História She Wolf - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Bruxas, Lobisomens, Lobos, Luta, Magia, Originais, Romance, Selvagens, Sobrenatural, Transmorphos, Vampiros, Violencia
Exibições 112
Palavras 1.312
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shounen, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Não prometi a maratona de três dias? Então, a promessa é cumprida aqui!

PS: enfim, chegamos aos 90 favoritos!!!
PS2: só falta eu dar piruetas para trás de alegria!
PS3: só não dou piruetas pois não sei :p

Capítulo 25 - Capítulo XXV


Fanfic / Fanfiction She Wolf - Capítulo 25 - Capítulo XXV

Assim que Niles e Luana terminaram de conversar, eu entrei na sala com muito medo e me agradeci mentalmente por saber que Niles não sente o cheiro de emoções e eu poderia ‘me borrar’ de medo o quanto quisesse.

-N-Niles, e-eu preciso sair, problemas com a alcateia. – menti.

-Hum...ok. – ele respondeu curto e grosso.

Eu percebi sua irritação, pois ele sabia que todo o problema com alcateia, teria de ser resolvido com Vinicius, meu Alpha. E pelo o que eu havia acabado de escutar a pouco tempo...ele queria matá-lo. E então, resolvi provocar um pouquinho, até mesmo por quê eu não me seguro.

-Nossa! – eu fingi decepção. – Você sendo grosseiro comigo?

-N-Nunca minha linda. – ele enfatizou o ‘linda’ e sua expressão mudou drasticamente de ignorância para preocupação extrema.

 

Eu já havia explicado o que eu tinha escutado da boca de Niles. Sem avisar ninguém, eu sequestrei Luana e a levei junto para a mansão, assim, eles poderiam ter certeza do que estava acontecendo e não dizer que eu estava blefando ou escutei errado. Como todos estavam fora trabalhando, tinha somente eu, Luana e Vinicius na casa, deixando tudo melhor para uma conversa delicada. O ar estava pesado, e a apreensão dominava o cômodo do escritório do Alpha. Assim que o silencio tomou conta, eu me pronunciei:

-Como você sabe que Lobisomens e etc....tipo...existem? – eu perguntei para Luana.

-Eu já tinha visto quando criança, lobos...não lobos comuns...mas lobos ENORMES! Então, decidi pesquisar por isso...e bem...relatos de ataques com cachorros enormes...você e a maioria de sua ‘família’ – ela fez aspas com os dedos – ter alergia à prata...enfim, todos sabem que Lobisomens tem um tipo de fraqueza a isso. Liguei os pontos, e depois de Niles dizer sobre ferir alguém a prata, e que essa pessoa era praticamente imune a qualquer coisa. Bem, é isso.

-Mais nada? – Tristan estava encostado na porta, escutando tudo, ninguém percebeu sua chegada, pois estávamos tensos demais.

-Ohh, s-sim. Lembrei-me agora que Niles me disse que vocês são Lobisomens e a Becca algo como Transmorpha?

-Sim, é isso. – eu confirmei.

-Vou ligar para o Ductor.

Vinicius deu um salto da cadeira e caminhou até a janela que dava visão dos jardins da frente da casa. Mas o que incomodou foi o fato de ele mencionar Ductor.

 

-Ele já está a caminho. – Vinicius colocou seu celular sobre a mesa e sentou-se, e passava as mãos no rosto com força, tentando pensar no que fazer. No nada, ele ergueu a cabeça e me encarou com os olhos brilhantes.

 -Ele disse que está ansioso em te conhecer Angel.

Se eu já estava intimidada com apenas a voz do Ductor que escutava de relances na conversa e quando realmente prestava a atenção, só de escutar que ele queria me conhecer, tive vontade de virar água e derreter ali mesmo, e vazar para o mais longe possível de Ductor, O Alpha. Forcei um sorriso, tímido, mas verdadeiro. Assim, com a risada do Alpha sobre minha reação, o clima melhorou.

-Vamos para a sala? Minha bunda já ta é doendo de ficar sentada aqui! – eu reclamei me levantando.

-Você só sabe reclamar Angel! – Tristan alfinetou.

Eu lhe mostrei a língua e passei por ele, e me joguei no primeiro sofá que encontrei.  Luana e Tristan sentaram no mesmo sofá, um afastado do outro e Vinicius veio no sofá onde eu estava, dando leves tapas na minha cabeça, eu a ergui e deitei em seu colo. O silencio novamente pairou sobre o ar. Não reclamo, já que estávamos tratando até agora, um assunto delicado.

-Viniiiiiiii – eu chamei pela nossa ‘telepatia’.

-O que foi sua chata? – ele respondeu sério.

-Nossa! Seu grosso!

-Tenho coisas mais grossas ainda, e sua cabeça está quase em cima de uma delas. – seu tom era de uma malicia perceptível.

-Só não te soco pois ninguém sabe dessa nossa conversa, e sairia mau eu te bater do nada.

-Conta logo garota!

-Percebeu? Tristan e Luana, de vez em quando eles flertam.

Vinicius olhou para os dois, e nesse instante, eles se olhavam, Tristan desviou o olhar para um vaso de flores em cima da mesa de centro da sala, corado.

-Sim, e não nego que eles vão ter um caso em menos de um dia. – ele disse com um sorriso saindo de seus lábios.

-Porque ninguém consegue entender a nossa conversa telepática? Tipo, já não era para o Tristan estar estorvando a gente pelo o que notamos agora pouco?

-Menti. Somente lobos acasalados possuem essa telepatia, e não lobos da alcateia. No geral.

As suas palavras me surpreenderam tanto que eu literalmente cai do sofá e atrai a atenção de todos para mim. Não sei o que deu em mim, mas fiquei com raiva daquela notícia. Eu sai a passos pesados até a área da piscina e me sentei nela, molhando os pés descalços. Logo escutei os passos de Wolv se aproximar junto de seu cheiro esplêndido de orvalho e flores silvestres.

-Porque nunca me contou isso? – eu perguntei sem tirar os olhos dos movimentos que a água fazia a partir do balançar de meus pés.

-Nem eu sabia disso. Fiquei sabendo ontem, quando conversei com meu avô. Sem querer, contei sobre isso, e ele me perguntou sobre...bem... – sua voz falhava e pude notar timidez. – se nós já havíamos acasalado...

-Como isso é possível? – eu finalmente encarei aquele par de olhos verdes esmeralda.

-Nem ele sabe o que está acontecendo. Mas vai investigar assim que vir, claro, além de resolver no probleminha com o babaca do Niles.

Ele veio e se sentou ao meu lado e me puxou de lado para um abraço. Assim que o silencio já nos incomodava novamente, ele se pronunciou:

-Depois que saí daquela sala, eles começaram a conversar. Tristan gaguejava tanto que quem não o conhecesse, acharia que ele é gago. – sua risada doce me encantava, fazendo eu rir também.

 

Eu resolvi ligar para Niles e pedir demissão, não voltaria naquele lugar nunca, Luana fez o mesmo. E lembram quando Vinicius falou sobre ela e Tristan? Ele acertou, no mesmo dia, já podia se ver eles juntos indo para um lado para outro. Eu e Vini ficávamos zoando eles.

-Não volto para casa hoje Alpha. – Tristan avisou ao sair pela porta com Luana de mãos dadas.

Eu e Wolv nos encaramos, atônitos, sem reação, do nada, começamos a rir muito.

-Não disse que isso aconteceria? – ele se gabava.

-O que mais você prevê, oh grande sábio? – disse em tom de desafio, arqueando uma sobrancelha.

-Eu e você.

Não preciso dizer que corei. Eu me levantei e fui até meu quarto e me deitei em minha cama. Do nada, eu senti uma tristeza. Depressão e bipolaridade. Escutei umas batidinhas na porta e nem precisei avisar para entrar, o enxerido do Wolv entrou por conta própria e se deitou ao meu lado.

-O que foi minha linda? – ele segurava no meu queixo com um dedo para eu lhe encarar.

-Essa merda de depressão e bipolaridade. – fiz biquinho em forma de manha.

Inesperadamente, Vini se aproxima e encosta seus lábios nos meus, apenas pressionando, como um selinho, em forma de carinho.

-Não se preocupe, eu vou estar ao seu lado, minha pequena, sempre.

Com aquelas palavras, eu tive uma enorme vontade de me jogar em cima dele e nunca mais o soltar. Sabia que com meu Alpha, eu sempre contaria. Assim que o abracei forte o suficiente para lhe quebrar uma costela, eu me levantei e fiquei em pé na cama, para pegar em meu cofre secreto, uma barra de chocolate.

 Assim que fechei o cofre e já tinha nas mãos duas barras de chocolate, senti duas mãos, uma em cada perna minha. Antes que eu me soltasse, essas mãos ‘misteriosas’ me puxaram e eu cai...cai sentada em cima de Vinicius e com o impacto...bem...eu emiti um gemido...alto...muito alto...assim que percebi como cai, preferiria não dizer como...mas...é...eu cai sentada em seu colo...


Notas Finais


MÁH GENTCHI! TODO FIM DE CAPÍTULO VAI TERMINAR ASSIM? A MAIORIA!








*vcs não sabem a maldade que planejo para os próximos capítulos MUAHAHAHA!*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...