História She's Thunderstorms - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Visualizações 24
Palavras 3.925
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLÁ VOCÊS. Seguinte esse capitulo tá enorme, espero que gostem desse casal que eu achei que combinou bastante. Vou começar com eles porque de cara eles foram apresentados. Seria legal vocês comentarem qual o próximo que vocês querem. Logo que acabar os especiais, a história continua normal, vou continuar na contagem dos capítulos porque faz parte da história né. Feliz dia dos namorados. (bem atrasado)

Capítulo 14 - 013: valentine day's part1. BÔNUS


 

(Rachel x Malcolm)

Você pode pensar que esse casal é meio inusitado e se você pensa isso, tem toda razão. Mas se você ver bem, eles são aquele tipo de casal que um dia já foram apenas melhores amigos o que não é uma regra, mas pra eles dois deu muito certo.

Rachel Elizabeth Dare, ou só Rachel, estava atolada de trabalho nesse dia. Mesmo que fosse algo que ela fazia por prazer, a deixava exausta e suja desde os cachos ruivos até o dedinho do pé cuja unha era pintada de preto. O que não era um problema já que nos fins de semana e feriados ela se pintava toda de estatua viva, o começo disso tudo é uma outra história. O telefone da cozinha tocou e Rachel correu para dentro de casa com as mãos coloridas, tirou o telefone do gancho com o pulso e o segurou na orelha com o ombro.

- Oi... alô? – Rachel coçou o nariz e a cor violeta cobriu as sardas do seu nariz.

- EI, RACH! – Malcolm gritou do outro lado da linha, a música do bar estava extremamente alta, Rachel não ouviu nada do que ele disse, mas deduziu já que era o que ele sempre dizia quando estavam ao telefone, com essa mesma animação o que Rachel achava bem engraçado.

- Você está bêbado? – Rachel franziu a testa, pelos cálculos dela ainda era terça feira.

- Rach, não grita comigo. – Rachel imaginou o bico que Malcolm devia ter feito ao falar essa frase e ela estava completamente certa. –  Já passou muito tempo desde que chamei minha irmã pra morar comigo, eu falei com ela hoje e ela me disse que não tem certeza se vai dar certo.

- Para de se preocupar com isso, Mal. – Rachel mudou o peso do corpo para outra perna e se encostou na geladeira ao lado. – Ela vai acabar vindo.

- Você tem certeza? – Malcolm perguntou e virou mais um copo de tequila, Rachel não estava vendo, mas escutou o barulho do copo batendo na mesa.

Rachel não precisava fazer esforço pra imaginar o cheiro de Malcolm, ela tinha certeza que ele emanava cheiro de álcool.

- Eu tenho, Mal. – Ela pensou por um instante e bufou pela própria ideia. – Aonde você está agora?

- Naquele barzinho do centro. – Rachel pensou se a moto tinha gasolina suficiente pra isso.

- Não sai daí, chego em uns minutos. – Malcolm ouviu e murmurou algo que nem ele mesmo entendeu, mas Rachel riu assim mesmo.

Rachel demorou uns minutos na pia da cozinha lavando e esfregando as mãos pra depois correr até o banheiro, não molhou os cachos já que ela odiava sair com cabelo molhado e demoraria bastante pra secá-lo. O coque durou tempo suficiente para ela terminar de tirar o sabonete do corpo e colocar uma jardineira manchada de tinta e uma camisa desbotada.

A chave da moto tinha criado perna e fugido, Rachel tinha certeza disso depois de ter revirado a casa do avesso. A bagunça só piorou e ela desistiu, praguejou tão alto que acreditou que o pai a tinha ouvido da China. Rachel pegou a bicicleta do lado de fora da casa, mas voltou para trancar a porta não que fizesse diferença já que todas as janelas tinham ficado abertas.

Malcolm estava sentado numa mesa bem distante e escondida, todos estavam no meio da pista dançado e ele apenas preocupado em ficar sóbrio. Algumas doses de tequila apenas, foi o que ele pensou, não achou que ia fazer tanta diferença assim.

- Aqui está sua água. – O garçom Alex sorriu pra ele em solidariedade e deixou a garrafa de 2l bem ao lado de um copo de vidro com um canudo de acrílico, uma coisa que Rachel achava incrível naquele bar, já que tinha tido uma diminuída na poluição de canudos jogados por esquinas ou nas quadras próximas dali.

- Uh... obrigado mesmo. – Ele acenou pra Alex que já estava se virando para recolher uma mesa ao lado.

Malcolm estava decidindo se estava arrependido ou não de ter ligado para Rachel, já que ele sabia o quão atolada ela estava com os trabalhos para a galeria de arte, mas ele não podia evitar e mesmo ocupada ela se ofereceu pra ir até ele. Malcolm só achava ela ainda mais encantadora.

As pernas de Rachel já estavam adormecendo, mas para sua sorte a bandeira que o bar exibia já estava à sua vista, ela suspirou e forçou mais algumas pedaladas.

- Um dia eu mato o Malcolm. – Ela desceu da bicicleta xingando até a terceira geração do Chase.

Rachel deixou a bicicleta presa de qualquer jeito e passou correndo pela porta do bar, o globo de luz girava deixando tudo colorido, Dare passou alguns minuto até encontrar Malcolm e riu da sua estupidez porque era óbvio que ele estaria na mesa de sempre, a mesma mesa que ela estava quando eles se conheceram anos antes.

A lembrança ferveu em sua mente.

- Não, eu acho que não vai dar hoje. – Rachel estava com o telefone apoiado entre o ombro e o ouvido.

- Mas precisamos de você hoje, Rach. – A voz aguda soou do outro lado da linha, era Drew uma assistente do teatro onde Rachel fazia uns bicos vez ou outra.

- A galeria não sai do meu pé, tenho que pensar com calma se assino ou não esse contrato. – Rachel tinha uma canetinha verde nas mãos, sua inquietude a fizera riscar símbolos por toda a lateral da mesa.

- Pensa com calma, qualquer coisa me liga. Segundos depois o telefone estava mudo, Rachel não prestou atenção na pessoa ao seu lado até ela cutuca-la no cotovelo.

Rachel forçou a vista quando olhou pra cima, sim, porque ela achava ele extremamente alto e forte, não exagerado.

- Hã... oi? – O rapaz sorriu, depois passou a mão no cabelo loiro meio desconcertado.

- Eu acho que não é uma boa ideia você pichar essa mesa... – Ele tinha uma voz grave, o tipo de voz que chama atenção, que todo mundo para pra ouvir.

- Ela é sagrada ou coisa assim? – Rachel disse com uma pitada de ironia, o rapaz riu e olhou pros lados antes de se inclinar até ela.

- Pior. – Ele sussurrou. – Essa mesa é de aluguel, se alguém descobrir que foi riscada, vão olhar nas câmeras e vão atrás de você. Eu não confio no cozinheiro daqui.

Rachel não pode evitar, riu tanto que lágrimas surgiram nos olhos.

- Você não pode estar falando sério. – Ela disse meio ofegante.

- Mas eu falo. – Ele piscou pra ela meio sorridente. – Boa sorte pagando o aluguel dessa mesa pelo resto da vida.

“ótimo, agora sou obrigada a aceitar o contrato da galeria” foi exatamente o que Rachel pensou e uma carranca tomou conta do seu rosto, ela odiava ser obrigada à fazer algo.

Ele percebeu a cara que ela fez e riu.

- Ei, também não é algo tão caro assim. – E se sentou na sofá do outro lado da mesa.

Rachel o encarou se segurando para não revirar os olhos.

- Malcolm. – Ele estendeu a mão por cima da mesa, com um sorriso na cara. – Malcolm Chase.

- Belo jeito de conhecer uma garota. – A voz de Rachel estava carregada de sarcasmo, mas ela riu. – Rachel.

- Só Rachel? – Malcolm perguntou no momento em que Rachel apertou sua mão.

- Por enquanto pra você é só Rachel. – Ela piscou pra ele e os dois riram.

Rachel não sabia se Malcolm havia tido segundas intenções quando se conheceram, mas foi acontecendo tudo rápido e a amizade prevaleceu, Malcolm começou a ser a primeira pessoa que Rachel ligaria se precisasse de ajuda e ele foi um dos primeiros à apoiá-la quando o prazo pra assinatura do contrato estava prestes a expirar.

- EI RACH! – Malcolm gritou quando ela estava uns passos da mesa.

- Ei, Chase. – Ela chegou e o segurou pelo queixo, a barba rala fizera cócegas em sua mão, depois de dar um beijo discreto em sua bochecha, se sentou de frente para o loiro, do outro lado da mesa.

Malcolm ficou olhando cara detalhe de Rachel e riu, uma ruga se formou no meio da testa da ruiva.

- O que foi? – Rachel já achava que Malcolm estava mais bêbado que ela pensava.

- Você tem tinta no cabelo. – Malcolm disse e tomou mais um gole da sua água.

- É que não tive tempo pra lavar ele já que um amigo bêbado e carente me ligou. – Ela o encarou com a sobrancelha erguia em desafio.

E Malcolm naquele momento achou que Rachel estava mais bonita que nunca. Ela tinha um brilho selvagem nos olhos quando pintava ou desafiava alguém.

Rachel engoliu em seco depois de perceber que Malcolm não tirava os olhos dela, ela não sabia o que estava acontecendo, eles são amigos a anos e eles sempre conversaram olhando nos olhos do outro, mas o jeito que Malcolm à olhava, era do mesmo jeito que ele flertava, Rachel sempre soube cada detalhe do que Malcolm fazia pra sair com alguém e como sempre foi verdade, ele se interessava, nunca mentia sobre suas intenções. Isso deixava Rachel contente, ela nunca seria amiga de alguém que finge estar apaixonado pra transar com alguém.

Sem perceber, Rachel estava retribuindo o olhar de Malcolm na mesma intensidade e logo uma tensão se alojou ao redor dos dois, Malcolm sabia muito bem que Rachel tinha uma selvageria em tudo que fazia, sua garganta secou e pra desviar os olhos, forçou uma tosse.

- Você vai me levar pra casa? – Malcolm fez o biquinho manhoso que já era bem conhecido por Rachel. – Aliás, cadê seu capacete?

- Bom, esse é um problema. Não vim de moto. – Rachel fez com as mãos uma arma e colocou na têmpora. – Não achei.

- Eu estou de carro. – Malcolm sugeriu timidamente porque Rachel já tinha dito centenas de vezes que não era confiável deixar o carro por aí, já que quando ele bebia, sempre voltava de táxi. – Você pode dirigir.

- Olha só, Malcolm Chase me oferecendo seu carro pra dirigir? – Ela colocou o dedo no ouvido como se houvesse um ponto de comunicação. – É isso mesmo produção?

Malcolm já ia responder de um jeito teimoso quando seu celular tocou.

- É Silena. – Ela ergueu o celular para que Rachel pudesse ver a mensagem da inquilina de Malcolm.

De: Beauregards

Para: Tio Mal

“Tem uma feira na escola hoje, eu acho que não vamos voltar antes da 21h. Você esqueceu a chave e não podemos esperar, tem como dar ficar na casa de alguém?”

- Eu ofereço minha casa pelas próximas 4 horas. – Rachel revirou os olhos e Mal sorriu.

Para: Si B.

De: Mal.

“Eu dou meu jeito. Rachel ofereceu a casa dela, mais tarde me avisa se precisar de algo.”

Enviou a mensagem e guardou o celular no bolso da jaqueta.

- Podemos ir agora?  - Rachel perguntou batendo as unhas na mesa, seu olho se fixou no canto da mesa, onde os desenhos com canetinha verde estavam se desbotando.

- Sim, senhora. – Malcolm bateu continência.

- Menos, Chase. – Rachel colocou um cacho atrás da orelha e se levantou.

Malcolm cambaleou um pouco, mas respirou fundo e se levantou.

Rachel e Malcolm seguiram para fora do bar.

O carro estava estacionando próximo à saída de emergência, Malcolm entrou no lado do passageiro e esperou Rachel entrar no lado do motorista, demorou uns minutos já que ela estava prendendo sua bicicleta no carro. Rachel era um boa motorista, não importava qual veículo e ela nunca se louvou por isso.

- Você fica bem com essa barba rala. – Rachel olhou pra ele de canto e o viu sorrindo.

- Acha mesmo isso ou você só quer me deixar com o coração amolecido porque te dei meu carro pra dirigir? – Malcolm ficou olhando a lateral do rosto de Rachel, sardas cobriam seu rosto todo, mas especialmente as maçãs de seu rosto. Nas suas pálpebras tinham 5 ou 6 sardas, como se a tinta estivesse acabado.

Rachel já estava na avenida, quando pararam no sinal, ela encarou Malcolm.

- Não cansou de me olhar ainda? – Ela perguntou e ele arregalou os olhos, ela piscou pra ele e voltou a olhar para frente, pôs o carro em movimento de novo.

Malcolm sentia sua cabeça girar, não por causa da bebida. O que ele falou depois não passou pelo filtro de palavras.

- Se eu pudesse, não ia parar não. – Malcolm pensou muito alto, Rachel riu.

- Não ia parar de quê? – Rachel disse com um sorriso malicioso no canto do rosto.

- Você está provocando, Dare? – Malcolm ergueu a sobrancelha e continuou encarando ela.

- Chase, você não viu nada. – Rachel já estava na esquina da casa.

A casa da Rachel era a última da rua, já que era uma rua em saída, o carro foi estacionado em cima da calçada, a garagem de Rachel estava cheia de tintas e telas.

- Você só vem quando está bêbado. – Rachel disse em tom de crítica, Malcolm revirou os olhos.

- Ei, eu estou muito sóbrio agora. – Malcolm saiu do carro logo depois de Rachel.

Ele ajudou a tirar a bicicleta e a colocou no chão.

- Você não acha essa bicicleta meio alta pra você não, tampinha vermelha? – Malcolm disse e acabou levando um soco de Rachel no ombro. – Ai, uma tampinha um pouco forte demais.

Rachel riu ironicamente.

- Você é ridículo. – Rachel ia se virar, mas tropeçou na pedra de cimento que estava na calçada.

Malcolm, que tinha movimentos rápidos, puxou Rachel pela alça da jardineira. Para a sorte de Rachel, já que ir de encontro com o peito de Malcolm era menos doloroso que cair de cara no chão.

- Ai, Chase. – Rachel espalmou a mão no peito de Malcolm e os rostos estavam curiosamente perto.

O hálito de bebida do Malcolm deixava o clima ainda mais quente e sensual. De repente o clima ficou urgente.

- Rach... – Malcolm ia dar alguma desculpa, mas não deu tempo.

A mão de Rachel subiu até o pescoço de Malcolm e puxou seu rosto mais próximo ainda de sua boca até os lábios roçarem no do outro, então o pavio queimou por inteiro, a bomba explodiu.

O beijo veio de modo desesperado, como se o mundo estivesse se acabando e eles precisassem se segurar no outro para não morrer. Então acabou do mesmo jeito que começou e eles se olharam e foi como se eles pudessem ler a mente do outro, um consentimento passou entre eles. Num movimento rápido, Rachel apertou o controle e trancou o carro, e num outro pulo abriu o portãozinho da casa.

Antes de passar pela garagem, Malcolm puxou Rachel pelo quadril de encontro ao corpo dele, ela subiu a mão e passou as unhas na barba de Malcolm, ela não pode ver, mas ele fechou os olhos tomado pelo prazer e adrenalina. Ela virou de frente pra ele, colando seus corpos e suas mãos pareciam tocar pela primeira vez o corpo de Malcolm, logo as mãos de Malcolm a pegaram pelo quadril e logo as pernas de Rachel estavam ao redor do corpo forte de Malcolm.

- Eu vou pegar fogo. – Rachel sussurrou no ouvido do Chase enquanto aos mãos do loiro percorriam sua costa.

- Achei que seu cabelo já estava pegando fogo a muito tempo. – Malcolm comentou fingindo dúvida.

- Você é ridículo. – Rachel riu, não foi algo que quebrou o clima, foi como se a tensão sexual só aumentasse. O corpo de Rachel tremeu pelo riso, e enviou descargas elétricas pelos dois. Rachel apertou mais suas pernas ao redor de Malcolm e logo sua costa estava encostada na parede. Eles estavam tão próximos que só a roupa atrapalhava, a boca de Malcolm percorria o busto e pescoço de Rachel e as unhas desta já estavam fazendo estrago por debaixo da sua camisa lilás. – A mesa...

Malcolm para sorte de Rachel, entendeu de primeira e a carregou até a mesa de tintas dela, ela se sentou na ponta, Rachel se sentiu estranha mesmo com a pouca distância entre os dois, mas logo ela mudou isso, puxou o quadril dele com as pernas e tratou de puxar a camisa lilás pra cima. Ela mesmo tirou as alças na jardineira, ela olhou pra cima quando viu que Malcolm estava nu do quadril pra cima, ele riu, mas logo se calou porque Rachel abaixou um pouco a cabeça para beijar sua barriga lisa e dura, ele parou de respirar por um instante, ela subiu os beijos intercalando entre lambidas e mordidas, até que Malcolm a segurou por entre os cabelos e a puxou para mais um beijo, ficando ainda mais perto, Rachel não sabia como isso era possível.

- Uau, agora eu entendo. – Rachel sorriu maliciosamente, Malcolm revirou os olhos.

- Eu que estou entendendo agora. – Os lábios de Malcolm roçavam os de Rachel, mas sem contato real, Rachel estava ficando pilhada.

- Se você não me beijar agora, vou matar você. – Rachel disse com as mãos fechadas na barra da calça de Malcolm, ele riu e a beijou calmamente, mas não durou muito porque um furacão pareceu girar ao redor dos dois e tudo recomeçou.

Rachel e afastou e tirou a camisa e deixou a jardineira escorregar pelas pernas, e Malcolm abriu o botão da calça e a deixou cair também. Malcolm passou a mão por cada espaço de sua pele exposta, e se ajoelhou, Rachel o olhava no olhos, mas então ele baixou a cabeça e beijou acima dos joelhos, e logo subiu até a barra de sua calcinha, Rachel sentia a respiração quente de Malcolm no quadril e quase gemeu por isso.

Malcolm a calcinha para baixo com as mãos enquanto tua boca ia subindo até os seios de Rachel, ela odiava usar sutiã. A boca quente de Malcolm cobriu o seio de Rachel que arfou e subiu uma mão até o cabelo do loiro, para se segurar. Rachel achava que Malcolm não ia se importa de ficar sem cabelo em alguns cantos. A cabeça de Rachel involuntariamente foi pra trás para que ele tivesse acesso ao seu pescoço e ele entendeu o recado, os beijos e lambidas deixavam Rachel à ponto de ebulição.

- Você é deliciosamente quente. – Malcolm sussurrou rouco, ele estava extremamente excitado e Rachel mal o tocara, mas ao senti-la puxar seus cabelos pelo prazer fazia o aperto em sua cueca aumentar.

- Mal... – Rachel tentara dizer algo, mas logo a frase sumiu de sua cabeça, os dedos de Malcolm a acariciam. Rachel engoliu um gemido e ela estava tão molhada que Malcolm só pensava em sentir seu gosto, os dedos dele deslizaram para dentro de Rachel e o aperto em seu cabelo aumento, a outra mão de Rachel desceu até a mão de Malcolm, empurrando seus dedos mais a fundo, um gemido escapou de seus lábios que logo estavam pressionados contra seus dentes. Rachel estava preocupada com os vizinhos.

Rachel se inclinou para frente, até sua boca estar no pescoço de Malcolm, seu cheiro a deixava inebriada, mais gemidos escaparam da boca de Rachel, até que uma pressão conhecida se formou, a mão de Rachel se fechou no pulso de Malcolm e a sua boca ficou pressionada contra o ombro de Malcolm, talvez tivesse o mordido. O orgasmo de Rachel veio, um gemido alto de Rachel escapou, mas ela não se importou, os dedos de Malcolm continuavam dentro dela. Ela soltou seu pulso e o encarou, ele nada discretamente, retirou seus dedos e os colocou na boca, a garganta de Rachel secou. Ela não achava que ele podia ser tão sensual e quente assim, ela sorriu.

- Eu preciso de você. – Rachel sussurrou e Mal a olhou nos olhos, com os dedos ainda na boca, Rachel a tirou delicadamente de sua boca e colocou um de seus dedos dentro da boca, chupando-o lentamente, Malcolm mal conseguia respirar. Rachel tinha um brilho selvagem no olhar, de um jeito que Malcolm nunca tinha visto. Quando Rachel tirou seu dedo da boca, Malcolm a puxou pelas pernas de um jeito que Rachel teve que se apoiar com os braços na mesa, o que fez algumas tintas caírem e derramarem, de repente suas mãos estavam rosa, laranja e roxo. Nenhum deles se importou.

- Você é o inferno, Dare. – Malcolm não conseguia tirar os olhos dela, logo ele estava sem cueca, com uma camisinha em mãos, depois de coloca-la, Rachel mais uma vez o rodeou com as pernas, o puxando direto pra ela, o choque fez os dois gemerem. Malcolm ficou parado por um estante, Rachel voltou a se sentar e rodeou os braços pelo pescoço dele, movimentou seu quadril e ele retribuiu movimentando o seu, o choque entre os dois tinha como melodia o gemido de Rachel e Malcolm, as mãos sujas de Rachel manchavam a pele bronzeada de Malcolm e suas unhas o arranhavam, mas o ardume era só mais combustível pra queimar, Malcolm tirou Rachel da mesa e a encostou na coluna bem ao lado, a nova posição fez Malcolm ir ainda mais fundo, Rachel não conseguia conter seus gemidos, Malcolm ficava ainda mais excitado ao ouvir Rachel gemer. Os dois ficavam ainda mais ofegantes, nenhum dos dois queria ceder, mesmo que não fosse um jogo. Rachel apertava mais forte as pernas ao redor de Malcolm, suas unhas desceram até o cóccix de Malcolm, parecia querer se fundir a ele, ela subiu arranhando até seus ombros, Malcolm arrepiou da cabeça aos pés.

- Rach... – A voz de Malcolm era extremamente rouca.

Ele bombeou mais rápido dentro dela, Rachel estava à beira da loucura. Apertou mais forte as pernas ao redor de Malcom e não conseguiu evitar mordê-lo no ombro mais uma vez, essa queimou o ultimo resquício de alto controle, Malcolm chegou ao orgasmo, gemendo e apertando as costas de Rachel que logo chegou ao ápice também, sua cabeça tombou no ombro de Rachel que tentava controlar sua respiração.

Os minutos se passaram e Malcolm continuou com Rachel nos braços, ele a levou pra dentro de casa, pela porta dos fundos que estava aberta, a deitou no sofá cama que era imenso e correu ao banheiro pra jogar a camisinha, quando voltou Rachel estava meio sentada, ela continuava com o brilho selvagem nos olhos.

Malcolm não conseguiu deixar de sorrir.

- Eu adoraria pintar você assim. Nu e sorrindo. – Ela comentou meio pensativa, Malcolm não sabia se ela estava falando sério, mas deu de ombros.

- Adoraria ser sua musa inspiradora. – Malcolm ia se sentar, mas Rachel o puxou pelos ombros e o fez ficar em cima dela.

- Vamos pensar nisso depois. – Ela disse e ele concordou beijando seu pescoço. – Agora eu preciso de uma coisa só.

- E o que é? – Malcolm perguntou sem tirar a boca do pescoço dela.

- Água. – Ela disse e Malcolm riu alto, só então percebeu que sua garganta também estava arranhando e extremamente seca.

- Tem razão, um litro talvez? – Ele se apoiou nos braços e piscou pra ela, levantou e correu até a cozinha, voltando com uma garrafa depois de ter bebido metade dela. Ele entregou à ela. – Fizemos muito barulho, seus vizinhos vão chamar a polícia.

Malcolm sabia como os vizinhos de Rachel pareciam ter ouvidos biônicos. Ele a olhou beber a água e ela o encarou deixando a garrafa de lado.

- Uma pena, pois vamos fazer bem mais. – Rachel levantou como um tigre e empurrou Malcolm pelos ombros, os dois caíram no carpete branco. – Vamos dar motivos para a prisão eminente.

Então ela o beijou. 


Notas Finais


Qual o próximo casal, ein?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...