História Sexual Demons - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, F(x)
Personagens D.O, Kai, Krystal Jung, Sehun
Tags Demonios, Íncubo, Kaisoo, Kaisoostal, Kaistal, Krystal, Kyungsoo, Súcubo, Threesome
Exibições 81
Palavras 2.720
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drabble, Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi oi oi!
Aqui é a Pinguin ^^
Não vou falar muito aqui pois sei que quase ninguém lê, então nos vemos nas notas finais~~

Enjoy!

Capítulo 1 - Capítulo Único - Lust


Sú.cu.bo

Demônio com aparência feminina que suga a energia vital de suas vítimas, que em geral são homens, por meio de relações sexuais em seus sonhos.

Ín.cu.bo

Demônio com aparência masculina que suga a energia vital de suas vítimas, que em geral são mulheres, por meio de relações sexuais em seus sonhos.

 

Sexual Demons

Capítulo Único - Lust

~~~*~~~

Estava sendo uma noite adorável. Uma noite de verão onde uma agradável brisa bagunçada os cabelos de quem caminhava pela rua. Eram oito horas e a lua já brilhava no céu, uma lua maravilhosa e brilhante, muito brilhante. Krystal odiava noites como essa, preferia noites sombrias e tenebrosas. Daquelas que se vê com mais frequência em filmes antigos de terror e/ou suspense.

Ela se encontrava acima de um telhado, sentada enquanto suas asas impediam que a odiosa brisa lhe tocasse. Estava de olhos fechados, sentindo os movimentos de sua vítima que estava abaixo do telhado, apenas esperando a mesma dormir para “dar o bote”.

-Olha o que temos aqui. -Alguém pousou ao seu lado. -Essa é uma formidável noite para achar uma boa vítima. Não acha, senhorita súcubo?

-Particularmente, como a boa súcubo que sou, prefiro noites mais demoníacas, senhor íncubo. -Encolheu as asas, encarando o demônio que se encontrava de pé ao seu lado. Um sorriso sacana se encontrava no rosto dos dois, aquele sorriso que todo demônio tem. Um sorriso perverso, sensual e debochado.

O íncubo gargalhou alto.

-Certamente, certamente. Essa não é uma boa noite para atacarmos. Está procurando uma vítima ou já a encontrou? -Perguntou, erguendo uma sobrancelha. O sorriso ainda nos lábios atraentes em formato de coração. Seu cabelo era de um tom negro como a escuridão, estava completamente bagunçado, de um jeito totalmente sexy.

-Talvez você seja minha vítima. -Krystal levantou, ficando de frente para o demônio. Seus cabelos cor-de-rosa voavam e sua saia preta era ligeiramente levantada pela brisa.

Outra gargalhada vinda do íncubo.

-Você é uma súcubo muito engraçada. Prazer. -Estendeu a mão para a demônio, arrumando com a outra sua gravata cinza e seu paletó giz. -Do Kyungsoo, mas todos me chamam de D.O.

-Prazer D.O. -Segurou a mão do demônio. -Sou Soo Jung, mas todos me chamam de Krystal. -As mãos se apertaram em um cumprimento e logo se soltaram. Era normal entre demônios existirem “apelidos” já que, na maioria dos casos, preferiam esquecer seus nomes mundanos, numa tentativa, algumas vezes falha, de se esquecer de suas vidas como humanos, vida essa que fora consumida pela luxúria e, em sua morte, sua nova vida fora de uma súcubo ou um íncubo.

Ambos ficaram quietos por um minuto. Krystal havia fechado seus olhos novamente, percebendo que sua vítima estava orando antes de dormir.

-Que patético. -Murmurou, pensando alto. Deus não poderia salvar sua pequena alma. Nada pode lhe salvar de sua vida de pecados. Krystal observava esse mesmo alvo por dias, descobrindo que o mesmo era um stripper e um prostituto. Ela sabia que ele já a pertencia. Sua alma pertencia ao inferno.

Orar não iria resolver nada, Krystal já caiu nessa uma vez, quando orou para os céus para que não fosse para o inferno, mesmo sabendo de sua vida como prostituta de luxo, ganhando presentes caros e noites em hotéis cinco-estrelas, para depois de tudo, envenenar suas vítimas e roubar cada centavo de seus bolsos, contas bancárias e inúmeras propriedades.

A vida do demônio ao seu lado não era muito diferente, uma vida em que conquistava velhas senhoras podres de ricas, geralmente viúvas, pra depois mata-las e fugir com seu dinheiro. Além de claro, violar mulheres nas ruas e viver cercado de prostitutas. D.O nem ao menos rezou para tentar ir para o céu, abraçou o inferno e o amou como se fosse sua própria casa.

Ambos não se arrependiam de sua miserável e pecaminosa vida. Eles viveram na luxúria, não mudaria nada “viver” pela luxúria. Trazer pessoas para esse lado era seu objetivo de “vida”, e, podiam admitir, nunca haviam se divertido e gostado tanto de seu trabalho como agora gostavam. Por isso “vida” está entre aspas, aquilo na realidade era morte, mas nunca haviam se sentido tão vivos.

Krystal sentiu que sua vítima já havia caído no sono e rapidamente se levantou, preparando suas asas para levantar voo até a pequena janela do quarto.

-Está é minha deixa. Nos vemos por aí, bonitão. -Piscou para o íncubo.

-Se você for dessas que participa de algumas orgias na grande torre, podemos nos encontrar em breve. -Um sorriso de lado cheio de malicias surgiu nos lábios de ambos.

Krystal apenas lhe deu outra piscada e se jogou do telhado, sentindo o vento bater contra seu corpo, realmente amava essa sensação.

Ajeitou novamente suas asas e começou a voar. As asas negras cheias de escamas eram fortes e grandes, ótimas no voo, eram uma das coisas que Krystal mais amava, tirando claro, sua cauda.

Voou novamente até a janela de sua vítima, adentrando o local. Um quarto aparentemente normal de um estudante de administração. Sua vítima tinha entre 20 e 24 anos, ela não sabia ao certo qual era, mas sabia que tudo que o mesmo fazia era para pagar sua cara faculdade, a melhor da região.

-Tolo. -Se aproximou da cama onde o moreno dormia, seus olhos estavam fechados e sua expressão era calma. Como os humanos costumam dizer, “Dormia como um anjinho.”, Krystal adorava essa frase, gostava de sentir que, com o sentido dela, ela estaria corrompendo um anjo, acabando com seu “cantinho especial” ao lado de Deus.

Levou seus dedos até a bochecha do garoto, já levantando sua cauda para a mesma tocar sua cabeça e entrar em seus sonhos. Mas infelizmente foi interrompida.

-Acho que não foi em uma orgia que nos encontramos novamente, senhorita Krystal. -Seu nome brincou nos lábios do íncubo, a irritando, principalmente por ele ter a atrapalhado. Ela estava faminta, precisava daquele frágil humano.

-Você me atrapalhou. -Decidiu ser direta.

-Não não. Na verdade, você está tocando minha vítima. -Caminhou um pouco pelo quarto, escondendo suas asas, uma habilidade para se parecer mais “humano”, porém sua cauda continuava ali, mexendo de forma graciosa e pouco hipnotizadora.

-Estou observando esse humano à dias.

-Estou o observando a meses. -Krystal não conseguiu esconder sua irritação. -Ops, acho que eu ganhei certo?

-Não sabia que minha vítima era bissexual, achava que ele apenas dormia com homens pelo dinheiro.

-A partir do momento que você dorme com um homem, já estou na sua cola. Você não sabe muitas coisas sobre minha vítima.

-Mas eu posso possui-lo primeiro. -Já preparava sua cauda novamente e seus olhos reviravam, se tornando negros.

-Você nem ouse! -D.O correu, preparando sua própria cauda para entrar nos sonhos do humano.

As caudas tocaram ao mesmo tempo o couro cabeludo do estudante, e os dois entraram no sonho.

No momento que um íncubo ou uma súcubo entra em um sonho, o mesmo automaticamente muda completamente. Ganha um ar mais erótico, tudo era preenchido por cores quentes, não quentes pelo tom, mas quentes pelo que representavam, sexo, podridão, sensualidade. As mais comuns eram: vermelho, cinza e preto.

Nesse exato sonho, eles estavam em uma festa de gala. Todos de máscara e roupas totalmente trabalhadas, pareciam bailes de máscaras de tempos antigos da Britânia, onde reis e rainhas comandavam países e novos continentes eram descobertos. Rapidamente os dois avistaram sua vítima, do outro lado do salão, e se olharam.

-Você deveria sair, você sabe o que acontece se dois demônios sexuais entrarem no mesmo sonho. -O íncubo entre eles comentou. -Mas não seria ruim se você ficasse, seria uma experiência deveras excitante.

-Não é para isso que estamos aqui? Para o mandarmos para o inferno, certo? Acho que não vai dar problemas adiarmos sua ida, matando-o nesse único sonho. -Arrumou a máscara em seu rosto, reparando em suas roupas extremamente sensuais. -Eu irei ficar. Gostei da temática deste sonho.

-Então temos uma trégua? -Perguntou reparando no decote de sua companheira. -Certamente, esse não é nenhum sonho clichê. Por que diabos ele está sonhando com isso?

-Sobre nossa trégua, irei aceitar. Quem sabe não começamos a trabalhar juntos certo? E sobre o sonho, eu gostei de mudar um pouco.

-Sem enrolação, vamos logo com isso, estou morrendo de fome. -Estendeu o braço para que a demônio se enganchasse no mesmo, e assim ela o fez.

Saíram caminhando lentamente entre as pessoas no salão, todos os rostos eram cheios de borrões negros, simbolizando que o garoto havia esquecido dos mesmos. Ao chegarem perto do moreno, o mesmo arregalou os olhos, um efeito do poder de um demônio sexual, onde o enfeitiçado se sentia fortemente atraído pelo demônio.

-Você é Kim Jongin, certo? -A súcubo perguntou, forçando um sorriso gentil, enquanto se curvava em um cumprimento.

-Eu mesmo senhorita. -Ele pegou sua mão e deu um demorado encostar de lábios na mesma.

-Eu lhe falei, ele é um sujeito adorável! -O íncubo, que era pouco menor que a vítima, fingiu animação, estendendo sua mão e recebendo um grande aperto por parte do outro. -Nós estamos aqui para conversar com você, queríamos muito saber algumas coisas a seu respeito.

-Sim, sim! Poderia nos seguir por um instante? -A súcubo falou e a vítima lhe obedeceu. Caminharam por alguns poucos minutos, enquanto a mente do íncubo criava o caminho que traçavam, já que a vítima havia perdido o controle de seu próprio sonho e o mesmo fora tomado pelos demônios.

A vítima seguia atrás, olhando descaradamente as coxas da súcubo, que tendo noção disso, se agachava as vezes, já que seu vestido era ridiculamente curto. Seus olhos, algumas vezes, se direcionavam para a bunda do íncubo. Um abunda firme e grande, a vítima tinha uma grande vontade de aperta-la.

Chegaram finalmente à um quarto. Um tanto espaçoso, parecia realmente um quarto da nobreza, totalmente decorado com um cinza escuro e alguns detalhes mais claros e/ou em preto. Tudo estava cada vez mais excitante. Todos entraram no quarto e a súcubo logo deu as investidas, empurrando a vítima bruscamente na parede, enquanto seu companheiro íncubo fechava a porta do quarto em que se encontravam.

A vítima gemeu pela dor de ter suas costas batendo na parede. Ambos demônios amaram aquele som saindo da boca do moreno e um sorriso malicioso surgiu no lábio dos dois, o humano estremeceu com isso. Seu pescoço logo foi atacado, recebendo chupões, lambidas e pequenas mordidas. Ele conseguia conter os gemidos, por enquanto.

De fundo, o íncubo tirava sua calça junto de sua peça íntima, massageando seu membro já despertado.

-Você quer brincar, Jon-gin? -Falou de modo provocante, falando o nome do humano devagar e separadamente.

Krystal parou de atacar seu pescoço e lhe encarou nos olhos.

-Você quer brincar com a gente? -O humano sentiu suas bochechas esquentarem e apenas assentiu, desviando seu olhar para a cama. Os dedos com longas unhas pintadas de preto da súcubo se enterraram em seu queixo, virando se rosto bruscamente, para que ele lhe encarasse novamente. -Vamos deixar todos brincarem. Comece pelo meu amigo D.O. O satisfaça, você é um homem bonito, forte, perfeito, será que é bom no sexo?

O humano se sentiu desafiado, por algum motivo queria provar para a “mulher” a sua frente que ele era bom em tudo, não, o melhor em tudo. Ela saiu de cima do garoto e ele logo foi de encontro com o íncubo, se ajoelhando a sua frente. Por trabalhar com isso, o humano sabia exatamente o que fazer. Deixou um selinho no membro do “homem”, passando logo em seguida, sua língua pela glande sensível. O membro a sua frente era grande, mas não monstruosamente grande, era o tamanho ideal, como se houvesse sido esculpido pelas suas fantasias e gostos.

Mal sabia ele, mas foi.

O íncubo, já impaciente, agarrou os cabelos do moreno, enfiando o seu membro todo em sua boca, encostando na garganta e o fazendo quase engasgar.

-Sua boca é tão... -Gemeu, mexendo o quadril. -É tão gostosa. Tão quente. Eu acho que vou gozar só por estar aqui. -Jogava a cabeça para trás, estocando a boca do humano.

Ao fundo, podia-se ouvir a súcubo gemendo, já sem roupas, se tocando sem pudor algum, enquanto a mão que não lhe tocava as partes íntimas apertava seus seios e puxava seus mamilos. A boca do humano era deliciosamente fodida pelo membro do íncubo, e o som que se fazia no quarto, era uma mistura de gemidos, vindos dos demônios, e o membro do íncubo entrando e saindo rapidamente da boca do humano.

Quando sentiu seu orgasmo próximo, o retirou brutalmente da boca do moreno, puxando seus cabelo com força e o fazendo levantar. Pego-o no colo e o jogou na cama. Parecia que todos os movimentos eram precisamente calculados. A súcubo logo parou de se tocar, sentando no abdômen do humano. Eles não queriam falar muito, apenas queriam logo fazer sexo e matar o humano. Apenas isso. A súcubo segurou na base de seu membro, o masturbando devagar, direcionando até sua entrada, sentando com tudo. Sem, em nenhum momento, quebrar o contato visual. Seus cabelos cor-de-rosa faziam um lindo contraste com sua pele pálida, se movendo conforme ela começava a rebolar. O íncubo logo se posicionou atrás, penetrando o orifício da súcubo, a fazendo soltar um gemido alto.

Depois disso, para o humano, tudo foi só prazer. A súcubo havia parado de se mexer, mas o íncubo se mexia de forma desesperada, rápida e violenta em seu ânus, fazendo com que ele sentisse o movimento dentro dela, e ainda, ela se movia com os movimentos rápidos. Ele nunca havia sentido nada do tipo, sua visão estava embaçada de prazer, a ponto de seus olhos virarem e de sua boca, altos gemidos escaparem, algumas palavras desconexas se encontravam saindo junto aos gemidos. Seu corpo já dava muitos espasmos indicando que logo gozaria.

E assim, o fez. Gozou dentro da súcubo, fazendo a mesma chegar ao seu orgasmo. O íncubo ainda continuou seus movimentos, chegando ao ápice depois de mais algumas estocadas. Ambos estavam soados, mas não cansados. A súcubo logo se livrou dos dois pênis que a penetravam, indo até o canto da cama, logo ficando de quatro enquanto mexia seu quadril de modo sensual e hipnotizador.

O humano encarou o íncubo, normalizando sua respiração.

-Você pode. -O íncubo respondeu, rindo. Enquanto o humano ia ao encontro da súcubo, pegou um tubo de lubrificante, logo derrubando um pouco em sua mão e espalhando em seu membro.

O humano nem precisou se masturbar para ficar duro novamente, penetrando a intimidade da súcubo pela segundoa vez aquela noite. Assustadoramente, ele não estava cansado, ele queria mais e mais. A intimidade da “mulher” parecia cada vez mais apertada e quente, muito gostosa de se foder. O íncubo se posicionou atrás, e antes que o humano percebesse, o penetrou rápido, forte e fundo, logo encontrando sua próstata e o fazendo gritar.

Novamente, o humano estava drogado de prazer. E assim o sonho se seguiu. Mais 3 rounds foram feitos até o humano desmaiar na cama do grande quarto. Os dois demônios se olharam, estendendo as mãos até se tocarem, entrelaçando seus dedos. Assim que saíram do sono, encontraram o corpo do moreno totalmente magro e soado. Sua respiração estava descompassada.

Por outro lado, os demônios se sentiam vivos, animados e eletrizados. Infelizmente, o sol já ameaçava nascer e o relógio na cômoda indicava cinco horas da manhã. Eles teriam que acabar com a diversão com suas vítimas por ali. Se olharam, andando em direção à janela, para depois entrelaçarem seus dedos novamente e se jogarem dali.

A diversão havia acabado com as vítimas, mas ninguém havia dito que havia acabado por completo.

~~~*~~~

Já faziam três dias que seu amigo Jongin não ia à faculdade, e Sehun estava completamente preocupado. Por sorte, ele sabia onde o amigo escondia a chave reserva de seu apartamento. Assim que a porta foi aberta, um cheio horrível dominou as narinas do loiro, fazendo-o automaticamente tampar o nariz, inconscientemente uma careta de nojo se fez em seu rosto, sem nem saber o que aquele cheiro realmente era.

Exatamente às 13 horas, 42 minutos e 8 segundos, Kim Jongin foi encontrado morto em sua cama.

E, os dois demônios causadores daquela desgraça estavam, naquele momento, se encontrando com a alma perdida de Jongin, na grande torre, prontos para mais rounds.


Notas Finais


Essa one foi inteiramente escrita por mim, então não vou considerar como um "comeback" do Bcy.
Mas, já já estamos voltando! Estamos com muitos plots legais, engraçados, grotescos...
Foi isso, não tenho muito o que comentar, só queria avisar que..
SHIPPEM KAISOOSTAL
OBRIGADA
sz

Siga o Bcy para receber notificação sempre que postarmos uma nova fanfic! Obrigada por ler!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...