História Shapeshifters -Got7 Jaebum - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Got7, Lily Collins, Mamamoo, Monsta X, TWICE
Personagens BamBam, Chanyeol, Hwasa, Hyung Won, I'M, Jackson, JB, Jinyoung, Joo Heon, Ki Hyun, Lily Collins, Mark, Min Hyuk, Moonbyul, Sana, Show Nu, Solar, Wheein, Won Ho, Youngjae, Yugyeom
Tags Aventura, Bambam, Chanyeol, Exo, Fanfic, Fênix, Ficção, Got7, Jackson, Jaebum, Jinyoung, Kpop, Lily Collins, Lobisomem, Mark, Monsta X, Romance, Sana, Sex, Sexo, Smut, Sobrenatural, Twice, Vampiro, Violencia, Youngjae, Yugyeom
Exibições 48
Palavras 2.590
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - Summer day


Fanfic / Fanfiction Shapeshifters -Got7 Jaebum - Capítulo 20 - Summer day

Ultimo dia do verão

-Talvez um dia você entenda. 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

São cinco da manhã quando Sky abre os olhos, puxando o ar e inflando os pulmões com o som horrendo do corpo exigindo oxigênio em grande quantidade. Desesperada, ela se inclina para o lado com a força que tem e vomita sobre o pé da cama. 

O mesmo som de sono sendo interrompido subitamente vem do outro lado da cama e em poucos segundos mãos fortes seguram os ombros trêmulos da menina enquanto ela tenta voltar a se deitar. 

-Calma, devagar. -Instrui a voz grave e rouca de Jaebum a sua nuca enquanto ele a deita outra vez sobre o travesseiro. 

-O que... -"O que está fazendo aqui?" Quer perguntar mas a fraqueza e a tontura do esforço sufocam as palavras em sua garganta dolorida. 

-Você parecia estar tendo pesadelos depois de desmaiar e eu achei melhor ficar aqui. -Ele aponta a cadeira de madeira do lado da cama, onde provavelmente passou a noite.

Ela fecha os olhos e não responde, ele continua se mexendo pelo quarto, vai até o banheiro algumas vezes e quando está curiosa o suficiente ela volta sua atenção a ele. 

-Acho que você merece um banho agora que está acordada. -Seu tom é calmo mas ela consegue sentir a preocupação emanando dele, ela segue o olhar do homem para descobrir que suas mãos ainda estão cheias de sangue das unhas quebradas e cortes que se causou em seu esforço de sair do quarto. 

Ela balança a cabeça, claramente não tem força o bastante para ir até o banheiro, muito menos pra se manter de pé por todo um banho. 

Inesperadamente as mãos de Jaebum se esticam, uma passando por sua nuca e a outra pela parte de trás dos seus joelhos, ele a levanta como se ela fosse uma pluma e caminha para o banheiro, lá ele murmuria algumas coisas sobre uma banheira e da meia volta, saindo do quarto. 

Sky não consegue processar muito menos impedir as ações do mais velho, apenas se concentra em não permitir que o mundo ao seu redor volte a girar. 

-Como está se sentindo? -Ele sussurra para não acordar as demais pessoas na casa, e porque a proximidade os permite falar baixo.

-Como se eu estivesse morrendo. -Ela sussurra de volta, um traço de humor na voz, a garganta está raspada pela falta do uso e estranha aos próprios ouvidos. 

Jaebum a encosta na lateral do corpo, segurando apenas com um dos braços para livrar uma das mãos, esquecendo-se da força sobrenatural do homem, Sky se agarra com os dedos fracos ao casaco dele, com medo de cair, em troca recebe um sussurro calmo. 

-Não vou te derrubar. -Ele não precisou olha-la mas sentiu os músculos da menina relaxando acima dos seus, eles entram numa ala em que Sky nunca esteve e ele abre a primeira porta do corredor. 

O cheiro a atinge antes de qualquer outra coisa. 

Algo mentolado, com uma mistura de bergamota e chuva, um cheiro tão característico que ela não pensa duas vezes em usar a oportunidade para esquadrinhar o quarto com os olhos. 

É muito maior do que todos os outros, o que a leva a pensar que inicialmente não era um quarto e sim uma sala ou algo do tipo quando o prédio ainda era um hospital. O chão liso e brilhante está apinhado de metal e madeira aqui e ali de máquinas e outras coisas que foram desmontadas mas parece vazio e limpo, muito diferente do que ela esperou que fosse o quarto de Jaebum.

Não tão surpreendentemente, ela nota que não há decoração, como um quarto que não se tem a intenção de manter por muito tempo. 

Se estivesse mais forte faria algum comentário sobre isso e ele responderia grosseiramente ou com uma provocação, mas antes que possa tentar seu pescoço tenso desiste de suportar sua postura e sua cabeça descansa molemente contra o braço que voltou a suporta-la. 

-Só mais um pouco.-Ele garante e vai para o banheiro.

Quando ele acende a luz branca Sky grunhe e fecha os olhos, sensível a claridade, ele se apressa em desligar o interruptor e opta por ligar as luzes do espelho, que não iluminam o cômodo todo mas são amarelas e mais confortáveis. 

Jaebum a senta no vaso e pede que ela espere. 

Enquanto ele não volta ela testa os próprios músculos. Consegue se mover mas todos os movimentos trazem pontos negros pra sua visão e ela sente a cabeça doer. 

Ele está de volta antes do esperado, com sua escova de dentes e uma camiseta preta. Jaebum tira o moletom que está vestindo pra revelar uma camiseta cinza de mangas cumpridas, estão no ultimo dia do verão e ela se pergunta porque ele não esta com calor, quando a mão dele se estica para checar sua temperatura ela se retrai com o toque frio. 

-Suas mãos estão congelando! -Ela sussurra, preocupada.

Ele não a encara diretamente enquanto afasta as mangas para os cotovelos e prepara a escova de dentes com pasta. 

-Não se preocupe comigo Sky. -Soa mais como uma ordem do que uma afirmação de que as coisas estão bem mas antes que ela proteste ele está agachado a sua altura. -Você consegue fazer sozinha? -Estende a escova para ela, Sky tenta levantar os braços mas eles pesam uma tonelada em seu colo. -Não tem problema. -Ele garante enquanto se aproxima ainda mais e segura seu queixo com a outra mão. 

Delicadamente ele escova seus dentes, ela o encara o tempo todo e com o olhar dela queimando seu rosto, ele se mentém concentrado na tarefa para não tornar o momento constrangedor para nenhum deles. 

Quando acaba ele se levanta para ligar a banheira e preparar água quente. 

-Vou esquentar um pouco de comida, desligue a água quando a banheira encher. -Ele pede e a ajuda a se sentar ao lado da banheira. 

Ele some e Sky usa seu tempo sozinha para observar todos os detalhes. 

Ela percebe a parede do lado oposto pela primeira vez, a tinta branca está lascada e caiu em alguns lugares com as enormes marcas de garras que cobrem toda a superfície, aqui e ali a parede está rachada e afundada como se objetos pesados tivessem sido jogados contra ela, a janela encima da banheira está quebrada. 

Enquanto ela imagina as crises que Jaebum teve sozinho, ela se pergunta como se parece o quarto do homem na outra casa, se em algumas semanas ele pôde fazer tudo isso, um quarto que ele teve por muito tempo...

Ela desliga a torneira ao ver que o nível da água está bom, vapor agradável sobe rodopiando pelo cômodo e cobrindo o espelho de vapor. 

A porta se abre e tira um pouco do calor, Jaebum se aproxima com uma bandeja que ele descansa no chão ao lado dela. 

-Vamos preparar você antes que a água esfrie. -Ele murmura e passa a camiseta preta sobre a cabeça da menina para tampar a sua branca, ela sente o cheiro de bergamota e percebe que é uma camiseta dele, engolindo seu corpo pequeno e sobrando como um vestido. Ele segura seus pulsos e passa braços dela ao redor do seu pescoço para que consiga pega-la no colo outra vez. 

Com cuidado ele a coloca na água, tão devagar que ela sente como se estivesse mergulhando em um sonho a medida que os músculos relaxam com o calor. 

Sem dizer uma palavra ele se senta ao lado dela no chão e mexe a sopa alaranjada e cheirosa com a colher antes de pegar um tanto de uma das bordas e estender em direção a menina. 

É a segunda vez que ele a alimenta, ela pensa enquanto abre a boca e se deixa ser tratada. Ela nunca parou pra pensar em como se importava ou em como eles estão constantemente gravitando um ao redor do outro sem nunca dizer nada ou sequer perceber que é isso que estão fazendo. 

Agora, enquanto ele tira o cabelo molhado do rosto dela com cuidado e leva mais uma colherada de sopa quente a sua boca, ela mal se lembra do homem com um constante ar de descaso, perseguindo-a nos seus pesadelos. 

O que parecem horas depois ela reúne forças pra falar.

-Por que está fazendo tudo isso? -A voz dela sai um pouco mais firme agora que o seu corpo dói menos, seus olhos se encontram pela primeira vez. 

-Porque eu não menti quando disse que você foi a melhor coisa que me aconteceu Sky... Aquela luta... Eu fui um idiota, eu fui um homem ruim, eu fui um lobisomem desleal, merda, eu fui um líder horrível, eu fui tudo o que eu mais odeio no universo no único momento que eu não podia errar e pensar que eu não poderia nunca consertar... -Jaebum de repente está sem folego com o nó que se forma na sua garganta, Sky nunca o viu sendo tão expressivo, é como se pela primeira vez ela pudesse ver a pessoa por baixo de todas as proteções que ele construiu pra si mesmo. 

-Você não...

-Só de pensar Sky... Só de pensar que minha alcateia poderia estar morta agora, só de pensar que eu poderia ter tirado a vida de todas essas pessoas por um erro... Eu nunca me imaginei dizendo isso mas eu não tenho como te agradecer por estar aqui, por ter feito o que fez Sky, eu não tenho. -o peito dele treme e ele descansa o prato vazio no chão ao seu lado. -Mas eu posso começar te explicando tudo o que você quiser saber. 

É uma proposta mais do que interessante e os ouvidos dela estalam. 

Por mais de seis meses tudo o que a menina vem vivendo são segredos, segredos e mistérios e informações quebradas porque não pode receber a explicação completa e agora tem a chance de finalmente saber. 

-O que aconteceu com o garoto, o mensageiro?

Os olhos dele escurecem, ele realmente não quer contar a ela o que aconteceu porque ele não quer ver mais uma vez a decepção nos olhos dela mas decide que não pode mentir, não mais, nunca mais. 

-Eu o matei. 

Silêncio. 

-Ele conseguiu se soltar numa noite e atacou uma das guerreiras, quando eu cheguei lá ele estava prestes a enfiar uma faca de prata no peito dela. 

As imagens assustadoras passam pela mente de Sky e ela fecha os olhos com força. 

-Por que eu não posso entrar na sala da lareira?

Outra vez silêncio. 

-Porque aquela sala esta cheia com a minha vida. -Ele admite com o peito doendo. -Antes de tudo isso, minha família, meus planos, tudo o que eu passei... -Ele respira fundo. -E eu não deixei ninguém entrar naquele lugar porque qualquer um que gostaria de saber de uma fraqueza minha só precisaria dar dois passos para dentro.

-Quem era Elijah? -Ela mal deixa que ele acabe antes que as palavras saltem pra fora com a ansiedade ao ver que ele está respondendo sinceramente. 

Um suspiro longo ecoa em seguida, a água da banheira faz um barulho agradável a cada pequeno movimento. 

-Sky, quando eu era criança eu vivia com a minha família no casarão do outro lado da floresta, meu pai era o dono do lugar e ele era muito, muito respeitado, sua alcateia era a maior da região, talvez do estado e ele era um líder incrível. 

Jaebum passa a mão pelo cabelo, jogando-o pra trás e a olhando novamente. 

-Ele e minha mãe eram lobisomens fortes e tiveram a mim e as minhas irmãs, o que era quase impossível porque lobisomens geralmente não podem ter filhos então lobisomens verdadeiros como eu e minhas irmãs eram muito raros, são muito raros. -Corrige. -Muitas lendas nos rodeavam, ninguém sabia ao certo o que nos tornaríamos mas as alcateias vizinhas sabiam que não seria bom. 

Ela tenta imaginar Jaebum como um criança no casarão, correndo com suas irmãs pelo jardim, brincando no lago e se escondendo nos cantos escuros dos corredores. 

-Um dia uma alcateia próxima começou a crescer demais, o restante das alcateias estavam em relativa paz e acharam estranho o movimento, mesmo assim não fizeram nada, o líder era jovem e assumiram que queria aumentar seu bando para ostentar... -Seu tom morre um pouco. -Alguns meses depois meu pai recebeu uma carta com o desafio de Elijah, a alcateia dele era uma piada, mesmo que crescendo, pelo que sabíamos, então meu pai aceitou.

De repente as sobrancelhas do alfa ficam tensas como se as lembranças fossem dolorosas. 

-O que Elijah fez foi aparecer uma noite antes com uma alcateia com o dobro de pessoas que esperávamos, ele nos atacou enquanto tínhamos a guarda baixa e matou meus pais enquanto dormiam. 

A respiração fica presa no peito de Sky, a água não faz um barulho sequer porque não há movimento algum. 

-Como não houve desafio, nós ficamos a mercê dele e ele não poupou ninguém. -Ele balança a cabeça, fechando os olhos. -Eu tinha oito anos na época e era o caçula, tudo o que eu pude fazer foi assistir chorando enquanto ele matava minhas duas irmãs, assisti enquanto ria do sangue dos meus pais e permitia que sua alcateia... -Jaebum precisa parar de falar porque se sente prestes a vomitar com as lembranças, seus olhos estão vermelhos e é tão doloroso que ela quer implorar pra que ele pare. -Que seus guerreiros estuprassem minha irmã de doze anos junto com as outras mulheres...

O garoto na sua imaginação morre, não há mais risadas e inocência em seu rosto, e sim a dor dilacerante de uma criança que assiste sua vida ruir.

Sky não aguenta mais, mesmo com todo o corpo protestando, se lança para o lado da banheira e o abraça com força. 

Assim que a sua mão encontra a nuca dele o sentimento se despeja sobre ela como se ela estivesse drenando toda a dor para si e em segundos ela soluça horrivelmente contra o pescoço dele. 

Jaebum também sente, sente a dor deixando o seu corpo em ondas e ele se acalma até conseguir respirar outra vez e a afasta delicadamente. 

Os olhos castanhos dela se prendem aos pretos dele e com a cabeça enevoada ela se inclina mais para frente. 

Seus lábios se encontram, nada mais do que um leve encostar e o peito dele treme sob as mãos dela e ele deixa todo o ar sair do seu corpo pesadamente e sentindo o gosto salgado das lágrimas dela e se inclina de volta para aprofundar o encostar e transforma-lo em um beijo de verdade.  

Sem ar nos pulmões, tanto pelo choque quanto pelo nervosismo, ela se afasta, olhos arregalados, cabelo molhado emoldurando o rosto pálido e lábios inchados.

Os olhos dele viajam para aquele ponto, vidrados e não há resistência alguma quando ele a puxa de volta para os seus lábios com uma das mãos firmes em sua nuca. 

Enquanto isso do lado de fora a casa lentamente acorda de uma manhã de sono longo a medida que o sol sobe no céu.

Tudo o que se pode ouvir no banheiro é a água escorrendo para fora da banheira e se derramando sobre o chão assim como os sons que vêm dos beijos que parecem não acabar mais. 

Outra vez, eles não estão dizendo nada, mas estão gravitando seu redor.

Cuidando um do outro como podem. 

E não sentem qualquer pressa em parar até que a água esteja fria e o dia do lado de fora esteja quente e pronto para um ultimo dia de verão. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...