História Sharp Edges - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Haikyuu!!
Visualizações 55
Palavras 2.131
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aproveitem a leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


A temporada de chuvas havia chegado e com ela a tristeza de todo um clube de natação. Diferente de outros colégios por aí, Karasuno não possuía piscina coberta, então qualquer tempo ruim era motivo para todo mundo ficar na sala do clube, reclamando e só esperando o tempo passar, acreditando que a chuva desapareceria no outro dia.

E era exatamente o que acontecia naquele momento. Uma chuva torrencial caía do lado de fora e todos os meninos estavam reunidos na sala do clube, tentando não entrar em desespero por não poderem nadar.

- Ah, quando é que essa chuva vai passar? – Hinata reclamava com uma voz birrenta, abrindo uma caixinha de suco para beber. – Eu quero nadar.

- Todos nós queremos – respondeu Daichi, o capitão do clube.

Um silêncio chato se formou até que Kageyama resolveu puxar assunto:

- Vocês sabiam que pra escapar da chuva é útil entrar num rio ou lago? Deve ser o mesmo com as piscinas.

O ruivo arqueou as sobrancelhas e começou a rir desesperadamente, ainda com suco na boca.

- O que foi, seu idiota? Por que está rindo? Eu li isso numa revista informativa!

Houve um momento em que Hinata ria tanto que o suco começou a sair por seu nariz, tamanha era a graça que ele havia achado na afirmação de Kageyama.

- Quem você tá chamando de idiota? Qual o sentido de se esconder da chuva num lugar mais molhado ainda?

Tobio se levantou de sua cadeira e avançou contra o ruivo, puxando suas orelhas. Pra quem era de fora, era como se estivessem brigando, mas para todos os presentes, aquele tipo de cena era mais que normal. Ninguém se incomodava. Nem mesmo Tsukishima, que era de longe o mais ranzinza da equipe.

De repente, alguém escancarou a porta e todos levaram um susto. Era só o conselheiro do clube, Takeda sensei. Pela expressão em seu rosto, era como se ele tivesse uma ótima notícia para dar. Ele entrou na sala correndo, com alguns papéis em mãos, enquanto todos olhavam curiosos para ele.

- Pessoal – ele disse como se logo fosse anunciar algo. – Ukai-san me mandou por telefone as escalações para o campeonato estudantil!

As palavras do conselheiro foram como mágica. Todos os meninos ficaram eufóricos, estavam esperando pelas escalações há semanas, mas o silêncio foi geral, a atenção de todos estava no conselheiro.

- Como vocês devem estar sabendo, as provas desse ano são focadas apenas em nado livre e vocês treinaram o máximo que puderam durante todo esse tempo. Sabemos que todos vocês estão preparados e, por favor, se algum de vocês não for escolhido dessa vez, não quero que fiquem tristes.

- Aaaah, Take-sensei, fala logo, você quer matar todo mundo de ansiedade? – Hinata era o mais agitado.

- Cala a boca, idiota – Kageyama retrucou, como sempre.

- Certo – retomou Takeda, suspirando antes de continuar. – São quatro provas de nado livre. Cada uma delas contará com uma dupla pra completar todo o circuito. Ukai-san escalou as duplas observando o desempenho e a resistência de cada um de vocês. Primeiro, nos cinquenta metros livres, Hinata e Yamaguchi. É a prova mais curta, meus parabéns por serem escolhidos.

Os dois se olharam e sorriram como duas crianças bobas – eles realmente pareciam com crianças normalmente – e se abraçaram, comemorando.

- Depois, nos cem metros livres, Sugawara e Nishinoya. Segundo o próprio treinador de vocês, os dois têm uma boa harmonia e farão um bom trabalho juntos. Nos quatrocentos metros livres, Tanaka e Kageyama.

Neste momento, Takeda olhou para os dois escolhidos como se estivesse se perguntando incessantemente o que Ukai tinha na cabeça de colocar aqueles dois juntos. Era a dupla mais improvável possível.

- E por último, na prova mais puxada e longa, a de oitocentos metros, teremos Asahi e Sawamura. Vocês são resistentes e fortes, tenho certeza que darão conta.

Todos estavam felizes e comemoravam como um bando de pássaros barulhentos. O campeonato estudantil reunia apenas escolas da região, era um evento pequeno, mas muito esperado e cobiçado pelos garotos.

Porém, em um dos cantos da sala, um dos garotos permanecia em silêncio, fitando o chão inexpressivo.

- Ei, Tsukishima – chamou Ennoshita, se aproximando do loiro e dando um tapinha amigável em suas costas. – Não fique jururu. Nós ainda temos chances de participar de outras provas esse ano.

- Tanto faz – respondeu o mais novo, virando as costas e saindo pela porta da sala, sem ninguém notar.

O que pareceu não funcionar. Mesmo que a maioria não tivesse notado Tsukishima, sempre tinha alguém para notá-lo, e este era Yamaguchi. Ele viu o amigo saindo pela porta, iria atrás sem pestanejar, mas foi impedido pelo conselheiro.

- Eu quero que vocês passem muito tempo juntos até o dia das provas. Vocês precisam estar em harmonia e mais unidos que nunca. Entendido?

Todos concordaram e se reuniram para ir embora.

- Ei, Hinata, quer ir lá pra casa hoje? – perguntou Yamaguchi para o ruivo enquanto colocavam seus sapatos.

- Claro! Vai ser legal, vamos passar a noite planejando nossa estratégia!

Assim, todos foram para suas casas – enfrentando a chuva forte.

Yamaguchi morava perto do colégio, o que era bom para ele e para Hinata que o acompanhava naquele dia chuvoso.

- Fique à vontade. Se quiser tomar um banho ou comer alguma coisa – disse Tadashi ao abrir a porta de casa para o ruivo.

- Obrigado, Yamaguchi, você é muito hospitaleiro. Eu acho que nunca vim pra sua casa antes. Ah! Você vai me emprestar alguma roupa pra dormir, né? Eu só vim com o uniforme...

- Claro, não se preocupe com isso!

- Oh! A chuva passou! Se não estivesse anoitecendo a gente podia pedir pra usar a piscina da escola...

- Olhando bem, parece que o céu está bem limpo, talvez não chova amanhã e a gente possa usar!

Era engraçado como aqueles dois realmente faziam uma boa dupla. Não era comum para eles andarem juntos, mesmo que fizessem parte da mesma equipe, mas se davam bem, em geral.

Os dois ficaram conversando por um bom tempo depois de tomarem um banho e comerem qualquer coisa. Quase nem viam a hora passar, mesmo que estivessem jogando conversa fora desde que haviam chegado da escola. A tarde já havia acabado há muito e a noite reinava silenciosa e fresca. Algumas trovoadas distantes estragaram o clima e anunciaram uma tempestade que chegaria logo.

A chuva voltou sem dar muito aviso, e muito mais forte – era realmente uma tempestade das feias. Os garotos não se importaram muito com a chuva, estavam seguros e quentinhos dentro de casa e logo iriam dormir, desejando que o tempo melhorasse no outro dia.

Uma ligação alertou os amigos. Uma ligação no celular de Yamaguchi.

- Alô? – ele atendeu imediatamente, era o número da casa de Tsukishima.

- Tadashi-chan – era uma voz feminina, a mãe do loiro. – Eu só liguei pra saber se o Kei está aí. Ele saiu antes da chuva começar e não voltou até agora, estou preocupada.

- Não, ele não está aqui...

- Tem ideia de onde ele possa estar?

- Não... Desculpe. Mas talvez ele esteja na casa de outra pessoa da equipe ou algo assim.

- Ah, obrigada, Tadashi-chan... Boa noite.

- Boa noite...

Yamaguchi não demorou a desligar o celular e levantar correndo, indo até o armário e pegando sua capa de chuva.

- Yamaguchi? Onde você está indo com toda essa chuva? – perguntou Hinata, com seu tom alto de sempre.

- Vou atrás do Tsukki.

- Eu vou com você!

- Não! Você fica. Se a mãe dele ligar, você atende. Se eu não voltar em duas horas, você liga pra alguém ir me procurar.

Eles se encararam por um momento, o moreno parecia sério e determinado, mas muito preocupado. Ele finalmente saiu correndo e calçou seus sapatos, saindo de casa debaixo daquela chuva torrencial.

Yamaguchi conhecia Tsukishima como ninguém. Sabia para onde ele havia ido. Sabia que estava frustrado por não ter sido escolhido mesmo depois de ter se esforçado tanto. Estava preocupado e com medo, não queria nem imaginar no que tinha acontecido.

Seu ritmo não diminuía, ele corria pelas ruas debaixo da tempestade, percebendo o quão inútil aquela capa plástica era – ficava mais encharcado conforme corria.

Depois de muito correr, chegou às calçadas da praia e parou, ofegante, olhando para a areia molhada, procurando por algo que preferia não encontrar.  O mar estava agitado e mostrava-se impiedoso, com ondas disformes e perigosamente altas. Decidiu pisar na areia e voltar a correr, olhando para todos os lados em busca de um sinal do amigo.

Seus olhos já estavam cansados de tentar enxergar entre a chuva torrencial, mas não podia desistir. Foi de uma ponta a outra da praia, finalmente encontrando quem procurava.

Lá estava Tsukishima: caído na areia, encharcado e com roupas de banho, estava desmaiado.

Só de ver o loiro daquele jeito fazia Yamaguchi querer chorar, mas ele se segurou e correu até o maior, tirando sua capa e fazendo o outro vestir. Olhou para os lados, como se procurasse uma ajuda inexistente. Olhou novamente para Tsukishima e respirou fundo. Tirou forças de lugares que ele nem sabia que existiam e segurou o maior, o puxando e o colocando sobre seus ombros.

Para sua sorte, a chuva começava a ficar mais fraca, assim era mais fácil carregar alguém do tamanho de Tsukishima até em casa.

Demorou um pouco, mas ele conseguiu chegar com o loiro nos ombros.

Quando Hinata abriu a porta de casa e viu os dois naquele estado, deu um grito e puxou-os pra dentro, desesperado do jeito que era.

Yamaguchi tomou toda a responsabilidade de cuidar do maior, o secando e trocando suas roupas por algumas que este tinha deixado ali em outra ocasião.

Naquela noite, Hinata teve que dormir no sofá, pois fez questão que Tsukishima ficasse com a cama reserva. Eles ligaram para os pais do loiro e avisaram que tudo ficaria bem.

A noite passou rapidamente, mesmo que Yamaguchi tivesse dormido muito pouco, desconfortável, com a cabeça apoiada na cama em que o maior estava dormindo.

A manhã chegou silenciosa e clara, sem a chuva, sem trovoadas, sem toda aquela tempestade horrível.

- Yamaguchi – o moreno conseguia ouvir uma voz ao longe. – Acorde.

Ele ergueu o olhar rapidamente e encarou Tsukishima, que estava ali, sentado na cama, o observando daquele jeito inexpressivo de sempre. Sentiu seus olhos se encherem de lágrimas, não sabia se estava feliz, triste, com raiva.

- Tsukki – não se aguentou e acabou chorando, agarrando a cintura do maior. – Você é um idiota, o que você tem na cabeça? Tem ideia do quanto eu fiquei preocupado? Eu não sei o que eu faria sem você! E daí se você não foi escolhido pra essa maldita prova? Todo mundo sabe que você se esforçou, mas e daí? E daí, Tsukki?

Seu choro não cessava e o loiro não tinha ideia do que fazer, se sentia mal por ter feito aquilo. Foi teimoso de sair para nadar no mar logo numa temporada de chuvas, em que o mar podia levar embora sua vida. Sentia-se arrependido e triste por ter preocupado o menor por uma imprudência tão infantil.

- Eu sei o quanto você ficou frustrado... Mas o que você queria provar indo nadar no mar nessa época? Provar que é melhor que nós, que fomos escolhidos? Você é péssimo...

- Por favor, Yamaguchi... Eu estou aqui agora, pare de chorar. Desculpe. Eu fui mesmo um idiota. Olhe pra mim.

O menor ergueu o olhar e encarou o loiro. Este passou os dedos carinhosamente pelo rosto de Yamaguchi, formando um sorrisinho sutil enquanto secava suas lágrimas.

- Desculpe por te fazer chorar.

- Só não faça mais coisas como essa... Bobão.

Mesmo depois do pedido de desculpa, Yamaguchi parecia chateado, não havia mesmo gostado da atitude do maior.

Tsukishima segurou o queixo do menor e se aproximou, dando um beijinho carinhoso na ponta de seu nariz.

- Yamaguchi! – foram interrompidos pelo estrondo da porta do quarto sendo aberta com agressividade e o grito desesperado de Hinata. – Ah! Acho que eu interrompi alguma coisa, né? Acho que é...

- Hã? O que esse anão tá fazendo aqui? – indagou o loiro, formando um sorrisinho sarcástico, assim como seu tom de voz.

- Cala a boca, seu quatro-olhos! Nós te salvamos da morte e é assim que você agradece?

- Foi o Yamaguchi quem me salvou e não você, tampinha.

Tadashi olhou para os dois e começou a rir, feliz por ver que o maior não estava tão ruim quanto parecia. Ele suspirou e ficou olhando os dois discutirem como idiotas. Era bom ter Tsukishima de volta, e inteiro. Daquele momento em diante, Yamaguchi faria questão de não tirar os olhos do loiro por nem um momento sequer. Iria protegê-lo com todo seu coração. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...