História Show You - Camren G!P - Capítulo 69


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Austin Mahone, Camila Cabello, Fifth Harmony, Liam Payne, Shawn Mendes
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Liam Payne, Normani Hamilton
Tags Allyson Brooke, Camila Cabello, Camren, Camren G!p, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Liam Payne, Normani Kordei, Romance
Visualizações 454
Palavras 1.523
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Intersexualidade (G!P), Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu chorei, ainda estou chorando não vou mentir...

Aconselho ler o capítulo ouvindo 1000 Hands-Fifth Harmony, eu escrevi ele inteiro ouvindo ela e chorei mesmo...Quando tiver o nome play, vocês dão play, e vamos nessa...

Capítulo 69 - Capítulo 19/Temp.2


Pov Camila

O dia do meu aniversário, por outro lado, foi o melhor dia da minha vida.

Ver todas aquelas flores, o urso e ter Lauren me pedindo em casamento, foi algo que aflorou uma animação enorme em mim e acabei tirando todos de casa.

Todos eu digo todos mesmo, Vero, Lucy, Dinah, Normani, Kylie, Colson, Taylor, Yui, Troye, Cameron, Cristal, Niall, Zayn, Liam, Harry e Louis.

Nós fomos para a praia, depois quando estava perto do sol se pôr, voltamos para casa e nos encontramos no parque de diversões.

Foi incrível, incrível mesmo, os gêmeos se divertiram muito, eu me senti uma criança.

Anaíz chorou muito para que Taylor deixasse ela dormir aqui e Taylor acabou cedendo.

Já haviam se passado dois dias, hoje era cinco de março, eu esperava pacientemente Lauren voltar da academia enquanto lia um livro.

Senti sede e deixei o livro de lado. Hoje Alex estava me incomodando bastante, chutes e mais chutes, que chegavam a me fazer chorar as vezes.

Cheguei na cozinha e enchi um copo grande com água, os gêmeos estavam no colégio e eu estava completamente sozinha.

Faltava apenas duas horas para eu ir pegar eles.

[PLAY]

Sentei no sofá e liguei a TV, só para focar em algo mesmo, porque eu não estava com a mínima vontade de assistir, mas algo gritava dentro de mim para que eu ficasse naquela sala.

Então eu senti uma pequena dor aguda. Olhei para minha barriga e reclamei com Alex para ele ficar quieto.

Senti outra dor aguda seguida de mais três, deixei o copo cair no chão e se espatifar enquanto eu sentia una dor absurda.

-Querido...Você não pode nascer agora. -Falei suspirando.

Sim, ele ia nascer, mas ele não podia, eu estava sozinha, eu não iria ter o meu filho no sofá da minha casa.

Joguei a cabeça para trás e respirei fundo, tipo aquelas respirações de cachorrinho, suga e solta em constantes lufadas.

Apoiei a cabeça no encosto do sofá e gritei, gritei alto por sentir uma contração maior ainda.

-Você...Vai me matar. -Falei entre um suspiro e outro.

Gritei novamente e a porta foi aberta com uma força inexplicável. Olhei para a mesma com os olhos embaçados por conta das lágrimas mas pude ver que era a minha salvação.

-O que foi?. -Ouvir a voz rouca de Lauren pareceu piorar minha situação e eu gritei novamente apertando seu pulso que estava apoiado na minha coxa.

-Ele vai nascer. -Falei olhando para ela.

Tudo ficou turvo, estava tudo preto, e eu não acreditava que tinha acabado de desmaiar no meu próprio pré-parto.

Pov Lauren

Eu já tinha passado por essa situação antes, então não fui idiota o suficiente para não saber o que fazer.

Apenas peguei as chaves do carro, enfiei no bolso da jaqueta e corri até Camila que se encontrava desmaiada.

À peguei no colo e saí dali o mais depressa possível.

Entrei no elevador e pedi aos céus que cuidassem dela enquanto estivesse desmaiada.

Disse para o porteiro fechar o apartamento já que eu não tive tempo. Corri para o meu carro e enfiei a mão com dificuldade na jaqueta e destravei o carro.

Coloquei Camila no banco do passageiro e coloquei o cinto nela. Corri para o meu lado e acelerei o carro saindo dali o mais depressa possível.

Quando parei em um sinal vermelho, escrevi a seguinte mensagem.

-Hospital, Camila, parto. -Lauren.

Mandei para todos os nossos amigos, até para a Allyson sem querer.

Acelerei o carro novamente e logo estava perto do hospital.

(...)

-Eu preciso que você tenha com a Lauren, que respire fundo, você já passou por isso uma vez, pode passar outra. -Lucy dizia enquanto andava ao meu lado no corredor.

-Eu sei, eu sei que posso fazer isso, não posso falhar agora. -Falei com os punhos fechados.

Antes de entrar no próximo corredor, Lucy segurou meus ombros fazendo-me encará-la.

-Você é a melhor mãe do mundo, sei que não é a hora certa, mas quero te pedir desculpas por tirar conclusões precipitadas sobre Camila, vocês são almas gêmeas, e eu fui cega, me perdoe, e faça a coisa certa lá dentro. -Assenti apenas uma vez e à abracei com força.

-Obrigada. -Ela assentiu uma vez e eu abri a porta dupla que dava acesso ao corredor das salas de parto e eu sabia qual Camila estava.

Agora imaginem tudo em câmera lenta, era exatamente como eu estava. Eu corria desesperada pelo longo corredor até a última sala dele.

Quando eu cheguei frente à porta, que me deixaria completamente assustada ao ver Camila gritar de dor.

Parei e passei os dedos nos meus fios rebeldes, para ajeitá-los e empurrei a porta dupla fazendo a câmera lenta sumir.

Os gritos de Camila e a correria das enfermeiras eram as únicas coisas que eram ouvidas ali.

-Você não pode entrar. -Uma enfermeira disse afobada.

-Mas...

-Deixe. -Camila gritou me fazendo olhá-la. -Ela é a minha namorada. -Disse suspirando.

A enfermeira me olhou e andou até uma mesa ali, pegou um dos jalecos verde água, que mais pareciam um vestido e uma máscara, luvas e uma toca.

-Vista, rápido. -Falou me empurrando para o canto da sala.

Vesti tudo rapidamente e me posicionei ao lado de Camila. Alcancei sua mão que apertava os lençóis da cama com força.

Ela me olhou parecendo perdida e ainda assim, sofrendo, sorriu de lado.

-Eu estou aqui, vai dar tudo certo, eu te amo. -Beijei sua testa e ela suspirou fechando os olhos com força.

O médico sorriu para mim quando entrou na sala. Ele se aproximou da maca, já vestido e lavou suas mãos com álcool em gel.

Suspirei e olhei para Camila que me fitava mordendo o lábio e lágrimas desenfreadas desciam por seu rosto molhado de suor.

Gritos e mais gritos, eu estava realmente com medo, pelas coisas que eu assistia na internet, um parto normal não era assim.

-Vamos Camila, você consegue. -Ouvi o médico dizer e eu o olhei rápido voltando meu olhar para Camila.

-Vamos amor, vamos, está perto. -Levei sua mão até meus lábios depositando um beijo carinhoso ali.

Camila fechava os olhos com força e se inclinava um pouco na cama fazendo o máximo de força que conseguia, eu via a hora de seus dentes quebrarem com a força que ela colocava neles.

-Eu não vou aguentar, céus. -Gritou e o médico encorajava ela cada vez mais.

Enquanto ela gritava de dor, eu chorava silenciosamente, com medo de que algo estivesse acontecendo.

As enfermeiras cochichavam entre sí e aquilo estava me assombrando mais ainda.

-Desgraçada. -Camila gritou bateu a cabeça no apoio da cama. -Eu te odeio Lauren, eu te odeio com todas as minhas forças. -Sorri leve.

-Eu te amo, com todo o meu ser. -Ela gritava, me xingava, e eu só conseguia sussurrar que ia ficar tudo bem.

-Lauren, por favor... -Pediu em sussurrou e eu me aproximei do seu rosto. -Cuide dos gêmeos, cuide do Alex. -Neguei.

-Para de se despedir Camz, para. -Falei chorando baixinho. -Ei, amor, vai ficar tudo bem, para com isso. -Ela engoliu à seco e respirou fundo fazendo força novamente.

-Saiba que...Eu te amo. -Disse olhando nos meus olhos e eu olhava os seus desesperadamente. -Eu sempre te amei, desde o momento em que os nossos olhos se cruzaram.

-Camila para. -Pedi sentindo meu coração ser apertado.

-Eu te amo Lauren, eu te amo muito. -Disse olhando em meus olhos.

Senti novamente a sensação de perda, e deixei que meu coração se estilhaçasse aos poucos.

Mas então, como se uma luz tivesse iluminado aquela sala cirúrgica, o choro do meu bebê foi gritante em toda a sala.

Soltei a mão de Camila no exato momento em que vi sua pele branquinha, um pouco suja de sangue, e o choro presente.

Vi o médico cortar o cordão umbilical e a enfermeira o levou para a mesa, limpando o sangue do seu corpo.

Ela veio até mim com uma cara não muito boa e me entregou o bebê.

-Eu preciso dizer que... -O médico começou se aproximando. -Não é um menino de fato. -Disse olhando para mim e eu franzi a testa.

-Como?Não entendi. -Olhei para Alex no meu colo que dormia com o dedo na boca.

-Presumo que a senhora fique calma. -Assenti. -Bom, acho que a senhorita Cabello deve ter algum parente com intersexualidade, é uma condição...

-Eu sou intersexual, mãe dessa criança senhor, me fale o que está havendo. -Falei aflita.

-Então, posso dizer que ela puxou à você, literalmente. -Olhei para ele incrédula.

-Está me dizendo que...

-Sim, ela é intersexual. -Olhei para Alex no meu colo.

-Céus. -Sussurrei vendo que ela era tão especial quanto eu esperei que fosse.

Mas aqueles segundos que à encarei, foram tomados de mim cruelmente quando a enfermeira a pegou do meu colo.

Ouvi um bip da máquina de batimentos cardíacos e olhei para o lado e novamente o momento câmera lenta estava em mim.

Camila arqueava as costas da cama, sugando o ar com os olhos extremamentes arregalados.

-Camz. -Sussurrei não conseguindo me mover.

Ela está tendo uma hemorragia. Foi o que ouvi o médico dizer e senti mãos tocarem meus braços.

-Você precisa sair. -A enfermeira disse.

-Eu não vou deixá-la sozinha. -Falei tentando me soltar dos seus braços.

-Por favor senhora. -E então começamos uma batalha.

Eu tentava me desvencilhar dos seus braços para ir até Camila enquanto ela e mais cinco enfermeiras me tiravam do quarto.

A porta dupla foi fechada na minha cara e trancada por dentro.

Me espremi na porta para olhar pelo vidro, e aquela correria do início se encontrava ali.

Me ajoelhei na porta e chorei, pedindo à Deus, que não levasse-à embora.


Notas Finais


Ai caraaaaaaaaaaaaa 😭😭

Leiam minha nova história, comentem se continuo ou não
https://spiritfanfics.com/historia/portrait-camren-gp-10347703


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...