História She is? - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan, Bottom!hoseok, Boyxboy, Comedia, Crossdresser, Gays, Heterofobia, Hobi Uke, Hopev, Hyunber, Jung Hoseok, Kim Taehyung, Kookmin, Lgbt, Seokwon, Taeseok, Top!taehyung, Vhope, Yaoi, Yuri
Exibições 157
Palavras 1.867
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E OLHA QUE QUEM É VIVO SEMPRE APARECE.

Fui vagabunda mesmo eu peço muitos sorrys a vcs. Mais realmente um bloqueio tremendo me afetou e eu estava me sentindo um horror por deixar SI? Sem Att. POREEEEEEM; OS DEUSES DA CRIATIVIDADE ME FIZERAM TRAZER O PRIMEIRO CAPITULO NARRADO DESSA BAGAÇA!

Capítulo 22 - O castigo de Taehyung


  Depois de uma longa noite banhada em lágrimas, dor, sofrimento e decepção, eu finalmente fui obrigado por minha mãe a sair do quarto. A sensação de ser traído ainda não havia passado, e cada segundo que eu parava pra pensar; a vontade de chorar voltava. Meus olhos ardiam de tão inchados que estavam, minha cabeça latejava, e enquanto minha vontade de morrer aumentava, Namjoon apenas ria da minha desgraça, enviando fotos para toda a comunidade de cinco em cinco minutos durante o café da manhã. Aquilo sim era castigo. Nunca achei em toda minha vida que passaria por uma situação como aquela, e meu coração não podia se sentir mais quebrado. Tudo bem, não é como se eu amasse Jung Seokwon, afinal tudo o que eu queria desde o início fosse que ela me deixasse em paz. A questão é que eu havia passado por uma longa aceitação, até finalmente me considerar um pouco atraído por aquela coisa, para no fim descobrir que esse tempo todo, ela era ele, e este “ele”, era nada mais nada menos que o meu atual crush. Eu me senti desolado, traído, enganado, piada para todos ao meu redor, e se antes eu estava em estado depressivo por ser considerado hétero, agora eu estava em um estado tão deplorável, mas tão deplorável que minhas mães fizeram questão de ler histórias para eu dormir, e me dar beijinho de boa noite, junto a um copo de leite morno igual quando como eu e Joonie éramos crianças medrosas que viam terror e não aguentavam. A única diferença era que provavelmente aquele leite morno veio batizado com algum tipo de substância misteriosa, pois eu dormi tão profundamente, que acordei com a sensação de estar morto. No fim, no dia em que eu mais precisei, minha família toda resolveu ter compromissos e como conseqüência eu fui totalmente abandonado na solidão eterna dentro da minha casa vazia e silenciosa. Não tive outra escolha a não ser montar o Império gótico novamente, só que dessa vez, ao invés de ser apenas no meu quarto, foi na casa inteira. É óbvio que eu não me orgulho de ser um cara de 22 anos ouvindo Adele no último volume, agarrado a um pote de sorvete gigante e chorando horrores feito uma adolescente não notada pelo senpai enquanto canta  ー Leia-se grita. ー versos dolorosos de canções tristes como Someone like you. Tenho realmente medo dos vizinhos ficarem assustados com toda situação, e até mesmo imaginarem que na casa ao lado alguém resolveu dar um festa pro clubinho emo que bebem lágrimas enquanto choram por seus amores falhados  ー  Vai que chamam a Polícia Polícia Minha vergonha fica ainda maior, né ー Isso realmente seria o cúmulo.  E no meio de tudo que poderia me acontecer durante toda a tarde dolorosa e sozinha, eu só não esperava uma ligação de Jungkook. Logo deduzi que aquele filhote de capiroto estava me ligando para me zoar e passar na minha cara o quão trouxa eu era, então sem mais delongas desliguei sua chamada, fazendo o mesmo com o celular em si pouco depois. Havia decidido que por hoje eu cortaria ligações com todas aquelas almas enviadas do inferno para minha vida, e me dedicaria apenas a minha solidão.  

 

[...]

 

 Por volta das cinco da tarde, eu já havia ganhado um osso extra na minha coluna por causa do tempo que eu havia ficado deitado no sofá, e todas as besteiras que eu estoquei na preciosa mesa de centro das Senhoras Kim, tinham acabado junto com a comédia romântico ocidental que passava aleatoriamente na tv. Minha barriga roncou alto, e eu suspirei fundo me perguntando se aquela situação iria piorar. Eu não sentia mais os meus olhos e certamente estava um lixo humano jogada pela casa trajando apenas uma samba-canção qualquer e andando feito um moribundo em direção a cozinha em busca de mais besteiras pra saciar a fome. Eu me sentia envergonhado, pensar que tudo aquilo havia sido causado apenas por causa de uma brincadeira de mau gosto me deixava com o sentimento de derrota mais aflorado que o normal, e até agora eu não conseguia achar um motivo pra não me chamar de babaca a cada segundo. Quando estava prestes a alcançar uma caixa de cereais no armário, pulei assustado ao ouvir o barulho da porta de casa quase sendo derrubada e vozes gritando o meu nome de maneira desesperada. Respirei fundo e fiz o sinal da Cruz — Afinal, temos sempre de andar carregados de fé nesses momentos. — E fui cuidadosamente armado com a frigideira mais pesada da cozinha até sua direção. Quanto mais me aproximava, mais reconhecia a voz de satanás — Vulgo Jeon Jungkook, meu ex-atual-melhor amigo. — E considerei sinceramente me fazer de desentendido e abrir a porta já enfiando a frigideira na sua cabeça. Porém o barulho de chave na tranca me fez recuar e sabiamente me esconder atrás atrás sofá, descobrindo rapidamente não ter sido a melhor ideia, já que Jeon emburacou minha cabeça com Jimin atrás de si e logo ambos estavam me encarando naquela situação. Talvez eu não tenha percebido, mas minha casa estava completamente escura, e assim que chegaram um dos dois fez questão de acender a luz principal, fazendo-me fechar os olhos automaticamente pela falta de contato com a claridade. Quando enfim consegui levantar o olhar para vê-los, encontrei o olhar travesso dos satanazes em minha direção e aquilo sim era a prova de que tudo na minha vida poderia piorar. Mas piorar muito.

 

— Se descobrir que não é hetero te deixou assim, Taehyung… eu não quero nem imaginar o que aconteceu quando você pensou que não era gay… — Uma chuva de risadas do deferida contra minha cara, e eu não pude evitar a vontade de arrancar os dentes de Jungkook um por um.

— O que você ta fazendo aqui, diabo. Não me lembro de ter te invocado! — Levantei gritando de um jeito um pouco mais patético do que eu queria e arremessei minha arma (vulgo frigideira) em sua direção. O infeliz desviou com facilidade enquanto Jimin apontava o celular pra mim, provavelmente registrando mais uma vergonha alheia da minha vida. — Eu vou chamar a Polícia, isso foi invasão de residência!

— Seu micão só ta aumentando, sabe disso ne? — Jimin falou quase se engasgando de tanto rir na própria saliva e eu fui até o telefone fixo discando o número da central de Polícia do bairro. — Kookinho, segura. Ele ta ligando mesmo!

 

— Alô? É da Polícia? Eu queria fazer uma denúncia. Dois viciados em crack invadiram Minha casa e—

— Não, é sério isso? — Jungkook desligou na velocidade da Luz o gancho do telefone e por um mísero segundo eu parei de ouvir as risadas das duas pestes.

— SOCORRO SOCORRO, TEM DOIS MORADORES DE RUA DENTRO DA MINHA CASA, ALGUÉM ME AJUDA, ELES QUEREM ME MATAR PRA FAZER UM RITUAL DE MAGIA NEGRA, POR FAVOR ME AJUDEM! — Encarei os dois, e logo comecei a gritar desesperado. Algum vizinho de bom coração iria me ouvir, eu tinha fé em Deus.

— Cara, existe um limite pra passar vergonha… E VOCÊ JÁ EXTRAPOLOU ELE! — Jimin surgiu atrás de mim subitamente e tampou minha boca. Jeon segurou meus braços e os dois me arremessaram contra o sofá. Era triste ser amigo de dois marombas, o respeito era algo que não existia quando se tratava de força.

— Olha você tira suas patas sujas de mentira de mim em, ou eu vou ser obrigado a usar meu jutsu! — Me debati e rapidamente os dois me soltaram, voltando a gargalhar alto se sentando cada um de um lado, enquanto meu sangue subia para minha cabeça e provavelmente meu rosto já se encontrava vermelho. De raiva, muita raiva.

— Olha baby, ele vai explodir! — Jungkook enfiou um dedo em minha bochecha e começou a cutucar como se eu fosse um animal morto. Em nome de todos os Deuses, eu juro que hoje eu cometo duplo homicídio.

— Eu só vou falar uma vez… O que porra vocês vieram fazer aqui na minha casa? — Bati na mão do abusado e levei minhas mãos em direção a minha cabeça, iniciando uma massagem nas têmporas. Logo percebendo que era preso pelas pernas de Park Jimin. — Tire suas pernas de mentiroso daqui tambem, Park! — Empurrei pra longe as pernas dos mesmo e ele fez uma cara de falsa-ofensa.

— Precisamos da chave do carro do Joonie… — O mesmo se ajeitou no sofá, enquanto Jungkook ja havia sumido por dentro de minha casa.

— Joonie não tá em casa, ele foi resolver alguma coisa da qual eu não tenho o mínimo interesse, porque odeio assuntos de gente mentirosa . — Ele cobriu os lábios com as mãos, enquanto ria baixo. Talvez eu estivesse sendo infantil demais. Foda-se eu tenho esse direito. — Eu não vou dar a chave do carro dele pra vocês fazerem aquelas coisas estranhas que vocês fazem ao invés de transar como pessoas normais.

— Foi o próprio Namjoon que nos mandou pegar a chave. E quantas vezes eu vou precisar dizer que isso só aconteceu uma vez? Aish! — Jimin se exaltou me dando um peteleco e levantando do sofá. Eu adorava tirá-lo do sério.

— E porque meu ex-irmão emprestaria o  carro dele a vocês mesmo?

— Porque o hobi hyung se meteu numa encrenca e alguém precisa tirar ele dela… — Por um segundo achei que Jimin não tivesse falado nada de tão baixo que soou sua voz. Ouvir o nome de Hoseok ser citado fez com que até mesmo meu corpo estremecer e sem imaginar eu arregalei os olhos esperando que o nanico esclarecesse o que havia acabado de dizer.

— É o que? — Ótimo Taehyung, palmas pra você. De tudo o que você poderia dizer; disse exatamente a coisa mais útil de todas.

— Ele de alguma forma foi parar em um bar no centro e precisamos ir buscá-lo buscá-lo mais rápido possível. Ele tá tão bêbado que esqueceu até mesmo como digitar… — O olhar de Jimin focava em qualquer lugar menos em meu rosto e de repente o ar sempre brincalhão do garoto havia sumido. — Na verdade… é a Seokwon que tá no bar.

— Vamo Hyung, achei a chave. — Jungkook surgiu na sala, e eu não conseguia me mexer. Meu cérebro estava analisando toda a situação e quando dei por mim o desespero se instalou. Meu Hoseok, minha Seokwon, meu hyunoona estava certamente correndo perigo e a única coisa que eu deveria fazer nesse momento, era correr. Correr para ajuda-lo

— VOCÊS DOIS NÃO MOVAM UM DEDO PRA SAIR DAQUI SEM MIM. ESPEREM AI. — Sai em disparado para meu quarto, deixando o casal na sala totalmente perplexo com minha atitude.

— Oh Taehyung, não é por nada não mas você tem noção de que nós precisamos ir o mais rápido possível né? O HOSEOK HYUNG TA VESTIDO DE MULHER NUMA PORRA DE BAR HETERO, A GENTE P-R-E-C-I-S-A IR. — Jungkook gritou enquanto eu vestia a primeira roupa que encontrava na minha frente. — A GENTE TÁ INDO PRO CARRO.

— Eu acho bom você dirigir rápido Jeon Jungkook… — Os dois arregalaram os olhos e num piscar de olhos já estávamos dentro do carro. A única coisa que eu desejava agora, era que o pé de Jeon se afundasse no acelerador e que nós chegássemos rápido, e vivos. Claro.


Notas Finais


SERÁ QUE O TRIO CHEGA VIVO NO BAR? façam suas apostas!

Muito obrigadaaaa por tudo pessoal, ainda não acredito que essa fic chegou até aqui! Prometo deixar de ser vagabunda e voltar com tudo pra minha amada She is? ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...