História Shine a Light - 2 Temporada - Capítulo 71


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Tags Banda, Harry, Horan, Liam, Light, Louis, Malik, Musica, Niall, One Direction, Payne, Sal, Shine, Styles, Tomlinson, Zayn
Exibições 37
Palavras 2.721
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey pessoas!

O que tenho a dizer é só agradecer por vocês estarem aqui. Obrigada mesmo!
Ahhh... Também tenho mais algumas coisinhas (mas não serão spoilers, hehe!)
A partir daqui estamos entrando em um meio/reta final...
Então... segurem os corações e não me batam pf!!! kkk

Não sei ainda quantos caps ao certo terão até o final. Mas as coisas já estão se encaminhando.

Espero de todo coração que gostem!

Bjão minhas lindezas!

=* <3

PS: AMO Tiago Iorc! Ouvi bastante essa música enquanto escrevia. Se quiserem colocar como trilha para leitura o link está nas notas finais! ;)

Capítulo 71 - Amei Te Ver


Fanfic / Fanfiction Shine a Light - 2 Temporada - Capítulo 71 - Amei Te Ver

A festa estava ótima. Muita conversa, dança, risos, mas não via a hora de ir para minha casa ter minha festa particular com Amy.

Foi ao banheiro com minha irmã e eu fiquei com Nialler conversando.

- Acho que já vou embora.

- Sei bem o porquê quer ir embora. – Riu – Está de carro?

- Não. Achei que ia beber mais, mas acabei não foi tanto assim. Confesso que me diverti mais do que se tivesse bêbado.

- Tem algo melhor para se embriagar, irmão. – Demos um toque de mãos – Eu estou com o meu. Quer uma carona?

- Você já vai?

- Sim. Só vou ligar para ela e saber onde está. Se já estiver no hotel onde disse que ficaria é caminho para a sua casa. De lá eu a pego e vamos para a minha.

- E como vai buscá-la sem que te vejam?

- Geralmente nos hotéis em que ela fica não há concentração de paparazzis. Meu carro tem vidros escuros e, além disso, eu vou me disfarçar.

- Hummm... Você é esperto e discreto, Nialler!

- Muito mais do que pensam! – Brindou comigo. As garotas voltaram e pareciam um tanto estranhas.

- Tá tudo bem?

- Nada com que se preocupar, maninho.

- Ok. – Dei de ombro – Vamos para casa, amor?

- Tudo bem. – Sorriu.

- Quer que eu leve vocês?

- Pode deixar que eu os levo, Gem. Ela está na mesma rota.

- Ela? Mas quem é... – O irlandês a olhou como quem diz “Você sabe quem!” – Ahhh, sim, sim. Entendi. – Riu – Então amanhã levo sua mala na casa do meu irmão, cunhadinha.

- Muito obrigada por tudo, Gem. – Se abraçaram e eu gostava cada vez mais dessa amizade das duas – Muito obrigada, mesmo!

- Não tem o que agradecer. – Piscou para nós dois – Se divirtam, pois eu vou me divertir! – Me abraçou e beijou – Tome conta dela direito ou arranco seus mamilos! Os quatro!

- Tá bom! Tá bom! – Escondi meu peito com as mãos – Que medo! – Se despediu de Nialler e foi para a pista de dança. Avisei Nick que voltaria com Nialler e fomos para o carro.

 

Entre conversas e risos no carro, Nialler chamou a atenção para algo.

- Você está bem, maninha?

- Sim. Por que?

- Está um pouco mais magra que semanas atrás quando nos vimos. – Olhando-a sem aquele jogo de luzes da festa percebi que o irlandês estava certo. Parecia mais cansada também.

- Estou bem. Deve ser a correria dos dias, só isso. Tenho que comer mais rápido do que gostaria e, com isso, como menos.

- Tem se cuidar, menina!

- Nialler tem razão, amor. Não pode descuidar da sua saúde.

- Vou passar a minha dieta pra você, Amy. É ótima!

- Cara, você não faz dieta.

- Então, Harold! Quer dieta melhor que essa?! Basta comeeeer! E comer bastante! – Gargalhou daquela maneira costumeira, nos fazendo rir junto.

- E você e Viv? Tudo certo agora?

- Sim. Tivemos uma boa conversa depois do casamento do Zayn e decidimos em comum acordo namorarmos sem que a mídia saiba por mais um tempo. Demorou, mas entendi que quer se firmar por ela mesma, sem rótulo e privilégios. Isso me faz ter ainda mais orgulho dela.

- Também sinto orgulho da minha amiga. É bom saber que tudo está correndo bem.

- Ela estava lá na festa, entre os jornalistas.

- Sério? Ah, eu não a vi. – Respondeu chateada – Na verdade nem paramos para fotos. Achei que ela estava aqui para entrevistar alguém, mas não para cobrir o seu aniversário.

- Na verdade, Viv veio para nos entrevistar. Mas só vai ser daqui há 3 dias, porque vai nos acompanhar por 1 dia todo.

- E eu vou ter que fingir que nada acontece entre nós dois. Vai ser bem estranho, mas divertido. Bom, casal, chegamos.

- Quer entrar, cara?

- Obrigado Harold, mas sei que você quer curtir a sua garota. Vou pegar a minha agora para fazer o mesmo. – Piscou, safado. Abraçou Amy de maneira desajeitada no banco – Quanto tempo vai poder ficar?

- Só até a madrugada de depois de amanhã – Pensou – Ou de amanhã... Não sei, ainda estou confusa com o horário. – Rimos.

- Espero vê-la logo.

- Também espero ver você. Dê um beijo em Viv por mim.

- Darei vários, pode deixar.

 

Quando acendi as luzes da sala, Amy foi até o quadro que me deu de presente.

- Decidi deixá-lo aqui na sala. Seria estranho acordar e dar de cara com meu perfil – Sorriu – Mas gostei muito. – A abracei pelas costas apoiando meu rosto em sua cabeça.

- Também gostei. Quase os pego para mim.

- Agora, preciso desembrulhar outro presente. – Sussurrei em seu ouvido, sentindo toda reação de seu corpo, se virando para mim.

- Qual?

- Você! – Tomei seus lábios para mim e a levantei para que suas pernas me contornassem, levando-a para o quarto.

- Então, você gostou de me ver aqui?

- Não. – Deixei-a devagar na cama, me deitando sobre ela – Eu amei. E vou amar mais agora. – Não deixei que falasse mais nada. Entre beijos e carinhos nos despindo até não restar uma peça sequer. Percorri seu corpo com meus lábios, dedicando à atenção devia aos seus seios, sendo recompensado com seu arfar cada vez mais necessitado, indo rumo a sua entrada. Gosto de vê-la entregue, de como se mexe e como reage a cada toque de minha língua, como eleva seu corpo pedindo por mais.

- Se pudesse ter a mesma visão que eu tenho – Falava enquanto a tocava com meus dedos – Nossa, baby...

- Haaazz... Aaah...

- Você é deliciosa! – Voltei os lábios para o local que pulsava por mim e segurava seus seios, dando apertões intensos enquanto seu corpo buscava alívio. Seus gemidos alcançaram o máximo e senti que já estava pronta como eu queria que estivesse. Mas assim que fui para cima dela, me pediu para deitar e colocou suas pernas entre minha cintura, devorando minha boca como bem queria. Seu gosto ainda estava ali e sua entrada molhada raspava levemente em minha glande, me fazendo estremecer. Sua boca foi deslizando por meu corpo até chegar onde queria.

Sua língua me contornava como lhe apetecia. Macia... Suave... Cada toque fazia meu corpo expandir em calor e só crescia.

- Você é divina... Aaah... Divina... – Seu ritmo foi aumentando a cada resposta minha. Mas eu não queria chegar ao ápice daquela maneira.

- C-chega, Amy.

Assim que veio até mim, a virei sobre a cama e deslizei para dentro daquele corpo que tanto amo, que tanto desejo. Comecei devagar, bem devagar.

- Queria tanto você... Tanto... Você me faz falta, amor... De um jeito que me dói.

- H-mm.

- É difícil ficar sem você... Sem seu corpo... Seu cheiro... Seu toque...

- A-ah! – Cravou as unhas em meu peito, alongando o corpo.

- Te sentir entregue como está agora... Isso é tão gostoso...

- H-Hazz! Mais! Mais!

- Vou te dar o que quiser, amor. – E acelerei, aproveitando cada pedacinho dela, a beijando e amando como quero fazer todos os dias. Mas não demorou muito para que começasse a me apertar daquela maneira que me deixa louco.

- S-se continuar fazendo isso... Não vou aguentar mais. – Suas pernas trouxeram minha bunda para se encaixar mais em seu corpo e voltou a me apertar mais algumas vezes.

- Vem pra mim, amor. – Disse num fio de voz, que foi o suficiente para que me derramasse. Estoquei poucas vezes até ouvi-la fazer o mesmo. Fiquei um pouco mais por cima dela, tomando cuidado para não esmagá-la e depois me retirei, a abraçando logo em seguida.

- Feliz aniversário, Hazz! – Sorri como um bobo. Era o ‘Feliz aniversário’ que queria ouvir o dia todo dessa maneira; perto de mim. Beijei-a por mais um tempo até sentirmos falta de ar.

- Obrigado por vir. – Acarinhava meu rosto devagar com um olhar que misturava preguiça e prazer.

- Eu que tenho que agradecer... Por ter você. – Seu rosto mudou de repente, como se sentisse algo – Ainda está bravo comigo?

- Não estava bravo com você. Estava chateado com a situação. É difícil estar longe quando tudo o que se quer é estar perto, principalmente em datas como essa. E é sobre o que mais conversamos.

- Eu sei. Mas não tenho controle sobre isso, entende? Está tudo tão corrido que mal estou tendo tempo pra nada. Ultimamente, quando chego de algum show, tudo o que penso é em dormir e... – Parou de falar e ficou me olhando fixamente.

- E não consegue? – Concordou com a cabeça – Já tentou falar com alguém sobre isso?

- Já. Mas... – Seus olhos lacrimejaram me olhando de uma maneira dolorida. A trouxe mais para perto e me abraçou forte, tremendo e isso me cortou o coração – Estou com medo.

- Não precisar ter medo, meu amor. Sei o quanto é difícil toda essa cobrança e, ainda mais, a sua própria cobrança em dar conta, mas não seja tão dura com você. – Ela soluçava e me abraçava mais e mais, fazendo meu coração se afundar no peito. Não imaginava que se sentia tão sobrecarregada assim... E eu ainda me chateio sabendo de tudo o que exigem e do quanto ela se exige! – Meu Deus! Me perdoe por ter te feito mal, amor. Eu não imaginava que se sentia assim. Me perdoe. Eu, mais do que qualquer outra pessoa, entendo como é difícil conciliar datas e fechei meus olhos para isso. – Olhei-a e vi seu rosto molhado, deixando mais lágrimas rolarem – Eu fui egoísta e só pensei em como te queria perto, não em tudo o que nos cerca. Não queria pressionar você.

- Você não me pressionou, Hazz. Eu só...

- Pressionei, sim. Eu admito. Mas vou ser mais compreensivo com sua agenda. – Enxuguei suas lágrimas como pude – Vou sentir muito a sua falta o tempo em que não pudermos nos ver, mas não vou deixar que isso seja maior do que as coisas boas que estão acontecendo com você. Suas músicas são um sucesso e eu estou orgulhoso de você e do que está fazendo. – Sorriu de maneira linda, massageando meu peito. Selou nossos lábios devagar e demoradamente.

- Eu te amo. Te amo muito.

- Eu te amo mais. Muito mais.

Para fazê-la se sentir mais amada, fizemos amor mais uma vez até nos sentirmos exaustos e adormecermos.

 

Quando acordei ela já estava acordada, olhando pra mim com um sorriso preguiçoso. Estava tão linda que não resisti e fizemos amor antes de qualquer coisa. Depois de desabar do seu lado, sorri como uma criança.

- Bom dia, Pequena.

- Está sendo mesmo um dia maravilhoso! – Rimos.

- Conseguiu dormir bem?

- Sim. Muito bem.

- É bom ouvir isso. Agora nos vamos tomar um banho e fazer o café.

- Não podemos ficar aqui mais um pouquinho? – Pediu manhosa.

- A gente pode ficar aqui a manhã toda se você quiser. Mas queria tomar banho de banheira com você.

- Hummm... Isso é bom!

- Sua safada!

- Não sou. – Respondeu bagunçando ainda mais meu cabelo e eu o dela.

- Vou arrumar tudo para nós. – Selei-a e sai da cama.

 

Coloquei água quente, espuma e a chamei. Entramos e eu me propus a fazer com que ela relaxasse. Massageei suas costas enquanto as lavava e foi assim no corpo todo. Quis retribuir e eu aceitei, me sentindo relaxar a cada toque de suas mãos. Ficamos ali conversando e namorando até sentirmos nossos pés e mãos enrugarem.

Colocou uma calça que já havia deixado aqui e lhe emprestei um moletom. Hoje o dia estava nublado e um pouco frio, perfeito para ficar namorando embaixo das cobertas.

Fizemos o café, mas disse a ela para colocarmos na bandeja e comemos no quarto. Entre risos e conversas sobre nossas turnês o café acabou. Levei a bandeja para a cozinha e voltei depressa para a cama, ligando a tevê num canal aleatório em volume baixo. Na verdade, o que me importava era ela, estar abraçado a ela, sentindo seu corpo descansar junto ao meu, acariciando seus cabelos e nada mais.

- Você deve estar exausta com tanta correria.

- Um pouco. Assim que soube que não teria a entrevista, corremos contra o tempo para conseguir as passagens. Fiquei até a madrugada para conseguir o vôo das 8hs da manhã. Quanto te liguei já achava que não ia conseguir, mas Tay e Jeffs não me deixaram desistir. – Sorriu me olhando e me fazendo carinho – Valeu a pena para estar com você. – Beijei-a mais algumas vezes com todo carinho que merece.

- Você é a melhor! – Selei-a – E como anda o livro? – Precisava perguntar sobre isso para saber quando aquele... Escritor vai embora.

- Parado.

- Como assim? – Perguntei receoso.

- Desde que voltei até agora não tivemos muito tempo para que ele retomasse uma parte a qual Oliver disse que quer colocar. A agenda está apertada e alguns dias atrás seu pai não estava bem. Ele não me disse nada, mas Diana acabou me contando, pedindo para não comentar com Oliver. Estava muito preocupado. – Parecia se recordar como Maklin estava e isso me irritou, mas disfarcei como pude – Disse a ela que poderiam ir para os Estados Unidos para vê-lo, mas não quiseram. Seus irmãos mais velhos estão cuidando dele e disseram que está melhorando.

- Que pena!

- Do que?

- Do que aconteceu. – E dele não ir pra ficar com o pai por dias, meses, anos, quem sabe...

- É mesmo.

- E como Jeffs reagiu com o noivado da Babá e do Troy?

- Como ele mesmo disse “Foi pra Marte dando looping de tanta emoção!”. – Rimos. Esse cara é uma comédia! – Está disposto a ajudar Babá com todos os preparativos.

- Eu não duvido nenhum pouco. Está namorando sério aquele cara que me falou?

- Sim. Muito sério. Quando pode, Evandro os acompanha nos shows. É muito legal e parece gostar muito do Jeffs.

- Do núcleo sério do seu staff só falta a Mô encontrar alguém. – Ela riu.

- Núcleo sério?

- Claro. Os caras da sua banda eu não conto, porque estão se divertindo tanto quanto o Josh, não contando seu primo.

- Ah, isso é verdade. Sabe o que estranho? A Mô nunca comentou sobre ninguém.

- Ela pode ser lésbica, não é?

- Eu também achei que poderia ser. Mas uma vez estávamos conversando sobre beleza e ela comentou que seu lado lésbico só pegaria a Megan Fox. Isso me deu a entender que ela não é.

- Hum, pode ser. – Meneei a cabeça – Pensando bem, acho que se ela fosse não veria problemas em contar para vocês, né?

- Verdade. Ela sabe que não julgamos. Acho que só não encontrou alguém ainda.

- Como a gente se encontrou. – Seu sorriso transcendia os lábios e chegava a seus olhos. Gosto tanto quando Amy sorri com os olhos. É o sorriso que mais acelera meu coração.

 

Namoramos o quanto podíamos.

Minha irmã apareceu no horário de almoço para trazer a pequena mala que ela havia deixado em sua casa. Depois que comprou sua casa em Londres, Gem só fica em minha casa quando temos visitas ou quando diz que se sente carente de irmão. Perguntei se soube algo sobre Lux e disse que estava melhor. Ontem quando me ligou para desejar parabéns mal conseguia ouvir sua vozinha por causa da garganta. Por isso Lou acabou não indo a minha festa.

Pedimos comida e ficamos os três conversando e rindo a tarde toda. Gem disse que levaria Amy para pegar o vôo de madrugada. Isso me deixou triste, mas disse a mim mesmo que não faria ela se sentir mal.

Aproveitamos o que podíamos, cada momento. Até que a madrugada chegou e tivemos que nos despedir.

- Se puder, me mande uma mensagem quando chegar.

- Tudo bem. Se cuide e... Espero te ver logo.

- Eu também espero. – Nos abraçamos com vontade de nunca mais nos largar. Beijei-a devagar, sentindo cada fenda de seus lábios nos meus e guardando seu gosto em minha mente, meu paladar e meu coração.

- Te amo, Hazz.

- Te amo, Pequena. Te amo mais.

E vi minha irmã a levar para o aeroporto, me sentindo pela metade novamente. Mas, mesmo que me doesse, daria o espaço que ela precisa.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...