estou pensando em ir morar na Inglaterra, com você ou sem você. Você tem me atrapalhado Ada, vivo aqui para ficar perto de você e desde um tempo só tenho te visto tentando ficar lon...-Mãe

Acho que o tempo acabou.
Não ouvi mas nenhuma, então acho que só eram essas duas mesmo. Me deitei na cama e fiquei encarando o teto. Será que já é hora de voltar? 
Não penso mas nele como antes, não sinto a falta dele como no início, não sinto mas o mesmo desejo sexual que sentia. Está diferente, certo?

Preciso bater perna.
Ou preciso de uma pizza? 
Beber, drogas, sexo... ou pizza? 
Que ridículo.
Sexo, com certeza.

Vesti uma saia jeans curta e uma blusa preta do Nirvana, calcei um vans e peguei a chave do carro. Assim que saí de casa, olhei para a casa da frente e lembrei do garoto que morava lá. Não transei com ele ainda.
Atravessei a rua e fui até sua casa. Toquei a campainha três vezes e um homem um pouco forte abriu a porta.

-posso ajudar? -sorri untanto intimidada.
Eu-sim. O ..Liam, está? 
-Liam? -mordi meu lábio, acertei seu nome ou errei? 
Eu-eeu..
-não, ele está em Londres, na Inglaterra.
Eu-claro..-falei baixo.- na Inglaterra. 
-é..você é amiga dele? 
Eu-isso. Sim, sou. 
-hm, deveria saber disso então. Ele já foi à cinco meses.-levantei meu olhar pra ele.
Eu-cinco..meses? 
-sim, ele só vem para cá durante as férias, quando está para acabar, ele volta.
Eu-é...claro. Como pude me esquecer.

-desculpa mas, qual o seu nome? É que nunca vi meu filho sair com nenhuma amiga aqui em Las Vegas, na verdade ele mal sai quando está aqui.
Eu-ââ, é, é que ...eu e ele..nos conhecemos aqui, em frente sua casa. Eu...vou embora. Obrigada. 
-por nada.

Ele fechou a porta e fui para o meu carro. Que estranho. Dei a partida e fui para algum clube más próximo. Quando cheguei, já se imagina o que fui fazer, beber. Bem muito.
Enchi a cara e depois fui dançar.
Começou a tocar um remix do Justin Bieber e entrei em uma roda com umas garotas que pulavam muito. Muito mesmo.
Estava uma gritaria ali dentro e então a música foi parando aos poucos e um Dj anunciou que uma banda cover ia cantar agora e todos se dirigiram para frente do palco. Voltei para o bar e pedi uma vodca.

-oi.-olhei para o lado e vi um garoto. Parecia ter quinze anos.
Eu-oi.
- o que uma gata como você faz aqui sozinha? 
Eu-melhor só do que mal acompanhada.
-okay.
Eu-não me entenda mal.
-não, claro que não.

-aqui está moça. -o barman colocou a vodca encima do balcão e peguei logo. Dei um gole e olhei para o garoto.
Eu-obrigada.

-então..ta afim de dançar? -o garoto falou e olhei pra ele novamente.
Eu-depende, está afim de transar? -ele ficou sério. 
- você é daqui? Não é turista? 
Eu-eu...venho muito aqui, se é o que quer saber. 
-ah, sei.-tem algo de errado com esse garoto.
Eu-é virgem? Me deixa ver bem. Achou que eu fosse uma adolescente bonita, desacompanhada e que com meias palavras ia me levar pra dançar, iria me conhecer e quem sabe talvez trocar emails comigo. Garoto eu tenho 24 , vai atrás de garotas certas, no banheiro feminino da sua escola. Falou.-virei o resto do copo e me levantei, ele pegou no meu pulso e sorriu.
- quer dançar? 
Eu-não fico com garotos. 
-você é... lesbica? 
Eu-...sou. -tem algo muito estranho com esse garoto.
-e você tem alguma amiga que seja bi? 
Eu-se quiser ser direto, já pode.
- não. Vem. Vamos dançar. 
Eu-eu não quero.-puxei meu braço e ele me puxou pela cintura e começou a chupar meu pescoço, vi algo de raspão em seu ouvido e o impurrei.- quem é você e o que você quer comigo? 
-o quê? 
Eu-está usando uma escuta. Vai se danar.

Impurrei ele e saí.

-não é ela.-olhei para trás e vi ele apertando um botão no aparelho.

Não pode ser possível, deixei algum rastro nas mortes desse mês? Como chegaram até mim?!
Fui para o banheiro e entrei em uma cabine, tranquei e fiquei lá dentro. Vão ficar no meu pé. O que vou fazer? Eu sei o que tenho que fazer.

Flashback on ~

Mark- então, você sai com os caras e depois os mata? -ele me perguntou sério e depois começou a rir, sua garrafa de vodca caiu no chão e ele se levantou para pegá la, mas caiu também.- que hilário cara.
Eu-já transou na água? 
Mark-como assim?

Me levantei do sofá e fui até as portas que davam para o jardim, abri elas e comecei a tirar minha blusa, olhei para trás e o vi me babando. Desabotoei minha calça e comecei a desce-la. Fui até a grama, estava úmida. Que habitat perfeito para um orgasmo.
Vi ele vindo e me virei para tirar sua roupa, tirei sua blusa e em seguida comecei a tirar seu jeans. Vi sua boxer com um grande volume e me virei, ficando de costas para ele. Me encostei em seu corpo e comecei a me esfregar, massageando e precionando seu membro contra minha bunda, ele pegou no meu quadril e apertou.

Mark-você é gostosa sabia.
Eu-eu sei. Fala mais.
Mark-você fode tão bem quanto excita? 
Eu-nem imagina o quanto. 
Mark-é? Me mostra.

Me virei para ele e o puxei para mas perto de mim. Quando chegamos na borda da piscina. O impurrei lá dentro e comecei a tirar minhas peças íntimas, pulei em seguida e ele me puxou. Me encostou na parede e começou a me beijar. Comecei a tirar sua boxer e peguei no tronco de seu pau, ele mordeu meu lábio e afastou nossos lábios.

Eu-vou fazer ficar bem mas interessante.
Mark-é? Como?

Me virei de costas para ele e ouvi ele rindo.

Mark-só pode estar me gozando. Vai me deixar te foder por trás?

Peguei na grama e fechei meus olhos. Senti ele apalpar minha bunda e apertar a mesma.

Mark-você é tão boa... 
Eu-caralho, cala a porra dessa boca e me fode, seu merda.
Mark-como queira.

Ele enfiou seu pau com toda força em mim e este quase foi até o final, abri minha boca pela intensidade da dor e aperte meus olhos. Ele foi bem de vagar, o que era bom mas maltratava completamente minhas nadegas.

Mordi meu lábio com tanta força que senti gosto de sangue. Na verdade...eu já estava ficando inconsciente.

{...}

Acordei pela sensação de ter meus seios doendo e vi logo aquele desgraçado me fodendo pela frente. Ele ia tão rápido, eu nem sequer senti minhas pernas, eu estava anestesiada. Olhei para os lados e vi a piscina, então, ele estava me fodendo na grama, que viado.

Encarei seus olhos, ele pegou no meu pescoço como quem ia me enforcar e foi exatamente isso que fez. Fiquei sem ar e rapidamente peguei no seu pulso.

Mark-é disso que você gosta ne vadia. Então me engole sua puta... é...vai.-ele continuava seus movimentos, porém não senti nenhum prazer diferente.

Sei exatamente o que vou fazer com ele.
Em vez de tentar me soltar, peguei em seu quadril e subi minhas mãos nas suas costas, desci minhas unhas com toda a força e raiva que pude e ele gritou de dor.

Mark-sua vadia.

Peguei no seu pescoço e apertei forte, ele soltou o meu e retirou minha mão, foi tempo suficiente para que eu o tirasse de cima de mim, subi encima dele e peguei no seu membro, puxei com força e ele gritou. Me levantei e saí correndo em direção a sua casa, não tive muiras opções, ele já estava vindo atrás de mim. Entrei na cozinha e peguei uma faca de conjunto que tinha encima do balcão. Fui para trás deste e ele ficou do outro lado.

Mark- Lorrana. Qual é...vamos lá, sabe que eu não quis.
Eu-ah não? Então sorry, porque eu quero.

Arremecei a faca nele e peguei outra, ouvi ele gritar e vi que tinha acertado seu ombro, corri para a sala e ele veio atrás de mim, subi no sofá para pular por cima dele, e ele agarrou meu pé e me puxou.

Caí e taquei meu queixo no chão, me virei para e ele e o mesmo segurou minhas mãos e tentou quebrar a direita, que segurava a faca. Soltei ela antes que ele a quebrace e e então ele pegou no meu maxilar .

Mark-se comportando mal.
Eu-vai se foder.

Acabei mordendo a língua pois ele estava apertando meu maxilar com muita força. Apertei meus olhos e senti ele lamber meu rosto.
Vi que a faca ainda estava em seu ombro e tive uma ideia. Inclinei meu corpo e arrodeei minhas pernas em sua cintura, ele soltou meu rosto e olhou para mim, levantei minha cabeça, mordi o cabo da faca e puxei ela de dentro dele.

Ele gritou tão alto que achei que fosse ficar surda. Ele soltou minhas mãos e pôs a mão encima do ferimento. Aproveitei e impurrei ele de cima de mim novamente, me levantei e chuteiras seu rosto . Ele caiu para o lado e peguei um jarro que havia encima do centro da sala, derrubei encima de sua cabeça e ele apagou.

Com muita dificuldade, coloquei ele no sofá e algemei ele nos pés e mãos. Cortei sua veia do pulso esquerdo e em seguida atirei nos seus joelhos, ele acordou com a dor, já acordou gritando.

Eu-é melhor ficar acordado mesmo, seu porco..quero que veja o que é se masturbar com um cara. Então fica bem acordado. Ta ouvindo? 
Mark-VAI SE DANAR SUA PIRANHA. OLHA O QUE VOCÊ FEZ COMI..-peguei a meia do seu sapato e enfiei em sua boca.

Eu-ótimo, melhor assim.

Limpei uma das facas em suas roupas e me ajoelhei em sua frente, ele ficou me encarando, peguei no seu membro e o levantei. Ele começou a resmungar alguma coica e eu chupei sua glande. Comecei a fazer os movimentos certos e pacei a faca por baixo do meu corpo. Segurei seu pau firme e comecei a corta lo, enquanto o comia. Ele começou a se desesperar e eu aumentei o que estava fazendo com a faca. Seu sangue jorrou na minha cara e puxei seu membro fora.
Ele ficou fora de se, completamente louco.

Limpei meu rosto e fui para a cozinha . Lavei minhas mãos, e seu pênis. Voltei para a sala e ele estava do jeito que o deixei, completamente louco. Joguei seu pênis do seu lado e catei minhas roupas pela casa.

Eu-vou tomar um banho. Já volto. Não sai daí, viu.

Subi para o seu quarto e tomei um banho. Me troquei e voltei para a sala. Ele estava com a cabeça baixa, mas estava respirando, estava completamente pálido, não ia restar mais que uma meia hora.
Peguei panos, rodos, e muito desenfetante, comecei a limpar tudo aquilo. Estava uma cena bem feia. Depois que limpei tudo. Peguei seu pênis e me sentei no sofá a sua frenre, elw me olhou, seus olhos eatavam vermelhos.

Eu- você ta bem feio, em..

Comecei a desabotoar minha calça e abaixei ela. Levantei uma perna e deitei no sofá. Afastei um pouco minha calcinha do local e comecei a me penetrar com o seu membro em minhas mãos.

Eu-orh...isso.-fechei meus olhos. Eu podia sentir a tensão e o horror crescendo naquela sala.

Ele estava completamente apavorado com tudo o que fiz, acho que nem se quer esperava. Ele me abusou de certa maneira, e ficaria por aquilo mesmo se eu não tivesse reagido. Ele me drogou. Talvez eu estivesse sendo interrada no jardim de sua casa agora. Ele merece ver isso.

Comecei a ir mas fundo dentro dw mim mesma e aumentei meus gemidos. Eu estava quase lá, quase gozando. Arrh, isso. Assim...

Mordi meu lábio e esperimentei o prazer correr por cada veia do meu corpo.
Tirei seu membro de dentro de mim e me vesti novamente. Fui até ele e tirei a meia de sua boca. Seu rosto estava cheio de lágrimas, mas ele nem se quer conseguiu proferir alguma palavra. 
Peguei no seu queixo e levantei seu rosto. Apertei seu maxilar e ele abriu a boca, seus olhos gritavam, me implorando para parar. Mas meu estinto me obrigava a continuar. Peguei seu pênis e comecei a estoca lo em sua boca. Enfiei ele inteiro e vi ele fechando os olhos e derramando mais lágrimas.

Eu-me fala. É boa a sensação de ter um homem enfiando isso dentro da sua boca? É? ...prova um pouco do próprio veneno de vocês, seu merda...gosta de sexo anal? Eu vou te dar sexo anal, seu porra..

Retirei seu pênis de sua boca. E o impurrei para o lado, ele qase caiu no chão. 
Peguei um pano e limpei seu membro, em seguida, abri um pouco seu orifício e enfiei seu membro inteiro dentro de se. Impurrei até o final, até um pouco mas que isso pra falar a verdade.

Ele começou a se debater, a yer espasmos. Comecei a rir com seu gingado.

Depois que ele morreu. Impurrei seu corpo do sofá e fui chutando o até a piscina, quando cheguei na borda, impurrei ele lá dentro.

Flashback off ~

E teria sido um crime perfeito... se eu não o tivesse azunhado. Perdi pedaços das minhas unhas com aquilo e..se a polícia ainda não me achou por isso, ainda vai me achar.
Eu sei o que preciso fazer.

Saí do banheiro e uma garota bêbada passou por mim. Puxei ela pelo braço e a beijei. 
Ela me olhou sem entender e então beijei ela novamente. Encostei seu corpo na parede e peguei na sua cintura, suas mãos foram diretamente para meu pescoço e nossas línguas começaram a brigar por espaço dentro da boca uma da outra.

{...}

Acordei com muita dor de cabeça, olhei para o lado e vi a Angel dormindo, bem, esse era o nome dela. Estou em casa, ainda bem. Pensei que pudesse ter ido para a casa dela ontem. Me levantei e fui tomar banho. Me lembrei do que passei com aquele garoto tentando fixar comigo e então me lembrei de que, tenho que ir embora. Já provei que sou lesbica, mas se ele está atrás de uma bi, devem estar investigando aquelas mortes, aquelas malditas mortes que causei naquele hotel. Preciso de uma nova identidade. Preciso ir embora. Voltar pra casa... e não sentir nada por ele.

{...}

Terminei de fazer a merenda e a Angel entrou na cozinha apenas com sua blusa e calcinha, ela se sentou de frente pra mim na mesa e começamos a merendar.

Angel-e aí, você lembra de alguma coisa? 
Eu-sim, claro.
Angel-só lembro de beber muito e vir parar na sua cama.-risos.
Eu-bem, eu lembro perfeitamente bem de tudo.
Angel- minha cabeça parece que vai explodir.
Eu-eu tenho... cocaína, você quer? 
Eu-sim, por favor.

Me levantei e fui até meu quarto. Abri o guarda roupas e tirei um reservatório, peguei alvuns saquinhos com a droga e voltei para a mesa. Coloquei encima e dei para ela.

Angel-então...você é daqui? 
Eu-sou de Nova York, porém, vim passar alguns meses aqui.
Angel-hm. E vai voltar logo? 
Eu-pretendo ir amanhã, ou hoje.
Angel-já comprou o voo? 
Eu-não. Na verdade, sou advogada. Posso comprar encima da hora.
Angel-entendo.
Eu-e você. É daqui? 
Angel-não, sou de Londres. Mas estou numa tour com uns amigos.
Eu-sério? 
Angel-sim. Na verdade, EUA era o nosso próximo local. Vamos para o Texas e eu quero muito conhecer Los Angeles.
Eu-umhum. É incrível.
Angel-já esteve lá? 
Eu-já morei lá. 
Angel-nossa. 
Eu-pois é...você, poderia ir comigo. O qje acha? Seus amigos vão quando? 
Angel-eles querem ir na próxima semana.
Eu-então me escuta. Vamos para Nova York, você vem de carona, pago pra você. E quando seus amigos chegarem, vocês saem juntos para Los Angeles mas..você quer vir comigo? Falo porque, nem nos conhecemos direito mas, não me importo.
Angel-nossa, seria muito legal. Eu quero sim. Não me importo muito com isso pra falar a verdade. 
Eu-okay.

Sorri para ela e voltei a beber meu café.

Ela me ajudou a lavar a louça e depois me ajudou a ajeitar a casa, não consegui evitar e pensar, quando eu voltar, como será que o Harry vai estar? Como ele vai me tratar? Tenho curiosidade de como elw vai ficar e como ficou com tudo isso que rolou. E se eu não voltar agora? E se deixar pra voltar apenas depois que a Gemma e o Louis vinherem para cá? O que seria melhor para ambos e principalmente para mim?

Eu preciso ir embora antes que as coisas compliquem para mim, mas não sei se estou pronta para voltar.

Angel-e aí. Torre ou cavalo? -olhei bem para o jogo. Se eu avançasse meu cavalo, ela me pegaria com a rainha e aí cheque mate. Avancei com o cavalo e ela trouxe sua rainha de volta para casa.

Depois que a partida acabou, sugeri irmos para algum shopping e fiz algumas compras com ela. Fomos para o banheiro retocar a maquiagem e começamos a falar sobre mim.

Angel-ah, entendi. Então sua família é Londrina.
Eu-por parte.
Angel-hm... e você nunca pensou em ir pra lá? 
Eu-não eu..não me entenda mal mas, prefiro ficar afastada deles.
Angel-ah, entendo. Família perto as vezes só atrapalha.
Eu-é, pode ser.

Na verdade, eu sou essa parte que iria atrapalhar. Eles tentariam me ajudar, não estou afim.
O celular dela tocou e ela atendeu na mesma hora.

Angel-oii.... Denny, eu sei ta, não precisa gritar. Eu não vou voltar, os planos mudaram....eu conheci uma garota e vou com ela para Nova York...... escuta aqui, sou maior de idade e posso tomar conta de mim, vai se ferrar, falou....eu vou passar amanhã para pegar minhas coisas. Vê se morre.-ela desligou e enfiou o celular no bolso.
Eu-nossa.
Angel-era o meu irmão. Vive me tratando como criança, nunca sai do meu pé. 
Eu-ele é mas velho? 
Angel-é. Tenho 26 e ele 30 ,só que nunca saiu da casa dos meus pais e sisma comigo pra onde eu for.
Eu-hm.
Angel-você ...ta legal ainda com a viagem? 
Eu-claro. É que eu entendo o lado dele pôr, você não me conhecer direito. Até me surpreendo por ter aceitado.
Angel-olha, eu vou ser clara. Eu quero ir pra Nova York. Você me ofereceu e eu aceitei. Se não puder ficar na sua casa, tudo bem. Mas eu vou pedir que me ajude lá porque, eu nunca fui e eu tenho muita vontade de conhecer. Você tem minha confiança..
Eu-eu vou te ajudar. O problema é que você ficando na minha casa iria ficar no meu quarto, meu primo mora comigo, eu, já falei? 
Angel-talvez, mas tudo bem.-risos.
Eu-okay.

Voltamos para minha casa e ela me ajudou a guardar as sacolas e tudo.
Fomos para o quarto e começamos a tirar a roupa. Fui para o banheiro e liguei o chuveiro. Tirei meu sutiã e liguei o aquecedor. Entrei de baixo da água e fechei a porta da ducha. Pacei shampoo no meu cabelo e ouvi a Angel entrando, permaneci de baixo da água e senti ela pegar na minha cintura, suas mãos me contornaram e chegaram até meus seios. Abri meus olhos e vi os seus. Ela me beijou, tão sensível que quase não senti seus dentes. Então ela segurou um dos meus seios e começou a chupa lo, começou a morder meu mamilo e fechei meus olhos.

Sua outra mão desceu até minha bunda e ela apertou a mesma. Peguei na sua nuca e afastei ela de mim, andei um pouco e ela se afastou, puxei ela e colei nosas bocas, enfiei minha língua em sua boca e ela começou a alisar meu corpo. Subi minha para seus cabelos e chupei sua língua.

 


Ela começou a deixar leves arranhões por onde passava seus dedos e parei o beijo para gemer, sob o efeito daquela dor praserosa.
Encostei ela na parede e chupei seus lábios, desci minha boca para o seu pescoço e comei a morde-la.
Ela envolveu meu cabelo em suas mãos e gemeu. Chupei ela e desci minha mão para o seu clitóris. Ela abriu um pouco as pernas e massageei sua parte sensível. Mordi seu maxilar antes de enfiar meus dois dedos em sua vagina e ela fechou os olhos.

Chupei sua bochecha e tirei meus dedos dela, comecei a massagear novamente seu clitóris e ela abriu a boca, chupei seu seio e depois a beijei.
Senti que ela já estava chegando a seu ápice e parei o que estava fazendo. Peguei na sua cintura e me ajoelhei na sua frente, abri um pouco mais suas pernas e comecei a lamber seu clitóris e a massagear suas coxas enquanto proporcionava seu prazer com minha língua.

Ela pegou nos meus cabelos e começou a gemer mais alto. Aumentei a velocidade e ela gozou na minha língua, seu orgasmo veio em seguida e então parei para respirar. Me levantei e ela pegou no meu maxilar, coloquei a língua pra fora e ela começou a chupar.

Apertei seus seios e ela me levou para de baixo do chuveiro, tirei o resto de shampoo que havia e então saí de dentro da ducha. Fechei a porta e me enrolei na toalha, penteei meu cabelo e fui para o quarto. Me sentei na cama e respirei fundo. Eu já estou pensando nisso de novo, vou voltar e, como vou agir em relação ao Harry? Como ele vai agir? Que loucura.

A Angel saiu do banheiro enrolada em outra toalha e veio até mim, pegou no laço que prendia a toalha no meu corpo e desfez, retirou a toalha de mim e me deitou, veio para cima de mim, deixando um joelho de cada lado do meu quadril e beijou entre meus seios. Foi subindo até chegar no meu queixo e então me beijou.

 

Chupei seu lábio inferior e ela desceu a mão serenamente pelo meu corpo, me causando alguns arrepios. Comecei a tirar sua toalha e ter liberdade sobre seus seios, eles encostaram nos meus e comecei a alisar suas costas.
Descolamos nossos lábios e ela colocou seu joelho entre minhas pernas. Peguei no seu pescoço e ela começou a se movimentar, fazendo sua pele roçar contra minha intimidade.

Desci minhas mãos para sua bunda e movimentei ela mais rápido. Ela me beijou e apertou meu seio de forma rude. Mordi seu lábio e chupei em seguida. Ela aumentou a velocidade e senti o prazer começar a crescer em mim.

 

Eu já estava para ter um orgasmo e ela desceu a mão e me penetrou com seus dedos, ela aumentou a velocidade e levantei minha cabeça, inclinei meu corpo e me sufoquei com meus gemidos.

Ela saiu de dentro de mim e colocou seus dedos na boca, chupou eles e depois colocou na minha. Virei ela, ficando por cima e comecei a chupar seus seios.
Apertei suas coxas e ela passou suas pernas em volta da minha cintura. Me movimentei como um homem encima dela chupei sua língua.


Notas Finais


espero q tenham gostado, n se esqueçam de me informar SOBRE ERROS NA HISTORIA , bjs, comentem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...