História She is demon - Capítulo 12


Escrita por: ~ e ~Paula_DBieber

Postado
Categorias Elizabeth Gillies, Justin Bieber
Personagens Elizabeth Gillies, Fergie, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber
Tags Bieber, Criminosa, Psicopatas, Treta
Exibições 41
Palavras 1.607
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura povo ❤😘👌

Capítulo 12 - Bala Filha puta


Fanfic / Fanfiction She is demon - Capítulo 12 - Bala Filha puta

                Justin P.O.V

- Eu não confio nela - disse meu pai sentado em sua poltrona no  escritorio.

Enquanto eu estava jogado em seu sofá.

- Eu tambem não, mas, fazer o que, ela se tornou importante pra minha mãe - disse dando de ombros.

- Sua mãe é louca de colocar uma psicopata dentro da nossa casa - disse ele se levantando e andando pra lá e pra ca - Eu tive uma ideia, que tal nós colocarmos as crianças pra longe dela - disse ele olhando pra mim - Tenho medo que ela encoste neles - disse Jeremy a mim.

- Ela não faria isso, ela os ama demais pra ousar machucar eles - disse sabendo muito bem disso, o modo como ela fala deles, é notavel que meus irmãos são importantes pra ela.

- Ou ela esta só mentindo pra você, atuando, pra que você acredite nisso, e ela pode sequetrar eles - disse Jeremy cego, com o que falava, eu não acreditava que Elizabeth, teria tal audacia para machucar meus irmãos, eu via que ela os amava.

Jeremy estava cego, por algum motivo, algo o encomodava, esses dias ele não parava queto, ele estava todo hora saindo para algum lugar, sempre querendo levar as crianças.

- Filho - disse ele me chamando.

- Eu não sou seu filho, desde que você traiu minha mãe, Jeremy - disse com nojo na voz.

- Justin, leve Elizabeth pra bem longe daqui, pra mim conseguir leva Patricia, Erin e as crianças em segurança, longe daquela, mulher violenta - pediu ele, não sabia se era uma boa ideia, Elizabeth iria pira se descobrisse.

- Okay, mas, só vou fazer isso pelo os meus irmãos  - disse me levantando e saindo do escritorio dele.

Fui pra sala e lá estava todos, Jeremy apareceu atrás de mim e observou eles felizes.

- Crianças, Pattie, e Erin, vamos sair - Mandou ele, elas se levantaram e foram na direção da garagem, jeremy passou por mim e deu uma olhada dura.

- Eai gente - disse indo me sentar com eles no sofá, e todos responderam um oi tambem.

- Galera o que acha da gente ir tirar um pouco a Liza do quarto, não gosto de ver ela assim - disse Fergie.

- Otimo podemos ir a praia - disse fazendo todos se virarem pra mim.

- Bieber querendo ajudar alguem - disse Chris - Tem coisa ai - disse ele rindo e me fazendo ri nervoso.

- Okay gente, então vamos - disse Chaz se levantando, e todos foram seguindo ele.

                  [....]

- Eles acham que eu irei matar crianças? - perguntou, mas eu não a olhei - E o que você acha Bieber, que eu mataria vocês, que eu mataria as crianças que eu mais protegi? - perguntou ela desacreditada.

- Eu não acho isso, mas, Jeremy acha isso, acha que a qualquer momento você vai surta e mata todo mundo de surpresa - disse olhando em seus olhos - Jeremy está cego por algo, tem alguma coisa encomodando ele - disse pensativo.

- Okay, eu vou dar uma volta - disse ela caminhando pra longe da minha vista.

Até que sinto meu celular vibra, e vejo que é uma ligação de Jeremy.

Ligação ON

- Filho, vejo que conseguiu, nós vamos passar um mês fora - disse ele.

- Não me chama de filho - disse com o maxilar trincado - Okay, faça o que quiser - disse tentando mostra indiferença.

- Justin, quero roube o maior banco de Miami, venda a minha mansão e compe outra em Atlanta, volte pra atlanta e fique nessa mansão até segunda ordem - mandou ele como se tivesse o maior trafico de Atlanta em mãos - Dai o resto da grana, o toda sua - disse ele falando a minha lingua.

- Okay - disse desligando na cara dele.

             Ligação OFF

Ele vai passa uma mês com minha mãe, as crianças e Erin. Mesmo Erin não sendo do mesmo sangue que eu, considero ela da minha familia. Eu lembro quando eu era menor, depois de Jeremy trair minha mãe com varias vadias e depois se casar com Erin, ela era como uma segunda mãe. Eu vinha na casa de Jeremy por que minha mãe tinha que trabalhar e não tinha ninguem pra cuida de mim, então eu corria em volta da casa de Jeremy e Erin ficava me olhando, Jeremy nunca foi um bom pai, sempre que vinha aqui quem cuidava de mim era Erin. Enquando Jeremy estava ocupado demais, Erin brincava comigo, e quando eu me machucava elai que fazia os curativos.

             Elizabeth P.O.V

Eu estava completamente perdida, eu andava sem rumo na calçada do outro lado da praia. Eu não acreditava que eles tinham tal audacia de dizer que eu seria capaz de machucar meus pequenos.

Até que vejo um carro preto se aproximando, e o vidro da porta de tras abri, dela sai uma metralhadora que começa a atira em minha direção, enquanto eu corria.

Corri e virei a direita em uma rua, mas ela era sem saida, então corri até a caçamba de lixo e me joguei do lado dela, ouvindo os tiro pegarem na caçamba. Até não ouvir mais nada.

Me levantei e senti uma dor no ombro esquerdo, olhei pra ele e estava sangrando, coloquei a mão pra tampar o sangramento.

Sai daquela rua e fui na direção do quiosque que eu tinha falado com o Justin. Ele ainda estava lá e ajeitou a postura quando me viu, e depois olhou estranho pro meu ombro.

- O que aconteceu? - disse ele vindo até mim, com uma cara de preocupado? Acho q não, provavelmente assustado.

- Depois explico, vamos pra casa agora, e chame todos - disse meio ofegante, em seguida me virando e indo pro meu carro.

- Você não vai dirigi assim - ouso a voz de Bieber atrás de mim.

- Eu consigo, agora vá chamar os outros, eles tam...bem estão corren...do peri...go - disse com palavras falhas, sei que não estava em bom estado, mas eu sei que ia consegui dirigi. Entrei no meu carro e liguei ele, mas Bieber abra a porta do passageiro e entra.

- Eu aviso eles por telefone, e caso vc não consiga dirigi eu vou estar aqui - disse ele, talvez, mais muito talvez, se importando.

Acelerei em direção a mansão, mas no meu do caminho, meu ombro começou a doer muito, então acelelrei mas pra chegar rapido na casa dos Bieber.

Bieber notou minhas caretas de dor, e ficou me observando.

- Para o carro, eu vou dirigir - disse ele, mas neguei com a cabeça - Dá pra ver nos seus olhos a dor insuportavel que você ta sentindo - disse alto, olhei pra ele.

- Cala essa boca, e liga pro pessoal - disse sendo grossa.

                        [...]

Os portões se abrirem e eu entrei no jardim da mansão, sai do carro mais rapido possivel. Fui em direção a mansão.

Ajoelhei do lado da mesinha de centro da sala de estar.

- BIEBER - gritei pra ele ouvir.

Ouve o pesssoal chegando, e quando me viram sangrando me olharam estranho, Bieber entro desesperado.

E eu acho que talvez, talves mesmo, ele estava preocupado comigo.

- Fergie quero sua pinça - disse olhando pra ela - Chaz quero uma toalha umida e uma faca - disse apontando com o dedo para ele - Chris me arranje alcool - falei terminando, eles foram buscar as coisas enquanto eu tirava a minha blusa, ficando só de sutiã.

Eles trouceram as coisas, menos Chris que ainda não chegado. O resto estava sentado no sofá, com cara de desentendidos.

- Tomara que você não vá fazer o que eu estou pensando Elizabeth - disse Fergie, me fazendo olha pra ela e concorda - Você é louca, dá ultima vez você perdeu muito sangue fazendo isso - disse ela alto se levantando do sofá e apontando pra mim.

- Ahhh, obrigada por me lembra, CHRIIISSS PEGA GAZE, LINHA E AGULHA - gritei pra ele, que logo veio com as coisas mas estava faltando o alcool.

- Não tem alcool - disse ele respondendo meus pensamentos.

- Pega vodka - disse simples, ele concordo e foi pega, logo trazendo até mim.

Abri a vodka e tomei um gole, peguei minha blusa e coloquei na boca, respirei fundo umas 3 vezes, e depois joguei a vodka no ferimento, me fazendo grita abafado.

Tirei a blusa da minha boca e deu 3 goles na vodka, peguei o pano umido e limpei o ferimento. Joguei vodka na pinça, na faca e na agulha. Peguei a faca e fiz dois pequenos cortes, na direito do ferimento e na esquerda.

Coloquei de volta o pano na boca e coloquei a pinça lá dentro tentando pega a bala.

Mas a porra da bala estava afundando mais, então larguei a pinça, respirei fundo e coloquei a mão lá.

Com as minhas unhas fiz um jesto de pinça e consegui arranca a bala.

E todos me olhavam perplexos, menos Fergie que já estava acustumada, Bieber me olhava diferente, não estava perplexo igual aos outros, eu não sabia que olhar era aquele, poderia ser nojo, angustia, ou ele só estava achando graça da situação, mas eu realmente não conseguia desifrar ele.

Joguei mais vodka no ferimento, me fazendo grita novamente, peguei a agulha passei na linha, e costurei o ferimento, Fergie negou com a cabeça e saiu da sala. Terminei de costurar e coloquei a gaze.

- Garota, você é dá pesada mesmo em - disse Ryan rindo meio nervoso.

- Preciso de um banho - disse me levantando.


Notas Finais


Favoritem e comentem, se gostaram, obrg a todos. Elizabeth "agradece".


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...