História Simply Love - Capítulo 78


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Annie Cresta, Cato, Cinna, Clove, Coriolanus Snow, Effie Trinket, Finnick Odair, Foxface, Gale Hawthorne, Glimmer, Haymitch Abernathy, Johanna Mason, Katniss Everdeen, Madge Undersee, Marvel, Peeta Mellark, Plutarch Heavensbee, Primrose Everdeen
Tags Akatsuki, Drama, Romance
Exibições 179
Palavras 4.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá amorinhas, como vocês devem ter percebido, não deu pra postar no final de semana... Na verdade o capítulo já estava pronto, mas minha internet tava uma bosta e eu não estava conseguindo postar.
Enfim, eu estava escrevendo ate agora IRYLM, então aproveitei que a internet melhorou pra postar, obrigado meus amores pela paciencia e carinho comigo, DEVO MUITO A VOCÊS!
Bem, Boa leitura então... :(

Capítulo 78 - Cemeteries, plans, conversations and sleeves.


Eu tenho sorte de encontrar um táxi assim que chego ao ponto, entro no mesmo enquanto disco o número de Katniss, passando por cima do meu orgulho e da promessa idiota que eu fiz, dizendo que nunca mais a ligaria, mas agora pelo menos eu entendo que ela queria meu bem e infelizmente estava certa quando ao gale.

Toca até cair a ligação, tento de novo e dá fora de área, penso em ir em sua casa, ela deve estar agora no quarto aos prantos... tentando encontrar uma forma de continuar depois de mais esse baque.

Mas alguma coisa me diz que ela não está em casa, se tivesse, não estaria dando caixa postal, ou estaria? Decido ligar pra Johanna, com certeza deve ter noticias dela, digito o número da morena, depois de dois toques ela atende.

~Ligação ON

-E a filha prodiga, retorna ao lar... -Diz ironicamente, eu respiro fundo, Tá... Eu mereço isso.

-Oi Johanna...

-Oi Madge, eu não esperava sua ligação, afinal o que seu namorado vai pensar de você se continuar se envolvendo com a gente? Por que somos todas vadias malucas! -Diz, eu sinto todo o ódio e ressentimento em sua voz, Merda!

-Johanna... -Começo tentando encontrar uma forma decente de explicação, ela me interrompe brutamente.

-Johanna... É o caralho! Você preferiu ele em vez da gente, as pessoas que te apoiou em tudo, que te ajudava e que inclusive, te consolava por que ele não estava nem ai pra você! -Diz, eu fecho os olhos com força.

-Me desculpe...

-NÃO DESCULPO PORRA NENHUMA, Você tem ideia do que fez com Stiven? você sabe o que aquele nojento fez com o mijão e ainda ficou ao lado dele, você não se sente suja? POR CULPA DE VOCÊS DOIS ELE TIROU A PRÓPRIA VIDA! ISSO NÃO TEM DESCULPA MADGE!

-EU SEI DISSO! EU SEI, COMO VOCE ACHA QUE EU ESTOU ME SENTINDO AGORA?! -Berro com toda a minha força, as lágrimas inundam o meu rosto, ela fica em silêncio.

-E-Eu nem sei se vou conseguir me perdoar por isso, eu sabia que ele estava machucado, eu poderia ter ajudado-o, pois ele estava tão focado em cuidar da Katniss que não percebia o quanto estava se acabando por dentro, era notório! Eu não segurei a minha língua quando contei aos garotos que ele era gay, não fiz nada quando Gale saiu por ai pra machucar ele, eu não sabia que eles iriam fazer aquilo, mas não procurei ir atrás.... Eu sei que a culpa é toda minha! Mesmo eu tendo dado um chute entre as pernas de Gale e acabado com tudo, eu sei que isso não será nunca, nem a metade do que aquele filho da puta arrombado fez com ele! -Digo chorando, ela suspira e eu começo a soluçar.

-Aonde você está?

-Eu estou indo pro cemitério levar umas flores e conversar um pouco com ele, não pude ir hoje mais cedo... Por que?!

-Estamos em Austin, venha nos encontrar depois que sair dai, passaremos a noite aqui e depois seguiremos viagem até Browsville!

-Pera... O que vocês vão fazer em Browsvile? Desde quando vocês saíram de Logview? O que... O que?! -Digo toda confusa.

-A gente vai pra um show do Aerosmith lá, é... Uma despedida para o Stiven! Mas se você não estiver afim... -Diz, parecendo indecisa em me chamar, como se nós fossemos total desconhecidas

-Eu vou! Eu... Eu vou, assim que eu sair do cemitério, eu arrumo minhas coisas e parto direto pra rodoviária... -Digo, saindo do carro e pagando ao homem, odeio ir em cemitérios a noite, morro de medo, tanto que muitas vezes deixava de sair com eles, por que Katniss e Stiven queriam ir até onde o Tyler estava, para dormirem lá, pra cantarem e lerem poesias pra ele... Sei que na verdade o motivo era pra consolar ela, mas sempre tinham a desculpa de que, ele precisava disso, já que a jornada seria tão solitária.

Abro o portãozinho do lugar e ligo minha lanterna, na verdade não está tão escuro assim, a noite está limpa, negra e sem nuvens, fazendo com que a lua ilumine bastante meu trajeto.

Mantenho a lanterna no chão, só pra ter mesmo cuidado onde piso, não quero chatear ninguém aqui pisando onde não devo, não quero ter que correr, afinal não é legal quando alguém pisa em sua casa ou cama.. AI MEU DEUS! O que eu estou pensando?!

Depois de alguns minutos de caminhada e paranóia, consigo encontrar onde ele está, meus olhos se enchem de lágrimas enquanto passo os dedos pelo azulejo frio.

-Oi Stive... -Sussurro, coloco as flores em cima do tumulo, as suas preferidas.

-Eu sei que é muito clichê, e que você deve agora estar tomando uma dose de uísque e rolando os olhos pra mim, o ser mais burro deste mundo que está aqui agora arrependido, mas realmente eu estou muito arrependida de todo caos que eu causei, eu sei que voce sabe que fui eu que contei aos garotos que você era gay, mas foi uma coisa totalmente inocente, juro! Eu nunca imaginava que eles iriam fazer o que fizeram com você, e quando soube, eu deveria ter te protegido, deveria ter ficado ao seu lado e do lado da Katniss, afinal sempre quando eu precisava, vocês estavam lá... De cara feia e com o cú cheio de cana, mas estavam... Então do fundo de meu coração, me desculpe, eu fui narcisista, burra, idiota... Eu fui a pior amiga do mundo, nada vai ser capaz de fazer com que essa culpa saia das minhas costas! -Digo chorando compulsivamente, encosto minha testa em sua lápide, onde está escrito.

Melhor amigo, amante, filho, ídolo, mijão, primo e viado de todos.

Sou tirada da minha bolha de melancolia com um barulho de passos e suspiro de surpresa, me viro no mesmo segundo,  imaginando vários tipos de mortes pra mim, que será exercida pelos habitantes daqui, ou melhor, os mortos.

Mas o que eu vejo é ainda mais assustador e surpreendente do que ser atacado, pelos atores de The Walking Dead.

Por que lá está James, com cobertores nos braços, uma mochila nas costas e um punhado de tulipas na mão esquerda, nós nos olhamos boquiabertos por alguns segundos, antes dele piscar algumas vezes e depois sorrir.

-Boa Noite Madge... -Diz simpaticamente e se aproxima, vejo ele colocar um lençol no chão, junto ao túmulo, algumas almofadas, castiçais com velas, potes com comida, uma garrafa de vinho e pelo que parece, alguns livros e um violão.

Afinal, o que ele está fazendo aqui? Pelo que Michael me contou, eles definitivamente tinham rompido, desde que fora descoberto o lindo fato de que, James se casou, tem filhos e agora é literalmente hetéro... só que ele esqueceu de contar pro Stiven isso, o que de fato causou tudo isso, juntando com Gale e toda sua pirotecnia, foi estopim pra que ele acabasse consigo de vez.

-Você quer... se sentar e tomar um pouco de vinho comigo? -Pergunta ele me trazendo de volta a realidade, eu faço que sim com a cabeça e me junto a ele.

 Enche um copo pra mim e me entrega, eu bebo um gole enquanto ele acende um cigarro e pega um dos livros.

-Se te comparo a um dia de verão, és por certo mais belo e mais ameno... -Começa, olho pra ele que agora está com a atenção voltada ao livro e uma expressão quente no rosto.

-O vento espalha as folhas pelo chão, e o tempo de verão é bem pequeno... -Diz, então percebo que se trata de um poema de Shakespeare, basicamente falando, o soneto 17.

-Ás vezes brilha  o sol em demasia, outras vezes desmaia com frieza, o que é belo declina num dia só, na terna mutação da natureza...

Eu vejo ele fechar os olhos e sorrir, agora entendo essa expressão em seu rosto, eu tinha a pouco tempo ela em mim, borbulhando-me por dentro... É amor.

-Mas em ti meu amor o verão será eterno, e a beleza que tens não perderás, nem chegarás da morte ao triste inverno... -Recita e então me olha, eu sorrio pra ele, mesmo confusa e abalada por dentro.

-Nestas linhas com o tempo crescerás, e enquanto nessa terra houver um ser... Meus versos vivos, te farão viver... -Terminamos juntos o poema, ele me passa o cigarro e toma um gole do vinho, trago lentamente.

-Sei que todos vocês estão com raiva de mim, na real até eu estou... Afinal ele fez isso por minha causa, por que eu deixei ele! -Diz, eu solto a fumaça pelo nariz e trago mais uma vez.

-Você o amava? -Pergunto, ele me olha como se eu tivesse lhe perguntado a maior bobagem do mundo.

-Eu ainda amo!

-Então por que fez o que fez?! -Retruco, a pergunta parece atingir ele mais do que eu esperava, ele cerra os dentes, como se fosse chorar e olha pra cima por alguns segundos.

-Eu não tive escolha... É complicado, você não entenderia! -Diz melancolicamente

-Se você me explicar direito eu posso entender, por que eu estou confusa! Se de fato ama ele, por que se casou, teve filhos e uma vida que não era sua? Que não cabia ele? Por que ele morreu achando que você o desprezava, então quer dizer que ele morreu em vão?!

-DÁ PRA PARAR? PARA COM ISSO DROGA! -Grita com toda sua força, me assustando.

-Eu tinha que terminar com ele, eu não tinha escolha! -Diz com os ombros tremendo compulsivamente enquanto chora.

-Desculpe... -Digo acariciando suas costas pra acalmá-lo, ele seca furiosamente as lágrimas com as costas das mãos.

-Tinha essa garota do mestrado, a gente era super amigos, mas muito amigos mesmo... Ela era intercambista, da Itália, lá em londres a maioria dos patriotas não são muitos legais com os turistas! Então era apenas nós dois, contávamos tudo um para o outro, éramos mais que amigos até, éramos confidentes... -Começa, eu o olho atentamente, toma um  comprido gole de vinho.

-Mas ai ela se apaixonou por mim, no começo eu não percebia, era apenas como antes, a gente vivia o tempo todo junto depois das aulas e voltávamos, só logo as coisas começaram a ficar diferentes, ela me ligava de 5 em 5 minutos querendo saber onde eu estava, com quem e o que estava fazendo... Me seguia até pro banheiro e ficava mexendo em meu celular escondido!

-Nossa que maluca... -Observo, ele me olha e sorri.

-Você não sabe nem da metade... -Diz, ele toma um pouco de ar e continua.

-Ela descobriu sobre o Stiven, numa dessas mexidas no meu celular, quando eu fui ao banheiro enquanto estávamos estudando em um café perto da faculdade...

~FlashBack ON

Eu limpo as mãos ainda úmidas nas calças e arrumo o cabelo, enquanto caminho de volta pra mesa, o café já está ficando mais cheio e animado, a banda ao vivo já chegou, de longe eu vejo o Antony, arrumando o microfone.

Ele levanta os olhos subitamente e me encara, depois acena suavemente pra mim, sinto minhas bochechas queimarem, mas aceno de volta, fazendo com que um sorriso cresça em seus lábios.

'' Idiota", Murmuro, fazendo com que ele ria pra valer dessa vez, eu rolo os olhos e vou direto pra onde a Guillia me espera.

-Prontinho... Onde nós estamos? -Pergunto animadamente, ela me olha com a cara fechada, na verdade eu vejo até as trevas em sua volta, como nos animes.

-O que foi? -Pergunto sorrindo pra ela

-James, onde você estava ontem? -Pergunta séria, Ah não! Vai começar de novo?!

-Com você, não é obvio?! Xenofobicos de merda... -Resmungo

-Sei...  -Diz me olhando desconfiada

-Ah qual é,  por que de toda essas perguntas? Sabe muito bem que minha única amiga é você, você é a mais adorável de todas as garotas de Londres!

-Mais do que a Bianca?

-Sim!

-Do que a Alexia?

-MUUUUITO MAIS! Sabia que ela tem chulé?! Coisa horrível! -Digo e faço uma careta, ela sorri de canto.

-Aposto que você não tem chulé, você é uma verdadeira dama! -Brinco e faço cócegas em sua barriga, ela solta um risinho contido e segura a minha mão.

-Mais do que o Stiven? -Pergunta, olho pra ela como se tivesse recebido um soco no rosto.

-Como sabe do Stiven?! -Digo, MERDA! MERDA! MERDA! MIL VEZES MERDA!

 Não é que eu tenha vergonha dele ou qualquer coisa do tipo, esse era o papel dele no começo de nosso namoro, mas sou bem discreto quanto a isso, afinal a família tradicional é bem cruel.

-Eu estava olhando seu celular e tem várias mensagens dele... -Diz, como se fosse a coisa mais normal do mundo.

-MINHAS MENSAGENS? POR QUE VOCÊ ESTÁ OLHANDO ISSO? ME DÁ! -Digo e me aproximo pra pegar o celular e ela o esconde atrás das costas.

-Não! Quando você ia me contar sobre isso?! -Diz parecendo estar profundamente magoada.

-Você não precisa saber de nada disso, me devolve meu celular! -Digo tentando o pegar mais uma vez, ela se desvia de minhas mãos.

-Como você pode fazer isso comigo? Primeiro o Antonny e depois esse tal de Stiven... Como você pode?! -Diz com os olhos marejados, mas que porra está acontecendo aqui?

-Antony?

-Sim, eu vi vocês dois ontem... Ele te beijou e você deixou, agora eu não posso beijar você, Por que?!

-Guillia, você precisa se acalmar, não está falando coisa inteligível minha filha... -Digo e acaricio seu ombro no intuito de a acalmar.

-NÃO TOCA EM MIM, EU ODEIO VOCÊ! -Berra se levantando, me empurrando e jogando tudo o que tem na nossa mesa no chão, chamando a atenção de todos em volta.

-Você mentiu pra mim, você me traiu...-Diz aos prantos

-O-O que?!

-Pensei que a gente tivesse uma coisa junto, que nos amávamos, VOCE DISSE QUE ME AMAVA! -Diz metendo um dedo em minha cara.

-E eu te amo coisinha, você a minha melhor amiga... -Digo sorrindo de leve, minha mente grita PERIGO, mas eu tento parecer calmo pra não piorar a situação.

Eu já tive várias brigas dessas com ela antes, tudo por uma simples causa... Ciúme, antes eu achava que era por que ela não tinha muitos amigos, como eu não tenho também e ficava com medo de ser trocada, mas agora vejo que é outra coisa.

-EU NÃO QUERO A MERDA DA SUA AMIZADE, NÃO QUERO SER A PORRA DA SUA MELHOR AMIGA! -Berra e se joga em cima de mim.

-E-Eu q-quero v-você... Quero você! -Diz, eu tiro suas mãos de mim, com nojo, ela está começando a me irritar.

-Não posso dar isso a você, como você leu ai, com seu olho grande do caralho... Eu sou Gay! -Digo calmamente, eu sou uma lady, não vou me rebaixar ao nível dela que agora, nega com a cabeça desesperadamente.

-Não, não você não é! Só está confuso... -Diz sorrindo com carinho pra mim em meio as lágrimas, ela toca minha garganta.

-Me solte, não estou confuso, você não me conhece... Porra entenda, EU SOU GAY! GAY! QUASE QUE UMA DIVA DE TÃO VIADO! -Berro pra todo mundo ouvir, eu ouço um risinho, viro pra olhar e vejo Antony nos encarando com um largo sorriso, ele balança a cabeça positivamente como se dissesse " Parabéns, até que enfim", ela coloca a mão na minha boca.

-Pare com isso, o que vão pensar de nós se você ficar falando nisso?! Amor... A gente conversa sobre isso em outro lugar, a gente vai numa igreja ou um médico.. sei lá! Nós descobrimos uma cura, então podermos ser felizes juntos, pra sempre! -Diz, eu a olho embasbacado, só pode estar louca!

-Eu não vou me "Curar"! -Digo ironicamente e fazendo as aspas com os dedos.

-Isso é o que eu sou, não estou pedindo sua permissão, seu moralismo, ou médico, somente quero que me respeite! E amor? ALÔOOU MEU BEEEM! Eu tenho namorado, e mesmo que eu não tivesse, você seria a ultima pessoa que eu procuraria! -Digo no calor da raiva, odeio quando essas pessoas hipócritas e idiotas ficam dando pitaco sobre a minha vida ou minha sexualidade.

O seu rosto se contorce de dor e de raiva de tão forma, que eu tenho vontade de recolher tudo o que eu disse, mas não posso, ela seca as lágrimas furiosamente e depois sorri pra mim com o rosto limpo de emoções.

-Não fale sobre o futuro querido, você não sabe de nada sobre ele! E eu vou fingir que não ouvi isso que me disse, afinal não quero brigar... Vou lhe dar um tempo, você pode voltar a mim quando decidi ser feliz de verdade, estarei te esperado!

-Vai esperando sua louca! -Retruco de volta, ela me manda um beijinho no ar e sai do café, a sua ação faz um calafrio correr por meu corpo, isso não acabou ainda.

~FlashBackOFF

-Sim, ela é uma maluca... Mas não explicou o fato de ter se casado dela e se afastado da gente!

-Eu não sei se você será capaz de acreditar no que estou pra te dizer...

-Ah, fale, chega de enrola Jammie! -Digo já chateada com todas essas voltas, por que ele não diz logo tudo de uma vez.

-No outro dia, eu meio que conheci sem querer a familia dela!

-Sem querer? -Pergunto ironicamente, ele faz que sim com a cabeça e depois me olha fixamente.

-O pai dela, é o chefão da máfia, trafico e tudo quanto é mais coisa que acontece na Itália, todos os membros, são parentes.... Ela ligou pra eles, e seus irmãos vieram me ver, me seqüestraram na rua da faculdade! Não precisamos entrar me detalhes do que aconteceu lá, mais eles ameaçaram a matar ele, o Antony, ate mesmo vocês se eu não ficasse com ela.

-Eles estavam blefando!

-Não, eles não estavam, eles tinham estudado sobre todos, sabia coisas demais! Onde estudavam, a casa, telefone, nome dos pais... A profissão deles, que horas chegavam em casa! Eu simplesmente sabia que não era mentira, não podia arriscar, por isso fiz tudo que fiz! Não queria que ele se ferisse por minha causa!

-Eu sinto muito! -Digo abraçando os seus ombros, tentando o consolar, não sei se acredito em toda essa história que contou, mas parecia estar falando a verdade, mesmo que for não muda tudo, mas explica.

-Tive que dizer a ela que teria uma reunião com o Sam, Tio dela pra que pudesse vir aqui, queria ter feito tudo diferente, tudo por ele, como fez por mim!

-Você fez James...

-Não, eu não fiz... Algumas vezes eu me pegava mais preocupado comigo do que com vocês, estavam longe, eu iria ser ainda mais surrado por aqueles babacas, por isso resolvi entrar na familia e ganhar a confiança deles, por medo! Eu que quis casar com ela... -Diz e puxa os fiozinhos da coberta, eu suspiro e o silêncio se instaura, nem sei o que dizer.

-Ela não vai ficar te procurando feito uma maluca não?!

-Vai sim, mas já encontrei um jeito de acabar com tudo isso... -Diz e eu vejo um brilho estranho e familiar pra mim brotar em seus olhos, como se carregasse o peso do mundo inteiro nas costas.... Stiven, era essa mesma feição que ele tinha poucos dias antes enfiar uma bala em sua testa.

O reflexo de agarrar seu punho é tão rápido que assusta ate a mim, ele me olha sem entender.

-Não faça isso!

-Isso o que?

-O que está pensando em fazer, não faça! -Digo, ele abaixa os olhos.

-Eu não tenho mais nenhum motivo forte que me faça parar...

-Sua filha!

-Ela não é minha, ela não é minha filha, é do irmão de Guillia... Peguei eles juntos esses dias, ela confessou que a garota não era minha filha! -Diz suavemente, meu queixo cai, GENTE QUE BABADO! QUE FAMILIA DE BABADO!

-Faz por ele então, não acho que ele iria querer que você fizesse isso!

-Eu não quero voltar pra aquele inferno... -Sussurra

-Não precisa, pode ficar comigo, minha mãe vai ficar fazendo missão comunitária na áfrica por alguns meses a partir da semana que vem, bom que eu não fico sozinha! -Digo, ele abre a boca pra negar, mais eu faço um sinal de silencio, demonstrando que eu não aceito não como respostas.

Levo alguns minutos pra convencê-lo a me dar os remédios da bolsa que iria tomar e de desistir de tudo, mas no final eu saio vitoriosa, eu não consegui salvar ele, mas salvei o amor da sua vida.

O ajudarei o máximo que eu puder, podemos recomeçar juntos, por que querendo ou não, vai ser um recomeço depois de tudo que passamos, inclusive ele... Não vai ser nenhum pouco fácil, mas eu tenho fé.

-Eu vou indo, tenho que pegar um ônibus pra Austin... -Digo tomando o ultimo gole de meu copo e me levantando.

-O que ira fazer em Austin?

-O pessoal está organizando um tributo pro Stiven, em um show do aerosmith... Vamos?! -Digo, ele nega com a cabeça.

-Não tenho peito pra encarar eles ainda...

-Eu também não, mas to tentando criar, acho que ficariamos melhor se fossemos juntos, o que acha?!

-Não... Eu vou ficar com ele aqui, depois a gente se vê! -Diz, eu dou os ombros e jogo minhas chaves pra ele em um arco, ele pega no ar.

-Se cuida!

-Você também... -Diz, eu me viro e saio do local, ouvindo a doce melodia que canta até o portão do local.

Give me love like her

Me de amor como ele
'Cause lately I've been waking up alone

Porque, ultimamente, eu tenho acordado sozinho
Pain splattered teardrops on my shirt

A dor espalhou lágrimas na minha camisa
Told you I'd let them go
Eu disse a você que os deixaria ir


Give me love like never before

Dê-me amor como nunca antes
'Cause lately I've been craving more

Porque, ultimamente, eu tenho desejado mais
And it's been a while but I still feel the same

E faz algum tempo, mas eu ainda sinto o mesmo
Maybe I should let you go
Talvez eu deveria deixar você ir



My my, my my, oh give me love

Minha nossa, minha nossa, oh, dê-me amor
My my, my my oh give me love

Minha nossa, minha nossa, oh, dê-me amor
My my, my my oh give me love

Minha nossa, minha nossa, oh, dê-me amor

 


Katniss Everdeen

22:50, No meio do mato e em algum lugar de Austin.

 

Eu e Peeta estamos em cima de um pé de manga, comendo manga, quando ouvimos vozes gritando nossos nomes, se trata de Annie, Finnick, Johanna e Gloss.

 

-AQUI! -Berra Peeta e sacode a mão, com a manga no ar, vejo eles chegarem mais perto.

 

-Mais... O que vocês estão fazendo ai em cima? -Pergunta Finnick e fazendo uma careta, nós rimos.

 

-Estamos comendo manga, e vocês?! -Retruco com a boca cheia.

 

-Viemos procurar vocês, cês são meio maluquinhos... ficamos com medo de morrem ou se perderem. -Diz Annie, Isso ai não é bem uma mentira.

 

-E fico chocado como não fizeram isso subindo essa árvore, como chegaram ate ai?! -Diz Gloss franzindo o cenho, a arvore é meio autinha mesmo, deve ter uns 10 metros de altura.

 

-Eu sou o batman esqueceu? E minha mulher estava com vontade de comer manga no pé, o que posso fazer?! -Diz, eu beijo seu rosto com sua fofura.

 

-Você é muito cavalheiro Peeta... -Diz Annie e ele faz uma ligeira mesura.

 

-Será que dá pra vocês descerem e a gente voltar pro acampamento? Os mosquitos estão quase que me levando aqui e fora que eu não quero ser morta por nenhum bicho selvagem! -Diz Johanna, eu rolo os olhos e jogo a minha manga nela.

 

-Sua puta! -Rosna, eu mando beijo e começo a descer, Peeta vem logo atrás de mim, Okay... descer é mais difícil que subir, mas depois de um certo tempo a gente consegue descer, nos perdemos um pouco também, mas conseguimos chegar ao acampamento.

 

Eu como um pouco de batata fritas e vejo o André com o violão, tocando Blue Jeans -Lana Del Rey.

Johanna e Gloss já se recolheram, devem ter ido fazer sexo na cabana, aqueles dois só pensam em trepar o tempo todo.

 

Annie e Finnick estão conversando entre si baixinho, e se olhando no fundo dos olhos, Peeta está desenhando alguma coisa no chão.

 

 

Blue jeans

Jeans Azul

White shirt

Camisa branca

Walked into the room

Quando você entrou na sala

You know you made my eyes burn

Você sabe, você fez meus olhos queimarem

 

Olhos de Peeta cai instantaneamente em mim, ele fecha os olhos e quando os abre estão mais escuro, a gente ri um para o outro

 

It was like, James Dean, for sure

Era como, James Dean, sem dúvidas

You're so fresh to death and sick as ca-cancer

Você é tão jovem para morrer e é doentio como ca-câncer

You were sorta punk rock, I grew up on hip hop

Você era meio punk rock, eu cresci no hip hop

But you fit me better than my favourite sweater

Mas você combina mais comigo do que meu suéter favorito

And I know

E eu sei

That love is mean, and love hurts

Esse amor é vil, e o amor machuca

But I still remember that day

Mas eu ainda me lembro daquele dia

We met in december, oh, baby!

Em que nos conhecemos em dezembro, oh, querido


 

Ele para de mexer na terra e foca toda sua atençao, como se eu fosse a maior raridade do mundo, a maior preciosidade que ele roubou, e eu adoro isso, canto olhando em seus olhos, canto pra ele de todo o meu coração.

 

I will love you till the end of time
Eu vou te amar até o fim dos tempos

I would wait a million of years

Eu esperaria um milhão de anos

Promise you'll remember that you're mine

Prometa que se lembrará de que você é meu

Baby can you see through the tears?

Querido, você consegue ver através das lágrimas?

Love you more, than those bitches before

Eu amo você mais do que aquelas vadias de antes

Say you'll remember

Diga que você se lembrará

Oh baby, say you'll remember

Oh, querido, diga que você se lembrará, oh, querido

I will love you until the end of time

Eu amarei você até o fim dos tempos

 

Termino a música com alguns agudos e sorrisos pra ele, os olhos cheios de promessas um pro outro, carinho e outras coisas que nem pode ser descrita, ele se aproxima novamente, cheira meu cabelo e me abraça por trás, é até engraçado em como eu me sinto completa do seu lado.
 


Notas Finais


Prontinho coisinhas, comentem o que vocês acharam... Se você ainda não segue a história, favorita ai! Prometo postar mais agora, e que sou legal, é serio! KKKK
Okay, estou sendo atingida pela falta de dormir, melhor ir logo antes que escreva mais merda!
AH SIM, IRYLM SAI NO SÁBADO! :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...