História She is my spirit ~ Norminah - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Dinahjane, Fifthharmony, Normanikordei, Norminah
Exibições 231
Palavras 2.905
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


DESCUMPEM OS ERROS. NÃO TIVE TEMPO DE REVISAR ONXAPITULO !
GENTE, UMA DAS LEITORAS ME DISSE QUE O FATO DE EU ESCREVER "And" , ou invés de "Andy ", A ESTÁ INCOMODANDO UM POUCO. EU ME ACOSTUMEU A ECREVER " AND".ATÉ PORQUE, ANDY É UM OUTROU NOME, ALHEIO A ANDREA. SE QUISEREM QUE EU PASSA A ESCRECER COMO A MAIORIA, OU SEJA "ANDY", DIGAM NOS COMENTÁRIOS
😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇😇

MEU COOLRAÇÃO PARA VOCÊS 💜💜💜💜💜💜💜💜💜💜💜💜

Capítulo 10 - This is your gay friend, Mom?


Fanfic / Fanfiction She is my spirit ~ Norminah - Capítulo 10 - This is your gay friend, Mom?

                                            DINAH    P.O.V.

   Novembro de 2016  -  Santa Anna, Califórnia


Seguro a tábua de carne com firmeza em minhas mãos. Estreito meus olhos procurando ângulo e mira exatos, para arremessar o objeto em direção a pia. Prendo minha respiração e encaro a pia olho no olho, ou melhor... olho no ralo.
  Tomo um ultimo impulso e me preparo para lançar a tábua, quando de repente minha mãe surge na porta da cozinha e me  olha com uma expressão de pânico ao perceber o que eu estava prestes a fazer .

-NEM PENSE EM FAZER ISSO ! ! ! - Disse com os olhos arregalados - ESTÁ QUERENDO DESTRUIR MINHA COZINHA ?

  Sorri sem graça para a polinésia enquanto abaixava o objeto, e em seguida me encostei na bancada que estava atrás de mim.

-É que... -Coçei minha cabeça - Eu terminei de limpar a cozinnha,e  resolvi ...

-Resolveu quebrar minha cozinha ? - Me interrompeu cruzando seus braços.

-Eu só estava brincando, mãe. -Estalei minha língua - Eu estou nervosa, preciso relaxar ...

-Nervosa ? Porque está nervosa ? Até parece que é você  quem vai apresentar seu namorado a família... - Riu enquanto negava com a cabeça

  Pois é... há alguma semanas Normani disse  que tinha encontrado um "namorado". Na minha opinião, ele é só um disfarce, para tia And não ficar enchendo ela de perguntas sobre sua vida amorosa. Aposto que ele é gay. Aposto também, que ele não sabe sobre a "profissão" dela. Nenhum cara aceitaria ter uma namorada e concordaria com o fato dela transar com outros homens, e se aceitasse, poderia ser chamado de um bom filho da puta.
    Se fosse comigo, ela jamais se deitaria em outra cama que não fosse a minha. Ela  só faria amor comigo, só transaria em minha cama .... bom... na minha cama,no meu banheiro, na minha sala... com certeza, na minha cozinha, e etc. Agora, voltando ao assunto do tal namorado, ele vem jantar aqui hoje. Por,isso eu tive que limpar a cozinha. Minha mãe e tia And,sujaram tudo, só para cozinhar milhares de coisas para esse estranho.
Eu sou obrigada receber um concorrente rival em minha casa, e ainda tenho que limpar a bagunça da cozinha.

-Por que você sempre faz isso ?- Perguntou a mais velha, fazendo com que eu voltasse a realidade

-Isso, o que ? - perguntei confusa

-Começa a olhar para o nada, sempre que eu estou falando algo com você . - Explicou.

-Eu já te expliquei centenas de vezes, mas você não entende ... - Suspirei - Eu tenho dois mundos, esse aqui... - Aponto para o chão com meus dedos indicadores  - E o mundo dentro de minha cabeça, onde tudo é perfeito, e acontece como eu quero. E meus pensamentos me dominam as vezes.

-Tudo bem... - Deu dois tapinhas em meus ombros  - vou tentar me lembrar disso, na próxima vez em que você estiver fazendo caretas enquanto olha para o nada. - riu

-Eu vou me trocar... - Rolei os olhos por conta de sua risada - Já que estou sendo obrigada -

-Vá, e volte linda! - Falou entre suas risadas

-Eu já sou linda naturalmente... - Mandei um beijo no ar e sai da cozinha

  Mesmo fora da cozinha, ainda conseguia escutar a risada de dona Milika. Será que eu fico fazendo carentas enquanto estou distraída ? Tomara, que não ! Seria um pouco constrangedor.

-Parada aí ! - Ouvi a voz que mais me instigava ordenar atrás de mim - Que história é essa, de dizer para Anna, que o Joedan é meu amigo gay ? -Me virei para encarar um Normani brava

-Eu não disse que ela era seu amigo gay, eu disse que  TALVEZ, ele,fosse seu amigo gay. - Me justifiquei

-Nossa ! Isso melhora tudo ! - Falou visivelmente em tom de irônia -  Eu já te disse , que não gosto que você fique falando esse tipo,de coisa, para minha filha. Caso não se lembre, ela. é uma criança.

-Eu só estava brincando ! Não precisa ficar estética. - Rolei meus olhos
-Não quero que faça esse tipo de brincadeira estupida, com minha filha !

-Sim, senhora. -Bati continência para a morena - Mais alguma coisa - fingi estar entediada

-Não ! - Bufou - Não vou perder mais tempo com você, eu vou me arruma, para o meu namorado, que já deve estar chegando - Sorriu quadrado

  Claramente, ela estáva  tentando me provocar, para que eu  deixasse meus ciúmes escancarados. Mas isso não iria acontecer. Muito pelo,contrario, se ela quer jogar, que comecem os jogos.
  Ergo uma de minhas sobrancelhas e rodeio seu corpo por completo.

-Por falar nele, ele sabe que tipo de emprego você tem ? - Umideço meus lábios com a ponta de minha lingua

-Mas é claro que sabe! Ele se ofereceu para ser meu cafetão, foi assim que nós nos comhecemos. Agora, eu sou uma de suas prostitutas - Debochou

-Já percebi, que não... - Analiso minhas  unhas. - Me diz, você arrumou um namorado, só para trai -lo com seus clientes ? - Provoquei

-AH, VAI PARA ....- respirou fundo e girou seu pescoço para o lado - Com licença... -Me empurrou para o lado, para que eu liberasse  sua passagem - Eu vou me arrumar ... - Subiu as escadas e sumiu do meu campo de visão .

   Parece que minha provocação funcionou. Isso já está se tornando um hábito, ou melhor, um robbie.
   As vezes, quando paro para pensar em algumas brincadeiras que faço, me sinto um pouco mal. Mas passa, quando vejo ele brava.
  Na noite de uma de minhas maiores bebedeiras, eu não teria nem chegado em casa, se não fosse ela .

Saio de meu mundinho particular e resolvo ir me arrumar. Tenho que estar preparada para tornar a vida desse tal  Jordan, um inferno.

  Pego uma simples calça jeans, uma blusa branca que cobre metade de minha barriga e uma jaqueta em um tom claro de rosa.
   Entro em meu banheiro e tomo um banho bem demorado. Quanto mais eu demorasse, melhor. Elas, e ele teriam que me esperar.
   Deixo a água lavar todas as partes de meu corpo, com muita calma e cuidado. Saio do banheiro sem me incomodar com o relógio. Me visto. Borrifo um pouco de perfume em meu pescoço. Arrumo meu cabelo. Faço uma leve maquiagem e desço.

  Me surpreendo ao encontrar apenas as outra quatro moradoras dessa casa, na sala.

Tia And  e minha mãe falam algo para mim, mas logo se esquecem de minha presença e se encaminham para a cozinha, com Anna , nos deixando sozinhas por alguns instantes.
   Não demora muita e nosso silêncio é interrompido pelo som agudo da campainha.
  Normami se levanta em um solavanco e corre até a porta. Antes de segurar a maçaneta, ela passa suas mas em seu vestido que era mais justo que Deus e arruma seu cabelo. Depois de uma ultima arrumada, ela finalmente abre a porta.
  O homem que passa pela porta, é o clássico : "Homem como Normani gosta". Ele é alto, musculoso, olhos verdes escuros, cabelos negros, dentes brancos e alinhados, um rosto bem másculo  e uma pele branca,sem nenhum sinal de bronzeado. -Quando terminarmos aqui, eu vou apresentar  a ele, o Sol - Bom, é só isso que eu tenho a dizer sobre ele, não reparo muito nesse tipo de humano.

   O ser humano desprovido de cor em sua pele se aproxima de mim, e estende sua mão, para que eu o comprimente.

-Olá . - Sorrio falsamente enquanto aperto sua mão

-Então, você que é minha cunhada ? - Riu baixo sem soltar minha mão

-Cunhada ? - Fiz uma careta enquanto o olhava incrédula - Caso você não saiba, eu e Normani não somos irmãs - Solto minha mão da sua - Depois do que fizemos, seria até pecado, se fossemos irmãs .... -Falo a última parte baixo.

- Como disse ? - Estreitou seus olhos e Me olhou confuso 

- Não liga para ela... - Normani falou envergonhada - Ela costuma fazer esse tipo de brincadeira... - Falou sem graça - Vem - Segurou a mão de seu namorado - Vamos ver onde está minha mãe. - O arrastou até a cozinha onde sua mãe estava.

Segui os dois até a cozinha. Adentrei o local e caminhei até Anna, que estava sentada sobre a bancada da cozinha e a segurei em meus braços . Ela era a única que não estava dando a minima para o babacão.

-Esse é seu amigo gay, mamãe ? - Anna fez a seguinte pergunta, e todos se calaram.

    Depois de alguns instantes de silêncio, tenho que me me segurar parar não rir. Olho para as mais velhas, e elas parecem se segurar,para não rir também.

-Não filha... - Normani parecia estar quase explodindo de tanta vergonha - Esse é o namorado da mamãe - Falou paciente

-O que é gay ? - Um bico se formou nos lábios da pequena

-Então, vamos para a sala de jantar ? - Dona Milika mudou de assunto

-É, vamos, o jantar já estar pronto .-  A avó da menina curiosa tentou ajudar minha mãe a mudar se assunto.

- Vamos ! - A morena arrastou o homem mais uma vez

Todos saíram da cozinha e foram para a sala de jantar, exceto eu, e a pequena Anna.

-Anna... -Sorri a olhando - Eu te adoro mais, a cada dia que se passa! - Seguro seu rosto e deposito um beijo estalado em sua bochecha enquanto andamos até a cozinha.

- Eu também gosta de voxe, tia Dinah... - Colocou seus braços ao redor de meu pescoço e me apertou em um abraço

  Coloco a garotinha sentada em uma das cadeiras laterais vazia, puxo a cadeira livre ao seu lado, e me sento .

-Isso é verdade.  - Jordan disse sorrindo olhando para Normani- Ela é muito dedicada ao trabalho.

-E como é ... - Digo sorrindo - Eu já tive a oportunidade de acompanhar seu trabalho de perto, e posso afirmar que ela é muito dedicada, e que ela trabalha muito bem. -sorri de lado - Ela....

-Quem quer salada ? - A morena mais nova perguntou com uma expressão aflita

-Eu quero manter minha boca livre, para .  . - Antes que eu pudesse terminar minha frase, uma colher cheia de salada invadiu minha boca

-Vamos comer ... - Normani propôs depois que quase me matou com a salada.

  Mastiguei a salada que havia sido enfiada em minha boca, junto com minha vontade de destruir todo o mundo.
  Segui em silêncio, pelo resto de todo o jantar. Enquanto todos jantavam e concersavam, eu apenas  comia em silêncio. Não queria participar de todo esse teatrinho que Normani estava fazendo.
  Como o ultimo pedaço de meu  Haupia havaiano, que minha mãe havia feito para a sobremesa e me levanto com a desculpa de ter que ir ao banheiro.

  Volto do banheiro e encontro todos conversando animadamente , na sala. Me sento em uma poltrona. Presto atenção em cada palavra que elas trocam , porém, não me pronuncio, apenas concordo com a cabeça, quando perguntada sobre algo.
  Agradeço a todos  os Deuses, quando o homem afirma ter que ir embora, por conta do,horário avançado. Sorriso ao vê -lo sair pela porta.

-Tchaaauu...- Ergo minha mão e balanço meus dedos - Se me dão licença, eu vou dormir. Tenho que ir para o hospital, amanhã ... - Me levanto e ando até as escadas - Boa noite .

-Boa noite ... - Dizem as mais velhas em união.

-Boa noite .- Normani disse emburrada

  Anna corre até  mim . Ergue seus bracinhos para que eu a pegue. Inclino meu corpo,para alcançar a menina. Seguro seus braço e a seguro em meu colo. Arrumo seu pequeno corpo,em meus braços e espero que diga o motivo pelo qual correu até mim.

-Tia Dinah...  - Me olhou com aqueles olhinhos castanhos hipnotizantes enquanto colocava seus braços  em volta de meu pescoço, para se  segurar - Você conta histolinhas pala mim, hoje ? -

-Meu Amorzinho,  Tia Dinah está cansada... -Faço cara de preguiça - Pode ser amanhã ?

-Não... - Fez beicinho e negou com a cabeça - Eu quelo agola! -  Exigiu

-Anna, não é assim que se fala !  - Sua mãe a repreendeu - Isso é o que acontece, quando mima demais uma criança.

-Você também mima ela . - Ergo minhas sobrancelhas

-Mas diferente de você, eu sei dizer, não ! - Me encarou desafiadora

-As duas mimam muito a Anna... - Tia And se prumunciou - Assim, como todos que a cercam...

-E ficar discutindo, sobre quem mima mais, e quem mima menos, não ajuda muito. - Minha mãe completou a frese de sua compamheira.

- Anna, Peça desculpa para as duas. - Disse Andrea

-Deculpa, mamãe - Abaixou sua cabeça - Deculpa, tia Dinah ... -Ergueu seu rosto e beijou minha bochecha

-Won... - Agora foi a vez de Normani e eu compartilharmos a mesma palavra .

-Sem "Wons" - Minha mãe disse, tentando parecer durona

-Agora , coloque ela no chão... - Tia and mandou, e eu obedeci contra minha vontade  -  Anna -Falou o nome da pequena, que logo olhou para ela.  - Você vai para seu quarto, vai se trocar, e vai dormir sem historinha hoje, porque você fez algo feio.- Anna apenas a obedeceu, enquanto eu e sua mãe  Olhavamos incrédulas para as mulheres mais velhas

-É assim que se faz, amor.... - Minha mãe parabenizou tia And. As duas trocaram um rápido selinho e um high five, em seguida.

-Vocês são monstros - Fiz uma falsa expressão de espanto - Eu vou lá para cima, e vou ler quantas estorinhas, ela quiser ! - Subi as escada pisando com força nos degraus da escada.

  
  Cruzo o corredor e em poucos segundo estou entrando no quarto de Anna. Ando até sua estante de livros sem dizer nada. Pego alguns livros que eu ainda não havia lido para ela. Ando ate sua cama. Me sento na poltrona rosa que fica ao lado de sua cama. Abro um dos livros e encargo a menina.

-Eu vou ler quanto livros você quiser, meu amor... -sorri

Cobri seu corpo com o edredom. Arrumei seu travesseiro, para deixa-lo o mais confortável possível, para ela. Coloquei os livros que não iria usar, sobre a cama e começei minha leitura.

-O que você  está fazendo ? - Normani  andentrou o quarto e parecia uma pouco irritada

-Eu estou lendo. - Respondi calmamente, sem retirar meus olhos do livro.

-Minha mãe disse que não era para contar histórias, para ela, hoje!

-Eu não estou contando, eu estou lendo . - Sorri sínica

-Pois então, pare . - mandou - Nada de histórias, hoje . - Arrancou o livro de minhas mãos.

- Por que fez isso ? - Me levantei

-Porque está fazendo algo que eu disse que não era para fazer.

- Eu só estava lendo uma história, para ela. - Me exaltei

-Não, você estava desacatando uma ordem minha. -aumentou seu tom de voz - Você precisa entender, que quem decide o que Anna vai fazer, ou não, sou eu, porque eu sou a mãe dela, não você. - bufou

-Não bliga . . . - Ouvi a voz de Anna pedindo.

- Anna, não se meta na conversa de adultos ...- Repreendeu a menina

-Não fale assim com ela ! - Aponto meu dedo indicador para Normami

-Não se meta na maneira com eu falo com minha filha ! - Abaixou meu dedo - Primeiro, quase arruina meu jantar, falando aquelas besteiras para o Jordan, e agora, vem tirar minha autoridade de mãe, e a autoridade de avó, da minha mãe, e até mesmo de sua mãe.

- Não bliga... - Anna repetiu seu pedido

- ANNA, NÃO SE META ! - Cerrou seus punhos e fechou seus olhos

-DÁ PARA VOCÊ PARAR DE GRITAR ? VOCÊ ESTÁ ASSUSTANDO ELA ! - Seguro os  braços de Normani e a chacoalho

-Não bl... - O faro da frase de Anna ter ficado pela metade, faz com quem nós a olhemos.

  Nossos olhares se focam em Anna jogada de qualquer jeito na cama. Corremos até ela . Trocamos olhares de desespero,por alguns, segundos  e tentamos de todas as fotmas , fazer com que Anna acordasse. Meu primeiro impulso, é checar a pulsação de Anna. Seus batimentos estão lentos e intensos.

-Ela não está conseguindo respirar...  -inicio uma massagem cardíaca.

- Eu acho que não é o coração, eu acho que... -Soluçou enxugando suas lágrimas. - Acho que são os pulmões !

-Eu tinha me esquecido da doença dos pulmões... -  Sem pensar Duas vezes, seguro Anna em meus braços e corro para o carro.

  Normani deveria ter pensado nisso, mas com certeza, naquele momento, seu desespero era maior do que sua capacidade de raciocínio.
  Saímos de casa sem avisar nada, a nenhuma de nossas mães. Normani apenas entrou no banco de trás com Anna, e eu tomei a direção do carro, para irmos para o hospital mais próximo.
  

-Vai ficar tudo bem com ela ... - Tentei tranquilizar a mulher que não parava de chorar .- Acredite  em mim.


Notas Finais


"AND" OU "ANDY"


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...