História Sick Love - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Esquadrão Suicida
Personagens Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), Personagens Originais
Tags Arlequina, Coringa, Esquadrão Suicida
Exibições 113
Palavras 3.628
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Heyyy!!! Eu aqui, na madrugada, então, vim atualizar. Pretendo atualizar todas essa semana.

Então, espero que gostem, e por favor! Não reparem nos erros e muito menos no assalto, eu não sei planejar, mais também não queria fazer qualquer coisa! Velozes e furiosos me ajudou, eu acho...

Capítulo 5 - Assalto


Fanfic / Fanfiction Sick Love - Capítulo 5 - Assalto

        
             Quinto capítulo

    “Baby, você não sabe o quanto eu posso ser tóxica. A melatonina estar para vim, porque você pode ser imortal, pode superar qualquer porrada, mais nós sabemos, que um dia, o veneno chegará ao seu ponto final e baby, você não sabe o quanto eu posso ser tóxica.”

   - Hã? Tá de brincadeira...

A loira sorriu, Jonny revidou os olhos e checou as armas mais uma vez.

- Mais que palhaça!

- Obrigada! - Harley gostava de provocar, de ver os miolos de Jonny pegar fogo.

Coringa bateu a porta onde foi em direção a sua Lamborghini que o esperava, aquele carro vália mais que uma vida com certeza. Era uma máquina de matar de que vália mais que qualquer vida alí, em Gotham.

Quinn andou em direção ao carro onde Coringa já estava dentro. O palhaço passou as mãos em seus cabelos verdes, ele estava estranho. Ele era estranho, mais estava mais.

- Está ansioso puddin? - Harley falou assim que entrou no carro. Mas o palhaço não deu a mínima, continuou com sua cara fechada. - Tá tudo bem pudizinho? Olha...

- Dá pra calar a boca? - o palhaço gritou, rugiu, frio, grosso!

- Desculpa pudizinho. - Harley se encolheu no banco do carro.

- E para de me chamar de pudizinho, quantas vezes vou ter que dizer? - Coringa tinha as mãos no rosto da loira a apertando suas bochechas fortemente. - Será que você só aprende apanhando? Será que toda vez que eu quiser que você me obedeça eu vou ter que bater em você?... - suas pupilas saltaram para fora. - ME RESPONDA!

- ...Não pudizin... Não Sr. C. - se atrapalhou quando respondeu baixinho, seu coração palpitava forte e ela sentia as lágrimas quererem se expandir por seus olhos.

Seu rosto foi soltado com brutalidade contra o vidro do carro. Harley prendeu um gemido de dor na garganta respirando fundo. Passou as mãos na cabeça sentindo latejar, o palhaço já dirigia, o olhou através do espelho do carro. Ele dirigia rapidamente como sempre.

Tratou de segurar as lágrimas, seria pior se chorasse. O palhaço ficaria ainda mais irritado. O carro parou em um dos becos de Gotham, onde lá, já estava alguns capangas prontos para o assalto.

- Certo... - Jonny apareceu entre os capangas com seu notebook em mãos. - Estar cercado de tiras, temos que ser rápidos ao pegar o dinheiro, a situação só vai complicar se o morcego aparecer.

- Morceguinho, morceguinho! - Harley sorriu chamando a atenção de alguns capangas.

- Isto é sério Harley. - Jonny a olhou. - A troca dos seguranças são a meia noite, vamos invadir na hora dessa troca. O sistema já foi rastreado, as câmeras e alarmes vão estar desligadas por 30 minutos em cada andar, então, vamos ser rápidos.

Harley olhou para Frost que mais uma vez explicava como aconteceria, já o palhaço, estava encostado em seu carro, e parecia ter os pensamentos longes, não era de revisar planos, o planejava, o aplicava. A palhacinha percebendo o olhar do palhaço foi até ele o abraçando, o que o surpreendeu.

- Tá tudo bem pudizinho? Desculpa ter feito você se estressar...- Coringa a afastou de seu corpo.

- Não me chame de pudizinho. - disse antes de se afastar deixando Harley ali, plantada. - Vamos logo com isso.

- Tudo bem...- Jonny suspirou. - Coringa, vamos todos na van?

- É melhor, não quero que aconteça nada com meu carro. - passou as mãos alisando sua Lamborghini. - Ele é... especial!

Jonny soltou uma risada.

- Tudo bem, vamos na van.

- Não, quero voltar com meu carro.

- Ele vai estar lá quando sair, pode deixar. - Jonny assegurou.

- Leve Harley, não tô com paciência hoje. - Coringa olhou para Jonny que olhou para loira. A mesma os olhava, Coringa foi em direção da van.

- Tudo bem, vamos lá.

                            • • •


Faltava apenas dois minutos para meia-noite. Os seguranças do local começaram a se movimentar para  a troca de turno, com produtos injetados com seringas, os capangas imobilizaram os seguranças,corria o risco de algum avisar a polícia. O plano era fazer tudo rápido, e em silêncio, mas é claro, com uma anarquia no final. Em dois prédios a frente havia mais capangas que tinham na mira com armas silenciosas o grande prédio.

O prédio havia cinco andares, para cada andar havia um cota de seguranças que o vigiavam, era um dos maiores bancos Gotham. Sua segurança havia sido reforçada e isso não era bom.

Em um sobre-salto Quinn chegou onde havia todo o sistema de câmeras de segurança, onde havia um homem sentado de costas. Com seus olhos atentos as câmeras, os olhos do homem se arregalaram ao ver Quinn.

- Oii! - Harley sorriu.

- Hamm...V-você...- o homem procurava sua escuta, certamente para avisar aos demais seguranças.

- Pra que isso tudo? Só vim fazer uma visita. - Quinn tomou de suas mãos a escuta.

Em uma vacilada de Quinn, o homem soltou um dos alarmes onde os capangas se assustaram, o segurança tentou fugir mais foi pego pela loira que o jogou na cadeira novamente. O homem tremia, suava.

- Está tudo bem aí, Emanuel! - foi ouvido pela escuta, com o alarme, os outros seguranças ouviram.

  - Não precisa ter medo... - sussurrou no ouvido do homem o deixando com pensamentos a mil. Como pode ser tão linda, e ao mesmo tempo tão louca? - Aqui somos todos amigos, e amigos se ajudam... Vamos fazer tudo de uma forma tranquila e calma, se não, vou ter que chamar meu pudizinho.- trocou de lado ficando na orelha direta do homem. - Conhece seus métodos! - o homem assentiu.

Harley sorriu o entregando a escuta.

- Emanuel...- se foi ouvido. - Estar tudo bem aí? - o homem olhou para Quinn que assentiu com a cabeça enquanto sorria.

- S-sim senhor, f-foi só alarme falso. - o homem gaguejou, estava com medo ao mesmo tempo vidrado em Quinn.

- Muito bem...- Harley bateu palmas. - Foi bom te conhecer Emanuel. Tchau... - então uma faca foi passada pelo pescoço do homem fazendo jorrar sangue no rosto de Harley. O homem caiu morto no chão enquanto Coringa ria com a faca na mão, presenciando o momento.

- Não sei porque ainda aceitam empregos em banco. - Riu. Harley foi até ele sorrindo, o mesmo a puxou pela sua roupa onde limpou a faca com o sangue do homem.

- Aceitam pra poder te ver pudizinho. - Coringa olhou para Harley que sorria.

- Vamos...- sem mais nem menos, o palhaço se virou e foi andando, deixando uma Harley mais louca atrás.

O cofre com todo dinheiro ficava no terceiro andar, passando pelo primeiro e o segundo todos chegaram no terceiro.

Terceiro.

Em uma parede no subsolo, o único jeito de chegar era pelo terceiro. Chegando no esperado terceiro, todos estranharam...

- Onde estão os seguranças? - Micael perguntou.

- Tem algo errado...- Coringa disse desconfiado.

- Vamos pegar o dinheiro. - Paul disse. - Jonny, a combinação.

- Chefe. - Jonny olhou para Coringa esperando uma confirmação. O mesmo olhou o local, analisando cada lugar.

- Puddin...- Harley o chamou.

- Abre...- deu a ordem.

O cofre foi aberto, tiros foram transferidos contra todos os capangas, Coringa e Harley se abaixaram junto com os demais.

Frost derrubou uma mesa fazendo a proteção de Harley e Coringa. Quinn, atirava nos seguranças junto com os demais que caiam mortos no chão. O palhaço tomou a frente derrubando os seguranças que restavam.

Os tiros cessaram, havia muitos seguranças e também capangas mortos. Em meio a fumaça, a capa preta, a cara seria, o morcego.

- Batman, porque não apareceu antes? - Coringa sorria. Jonny pegou Harley junto com o resto dos capangas.

- Puddin...- Harley Chamou. Mas Frost a levou para fora dali.

- Que coisa feia morceguinho, acabar com o plano dos amigos. - Havia uma pessoa sarcástica ali.

- Desista agora Coringa, sera melhor. - sua voz grossa, com uma aparência forte, rude.

- Não sou obrigado. - O palhaço deu os ombros. Em um movimento rápido, Batman prensou Coringa na parede. O palhaço gargalhou. - Eu tentei fazer tudo na perfeita ordem, mais parece que a anarquia não sai de mim... - o palhaço mais uma vez gargalhou, mais Batman continuava com sua cara seria. - Sabe Batman, devia sorrir mais. Harley sempre faz terapias comigo, vamos tirar selfies, é moda - passou a lingua pelos lábios. - mais você tem que sorrir. - Batman o apertou mais contra a parede. - Tudo bem, tudo bem, não precisa sorrir. - o palhaço revirou os olhos. - Mas não vai ter graça.

- Você é louco Coringa.

- Você sabe disso... Nós dois somos, mais até agora, só um se aceitou. Aceita Batman. Tira esse peso! Mais falando em doído vem cá, tá sabendo do Owlman? Você deveria tá atrás dele e não atrapalhando meu assalto! Pode ir Bats, eu não vou ficar chateado, não precisa ficar com ciúmes. Sabe que não sou de guardar rancor.

- Eu vou te colocar no Asilo Coringa, e quando acabar, eu vou caçar o Owlman a onde ele estiver, e vou o pegar. Você precisa se tratar assim como Owlman e Harley. Não existe um dia Coringa, um dia, que eu não pense numa forma de te matar.

- Ohh que lindo, você pensa em mim...- o palhaço sorriu. Batman, o jogou no chão onde o encheu de socos e chutes, a cada chute, a cada soco, era uma gargalhada. - Como é isso? Uma hora você fala que pensa em mim, e outra me bate?

- Eu te odeio!

- Eu te completo. - o palhaço riu com a boca cheia de sangue. - Pode matar o Duas Fáceis, o Charada, o Owlman, mais todos sabemos Batman, sua vida não teria graça sem mim. Porque mesmo com tudo, você quer me curar quando na verdade sabemos que você nunca vai conseguir. Eu sou assim - então o palhaço abriu um sorriso. - Mas você tinha que acabar com minha noite, não podia deixar eu roubar em paz!

- Você sabia que eu ía aparecer...

- Esperava você depois do parabéns, mais fazer o que, você é ciumento, tem que receber o primeiro pedaço do bolo.

O Palhaço foi atingido por um soco na lateral do rosto, o fazendo jorrar mais sangue.

- Você é doente...

- Você tá começando a me ofender! Você sabe que eu sou... Não esfrega na cara! - em um reflexo, o palhaço derrubou o morcego onde o socou. - Mais tudo bem, no dia que se revelar, eu estarei aqui, pronto pra te mostrar a verdadeira loucura.

    
                            • • •
              

- O plano deu errado. - Jonny passava as mãos pelo rosto irritado. - Como deu errado?

- O pudizinho deve tá furioso, ele odeia quando o planos dão errado! 

- O que será...

A porta foi aberta com brutalidade pelo palhaço, em sua camiseta havia sangue assim como no seu rosto. Em sua aparência era notável a irritação. O resto da conversa com Batman parece não ter sido boa.

- Puddin...- um tapa estalado foi transferido no rosto da loira a fazendo cair no chão.

- Saiam...- o palhaço disse entre dentes para os capangas.

- O que?

- SAIAM! - gritou fazendo os capangas se retirarem. Ele se abaixou até Harley a puxando pelo cabelo, Quinn gritou com a dor fazendo Coringa puxar mais forte. - Eu tento, tento...- ele bateu a cabeça da loira no chão. - mais você não colabora.

- Pud...

- Não me chama de Puddin! - o palhaço rugia entre os dentes, ele estava irritado, louco. - Eu te criei pra você ser perfeita, mais você Harley... Você é um desastre!

- Por favor...- a loira chorava sentindo sua cabeça doer. - Não fala desse jeito.

O palhaço se levantou e ainda segurando nos cabelos da loira, a puxou a fazendo ficar cara a cara com ele. A mesma chorava. O Palhaço passou as mãos sobre seu rosto limpando suas lágrimas.

- Ohh... Não chora. - ele sorriu quando a prensou na parede. - Te dei um trabalho simples Harley, era só você ficar de olho no segurança.

- M-mais eu fiquei... - ela assentiu com a cabeça.

- Não! Não ficou, não ficou porque ele acionou o alarme. - Harley sentia suas pernas bambas. - Os outros se ligaram e chamaram o Batman. Estamos sem grana! Perdemos capangas!  E o pior, você arruinou o plano.

- Me descul...

Ele a interrompe.

- Não pede desculpas! Eu odeio isso! Você passou o dia todo me pedindo desculpas. Se eu tivesse colocado uma mula no seu lugar ela teria feito seu trabalho muito melhor. Uma vez Harley, uma vez na vida. Eu sinceramente não sei o porquê de ainda não ter te matado, eu tentei, várias e várias vezes! Você é um desperdício, eu estou farto de você. No começo eu até pensei que poderia levar, mais você Harley... - o palhaço riu, era possível ver em seu olhar, o veneno. - odeio.

- Sou apaixonada por você. - A loira disse em um fio de voz.

O palhaço impulsionou toda sua força nos ombros da loira a fazendo ir direto para o chão. Era dali que gostava de ver o amor dela, do chão, ele no alto, ele sempre no alto.

- Você tá estressado Puddin, precisa se acalmar.

- NÃO ME CHAMA DE PUDDIN!!

Com força e raiva o palhaço transferiu chutes na mulher que estava no chão.

- Por favor, não faz isso, me perdoa, eu tentei fazer tudo certinho, nós vamos conseguir, vamos armar um plano perfeito, não precisa ficar assim...- Quinn dizia entre soluços. Não era a dor que tinha em seu corpo, não era os chutes e pancadas, era quem estava fazendo aquilo. Era o seu pudizinho.

1,2,3

- Por favor para...

Chutes e mais chutes era transferidos, Harley gritava para o palhaço parar, mais ele não ouvia sua voz, apenas queria descontar sua raiva em algo.

- Puddin...

9,10,11

Os capangas entraram na sala onde viram toda a cena, Jonny correu até Coringa tentando o fazer parar, Harley já estava desacordada no chão, seu corpo todo sangrava.

- PARA! Para. - ele conseguiu empurrar o palhaço. - Ela já tá desacordada, ela desmaiou...- Coringa olhou entre os ombros de Jonny vendo a loira jogada no canto da parede onde a mesma sangrava. Pensou que iria rir, ela tinha morrido? Mas o palhaço não teve vontade de rir, ele olhou para Harley e saiu da sala, subindo as escadas para seu quarto onde bateu a porta.

Os capangas correram até Quinn que estava desacordada a levantando, precisavam cuidar dela.


                           • • •



Fazia menos de trinta minutos que Harley  havia acordado, ela estava no local dos capangas onde os mesmos tinham cuidado de seus ferimentos as ordens de Jonny. A loira se desmanchava entre lágrimas, não tinha medo de demonstrar seus sentimentos, nunca teve por mais de parecer boba e idiota.

- Jonny... - o chamou entre soluços. - Eu acabei com o plano dele.

- É melhor você ir pra o seu quarto. - Frost disse paciente. Harley apenas assentiu ainda entre lágrimas, com ajuda se levantou saindo dali com Jonny ao seu lado. Ele a ajudou a subir as escadas.

- Vou falar com ele...- Se desfez dos braços de Jonny indo em direção ao quarto do palhaço, mais Jonny a puxou.

- Melhor não Harley, ele ainda deve tá bravo, vai acabar te batendo de novo. Amanhã é melhor, certo?

- Mais...- olhou para a porta do quarto do homem e olhou para Jonny novamente. - Tudo bem.- os dois seguiram caminho para o quarto de Quinn. 

- Eu só faço coisa errada. - Harley se sentou na cama.

- Também não é assim Harley. - Jonny se ajoelhou no chão.

- Sai do chão Jonny, pode sentar na cama, ela não é de ouro, mais aposto que de todos capangas é... - Harley riu anasalado, o palhaço fez questão de Quinn ter dor nas costas todos os dias.

- Você tá melhor? - Jonny perguntou vendo algumas marcas roxas nas pernas e braços da loira.

- O pior não é as marcas no meu corpo Jonny, essas marcas depois de amanhã vão embora... Mais a marca daqui...- ela apontou para seu peito. - Essas são as que ficam e as que mais doem. Quando ele me bate, eu fecho os olhos, tento imaginar outra pessoa, outro alguém, mais é ele, é sempre ele. Os loucos tem coração! De uns não batem, mais de outros, tenho o coração azul e rosa!

- Que coração louco...- Jonny sorriu. Harley o olhou, nos seus olhos haviam lágrimas.

- Acha que ele gosta de mim? - Harley perguntou, no seu rosto não tinha sorriso.

- Mais... Você sempre diz que ele gosta, porque tá me perguntando? Você é Harley Quinn, você não é indecisa!

- Quantas Harley Quinn você já viu por aí? Cabelos loiros, preto, vermelho! Baralhos!

- De todas, você é a que completa. - Jonny olhou para Harley e sorriu, era impossível não sorrir. - Digo, pelo azul e rosa!

- Eu sou a pior de todas!

- Não seja assim, você não é a mais louca!

- Eu sou a que não deu certo.

- Você é aquela que não provou que deu certo. Acha que ele deveria ter dado errado?

- Você acha que ele deveria ter dado certo? - os dois se entreolharam e sorriram.

- Durma bem Harley. - Jonny disse quando já estava na porta.

- Tenha pesadelos comigo Jonny, irei arrancar sua cabeça com um Uni, Duni, Tê!

 

              — De manhã


- Estar em todos os jornais. - Jonny deu mais uma golada no seu whisky.

- O que diz? - Coringa perguntou ainda sentado em sua poltrona de couro.

- Fala sobre o assalto, que o Batman conseguiu te impedir e o resto é blá blá blá elogiando o morcego... Perdemos muitos homens Coringa.

- É, eu sei...- Coringa fechou as mãos em punho, estava com ódio, com ódio da loira pelo plano não ter dado certo, pelo Batman ter levado a vitória. - Dá vontade de esganar a Harl...

A fala do palhaço foi interrompida por um capanga que entrou na sala.

- Senhor, chegou isso, achei que iria gostar de ver...- nas mãos do homem, havia uma carta.

     “E mais uma vez, estou na sua frente, pensei que fosse mais esperto palhaço, foi tão fácil, tão fácil implantar um de meus homens em meio aos seus, tão fácil chegar primeiro no lugar do assalto, roubar tudo e fazer sinal para o Batman, ou melhor, colocar toda a culpa na sua palhacinha.  Um beijo de seu:

                               — Corujinha. ”


Os olhos do palhaço saltavam para fora, tinha sido ele, foi ele! Tudo foi armado por ele. Ele queria se vingar por causa de Jason, por isso arruinou o plano de Coringa colocando a culpa em Harley, sabia que o palhaço cuidaria dela por conta própria.


         Harley Quinn!


                           • • •

- O que foi isso? - Quinn descia as escadas.

- O Coringa quebrou tudo. - todo o lugar estava revirado, cacos de vidro no chão. Um caos.

- Porque? - a loira foi até Jonny.

- Foi Owlman, ele que acabou com os planos no Coringa.

- Não, quem acabou foi eu.

- Não Harley, ele armou tudo e colocou a culpa em você. - Quinn abriu a boca surpresa. - Tá melhor?

- Coitadinho do meu pudizinho, ele deve tá se sentindo culpado.

- Porque? - Paul perguntou.

- Porque ontem nós dois brigamos. - os capangas riram. - O Puddin deve tá mal. - a loira foi em direção as escadas.

- Aonde você vai? - Michael perguntou.

- Vou ver como ele estar!

- Ele subiu furioso Harley, não vai querer apanhar de novo não é?

- Tudo pelo meu Puddin! - sem mais esperar, Harley subiu as escadas indo para o  quarto do palhaço. - Pudizinho...- colocou a cabeça na porta.

O palhaço estava em sua cama onde olhava para um ponto fixo, caixas de remédios e pílulas estavam espelhadas por todo quarto.

- Puddin. - a loira andou até a cama do palhaço onde sentou olhando para ele.- Não fica assim tá bem? - ela engatilhou até o palhaço pegando em sua mão. - Eu sei que quando você pegar o Corujinha, você cortar a cabeça dele e vai me dar o seus olhos de presente. - a loira sorriu. - Você vai conseguir pudizinho. Não precisa se sentir culpado, você não sabia, eu entendo, não estou com raiva de você por ter me batido, seu que estava com raiva, não teve a intenção de dizer aquilo que disse...- Quinn foi interrompida quando seu rosto foi pego com força pelo palhaço.

- Acha que estou com pena de você? - o palhaço sorriu. - Acha que estou arrependido de ter te batido? Você mereceu, mereceu por ser tão idiota. Ele só antecipou o que eu já iria fazer com você. Você é lerda ou oque? Acordar Harley, eu não gosto de você. Eu posso te matar hoje, amanhã eu arrumo uma nova Harley Quinn. Porque pra mim, você é a pior de todas! - então o palhaço saiu, deixando ali, uma Harley se afogando em lágrimas.

            Harley Quinn!

    

      “Baby, você não sabe o quanto posso ser tóxica, minha toxina pode ser fatal. Todos nós sabemos no final, que você pode arrumar mil mulheres, nenhuma chegará aos meus pés.Tome cuidado ao tentar clonar a original, pode a perder e o que sobrará serão cópias baratas!”


Notas Finais


E aí???? Olha, não reparem no assalto e tal, eu não sei fazer direito essas coisas, mais que o Pudizinho ficou furioso ficou.

O Joker nesse cap, tentou saí do seu ritmo, bom querido, tu acabou mal, quem mandou dá uma de calmo??? O Corujinha te pegou, ainda levou surra do Batman, e por cima, machucou minha diva!! Eu mato!! Sério gente, tô com raiva de verdade, eu chorei de raiva escrevendo, mais ele é assim!

Bom, eu vou dormir porque o sono já tá batendo. Beijos!!!
💙❤+💜💚= 💣💥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...