História Simplesmente Complicado - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Bianca di Angelo, Frank Zhang, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper McLean
Tags Pernico
Exibições 67
Palavras 1.724
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sim, gente, dois capítulos seguidos, to querendo deixar tudo alinhando entre os sites <3

Espero que gostem~

Capítulo 2 - Capítulo 1 O despertar do conflito


Estar no segundo ano do colegial não era algo terrível, pelo menos Percy ainda não sentia tanto o peso do futuro sobre os ombros. O que imaginava que seria sufocante quando fosse para o terceiro.

Contudo, ainda existiam momentos bem estressantes e ele relaxava fazendo o que quase todo garoto da idade dele gostaria de fazer: sexo.

Passada a pressão da primeira vez, transar havia se tornado uma das coisas que o Jackson mais gostava de fazer. E estar com Annabeth tornava tudo ainda melhor, pois faze-la sentir prazer era o que mais o excitava.

Naquele dia, porém, as coisas não estavam do jeito que costumavam ser.

Dois dias haviam se passado desde que encontrara Nico, ainda tinha os acontecimentos frescos na memória e estava incrivelmente feliz por saber que não era odiado. Mas pensar nele enquanto penetrava a namorada não era saudável — pelo menos não para sua sanidade mental.

Tentou tirar da cabeça a imagem do garoto, se concentrando nos movimentos que fazia. Curvou-se sobre as costas de Annabeth, apertando-lhe um dos seios enquanto a outra mão lhe acariciava o clítoris.

A garota mordia o lábio inferior, tentando não gemer alto. Os braços tremiam para manter o corpo suspenso, mas ela desabou quando chegou ao clímax. Percy, no entanto, ainda não estava satisfeito. Mudando a posição, deitando aos dois de lado, ele continuou a estocar um pouco mais lentamente.

Quando a imagem de Nico voltou a sua mente, sentiu uma onda de excitação maior que a anterior. Instintivamente se apegou àquela visão, misturando-a com uma fantasia.

— Percy... — A voz rouca de Annabeth o desconcentrou, então ele levou uma das mãos a boca da garota a impedindo de falar.

Imaginou-se estar naquela situação com o garoto mais novo. O viu em seu quarto, gemendo seu nome e perdendo o fôlego com a excitação.

E foi pensando em Nico estremecendo de prazer, que finalmente atingiu o ápice.

Ofegante, Percy virou-se para encarar o teto. Annabeth, que respirava pesadamente, deitou a cabeça sobre seu peito e soltou um riso baixo.

— Isso foi demais — murmurou.

— Obrigado, eu sei que sou bom — vangloriou-se bem humorado. Retirou a camisinha e se levantou para jogá-la fora.

No banheiro, ele parou para refletir no que havia feito. Não seria a primeira vez que pensava em Nico daquele jeito, tinha se masturbado pensando nele uma vez e isso trouxera uma sensação terrível de culpa no final.

Dessa vez, então, ele se sentia um lixo, pensar em outra pessoa enquanto transava com a namorada era o mesmo que traí-la. Pelo menos era assim que via as coisas.

O que sentia pelo diAngelo parecia estar tomando outra forma, caminhando para um grau além do que ele sabia controlar. Contudo, não podia se render, pois isso significaria perder Annabeth e não valia a pena abandonar a garota que amava por nada.

— Está tudo bem? — A loira perguntou aparecendo no banheiro, o tirando repentinamente de seus pensamentos.

— Claro. — Sorriu.

— Ótimo, então porque não tomamos um banho? — sugeriu enquanto passava as mãos pelos ombros do namorado.

— Não poderia pensar em coisa melhor — respondeu a puxando pela cintura, colando os corpos nus.

É, realmente não valia a pena perder tudo aquilo.

Π

Como era sábado a noite e ninguém estava aguentando o tédio de ficar em casa, Percy resolveu convidar os amigos para assistirem alguma coisa no apartamento do Jason, é claro.

— Ainda me pergunto se essa sua cara de pau tem limite. — O loiro resmungou quando foi atendê-lo.

— É a noite dos caras, deixa de ser chato. — Entregou uma sacola com DVDs. — Aí temos os clássicos do cinema.

— Trouxe algum do Star Wars? — Jason fez careta.

— Sim, mas se não gosta, por que pede pra eu trazer sempre? — perguntou imitando a expressão do amigo.

— Você é o único que tem eles em Blu-Ray e sabe como o Leo adora essa porcaria — argumentou ao mesmo tempo em que levava tudo para a sala.

— Claro, seu amado Leo não pode ficar sem seu precioso filme. Você será um marido tão atencioso, bro — caçoou enquanto o seguia.

— Cala a boca — ralhou empurrando o moreno para longe, já que esse havia se pendurado em seu pescoço.

Percy riu alto e balançou a cabeça indignado com a cegueira do melhor amigo. O rapaz estava apaixonado e nem ao menos se ligava, o pior era que nem notava que era correspondido.

Poderia alguém ser tão idiota?

— A propósito, chamei o Nico. — Jason comentou, fazendo o outro ficar levemente tenso.

— Sem problemas, fiquei sabendo em primeira mão que ele não me detesta... Tanto.

— Isso me lembra que preciso agradecer a você — continuou. — Ele me falou sobre o que aconteceu... Nem acredito que ele se envolveu com um cara tão canalha. — Bufou.

— O importante é que ele está bem e que se o Nakamura se aproximar de novo, iremos acabar com ele — disse sorrindo, ergueu o punho para o mais alto que bateu e concordou com a sentença.

Pouco depois o restante dos garotos chegaram. Frank carregava um fardo de refrigerante, enquanto Leo debatia com Nico sobre algum jogo qualquer.

— To falando, o cara não aguentou meia hora de partida e saiu pedindo arrego. — O latino comentava quando a porta foi aberta.

— Você precisa de um time melhor, Valdez. — Nico afirmou entrando na casa do primo e o cumprimentando com um aceno.

— Eu teria se você não fosse um fresco, diAngelo — retrucou ignorando a presença de todos. — Ficou com um dos cara uma vez e agora não quer nem saber de jogar com ele.

— Cala a boca, Valdez — mandou trincando os dentes, irritado.

— Tem como os dois saírem da frente? — Frank pediu fazendo careta, ainda segurando o fardo e tendo a passagem impedida pelos mais baixos.

Finalmente pondo um fim na discussão, Leo foi cumprimentar Percy e Jason deixando, assim, que o Zhang fosse direto para a cozinha.

— Vamos dormir aqui? — O Valdez quis saber, após se apossar do sofá.

— É claro que sim. — Percy respondeu empurrando as pernas do menor e sentando-se ao lado dele. — Iremos virar a noite! — anunciou animado, abraçando Leo pelos ombros e bagunçando o cabelo dele.

— Só não façam tanto barulho, da última vez vieram reclamar — pediu Jason enquanto se sentava entre os dois.

— O que iremos assistir primeiro? — Frank perguntou ao voltar da cozinha com apenas uma garrafa na mão, sentou-se no chão perto dos três.

Após uma breve e calorosa discussão, os rapazes decidiram assistir Donnie Darko. O filme era visto em quase todas as reuniões que faziam e ninguém o havia entendido completamente, apesar de gostarem muito.

— Eu li na internet algumas explicações. — O canadense comentou antes de encher a boca com a pipoca que Jason preparou.

— Ótimo, então conte pra gente depois. — Leo pediu de boca cheia.

— Eca, Valdez, engula antes. — Nico reclamou, estava sentado na poltrona ao lado do sofá.

Provocando, o mais velho se virou abrindo bem a boca e mostrando as pipocas mastigadas, o que faz o mais novo contorcer a cara com asco.

Π

O episódio IV de Star Wars estava no início, quando o celular de Nico começou a tocar sem parar, cortando o clima de Leo que repetia falas e fazia comentários sobre o futuro do filme como se ninguém nunca o tivesse assistido antes.

— Quem é? — Jason perguntou curioso após o primo bufar pela segunda vez.

— Adivinha.

— Esse cara não se manca? — Valdez revirou os olhos. — Acredita que ele apareceu por lá hoje?

— O quê?! — Percy encarou Nico indignado. — Pensei que tivesse terminado com ele.

— Parece que ele não sabe o que isso significa — respondeu claramente incomodado com o debate sobre seu antigo relacionamento.

— Se eu e o Frank não tivéssemos chegado lá na hora, sei lá o que poderia ter acontecido.

— Eu tava preparado pra chamar a polícia. — Frank comentou.

— Ok, chega de falar da minha vida — reclamou o mais novo, seu celular tocou mais uma vez e ele saiu em direção ao quarto do primo.

— Ele já falou com a Bianca? — Percy perguntou para o loiro, que assentiu. — Isso não pode continuar assim, esse cara pode ser um louco.

— Vamos deixar o Nico resolver isso, mas ficaremos de olho nele — sugeriu. — Se nos intrometermos, vamos fazê-lo ficar irritado.

Incomodado por não poder ir direto até o Nakamura e acerta-lo com um soco (que era o que desejava fazer), o moreno se levantou e foi até a cozinha pegar mais refrigerante. Na volta resolveu passar no quarto do amigo, já que o menor estava demorando. Ao chegar encontrou a porta entre-aberta, silenciosamente foi colocando a cabeça para dentro.

— Você não pode aparecer na minha casa daquele jeito. — Ouviu Nico esbravejar. — Tudo bem, eu te encontro amanhã. — O garoto soltou um suspiro rendido, então desligou o celular e chutou um tênis que estava por perto.

— Você vai mesmo ver esse cara?! — Percy soltou, se mostrando presente.

— Você é muito intrometido, Jackson. — O diAngelo acusou, ainda mais irritado. Odiava quando alguém se metia em seus assuntos.

— Sou — concordou. — E por isso não vou deixar você se encontrar com esse louco.

— Não preciso da sua autorização — rebateu empurrando Percy ao passar por ele.

— Por que age assim? — O maior indagou sem esconder a dor na voz, fazendo o outro estancar. — Você disse que não me odeia, então por que age assim?

— Só não gosto que se metam na minha vida — explicou ainda de costas.

— Eu só quero te ajudar — sussurrou.

— Eu não preciso da sua ajuda! — Nico se virou bruscamente, os rosto corado sem saber se era por raiva ou vergonha.

— A questão não é essa — confessou se aproximando. — Quero fazer isso, porque eu preciso saber que você está bem — argumentou colocando as mãos no pescoço do menor, impedindo que ele abaixasse a cabeça.

Nenhum dos dois desviou o olhar e, abaixo de seus dedos, sentiu o pulso de Nico acelerar. Meio rendido, Percy fechou os olhos com força e encostou a testa na do menor.

— Por favor — pediu.

— Tudo bem — murmurou a resposta, se afastando bruscamente do outro e virando a cabeça para o lado, tentando esconder a vergonha. — Mas você não pode ficar muito perto — acrescentou.

— Só se o Nakamura se manter afastado — alertou seriamente.

— Faça como quiser, Jackson — resmungou enquanto seguia pelo corredor, voltando para a sala. Percy o seguiu com um sorriso no rosto, aliviado e contente por ter conseguido dobrar o primo do amigo.

Talvez ele não tivesse certeza do que valia a pena ou não.


Notas Finais


Sono demais pra fazer notas decentes, desculpa asuhaushauhsuhasah <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...