História SIGnal - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jihyo, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Personagens Originais, Sana, Tzuyu
Tags Twice
Visualizações 37
Palavras 1.687
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Colegial, Crossover, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Luta, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Sobrenatural, Super Power, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá ^^
Eu demorei uma eternidade, mas estou de volta kkkkk.
Aproveitem o capítulo e me digam o que acharam.

Capítulo 4 - Chapter Two: Espiã


Fanfic / Fanfiction SIGnal - Capítulo 4 - Chapter Two: Espiã

Tzuyu P.O.V

Nessa madrugada estávamos a procura de aberrações, segundo a General Hwang é assim que se chama as pessoas que possuem vantagens. Só que existe uma coisa que nunca entendi, o motivo de tanta repugnância por pessoas que possuem essas vantagens. Na verdade eu prefiro me manter distante, pois assim meus segredos são mantidos.

Participo das forças especiais do exército coreano. Como vim para aqui? É uma longa história. A minha base de treinamento foi na China e pelo acordo do governo de ambos os países acabei sendo recrutada. O objetivo desse acordo era lutar contra pessoas que possuem vantagens sobre-humanas, algo que sempre achei que só existia nas revistas da Marvel. Pelo fato de ser uma agente classe S, fui transferida para a Coréia e desde de então participo das caçadas por pessoas dessa forma.

O meu segredo é que sou uma portadora de vantagem e passei minha vida toda escondendo isso. Só quem sabe disso é Doutora Kim, uma pessoa rica de valores e admirável, mas é a pior inimiga do estado. Todos a odeiam pelo simples fato de defender seu ideal sobre os portadores de vantagem. Quando a vir partir ela nem ao menos se despediu, mas deixou uma carta em minha cabeceira caso precisasse de sua ajuda.

Uma das coisas que me faz perder o sono é o motivo de tudo isso existir e minha aflição ainda maior é saber que existe muitas pessoas que passam por a mesma agonia que a minha. Na nossa base havia três pessoas portadoras de vantagem e elas estavam sendo alvos de experimentos macabros e totalmente fora dos padrões dos direitos humanos passados em meus treinamentos militares. Provavelmente quando uma pessoa é portadora de vantagem perde todos os seus direitos como ser humano.

A minha vantagem consiste em força bruta e ninguém imagina o quanto é difícil manter o alto controle e principalmente debaixo das barbatanas do governo. Sou grata a todo treinamento que recebi desde dos meus 6 anos de idade. A general Hwang sempre me elogia pelo trabalho de busca e sempre faz questão de que eu esteja em sua equipe.

O meu maior medo? É se descoberta por eles, por isso me aproximei o bastante ao ponto de espantar toda desconfiança. Só de pensar nessa possibilidade de ser pega, sinto um arrepio percorrer todo o meu corpo. Eles não são nada delicados com pessoas como eu. Diria que o medo é o que me faz ser boa o bastante para escapar de algum destino trágico.

Hoje estamos a procura da doutora Kim, desde do dia que GDragon voltou com uma marca no rosto feita por ela, general Hwang está determinada a encontrá-la. Nunca vir tamanha obsessão como ela tem em relação a doutora Kim, as vezes desconfio que existe muitas coisas ainda escondidas.

— Aquela maldita sabe se esconder muito bem – General Hwang diz transtornada passando as mãos pelos cabelos.

— Ela pediu para a senhora não procurá-la – Diz GDragon baixando a cabeça com medo da reação da general.

— Eu pouco me importo com o que ela diz – Ela passa a andar de um lado para o outro impaciente — Ela está se escondendo muito bem.

— General vamos conseguir encontrá-la – Digo firme e com cautela.

— Pretendo – Ela diz vacilante e se vira para a aeronave que nos levaria para a base em uma ilha afastada do continente.

Adentramos o transporte que nos fará chegar em menos de quinze minutos e vejo general Hwang dentro da sua sala com a porta entreaberta. Ela está vendo uma álbum de fotos antigas e chorando, me mantive estática no lugar sem acreditar no que estou vendo. Nunca a vi chorar durante o meu tempo de serviço.

Ela vira o rosto em direção a porta e me pega em flagrante a observando. Meu coração falha uma batida e com certeza agora ferrou tudo. Ela se levanta e se dirige até a porta, passo a ficar estática no meu lugar rezando para que ela não arranque meu pescoço fora por está a xeretando.

— Agente Cho por favor entre – Ela diz abrindo o espaço para que eu adentrasse a sala. Pronto! Agora estou fudida.

Entro na sala e sento na cadeira de sua mesa onde havia realmente um álbum de fotos. Ela dar a volta na mesa e senta em seu lugar pegando o álbum e dando um sorriso simples.

— Estou aqui relembrando os velhos tempos – Vejo o sorriso triste ainda se mantendo em seu rosto — Tempos em que daria tudo para poder voltar novamente.

Vejo que na maioria das fotos se encontravam a doutora Kim e a general Hwang. Elas eram muito novas e pareciam muito felizes juntas e naquele momento foi constatado a minha teoria em que elas realmente haviam possuído um laço.

— Como a vida nos prega peças não é mesmo! – Ela diz mais para si mesma do que para mim e naquele momento reparei uma carta com o selo da doutora Kim.

— General você já observou o conteúdo dessa carta – Pergunto um pouco aflita só de pensar no conteúdo que a mantinha.

Ela pega a carta e abre um pouco nervosa. Então, passa a lê-la com muita atenção e franze as sobrancelhas em minha direção. Nesse momento passo a nem sentir meus movimentos, pois a cara que ela fazia era de muito espanto.

— Agente Cho esse é um convite para o lugar que ela está recrutando aberrações – Ela fala e de repente seu semblante muda para um carregado de expectativa – Tive uma ideia – Ela me olha bem alegre e com um sorriso estranho no rosto.

— Você vai fingir ser uma portadora de vantagem e vai espionar tudo que acontece lá – Ela diz se levantando da cadeira — Kim não lembra de você, não sabe do seu nome e se lembrar vai ser somente como agente Cho, então ela não vai desconfiar.

— Ok – Digo bem receosa e com medo em onde tudo isso poderia parar — Você acha isso vai dar certo? Tipo eu não possuo vantagem nenhuma e ela pode descobrir.

— Temos que tentar não é mesmo – Ela diz com o telefone na orelha e pelo visto parece que vou ter que fazer isso mesmo. Ela terminar a chamada e me olha novamente.

— Vou mudar seus dados para Choi Tzuyu – Ela diz já digitando no computador — Essa carta tem um toque de segurança e ela te um prazo para resposta. Por sorte existe uma aberração aqui na base com o mesmo nome que o seu, então a Kim não irá desconfiar. Você vai fingir até quando puder e se te pressionarem, diga que ainda não despertou suas vantagens — Ela diz já se levantando da cadeira.

— Arrume suas malas e volte para sua casa na China – Ela diz abrindo um cofre e pegando um apetrecho de alta tecnologia.

— Você irá entrar em contato comigo através desse equipamento – Ela me entrega o dispositivo — Pelo o que me parece ela está em movimento a todo momento, por isso nunca conseguimos pegá-la. Esse apetrecho envia mensagem via satélite, mas infelizmente não me dará a localização do lugar – Ela diz me fitando.

— Meu plano é observar o inimigo e depois decidir como atacar – Ela vira de costas para mim — Conto com você agente Cho e seja meus olhos naquele lugar.

— Certo General Hwang – Me levanto e inclino meu corpo em uma leve reverência.

— Por favor, não me decepcione – Ela diz por fim quando já estava na porta.

Sigo em direção ao meu quarto e pego minhas coisas que já estavam arrumadas em uma mala em cima da cama. Já faziam cinco anos que não via meus parentes já que meus pais morreram. Iria para casa dos meus tios, eles imaginam que estou em um colégio interno, então eles não sabem de nada. Escuto meu celular tocar e atendo rapidamente, me levanto e pego minha mala indo em direção a porta de saída da aeronave.

[...]

Já fazem dois dias que estou em Taiwan à espera da resposta da carta, general Hwang já estava impaciente. Só de imaginar em rever a doutora Kim sentia o meu coração quase saindo pela boca. Escuto uma leve batida na porta, então me levanto para abrir a mesma e encontro minha tia. Em chinês ela me informa que temos visita e a respondo normalmente que já estou descendo.

Vejo que minha mala está pronta para partir e escondo o apetrecho dentro da minha roupa. Desço as escadas já ciente que era a resposta da carta de recrutamento da Doutora Kim, mas paro na metade ao ver certas garotas conversando alegremente com meus tios com um chinês perfeito. Uma delas se vira em minha direção e passa a me fitar de cima a baixo. Então, escuto minha tia permitindo que elas subissem para poderem conversar comigo.

Volto para meu quarto antes que meus tios me vejam e espero as garotas já dentro do meu quarto. Uns cinco minutos se passam até sentir uma leve batida na porta.

— Podem entrar – Digo em coreano, pois elas sabiam que tinham “estudado” em um internato na Coréia. Enquanto que na verdade eu tinha estudado no exército mesmo.

— Com licença – Escuto uma delas falar. Então, as duas já estavam em meu quarto.

— Acho que você já sabe o motivo de nossa visita – Uma delas me diz bem séria.

— Sim – Digo inexpressiva.

— Me chamo Hirai Momo e essa ao meu lado Minatozaki Sana – Elas se curvam levemente em uma reverência — Viemos lhe buscar senhorita Cho – Ela diz por fim.

— Já estou pronta – Digo bem nervosa, mas sem demonstrar isso.

— Vamos então – Elas se retiram do quarto e as acompanho com minha mala.

Me despido dos meus tios que já estavam cientes que teria que voltar para o “internato” e sigo elas em direção a um carro estacionado em frente a minha casa. Adentro o mesmo sentando ao fundo e passo a olhar para o vidro querendo me manter reclusa nessa nova missão.

Só de alguma coisa eu tenho certeza. Não voltarei mais a mesma.


Notas Finais


A resposta de quem são Dr. Kim e General Hwang está no link abaixo já que ninguém chutou ou comentou quem são elas.

https://youtu.be/a5Vr3AxEUag

Eu escrevo histórias por amar os couples e o que importa para mim é saber que aquilo que penso está sendo transmitido. Não escrevo pra ter favoritos ou comentários e só de saber que alguém leu minha loucura já fico feliz. Então é isso kkkkkkkkkkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...