História She is ours - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Big Bang, EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Cl, D.O, G-Dragon, Jimin, Jungkook, Kai, Lay, Lu Han, Minji, Park Bom, Personagens Originais, Sandara Park, Sehun, Seungri, Suga, Suho, T.O.P, Taeyang, V, Xiumin
Tags Bangtan Boys, Big Bang, Exo, Harem, Hentai, Mistério, Misticismo, Violencia
Exibições 76
Palavras 4.566
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Harem, Hentai, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi meu queridos, voltei com mais um capítulo.
Já vou avisando que vai ter putaria tá.
Até as notas finais 😄❤

Capítulo 11 - Perfeita filha do inferno.


Fanfic / Fanfiction She is ours - Capítulo 11 - Perfeita filha do inferno.

Londres, 21 de março, 1926

Madrugada a dentro, como gosto de andar a noite, pena que seja para uma tarefa tão ingrata como a de proteger a cidade contra isso, anjos e demônios, porquê sempre tão barulhentos, a umbra fica completamente perturbada com eles fazendo suas extravagâncias.
Vou até o pier e sinto presenças humanas, rituais de sacrifício.

Não…

Não existe medo e desespero aqui, apenas calma e... angustia, uma ansiedade.

Entro e me deparo com uma atrocidade, uma aberração estava sendo feita na minha frente, 4 demônios que me pareciam apenas um, 12 almas sendo unidas e repartidas novamente, humanos sofrendo, e 9 anjos.
O que eles estão fazendo?

Não a tempo pra impedir, o que fazer agora?

Só existe uma saída, mas ela é proibida, não mais proibido que esse ritual que acabo de encontrar, na verdade, esta magia que pretendo usar  é uma lenda.
Isso não poderia estar acontecendo e aquelas quatro são responsáveis…não tenho tempo, lenda por lenda irei acreditar na minha, proibição por proibição que eu quebre pra salvar a humanidade, peço aos que me guardam, que eu me lembre de um resquício dessa vida pra que eu possa acabar com tudo na outra, na minha nova vida.
Até lá aberração.

                         °°∆°°

— E agora você está aqui, bem na minha frente, a perfeita filha do inferno, eu falhei… agora que encontrei você novamente, não conseguiria te matar.- proferiu cada palavra com extremo pesar na fala.

— Porque não conseguiria?

— Você nasceu de um ritual proibido, sendo necessários vários sacrifícios, inclusive os dos que te protegem agora, pobres humanos…Nao sei exatamente do que você é capaz, só você poderá descobrir, projeto de demônio com alma humana…- dessa vez ele não olhava em meus olhos, fitava o chão que lhe parecia mais interessante no momento, ou simplesmente não conseguia mais me encarar como antes, o peso de ter falhado era grande nele.

— Não respondeu a minha pergunta, porque não conseguiria me matar agora? - disse segurando seu rosto, o envolvendo em minhas mãos e o fazendo olhar em meus olhos, achei que iria me repelir, mas nada fez.

— Você possui uma alma humana, não uma alma comum, mas também uma alma boa e pura, não pode simplesmente ser destruída - sua fala me deixou mais que surpresa, nunca imaginei em hipótese alguma que ouviria isso de alguém, depois de ser tão ofendida por Kyungsoo é até mesmo sem querer por Xiumin, alguém me dizer que sou pura…

— Pura? Eu absorvi almas com o meu corpo, fiz de humanos meus escravos, como possuo uma alma pura? Eu fiz anjos sentirem desejos mundanos, se tem uma coisa que eu não possuo é pureza. - a voz saiu indignada e revoltada, mesmo tentando parecer calma, querendo ou não, me sentia extremamente culpada por causar tais sentimentos.

— Humanos tem uma ideia errada de pureza…ser casto não é uma virtude, é completa e pura estupidez imposta por crenças inventadas pelo homem, você não fez nada de errado, foi criada para isso, aquelas almas sempre foram suas, eles fizeram um pacto e um ritual, desejos carnais nunca foram e nunca serão errados.- sua voz saiu alta e decidida, sabia do que estava falando, fiquei estática durante alguns segundos, ele ainda não piscava.

— Qual seria a real ideia de pureza então?- proferi as palavras em um verdadeiro sussurro, ele conseguia me intimidar facilmente.

— Você não sabe?...vai saber quando for necessário - ele disse com um sorriso sarcástico nos lábios, apenas aceitei que ele não me contaria.

—Você sabe muito sobre mim, porque nunca me procurou? O que você é a final?

— O que eu sou? …bem, não me lembro muito bem, as únicas coisas que me lembro é de seu nascimento e da presença dos anjos no ritual, provavelmente queriam impedir isso tudo, mas já era tarde, então eles foram pegos pelo meu feitiço, lembro-me de ter a tarefa de impedir tudo aquilo, apenas isso.

— Que feitiço? - ele era uma espécie de bruxo por acaso? Primeiro começo a ter visões obscenas, transformei pessoas em "servos" e "valetes", anjos aparecem querendo me matar por um motivo tão estúpido que me enche de ódio só de lembrar, e agora descubro que meu diretor é uma espécie de bruxo que tentou impedir isso tudo mas não conseguiu, então usou um feitiço em todos os envolvidos…preciso me internar de verdade, isso ta indo longe de mais.

— Uma coisa proibida que foi necessária…meu feitiço isolou a área onde tudo estava acontecendo naquela noite, deixei o tempo passar enquanto o universo era moldado… no caso 90 anos, moldei todas as pessoas em custo a minhã própria memória e vida, para pelo menos adiar durante um tempo seja lá o que aquelas quatro pretendiam. - não consegui esboçar uma reação se quer, era loucura, total e insana.

— Memória? Mas você se lembra de quase tudo.

— Exato, não tudo, venho me lembrando aos poucos, principalmente quando te vejo, as coisas vêem a tona, como agora, eu não lembro de minha antiga vida, memórias desta se misturam com as outras. - falou segurando minhas mãos que ainda estavam em seu rosto, seu toque era gelado, não tinha reparado mas ele exalava um cheiro bem peculiar, lembrava algodão doce, bem estranho mas combinava com ele. Mesmo sabendo o quanto eu podia causar mal à esse mundo, ele me olhava de forma serena.

— Bem Luna você tem que voltar para aula, já passou tempo de mais aqui, se eu me lembrar de algo mais, eu vou lhe procurar - falou com um sorriso discreto.

– Promete? - tirei minhas mãos do toque das suas e levantei o mindinho para ele, ele agarrou com seu próprio mindinho, selando a promessa.

— Eu prometo - proferiu as palavras entre risos, pode parecer bobo fazer promessas de mindinho mas pra mim isso é coisa séria, sempre foi, a quebra de uma promessa acarretaria péssimas consequências.

— Agora vá para aula, quer dizer fim da aula não é, demoramos muito aqui.- disse se levantando e indo em direção a sua mesa, se sentando confortavelmente em sua cadeira.

— Sim senhor.

— Já disse para me chamar de Taeil criança.- criança?

– Ah verdade, isso me pensar, tenho mais de 90 anos... - ele caiu na gargalhada com meu comentário bobo.

– Sim, pode ter relacionamentos com seus professores sem culpa agora - disse enquanto se contorcia de rir, parecia realmente uma criança, que abusado.

— Você sabe sobre isso também? - perguntei preocupada, isso não era permitido no colégio, eu sabia bem disso.

— Obviamente, GD deixa bem claro o quanto gosta de você nas reuniões, e Kyungsoo…bem …ele te odeia não é?, sei que ele é um anjo, deve sentir-se culpado por te querer, então transforma o desejo em raiva. - ele resumiu Kyungsoo tão perfeitamente que me surpreendeu.

— Aquele imbecil…- só de me lembrar dele aquelas confusão de sentimentos me toma conta, queria tanto que ele sumisse, ou que nunca tivesse existido, ou nunca me encontrado.

— Pelo visto o ódio é recíproco, não se preocupe tudo irá se resolver entre vocês...- ele disse com uma expressão indecifrável no rosto.

— O que quer dizer com isso?- perguntei me aproximando novamente.

— Vá para aula Luna, e não se esqueça, se estiver atravessando o inferno, apenas continue andando - sua voz saiu firme novamente, meu corpo praticamente se moveu sozinho indo em direção a porta, acabei saindo da sala, foi extremamente desconfortável, não tive controle do meu corpo, ele se movia por vontade própria indo em direção a minha sala, ele era realmente um bruxo! Andava tão rápido que esbarrei em um ombro alheio com força, a pessoa em questão me segurou pela cintura impedindo que eu me chocasse com o chão.

— Tome cuidado Luna, pode se machucar andando assim pelos corredores - uma voz grave soou, girei o corpo encontrando o rosto  simetricamente perfeito de Choi Seung, meu amado professor de história, e um dos meus valetes ainda não despertado.

— Ah me…me desculpe, tomarei mais cuidado - essa era a minha chance de te-lo, mas … seria difícil…não,não devo pensar assim, como Taeil mesmo disse, eles são meus, virão até mim, eles me servem, não que eu ache isso certo mas, preciso faze-lo meu, nada mais importa, sendo certo ou não.

— Professor…- disse encurtando a distância entre nós o suficiente para sentir sua respiração bater contra meu rosto, apertei sua mão sobre minha cintura, o vi engolir seco, seus olhos se fecharam, ele respirou fundo antes de me responder.

— Sim…Luna por…por favor não se aproxime assim - ele disse ofegante apenas com uma leve aproximação minha, é verdade, Taeil tinha toda razão, eles realmente são completamente meus, posso te-los facilmente.
Vi a marca em seu punho brilhar, agora seria meu valete oficialmente, afinal ele deseja isso tanto quanto eu, posso senti-lo, vejo os pelos eriçados de seu braço e sinto sua mão trêmula sobre minha cintura.

— Professor…não, ChoiSeung… o que está se passando pela sua cabeça agora em?- ele agarrou meus braços com seus punhos, o aperto foi forte, na verdade muito forte, deixaria marcas sem duvidas, ele grudou nossos corpos de maneira bruta, olhei em volta e agradeci por não haver ninguém nos corredores neste horário.

— Sua pirralha, você fez isso com GD não é? E agora quer fazer o mesmo comigo…você sabe o quanto isso é errado. - disse em um verdadeiro rosnado, com seu rosto bem próximo ao meu, seu olhos estavam vidrados, só mais um empurrãozinho e ele cederia facilmente.

— Sim eu fiz…e sim eu sei que é errado, mas…quanto mais errado mais gostoso não acha? - soltei com uma voz manhosa, ele inconscientemente soltou mais um rosnado misturado a uma espécie de gemido abafado, causar isso mas pessoas estava sendo fácil, parecia algo natural meu, me sentia extasiada quando os tinha na palma da mão, era excitante, e devo admitir extremamente divertido.

Ele não me respondeu, apenas começou a me arrastar pelos corredores, sua mão apertava com uma força um tanto exagerada meu pulso, eu apenas me deixei levar, mirei seu rosto completamente transformado, seus olhos vidrados foram consumidos pelo branco sem vida, estava literalmente possuído pelo desejo, sorri em deleite, estava sendo mais fácil do que pensei, devo aceitar minha sina, e tudo se tornará mais fácil.

Chegamos em uma porta bem isolada, se encontrava em um corredor escuro, por onde ninguém passava, diziam ser mal assombrado, ao que parece uma estudante se matou ali naquele corredor por razões desconhecidas, diziam também que seu fantasma vagava por ele, é claro que não senti medo algum, afinal eu nasci de um lugar bem pior que isso, pra onde almas sujas iriam depois de julgadas, nada mais me afetava, principalmente o medo, eu era parte da causa do medo agora.

Seung me empurrou para dentro de uma sala, se parecia com a sala do professores mas  bem mais antiga, os móveis eram antigos, a decoração também, mas por incrível que pareça tudo estava limpíssimo. Ele me jogou na grande mesa que se encontrava no centro da sala, Seung não possuía mais controle algum sobre si mesmo, atacou meus lábios apressadamente, eu o correspondi com a mesma intensidade, soltava gemidos roucos no processo.

— Precisamos ser rápidos, o horário das aulas acaba em vinte minutos - disse ofegante entre os beijos molhados, ele não me respondeu, apenas levantou minha saia e retirou minha calcinha, seu olhar não se desgrudava do meu, desabotoou minha camisa social o suficiente para tocar meus seios, os apertou de maneira desesperada, puxou meu sutiã para baixo e iniciou deliciosas chupadas neles, meus olhos se reviravam de prazer, pois sua destra estimulava meu clitóris de maneira perfeita com movimentos circulares, acabei soltando gemidos, ficamos nesse processo por alguns poucos minutos.

— Por favor, acaba logo com isso - eu já estava encharcada com seus estímulos, e não tínhamos muito tempo para brincadeiras.

— Seu desejo é uma ordem- ele se agachou encontrando minha intimidade, retirou seu dedo, e passou a língua pelo meu clitóris me fazendo contorcer em prazer, me chupava maravilhosamente bem, e eu me controlava para não soltar gemidos altos de mais. Senti um de seus dedos me penetrar, e outro invadir minha entrada de trás sem aviso prévio, levei um susto com o toque repentino, que me causou uma leve dor e ardência na parte de trás, mas depois de alguns segundos fui tomada novamente pelo prazer, ser penetrada na frente e atrás ao mesmo tempo era incrível, meu corpo tomou vida própria soltando espasmos descontrolados, não poderia mais me segurar, sua língua passeava pelo meu clitóris de maneira majestosa enquanto era fodida na frente e atrás pelos seus dedos habilidosos, eu me encontrava em completo delírio.

— Aaah Seung eu vou gozar…- soltei em um sussurro, sentido aquela sensação única me corroer por inteiro, meus braços e pernas se debatiam em meus espasmos descontrolados, nunca havia gozado tão rapidamente, mesmo tendo poucas experiências sexuais, esse orgasmo sem duvida alguma ficaria marcado em minha memória, seu toque era bem diferenciado.

— Deliciosa- disse chupando um de seus dedos melado com meu liquido, eu me encontrava ofegante, com a pernas escancaradas e os seios de fora, que saltaram pelo sutiã amarrotado pelos apertos de Seung.

Nem ao menos notei que seu membro já estava para fora da calça, em segundos me penetrou sem pena alguma, ele era bem maior que os outros, senti minhas paredes apertarem seu membro grande de mais para o meu interior, um gemido satisfeito saiu de seus lábios perfeitos.

— Tão apertada…aaah está me esmagando - não demorou a me penetrar com força indo até o fundo, estocava de maneira ritimada e com uma força fora do normal, fui completamente preenchida por ele, que gemia em deleite, sua voz rouca me causava arrepios, foi extasiante ver suas expressões de prazer, Seung era lindo.

Ficamos apenas alguns segundos nesta posição, até que suas mãos grandes e fortes giraram meu corpo completamente mole, o deixando espalmado contra a superfície de madeira apenas com as pernas para fora, dando uma completa visão de meu bumbum e coxas para Seung.

— É mais gostosa do que imaginei, GD tinha razão em te querer tanto - disse enquanto dava palmadas fortes em minhas nádegas me deixando mais excitada ainda, ele me deixaria muitas marcas neste dia. Me penetrou novamente, desta vez  distribuía palmadas estaladas em minhas coxas e nádegas, eu gemia como nunca, manhosa e um tanto submissa aos seus toques. A mesa rangia e balançava ao som obsceno dos corpos se chocando, cada vez mais rápido cada vez mais forte, meu corpo pegava fogo agarrei minhas unhas a mesa, criando machucados em meus dedo tamanha a força que usará no intuito de controlar meus espasmos, me sentia em combustão, uma sensação divina, queria senti-la para sempre se possível…e sim seria possível, com eles tudo seria possível para mim.

— Luna eu-eu vou gozar… -sua voz grave ressoou novamente.

— Goza…goza pra mim - respondi manhosa, sentindo seu líquido quente me preencher, logo uma de minhas marcas começou a arder e como as outras desapareceu completamente, me sentia mais viva a cada servo ou valete despertado, era uma sensação divinamente deliciosa e ao mesmo tempo suja e diabólica, uma perfeita combinação.

— Menos seis…



                              °°∆°°

E novamente tive que voltar para casa sozinha, minhas primas estavam ocupadas com algo, Seung até se ofereceu para me levar mas não aceitei, tive medo de desconfiarem de algo como aconteceu com GD, e não tive tempo de pedir carona para Taehyung. Peguei meus fones de ouvido colocando uma música bem alta e barulhenta, na tentativa que me desligar um pouco deste mundo insano onde fui jogada, toda essa história, por mais estúpida e estranha que fosse me entretia de alguma forma agora, não que possuir uma vida comum fosse algo ruim, mas, toda essa adrenalina, eu estava me acostumando com ela, correr riscos o tempo todo estava se tornando um hobby, olhar para os lados enquanto andava a espreita de algum anjo que pudesse tentar me atacar começou a se tornar comum. Dar uma de detetive da minha própria história se tornou uma tarefa árdua, mas interessante.

A chuva começou a cair, para minha alegria já que meu corpo ainda queimava, gotículas grossas caiam me obrigando a retirar meus fones. Mirei o céu cinza nublado, tem chovido muito ultimamente, eu gosto disso, uma melancolia estranha toma conta de mim ao cair da chuva, era agradável.

— Posso sentir o cheiro do sexo exalando de você, mesmo com essa chuva - uma voz conhecida disse me fazendo parar no caminho.

— O que faz aqui? Já era para estar em casa não é - mirei o garoto loiro com rosto de anjo, segurava um guarda chuva vermelho, e me olhava com olhos maldosos de mais para seu rosto delicado.

— Ah Luna…não seja boba, eu sei sobre você e seus casos - disse se aproximando e me envolvendo com um braço, me protegendo da chuva com seu guarda chuva.

— Não você não sabe…não tem idéia do que está acontecendo Luhan.- não afastei seu toque, sentia que Luhan não oferecia perigo à mim.

— Posso não saber dos detalhes, mas…sei que você mudou de uma outra, antes exalava inocência e confusão, agora…bem, agora você exala algo mais interessante - disse próximo ao meu ouvido, a chuva aumentava, fazendo barulhos mesclados com os poucos trovões que caiam.

— O que exalo agora para você? - ele tirou uma mecha de meu cabelo a pondo atrás da orelha, antes de me responder.

— Sexo, você exala desejo, euforia, me sinto extasiado só de estar na sua presença, eu não sei o que houve com você, mas seja o que for, te tornou…deliciosa aos meus olhos -  meus pelos se tornaram eriçados com sua fala, Luhan era o completo oposto de sua aparência frágil e doce,  um completo pervertido era isso o que ele era, algo que eu me tornei também.

— Se eu causo isso em você…devo causar algo bem pior em…- minha fala foi interrompida por um raio forte e barulhento, Luhan não se abalou, já eu levei um susto, procurei onde o raio havia caído, foi próximo de nos dois, no fim da esquina…um garoto, procurei o raio e encontrei um garoto no exato lugar onde o raio havia caído, meus olhos se esbugalharam ao reconhece-lo, era a pessoa que conversava com Kyungsoo no início do dia.

— Quem é ele? - pensei alto, Luhan o olhou também, sendo encarado pelo garoto, era belo como havia imaginado ao longe, estava completamente encharcado pela chuva que se tornou torrencial, sua pele branca reluzia e pude notar que seus olhos meigos levemente caídos estavam de um azul profundo, me causou calafrios. Ele não desviava seu olhar de nós.

— Vamos Luna, eu te acompanho até sua casa - eu apenas concordei, e andamos agarrados em baixo do guarda chuva, passamos pelo garoto estranho, que não desviou seu olhar um segundo se quer, seus punhos estavam cerrados, assim que demos as costas a ele, outro raio caiu me assustando novamente, olhei para trás e o garoto havia sumido sem deixar rastros.

— Isso…foi estranho. - disse enquanto apertava o braço de Luhan em nervosismo.
— Sim, muito estranho - percebi que o olhar de Luhan mudou, parecia confuso, seu cenho estava franzido.

Continuamos o caminho em completo silêncio. Não vou mentir aquele garoto me assustou um pouco, se eu não estivesse com Luhan ao lado, iria até ele, mesmo sendo arriscado, minha curiosidade é maior que minha noção do perigo, afinal o vi com Kyungsoo, ah grande possibilidade dele ser um anjo, é como Xiumin disse, eles vão estar sempre por perto.

Luhan continuava me rodeando com um de seus braços, quem visse a cena teria absoluta certeza de que éramos namorados, não que eu me importasse, mas Luhan era estranho, sua presença me causava um certo incômodo, mas ele era apenas um humano normal não é?  E além do mais sua aparência, querendo ou não, me deixava desconcertada, sem dúvida alguma era o garoto mais lindo que já tive o prazer de conhecer, o estranho é que nunca o vi com alguma garota ou garoto, talvez escondesse bem seus casos.

— Pode conversa comigo, eu não mordo, prometo.

— Ah…não é isso, me desculpe tenho mania de analisar as pessoas, estava fazendo isso com você agora.

— Interessante, e o que concluiu com a sua analise sobre mim?- falou rente ao meu ouvido em causando um leve arrepio.

— Bem, não cheguei a nada, apenas conclui que você não condiz em nada com sua aparência, é mais safado que o Taehyung.- virei meu rosto para encara-lo, fiquei com medo de te-lo ofendido, mas encontrei apenas um sorriso debochado em seus lábios.

— Isso é verdade, mas não tomo como ofensa não se preocupe, afinal não ah nada de errado nisso, apesar da maioria achar o contrário. - respondeu balançando a cabeça em indignação.

— Concordo. - Taeil disse algo parecido sobre desejos carnais, acredito nele, parecia confiante do que dizia.

— Luna…posso testar uma coisa?- ele disse parando no meio no caminho, me fazendo para também.

— Fiquei a vontade - lhe respondi.

Suas mãos escorregaram delicadamente de meus ombros para minha cintura, não entendi o que pretendia, até colar sua testa a minha me fazendo arregalar os olhos, não consegui afasta-lo, aqueles olhos me remetiam a um lindo céu estrelado, tão lindos e puros, não havia olhos mais lindos que os de Luhan…não…havia sim, mas nunca admitiria isso.

O assisti umedecer os lábios, sua língua passeou de um canto ao outro em um gesto delicado e obsceno ao mesmo tempo, se é que isso era possível, mas para Luhan esses dois fatores juntos faziam total sentido. Sua testa ainda estava colada a minha, os fios de sua franja loira me faziam cócegas, soltei um pequeno riso com isso, o vendo sorrir também com aqueles dentinhos brancos e perfeitos.
Senti um olhar sobre nós dois, mas ignorei completamente.
Estava focada de mais em Luhan, seu rosto se aproximou mais do meu, ate seus lábios se chocarem com o meus em um leve selar, era macio e gelado, sua língua pediu passagem, e eu não demorei a permitir, sentindo seu gosto adocicado tomar conta de meu paladar. Gotículas frias me molhavam, não me importei muito, isso só tornou o beijo mais gostoso, apesar de ter durado poucos segundos, percebi que a presença que nos observava se tornou mais forte.

— Luhan…o que pretende com isso? - perguntei quebrando o beijo, mas ainda próxima aos seus lábios.

— Eu nunca beijei na chuva, foi mais gostoso do que pensei - disse rindo inocentemente, Luhan realmente era estranho.

— Mas…te beijei principalmente para deixa-lo com raiva, sempre gostei de irrita-lo sabe. - disse pendendo a cabeça para o lado, mirando algo atrás de mim, virei de costas imediatamente, encontrando aqueles olhos que conseguiam ser mais belos que os de Luhan.

— Você…- foi só o que pude dizer, seu olhar era mortal, não só para mim, mas para Luhan também, me fazendo sentir um frio na espinha.

— Você é mais imunda do que eu imaginava, fez outra daquelas aberrações não é? - Kyungsoo pergunto, a raiva era palpável, suas ofensas me irritava tanto, me sentia possessa.

— Ah, está falando se Seung? Sim eu o despertei - disse com um sorriso debochado o vendo serrar os punhos, Luhan não esboçava nada, me pergunto o porquê de ele querer irritar Kyungsoo, eram íntimos assim? O que o Luhan era afinal?

— Eu posso sentir a cada um que você desperta, esse sentimento nojento em mim…aumenta. - disse se aproximando, a chuva começará a diminuir.

— Você sabe o que fazer para isso acabar Kyungsoo.- disse a ele, não me intimidando com sua presença nem com suas ofensas, tudo acabaria se ele se entrega-se à mim, mas ele descartaria essa possibilidade com toda certeza.

— Não…o único jeito é te matar, mas isso está cada vez mais…- foi interrompido por Luhan.
— Você sabe que esse não é o único modo D.O, existe outro…que sei que está louco para experimentar - seu tom foi o mais debochado possível, não entendia mais nada, Luhan sabia que Kyungsoo era um anjo? Ele o chamou de D.O?

— Cala a merda desta boca Luhan…nunca serei como você -Kyungsoo disse, estava possesso, e eu mais confusa ainda, o clima pesado se instalou, tive certeza, Luhan não era um mero humano.

— Exato, você não será como eu, você será pior ainda - disse com uma tranquilidade invejável em sua voz.

— Nunca, eu prefiro morrer, prefiro me  desfazer de minha existência…já chega - ele caminhou até mim, afastou Luhan que ainda estava abraçado a minha cintura, seus dedos tocaram meu rosto.

Eletricidade.

Foi isso que senti, e tenho certeza de que ele também, era inegável a atração avassaladora que sentíamos um pelo outro, parecia tão correto, tão perfeito, mas ao mesmo tempo tão errado e grotesco.

— Eu…- não completou sua frase, saiu andando apressadamente sem olhar para trás, nos deixando para trás, meu coração palpitava apressadamente.

— Luhan, o que foi isso? - perguntei ainda em choque.

— Isso? Foi ele se segurando para não te empurrar contra esse muro e te possuir até você não poder mais andar - Luhan era direto de mais em suas respostas.

— Não falo disso, você sabe sobre tudo que está acontecendo?

— Ah, sim, mas não tenho nada a ver com isso já digo.

— Como não tem? Você sabe o que ele é?

— Luna, não vou falar sobre isso…a não ser que seja necessário, vamos. - disse pegando minha mão e me arrastando, minha casa já estava próxima.

— O que posso fazer para você me contar? - ele parou no caminho novamente, girou o corpo e me encarou pensativo.

— Passe uma noite comigo que te conto - falou com a maior calma do mundo, como se fosse algo comum à se pedir, nem preciso dizer o quanto fiquei indignada.

— Você ta louco? Não vou dormi com você!

— Então não conto, até mais Luna - disse selando minha testa, não notei mas já estávamos na frente da minha casa, como ele sabia onde eu morava? Vi sua silhueta sumir no horizonte, já havia partido me deixando de queixo caído.

Assim que abri a porta, e logo fui recebida por um abraço de urso sufocante.

— Você demorou! Fiquei maluca de preocupação, quem era aquele garoto fofo? Seu namorado? - mal cheguei e Bom já me enchia de perguntas.

— A chuva me fez demorar, me desculpe, aquele era Luhan apenas um colega.- respondi retribuindo o abraço.

— Ele é uma graça, bem preciso sair agora, até daqui a pouco.- saiu em disparada para fora de casa eu a acompanhei até a saída, não havia reparado de cara mas estava bem arrumada, linda como sempre.

Mas meu coração gelou, assim que vi o carro aonde ela entrara, um Mustang gto, um carro bem conhecido por mim.

— Até Luna! - Bom gritou de dentro do carro, com ele ao lado.

Aquele carro, aqueles cabelos alaranjados e sorriso infantil, era GD que estava saindo com minha prima...

Meu corpo pegou fogo.



Notas Finais


Se chegaram até aqui, muitíssimo obrigada, vocês são maravilhosos, nossa protagonista está evoluindo
Espero que tenha gostado
Comentem por favor se não gostaram ou se odiaram tbm bjuuus😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...