História Shadow Days - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Exibições 40
Palavras 3.275
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais uma one-shot, desculpa qualquer erro, ainda não corrigi, AHAHAHAHAH' Espero que gostem.

Até o próximo <3

Capítulo 1 - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction Shadow Days - Capítulo 1 - Capítulo único.

Corria rapidamente pelas ruas, fazia quase uma hora que eu estava correndo sem parar, algumas pessoas deveria pensar que eu era somente um louco tentando fugir de algum ladrão, mas provavelmente isso seria o contrario, porque quem foge de mim são os ladroes, já que eu era policial fazia alguns anos e eu amava o que eu fazia, poder salvar as pessoas quando elas estão em perigo.

– Preciso parar, se não vou me atrasar. – Falei comigo mesmo ao olhar para o relógio e voltar correndo para o meu apartamento.

Hoje eu teria que buscar o filho do chefe que estava chegando na cidade, eu não o conhecia, mas alguns que estavam a mais tempo que eu não delegacia falavam que ele costumava vir muito conversa com o seu pai e era uma boa pessoa, mas eu admito que estava um pouco bravo, eu não era um taxista ou um chofer para sair buscando as pessoas quando mandam.

“É ir buscar, ou trabalhar mais algumas horas a mais do que o necessário.” – E eu ultimamente estava cansado, então preferi acatar a ordem, não queria que o homem que eu tanto respeitava ficasse na minha cola, porem estava decepcionado, hoje eu tinha combinado com alguns amigos do trabalho que iriamos para uma boate e eu precisava relaxar.

– Pelo menos eu espero que não seja um pirralho. – Comentei me encarando no espelho, depois de eu ter chegado da corrida, resolvi tomar um banho e me arrumar rapidamente, agora eu estava  vestido calça, blusa e uma jaqueta preta, era o que eu costumava vestir sempre.

Algo que eu não sabia era como era o garoto, mas eu deveria ter pedido a foto ou perguntado a idade dele, mas naquele momento eu estava com tanta raiva que preferi ignorar essas pequenas coisas, mas eu não iria ligar e perguntar para o chefe, ele iria me chamar de irresponsável.

“Nossa Derek, mas porque você não foi espertoe perguntou para seus amigos de trabalho.” – Sim, eu fiz isso, mas eles fizeram questão de rir e falar que não era problema deles, eu sabia que eles estavam fazendo só com o prazer de me torturar, porem a única vontade que eu estava sentindo era de mata-los, isso é normal? Provavelmente sim.

Então nos meus pensamentos eu já planejei como seria Stiles, sim, esse é o nome do garoto, um nome diferente e algo que eu nunca tinha visto, provavelmente ele deve ter uns 14 ou 16 anos e deve ser aquelas pessoas revoltadas, já estou até me preparando quando ele tentar me bater ao ver que seu pai não esta ali esperando ele chegar, provavelmente ele deve ser todo desengonçado, pelo menos era o que falaram que ele era, diziam que ele aprontava todas dentro da delegacia e vira e mexe tentava saber sobre os casos, provavelmente não deve ter mudado muito.

– Para de pensar e vamos ao trabalho. – Sussurrei em um tom baixo e resolvi ir em direção ao carro, porem antes eu não deixei de pegar um papel que estava o nome dele, já que a minha ideia genial naquele momento é ficar segurando aquela placa e esperar ele vir em minha direção.

Ele não deveria ficar bravo por eu fazer isso, eu já estava buscado ele, ele deveria ficar feliz por não estar vindo de taxi. Enquanto eu ia dirigindo até o aeroporto eu coloquei uma musica agitada, tentando me animar e não me lembrar de que eu deveria nesse momento estar me arrumando  para uma festa, porem como o avião do mesmo ia chegar 7 horas eu achei melhor não marca nada.

Pego a placa e saio do carro, olhos para os lados e vejo que não era somente eu que tinha estacionado naquele local, eu admito que deveria ter colocado o carro lá dentro, porem eu não iria gastar uma grana alta e eu somente ficaria alguns minutos esperando, certo? Completamente certo.

– Mas que merda. – Sussurrei em um tom baixinho, recebendo um olhar bravo de um senhor que estava ao meu lado com uma placa também.

Não acredito que esse pirralho esta demorando, fazia exatamente trinta minutos que eu estava esperando o mesmo com essa placa levantada e em nenhum momento tinha vindo alguém na minha direção, as vezes eu pensava que era, tipo quando um garoto de provavelmente 17 anos passou em minha direção com uma cara triste, mas ele olhou para o nome e passo direito.

– Então a pessoa que você está esperando não chegou? – Perguntou o senhor que tinha me olhando com cara feia.

– Não, ainda não chego. – Comentei tentando não dar a resposta que eu queria, ele acha mesmo que eu ainda estaria parado aqui igual idiota esperando alguém que já tinha chegado? É cada pergunta besta que eu tenho que ouvir hoje em dia, preciso de muita paciência.

– A minha também não chegou. – Ele comentou e eu abro um pequeno sorriso, que provavelmente deveria ter saído muito forçado naquele momento, ele acha que eu não percebi, ok, eu acho que hoje estou sem paciência.

Espera, eu já tive alguma paciência algum dia? Se perguntar para as minhas irmãs, elas vão dizer que eu nunca tive, mas hoje eu estava muito estressado, provavelmente era porque eu somente queria estar relaxado, tomando uma cerveja ou algo tipo, merda, porque esse pirralho não chega.

– Oh, até quem fim chegou. – O senhor falou indo em direção a alguém e abraçando, porem eu não entendi, porque ele tinha uma placa se ele conhecia a pessoa? Está vendo, esse mundo é louco, tem cada maluco.

– Bom para você. – Sussurrei em um tom de tédio e esperando mais alguns minutos, alguns momentos as pessoas me paravam para perguntar a hora e eu respondia com uma expressão seria, se eu fosse qualquer pessoa, não se aproximaria de mim naquele momento, minha cara deveria ser a pior nesse mundo.

As vezes eu me pergunto o porque eu ainda uso relógio, se eu tivesse somente com meu celular, ninguém iria me perguntar a hora, mas não, como meu relógio é visível com eu ainda com a merda da placa levantada, todos resolveram que seriam legar me perguntar, isso só pode ser sacanagem comigo, porque ninguém merece.

– Moço, eu sou... – Ouço alguém me cutucar em meu braço e logo em seguida tentar falar em um tom calmo, porem logo corto, falando antes.

– Agora são 19:40. – Falei em um tom serio, ainda olhando para onde algumas pessoas desembarcavam.

– Eu espero que eu não tenha demorado muito. – A voz continuo falando e dessa vez eu acabei virando para olha-lo melhor. – Na verdade, eu não queria saber a hora, eu sou Stiles. – Falou o mesmo apontando para a placa e acabo olhando para o mesmo surpreso.

Bem, primeiro de tudo ele não era um adolescente, pelo menos não aparentava com seu terno que provavelmente seria de marca, porem ao dar um sorriso descontraído, provavelmente do mico que eu tinha acabado de pagar, ele parecia bem mais novo que eu, o mesmo estava carregando uma bolsa e me encarava atentamente, provavelmente me analisando também. Segundo eu nunca mais acreditarei em ninguém daquele delegacia, eles me fizeram acreditar que ela um pirralho, mas não era isso que eu estava vendo, com certeza não era um pirralho na minha frente.

– Desculpa, eu estava distraído. – Sussurrei rapidamente, parando de encara-lo, não precisava passar mais constrangimento do que eu estava passando naquele momento. – Prazer Stiles, eu sou Derek. – Ofereci minha mão para cumprimenta-lo e logo vejo o mesmo me cumprimentar.

– Desculpa a demora, o avião acabou saindo um pouco atrasado, espero que meu pai tenha te avisado. – Ele falava, porem ao ver minha cara de surpreso, acabo revira os olhos. – Obvio que ele não avisou, ele ainda continua com essa mania de torturar seus novos aprendizes? – Perguntou em um tom curioso.

– Na verdade, eu não sou novo... Ele somente adora me torturar mesmo. – Comentei dando de ombros e coçando um pouco minha barba para fazer, porem não deixando nenhum momento de ser observado pelo homem a minha frente.

– Sinto muito, tenho certeza que você não queria ter vindo, certo? – Fiz uma careta, porem não respondi, não iria dizer a verdade para ele.

Porem dava para perceber que ele não era o pirralho que todos estavam acostumado por lá, ele parecia ser serio, mesmo não deixando de estar com um sorriso divertido em sua face, parecendo se diverti com a situação ou provavelmente relembrando os momentos que teve com seu pai, já que parecia conhece-lo muito bem e provavelmente sabia que ele costumava fazer isso com as pessoas.

– Quer ajuda com a bolsa? – Perguntei tentando sair daquele clima que tinha ficado.

– Não precisa, eu consigo carregar, não posso ser forte como você, mas consigo carregar uma bolsa. – Falou em um tom calmo e acabo ficando surpreso com o que ele tinha falado, porem logo concordo e chamo o mesmo para me seguir.

Depois de andar alguns minutos em silencio e eu na frente dele e sendo seguido pelo mesmo que andava calmamente, as vezes eu olhava em direção ao mesmo, que estava me encarando de uma forma seria, fazendo dar um ar mais serio para o mesmo, porem mesmo não o conhecendo, parecia que não era certo velo daquele jeito, acho que de tanto as pessoas falarem, eu pensei que iria encontrar alguém completamente engraçado.

– Esta muito longe? – Sua voz fez presente em meus ouvidos e concordei.

– Um pouco, eu não coloquei lá dentro, resolvi deixar aqui fora, lá seria complicado sair com vários carros parados esperando as pessoas. – Disse em um tom calmo, não iria dizer que eu não iria querer pagar um preço absurdo para deixar meu carro lá dentro, mas isso iria fazer ele pensar que eu não gasto meu dinheiro e sou daqueles caras chatos e calcula tudo que gasta e isso não seria mentira, mas ninguém precisa saber disso.

– Entendo, mas aqui é perigoso parar o carro, certo? – Stiles perguntou e isso fez eu reparar que ele costumava fazer muitas perguntas, acabo dando de ombros, todos os lugares era perigoso.

– Sim, mas não se preocupa... Não vai acontecer nada. – Dei de ombros e vejo o mesmo concordar.

Ainda continuamos andando e acabo reparando que eu tinha parado o carro muito longe, solto um suspiro e acabo colocando minha mão em meu bolso e pegando a chave do carro, porem ao chegar na rua, acabo olhando para os lados e não achando o mesmo. Será que eu parei no lugar errado? Não, eu me lembro de ter colocado aqui.

– Merda. – Falei em um tom baixo, porem dava para ver que o mesmo tinha ouvido, já que ele olhava atentamente para mim e depois para a rua e tentava entender o que tinha deixado eu bravo daquele jeito, aperto o alarme do meu carro, mas como o esperado, não tinha ouvido nada.  – Hoje é um grande dia de azar. – Sussurrei colocando a mão em meu rosto.

Eu não deveria nem ter saído de casa, não acredito que meu carro foi roubado, como as pessoas tem coragem de roubar um carro de um policial? Como eu disse, todos andam completamente malucos, como eu iria falar para o meu chefe que deixei isso acontecer, ele provavelmente vai me matar por fazer o filho dele que esta cansado esperar agora por uma bosta de um taxi, porque era isso que teríamos que fazer, chamar um taxi.

“Era mais fácil ele ter vindo de taxi para começar.” – Meus pensamentos maldosos gritaram e aquela vontade enorme de socar algo estava presente.

– Pelo olhar assassino que você está dando, provavelmente a coisa não é boa. – Stiles comentou e dessa vez desviei meu olhar para ele, que estava com um semblante calmo, porem já imaginava o que tinha acontecido.

– Não, você estava certo... Não deveria ter colocado o carro aqui. – Comentei abrindo os braços e mostrando o local. – Parece que fui roubado.  – Ao dizer isso observo o mesmo tentar segurar a risada, porem acaba sendo em vão. – Posso saber o que é tão engraçado? – Perguntei indignado, encarando o mesmo com uma expressão seria.

– Na verdade, não tem nada de engraçado. – Ele ainda falou rindo e segurou forte a alça da bolsa. – É que é muito azar para uma pessoa, tipo, esta na cara que você não queria vir me buscar e foi confirmado quando você não respondeu e agora você esta sem carro, acho melhor eu me afastar de você, vai que cai um meteoro ou algo do tipo.

– Agora entendi porque falaram que você era bem engraçadinho. – Comentei ainda serio, mesmo tentando achado um pouco engraçado o modo que ele falava. – Usar terno é só para disfarçar que você na verdade é um futuro palhaço?

– Descobriu meu truque. – Fingiu uma careta e isso fez eu soltar uma breve risada, porem estava um pouco sem animo. – Melhor chamarmos um taxi.

– Grande ideia. – Falei em um tom sarcástico e vejo o mesmo mexendo no celular e acabo por esperar.

– Pronto, agora é só esperar o taxi chegar. – Ele respondeu olhando para os lados e acabou por ir em direção a um banco que tinha no local e se sentando no mesmo, onde colocou sua bolsa no canto e começou a tirar a grava que estava em seu pescoço, fico observando o mesmo de longe e vejo o mesmo me lançar um breve olhar divertido e apontar para o espaço vazio ao seu lado. – Pode sentar aqui, eu não mordo. – Tento ignorar a piada de duplo sentindo e vou sentar ao seu lado.

 – Seu pai vai me matar, eu vou ser um homem morto. – Falava enquanto olhava para o lado, mas ainda podia sentir o mesmo agora tirando o palito e colocando no mesmo local que estava a sua gravata, em cima da bolsa.

– Não vai não, relaxa... Isso acontece. – Comentou o mesmo em um tom calmo que me dava inveja, será que ele poderia me ensinar a ser assim, calmo até naquele momento, porque se eu encontrasse o cara que roubou meu carro, ele estaria morto. – E ele não precisa saber do que aconteceu.

– Não precisa? – Perguntei surpreso e o mesmo dá de ombros, acabo respirando um pouco aliviado, o carro eu iria conseguir achar, era só ligar para uns amigos que eles saberiam o lugar certo para procurar, mas com o pai dele eu não iria conseguir. – E porque você faria algo assim?

– Porque eu sou legal? – Ele perguntou e eu revirei os olhos e isso fez o mesmo me encarar novamente com aquele típico semblante divertido que parecia que ele não tirava do rosto. – Eu posso pedir um favor para você depois.

– E o que seria? – Perguntei em um tom curioso, não imaginava o que ele poderia pedir.

– Quem sabe você poderia me levar para conhecer a cidade, deve ter alguns lugares novos por aqui. – Stiles falava em um tom calmo, parecendo que a qualquer momento qualquer coisa que ele falasse poderia me deixar bravo, só não entendia o porquê disso.

– Pode ser, te levo para alguns bares. – Eu falei animado, ficando feliz por não ter que contar ao pai dele.

– Estava pensando em um lugar mais calmo, sabe... Mais reservado. – Ele deu de ombro, porem dava para ver que ele estava se divertindo.

– Um lugar calmo? Eu não conheço muitos, mas posso achar um legal. – Tentei pensar e acabo por pedir ajuda para minhas irmãs, vejo o mesmo colocar a mão no meu braço e dar uma piscada para mim e acabo achando um pouco estranho, mas não digo nada.

– Que bom, agora estou nervoso. – Ele brincou, porem acabo olhando para ele se entender e faz o mesmo soltar um riso baixo. – Faz tempo que eu não tenho um encontro. – Ao ouvir o que ele falou, acabo olhando abismado para ele que parece estar se divertindo com a situação.

Como assim encontro? O que ele quis dizer com isso? Eu não estava marcando um encontro com ele? Quer dizer, eu estava? Ele é legal e tudo. Mas eu nunca fui em um encontro com um outro homem, admito que já fiquei atraído por alguns, mas nunca tive coragem de tentar algo.

– Como assim encontro? – Perguntei um pouco chocado e isso fez o mesmo dar de ombros.

– Você acha mesmo que eu iria sair com outro cara sem não ter nada envolvido? Tirando que é difícil não resistir aos seus olhos, belos olhos Derek. – Olho um pouco chocado para ele que soltou uma risada um pouco baixa.

– Você está falando serio? – Voltei a perguntar.

– Dos seus olhos? – Ele perguntou e eu nego.

– Não, estou falando de você estar marcando um encontro, é isso que eu vou ter que fazer para você não contar para o seu pai? – Eu perguntei um pouco bravo, odiava ser chantageado.

– Não, na verdade foi mais como um pedido, se não quiser eu não vou te obrigar. – Stiles falou se aproximando um pouco de mim e eu queria recuar, porem estava um pouco surpreso com isso e nesse momento fiquei um pouco constrangido, eu era mais forte e mais grande que ele, qualquer momento eu poderia afasta-lo, mas eu estava um pouco embreado ao sentir sua respiração batendo em meu rosto. – Eu nunca faria isso, chantagear as pessoas não é comigo.

– Porque acha que eu iria sair para um encontro com você? E porque acha que eu gosto de homens? – Perguntei ainda encarando e logo o mesmo abriu um sorriso malicioso.

– Eu não tinha certeza se você gostava e ainda não tenho, mas eu ganho alguns pontos ao ver que você ainda não se afastou de mim. – Ao dizer isso acabo afastando os nossos rostos que estavam pertos e vejo um biquinho se forma em seu rosto, um biquinho fofo eu devo admitir. – Fui longe de mais, né?

– Sim, muito longe. – Falei em um tom serio, porem solto um suspiro e volto a coçar a barba.

– Ok, me desculpa novamente. – Stiles falava ainda com o biquinho no rosto e acabo concordando. – Porem eu não vou desfazer o pedido, é somente um encontro, pode ser um encontro de amigos... Que tal?

– Eu acho melhor não. – Falei rapidamente e vejo o mesmo revirar os olhos.

– Não é como se eu fosse te atacar, olha para você... Seria impossível, você me desmontaria. – Stiles falou e um tom sincero e eu acabei por rir, o mesmo era engraçado quando queria. – Mas falando serio agora, se você não for, eu vou ficar triste e você não vai querer deixar o filho do seu chefe triste.

– Você é sempre assim? Chantagista? – Perguntei.

– Você ainda não viu nada, melhor aceitar... Se não eu vou usar minhas melhores armas e você não vai conseguir negar.

Ouço um barulho de um carro buzinando e vejo o taxi parado, levanto rapidamente, tentando sair daquela conversa, porem sinto o braço do mesmo me segurando e seu corpo muito perto do meu, sua boca estava perto da minha bochecha, porem ele foi em direção a minha orelha e eu acabo prendendo minha respiração e esperando o que ele iria fazer.

– Eu odeio aceitar um não, sabe, eu fui muito mimado quando era criança... Não consigo aceitar um não, eu admito. – Sussurrava o mesmo e acabo revirando os olhos e me afastando dele, para logo em seguida pegar suas coisas e ir em direção ao taxi que esperava.  – Não adianta fugir, eu disse que não desisto.

Porem acabo soltando uma risada baixa andando em direção ao taxi e um sorriso acaba aparecendo em meus lábios, eu tinha certeza que aquele homem petulante não iria desistir fácil, mas seria divertido ver o que ele iria fazer daqui para frente.

“Acho que vou me divertir com o filho do meu chefe... Só espero que eu não morra, não da para saber o que aquele homem é capaz.”



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...