História Sick - Jackson Wang - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Tags Depressão, Drama, Got7, Imagine Jackson, Jackson Wang, Traição
Visualizações 215
Palavras 2.911
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


desculpa a demora p/ atualizar gente!!! eu tive algumas provas surpresas semana passada e essa semana eu passei mal e teve trabalho ai não tive tempo de atualizar.
aproveitem esse capitulo MARAVILHOSO QUE EU CHOREI MUITO (vão entender o pq)

Capítulo 11 - Meeting and Kisses


O que você esta disposto a fazer?

Me diga

Me beije, beije para sarar, querido

 

 

  Depois que Jackson saiu, fiquei pensando no sonho que tive e porque eu havia sonhado com ele.

Choi Youngjae.

Estávamos numa praia. Youngjae segurava minha mão, a acariciando com seus dedos gordinhos. Olhava para o oceano com um sorriso brilhante no rosto. Estávamos em pé na areia, olhando o pôr do sol.

- Por que está sorrindo? - perguntei depois de um tempo admirando sua beleza. Os cabelos negros e longos voavam por seu rosto.

- Uma vista maravilhosa dedês e uma mulher linda do meu lado - me olhou, sereno. -, já basta pra você?

Corei de leve e sorri. Ouvi Youngjae suspirar.

- Você é o amor da minha vida. - me virou para ficar de frente para ele. Colocou cada uma de suas mãos em meu rosto e me beijou. Um beijo tão demorado que se alguém estivesse ali presente teria ficado constrangido.

Quando Youngjae se afastou, poderia jurar que eu estava parecendo um peixinho tentando loucamente respirar.

- Promete ficar comigo para sempre? - encostou nossas testas e selou mais uma vez nossos lábios.

Pensei em tudo o que tinha acontecido comigo nos últimos anos. Meu relacionamento com meu falecido marido, Ricky Wang, depois que seu filho, Jackson Wang, o matou por dinheiro. A ida de meus pais à Alemanha, sem nem ter me avisado nada e a saudade que eu tinha de vê-los.

O moreno me empurrou para alguma cadeira de praia que havia ali. Desvencilhou o beijo e tirou a camisa cavada branca que utilizava. Se sentou na cadeira e me puxou para seu colo, me beijando agora com mais urgência. Sua mão não aquietava. Apertava devagar minha cintura e descia. Segurava o lado de minha calcinha e puxava calmamente. Rebolei devagar em seu membro já desperto e ele gemeu baixinho, apertando com vontade minha bunda. Eu estava louca.

- Eu prometo amar você eternamente Choi Youngjae. - respondi.

 

 

 

Fiquei com aquele sonho na cabeça durante horas. Não consegui dormir depois da saída de Jackson. E pelo que sentia, ele não estava só conversando com Alysha.

Suspirei e olhei o relógio pendurado na parede de meu quarto. O ponteiro marcava pontualmente 06:00. Me levantei e fui para o banheiro tomar um banho demorado.

Depois de quarenta minutos brincando com a água da banheira, fui mexer no celular. Abri um aplicativo de conversa e percebi que um número estranho havia me chamado. Meu sangue ferveu só de imaginar em Alysha. Ou em Ricky. Mas o perfil indicava uma pessoa asiática, de pele clara e cabelos negros e longos. Uma pessoa carismática e de sorriso bonito. E não estou falando de Jackson Wang.


Número Desconhecido: Bom dia! Sei que está um pouco cedo mas achei que deveria te chamar... Olha, eu sei de como está seu casamento e tal, mas você não aceitaria sair comigo hoje?

O que Youngjae queria dizer com aquilo?

Me: Por acaso o senhor está me chamando para um encontro, Choi Youngjae.

Não demorou nem mesmo dois minutos para que ele me respondesse.


Número Desconhecido: Pode chamar do que você quiser. ;)

Ri baixo. Não achava que Youngjae era tão descarado assim. Parece que de fofo, Youngjae só tem a aparência mesmo.

Salvei seu número e pensei no que eu iria responder.

Me: Se eu recusar, o que você vai fazer?


Psicólogo Bonito Youngjae: No mínimo, eu ficaria triste, choraria e entraria em uma crise existencial.

Ri. Ele tinha um bom senso de humor. Chegava a ser mais engraçado que Jackson.

Me: Hmmm... E se eu aceitasse?


Psicólogo Bonito Youngjae: Não posso dizer que eu estou nesse exato momento procurando nossas alianças.

Me: Kkkkkk. Você venceu. Eu saio com você hoje. Tem algum lugar em mente?


Psicólogo Bonito Youngjae: Você tá falando sério?

Me: Claro que estou.

Psicólogo Bonito Youngjae: É que eu não cheguei nessa parte ainda. Eu só estava esperando o não como resposta.

Me: skskskksd. Então eu vou escolher um local da hora pra gente ir jantar, o que você acha?


Psicólogo Bonito Youngjae: Contanto que eu saia com você, por mim está ótimo.

 

Respondi com um O.K e uma carinha fofa. Me levantei da cama, escovei meus dentes e peguei a carteira de Jackson. Antes de ir ao mercado, mandei uma mensagem à Jackson avisando meu sumiço de hoje. Desci de elevador, cumprimentei o porteiro e fui andando ao supermercado mais próximo que havia por ali. Eu teria que andar apenas 1Km. Bem pertinho...

 

 

 

Ao passar pela lanchonete do mercado, ouvi uma voz familiar. Era grave e rouca. Por um momento achei que era Jackson, mas o chinês tinha uma voz mais rouca do que grave. Me virei e vi um homem ruivo - provavelmente era artificial, porque era um vermelho vivo, cor de sangue - falando ao celular. Estava sentado em uma mesa, comendo uma torta salgada, e discutindo com alguém pelo celular.

Olha, pode até ser um defeito, mas eu não posso esconder isso. Eu sou muito curiosa. Nível extremo. E não que isso seja bonito, mas passei pelo homem de cabeça baixa e fui para uma prateleira, onde tinha pães industrializados, ouvir sua conversa.

E eu me arrependi.

"Eu não acredito que você transou com aquele merda Alysha! Por que fez isso comigo?"

Eu ouvi bem? Alysha?

Alguma coisa foi dita do outro lado e ele bateu a mão na mesa com força, fazendo todos olharem para ele. Olhou para os lados e eu me virei de costas, para que não me visse. Se fosse a mesma Alysha de quem eu estava pensando, e o mesmo cara do sonho, eu estava em maus lençóis.

Com tom baixo, disse: "A única coisa que você tem que fazer é dar um fim nesse cara, sua vagabunda! E daí que sou seu namorado? Você é uma vagabunda sim!"

Olha, eu posso não gostar de Alysha, mas não achava certo um homem, seu namorado, a chamar de vagabunda. Só eu posso chamá-la assim!

"Eu só não digo que te odeio porque seria mentira. Mas a minha vontade era de esmurrar sua cara igual a Gangue fez com você."

O que Alysha via naquele cara? "Vontade de esmurrar sua cara"? Que abusivo! A minha vontade era de esmurrar a cara desse merdinha de porra. Quem ele acha que era para dizer que bateria em uma mulher?

"É bom você dar um fim em Jackson logo. Estou procurando a esposa dele, que por sinal é muito mais gostosa que você, nesses dois dias. Não Alysha, eu não vou matar ela. Uma mulher linda daquela não merece ser morta. Só como refém está ótimo. Quem sabe fazemos um threesome, hm? Apimentar um pouco essa relação fria..."

Não consegui ouvir tudo. Era uma sensação horrível saber que você era vista apenas como um objeto sexual para homem escroto. Minha vontade era de enchê-lo de porrada, mas eu não poderia causar confusão. Pelo menos não hoje, com um encontro pendente daqui a doze horas.

Fui até um caixa vazio. Com rapidez, tirei as poucas coisas que eu peguei e coloquei em cima do balcão.

- São 37 dólares.

Que roubo, pensei.

Ao pagar os produtos, os coloquei nas sacolas. Sorri para a atendente que disse um "tenha um bom dia" alegremente. Se bom dia significa estar sendo perseguida por um psicopata ruivo tingido, realmente.

Eu haveria muitos outros bons dias.

 

 

 

Estava fazendo o almoço quando Jackson chegou. Retirou o paletó e o colocou no cabideiro. Estava totalmente avoado, porque nem mesmo reparou minha presença na cozinha, indo diretamente para o banheiro.

Sentei na mesa da cozinha e comecei a comer meu delicioso almoço. Depois de algum tempo, ouvi passos descalços vindo do quarto para a cozinha, e uma voz logo em seguida:

- Meu Jesus Cristo! - me virei para Jackson, que estava com os olhos arregalados. - O que você esta fazendo aqui?

- Ué, eu moro aqui, pelo que eu saiba.

- Mas você não disse que ia ficar fora o dia todo? - foi em direção as panelas, pegando um prato que eu havia deixado para ele no balcão.

- Só a noite. Achei que você não ia chegar agora. Eu estava no mercado e... - lembrei do garoto ruivo e da história de que Jackson havia transando com Alysha. Pigarreei. - Como a sua amante está? 

Acho que se Jackson pudesse, ele teria enfiado a cabeça dele numa das panelas. Ele ficou tão vermelho que parecia o tomate cereja do meu prato.

- Ela apanhou de umas gurias aí. - lembrei da história da Gangue que o garoto ruivo estava falando. - Mas ela está bem agora.

- Eu também estaria se tivesse transado com você. - coloquei o último pedaço de carne na boca e me levantei. Olhei para Jackson que tinha uma expressão de arrependimento no rosto. Me virei e fui para meu quarto dormir. Eu precisava recompor as energias para hoje a noite.

 

 


Psicólogo Bonito Youngjae: Então... Decidiu onde vamos hoje?

Me: Você que me chama pra sair e eu que fico responsável pelas outras coisas...
Você é inacreditável!


Psicólogo Bonito Youngjae: Estou me sentindo mal.

Me: Que bom que está dando certo. Enfim, quero fazer uma surpresa pra você.
Que horas você vem me pegar?


Psicólogo Bonito Youngjae: Eu espero que seja a noite inteira :3.

Chorei muito com aquela mensagem. Não vou mentir, adorei esse lado que eu não conhecia de meu psicólogo. E quero conhecer muitas outras. Eu só espero que eu não me decepcione. Tipo na vez em que eu estava toda animada para pegar um cara, e ele beijava mal. E ainda por cima tinha hálito de cocô.

Me: Então que os jogos dessa noite comecem a partir das nove, Choi Youngjae.

 

 

 

Já eram oito da noite e eu nem tinha ido tomar banho. Estava tão eufórica com a ideia de que eu iria sair com um cara maravilhoso depois de anos sendo traída por Jackson, que havia esquecido das horas. A roupa era o mais importante no momento, e nem aquilo eu conseguia me decidir. Queria ir bem apresentável.

Depois de tantas peças jogadas na cama e no chão, finalmente achei a roupa. Um vestido branco, transparente em cima dos seios. Seria isso que eu iria usar naquela noite.

Depressa fui tomar um banho rápido, mas caprichado. Até porque nada sabemos do que vai acontecer depois do restaurante.

Me enrolei na toalha e sai do banheiro. Passei um creme para axilas e vesti meu vestido. Caiu como uma luva. Passei um babyliss e baguncei meus cabelos, deixando um ar sedutor e rebelde. Eu adorava essa impressão. Calcei um sapato de salto alto e passei uma maquiagem pesada. Um batom vinho para finalizar.

Eu estava linda. Eu me sentia linda depois de tantos anos. Um certo brilho me iluminava. E eu estava feliz. Feliz de verdade.

Liguei a tela do meu celular e eram 20:50. Sai do quarto e encontrei Jackson deitado sem camisa no sofá. O cabelo bagunçada e a barba por fazer o deixava irrestivelmente lindo. Eu entendia Alysha de certa forma.

- Você... - se levantou. - Você está muito linda.

- Obrigada. - tive vontade de dizer "é, eu sei.", mas me contive.

A campainha foi tocada e eu me direcionei até a porta, atendendo um rapaz muito lindo. Ele trajava uma calça preta social, camiseta branca social e um blazer preto. Os cabelos negros estavam jogados a maioria do lado direito, deixando cair de forma sexy por seus olhos. Um de seus braços estavam para trás do corpo. Retirou então, um buquê de rosas vermelhas. Fechou os olhos e cheirou os botões das flores. Abriu novamente seus olhos, em minha direção e levantou uma sobrancelha, sorrindo e me entregando em seguida. Eu sentia muito calor.

- O-Obrigada. - cheirei as flores. - São lindas. Vou guardar e pegar minha bolsa. Já volto. - sorri.

Peguei uma bolsa branca e nela enfiei algumas coisas, tipo creme dental, escova de dentes, alguns lenços, camisinha e anticoncecionais. Uma mulher prevenida.

Quando cheguei na sala, vi de canto de olho Jackson olhar torto para Youngjae. O mesmo estava indiferente quanto ao chinês. Assim que me viu sorriu e estendeu o braço.

- Vamos senhorita?

Assentir e sorri, cruzando meu braço com o seu.

- Qualquer coisa você pode chamar a Alysha, Jackson. Tenha uma boa noite, como eu terei. - sorri sarcástica e mandei beijo para o chinês, que me fulmimava com os olhos. Fechei a porta e Youngjae me empurrou de leve para a parede ao lado.

Se aproximou de meu corpo e segurou meu quadril, beijando meu pescoço sensualmente. Grunhi e arranhei seu ombro de leve. Youngjae subiu os beijos, mordendo meu queixo devagar, dando um selinho rápido em meus lábios. Seus olhos transbordava luxúria. Aproximou seu rosto de meu ouvido e colou ainda mais seu corpo no meu. Senti seu membro roçando em minha barriga. Senti minha calcinha molhar.

- Isso - sussurrou rouco. - é só o começo da noite. - levou suas mãos até minha bunda e apertou levemente.

Saiu de perto de mim e se colocou por trás de minha pessoa. Nos guiei até o elevador. Teria sido mais fácil se Youngjae não estivesse com o pinto duro em minha bunda e eu não estivesse com as "Cataratas do Iguaçu" no meio de minhas pernas.

Apertei o botão do elevador e esperamos um pouco até ele subir. Youngjae colocou uma mecha de meu cabelo atrás da orelha e a mordeu devagarinho. Rocei minhas pernas uma na outra e o ouvi soltar um risinho. Lentamente fez um caminho por minha barriga até a "amiga de baixo", onde fez um leve carinho.

Segurei seu braço assim que abriu o elevador. De dentro saiu um casal lésbico na qual eu nunca havia visto na minha vida. Muito bonitas por sinal.

Dentro do elevador ainda havia um senhor de idade, então Youngjae continuou por trás de mim, provavelmente tentando esconder seu membro "acordado".

O senhor - talvez um pouco constrangido com Youngjae e eu - desceu no oitavo andar. Assim que o homem saiu do elevador, Youngjae me virou para ele e me beijou. Colocou uma mão em meu pescoço, aprofundando o beijo. Sua outra mão se posicionava em meu quadril. Com passos confusos, me encostou em uma das paredes do elevador. Sua mão que antes estava em meu pescoço, subia a barra de meu vestido, entrando por dentro da calcinha. Uma de minhas mãos acariciavam devagar seu membro totalmente acordado.

O homem de cabelos negros desfez o beijo com uma mordida fodidamente sensual em meu lábio inferior. Retirou sua mão de dentro de minha calcinha e levou à boca. Lambeu seus dedos e abaixou a barra de meu vestido.

- Você tem algum papel ou lenço?

Com dificuldade na respiração, assenti.

Peguei os lenços que havia colocado na bolsa e entreguei a Youngjae. Me olhei o espelho do elevador e percebi porque ele havia pedido os lenços. Nossas bocas pareciam a de um palhaço. O batom havia borrado.

- Eu espero que você esteja animada para a noite de hoje, senhorita. Vamos pecar muito essa noite. - assim que terminou de limpar a sujeira, a porta do elevador se abriu. - Vamos?

 

 

 

Teria sido melhor se tivéssemos ido à um motel. O fogo de Youngjae não acabava nunca. Por baixo da mesa, fazia carícias com sua perna na minha. As vezes segurava minha mão e fazia movimentos circulares por ela, olhando diretamente em meus olhos. Não usava óculos naquela noite, o que o deixou ainda mais atraente e belo.

Depois que terminamos de comer, fomos ao banheiro escovar nossos dentes. Até porque não dá pra beijar alguém com hálito de calabresa acebolada e batata frita. Meu estômago ate embrulhou só de pensar nisso.

- O jantar foi ótimo. - Youngjae disse, com as mãos no bolso, enquanto caminhávamos ate onde o carro estava estacionado. - Seu senso é maravilhoso.

- Senso de humor? - o homem sorriu.

- Também. Mas eu quis dizer senso de comida.

- Ah... Entendi. Eu não tenho boas experiencias nesse restaurante. - me lembrei de quando Jackson disse que eu estava grávida ali, e a dias atrás, quando ele me levou para comer e brigamos. - Quis trazer você aqui para que eu tivesse algum motivo bom para querer voltar aqui mais vezes.

Youngjae sorriu e estendeu sua mão para que eu a pegasse. Caminhamos então de mãos dadas até o carro, em silêncio. 

Quando chegamos, o moreno me encostou nele. Colocou uma mão ao lado de minha cabeça e a outra em meu quadril, onde fez um leve carinho.

- Vamos para outro lugar ou você vai me deixar em....?

Youngjae me calou com um beijo. Um beijo dessa vez calmo, mas que tinha muita língua, cheia de segundas intenções. O beijo do homem de cabelos negros era ainda melhor pessoalmente do que em sonho. Ele era um sonho.

- Vou te levar para minha casa. - fez um carinho em minha bochecha. - Tudo bem para você?

Assenti. Youngjae deu espaço para que eu pudesse entrar no carro. Entrei e o mesmo o rodeou, fazendo o mesmo.

Me deu um último beijo antes de ligar o carro. Ao lado de fora, vi um homem com cabelos castanhos olhar para nós dois. O carro foi dada partida. E eu vi aquele rosto triste uma última vez.

Meu marido observava atentamente beijos que eu dava a outro homem.

[...]

 

 

 


Notas Finais


vestido: https://www.instagram.com/p/BM5JBpUAmed/
comentem oq acharam!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...