História Shes not afraid - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Ação, Romance
Exibições 4
Palavras 5.367
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Famí­lia, Luta, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olhem quem voltoooou!!!!
Não me matem pela demora, irei explicar:
Estava sem criatividade e sem tempo!
Eu mudei de cidade nas férias, e aí mudei de escola e tudo mais. Eu pensava que minha antiga escola tava puxada no último ano, mas essa aqui, só por deus! Eu estudava todo dia, até 23h, direto. Saia da escola as 13:30, chegava e estudava. Eu realmente tava muito cansada. Mas enfim, deu tudo certo, eu passei na faculdade que queria, tb passei na escola e aproveitei o começo das férias P ler algumas fics p me dar inspiração p voltar a escrever P vocês.
Me desculpem se tiver alguns erros ou se não estiver tão boa, vai ver que eu perdi a pratica...

Capítulo 44 - Capitulo 44


Acordei na manhã seguinte sentindo um cafuné gostoso e barulhos de choro, igual de quando a pessoa está fungando. Abri os olhos devagar e pude ver o dono dos barulhos e do cafuné.

—por favor, saia de perto de mim. -eu disse voltando a fechar os olhos, tentando me manter calma.

—não fale alto, Chloe ainda tá dormindo e não quero que minha filha presencie nossa discussão. -ele disse e eu sabia que estava certo. Levantei da cama ignorando completamente sua presença, peguei uma troca de roupa na minha mala e segui para o banheiro, escovando meus dentes e tomando banho. Quando acabei, vi 4 meninos sentados no meu sofá , assistindo alguma coisa inútil na televisão, e eu comecei a rir, fazendo eles olharem na minha direção.

—sério mesmo que vocês tão vendo um canal brasileiro? -eu disse parando de rir.

—não sabemos mexer, não entendemos o que tá escrito. -respondeu Liam.

—é bom falar "bom dia" para os amigos -disse Louis vindo me abraçar. –estava morrendo de saudade -ele cochichou no meu ouvido e eu apertei o abraço. Os meninos se levantaram e vieram me abraçar também. Quando nos separamos notei Harry e Chloe na sala.

—Mamãe, olha, o papai veio fazer uma surpresa pra gente. Igual a gente fez pra vovó. Não é legal? -eu sorri assentindo. –a gente tava com muita saudade, papai. A mamãe chorou todas as noites de saudade. -minha filha disse com a maior inocência, e todo mundo ficou com uma cara de tacho.

—eu vou preparar algo para comer, quem mais quer? -eu falei tentando quebrar o gelo.

—podemos sair pra comer. -disse Liam –tem alguma padaria próxima que a gente pode tomar café? -se direcionou a mim.

—sim! Vou só trocar Chloe e nós vamos. -eu disse e chamei Chloe, fomos para meu quarto e ela escolheu sua roupa: shorts com strass e uma blusa regata um pouco folgada e chinelo. Ela estava parecida comigo, mas eu não usava shorts, e sim uma calça preta, com uma blusa também preta com detalhes em alguns tons de roxo, e chinelo. Peguei minha carteira e fomos para sala, chamando a atenção dos meninos para irmos. A padaria ficava no final da rua, então fomos a pé. Chloe ia na frente com Zayn e Liam, que ficavam fazendo palhaçadas e ela gargalhava alto. Atras deles, se encontravam Harry e Niall, e eu e Louis logo atras.

—vocês vão conversar que horas? -Louis me perguntou tranquilamente.

—ainda não sei se tô pronta. Não sei se quero ouvir o que ele tem a dizer. -eu disse me encolhendo, sem tirados olhos da minha filha.

—por que? Está com medo de ter errado sobre o que aconteceu?! -ele disse e me fez olhá-lo com certa raiva. –pois eu acho que é esse todo o seu medo. E quer saber mais? Eu acho que independente, deveria ouvi-lo. Estou falando isso porque eu te amo, e amo Chloe. Você sabe que eu seria o primeiro a tirar você de perto dele se achasse realmente necessário. -ele disse e andou um pouco mais rápido, ficando ao lado de Niall e me deixando sozinha para trás. Eu respirei fundo e continuei andando olhando Chloe rir, como ela lembrava o Styles. Seus cabelos cacheados nas prontas, o jeito de andar... Meu deus, não tem como negar a paternidade.

—mamãe, podemos tomar sorvete? -Chloe me perguntou quando estávamos na fila para pagar pela refeição.

—tá muito cedo pra tomar sorvete, mas eu deixo comer aquele canudinho que você adora! -ela sorriu e foi pegar o canudinho enquanto eu esperava na fila.

—pode deixar que eu pago. -disse o Styles.

—vocês só tem dólar, aqui tem que ser em real. -eu disse fria e voltei minha atenção para a atendente que pegou a minha comanda e o canudinho de Chloe, falou quanto ficou e eu passei meu cartão.

—O que acha de irmos no shopping, Chloe? -perguntou o Zayn.

—Eu quero! Vamos mamãe? -ela disse e eu sorri

—sem a mamãe Chloe. Nós queremos matar a saudade de você. Com a mamãe a gente sai depois. -respondeu Niall.

—posso ir, mamãe? -Chloe perguntou meio receosa

—só se você me prometer uma coisa. -eu disse e ela ficou aguardando eu terminar –que você vai cuidar dos seus tios, e não vai deixar eles aprontarem! -eu disse e ela riu animada

—pode deixar mamãe! -Chloe disse e se virou para os meninos –ouviram a mamãe né? Vocês têm que me obedecer. -ela disse e eu ri. Os meninos seguraram o riso e assentiram. Assim que chegamos em casa, Chloe foi escovar os dentes e pediu para mudar a roupa, e eu deixei. Zayn pediu para vesti-la e ela gostou da ideia, então foram os dois para o quarto.

—espero que vocês conversem e se resolvam. Não se esqueçam de que agora tem a Chloe na vida dos dois. -disse Liam, e logo depois eles saíram com Chloe, deixando eu e Harry em casa. Nos encaramos por uns 10 minutos, até ele começar a se pronunciar.

—me desculpa!...-ele começou falando.

—não quero ouvir suas desculpas. Estou aqui pra ouvir a história, não gaste seu tempo tentando pedir perdão pela burrada, antes que eu desista dessa ideia e volte a te ignorar. -eu disse e ele ficou um tanto quanto surpreso com a minha reação.

—bem, aquela mulher era prima de uma mulher da equipe, acho que cuidava da iluminação, não sei. Enfim, ela colocou a prima dela lá para organizar o camarim. E essa tal arrumadeira batizou minha água. -quando ele disse isso eu não consegui me conter e bufei. Sério que ele foi capaz de inventar isso?

—parabéns! Você conseguiu inventar algo bem convincente. -eu disse no meu tom mais irônico possível. Ele se levantou e pegou uma bolsa de mão que havia trazido da viagem, e tirou um papel de lá, me entregando.

—aí está a prova. Tinha uma certa dosagem de boa noite Cinderela no meu sangue. Ela me deu assim que eu sai do show, por isso ainda estava acordado na hora que ela me beijou, mas minutos depois eu já havia dormido. Por isso não levei Chloe na casa de John. As duas mulheres estão sendo processadas,  e foram demitidas. Era essa minha explicação, o que eu estava tentando te explicar desde a primeira ligação que te fiz. Faça o que quiser com essa informação, só saiba que eu nunca te trai, e nunca te trairia, Mariana. -ele disse e saiu da sala, indo em direção da porta.

—Harry? -eu o chamei, mas ele não me deu atenção, saiu e fechou a porta. –eu te amo. -disse sussurrando, com lágrimas nos olhos. Como eu pude errar? Como eu pude deixar ele escapar? Meu deus, eu estraguei meu casamento. Ele nem quer olhar na minha cara. Fui tomar um banho, não sei, acho que poderia me acalmar, mas não. Nada iria me acalmar. Por que eu não fui atras dele? Por que eu não atendi a primeira ligação? Ou melhor, por que diabos eu não fiquei ali e esperei para ver o que ia acontecer? Porque eu sou uma covarde e precisei fugir. Desliguei o chuveiro percebendo que só estava gastando água, aquilo não estava me ajudando.  Eu precisava correr, socar, treinar... Coloquei minha roupa de ginástica e fui no bosque correr. Coloquei meus fones, e a música que tocava era do Ari, a droga do amor, me fazendo correr o máximo que conseguia, como se estivesse fugindo de algum monstro, e ao mesmo tempo chorar, chorar feito uma criança. Perdi as contas de quantas músicas se passaram, de quantas voltas eu havia dado, de quanto tempo estava ali. Mas eu sabia que era hora de parar, minhas pernas estavam dormentes, não aguentariam mais 5 minutos correndo. Sentei em um dos bancos que tinha no parquinho do bosque, e acalmei minha respiração, me preparando para voltar para casa, e enfrentar meus problemas mais uma vez.

(...)

Quando anoiteceu, meus pais chegaram e eu fui conversar com eles.

—eu vou voltar pra Califórnia com a Chloe amanhã de manhã. Obrigada por nos acolher aqui. -eu disse e abracei eles.

—vocês se resolveram? -minha mãe perguntou e eu abaixei a cabeça.

—tentamos conversar. Ele contou a historia, mas depois saiu sem ouvir o que eu tinha pra dizer, ainda não voltou. -eu disse dando um sorriso triste e recebendo mais um abraço da minha mãe

—tudo vai se resolver em seu respectivo tempo, querida. Não se preocupe. -ela disse beijando minha testa. Os meninos voltaram com Chloe era quase 22:00, colocaram ela na minha cama, pois ela estava dormindo, e depois seguiram em direção da porta, novamente, depois de cumprimentarem meus pais.

—não vão ficar aqui? -perguntei, curiosa

—pegamos uma diária no hotel, vamos dormir por lá, boa noite, Nana. -disse Liam, me dando um beijo, e todos os outros fizeram o mesmo.

—eu volto amanhã. -disse no ouvido de Louis, que foi o último a me dar um beijo de boa noite.

—vocês não se entenderam, não é mesmo? -ele perguntou e eu só apertei o abraço, segurando o choro. O elevador chegou e os meninos foram embora, e eu me vi sozinha mais uma vez. Essa sensação de estar sozinha era a pior coisa. Não ter alguém com quem conversar, alguém que te entenda, alguém que esteja ali, por você. Nesses momentos que nós vemos o que perdemos, e começamos a dar valor. Fui em direção a pequena sacada do apartamento dos meus pais e sentei lá, observando o céu e as estrelas, deixando as lágrimas rolarem.

(...)

—Chloe, acorde, não vai conseguir se despedir do Vovô. -eu disse pela milésima vez e essa menina não acordava. Eram 8:00 e nós precisávamos ir para o aeroporto, minha mãe nos levaria, e meu pai iria trabalhar. Minha filha acordou, se despediu do avô, e voltou a dormir. Eu arrumei nossas coisas, peguei ela no colo e eu e minha mãe descemos para o carro, e seguimos para o aeroporto. Fizemos tudo que deveria ser feito antes de embarcarmos, nos despedimos de minha mãe e seguimos para um restaurante que servia café da amanhã. Comemos, e logo depois nosso voo foi chamado, nos sentamos nas respectivas poltronas e Chloe logo dormiu de novo, eu fiquei escutando música e pensando em quando as coisas voltariam ao normal.

(...)

Chegamos em casa após um longo dia dentro do avião. Organizei as nossas roupas e decidimos pedir uma pizza para jantar. Apesar de amanhã ser segunda feira, Chloe não iria para a escola, estávamos cansadas do voo, e a questão do fuso horário também era um empecilho.

(...)

Uma semana havia se passado desde a minha volta a Califórnia, e amanhã é o final da turne do One Direction. A pergunta era: ele voltaria para cá ou iria para outro lugar? Além de mim, Chloe também esperava que ele voltasse para casa, ela sentia muita falta dele. Ele ligava para ela todas as noites, claro que quando meu celular tocava e era ele, eu sabia que estava querendo falar com ela. No primeiro dia em que ele ligou eu atendi, e a única coisa que ele falou foi "passa pra minha filha, por favor" da maneira mais ríspida possível.

 Sorte ou não, hoje, amanhã e depois eu teria ensaios fotográficos da coleção íntima da Calvin Klein, então me ocuparia com o trabalho, e talvez esquecesse esse drama adolescente em que eu me encontro.  Já tinha entrado em contato com a baba de Chloe, pedindo para ela vir nesses três dias. Levei Chloe para a escola e fui para o local onde ocorreria o photoshoot.

—oi meus amores, como estão? -disse assim que cheguei no local, encontrando o maquiador e a costureira.

—menina do céu, até com cara de acabada você fica gata. -disse o maquiador e eu ri.

—vou levar como elogio. -eu disse e o carinha da Calvin Klein chegou e me chamou.

—hoje você vai fotografar sozinha, amanhã vão ser você e mais uma garota e na quarta você e mais duas garotas. Entendido? - eu afirmei com a cabeça e ele me mostrou o meu camarim, disse que iria fazer fotos com quatro lingeries diferentes por hoje. Então comecei a me trocar para começar as fotos. Pretendia pegar Chloe acordada em casa.

(...)

—oi filha, a mamãe chegou. -eu disse abrindo a porta de casa e vendo Chloe sentada no sofá da sala. Ela correu até mim e eu a abracei forte, nada melhor do que um abraço da sua filha!

—mamãe, como foi o ensaio de fotos? -ela perguntou e eu sorri

—ah filha, foi muito bom, mas é cansativo.

—mas você fica muito linda em todas as fotos! -ela disse e eu ri, dando vários beijos em sua bochecha.

—obrigada por ficar com ela, Tina. Na quarta eu te pago os três dias, pode ser? -eu disse e a baba de Chloe concordou. –boa noite, até amanhã. -eu me despedi dela e fui tomar um banho com a Chloe. Quando Harry não estava, Chloe dormia na nossa cama, junto comigo, e essa noite não foi diferente. Depois do banho nós nos jogamos na cama e ligamos a televisão. Chloe já tinha jantado com Tina e eu havia jantado com o pessoal do Photoshoot. Não aguentei nem meia hora acordada, já Chloe deve ter ficado acordada até tarde, pois escutei meu celular tocar e ela foi correndo atender, deveria ser o Harry, e eles ficaram conversando bastante.

—filha, você vai se atrasar para a escola. -eu disse, e ela finalmente acordou. A deixei na escola e fui para o photoshoot de novo. Chegando lá, vi a tal menina que me acompanharia na sessão de fotos, era ninguém mais, ninguém menos do que Kylie Jenner.

—Querida, vem se maquiar -disse o Denny, assim que eu cheguei. Eu sorri e fui em sua direção.

—meu deus, olha com quem eu vou fotografar! -eu disse incrédula e ele deu risada. Começou a me maquiar e a falar coisas engraçadas, que me faziam soltar altas gargalhadas. Assim que finalizou, fui pegar a primeira lingerie do dia.

—Mariana, essa é a Kylie, Kylie essa é a Mariana. -o mesmo carinha de ontem nos apresentou. –bem, vocês vão fotografar juntas para essa coleção. Quero uma coisa bem sensual e descontraída, ok? -nós afirmamos com a cabeça –então vamos começar!

(...)

No photoshoot ocorreu tudo muito bem. Kylie, no começo, não estava lá a miss simpatia comigo, mas depois de algumas fotos, ela começou a conversar normal, sem nenhum tipo de interferência. Até começamos a nos seguir nas redes sociais, e postamos uma foto juntas.

Na volta para casa eu conectei meu celular no rádio do carro e fui escutando música, e então, começou a tocar uma que eu não estava preparada para ouvir, então eu cantei com todo sentimento, do fundo do coração:

"Você, você faz falta, falta aqui, aqui aqui

E o som som, bate bate, volta volta volta

Não tem mais nada entre o chão e o teto, teto teto

Só o eco, eco eco eco.

Tem certeza que você levou tudo?

Tem certeza que não esqueceu nada?

Eu só sei que até o criado mudo, do seu livro preferido sente falta

É que eu te vejo em tudo, em cada canto dessa casa

nos cabides, nas gavetas e na cama bagunçada

E no boxe do banheiro sempre que o vidro embaça

tem seu nome e um coração e uma flecha atravessada

É que eu te vejo em tudo, em cada canto dessa casa

Nos cabides, nas gavetas e na cama bagunçada

E seu perfume tá grudado em cada roupa que eu usava

Você foi e esqueceu de levar a saudade na mala, mala mala. "

Eu estava ansiosa para chegar em casa, não sabia o que me esperava, ou melhor, se ele me esperava.

Hoje o ensaio terminou mais tarde, creio que Chloe já esteja dormindo a essa hora, e Tina deve estar doida para que eu chegue e a libere logo. Cheguei em casa, estacionei o carro e subi até o andar do meu apartamento, tentando controlar minha respiração contando até 10. Abri a porta e encontrei tudo apagado, então acendi a luz do corredor e tive uma visão melhor da sala, que não havia ninguém, isso quer dizer que Tina não estava ali, então ele tinha a dispensado. Continuei andando, deixei minha bolsa no sofá e fui para meu quarto, porém, ali também não tinha ninguém. Passei no quarto de Chloe para saber se ela estava dormindo ali, e fiquei aliviada de vê-la dormindo, com seu bichinho de pelúcia. Não o encontrei, nem Tina, não sei quem foi capaz de deixar Chloe sozinha, mas a essa hora eu não resolveria nada. Voltei ao meu quarto e me dirigi ao banheiro, indo tomar um banho. Coloquei meu pijama e sai do banheiro, com a intenção de dormir, porem tinha um certo alguém na minha cama. Ele tinha uma expressão cansada, misturado com tristeza.

—voltei por causa da Chloe. -foi o que ele disse, sem olhar para mim.

—vou dormir na sala. -foi o que eu respondi, já caminhando até a cama e pegando meu travesseiro.

—eu durmo lá. -rebateu ele.

—eu falei que vou dormir lá. -eu disse com uma voz firme, não estamos no ponto de discutir aonde um vai dormir ou não. Ele não contestou mais. Fui até o armário onde guardamos os cobertores e tentei pegar um, porem, eu precisava da escada, e ela estava um pouco quebrada, mas eu me recusava a pedir ajuda para ele. Então, peguei a escada, a abri de frente pro guarda roupas e subi, consegui alcançar o cobertor que eu queria e, na hora de descer, acabei caindo, machucando meu pé. Harry veio correndo para me ajudar, mas eu disse que estava bem, dispensando qualquer ajuda.

Eu sabia que nessa história eu era a errada, também sabia que agir assim não adiantaria em nada, não nos ajudaria a resolver nossa situação, acontece que eu não conseguia não agir assim, era uma coisa que eu tentava controlar, mas na hora H eu não conseguia parar. Meu pé estava doendo muito, muito mesmo, acho que estava quebrado, ou foi uma torção muito forte. Não conseguia levantar, e também não conseguia conter as lágrimas, que escorriam, mas eu não fazia nenhum barulho.

—vem, vou te levar ao hospital -ele disse me pegando no colo. Naquele momento eu estava com tanta dor que não conseguia contestar.

—a Chloe não pode ficar sozinha -foi a única coisa que eu disse antes de começar a morder meu próprio braço. Senti meu pé inchando, e a dor aumentando. Harry me deixou no carro e subiu para pegar Chloe, ainda dormindo, e a deitou no banco de trás do carro. Nós fomos ao hospital, Harry deu a entrada enquanto eu aguardava na fila de espera para fazer um raio-x. Chloe ficou no colo do pai o tempo inteiro, e ambos não saíram do meu lado, nem um segundo sequer. Após fazer o raio-x, voltamos ao médico, que constatou que eu havia quebrado o pé e luxei um dedo do pé, ótimo! Fui para a sala dos curativos e colocaram um gesso na minha perna, e um tipo de tala nos meus dedos do pé. Voltamos para casa, e eu ganhei um par de muletas, que maravilha! Assim que cheguei em casa, me aconcheguei no sofá, e mandei uma mensagem para o tal carinha da CK, dizendo que havia quebrado o pé em um acidente doméstico, não poderia participar da sessão de amanhã.

—vamos, eu te ajudo a ir pro quarto. -Harry disse depois de deixar Chloe no quarto dela

—não precisa, vou dormir melhor aqui. -eu ainda bati o pé e mantive minha decisão.

—então também dormirei aqui. -ele disse e pegou seu travesseiro e trouxe também a coberta que eu consegui tirar do armário. Eu bufei quando ele se aconchegou no sofá estendendo a coberta. E então, nós dormimos, sem falar mais nada. –Mariana, acorda! -o sentia me chacoalhar e despertei do meu sono.  Quando o olhei, o abracei o mais forte que consegui e comecei a chorar. – o que houve? -e eu comecei a chorar ainda mais. –eu estou aqui, calma. -ele dizia e afogava meus cabelos, ainda me abraçando, na tentativa de fazer eu parar de chorar.

—sonhei que alguns bandidos matavam você, Chloe, os meninos e meus pais. -eu disse tentando me acalmar. –foi horrível! Eles fizeram tudo isso na minha frente. Estavam esquartejando meu irmão. Na hora que eles iam cortar a cabeça você me acordou. -eu disse e voltei a soluçar, mas dessa vez, encolhida no cobertor, com as mãos no rosto.

—já passou, nada disso aconteceu. Amanhã você liga para seus pais e seu irmão para saberem como estão. -ele disse me puxando para perto de si e me abraçando novamente.

—Harry, nós precisamos conversar.  -eu disse e ele assentiu.

—uma outra hora, agora não. Vamos dormir. -ele disse e se deitou do meu lado, ainda me abraçando. Nossa sorte era que o sofá era grande.

Acordamos com Chloe nos chamando

—gente, vocês perderam a hora da escolinha! E por que dormiram no sofá? -ela perguntava com a mão na cintura e eu ri.

—perdão, querida! Mamãe estava cansada. -eu disse me desculpando e dando um beijo em sua testa

—você tá melhor? -ela perguntou se referindo ao meu pé. Acho que não ficou o tempo todo dormindo, como eu pensava. Eu afirmei com a cabeça e ela sorriu. –por que dormiram no sofá?

—porque a mamãe não conseguia ir pra cama, e preferiu dormir aqui, então o papai acompanhou ela -Harry disse e ela se sentiu satisfeita com a resposta.

—alguém pode fazer o café da manhã? -ela disse e Harry riu, se levantando e seguindo para o banheiro, para depois ir fazer o café. Enquanto isso, eu peguei meu celular para ver se a CK tinha me respondido, mas na verdade, uma outra mensagem me chamou atenção, era do consultório do meu medico. Ele pedia para eu retornar lá assim que pudesse. Resolvi ligar para o consultório, afinal, nessa semana que Harry não se encontrava aproveitei para fazer alguns exames de rotina junto com Chloe, mais pra ter certeza de que está tudo bem mesmo. A recepcionista do consultório disse que eu podia ir dali uma hora, que o doutor Márcio me atenderia, e queria falar sobre o resultado de um dos meus exames. Eu me assustei, mas preferi esquecer. Os diretores da CK me ligaram logo após isso e perguntaram como eu estava, a previsão de retirada do gesso, essas coisas, e disseram também que sentiam muito eu não comparecer hoje, mas que as minhas fotos já feitas seriam publicadas. Styles já tinha terminado de fazer o café, e me trouxe em um prato, para eu conseguir comer.

—hoje vamos sair com Chloe, o que acha? -ele perguntou a nós duas e Chloe topou na hora, mas eu não.

—podem sair. Eu tenho alguns assuntos pra resolver, encontro vocês em casa. -eu disse e me preparei para levantar. –filha, pega as muletas pra mamãe? -eu pedi e Chloe as pegou para mim, eu fui na cozinha, peguei uma sacolinha plástica e fui em direção ao banheiro do meu quarto, amarrei a sacolinha no pé, escovei os dentes e me enfiei embaixo do chuveiro. Me troquei com muita dificuldade e chamei um táxi para me levar ao consultório.

—posso saber por que não vai sair com a gente? -Harry perguntou na porta do quarto, observando eu terminar de me arrumar.

—já havia marcado um compromisso, me desculpe. -eu disse saindo do quarto. –não tenho como desmarcar, é urgente. -eu disse e já desci para esperar o táxi na portaria do prédio.

Quando cheguei no consultório, o Dr. Marcio me atendeu imediatamente.

—então senhorita, tenho boas notícias. -ele disse sorrindo e meu coração se aliviou.

—você me deu um susto, cara. -eu disse e ele riu.

—o que ocorreu com sua perna? -ele perguntou tentando puxar assunto

—cai da escada ontem. -eu disse dando de ombros. –agora me fale a boa notícia. -eu disse ansiosa.

—você está grávida de novo. Daqui algumas semanas estará entrando no 3º mês de gestação. -minha cara foi de choque.

—você só pode estar brincando! -ele negou com a cabeça –doutor, eu não sinto nenhum sintoma de gravidez. -eu disse dando ênfase no "nenhum"

—eu sei, mas isso é comum entre mães de segunda viagem. Não se preocupe, até agora o feto está muito bem, tudo indica que nasça outra criança super saudável, como Chloe. -eu não conseguia responder nada, estava em choque. Minha vontade era de falar "eu estou em pé de guerra com meu ex-noivo/namorado/ pai da minha filha e você me diz que agora vamos ter outro bebê?" Porém, não ia dar uma de louca no consultório.

—e de resto, os outros exames, estão tudo em perfeita ordem, também? -eu perguntei querendo sair logo dali. Ele acenou que sim com a cabeça e nós nos despedimos, encerrando a consulta. Chamei novamente um táxi e fui o caminho todo rezando para que Chloe e Harry já estivessem saído de casa. Meu senhor, o que eu falaria para esses dois?!

(...)

Harry e Chloe chegaram por volta das 6p.m, o que eu agradeci por ser tarde. Chloe foi direto para o quarto fazer sua lição de casa, e eu fiquei no meu quarto com Harry, que havia entrado para tomar banho sem falar comigo.

—precisamos conversar -disse assim que ele saiu do banho, só de toalha. Se a situação não fosse séria eu já teria desistido de conversar e teria o beijado.

—não acho que temos assuntos pendentes -ele disse, ele havia voltado a ser o Harry de semanas atras.

—eu tô grávida, Harry. -eu disse e ele paralisou. –na semana em que voltei pra ca fui no medico com a Chloe, fazer exames de rotina. Hoje recebi uma mensagem do consultório, falando que o médico queria falar algo referente ao resultado de um exame. Eu fui, achando que era algo com minha saúde ou a de Chloe, mas quando cheguei lá ele me deu essa notícia. -eu disse por fim, sem saber mais o que falar.

—por que não me contou antes? -ele perguntou, e eu não sabia se estava feliz ou não com a notícia.

—também não sabia, fiquei sabendo hoje. Tô tão surpresa quanto você. O dr. Marcio disse que não sentir sintomas nos primeiros 3 meses de gestação é normal para mães de segunda viagem. -eu repeti o que o médico me disse, e Harry se manteve sem expressão nenhuma. –precisamos resolver essa nossa situação. Agora temos que pensar em duas crianças, Styles. -eu disse e ele me olhou.

—eu te amo, te amo muito! Mas o que vem me machucando todo esses dias é saber que você pensou que eu seria capaz de te trair. -ele disse e senti dor em suas palavras, eu realmente tinha o magoado, e muito.

—não me sinto orgulhosa. Me pergunto como eu fui capaz de não escutar o que você tinha pra dizer, como eu fui capaz de simplesmente fugir de tudo, todos o dias eu me faço essa pergunta. -esperei um pouco, e continuei –me sinto culpada por não ter ido atras de você, por não ter ficado na porta daquele camarim esperando aquele show acabar, ou não ter interrompido vocês dois. Eu agi por impulso, agi como uma garota de 16 anos agiria, e eu sei de tudo isso, e sei que tenho que arcar com essas consequências. Mas ficar nessa coisa subentendida não é pra mim. Temos que resolver isso hoje, de uma maneira menos infantil, bem diferente do que estávamos agindo até agora. -eu disse e respirei fundo, fechando meus olhos. –então, pra concluir, se você quiser terminar tudo, eu vou te entender e vou aceitar, vou aceitar qualquer decisão que queira tomar, mas a gente precisa se resolver hoje. -eu disse terminando meu discurso, mas não tive coragem de encarar ele. Eu estava com tanto medo dessa resposta. Eu só olhava para o colchão da cama, com a mão na barriga, segurando as lágrimas.

—eu não seria capaz de terminar tudo, não agora, que vamos ter outro bebê. -ele disse já na minha frente, na cama.

—eu tenho condição de cuidar dois filhos sozinha. Não quero que minha gravidez te impeça de fazer o que quer, de seguir com tua vida. -a cada palavra que saia da minha boca era uma pontada no coração e uma vontade imensa de chorar cada vez mais, mas essa era a verdade. Não queria ele ao meu lado só por causa do filho, eu queria ele ali por minha causa, por ele me amar, desejar compartilhar uma vida comigo.

—você sabe que não é só pela gravidez, Mariana. -ele disse e ergueu minha cabeça, me fazendo olhar pra ele –eu te amo, te amo mais do que tudo. O que eu mais quero é terminar de construir uma família com você. Cuidar de você, da Chloe, e do nosso novo bebê. Me casar, viajar, curtir vocês, amar vocês, brigar com vocês, mas depois fazer as pazes. -ele disse, e a cada vez ele chegava mais perto. –eu sei que erramos, eu sei que nós podemos esquecer essa historia maluca. Eu só preciso saber de uma coisa sua. -ele disse e eu o olhei, esperando ele continuar – você confia em mim? -ele perguntou com o rosto bem próximo ao meu. Nossos olhos estavam fechados, nossas bocas entreabertas e esperando ser tocadas.

—confio, confio, confio! -eu disse, sentindo ele sorrir, e logo depois me beijar, demonstrando toda a saudade que sentíamos um do outro, todo o sentimento que nós carregávamos, toda a felicidade de finalmente estarmos de volta.

—podemos retomar o casamento? -ele perguntou, apartando o beijo.

—será um trabalho enorme organizar tudo. -eu disse me jogando pra trás na cama.

—eu liguei para Marta, pedi para ela não desfazer do casamento. -ele disse sorrindo sapeca e eu sorri também. Nós nos beijamos mais uma vez, até sermos interrompidos por Chloe.

—eca! -ela disse e nós rimos. –eu quero jantar. -ela subiu na cama e deitou no meio de nós.

—que tal irmos no restaurante italiano aqui perto? -Styles deu a ideia e nós duas assentimos.

—mamãe, vai se trocar. Papai, ajuda a mamãe a tomar banho e se trocar, ela tá com o pé machucado. Eu vou tomar banho e me trocar, e a gente se encontra na sala! -ela disse e pulou da cama. Nós nos entreolhamos e rimos do jeito dela de dar ordens. Harry realmente me ajudou nessas tarefas, como Chloe sugeriu, e em 30 minutos estávamos prontos. Peguei minha bolsa, minhas muletas, e nós seguimos para o restaurante italiano.

—filha, o que você acha de um irmãozinho? -eu perguntei no meio do jantar.

—ou irmãzinha.-Styles completou

—eu acharia legal. As vezes a Mia fala do irmão dela e da vontade de ter um. -ela respondeu colocando um pedaço de almôndega na boca.

—então, a mamãe e o pai vamos te dar um irmãozinho, ou irmãzinha. -disse Harry e ela ficou super feliz. Até derrubou o copo de suco da mesa.

—desculpa! -ela pediu desajeitada para o moço que veio limpar a sujeira que ela fez.

—não precisa se desculpar, linda. -ele disse sorrindo.

—cuidado, o papai não gosta quando me chamam de linda. -ela disse cochichando para o moço, mas todos na mesa ouviram e demos risada.

—então não conte para ele que eu falei isso, e eu não falarei mais. -ele disse brincando com a pequena e olhou para Harry, nos pediu licença quando acabou de limpar e saiu.

O resto do jantar foi maravilhoso, eu e Harry esquecemos a história de semanas atras, combinamos de deletar esse episódio de nossas vidas, e estávamos felizes pela notícia do novo membro da família.

—vamos contar agora ou depois para a imprensa? -eu perguntei e ele me olhou pensativo.

—acho melhor depois, ainda é muito recente. Vamos fazer surpresa, até para os meninos. -ele disse e eu ri, concordando.

Chegamos em casa e fomos dormir, no dia seguinte Chloe tinha escola e nós precisávamos ajeitar os preparativos do casamento, que aconteceria dali um mês. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, e mesmo agora trabalhando (sim, eu vou trabalhar nas férias!) eu vou tentar escrever diariamente e no fim de semana postar um capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...