História Simplesmente complicado - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Hodge Starkweather, Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Magnus Bane, Personagens Originais, Raphael Santiago, Simon Lewis, Valentim Morgenstern
Tags Alec, Clace, Magnus, Malec, Sizzy
Exibições 118
Palavras 2.237
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Um lemom novinho saindo do forno... Ôpa, spoiler hahaha
Aproveitem a leitura. 😁

Capítulo 10 - Hoje eu só quero aproveitar você


Fanfic / Fanfiction Simplesmente complicado - Capítulo 10 - Hoje eu só quero aproveitar você

  P.o.v Alec

  Semanas haviam se passado e eu e Magnus estavamos em um relacionamento as escondidas, apenas Izzy e jace sabiam.

  Quando eu expliquei isso a ele, ele aceitou e foi totalmente compreensível comigo, ele dizia que o importante era estar comigo.

  Magnus era realmente uma ótima pessoa, sua companhia me fazia bem, fazia eu sentir coisas que eu nunca havia sentido antes. Apesar disso tudo, nós nunca fizemos nada além de beijos e carícias, quando ele tentava avançar eu sempre dizia não estar pronto, eu já havia feito aquilo antes mais nunca com um feiticeiro, e ele parecia entender. Magnus era a melhor pessoa que eu já Havia conhecido.

  Neste momento eu estava na cozinha com jace e Izzy, discutíamos sobre como as coisas no instituto andavam, até que maryse e Robert entram.

- Oi mãe e pai. O que estão fazendo aqui? - Pergunta Izzy de cenho franzido.

- Oi. Viemos aqui para resolver um assunto com jace.

- Que assunto? - Diz ele mordendo uma maçã.

- Parece que um novo problema surgiu no instituto de nova Iorque. - Robert resolve se manifestar.

- E o que eu tenho haver com o instituto de Londres? Eu sou diretor do instituto daqui, achava que eu tinha que resolver os problemas daqui, não os dos outros. - Ele diz bufando.

- Jace ser diretor exige uma grande responsabilidade, e os diretos tem as obrigações de ajudar os outros institutos também, não importa de onde ele seja - Diz maryse fazendo jace revirar os olhos.

- E o que foi que aconteceu para vocês virem até aqui essa hora?

- Zelena Dixon. Ela é o novo problema, parece que a feiticeira assassinou o diretor do instituto de Londres, ela alega ter sido um acidente mais nada ainda foi confirmado. Como ela sempre prestou serviços a nós, resolvemos convenser a clave a dar duas escolhas a ela.

- E que escolhas são essas? - digo entrando na conversa, me soava no mínimo interessante.

- Ou ela assina o pacto para virar um anjo e prestar serviços a clave, ou eles apagavam as memórias dela e a transformavam em uma mundana.

  Certo. Isso me parece no mínimo horrível. Se eu estivesse no lugar com certeza escolheria virar um anjo. O que não me parece ser tão ruim

- E porque transformariam ela em um anjo? Achei que só fazim isso com pessoas de confiança, e nós sabemos que feiticeiros não são confiáveis. - Diz Izzy se arrependendo logo depois de ter falado isso, já que eu me virei para ela com um olhar de desaprovação.

- Zelena sempre foi uma pessoa confiável, como eu já disse, ela sempre prestou serviços a clave o nunca nos traiu, ela é realmente uma pessoa boa de coração e além disso não tem como ela fazer isso.

- Bom, essas opções me parecem realmente ruins, eu nao queria estar na pele dela, mais enfim, o que eu tenho que fazer? - Diz jace.

- Você tem que convocar uma reunião com o irmão dela, e o avisar do ocorrido, já que eles são parabatais e ele terá que estar presente a Cerimônia.

- Certo, e quem é o irmão dela? - pergunta jace de cenho franzido.

- Magnus bane.

  Jace e Izzy se viraram rapidamente para mim de olhos arregalados. Neste exato momento meu corpo paraceu entrar em transe.

- Você disse magnus bane? - Pergunto engolindo em seco.

- Sim, você por acaso o conhece? - pergunta Robert percebendo minha aflição.

- Não, nunca ouvi falar. - Digo emplorando aos deuses para minha voz não soar estranha

- E onde vai ser essa reunião? - pergunta jace.

- Se for possível aqui, Seria mais facil já que a sua localização se encontra no Brooklyn.

- E vocês vão estar presente? - pergunta izzy com um certo receio em sua voz.

- Infelizmente não, temos outros assuntos para resolver. - Diz maryse para o meu alívio. Não seria legal estar no meio de uma reunião com meu suposto namorado e os meus pais.

- Então é só isso, já estamos indo, boa sorte. - Diz Robert saindo com maryse atrás de si.

  Ficamos em um momento em silêncio por um momento até que jace resolve quebrar a tensão no ar.

- Bom parece que finalmente vou poder perguntar ao magnus suas intenções com o meu irmãozinho. - Diz jace com um sorriso malicioso me fazendo suspirar cansado.

- Isso não tem graça jace, magnus vai ter que vir aqui e eu não sei se ele vai estar à vontade com isso.

- A qual é Alec, não vai ser tão ruim, pelo menos mamãe papai não vão estar aquí. - Fala izzy tentando me acalmar.

- É tem razão. Bom, eu vou me encontrar com ele e depois eu digo sobre ele ter que vir aqui.

- tudo bem e qualquer coisa não esquece de usar camisinha. - Diz jace fazendo izzy cair na gargalhada.

- Jace. - Reclamo nervoso saindo da cozinha com o rosto corado.

                                                                XX

  Chego ao apartamento de magnus e toco a campainha logo sendo recebido com um magnus de sorriso enorme estampado no rosto.

- Senti sua falta - Diz ele manhoso me fazendo rir.

- Magnus nós nos vimos ontém - Digo ainda sorrindo.

- Mais eu ainda senti sua falta.

  Logo isso ele me puxa para dentro do apartamento batendo a porta com força e me encurralando na parede.

  Ele me beijava intensamente logo pedindo passagem da sua língua em minha boca. Prendia os meus braços me apertando como se eu fosse fugir. Nós beijavamos como se não houvesse amanhã, como se não houvesse nada e nem ninguém para nos preocupar.

Ele me puxa para cima me fazendo estrelaçar minhas pernas a sua cintura, fazendo eu sentir sua suposta ereção, arfei em meio de geminos por causa disso.

   Ele para o sofá sentando em meu colo. Acariciava meu abdôme me fazendo arfar descontraído. Logo ele ia tirando a minha blusa, mais quando ele me sente enrijecer decide parar.

- Ta tudo bem Alec não precisa ficar assim, podemos fazer isso outra hora. - Diz ele tentando me acalmar.

- Me desculpe, você anda sendo tão paciente comigo ultimamente. - digo me sentando ao seu lado.

- Não tem problema eu entendo se você querer ir com mais calma.

  Sorrio fraco para ele, aquele homem era realmente incrível. Logo me lembro do que Maryse disse mais cedo, sobre sua irmã.

- Magnus eu preciso te contar uma coisa.

- O que aconteceu? Ta tudo bem? Eu fiz alguma coisa de errado? - diz ele paracendo tenso.

- Não, não é nada sobre nós. Na verdade é sobre você. - sorrio de lado tentando acalmá-la

- Sobre mim? O quem tem eu? - Pergunta arqueando as sombrancelhas.

- É algo sobre a sua irmã, errrrr zel... - Tento dizer o seu nome mais sou interrompido por ele.

- Zelena. Eu já sei o que aconteceu não se preocupe.

- Okay, só quero dizer que você vai ter que comparecer a uma reunião  no instituto.

- Reunião de que? Não achei que submundanos fossem bem vindos em lares de caçadores de sombra - Diz ele revirando os olhos.

- E não são - digo supirando - Mais você vai ter que comparecer, vai haver algo sobre uma cerimônia e você vai ter que ir a ela, já que vocês são parabatais.

- Zelena não me falou nada sobre isso. - ele franzi o cenho.

- É mais parece que você vai ter que ir, mais podemos falar disso depois - Falo subindo em cima dele novamente. - Hoje eu só quero aproveitar você.

  Não sei o porque de eu ter falado isso, já que eu fugia dele a semana toda mesmo, e tinha acabado de repetir o ato. Mais por um breve momento eu parei e refleti olhando nos seus olhos de cor amarelados, porque fugir mais? Nós já estávamos juntos, não havia mais nada que nos impedisse de fazer uma boa transa. Ou será que tinha?

- Me parece uma ótima idéia - Diz ele antes de me beijar.

  Foi um beijo calmo no começo, mais logo nossas línguas dançavam em sincronia deixando tudo mais quente. Ele foi descendo sua lingua pela a extensão do meu pescoço, e logo dando um chupão que eu tinha certeza que deixaria uma bela de uma marca ali.

  As coisas iam esquentando, até que o desejo me consume e eu dou uma leve rebolada em seu membro, mais o suficiente para fazê-lo gemer meu nome, o que me deu mais tesão ainda.

Magnus ia  tirando novamente minha camisa mais dessa vez eu não recuo, pelo contrário, aproveito mais de suas carícias.

Ele me pega no colo me levando para o seu quarto e me jogando na cama, logo ele sobe em cima de mim descendo os beijos para os meus mamilos. Quando ele passa a língua e chupa aquela parte, eu não aguentei e soltei um gemido prazeroso, que pareceu fazê-lo feliz já que ele continuou o que estava fazendo.

Magnus ia retirar minha calça mais antes vira para mim esperando eu dizer algo, apenas balanço a cabeça o fazendo continuar. Ele puxa minha calça tirando minha cueca junto, revelando meu membro pulsante exposto.

Ele massageia devagar fazendo movimentos de vai e vem, passando sua língua em minha virilha e dando uma bela chupada ali. Ele sabia mesmo como me torturar.

- Unnnhn magnus... vai logo... - Digo gemendo o seu nome.

- Como quiser - Ele fala antes de abocanhar o meu membro me fazendo soltar um grito de prazer.

Magnus me chupava de uma forma incrível, e única, ia subindo a língua para a minha glande e com uma mão massageava meus testículos, me fazendo gemer mais alto. O ritimo ia acelerando e minha mão o acompanhava mexendo em seus cabelos, sentido o vai e vem.

- Ahhhh... Magnus eu... Ahhhh - Não consigo avisar, pois já havia me desfeito na boca dele.

Vejo ele subindo até mim novamente e me beijando, fazendo eu sentir o meu próprio gosto. Era estranho, mais prazeroso.

Ele desceu sua mão até a minha entrada e comecou a massagea-la, se vira para mim esperando um sinal de aprovação e eu apenas balanço a cabeça novamente.

Sinto um dedo entrar em mim, era uma dor insuportável, mais eu não podia parar, não agora. Logo sinto outro dedo entrar em mim e novamente sinto uma pontada de dor aguda. Ele começa a fazer movimentos de vai e vem com as mãos e eu sinto uma onda de prazer me percorrendo, logo sinto outro dedo entrar em mim, não me aguento e dou mais um gemido.

Balanço o quadril tentando acompanhar seus movimentos, mais infelizmente ele retira as suas mãos e eu percebo o que ele estava prestes a fazer. Ele me adentra com o seu enorme membro e eu sinto aquela dor aguda novamente, era mil vezes pior que a de antes. Ele ficou parado por um tempo até que eu me acostumasse o que foi possível.

Ele começou a estocar lentamente, mais o prazer me consumiu eu empurrei mais o quadril o incentivando a ir mais forte. ainda era presente uma pontada de dor por ali, mais nada se compava a onda de prazer que me consumia.

As estocadas eram rápidas e eu agarrava as suas costas as arranhando o fazendo gemer junto comigo, eu cravada minhas unhas em sua pele macia, o que devia fazer ele sentir muita dor. Mais nesse momento nada importava, o prazer era presente ali.

- Ahhh..mais rápido... Uhhmmm - Tento falar mais falho miseravelmente diante de meus gemidos.

Arranho as suas costas e depois puxo o seus cabelos. Aquilo estava loucamente incrível, magnus me trazia uma sensação que eu nunca havia sentido antes, com nenhum dos caras que eu já havia transado. Era diferente, era tudo com amor e luxúria.

Eu arfava e mexia meu quadril, àquilo não era o suficiente, eu precisava dele, precisava estar nele. Me agarro mais as suas costas o sentindo se mexer fortemente dentro de mim, nessas horas eu já nao conseguia controlar mais os gemidos, estava tão bom. Queria que nunca acabasse.

As estocadas foram ficando mais fortes, e no quarto só era possível escutar sons de gemidos e de nossos quadris se batendo violentamente. Eu gozo em nossos abdomes e logo depois o sinto se desfazer dentro de mim.

- Fica de quatro pra mim - Diz ele com uma voz incrivelmente sexy.

Não neguei, apenas fiz o que ele mandou. Ele aperta os meus quadris e sinto ele me adentrar novamente. Gemi alto dessa vez e segurei na cabeceira da cama. Ele estocava fortemente me fazendo ir ao paraíso. seus longos braços fortes apertavem minha cintura fortemente, era impossivel eu escapar dali.

Logo ele começa a massagear o meu membro triplicando o prazer que eu sentia. Nós dois gozamos juntos  novamente e caímos um ao lado do outro. Estávamos ofegantes e suados.

- Errrr... Magnus - Chamo ele ofegante.

- Sim.

- Você por acaso não tem vizinhos não né? - Pergunto fazendo ele rir.
- Sim. Nesse caso a polícia já deve estar a caminho, porque os seus gemidos devem ter acordado a nova Iorque inteira. - Ele fala dando um beijo singelo em meus lábios me fazendo corar.

  E foi assim que eu adormeci, nos braços de Magnus bane.

 


Notas Finais


Eii pessoinhas do meu cori. Que capítulo foi esse hein? Tive que ligar o ar condicionado e beber um litro de água pra escrever ele, porque ta calor aqui.
Até a próxima :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...