História SHe - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brooks, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normanah, Normani Hamilton, Vercy
Exibições 197
Palavras 2.100
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Orange, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Esse cap tem duas partes e a primeira vou postar hoje e a segunda quando terminar eu posto.

Obrigado pelos favs ❤😍😘😚

Capítulo 4 - SHe 04


Pov - Lauren

Primeira noite mal dormida em anos, não consegui pregar o olho direito essa noite e quando quis pegar no sono era hora de levantar e acordar minha princesa para ir a escola.

- Olha mamãe a Meg está com a mãe dela bem ali, pede pra Dra Camila deixar Meg ir brincar comigo a tarde?

Sam quase saltou do carro em movimento quando estacionei o carro na vaga, ela bateu a porta do carro e saiu olhando para os dois lados da rua, meu coração foi na boca só desliguei o carro e pulei pra fora chamando desesperada.

- ALEXANDRIA!

Chamei atenção de todos os pais que tinham na volta até de Camila que sorria para a filha parou de sorrir mas voltou assim que minha filha chegou abraçando a pequena Meg. Meu coração parecia que sairia pela boca. Cheguei até as três e elas estavam rindo de algo.

- Alexandria, você quer matar a mamãe do coração, filha? Não faça mais isso, imagina se... Deus!

Falei enquanto pegava minha filha no colo, abraçando seu corpinho pequeno e senti seus braços em volta do meu pescoço.

- Desculpas mamãe, desculpa...

Sentí minha blusa ficar molhada e percebi que ela estava chorando.

- Tudo bem. Bebê. Não chora. A mamãe só ficou assustada com você atravesando a rua sem olhar para os lado.

Ela olhou pra mim com os olhinhos vermelhos, suas mãos foram para meu rosto e senti ela beijando minha bochecha.

- Sam, vamos entrar hoje tem aula de música.

Ouvi a voz da pequena Cabello que estava segurando a mão de Camila, a mulher que olhava pra mim desviou o olhar assim que fitei seus olhos.

Assim que me despedi das meninas elas entraram na escola. Sam pegou o boné que a menina tinha na cabeça e colocou no dela e a outra pareceu não gostar muito.
Era incrível com elas se tornaram amigas tão rápido a ponto de Sam ter essa intimidade toda com a garota,  minha nenem até ficou mais comunicativa com a chegada de Megan.

Olhei em volta e percebi que os pais das crianças já estavam de saída, meus olhos insistem em fitar uma certa Camila que estava me encarando?

- Eu queria pedir desculpas pela minha grosseria ontem, eu... Na verdade eu nunca falou do meu passado para evitar esse constrangimento, mas o assunto que envolve o Adam me deixa transtornada e...

Camila parecía mais calma que a madrugada passada, seu olhar de irritação e transtorno não estavam mais presentes. Fiquei feliz por isso.

- Tudo bem, eu nem dormi noite passada. Eu me senti tão mal por te ver daquele jeito.

Isso idiota vai fala tudo de uma vez e assusta a mulher, além que ela tem trauma de relacionamento você fica falando isso.

- Não precisava se preocupar.

Ficamos nos encarando por um tempo. Bem que eu poderia chamar ela para tomar um café ou algo parecido mas posso apostar que ela já tomou café e eu também havia tomado.

Por que ela tinha que ser tão linda aponto de me fazer quer tanto ela? Posso estar ficando louca, mas eu tenho que beijar aquela boca um dia.

- Eu vou indo, Tchau!

Ela disse indo em direção a uma Land Rover preta, até o carro dela é igual ao meu só que o meu era branco.
Foi impossível não olhar para o corpo dela, ela estava usando uma calça jeans branca com uns rasgos nas pernas e uma blusa branca e uma jaqueta de couro, estava uma Deusa gatosa e assim que ela virou as costas foi impossível não olhar para bunda daquela mulher,  senti uma fisgada no meu amigo mas logo dei um jeito de esquecer aquela obra de arte. Acenei quando ela arrancou com o carro e ela fez o mesmo aceno.

Obrigado por não levantar agora!

- Caramba Laur fecha a boca.

Ouvi aquela voz conhecida que fazia alguns anos que não ouvia. Assim que virei vejo Normani e a princesinha Annie dormindo em seu colo. Meu sorriso foi tão grande que pensei que iria rasgar minhas bochechas.

Maní estava em Londres a mais de oito anos se não me engano, ela terminou o ensino médio por lá e depois entrou na faculdade de Dança, só conversávamos por redes sociais, vídeo chamada, Maní e eu nos conhecemos desde a quarta série e as vezes ela e verônica brigavam pela minha atenção mas nada grave.

Maní começou a namorar Dinah assim que iniciou a faculdade e depois de dois anos juntas Maní quis engravidar e a louca da Dinah apoiou e hoje ela tem essa princesinha linda Annie Hamilton Hansen de 4 anos de muita fofura.

- Aí Meu Deus Maní!

Abracei ela cuidadosa por causa da bonequinhas em seus braços beijei sua bochecha.

- Quem era a pessoa que estava sendo secada vida por esses olhos?

Sorrio sem graça sentido minhas bochechas queimar.

- Depois explico, agora me diz o que faz aqui?

- Eu vou matricular meu bebê aqui nessa escola, cheguei ontem e tenho só hoje de folga, Dinah não pode vir por que mal chegou e chamaram ela para uma entrevista de emprego e eu ligaria para você hoje.

- Tudo bem, eu vou ajudar você e depois vamos conversar um pouco tenho o dia de folga, e quero te apresentar minha princesa sem fotos dessa vez.

Peguei a pequena garotinha dos cabelos negros e a pele negra, era a coisinha mais fofa do mundo. Que Sam não me ouça.' no colo e entramos na escola, o resto da manhã foi bem divertida, conversamos de tudo e Maní ainda disse que eu estava atraída e com cara de bocó pela moça da Land Rover preta, não quis dizer quem era, então ela mudou de assunto e me convidou para jantar na casa dela e conhecer pessoalmente sua futura esposa.



Pov - Camila

Não posso dizer que lembrar daquela fase de nove anos atrás não me machuca ainda por que vou estar mentindo. Por mais que eu tente fugir e não pensar no que aconteceu ainda dói. 

Minha mãe me apoiou tanto naquela época que fez de tudo pra me dar atenção junto de meu pai, eles estavam se firmando em grandes planos para o futuro e do nada a filha de 17 anos aparece grávida e desesperada dizendo que o seu primeiro amor tinha abandonado grávida e alegando dizer que o filho não era dele. Meu pai naquela época era um simples dono de uma concesionaria que nem estava dando muito lucro e minha mãe estava levantando um hospital junto com sua amiga de faculdade a dona Clara que na época estava sofrendo por alguns problemas familiares também.

Foram dois anos muito puxados até que meus pais conseguiram lucrar com os seus trabalhos e ajudarem a cuidar da minha gravidez e depois do nascimento da minha pequena fiquei um ano longe dela por que comecei a faculdade que meus pais pagavam pra mim, quando me estabilizei em NY com um emprego de secretaria pude me sustentar um pouco e as vezes eu voltava pra Miami para visitar minha bolinha e chorava muito em ver que ela estava crescendo e eu não estava perto para ver isso, foi o primeiro ano mais difícil, mas quando consegui me organizar em minha faculdade eu a levei para NY comigo, fazia faculdade de manhã e deixava ela com a babá Dolores que eu contratei e hoje ela é a minha segunda mãe, que dona Sinuelo não me ouça.

Entrei em casa com meus olhos em lágrimas fechei a porta e fui até a cozinha beber água, estava nervosa por ter falado daquele jeito com Lauren ela não sabia de minha história e mesmo assim fui grossa com ela. Tomei meu banho relaxante o mais demorado possível quando sai vesti uma Langerie branca e um pijama levinho e fui até o quarto da minha pequena que dormia profundamente deitei do seu lado e assim que ela percebeu mim presença se aconchegou em meu peito.

- Saudades da senhora mamãe.

Disse toda sonolenta me fazendo sorrir beijei sua testa e nos cobri.

- Também senti amor.

Na manhã seguinte acordamos juntas e Meg pulou da cama indo para o banheiro e eu fui para o meu quarto fazer minha higiene e um banho rápido. Coloquei uma roupa simples na verdade calça jeans branca, uma regatinha solta e uma jaqueta de couro e um rasteirinha preta.

- Mãe, a senhora está de folga hoje?

Megan entrou no meu quarto em cima daquele skate, agora já sei por que o piso esta arranhado.

- Megan. Eu não acredito que você anda de skate dentro de casa, quer ficar sem isso pelo resto da vida? E sim eu estou de folga.

Ralhei com ela que logo desceu de cima do skate e colocou em baixo do braço sorrindo amarelo.

- Desculpas, prometo não fazer isso de novo. Podemos ir ver a tia Dinah hoje?

- Nossa, tinha esquecido que Dinah e Maní estavam achegando ontem, eu vou ligar pra ela hoje, depois marcamos de nos encontrarmos. Ok?

Ela assentiu fomos para cozinha que assim que chegamos Dolores tinha feito um banquete pra nós três. Agora Dolores esta morando com nós por que com a vinda para Miami ela não conseguiu se arrumar em um casinha pra ela ainda, ela não tem filhos e nem marido é simplesmente ela e nós.

- Bom dia Doloreeeees!

Falamos juntas fazendo a senhora de 55 anos sorrir, Meg abraçou a cintura da senhora e eu beije sua bochechas, Dolores retribuiu o beijo e o abraço de nós duas e pude perceber que ela estava muito cabisbaixa. Sentei na mesa e elas me acompanharam.

- Mila podemos conversar mais tarde?

Dolores perguntou com o semblante triste e depois sorriu para Meg que a fitava pensativa e com o cenho franzido.

- Podemos sim. Você está com algum problema Do? Pode falar.

- Mais tarde a gente conversa, quer que eu leve a senhorita encrenca aqui para a escola?

Dolores perguntou enquanto fazia uma cócegas na minha bebê que gargalhou fazendo nós rirmos juntas.

- Não, eu vou levar ela, depois vou fazer umas coisinhas e volto logo.

Pelo jeito que Dolores estava acho que era algo sério, não sei por que mas acho que ela quer voltar para NY e não posso dizer nada por que é la que ela mora.

Quando chegamos na escola Meg estava inquieta olhando para todos os lados, era até engraçado o jeitinho ela colocou as mãos nos bolsos das calças jeans e ficava andando de um lado para outro, ela parecia aquelas garotas que ela assistia nos programas de skate vans, calça jeans, camiseta e um moletom aberto na frente, seus cabelos castanhos escuros soltos com um boné amarelo na cabeça.

Nunca consegui fazer essa menina colocar um vestido na vida,  ela sempre vinha com aquela Desculpas que um dia ela veste um.

- ALEXANDRIA!

Ouvi aquela voz um pouco conhecida por mim e olho na direção da rua e vejo uma garotinha de vestido amarelo rodado atravesando a rua correndo, arregalei os olhos para a coragem da menina mas para a minha tranquilidade a rua tem um guarda que faz os carro pararem por alguns minutos antes das crianças entrarem na escola.

- Sam, sua mãe está chamando.

- Eu sei Meg, mas é que eu queria pedir para sua mãe deixar você ir lá pra casa hoje e...

A menina nem terminou de falar por que uma Lauren apavorada chegou a pegando no colo dando uma bronca ,  mas nada agressiva e sim toda amorosa com menina que ficou toda chorosa, mas logo parou. Fiquei tão abóbada assistindo as duas que acho que tinha uma baba escorrendo no canto da minha boca.

Mas logo desviei o seu olhar quando Lauren fitou meus olhos, assim que as meninas entraram eu me desculpei por a noite passada e fiquei um pouco confusa por ela ter se importado a ponto de não dormir noite passado.

Quando me despedi tive a sensação de ser secada por um par de olhos verdes, entrei no carro e ela acenou pra mim que fiz o mesmo.

Estava indo em direção a casa de meus pais queria ver eles, na verdade eu iria encontrar meu pai em casa, queria só um abraço dele e um colo. 

Aquela sensação de estar gostando de alguém sabendo que você pode se machucar se deixar acontecer.

- Devo estar ficando maluca de estar sentindo lago por uma mulher. Ok... Chega...

Neguei com a cabeça e bati com as mãos no volante leve por estar dirigindo, mas era impossível não esquecer aquele par de olhos verdes penetrantes, aquela boca vermelha, aquele corpo e...

Meu celular começou a tocar então percebi que estava empatando a passagem de alguns carros no sinal verde, arranquei com o carro dali e estacionei em um acostamento para ver quem me ligava, assim que peguei o celular enxerguei o nome da Dinah e meu sorriso foi o mais grande possível.

- HANSEEEEN!

- CABELLOOOO!


contínua...


Notas Finais


Besos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...