História Shape Of You - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Visualizações 260
Palavras 3.844
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie, demorei mais postei! Espero que gostem e não deixem de comentar o que estão achando, eu simplesmente adoro ler os comentários hahaha, boa leitura, bjs!

Capítulo 11 - Capitulo 11


Fanfic / Fanfiction Shape Of You - Capítulo 11 - Capitulo 11

 - Maria? - Niall me chamou e eu o encarei. - Você está bem? 

 - Estou sim, só estava pensando. - Dei os ombros.

 - Tem certeza? Não quer sentar? - Neguei enquanto terminava minha cerveja. 

 - Eu estou bem Horan. - Sorri em sua direção. 

 - Ah, estão chamando todo mundo lá na sala. - Charlie disse aparecendo na porta da cozinha. Nossos olhares se encontraram e eu tenho certeza que ele entendeu o recado. 

 - Nós já vamos. - Niall respondeu, Charlie apenas assentiu e saiu. - Foi ele não foi? 

 - O que? 

 - Que te chamou de prostituta. 

 - Como sabe? - Perguntei franzido o cenho. 

 - O olhar que ele te deu, e que você deu pra ele, meio que entregou o jogo. - Ele deu os ombros me entregando outra cerveja. 

 - Idiota bêbado. - Bufei enquanto andávamos até a sala. O primeiro que eu vi foi Shawn, sentando no sofá ao lado de Camila. 

 - Não fale dos bêbados porque foi assim que você conheceu o amor da sua vida. - Ele disse sussurrando. 

 - Eu te mostraria meu dedo do meio, mas sou muito educada. - Disse sorrindo falsamente para ele que apenas riu. 

O pessoal estava cantando. Então era isso o que acontecia num rock de famosos? Eles cantam? 

Quando eu voltar pro Canadá eu preciso fazer meu rock, estilo brasileiro. Aí sim eles vão ver o que é rock de verdade. 

Não me importei se Camila estava se esfregando em Shawn, o mesmo parecia nem perceber, mas ele notou minha presença ali e seu sorriso foi tudo o que eu precisei para esquecer a noite desastrosa com seus amigos. 

Rapidamente ele estava ao meu lado, me abraçando e me enchendo de beijos. 

 - Quem te embebedou? - Perguntei rindo, mas já sabendo a reposta. Como Niall deduziu o negócio com Charlie, eu deduzi o negócio com Camila. 

 - Eu só tomei algumas cervejas. - Ele riu leve. 

 - Com certeza tinha algo mais ali. - Ele me apertou mais forte. - Sem cervejas, apenas água. 

 - Você tá bebendo, porque eu não posso?! - Ele perguntou manhoso.  

 - Porque você já bebeu demais. - Dei os ombros. - E acorda cedo amanhã. Já deveríamos estar a caminho do hotel agora. 

 - Você costumava ser mais legal. - Ele fez bico.

 - Prometo que te recompenso amanhã. - Sussurrei em seu ouvido e o mesmo me encarou com um sorriso sujo. 

 - Devia ouvir ela Shawn, já está na hora. - Niall disse rindo. 

 - Como vocês dois se conheceram? - Shawn perguntou. 

 - Passamos as últimas horas conversando. - Dei os ombros. 

 - Ela é incrível não é? - Shawn comentou com Niall que assentiu. 

 - É bom você cuidar bem dela, porque se não vai ter que se ver comigo. - Tive que rir da cara de bravo que Niall fez. 

 - Essa daqui, eu daria minha vida por ela. - Shawn beijou minha testa e se afastou para poder chamar o restante dos meninos para podermos ir embora. 

 - Se você tinha alguma dúvida de que ele gosta de você, agora você pude sanar todas suas dúvidas. - Niall sussurrou. 

 - O que? 

 - Bêbados sempre falam a verdade Maria. - Ele piscou, abri minha boca várias vezes tentando achar algo para contradizer, mas eu já havia cavado minha cova. 

Não demorou para estamos nos despedindo do pessoal, demorei um pouco para me despedir de Niall que havia pegado meu número, e que queria marcar algo enquanto estávamos em Nova Iorque. Não movi nem um músculo para retribuir o aceno de Camila. 

 - Depois eu preciso conversar com você. - Geoff sussurrou baixinho enquanto caminhávamos. Shawn ia a frente com Tom. 

 - Sobre? - Perguntei. 

 - Relaxa Maria, quando chegarmos no hotel conversamos. - Ele sorriu. Eu sabia que não era algo sério, porquê se fosse, ele não teria sorrido e teria falado na hora. Mas ainda sim, a ansiedade foi grande. 

Fizemos o caminho até o hotel entre risos e conversas, gravamos snaps e eu não me importei se eu apareci ou não, nessa altura do campeonato, não importava mais se eu fosse pública ou não. 

Tom me ajudou a carregar Shawn até o quarto, porque o mesmo estava muito tonto e ele é bem maior do que eu. 

Ajudei Shawn a tirar sua roupa e entrar debaixo do chuveiro. 

 - Você podia tá aqui comigo. - Ele disse rindo enquanto passava a mão pelo cabelo. 

 - Eu estou bem confortável aqui. - Dei os ombros e me encostei na parede. - Além do mais, a última vez que tentamos fazer isso, gastamos mais água do que o normal. 

 - Porque você sempre pensa no planeta? - Se bem que era bem tentador, Shawn pelado, molhado. A visão perfeita do meu inferno. 

 - Por que sem ele nós não existiríamos. - Dei os ombros. 

 - E eu não teria conhecido a mulher dos meus sonhos. - Ele desligou o registro e abriu a porta do box esperando pela toalha. 

 - E eu não teria essa visão. - Disse enquanto percorria todo corpo dele com os olhos. Shawn estava sóbrio agora, assim como eu. 

 - Eu sei que você quer Maria. - Ele disse sorrindo. Eu quero, e quero muito cair de boca ali. 

 - Quer saber, foda-se. - Puxei o vestido para cima e o joguei em um canto, assim como Shawn jogou a toalha em cima da privada. 

Me inclinei sobre ele enquanto beijava o mesmo, suas mãos trabalhavam para abrir o fecho do meu sutiã, enquanto eu abaixava minha calcinha. Fizemos isso hoje de manhã e estamos fazendo de novo e posso fazer isso amanhã, depois de amanhã, para todo sempre, durante todos dias da minha vida. E eu não sou ninfomaníaca. 

Os beijos dele desceram pelo meu colo enquanto eu sentia suas mãos apertarem minha cintura. Sua língua brincava com o bico do meu peito esquerdo, enquanto massageava o outro. Deixei que pequenos gemidos escapassem dos meus lábios. 

Ele mordia, chupava e lambia. Me levava a loucura apenas com a língua nos meus seios. Grudei minhas mãos em seu cabelo e deixei ali. Seu rosto estava vermelho quando ele me encarou, sua boca também estava e seu olhar estava tonto.

 - Você é linda demais. - Ele sussurrou antes de me beijar. Colou ainda mais nossos corpos quando a água caiu sobre nós. Desci meus beijos pelo seu pescoço, por seu tronco em toda sua extensão 

Minha mão tocou seu membro duro e eu ouvi ele arfar em resposta. Segurei firme, comecei a tocar uma punheta rápida, e ele gemeu mais ainda, coloquei a língua em cima das bolas dele e fui subindo devagar até a pontinha da cabeça, quando cheguei lá, abri a boca e desci chupando todo o pau de Shawn.

- Puta que Pariu! – Gemeu ele baixinho.

Continuei a subir e descer minha boca bem devagar pela extensão do pau dele. Era a primeira vez que eu o ouvia ele xingar durante o sexo, e por Deus, quero ouvir isso sempre. Continuei chupando seu membro por alguns minutos, minha boca fazia movimentos de vai e vem enquanto eu ouvi Shawn emitir pequenos gemidos que me incentiva a ir cada vez mais rápido. - Eu..eu vou gozar. - Ele disse suspirando fundo. Acelerei meus movimentos, até sentir seu gozo preencher minha boca. Como uma boa garota, engoli tudo e voltei subindo com um lindo sorriso no rosto. - Que Deus continue abençoando seu dom. - Ele disse antes me de puxar para um beijo. Grudei minhas pernas em volta da sua cintura e logo pude sentir o membro de Shawn me penetrando lentamente.

Cafajeste.

 - Pede. - Ele sussurrou enquanto mordia meu pescoço.

 - Shawn... - Arfei. Eu queria ele dentro de mim, e ele sabia disso. 

 - Pede. - Ele repetiu. - É só pedir Maria. - Ele beijou meu pescoço. 

 - Me fode. - Suspirei. 

Prontamente Shawn atendeu meu pedido me penetrando de uma vez só. Eu quis gritar, mas me contive. Ele fez isso mais duas vezes só para me ver contorcendo em cima dele. Seus movimentos ganharam velocidade e a cada investida, eu sentia ele ainda mais perto de mim. Dessa vez não me importei em cravar as unhas no ombro dele, ele também não se importou em deixar mordidas no meu pescoço. 

Como naquela noite em que nos conhecemos, nossos olhos se encontraram por um instante e Shawn disse as mesmas palavras. 

 - Maria, eu quero que você goze junto comigo. - Ele disse suspirando. Apenas assenti enquanto tentava inutilmente beija-lo. Não demorou para que nossos corpos começassem a dar sinal de que iríamos chegar ao nosso orgasmo. 

O som que saiu da boca dele foi o suficiente para que eu me deixasse cair sobre seu tronco exausta. - Feliz dois meses de amizade. - Ele sussurrou beijando minha testa. 

 

Era a terceira vez que eu ligava para a Marina e a mesma não me atendia. Eu já estava ficando puta com isso. 

 - Ah, Maria, será que podemos conversar agora? - Geoff me chamou e eu virei para encara-lo. 

 - Claro. - Sorri. Acompanhei ele até o camarim de Shawn, esse que estava vazio, já que o mesmo estava tirando fotos com as fãs. - Então, do que se trata? 

 - Ontem na festa, o que aconteceu entre você e Charlie? - Ele perguntou se sentando e eu apenas Suspirei. 

 - Nada, porque? Ele falou alguma coisa? - Perguntei enquanto pegava uma garrafinha de água. 

 - Ele veio com um papo estranho dizendo que você era problema e que devíamos afastar Shawn de você. - Ele deu os ombros. - Óbvio que ele estava bêbado e tudo mais, mas ele realmente parecia acreditar no que estava dizendo. 

 - Eu estava conversando com Shawn quando ele me chamou para ir num lugar que ele não falou onde. - Disse enquanto me sentava ao lado dele. - Quando percebi que ele estava me levando para um quarto eu parei e perguntei porque ele estava fazendo isso, aí ele disse que a Camila disse que eu era a prostituta que estava acompanhado Shawn. 

 - Espera, deixa eu ver se entendi. - Ele disse se virando para mim. - A Camilla disse pro Charlie que você era prostituta?  

 - Foi o que ele disse. - Dei os ombros. - Aí eu disse que não estava trabalhando naquela noite e sai indo pra cozinha. 

 - Onde você ficou a noite toda praticamente. - Ele assentiu. 

 - Eu fiquei conversando com o Niall. - Sorri. 

 - Eu ainda não acredito que ele fez isso, muito menos a Camila. Tudo bem que todos sabemos que ela tem uma queda pelo Shawn, mas isso foi baixo. - Ele disse encarando o nada. 

 - Eu não ligo pra isso Geoff, com o tempo eu aprendi a ignorar isso. - Dei os ombros. - Só não conta para o Shawn, não quero que ele brigue por isso. 

 - Eu não vou, mas pode deixar que eu vou me entender com o Charlie depois. - Ele disse se levantando. 

 - Vocês homens. - Revirei os olhos. 

 - Temos que proteger você. - Ele deu os ombros. - E agora eu preciso ir, nos vemos mais tarde. - Joguei um beijo no ar pra ele e continuei a tomar minha água até ouvir meu celular tocar. 

 - Oi, tudo bem? - Era Mari. 

 - Oi, tudo. - A respondi. - Eu posso fazer uma pergunta? 

 - Pode, o que foi? 

 - Você tá grávida? - O silêncio do outro lado foi a confirmação das minhas duvidas. Marina estava realmente grávida. - Pode falar, eu não vou brigar. 

 - Clara

 - Caralho Marina! - Disparei. - Você achou que poderia me enganar?! 

 - Eu ia contar, quando você viesse para o casamento, não queria falar por telefone. - Ela disse visivelmente triste. 

 - Agora tudo faz sentindo, seu pai nunca aceitaria que você casasse com o Okita só porque vocês se gostam ou porque sua mãe deu a ideia. - Suspirei. - Eu preciso voltar Mari

 - Não, você não vai voltar! - Ela me cortou. - A paty tá me ajudando e eu já ouvi sermões demais e não quero ouvir o seu, então fique onde está e aproveite sua viagem. Eu estou bem. 

 - Você está de quantos meses? - Perguntei. 

 - Quatro. - Ela suspirou. Então ela já sabia antes mesmo de Shawn sugerir que eu viajasse com ele. Niall estava certo no final das contas, ela não me contou porque sabia que eu eu não iria se ela estivesse grávida. - Desculpa por não ter contado antes, eu sabia que você não viajaria se eu contasse, então preferi manter em segredo. 

 - Eu deveria estar aí Mari. Com você, com essa criança que está dentro de você. - Ela suspirou e eu também. - Eu sei que todo mundo da família já deve ter dado o sermão, mas eu preciso. Você sabe que eu nunca fui de ficar em cima de você, mas eu estava sempre lembrando de usar camisinha e tomar a pílula, e você sempre disse que estava tudo normal. 

 - Eu sei, eu vacilei. - Pude ver ela dar os ombros. 

 - Mas enfim, o erro já foi feito, vamos conviver com isso. - Dei os ombros. - O importante agora é você e essa criança. Como o Okita tá? 

 - Ele tá feliz, mas tá preocupado também. - Ela riu. - Mas está tudo bem, semana que vem eu vou fazer um ultrassom para ver o sexo e como você e o Shawn são os padrinhos, vocês iram ser os primeiros a saber. 

 - Meu bebê vai ter um bebê. - É lindo e preocupante ao mesmo tempo. 

 - Para com isso, eu estou muito emotiva ultimamente. - Ela disse chorosa e eu gargalhei. 

 - Gravidez minha amiga. - Suspirei. - Agora me conta como foi. - Fiz Marina me contar todos os detalhes, desde de quando ela descobriu, até como ela contou para seu pai. Prometi a ela que sempre estaria à disposição para o que ela precisasse e se caso acontecesse alguma coisa, eu não pensaria duas vezes antes de voltar pro Canadá. 

Contei a ela meus primeiros dias viajando com Shawn. Da nossa briga em Los Angels, de como eu conheci a Devon e os meninos, contei também do Niall, que fora ela quem havia me falado da possível gravidez. Ficamos quase uma hora no telefone, e foi bom falar com ela novamente. Eu sei que não é como falar pessoalmente, mas fez bem pra matar a saudade por um tempo. 

Ainda tínhamos algumas horas antes de começar o show, e assim que eu desliguei o telefone, Shawn entrou sorrindo. 

 - O que fez você ficar tão feliz? - Perguntei. 

 - Te ver. - Ele disse se jogando no sofá com a cabeça no meu colo. 

 - Mas você já veio sorrindo. - Indaguei. 

 - O pensamento que eu ia ver você. - Ele deu os ombros sorrindo. Minhas mãos automaticamente foram parar no segundo cabelo fazendo carinho. 

 - Parece que você vai ser titio. - Sussurrei e ele abriu os olhos me encarando. 

 - Como assim? - Ele perguntou se levantando. 

 - A Marina tá grávida. - Ele ficou em silêncio e a cara que ele fez foi impagável. 

 - Mentira. 

 - Eu estava com ela no telefone agora a pouco. - Dei os ombros. - Quatro meses. 

 - Isso é bom?! - Ele fez careta. 

 - Não, mas não podemos fazer nada. - Dei os ombros. 

 - Porque não é bom? - Ele perguntou voltando a se deitar no meu colo. 

 - Porque agora vamos ser quatro morando numa casa de dois quartos alugada. - Suspirei. - Você sabe o tamanho da minha casa, cabe mal eu e a Marina com o Okita, vai caber um bebê aonde?! 

 - Você pode vir morar comigo. - Engasguei com a fala dele. - Assim eles poderiam fazer o quarto do bebê e sobraria espaço para eles. 

 - As vezes eu acho que você é louco. - Fiz uma careta e Shawn riu. 

 - Porque? Só porque eu disse pra você vir morar comigo? Eu não estou brincando. - Ele deu o ombros. 

 - Shawn, isso já é abuso. - O olhei em reprovação. Morar com ele já é uma coisa bem absurda, o menino está me levando numa viajem pelo globo, e agora fala que quer que eu more com ele. - E eu não tenho emprego para ajudar com as despesas. 

 - Maria, eu mal paro em casa. Seria só você, e eu sei que sua tia te manda dinheiro pra ajudar com as despesas da sua casa. - Ele me encarou. - O Okita trabalha, a Mari ganha dinheiro dos pais para poder te ajudar, da certo você vir morar comigo. 

 - Mas ainda temos o aluguel, não posso deixar eles pagando sozinhos. - Dei os ombros. 

 - A gente compra a casa, simples assim. - Simples assim, não vejo nada simples nisso.  

 - Me diz, em qual parte de não temos emprego você não entendeu?! - Ele revirou os olhos. 

 - Eu posso dar meus jeitos amor. - Ele riu sacana. 

 - Você não vai comprar a casa Shawn Mendes. - Sibilei e ele apenas riu. 

 - Tudo bem. - Ele deu os ombros voltando a fechar os olhos. 

 - Ah, e nós vamos ser os padrinhos da criança, assim como você vai ser padrinho do Okita. - Ele sorriu concordando. A Mari tá grávida. Preciso mandar mensagem para o Niall. 

Dessa vez eu participei da rodinha antes do show começar e assim que Shawn subiu no palco eu já estava sentada no meu lugar onde era reservado especialmente para mim. 

Agora eu sabia as musicas, todas elas. Mesmo as que não eram cantadas, agir eu podia gritar cada palavra com todo meu ser e também podia olhar maravilhas para Shawn enquanto o mesmo cantava. Acho que nunca vou me cansar de dizer que eu amo ver ele cantar, ver ele tocar, falar. Eu amo cada pedacinho dele. Amo cada palavra que sai da boca dele. Eu amo ele na verdade. Dois meses pode ser muito pouco para poder dizer que ama alguém, mas foda-se, eu amo ele. 

Amo e acho que sempre vou amar. 

Eu sempre tive essa coisa de acreditar que tudo acontece por algum motivo, para que algo maior possa acontecer. Já disso isso antes, enquanto observava o por do sol na sacada de Devon. 

Tudo o que acontecia de ruim comigo, mesmo nos meus dias mais escuros, eu podia sentir uma vozinha dentro da minha cabeça dizendo que um dia isso serviria para algo maior.

Na verdade eu torcia secretamente para que isso fosse verdade. Eu sempre tentei achar segredos nas coisas simples da vida. Como quando meu primeiro ficante terminou comigo, eu passei o primeiro meses achando que aquilo era algo maior. Tá, talvez eu tenha sido trouxa nesse quesito. Mas eu dizia pra mim mesma todas as vezes que minha mãe chegava bêbada em casa, que de alguma forma, a vida iria me recompensar por todo aquele sofrimento. 

E hoje eu sei como ela me recompensou. 

Hoje eu tenho Shawn, e ele é tudo o que eu sempre quis, tudo o que eu procurei em outros meninos, mas eu só fui achar nele. Talvez se eu nunca tivesse aceitado a bolsa, eu ainda estaria procurando por alguém como ele. 

Eu amo Shawn pela pessoa que ele é. Pela pessoa que eu vejo de cara amassada todos os dias de manhã. Pela pessoa que me abraça sem se importar se eu estou suada. Pela pessoa que me trata como se eu fosse a única garota que ele vai amar em toda sua vida. O amo por todas as vezes em que eu olhei para ele e pude ver seus olhos brilharem enquanto me encarava. 

Eu o amo por isso. 

 

 - Aonde vamos? - Perguntei pela milésima vez enquanto andávamos por uma rua deserta. 

 - Para de perguntar e vem comigo. - Ele disse me puxando. Depois que o show terminou e nós arrumamos tudo, Shawn disse que iríamos sair, só não disse para onde iríamos. 

 - Eu tô com sono. - Resmunguei e recebi um soco no braço. - Aí! 

 - Para de resmungar, estamos quase lá! - Ele revirou os olhos. Bufei e continuei andando, as casas iam diminuindo, até que tudo o que eu via era um campo verde, apesar da luz fraca vindo da lua, eu podia ver algumas flores por ali. 

 - Onde estamos? - Perguntei enquanto olhava ao redor. Não tinha barulho, nem de carros, sirenes, pessoas, nada. Apenas o barulho da natureza. 

 - Essa é um parte do Central Park, que quase ninguém sabe que existe. - Ele disse enquanto me puxava para sentar ao seu lado. 

 - Não é meio ilegal estarmos aqui nessa hora? - Perguntei arqueando a sobrancelha. 

 - Ainda bem que você é advogada. - Ele sorriu presunçoso.

 - Estudante. - O corrigi. - Seu pai estava certo, você só se mete em enrascadas. 

 - O que é da vida sem um pouco de perigo Maria? - Ele perguntou rindo. 

 - Ah, uma vida normal?! 

 - E desde de quando você quer uma vida normal?! - Idiota. Não respondi, fixei meu olhar nas flores a alguns metros de mim. 

Ficamos naquele silêncio por alguns minutos, ate Shawn quebrar o mesmo. 

 - Então, andei pensando muito em você. 

 - Jura?! - Perguntei rindo. 

 - Posso continuar?! - Ele perguntou com a cara de tacho e eu apenas assenti. - E cheguei a conclusão de que não quero ser somente seu amigo, quero ser seu namorado, - O encarei. - seu melhor amigo, seu amor, seu companheiro e acima de tudo, seu futuro esposo. - Meu peito subiu rápido demais e eu senti que poderia cair a qualquer hora, mesmo estando sentada. - Acordo pensando em você, pensando no quão maravilhoso seria, abrir os olhos e ver você ao meu lado, e eu simplesmente admirando você dormindo. E depois ouvir seu bom dia, com uma voz maravilhosa. - Minha respiração falhou, ele agora me encarava. Sorrindo. - E eu simplesmente iria sorrir olhando pra você, e sem você esperar, iria cantar a nossa música. - Depois de algum tempo If I Get High, passou a ser nossa música, porque foi ao som dela que demos o nosso primeiro beijo. - Ser feliz com você é minha grande missão. Quero viver todos meus sonhos ao seu lado, eu não te chamei pra essa viajem só porque eu não queria ficar sem você, eu te chamei porque você me faz tão bem, que não há explicação, só sei que, o que eu sinto por você é verdadeiro e quero que um dia se torne uma realidade. - Eu já chorava, e eu não me importei em esconder isso e também deixava que o sorriso bobo brincassem em meus lábios. - Então, diz pra mim, aceita ser minha felicidade?

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, e não deixem de comentar o que estão achando desse casal, até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...