História Sharps ⟫ Em Revisão - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Bissexualidade, Emmaswan, Onceuponatime, Reginamills, Swanqueen
Visualizações 453
Palavras 3.024
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eeeh, que maravilha, era pra eu ter postado ontem, mas, eu acordei tarde, meu celular descarregou e, meu cabo não funciona. Eu pedi o dá minha mãe, mas ela tava usando, a luz acabou.. Ontem foi, literalmente, o dia de fuder com a Angel, e só pra constar, eu tô toda quebrada por causa de uma festa :p

Enfim..




Boa leitura ♡

Capítulo 21 - Capítulo 21 – Emma


Fanfic / Fanfiction Sharps ⟫ Em Revisão - Capítulo 21 - Capítulo 21 – Emma

Emma

Se passou uma hora, havia ajudado Regina a tomar banho, após o banho, descemos até a cozinha, Zelena estava fazendo panquecas pra ela.

Ela sentou-se no banco, apoiando seus braços no balcão, me sentei ao seu lado e, comecei à afagar seus cabelos, enquanto à olhava.

— O que foi? — Ela me perguntou após me olhar.

— Nada, eu só... — Abaixei a cabeça e, mordi meu lábio levemente. — Eu sinto muito.

— Pelo que?

— Por isso tudo. É minha culpa ele ter feito isso com você.

— Emma.. — Ela tocou meu queixo, delicadamente, levantando minha cabeça. — Isso não é sua culpa!

— É sim, Regina.

— Não, Emma, não é. O Killian que é um retardado obcecado.

— Então por quê me sinto culpada? — Indaguei, desviando meu olhar pro balcão.

— Porquê você quer. Mas a culpa não é sua!

Olhei em seus olhos e, fui abaixando meu olhar, olhando todo seu corpo.

— Olha o que ele fez com você... Você tá toda cortada, machucada.

— Mas eu estou bem, e estou aqui com você, com o Henry.. Não é isso que importa?! — Ela perguntou e, eu assenti.

Zelena terminou as panquecas, eu me levantei e fui pra trás de Regina. Havia me lembrado do cordão, o tirei do meu bolso e, pedi que ela levantasse o cabelo, assim que o fez, coloquei o cordão em seu pescoço.

— Eu achei que estivesse com o Killian. — Ela disse, pegando o pingente e, acariciando com seu polegar.

— Bem, mais ou menos.. Tava no porão dele. — Me sentei ao seu lado.

— Prontinho!! — Zelena se aproximou com um prato de panquecas, um copo de suco e, colocou-os em cima do balcão, frente à Regina.

— Ai, eu tô morrendo de fome. — Regina disse antes de começar a comer.

— Imagino!

Zelena se sentou ao lado dela e, nós três ficamos conversando. Eu apenas ria do jeito que Regina comia as panquecas, parecia que iam criar pernas e sair correndo.

— Amor, a comida não vai fugir. — Falei, ri fraco à olhando.

— Eu sei. — Ela falou e, riu após engolir um pedaço da panqueca. — Killian me deixou sem comer desde que me sequestrou. Aliás, onde ele tá?

— Na delegacia, ele e aqueles dois.

— Já resolveu o que vai fazer com eles?

— Killian vai ficar aqui, já os outros dois vão ser transferidos.

— Quem são esses dois?

— Pelo que eu li na ficha deles... Kara Hastings e August West, eles são irmãos. Foram na festa a fantasia da Zelena com o Killian, a ficha deles é bem suja, já foram presos por sequestro, roubo e, assassinato.

— Nossa.. — Ela me olhava um pouco espantada. — E como eles são irmãos? Nem parece.

— Kara é adotada. — Falei, ela arqueou às sobrancelhas e, murmurou um "Ah".

— E se eles escaparem?

— Não vão, a prisão que eles vão é de segurança máxima. — Falei. — Agora come, você precisa se alimentar.

Ela assentiu e, voltou à comer. Henry tinha chegado em casa, ele havia ido levar Violet na casa da mesma.

— Henry, o que foi? — Perguntei assim que ele entrou na cozinha.

— Eu vim.. Correndo. — Ele falou, pausadamente. Estava ofegante e, todo molhado. — Tá caindo uma baita chuva lá fora.

— Eu avisei pra levar o guarda-chuva. — Zelena disse, o olhando.

— Mas tava sol.

— Falou certo, tava, é passado, não tá mais.

— A senhora tem algum controle que muda o clima, só pode.

— Não, não tenho.. Só pressentimentos!

Henry subiu pro seu quarto, assim que Regina terminou de comer, subimos pro quarto dela, entramos e, eu fechei a porta. Quando olhei, ela já estava deitada na cama. Fui até a cama e, me deitei ao seu lado.

— Você tá bem mesmo? — Perguntei.

— Tirando meu corpo que dói um pouco, sim.

— Me dói tanto te ver assim. Eu deveria ter ido lá na cafeteria com você, se eu tivesse ido, isso nunca teria acontecido.

— Amor, já passou. Não pensa nisso, tá?! Eu tô aqui com você, tô bem. É o que importa! — Ela disse, me puxando pra perto dela.

Aproximei nossos rosto e à beijei, a mesma retribuiu o beijo.

— Killian vai pagar por tudo isso. — Digo, interrompendo o beijo.

— Emma, isso já passou!

— Passou?! Regina, você deveria ser a primeira pessoa que quer ver ele morto.

— Emma, eu tô com bastante raiva do Killian, espero que ele queime no inferno, sinceramente. Mas não vamos nos rebaixar ao nível dele.

— Você não, mas eu sim. Eu também espero que ele queime no inferno, e se eu permitir, ele vai queimar.

— Por quê? Você vai matar ele por acaso?

— Não sei, talvez. Mas, só vou fazer ele tomar do próprio veneno. Ele pode até sair da cadeia um dia, se estiver vivo.

— Ok, chega, tá me dando medo. Olha, você tá com sangue nos olhos, hein!

— Claro que eu tô! Ele fez isso com você e, você não pôde revidar, e já que você não pôde, eu vou revidar por você.

— Pra que filme de terror quando tenho Emma Swan ao meu lado me falando isso.. — Ela disse, ironicamente e, eu revirei os olhos rindo.

— Bem, vai descansar. Eu vou te deixar sozinha, a cama é toda sua, Senhorita Mills! — Digo me levantando da cama. Após, fui andando até a porta.

— Emma. — Ela me chamou, me virei e à olhei, a mesma me olhava.

— Sim?!

— Vai dormir aqui em casa hoje?

— Acho melhor não, você precisa de espaço.

— Eu preciso de você!

Fiquei olhando-a por míseros segundos, então suspirei.

— Tá, eu durmo aqu...

— Espera! — Ela me interrompeu. — Por quê não vem morar aqui, Swan?

— Eu.. Não sei, Gina. Eu não quero te incomodar. — Gesticulei, olhando pra todos os cantos.

— Qual é, Emma?! Você nunca me incomoda, e para de graça. Amanhã mesmo você vai arrumar suas coisas, vai sair da casa dos seus pais e, vai vir morar comigo, ponto final.

— Regi...

— Eu disse ponto final. — Ela me interrompeu.

— Tá bom, alfa. — Levantei as mãos em rendição e, nós rimos.

Saí do quarto dela e, desci até a sala, onde Zelena e Henry jogavam videogame.

— Que jogo é esse? — Me sentei no braço do sofá, ao lado de Henry.

— Street Fighter. — Ele falou, logo bateu o controle no sofá reclamando. — Que droga, perdi de novo.

— Você é um lixo nesse jogo, querido! — Zelena disse, se gabando.

— A senhora é boa em Street Fighter, quero ver no LOL.

— Bora?

— Bora!

Os dois largaram os controles no sofá e, subiram pra pegar algo.

Duas crianças, pensei enquanto me sentava no sofá e, pegava um dos controles.

Troquei de jogo e comecei a jogar.

****

Narradora

Delegacia / 16:32 PM

— Ai, quando eu vou sair daqui, hein? — Killian perguntou à Ruby, Dorothy e David.

— Nunca, e cala a boca. — Ruby disse, sem desviar o olhar das papeladas que estavam em cima da mesa do xerife.

— Nunca é muito, não acha?

— Cala a boca.

— Me obrigue.

— Ela mandou calar a boca. — David falou, se aproximando da cela que Killian estava. — Então é melhor calar, se não eu mesmo entro aí e te obrigo.

— Que meda.

— Você tem pinta de viado.. — Dorothy falou. — Ah não, pera, você é!

— Pesado. — Ruby disse, rindo.

— Muito engraçado. — Killian falou, revirando os olhos. — Vocês doparam meus amigos, não tenho ninguém pra conversar.

— Conversa com a parede, parceiro. — Dorothy disse.

— Sua feia.

— Chato.

— Te odeio.

— Se você não calar a boca, eu vou aí e vou dar na sua cara.

— Acha que eu tenho medo?

— Deveria.

— Isso, Kansas! Bota moral nessa porra. — Ruby disse.

— Você tá bem fumada hoje. — Killian disse.

— Acho que você tá confundindo as coisas, "love".

— Quem fala love sou eu, love.

— Roubei, agora o love é meu.

— Ridícula.

— Zé mané. — Ela riu e, olhou Dorothy, que estava digitando algo em seu celular. — Tá falando com quem?

— Pera aí, Ruby. — Dorothy disse.

— Pera aí não, porra, fala logo.

— É a Emma.

— Ata.

— Como cão e gato.. — Killian cantarolou.

— O que ela quer? — Ruby perguntou, tentando olhar o que Dorothy escrevia.

— Ruby, vai cuidar das papeladas, vai.

— Sabia, tu tá me traindo né, kenga?! — Ela disse, fazendo drama.

— Drama Queen ataca novamente. — Dorothy revirou os olhos. — Não é minutos.mais, ela só disse que vai vir aqui.

— Por quê não disse antes? Até chorei. — Ela falou, limpando as lágrimas forçadas.

— Nossa, que ótima atriz você é. — Dorothy disse, brincando.

— Também acho. — Ruby disse.

****

Emma

Estava à caminho da delegacia, hora de ter uma conversinha com o Killian.

Após chegar lá, me deparei com Ruby e Killian discutindo.

— Você não sabe ficar quieto não, caramba?! — Ruby disse, exaltando a voz.

— Cala a boca, sua cha.. — Ele parou de falar assim que me viu. — Ora, ora.

Todos me olharam.

— Emma, manda ele ficar quieto, pelo amor de deus. — Ruby me disse.

— Eu vou fazer ele ficar quieto. — O olhei, cerrando os olhos. — Só me dêem dois minutos

— Emma, o que você vai fazer? — Meu pai me perguntou, mas, eu ignorei.

— Me dêem dois minutos.

Os três saíram da delegacia sem dizer nada, me aproximei da cela de Killian após pegar as chaves em cima da mesa.

— Vai me deixar sair? — Ele me perguntou, arqueando a sobrancelha.

Fiquei em silêncio e, apenas abri a cela dele. Quando ele foi sair, eu o empurrei e, entrei na cela em passos curtos.

— O que você vai fazer? — Ele perguntou.

— Tá com medo? — Pergunto e, arqueio à sobrancelha esquerda. Ele balançou a cabeça negativamente. — Deveria.

— Dorothy me disse a mesma coisa, e olha só, ela não fez nada.

— Legal, mas eu não sou a Dorothy. — Digo. Já estava frente à frente com ele.

— Você viu o que eu fiz com a Regina, você sabe do que eu sou capaz.

— É, eu sei. Olha, eu não vim aqui pra conversar sobre do que você é capaz, então, vamos direto ao assunto.

Dei um soco na cara dele, fazendo-o cair, fiquei em cima dele, desferindo socos no rosto do mesmo, xingando-o, botando toda minha raiva e tristeza naqueles socos e xingamentos.

Ele tentou bloquear meu socos mesmo com dor, mas, não teve sucesso.

E então, continuei, até que alguém entrou na delegacia e, me tirou da cela à força, nem vi quem era, apenas observei Killian ainda consciente, no chão, gemendo baixo de dor.

— Isso é só o começo, Jones. — Disse, ofegante.

— Estou preparado, love. — Ele disse, sua voz saiu falha.

— Não tenho certeza disso..

— Emma... — Uma voz familiar me chamou, era a pessoa que me segurava, então, me virei pra ver quem era.

— Regina?! O que você tá fazendo aqui? Era pra você estar em casa, descansando! — Digo.

— Eu mandei uma mensagem do celular da Zelena pra Ruby e, perguntei onde você estava, ela me disse que você estava aqui, então eu decidi vir.

— Olha, melhor você ir pra casa.

— Se eu for, você vem comigo!

— Não, Regina..

— Emma! — Ela disse meu nome com um tom autoritário. — Você vai e pronto. Violência não vai levar à nada.

Suspirei e olhei Killian, que ainda estava no chão.

— Emma, olha pra você.. Você tá com sangue nos olhos. — Regina me disse.

Fiquei calada, observando Killian. Ela pegou a chave da cela dele e, a trancou. Após isso, botou a chave em cima da mesa, e me puxou pra fora da delegacia.

Me mantive em silêncio o caminho todo, até em casa. Assim que chegamos, fui pra sala e, me deitei no sofá.. Na verdade, eu me joguei no mesmo, e quase caí.

— Não adianta ficar com essa cara. — Ela me disse, vindo até mim.

— É a única que eu tenho. — Disse, fingindo indiferença.

Ela franziu o cenho e, sentou-se no sofá, colocando minhas pernas em cima de seu colo.

— Emma, — Ela acariciou minha perna direita. — eu sei que você quer o Killian morto...

— É, eu quero. — À interrompi.

— Você quer, realmente, se rebaixar ao nível dele?

— Regina, não começa. — Reclamei, botando as duas mãos no rosto.

— Já comecei. Responde, Emma.

— Por favor, não dê uma de minha mãe agora. Já basta uma!

Ela olhou em meus olhos por segundos e após, suspirou.

— É, você quer se rebaixar ao nível dele.

— Olha, eu não te entendo! Você deveria querer ele morto!

— E você acha que eu não quero?! Sim, Emma, eu quero. Eu quero mais do que tudo ver aquele infeliz morto, que ele queime no inferno, na verdade, que ele vá pra um lugar pior do que o inferno, porquê o inferno é até bom demais pra ele! — Ela exaltou a voz.

Olhei em seus olhos, seu olhar transbordava raiva.

— Regina, você tá guardando toda essa raiva pra você, você não devia fazer isso, não vai te fazer bem.

— Eu estou guardando toda a raiva pra mim, porquê se eu liberar, é capaz de eu explodir. Se eu liberar essa raiva é capaz que eu bote fogo naquele retardado, literalmente.

— Libera essa raiva. Eu sei que você quer liberar.

— Não, eu não quero.

— Vai Regina, quer sim.

— Você só tá falando isso porquê sabe que eu vou descontar em você em certos momentos.

— Claro... Que não! — Rio, disfarçadamente. — Eu sei que você quer ir lá na delegacia agora, dar uns socos no Killian.

— Não provoca, Swan. — Ela respirou fundo.

— Eu sei que você quer.. — Me sentei ao seu lado. — Admita, Senhorita Mills.

— Emma, não!

— Anda, vai lá, arrebenta ele. — Sussurro em seu ouvido.

Ela se levantou e, tocou minha testa me empurrando, fazendo eu cair deitada no sofá.

— Vai lá, só um soco, por favor!

— Emma, eu... Vou pensar no seu caso.

— Pensa com carinho. — Dou um sorriso infantil.

— Maluca. — Ela revirou os olhos, rindo.

— Por você!

— Ah não, Swan. Não vem com essas  coisas bregas, pelo amor. — Rio de seu comentário.

— Gata.. — Me levantei e, fiquei frente à frente com ela, passei meus braços por volta da cintura da mesma, puxando-a contra mim. — Eu não sou o Barry, mas, meu amor por você vai Allen.

— Que merda, Swan. — Rimos. — Quero mais!

— Eu não sou o Flash Reverso, mas, eu posso tocar seu coração!

— Você só tem cantadas de The Flash?

— Não, deixa eu ver.. Você tem um mapa?

— Não, por quê?

— Porquê eu me perdi no brilho dos seus olhos! — Falei, à olhando, a mesma sorriu. — Entre Star Wars e Star Trek, o que eu queria mesmo era estar com você!

— Voltamos às cantadas nerds. — Ela riu.

— Pera, pera.. — Sorri, mordendo meu lábio inferior. — Havia dois ursos, o Beijaeu e o Mebeija, o Beijaeu morreu, quem ficou?

— Me beija!

Sorrimos e, à beijei, ela correspondeu ao beijo. Dei alguns passos pra trás puxando-a comigo, e caímos deitadas no sofá, ela estava por cima de mim. Continuamos o beijo, enquanto eu acariciava sua coxa.

— HENRY BORA, VAMOS FAZER SURUBA NÓS QUATRO.. — Zelena apareceu de Nárnia com Henry e gritou nos dando um susto. — Mentira, isso seria pedofilia e seria incesto, né.

— ZELENA! — Eu e Regina gritamos em uníssono, fazendo ela e Henry rirem.

— Meu deus, quando eu consigo alguém sempre atrapalha. — Peguei uma almofada e, joguei nos dois, mas, pegou apenas em Zelena.

— Se vocês estivessem no quarto, ninguém atrapalharia. — Henry disse, se sentando no sofá.

— Que abusadinho. — Regina o olhou, cerrando os olhos. — O que vocês querem aqui na sala?

— A gente veio ver PLL, por que?! Vocês iam transar aqui?! Não sabíamos, dá próxima vez avisa, cacete! — Zelena disse, brincando.

— Zelena! — Regina à repreendeu, corada.

— Ai que tomatinho mais lindo! — Fiz uma voz fofa e, abracei Regina. — Então, tomatinho, quer subir?

— Uhum! — Ela assentiu.

— Huum, hoje rola, né. — Zelena disse nos olhando, maliciosamente. — Vou chamar a Ruby e a Dorothy aqui, vou fazer pipoca, e iremos ficar escutando uma música nova, ela se chama "Gemidos da Swan e da Mills", e também vamos ficar vendo tetas no twitter.

— Tetas?

— Tretas.

— Sis, você disse tetas!

— Disse? Eu quis dizer tretas!

— Ai meu deus, olha a irmã que eu tenho. — Ela disse, rindo.

— Subam logo, é a primeira vez desde que o Killian te sequestrou.

— Isso, vamos subir logo. — Disse e, peguei Regina no colo antes que ela dissesse algo.

— Só vai com calma, Emma. O corpinho da Regina ainda está machucadinho.

— É, ainda dói um pouco. — Regina disse.

— É cada conversa que vocês tem. — Henry exaltou a voz, pegou seu celular e, ligou pra alguém. — Violet?..... Posso te pedir uma coisa?... Me sequestra, por favor!

Eu e Regina nos olhamos e, rimos fraco. Fui até as escadas e, fui subindo até o segundo andar, enquanto Regina espalhava beijos molhados por meu pescoço.

E o resto da tarde foi ótima.


Notas Finais


Acho que esse cap ficou enorme, então se ficou, sorry bae sz



See you later ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...