História Simply love - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Horan, London, Love, Romance, Styles
Visualizações 33
Palavras 1.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiie pessoinhas ❤
Outro capítulo 😊
Sorry, mas agora vou atrasar um pouco😢
Tenho que estudar mmmmmtttttt 📚
Então aproveitem esse cap 🙈

Capítulo 18 - Cry


Fanfic / Fanfiction Simply love - Capítulo 18 - Cry

Niall on 

Não conseguia acreditar, como o pai da Gaby podia vir do nada e dizer que a levaria? Não! Eu não ia permitir, Gaby só iria com ele se ela realmente quisesse, e eu sabia que ela não queria 

Fui para meu apartamento em choque, não sabia o que pensar, não sabia como agir... Eu realmente não queria ter enfrentado o pai dela daquele jeito, mas não aguentei, não resisti ao vê - lo falando com Gaby assim, eu só queria a proteger, de tudo e qualquer coisa

Gaby on 

Já havia uma meia hora desde que eu estava trancada no meu quarto, estava começando a sentir fome já que não tinha nem tido a chance de tomar café da manhã

Eu não queria sair do meu quarto e dar de cara com meu pai novamente, então liguei para Mary pedindo que ela viesse, e trouxesse um lanche, eu queria falar com alguém, porém não com Niall já que eu estava horrível, e nem com Harry já que ele estava tão abalado quanto eu, precisava falar com alguém no mínimo mentalmente estável 

Enquanto a esperava comecei a pensar, eu sabia que até consertar esse problema isso ficaria martelando minha cabeça, e tudo o que eu podia fazer era dar um jeito de concertar isso, mas como? 

Me levantei e fui até minha escrivaninha, lá havia uma cópia do email de Oxford, comecei a olhar para aquilo, eu iria perder tudo o que eu mais sonhei? Iria perder meus amigos, meu irmão e meu namorado? 

Uma batida na porta interrompeu meus pensamentos, eu não movi um músculo, não sabia se era Mary:

- Gabyyy abre a porta! Eu trouxe seu lanche 

Foi só ouvir a voz de Mary que abri a porta e a puxei para dentro do meu quarto, quando ela viu meu estado ficou assustada, eu estava realmente horrível, meu rosto inchado e vermelho todo molhado... Ela teve razão para se assustar

- Gaby o que houve! - ela me abraçou - onde está o Harold e o Nini 

Harold e Nini, ela sempre os a chamava assim, as vezes até eu sedia a esses apelidos, mas sempre preferi seus nomes de verdade  

Ela me puxou para minha cama, eu me sentei e ela se sentou ao lado:

- Não tive tempo de passar em um restaurante - ela me entregou uma sacola com alguns salgadinhos e uma lata de Coca-Cola - agora da pra me contar o que aconteceu?! 

Comecei a contar tudo, desde quando ouvi Harry conversando com o papai até quando eu me tranquei no quarto, disse cada detalhe e expliquei porque meu apartamento estava tão vazio, ao final, tudo o que ela conseguiu dizer foi:

- Meu Deus... 

- Viu a gravidade dos meus problemas?! 

- Espera mas não faz sentido seu pai querer te tirar daqui, você só tira A, é a melhor aluna e jogadora da escola e entrou pra Oxford 

- Mas ele não sabe disso, meu pai esquece minhas vitórias e enfatiza meus erros! 

- Gaby vc também é assim, quase nada do que você faz tem tanta importância do que quando você erra 

- Mas isso não vem ao caso, o que importa é que meu pai vai embora amanhã e eu não quero ir - me deitei na cama - me ajude! - eu disse com a voz abafada pelo travesseiro 

- Deve estar mesmo desesperada, está pedindo ajuda 

- Eu estou desesperada! 

- Tudo bem, então vamos pensar... 

Todas as ideias que ela sugeria eu negava, nunca iriam conseguir combater meu pai, ele não é como os outros pais do mundo, ele era diferente... 

- Nossa enquanto eu estava pensando... Fiquei imaginando como seria sem você, na nossa formatura, e não iríamos nos encontros depois da faculdade, sem os jogos de basquete... - ela me abraçou - você não pode ir!

- Eu não quero, mas se ele se decidir sobre isso já era 

- Então porque não chama o Harry? Ele também é filho do seu pai

- O Harry não foi criado como eu! Meu pai me forçava a estudar todo dia, não me deixava ir em festas e nem fazer nada! Harry era um homem, isso dava bem mais liberdade pra ele do que pra mim! 

- Uau - ela se deitou 

- Além do mais, ele foi pra Londres e eu vivi como filha única até ter que vir pra cá! Que é onde eu pretendia ficar até ter minha própria casa! 

- Espera então o Harry é brasileiro? 

- Mais ou menos, ele nasceu em uma das viagens dos meus pais pra Inglaterra, eles moraram aqui por um tempo mas depois voltaram pro Brasil, eu nasci lá, daí a gente se mudou pro Canadá porque o Brasil era bem perigoso e tal, nós aprendemos até a falar inglês fluente, porém depois de tudo isso tivemos que voltar pro Brasil porque minha mãe começou a estudar um sítio arqueológico de lá, mas o Harry não ficou por muito tempo logo ele voltou pra cá e eu fiquei no Brasil... 

- Nossa 

- Eh... Chato pra caralho 

- Não! - ela se levantou - Gaby eu morei em Londres a vida toda! Tudo o que eu sempre quis era me mudar daqui, conhecer o mundo como você 

- Não deseje isso! Não sabe como é difícil, aprender outras línguas, perder amigos, ir para outras escolas, não poder me adaptar a nada! 

- E você sabe o que é nunca conhecer nada? Viver sempre no mesmo lugar, estudar na mesma escola com as mesmas pessoas e nunca fazer nada de novo? 

Nós ficamos calados, Mary estava me distraindo do problema, e embora levasse a tristeza junto, eu tinha que arrumar uma solução para isso logo, não era assim que eu pretendia passar o último dia do meu pai comigo, trancada em um quarto com ódio da vida 

- Bom... Gaby eu realmente não sei o que fazer, tente falar com seu pai, explicar que não quer ir, que não pode ir! 

- Inútil, você não conhece meu pai 

- Bom, uma hora você terá que sair do quarto, e aí vai dar de cara com ele 

- Isso que me preocupa... 

Minha cabeça já estava doendo, eu não conseguia me concentrar em nada, milhões de pensamentos invadiam minha mente me deixando cada vez mais triste

Mary estava certa, uma hora eu ia ter que sair do quarto, e aí daria de cara com meu pai, porém, eu não queria ficar mais nem um segundo fechada lá dentro, por isso resolvi que seria melhor sair, fazer outras coisas além de chorar, e se eu desse de cara com meu pai apenas desviaria olhar 

Me levantei e fui para  banheiro, lavei meu rosto e penteie meus cabelos:

- O que está fazendo? 

- Eu terei que sair daqui de um jeito ou de outro, no mínimo não quero que pareça que eu estava chorando... 

Ainda estava triste, mas eu era uma ótima atriz, e conseguia fazer parcer que não estava nem aí para aquela situação, porém mesmo assim eu estava frágil, sabia que qualquer coisa que me dissessem me faria voltar a chorar. Respirei fundo e abri a porta 

Não havia ninguém no corredor, porém foi o tempo de sair do quarto que a porta do quarto de Harry também se abriu, ele parecia ter chorado também, estava com o rosto meio inchado assim como eu 

- Oi... - ele sorrir triste 

- Oi... -  eu fiz a mesma coisa, cada vez mais triste por ter que vê - lo assim 

Nós descemos as escadas sem falar nada, o apartamento estava totalmente silencioso, o que não era nem um pouco normal. Meu pai estava na cozinha, sentado na mesa, parecia estar pensando em algo. Nós nos aproximamos de vagar, eu fui até a geladeira pegar um suco só para disfarçar

- Filha, sei que é difícil mas isso é pro seu próprio bem... - eu estava imóvel - nosso vôo sai amanhã as 14:00, arrume as malas 

Nesse momento eu quase deixei o copo cair no chão, não acreditava no que tinha acabado de ouvir, eu iria embora! Harry notou que eu não estava bem e se aproximou, porém não teve a chance de dizer nada, já que eu comecei a correr direção ao meu quarto o mais rápido possível 

Marry estava na porta, eu simplesmente entrei no quarto e me joguei na cama, voltando a chorar, ela se assustou e venho até mim, porém deixou a porta aberta o que facilitou para que Harry entrasse no quarto e se juntasse a nós:

- Mana?...  Tá tudo bem? Não precisa chorar, se você chorar eu choro, e não é preciso isso agora 

Eu não respondi, continuei imóvel, tudo o que eu queria era apagar aquele dia, ficar apenas no passado e me esquecer que aquilo aconteceu 

Harry começou a alisar meus cabelos, ninguém falava nada, eu estava começando a conter minhas lágrimas,  de rente Mary quebrou o silêncio:

- Gaby... Eu sei que é muito ruim isso tudo, não quero que vá, mas não podemos passar nosso últimos dias juntos chorando! Tem que se levantar e aproveitar hoje como se fosse seu último dia de vida 

Eu preferia que fosse meu último dia a ter que viver outros dias horríveis como eu sabia que seriam daqui pra frente 


 



Notas Finais


Tchau tchau queridos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...