História Simplesmente acontece - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Igneel, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Drama, Lucy Heartfilia, Nalu, Natsu Dragneel, Romance
Exibições 71
Palavras 1.859
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Hentai, Mistério, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiee pessoas!! Mais um capitulo pra vocês <3

Boa leitura! ^^

Capítulo 7 - Como tudo aconteceu


- N-Natsu - oque acabou de acontecer aqui? Eu.. Não sei. Minha respiração está rápida demais, meu coração está acelerado, mas eu ... Não posso, isso foi um erro, nós somos amigos, e também nós não podemos ficar juntos, isso não podia ter acontecido, nós dois estamos confusos com toda essa história dos nossos pais, acho que confundimos as coisas, sim, foi isso que aconteceu - N-Nós não devíamos ter feito isso.. - pude ver em seu olhar a decepção, mas sei que estou fazendo a coisa certa - Nós somos amigos e estamos confusos com toda a história dos nossos pais, e.. Acho que devíamos esquecer isso.

Ele suspira e olha pro lado, está evitando olhar em meus olhos, ele parece estar pensando, focado em uma direção qualquer, tomara que ele esteja pensando em coisas sensatas.

- Tem razão Lucy, isso foi um erro, oque eu tinha na cabeça de beijar você, é claro que você só me vê como um qualquer, mas você está certa vamos esquecer isso - não foi isso que eu disse, por que ele está tão bravo. Ele se levanta bruscamente e começa a andar, eu fico lá sentada sem saber oque fazer exatamente, mas isso não vai ficar assim, eu não disse que ele é um qualquer, e eu não vou perder meu amigo por causa disso.

Me levanto e vou correndo em direção á ele, ele já estava um pouco longe, então assim que toco em seu ombro ele para e eu paro pra respirar um pouco, mas ele nem se vira pra olhar pra mim, tudo bem, então vou falar com ele mesmo que ele esteja de costas, mas ele vai me escutar.

- Natsu, eu não disse que você é um qualquer, eu disse que você é meu amigo, e eu acho que este beijo foi um erro por que nós dois estamos confusos, estamos frágeis, e também meu pai não deixaria nós dois termos uma relação assim, nem de amigos ele quer aceitar imagina se fôssemos mais que isso - depois que paro de falar, ele fica uns quatro segundos de costas e depois se vira pra mim, ele estava sério demais pro meu gosto.

- Lucy, eu não te beijei por que estou confuso, eu te beijei por que gosto de você, mas você é cega demais pra perceber isso, vive sem seu mundinho cor de rosa, e Lucy eu sei também que seu pai nunca nos deixaria ter algum tipo de relação assim, mas pensa, você também não gosta de mim? - ele toca em meu rosto - Você é tão linda e gentil que me conquistou, mas eu espero o tempo que for necessário até você perceber que o seu amor sou eu - ele beija minha testa e me abraça, eu demoro um pouco pra corresponder o abraço, mas assim que correspondo sinto aquela sensação que eu sempre sinto quando estou perto dele, aquela sensação de estar completa. Se antes eu estava confusa agora não sei de mais nada.

- Me deixe pensar direito sobre tudo, e eu darei sua resposta - ele se separa do abraço e olha pra mim, ele estava sorrindo, aquele sorriso que é, e sempre será o meu predileto.

- Ok, deixarei você pensar - ele parece pensar em algo - Acho que estou desempregado de novo - ele dá uma leve gargalhada.

Desempregado? Como ass.. Ah sim, com certeza meu pai vai demitir ele, mas vou dar um jeito nisso, não quero ele longe de mim, não mais.

- Não se preocupe, darei um jeito nisso - ele assenti - Acho que tenho que ir agora, tenho assuntos pendentes - dou uma risadinha e beijo sua bochecha - Até amanhã Natsu.

E assim vou embora, agora estou melhor, meu assunto com o Natsu.. Só tenho que pensar sobre tudo ainda, se eu realmente serei capaz de enfrentar meu pai por ele, eu confesso que estou confusa, por isso pedi um tempo, não sei se gosto dele do mesmo jeito que ele gosta de mim, por isso preciso pensar ainda.

Natsu on

Não estou completamente feliz, mas estou melhor, ela disse que iria pensar sobre nós, e isso já é um começo pelo menos, não sei se agi certo em beijar ela em um momento como esse, mas eu já não aguentava mais, ela me conquistou em tão pouco tempo, nunca pensei que isso fosse possível, talvez ela tenha razão e eu que estou sendo egoísta, mas eu tenho que correr o risco, quero ela ao meu lado, não só como uma amiga, mas como namorada, noiva, esposa.. Acho que estou exagerando, ela mesma não sabe oque sente em relação á mim, é melhor esperar pra ter esses pensamentos mais pra frente, suspiro e começo andar em direção á casa do meu pai, temos assuntos pra resolver.

Assim que chego na porta da casa dele, respiro fundo e conto até dez, isso vai ser difícil, mas quando mais cedo terminarmos com essa dúvida melhor, bato na porta três vezes e ele vem abrir, assim que me vê abri um enorme sorriso.

- Filho, não precisava bater, ainda é sua casa essa aqui - dou uma leve risada e entro - Aconteceu alguma coisa? Normalmente você é mais animado - ainda bem que ele me conhece, assim poderei ir direto ao ponto, sem rodeios.

- Oque aconteceu pai, foi que eu descobri algo que eu não gostaria de saber - falo mais sério do que eu queria, seu rosto muda de um semblante feliz pra um confuso.

- Do que está falando? - nos sentamos no sofá.

- Pai, o rei Jude me contou que você e a mulher dele tiveram um caso, a filha dele queria que eu acompanhasse ela até a cidade, então ela foi pedir permissão para ele, e assim que ele me viu pareceu ter mudado completamente, e acabou contando tudo na raiva, por que não me disse isso pai? - ele olha pra baixo, sei que ele está triste e envergonhado.

- Sinto muito filho, eu sabia que isso poderia acontecer caso você fosse trabalhar no palácio, mas eu não poderia te impedir de ir - ele suspira - Eu amava Layla, não pensei que poderia me apaixonar por ela quando fui trabalhar naquele castelo, mas ela tão gentil acabou me conquistando, nós nos apaixonamos de tal forma, nem eu compreendia direito, mas sua mãe e o rei descobriram, sua mãe foi adoecendo de tanta tristeza, por que de certa forma ela também me amava, mas eu já não amava mais ela, estava apaixonado por Layla, a única felicidade da sua mãe era você meu filho, mas sua mãe não aguentou e bom, você sabe o resto - ele olha para parede, deve estar mergulhado em memórias, então foi assim que tudo aconteceu, eu devia ficar muito bravo com ele, por que de certa forma a culpa da morte da minha mãe foi dele, mas não consigo, posso perceber pela sua voz que ele esta arrependido, e que também amava Layla. Layla, do jeito que ele falou me lembra a Lucy, tão gentil, como não se apaixonar, solto um leve sorriso e ele olha pra mim confuso - Não está bravo comigo?

- Isso é estranho, eu deveria estar furioso, mas não consigo - ele ficou mais confuso ainda - Como era essa Layla? - resolvi mudar de assunto, não posso contar que sua história me lembra um pouco de mim e da Lucy, por que sei que ele não vai gostar disso.

- Ela era linda, como a princesa, as duas são idênticas, o cabelo loiro semelhante ao ouro, os olhos chocolates que brilhavam com tão pouco, ela não era uma rainha esnobe, muito pelo contrário, era muito humilde - ele falava aquilo com tanta ternura, então agora entendo o por que da Lucy ser assim, sua mãe devia ser incrível.

- Mas ainda não entendi por que vocês se abandonaram - ele suspirou.

- Veja bem filho, nós nos amávamos, mas eu tinha você e ela tinha a filha dela, se nós quiséssemos ficar juntos teríamos que abandonar tudo, mas o rei nunca permitiria, e por mais que nos amássemos, nada supera um amor de uma mãe por um filho, por isso resolvemos nos separar, seria o melhor para nossos filhos, não foi fácil, mas foi o certo - faz sentido, mas eu não faria isso, se eu estivesse no lugar dele, fugiria.

- Entendo, por que não fugirão?

- Por que eu já disse que o rei não permitiria, ele iria nos procurar até no inferno se fosse possível, e eu não iria querer uma vida assim pra você e nem pra Lucy, entende? - então é por isso, realmente, se fosse pra ter uma vida assim não seria a melhor opção.

- O rei é tão mal assim? - ele deu risada e eu também.

- Ele não é mal, eu acho que não, mas alguém cego por amor e ser traído assim pela mulher debaixo do próprio teto deve tirar qualquer um do sério.

- Tem razão - nós ficamos conversando mais um pouco, até ele me convidar pra jantar, eu poderia até recusar, mas lá no meu apartamento não tinha nada então não vi problema, fazia tempo que não jantávamos juntos, o tempo passa muito rápido quando se tem um trabalho, já tinha se passado um mês e meio desde o baile, e foi incrível por que o rei não me viu em nenhum dia no castelo, e mais incrível ainda por causa da Lucy, vivia me irritando e não me deixando trabalhar direito. Eu e meu pai já estávamos jantando, estava uma delícia, estava com saudade da comida dele.

- Então filho, está desempregado? - ele perguntou depois de engolir toda a comida da boca.

- Não sei, Lucy disse que iria falar com o pai dela, vou ver isso amanhã - dei de ombros.

- Você e essa Lucy estão bem íntimos hein - me afoguei com o suco, ele começou a dar risada da minha cara enquanto eu tossia, ele deu uns tapas nas minhas costas ainda rindo, depois de um minuto de varias tosses e gargalhadas eu melhorei - E então? Acho que essa crise responde várias perguntas - ele fala debochado.

- N-Não seja ridículo pai, nós somos apenas amigos - falei tentando parecer convincente.

- Aham sei - ele continua desconfiado - Só tome cuidado meu filho, não se meta em problemas - assenti.

Depois que jantamos eu fui para casa, Happy estava com muita fome, pra minha sorte tinha algo pra ele comer. Depois de arrumar a comida do Happy fui tomar um banho, estou exausto, foram muitas informações para um dia só, meu pai e a mãe da Lucy tiveram um romance, eu praticamente me confessei pra Lucy, neste momento a única coisa que me preocupa é se ela me rejeitar.

Tomo um banho demorado, visto uma roupa qualquer e vou dormir, amanhã também será um dia cansativo. Me deito e nem percebo quando foi que dormi, o cansaço é tanto que foi deitar e fechar os olhos que eu capotei.


Notas Finais


É isso por hoje, espero que tenham gostado ^^

Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...