História Simplesmente aconteceu - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Danielrocha, Rafalili, Totalmentedemais, Viviannepasmanter, Viviel
Exibições 121
Palavras 1.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção
Avisos: Álcool, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


OLÁ! Por favor, NÃO ME MATEM. Gente, vou tentar postar mais na próxima semana, é que eu estava SUPER ocupada com um evento da escola e acabei não me dedicando a história. Eu não gostei desse Cap, mas, preferi publicar porque senão eu ia demorar mais um mês pra postar. Comentem, e me dêem ideias novas, viu? BEIJOS!

Capítulo 16 - O que você estava Fazendo no Carro do Daniel?


Fanfic / Fanfiction Simplesmente aconteceu - Capítulo 16 - O que você estava Fazendo no Carro do Daniel?


Vivianne: Eu quero tudo que venha de você, o seu carinho, o seu beijo, o seu toque, as suas palavras de conforto, o sorriso mais lindo, o abraço mais gostoso e aconchegante, aquela risada gostosa que vai me deixar com um sorriso bobo, quero olhar para esses olhos lindos e em seguida ser puxada pela cintura e ganhar aquele beijo que só você tem, que me faz bem, me faz feliz, quero aquele cafuné maravilhoso que me dá um sono enorme, eu quero qualquer afeto que venha de você, porque tudo que vem de você me faz bem, é perfeito pra mim. Por favor, Não me abandona! (Digo apertando ele no abraço após eu não ter sentindo a sua retribuição)
Daniel: Eu realmente queria muito acreditar nisso, mas eu não consigo. Eu não quero acredita.
Vivianne: Como não quer acredita? (O solto encarando seu rosto sério e inexpressivo)
Daniel: A horas atrás você disse que eu estava acreditando em uma ilusão, algo que não existe, e agora? Agora você está simplesmente aqui na minha frente me dizendo isso horas depois de ter acabado com todas as minhas esperanças de que pudéssemos ficar juntos? Desculpa Vivi, mas eu não quero ter que passar por isso de novo.
Vivianne: Passar pelo o que, Daniel? (Sinto meus olhos arderem)
Daniel: De acreditar em algo entre nós dois, de alimentar esperanças, de ter fé, de me dedicar de todas as formas para lhe mostrar que posso fazer parte da sua vida e no final? No final receber apenas palavras frias, receber uma resposta que doeu em mim.
Vivianne: também não é assim.
Daniel: É assim, Vivianne! O que eu andei fazendo esse tempo todo? Mostrando a você de todas as forças que eu posso ser seu companheiro de vida. Eu mostrei que sou parceiro na vida, na cama, nos momentos bons e principalmente nos ruins.
Vivianne: Eu S...(interrompida)
Daniel: Se arruma, vamos sair depois do almoço.
Vivianne: Não íamos ficar aqui até a noite? (Digo confusa)
Daniel: Íamos. É melhor para nós dois acabar logo com tudo isso.
Vivianne: Daniel..(interrompida)
Daniel: Desculpa, eu apenas cansei (disse triste)

Vejo Daniel sumir pelos corredores e sento no sofá encarando a lareira, respiro fundo e digo.

Vivianne: O que eu fiz? (Digo com pesar na voz)

Quarto......

Não é a distância que separa as pessoas, mas sim a frieza, a falta de interesse, falta de atenção, diálogo, a indiferença, o “tanto faz”… Isso sim forma abismo entre as pessoas. Eu simplesmente estou cansado, cansado das palavras dela, do jeito que ela tenta resolver as coisas com palavras de carinho sendo que não é só isso que vai resolver. To cansando de me dar por inteiro e não receber nem a metade em troca. Me sento na cama e tendo " digerir" suas palavras. Não vou mentir, aquilo mexeu comigo...Muito! Mas eu simplesmente comecei a ter medo, medo dela querer esconder nossas decisões das pessoas, medo dela desistir sem ao menos tentar outras vezes, medo dela aceitar o que na verdade não sente. Bom, por mais que doa, por mais que eu sofra...eu vou esquecê-la, eu preciso. 
Ouço batidas na porta e peço para entrar, vejo ela colocar apenas a cabeça para dentro do quarto e falar:

Vivianne: Posso pegar minhas coisas?
Daniel: Claro, entre!

Ela entrou e foi andando até a poltrona onde suas roupas estavam, pegou-as e foi andando até a porta sobre meus olhares, quando se virou e disse.

Vivianne: Eu...(Não terminou)

Ela ia falar algo, mas simplesmente fechou a porta e saiu. Continuei olhando para porta por alguns segundos com a esperança que ela voltasse, mas ela não voltou. Pego minhas roupas e vou para o banho.

Quarto de hóspedes....

Se eu soubesse que aquela era a última vez, eu teria te abraçado mais forte. Eu simplesmente acabei com tudo, eu sinto isso! Por que eu não aceitei o que eu estava sentindo pelo Daniel? Por que eu não me joguei nesse sentimento? Eu tenho tanto medo do que as pessoas vão falar, do que os meus filhos vão pensar que eu simplesmente coloquei na cabeça que amor é só pela pessoa que tem uma certa idade a mais que você. Daniel é um amor, o meu amor! Mas eu estraguei tudo. Ele está magoado, e eu até o entendo, ele insistiu tanto na gente, e o que eu fiz? Nada! Quis acreditar em uma história criada pela minha cabeça de que era apenas um desejo momentâneo dele por mim, e não era. Mas agora acabou, vamos cada um para um lado...mesmo eu sentindo que isso não é a vontade dos dois. Peguei minhas roupas e fui para o banho já que daqui a pouco vamos voltar para o Rio e ter que fingir e até mesmo esquecer que nada disso aconteceu...vai ser difícil.

Cozinha....

Estava preparando o almoço quando escuto passos até a cozinha, continuo cozinhando e escuto ela perguntar

Vivianne: Quer ajuda?
Daniel: Não, obrigado!
Vivianne: Posso ficar aqui?
Daniel: Fique à vontade, já estou terminando

Escuto ela puxar a cadeira e continuo sem olhar para ela. Depois de um tempo, aquele silêncio entre nós estava horroroso, não consigo ter com quem conversar e não conversar, olho para ela que estava me olhando cozinhar e pergunto.

Daniel: Ligou para seus filhos?
Vivianne: Não! E isso está me deixando preocupada.
Daniel: Não se preocupe. Pedi para Pri falar com a Roberta, ela disse que os dois perguntaram de você e eu pedi para ela inventar que você está em outra cidade gravando, e que não deu tempo para avisar pois foi de última hora. (Sorri de lado)
Vivianne: Não gosto de mentir pra eles.
Daniel: Prefere contar que estava comigo em um sítio, e ainda por cima sozinhos? (Arqueio as sombracelhas)
Vivianne: Pois é, melhor não (sorri de lado)

Meu celular toca e seco as mãos no pano indo até ele na mesa, pego e leio o nome da Laise na tela e atendo

Ligação On...

Daniel: Oi, Laise (Dito isso vejo Vivianne me encarar)
Laise: Podemos conversar?
Daniel: Quando?
Laise: Hoje pode Ser?
Daniel: Quando eu sai do Projac eu passo ai.
Laise: OK, tchau!
Daniel: Tchau!

Ligação off...

Vivianne: Vejo que os dois estão se acertando.
Daniel: Talvez...
Vivianne: Cadê o entusiasmo? Afinal, vocês tiveram e tem praticamente uma vida juntos...não ia durar muito tempo essa separação.
Daniel: Não quero falar sobre isso!
Vivianne: Por que não? Somos amigos não somos?
Daniel: Sim!
Vivianne: Então, confia em mim

Ela colocou as mãos dela por cima da minha que estava sobre a mesa e eu fui tirando as poucos, noto seus olhares sobre mim e digo um pouco confuso

Daniel: Por que está fazendo isso?
Vivianne: fazendo o que?
Daniel: Fingindo que gosta da possibilidade deu e Laise voltar?
Vivianne: Eu não estou fingindo, estou feliz por você
Daniel: Pois não esteja. (Digo sério)
Vivianne: Por que não? Ela te ama
Daniel: Disse bem....Ela me ama.

Vivianne parou de me encarar e olhou para mesa brincando com os dedos entrelaçados um no outro. 
saiu da cadeira e vou até o fogão desligando as panelas e indo até os armários pegar os pratos e copos e escuto ela sussurrar algo, não me importei e continuei colocando a mesa.

.....................

Vivianne: Já peguei minhas coisas! (Digo fechando minha bolsa)
Daniel: Então vamos?
Vivianne: Sim! (Disse desanimada)

..................

Daniel: Por que está com essa cara? (Digo prestando atenção na direção)
Vivianne: Não sei, acho que a comida me fez mal (digo vendo ela acariciar a barriga)
Daniel: Nossa, eu não cozinho tão mal assim
Vivianne: Daniel, para o carro!
Daniel: No meio do nada?
Vivianne: Para o carro, eu preciso de ar

Vejo ela pálida e soando frio. Paro o carro em uma estrada deserta, saiu do mesmo e corro até o lado que ela estava e abro a porta, ela estende a mão para mim ajuda-lá e a tiro do carro, ela se encosta no mesmo e respira profundamente, olho preocupado para ela e pergunto

Daniel: Está bem?
Vivianne: Não!
Daniel: Está pálida.
Vivianne: Essa palidez é desde de manhã, ontem eu estava tão bem
Daniel: foi algo do café?
Vivianne: Não! Só começou depois do almoço
Daniel: Respira. Ainda tem muito chão pelo caminho

Ficava em sua frente a cada fechar de olhos profundo que ela dava, sabia que se ela saísse de perto desse carro ela ia cair. Abri a porta  e pedi que ela sentasse, deixei as duas portas e janelas abertas e peguei uma garrafa d'água em minha mochila entregando a ela que sorriu de lado em forma de agradecimento.

Daniel: Está melhor? Podemos continuar?
Vivianne: Sim! Obrigado
Daniel: (sorri de lado)

Fechei sua porta e fui até a minha entrando e continuando a viagem.

Rio de janeiro........

Chegamos quase anoitecendo, estaciono carro em frente ao seu prédio e olho para ela dormindo ao meu lado, ela estava tão pálida, o caminho inteiro ela  passou mal. Não queria ter que deixá-la aqui sem mim, mas infelizmente eu não poderia subir para cuidar dela. Acaricio seu rosto e vejo ela abrir os olhos lentamente, ela olha pela janela e diz.

Vivianne: Chegamos?
Daniel: Urum.
Vivianne: Nossa, já anoiteceu
Daniel: Pois é, a viagem foi longa
Vivianne: Obrigado por tudo! (Sorri de lado)
Daniel: Espero que tenha gostado dos momentos bons que passamos lá.
Vivianne: Eu amei.

Ela se aproximou de mim e me deu um beijo na bochecha, pegou sua bolsa no banco de trás e abriu a porta saindo, fechou-a e disse pela janela.

Vivianne: Se cuida!
Daniel: Você também.

Não saí dali até perdê-la de vista. Encostei a cabeça no banco e olhei para cima, sorri e disse.

Daniel: Te amo, pequena!

Liguei novamente o carro e sai, precisava ainda encontrar a Laise.

Apartamento de Vivianne Pasmanter...

Fechei a porta caindo de sono, viro e vejo Roberta na cozinha que quando me ver sorri de orelha a orelha, sorri e disse.

Vivianne: Boa Noite, Ro!

Roberta vem até mim e me abraçou, retribui o abraço e assim que nos soltamos vejo sua feição mudar, e pergunto

Vivianne: O que foi? É algo com as crianças? (Digo preocupada)
Roberta: Não! Elas estão com o Pai. É... Vivi, tem alguém lá dentro querendo falar com você.
Vivianne: No meu quarto? E por que não pediu que esperasse na sala, Roberta?
Roberta: É melhor você ir até lá.

Fiquei tensa, a Roberta não costuma brincar com certos tipos de coisas. Deixei a bolsa no sofá e fui andando em direção a meu quarto. Vejo a porta entreaberta e fiquei um tanto nervosa, abro e vejo ele de costas para mim e digo surpresa.

Vivianne: Fábio?

Ela se vira para mim sério, estranho, e sinto o nervosismo em sua voz quando ela quasse gritou perto do meu rosto.

Fábio: O que você estava Fazendo no Carro do Daniel? E ainda por cima DOIS DIAS você sumida sem dar notícias pra ninguém?




Notas Finais


XIIIIIII! FERROU! Bom, O que acharam? Não se esqueçam de comentar e dar suas ideias, quem sabe não aparece aqui? Obrigado por não desistirem de mim, não desistirem dá minha história, não sabem como isso é importante pra mim. CAP TRISTE, NÉ? pois é, mas não percam as esperanças sobre esses dois, muitas coisas vão acontecer com esse Casal. Beijosssss!

Insta: Império_Pires.
TT: império_Pires (@imperio_Pires)


"AMUUUU" VOCÊS! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...