História Shadow Kiss (Tocada pelas Sombras) por Dimitri Belikov - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Academia de Vampiros (Vampire Academy)
Personagens Adrian Ivashkov, Dimitri Belikov, Personagens Originais, Rosemarie "Rose" Hathaway, Stan Alto, Vasilisa "Lissa" Dragomir
Exibições 10
Palavras 1.405
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 15 - Capítulo 15



Eu toquei no braço de Rose, apontando para a saída.
“Espere, espere!” disse Victor, com o divertimento ainda na sua voz “você ainda não me deu notícias sobre Vasilisa.”
O instinto de proteção que Rose tinha por Lissa a fez voar novamente de encontro às grades da cela “Fique longe dela! Ela não tem nada a ver com isso!” sua voz era furiosa.
O olhar de Victor se tornou seco “Já que eu estou preso aqui, eu não tenho outra escolha a não ser ficar longe dela, minha querida. E você está errada – Vasilisa tem tudo a ver com isso.”
“É isso. É por isso que você mandou aquele bilhete. Você me queria aqui para ter notícias dela e você sabia que ela nunca viria falar com você. Você não tem nada para chantageá-la”
Era isso mesmo, Rose havia matado a charada. Victor estava pretendendo usar o que ele sabia sobre nós para conseguir se aproximar de Lissa. Era uma boa moeda de troca, pelo menos para ele.
“Chantagem é uma palavra feia” ele falou, encenando com se tivesse sido ofendido.
“Não tem jeito de você encontrar com ela – pelo menos não, fora do tribunal. Ela nunca vai lhe curar. Eu disse a você: você vai ficar doente de novo e vai morrer. Você vai me mandar um cartão postal de lá do além.”
“Você acha que é tudo por isso? Você acha que as minhas ambições são assim, tão pequenas?” todo divertimento e sarcasmo desapareceu e a expressão dele se tornou séria e compenetrada, numa febril obstinação, seus olhos se focaram duramente em Rose, e seus lábios se estreitaram perigosamente “você esqueceu de tudo o que eu fiz e porque eu fiz. Você ficou tão presa em sua própria miopia que não consegue ver o horizonte para o qual eu estou olhando.”
Realmente, ele estava certo, eu tinha que admitir isso. Nós fomos tolos em pensar que Victor queria ficar curado de sua doença somente para ter sua bela aparência de volta. Ele queria ter novamente a credibilidade das pessoas. A credibilidade que só pessoas com virilidade tinham, e não pessoas doentes. Ele queria tomar o poder e precisava de saúde para isso. O brilho raivoso no olhar de Rose me dizia que ela tinha chegado a mesma conclusão que eu.
“Você queria as armas para uma revolução - e ainda quer. Isso é loucura. Não vai acontecer.”
“Já está acontecendo. Você acha que eu não sei o que está se passando no mundo? Eu ainda tenho contatos. As pessoas ainda podem ser compradas. Como você acha que eu fui capaz de lhe passar aquela mensagem? Eu sei sobre os desentendimentos – eu sei sobre o emprenho de Natasha Ozera para fazer com que os Morois lutem juntamente com os guardiões. Você a apóia e me torna o vilão, Rosemarie, mas eu lutei pela mesma coisa no outono. Ainda sim, de algum jeito, você parece que não a vê como me vê.”
“Tasha Ozera está trabalhando em sua própria causa, diferente de você.” Eu acrescentei.
“E é por isso que ela não está chegando alugar algum. Tatiana e o conselho real estão presos por séculos de tradições arcaicas. Enquanto este tipo de poder reinas, as coisas não vão mudar. Nunca aprenderemos a lutar. Os Morois que não são da realeza nunca terão voz. E dhampirs como você continuarão sendo mandados para as batalhas.”
“É para isso que dedicamos as nossas vidas.” Falei bruscamente.
Todo aquele discurso dele já estava tirando a minha paciência. Não havia nada de errado em nós sermos mandados para batalhas. Era para isso que treinávamos. Eu tinha muito orgulho em ter um objetivo nobre na vida. Eu ainda estava tentando manter meu controle diante dele, apesar de ser bem difícil. Victor era uma pessoa que sabia bem com tocar diretamente em nossas feridas.
“É para isso que vocês perdem as suas vidas. Vocês não passam de escravos e nem percebem. E para quê? Porque vocês nos protegem?”
“Porque... nós precisamos de vocês, para a nossa raça sobreviver.” Rose falou uma resposta que era, de certa forma, padrão para todos os dhampirs.
“Vocês não precisam se jogar em batalhas para isso. Fazer filhos não é assim tão difícil”
Sob este ponto de vista, eu tinha que admitir que Victor novamente tinha razão. Há muito tempo, os Morois não honravam o compromisso que eles tinham firmado com nós, dhampirs. No final das contas, nós não passávamos de diversão para eles, quando o assunto era a procriação. Raramente um Moroi assumia uma família dhampir. Eu podia dizer que isso era basicamente impossível de acontecer. A causa dele era sim viável, mas os métodos dele eram abobináveis.
“E porque os Morois... os Morois e sua magia são importantes” Rose continuou com a sua linha de raciocínio, sem se importar com o comentário anterior de Victor “eles podem fazer coisas incríveis.”
Victor levantou as suas mãos em exaspero “Nós costumávamos fazer coisas incríveis! Os humanos costumavam nos venerar como deuses! Mas com o tempo, ficamos preguiçosos. A tecnologia fez a nossa magia parecer obsoleta e agora, tudo que fazemos são truques de mágica.”
Eu já estava cansado daquela conversa toda de Victor. Eram apenas conjecturas que nunca passavam do discurso. Eu o olhei perigosamente, transmitindo a minha impaciência por este olhar.
“Se você tem tantas idéias, então faça algo de útil na prisão e escreva um manifesto.”
“E o quê que Lissa tem a ver com tudo isso, de qualquer forma?” Rose perguntou intrigada.
“Porque Vasilisa é o veículo desta mudança.”
“Você acha que ela vai liderar a sua revolução?”
“Bem, eu preferia eu mesmo liderar – algum dia. Mas, independentemente, eu acho que ela irá fazer parte de tudo isso. Ela é uma estrela em ascensão. Ainda jovem, certamente, mas que  as pessoas começando a notar. Todos da realeza não têm a mesma criação, você sabe. O símbolo dos Dragomirs é um dragão. O rei das bestas. Igualmente, o sangue dos Dragomirs sempre foi muito poderoso – é por isso que os Strigois sempre os perseguiram. Um Dragomir retornando ao poder não é algo pequeno, principalmente alguém como ela. Minha impressão, pelos relatórios que recebo, é que ela tem conseguido dominar a sua mágica. Se é assim -  com o dom que ela possui – não temos como dizer o que ela é capaz de fazer. As pessoas são atraídas a ela, sem nem um esforço por parte dela. E quando ela tenta influenciar as pessoas, bem, todos fazem o que ela quer.”
A ambição pelo poder brilhava nos olhos de Victor, enquanto aquelas palavras saíam de sua boca. Sua expressão era maravilhada, diante do deslumbre deste futuro que sua imaginação reservava para Lissa.
“Inacreditável” Rose falou “Primeiro você queria escondê-la para que ela pudesse lhe manter vivo. Agora você a quer diante do mundo, usando a compulsão para os seus planos psicóticos.”
“Eu disse a você. Ela é uma força de mudança. E com você, como sendo sua shadow-kissed, ela se torna a única da sua espécie que conhecemos. Isso a faz ser perigosa -  e muito preciosa.”
“Lissa nunca vai fazer isso. Ela nunca vai abusar de seus poderes.”
“E Victor não vai falar nada sobre nós” eu falei, puxando Rose pelo braço. Aquela conversa já tinha durado tempo demais e já tínhamos chegado ao nosso objetivo. Victor não merecia tanta atenção nossa assim “ele conseguiu seu objetivo, ele lhe atraiu até aqui porque queria ter notícias de Lissa.”
“Ele não descobriu muito” Rose falou.
“Você ficaria surpresa do quanto.” Victor falou para ela e depois se voltou a mim “E o que faz você ter tanta certeza que eu não vou contar ao mundo sobre a indiscrição romântica de vocês dois?”
“Porque isso não vai lhe tirar da cadeia. E se você arruinar Rose, você arruína qualquer mínima chance que tem de Lissa um dia lhe ajudar nessa sua fantasia louca.” Então, eu dei  um passo a frente, me encostando nas barras da cela. Eu sentia que meu instinto de proteção a Rose começava a ferver dentro de mim e que meu autocontrole estava se esvaindo.
A fúria tomava conta dos meus sentidos e eu realmente não sabia responder o que eu era capaz de fazer se ele a machucasse, de qualquer forma que fosse. “E será inútil de qualquer forma, por que você não permanecerá vivo na prisão por tempo suficiente para colocar seus planos em prática. Você não é o único com contatos.”



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...