História Shades Of Cool - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Teen Wolf
Personagens Derek Hale, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski
Tags 50 Tons, Amor, Dominação, Drama, Dylan O'brien, Gay, Lana Del Rey, Lemon, Masoquismo, Romance, Sadomasoquismo, Sterek, Tyler Hoechlin, Yaoi
Visualizações 491
Palavras 2.100
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura...

Capítulo 37 - Summertime Sadness


Fanfic / Fanfiction Shades Of Cool - Capítulo 37 - Summertime Sadness

Algumas semanas se passam desde que Tyler me contou sobre sua infância. Enquanto trabalho em “concertar” Tyler, eu voltei ao meu antigo emprego. Claro que ele não gostou nem um pouco, mas eu simplesmente ignorei. Troy me aceitou de volta muito bem.

Tyler está extremamente focado no trabalho. Passa quase um dia inteiro na empresa, ou viajando. Diz que o único motivo de não dormir fora, sou eu. Ele não quer ter outro pesadelo e saber que eu não estou lá para acorda-lo.

Acabo de sair de uma ligação com a mãe dele, Mirian. Não sei o que sentir ao saber que sua mãe biológica faleceu. Por um momento pensei em fazer Ty visita-la, mas agora sei que minhas chances foram completamente destruídas. Se bem que eu não sei o que tinha na cabeça. Grande parte de seus pesadelos são provocados pelo abandono de sua mãe. Mas por outro lado, isso poderia ser o começo para que eles acabassem.

- Dylan? – chama Troy, me tirando de meus pensamentos.

- Sim? Precisa de algo, Troy? – pergunto me levantando de minha mesa.

- Preciso que revise alguns textos para mim e vá até o depósito buscar algumas folhas. – diz digitando algo em seu celular. – E saber se você e Tyler podem ir jantar em minha casa hoje. Minha mulher irá cozinhar, e acredite quando digo que ela é quase uma chefe de cozinha. – sorrio ao vê-lo elogiar sua esposa. – Talvez não tanto quanto eu, mas tudo bem. – rimos juntos.

- Irei falar com ele. Vou buscar as folhas. – digo me afastando.

Enquanto adentro os corredores do depósito, meu celular vibra. Tyler.

- Olá, baby. – ouço sua voz do outro lado da linha.

- A que devo a honra desta ligação, Sr. Hale? – sorrio mordendo meu lábio inferior, enquanto fico na ponta dos pés para alcançar a prateleira com as folhas.

- Lembra quando me pediu para fazerem uma nova busca no lago?

- Sim.

- Bem, baby. Você já pode se especializar em suas habilidades de vidente.

- O que quer dizer?

- Encontraram o corpo de Ann. – meu coração dispara. – Mesmo depois de tanto tempo debaixo d’água, ele permaneceu conservado. O caso foi reaberto, e buscas atrás dos corpos dos pais estão em movimento. Parabéns pela intuição.

- Nem sei o que dizer.

- Eu tenho que ir para uma reunião agora, mas mais tarde te ligo. Queria almoçar com você, mas estou preso aqui. Almoce naquele restaurante no fim da rua, apenas dê meu nome, nem ao menos tente pagar, está me entendendo?

- Sim senhor, Sr. Mandão. – digo sorrindo. – Ah, Troy nos convidou para jantar em sua casa hoje. Iremos?

- Tudo o que você quiser, Dylan. Te amo. – ele desliga.

Coloco o celular dentro do bolso novamente. Eu sabia que tinha alguma sensação estranha em relação aquele lago. Nem sempre estar certo é algo bom.

 

Senti falta de dirigir meu carro. Entro no meu Audi vermelho e dirijo pelas ruas de Seattle, livre.

 

Depois de almoçar, volto para a editora. Vou até a sala de Troy e confirmo que jantaremos em sua casa. Me sento na poltrona a frente de sua mesa e revisamos juntos alguns textos.

- Troy? – o chamo e ele ergue os olhos por cima dos óculos. – O que você faria por uma pessoa que está... Sei lá, deprimida?

- Não sei, acho que tentaria anima-la com aquilo que ela mais gosta. – ele apoia os braços na mesa. – O que está acontecendo, Dylan? Sabe que pode contar comigo.

- Tyler. Ele está acontecendo. Eu já não sei mais o que fazer, Troy. – coloco os papéis que lia sobre a mesa e me encosto na poltrona, pondo uma mão nos olhos.

- Quer falar sobre?

- Tyler é tudo pra mim, mas eu não sei como ajuda-lo. Ele é a pessoa mais quebrada que eu conheço, e não faço ideia se conseguirei concerta-lo. – encaro o teto.

- Ele sabe que você o ama?

- Muito.

- Então use isso. – Troy abre um sorriso. – Demonstre isso mais ainda. Seja o porto seguro dele.

- Eu estou cansado. Tyler é uma bomba prestes a explodir, e tenho medo de ser aquele que corta o fio errado.

- Você não será, Dylan. Vem cá. – ele se levanta e ergue os braços. Vou até ele e o abraço, enterrando minha cabeça em seu peito.

Eu sentia uma leve vontade de chorar, mas agora que sinto o carinho e atenção de Troy sobre mim, as lágrimas descem descontroladas e quentes. O aperto mais ainda, e ele beija o topo de minha cabeça.

- Eu estou tão cansado. – choro as palavras.

- Entendo por que Tyler te ama. Você, mesmo cansado, nunca desiste, não é garoto?

- Como desistir? Se eu ao menos pensar em desistir daquele cara, meu mundo acaba, Troy. – soluço.

Acho que até que enfim estou derramando as lágrimas que guardei por muito tempo.

- E ele pensa o mesmo! – Troy segura meu rosto em suas mãos e sorri. Sinto-o se aproximar, e beijar minha bochecha. Seu beijo é macio e caloroso. – Tyler é a pessoa mais excêntrica que conheço. As coisas acontecem por um motivo. Não se preocupe, tudo vai dar certo no final. E eu estarei aqui, sempre que você precisar, está entendendo? É só me chamar, que irei correndo.

Ele seca cada uma de minhas lágrimas.

- Obrigado, Troy. – digo voltando a minha poltrona. – Preciso me ocupar com algo. Vamos continuar o trabalho. – digo sorrindo.

- Talvez em outra vida eu te peça em namoro, Dylan. O que acha disso? – ele pergunta se sentando e pegando os papéis que antes segurava.

Apenas sorrio e não respondo. Não sei bem o que eu responderia, então não faz muita diferença.

 

 

 

Depois de combinar o horário com Troy, entro em meu carro e vou embora. Deixo os vidros abertos e sou abraçado com o frio da noite.

Assim que chego no apartamento, dou de cara com Tyler afrouxando a gravata. Pulo em seu colo, envolvendo minhas pernas em sua cintura, fazendo com que ele me erga no ar.

- O que foi, ba...

O calo com meus lábios. Não sei o que deu em mim, mas só de ver ele me deu uma vontade louca de beija-lo. Sinto-o sorrir entre o beijo.

- O que aconteceu, baby? – ele apenas sorri.

- Eu só fiquei com saudades. – digo atacando seus lábios novamente.

Acabamos deitados no sofá, nos amassando por um bom tempo.

Vejo a hora e digo que é melhor nos arrumarmos. Tomamos banho juntos e colocamos roupas comuns, Troy disse que não há necessidade de nada formal. Tyler chama seu motorista e eu lhe entrego o endereço. Ficamos de mãos dadas durante quase todo o caminho.

 

 

O apartamento de Troy é muito bonito. É pequeno e aconchegante. Vamos até a sala de jantar e cumprimentamos Kaya, sua esposa. Nos deparamos com um banquete a nossa frente, tudo parece estar uma delícia, o que faz com que minha fome aumente.

- A tempos não recebemos amigos para jantar, então acho que devo ter exagerado um pouco. – diz ela quando nos sentamos na mesa. Tyler fica ao meu lado e Troy a minha frente, assim como Kaya a frente de Ty.

- Ás vezes exagerar é bom. Se quiser exagerar mais vezes, estou a sua disposição. – digo e todos nós rimos.

Ty fica encarregado de servir vinho a todos. Brindamos e começamos a comer. Eles realmente são um casal de cozinheiros maravilhosos. Enquanto comemos, Ty passa sua perna na minha por debaixo da mesa, me provocando. Ele não consegue mesmo se segurar.

Conversamos sobre assuntos variados. É muito bom mesmo estar entre amigos, em um jantar sem motivos especiais. A sensação de “entrar no mundo dos adultos” é cada vez mais presente. Penso isso ao perceber que sou o mais novo entre os 3. Mas a sensação é boa sim, não posso negar.

- E então, Dylan? Como é estar de volta ao trabalho? – pergunta Kaya.

- É muito bom. Pelo menos assim eu fico ocupado com algo. – digo bebendo um gole do conteúdo em minha taça.

- Pensa em escrever um livro algum dia? – pergunta Troy. – Vejo o quanto gosta de trabalhar na editora, e que tem talento com livros, além de ser criativo.

- Eu até gostaria, mas eu não tenho ideia do que escrever. – respondo. – Não tenho talentos, diferente do Sr. Talentoso aqui. – dou um empurrãozinho em Tyler.

Acabamos entrando no assunto música e negócios. Ty fica tímido quando exponho suas habilidades com o piano. Eu e Kaya imitamos os dois conversando, e rimos que nem dois idiotas, enquanto acabamos com o vinho. Felizmente eu e Tyler trouxemos mais uma garrafa.

Depois de uma deliciosa sobremesa, pudim, Ty e Troy vão até a varanda do quarto do casal conversar, enquanto eu e Kaya ficamos rindo de alguma piada enquanto bebemos vinho, quero dizer, terminamos uma garrafa. Pergunto aonde é o banheiro, e vou até ele.

Me alivio e lavo as mãos. Passo pelo quarto, e não resisto em ouvir sobre o que eles estão conversando. O quarto está escuro, e apenas a luz da varanda na qual eles estão está acesa. Entro no quarto e fico próximo a porta de vidro.

- Dá pra ver o quanto aquele garoto te ama, Tyler. – ouço a voz de Troy. – Me conta, o que está acontecendo entre vocês dois?

- Não é com nós dois, é comigo. Eu preciso dele. Dylan é o que me mantém são. Sinto, lá no fundo, que estou estragando isso. Sinto que o faço sofrer. – diz Tyler, fazendo meu coração se apertar. Ele realmente pensa isso?

- Eu me preocupo com ele, e com você. Vocês são o casal mais lindo que eu conheço, por isso tenho um conselho a te dar. – ouço ele respirar fundo. – Não se magoem.

- Essa é a coisa que eu mais tento evitar, Troy. Não faz ideia do quanto que eu quero proteger aquele garoto. O problema é que é difícil proteger alguém, quando essa pessoa pode precisar de proteção contra você.

Decido parar de ouvir a conversa a partir desse ponto. Eu nem ao menos deveria estar escutando. Saio do quarto e vou até Kaya, e a encontro deitada no sofá, com a taça vazia e um sorriso no rosto. Rio com a cena e tiro a taça de sua mão antes que ela deixe cair no carpete e algumas gotas o manchem.

Volto a banheiro e lavo meu rosto. Eles passam por mim no corredor e Ty pergunta se já quero ir. Respondo que sim com um sorriso, escondendo a cara de “eu estava espiando a conversa de vocês”.

Troy nos leva até o térreo e nos despedimos. Troy me abraça por um bom tempo, e dá tapinhas em minhas costas.

- Se cuida, garoto. – ele diz e volta para dentro do edifício.

Ty coloca a mão em minhas costas e nos conduz até o carro. Cavalheiro como sempre ele abre a porta para mim e logo estamos em movimento.

- O que achou dessa noite? – pergunta ele me puxando para deitar em seu peito.

- Que o vinho subiu até minha cabeça. – digo rindo.

Ele também ri e afaga meus cabelos durante todo o caminho até o apartamento.

 

 

 

Ty me deita na cama e tira minhas roupas. Não estou bêbado nem nada, até por que eu saberia se estivesse, mas estou um pouco cansado e bastante sonolento. Observo-o tirar cada peça de roupa com o maior cuidado do mundo.

- Você adora cuidar de mim, não é? – pergunto me apoiando em meus braços, enquanto olho para ele.

- Eu amo cuidar de você, baby. – ele se inclina sobre mim e me beija. – Você é meu namorado, está lembrado? – ele se aproxima de meu ouvido e sussurra. – Meu.

Ele me abraça e beija meu peito nu, me causando arrepios. Eu adoraria transar agora, mas o sono me vence. Deito minha cabeça no travesseiro e logo sinto-me adormecer.

 

 

 

Uma luz incomoda meus olhos. O quarto está escuro, mas a luz do banheiro ilumina todo meu rosto. Tateio a cama atrás de Hale, mas não o encontro. Forço minha visão para enxergar o relógio no criado mudo. Ainda é madrugada.

Vou até o banheiro, e vejo as costas de Tyler. Ele está de frente para o espelho e com a cabeça baixa.

- Amor?

O chamo, mas perco minhas forças completamente quando vejo o sangue em seus pés. Uma pequena poça formada.

Sinto minha pressão baixar. O viro de uma vez, e vejo seu rosto encharcado de lágrimas, e em suas mãos há uma lâmina de barbear.

            E pulsos cortados.

 

 


Notas Finais


Prepare-se mentalmente e emocionalmente para o próximo capítulo...

E please, comente este, preciso o que você está achando da história! E se você acha que Shades Of Cool chegará em 300 favoritos u.u essa é meio que uma meta


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...