História Sintonia de amor - Capítulo 14


Escrita por: ~ e ~Karenmorgado

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Drama, Revelaçoes, Romance
Visualizações 131
Palavras 2.888
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - Capitulo 14


POV NARRANDO

 

— Vamos para a Itália por uma noite só? — Camila não conseguia encarar uma viagem de um país para outro com a mesma tranqüilidade que Lauren — Que cidade da Itália?

 

 

 

— Veneza. Vamos a, uma recepção em uma galeria — Lauren não a encarou e Camila teve a nítida impressão de que ela estava escondendo alguma coisa.

 

 

 

— Gostam de você porque é rica e gosta de gastar? Podemos passear de gôndola? — Camila continuou falando, mas Lauren já tinha saído de perto dela.

 

 

 

— Isto é programa de turista.

 

 

 

— Mas eu sou uma turista — Camila falava enquanto a seguia até o quarto de vestir — Sempre quis andar de gôndola — Lauren sorriu para ela enquanto escolhia o terno e a camisa que iria vestir.

 

 

 

— Está bem. Levarei você para andar de gôndola amanhã antes de voltarmos para casa. A recepção de hoje é bem elegante. Você precisa ir bem chique.

 

 

 

— Vou ter que usar alguma coisa larga — ela disse com a mão sobre a barriga — Minha barriga está meio grande, deve ser de tanta comida grega.

 

 

 

— Mas também pode ser nosso bebê — Lauren disse baixinho, colocando sua mão sobre a dela. Por um momento as duas se olharam, depois ela a beijou — Comprei um vestido para você — Lauren tirou do armário uma grande caixa decorada com um logotipo discreto — Espero que goste.

 

 

 

— Você quer dizer que espera que ele disfarce minha barriga. Ao menos tenho uma desculpa agora, porque a pior coisa do mundo é quando alguém vem lhe perguntar para quando é o bebê e você é obrigada a dizer que não está grávida — Descontraída, Camila percebeu o carinho de Lauren com o bebê, e continuou falando — Valeria a pena ficar grávida a vida inteira só para ter uma desculpa quando as roupas estão apertadas demais. Nossa! — Ela retirou o papel de seda e ficou admirando o vestido. — É deslumbrante. Dourado. Longo.

 

 

 

— Gostou? — Camila não estava entendendo sua preocupação, pois já tinha lhe comprado outros vestidos antes sem nunca lhe pedir opinião. Por que tanta preocupação? A não ser que fosse uma noite muito importante.

 

 

 

— O vestido é perfeito.

 

 

 

— Muito cuidado para não tropeçar no vestido.

 

 

 

— Terei. Vou torcer para não me deparar com uma escada — ela disse ao tatear o tecido. — Onde o comprou? — Lauren se afastou um pouco e pôs a mão no bolso, procurando alguma coisa.

 

 

 

— Foi feito por uma estilista de Atenas — ela respondeu vagamente — Passei para ela suas medidas. — Será que estava imaginando, ou ela parecia um pouco mais tensa do que há poucos momentos atrás? Notando algo diferente, mas sem saber o que era, Camila achou que talvez tenha faltado entusiasmo da parte dela. Lauren podia estar interpretando como ingratidão.

 

 

 

— Adorei o vestido. Juro, ele é lindo. Nunca na vida eu tive um vestido feito especialmente para mim — Camila tirou um sapato da caixa, feito no mesmo tecido do vestido. Olhando para o salto, ela sorriu sem graça — Será que vou encontrar objetos valiosos nessa exposição para quebrá-los?

 

 

 

— Não se preocupe, não vai ter nada para você quebrar, agape mou — Lauren foi para o chuveiro — Sua estilista deve chegar dentro de uma hora. Por que não aproveita para descansar enquanto pode?

 

 

 

— Minha estilista — Camila achou engraçado — Não estou certa se gosto disso. Eu deveria saber me arrumar sozinha, mas é bom saber que vai ter alguém para culpar se o resultado final ficar ruim. Vamos voltar para casa hoje à noite?

 

 

 

— Não. Reservei para nós uma suíte do Cipriani.

 

 

 

— No Cipriani? Já ouvi falar. Nossa, muita gente famosa fica lá, como George Clooney, Tom Cruise, Lauren Jauregui...

 

 

 

— E Camila — Lauren completou, e ela sorriu, tímida — E Camila. Só espero que George Clooney não se zangue por eu estar lá. Coitado. Ele não tem a menor chance, não é mesmo?

 

 

                                                                 .-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

 

 

Quando a limusine parou junto ao tapete vermelho, Camila se apavorou.

 

 

— Você não disse nada sobre tapetes vermelhos, câmeras e um milhão de pessoas nos olhando. Lauren, não vou conseguir caminhar com este sapato com tanta gente me olhando.

 

 

 

— Não falei nada antes para não deixá-la preocupada — Lauren apertoulhe a mão carinhosamente — Desta vez, estarei a seu lado. Sorria e faça um ar distante.

 

 

 

— É difícil parecer distante quando se cai de nariz no chão, que é o que vai acontecer se eu caminhar neste tapete vermelho na frente desta platéia!

 

 

 

— Estarei segurando sua mão.

 

 

 

— Posso tirar o sapato?

 

 

 

— Só se quiser atrair mais atenção ainda. Sorria — Lauren lhe disse quando abriram a porta de repente, inundando o carro de luz — Deixe o resto comigo — Camila desceu do carro com cuidado e vários flashes pipocaram. Seus lábios congelaram num sorriso e ela só não se escondeu de volta no carro porque Lauren a segurou pelos pulsos — Caminhe: Levante a cabeça: Suspenda o queixo um pouco mais, assim — Lauren foi lhe dizendo o que fazer enquanto caminhavam até a porta da galeria de mãos dadas — Agora você pode relaxar.

 

 

 

— Está brincando? — Camila olhava para todos os objetos valiosos à frente — Só vou relaxar quando estiver indo embora sem ter quebrado nada.

 

 

 

— Se por acaso quebrar alguma coisa, ninguém vai falar nada — Lauren disse — Sou uma benfeitora extremamente generosa. E, antes que você me pergunte, não tenho uma sensação de paz interior por isso.

 

 

 

— Acho que eu também não sentiria isso sobre uma pintura — Camila confessou, esticando o pescoço para ver os quadros nas paredes. — Por que dá apoio a um museu em Veneza? Por que não um museu em Atenas?

 

 

 

— E quem disse que não apoio? Venha comigo, quero que conheça alguém — Ela lhe serviu de um copo de bebida e a conduziu no meio de uma multidão de pessoas elegantes até chegar a um homem que admirava uma pintura — Constantine — Ao ouvir seu nome, ele se virou e Camila constatou que o homem era bem mais velho. Seu cabelo branco, penteado todo para trás, mostrava um rosto bonito ainda, apesar da idade avançada.

 

 

 

— Lauren — A expressão dele se iluminou e os dois trocaram um breve cumprimento em grego antes de Lauren puxar por Camila para apresentá-la — Estamos cercados de valiosas obras de arte, mesmo assim Lauren me aparece com algo ainda mais deslumbrante nos braços — Constantine lhe beijou a mão. — Nem o ouro da Renascença brilha tanto quanto uma mulher apaixonada. Que bom, estou feliz. Já não era sem tempo, Lauren Jauregui — Camila sentiu Lauren enrijecer do lado dela e teve vontade de tapar a boca do homem para silenciá-lo. Ela estava pisando em ovos havia várias semanas, e agora surgia este homem para pisotear no frágil relacionamento delas com suas palavras capciosas.

 

 

 

— Adoro este quadro — Camila soltou em voz alta. — Será um...? — De repente, sua mente embotou e ela não conseguia se lembrar de um único artista italiano. O pânico tinha limpado sua mente — Canaletto? —  Constantine a fitou curioso e depois consultou a placa em que se lia com clareza o nome Bellini — Bellini, claro. — Camila sorriu sem jeito. — Será que existem cartõespostais para eu levar para as crianças — Gaguejando nervosa, levou alguns segundos para ela perceber que dissera a coisa errada.

 

 

 

 — Crianças? Você tem crianças? — Constantine olhou para Lauren, que estava parada como uma estátua — Que boa notícia. Será que devo parabenizá-las? — Horrorizada, Camila viu o rosto de Lauren congelar.

 

 

 

— Não — Lauren disse — Não tem motivo para me dar os parabéns.

 

 

 

— Eu me referia aos meus alunos, sou professora — Mas as pernas de Camila estavam tremendo e ela precisou se apoiar na parede para não cair. Constantine deu um tapa nas costas de Lauren

 

 

 

— Então ainda não é papa?

 

 

 

— Não, não sou papa — Camila ficou arrasada. Será que Lauren havia dito mesmo aquilo? Ela ainda não estava contando a novidade para ninguém. Ela ainda negava a existência do bebê. Era mais prudente Camila se manter calada. Camila lamentou não poder beber a champanhe que circulava, teve que se contentar com suco de laranja, que se revelou totalmente inútil para amenizar sua dor. Lauren tinha mudado de assunto, discretamente, mas Camila estava tão chateada que não podia nem olhar para ela. Suas mãos tremiam e ela acabou entornando suco no chão. Normalmente, ela ficaria mortificada com sua falta de jeito, mas dessa vez ela não estava se importando.

 

Eu não sou papa.

 

Ela chegou a dizer essas palavras 

 

Eu não sou papa.

 

 

 

O que ela fazia do lado de Lauren? Ela era uma tola completa, tentando fazer com que essa relação parecesse normal. Ela estava se enganando se achava que Lauren finalmente estava aceitando ter filhos. E, só porque ela a compreendia, não significava que estava disposta a permitir que seu filho tivesse a mesma dificuldade. Não permitiria que seu filho fosse rejeitado pela sua papa.

 

Eu não sou papa.

 

 

— Lauren! — Uma mulher magra, de olhos amendoados, se reuniu ao grupo beijando Lauren primeiro e depois Constantine — Como está cheio aqui, não é? De qualquer forma, é pela arte — Ela olhou para o vestido de Camila e depois arregalou os olhos. — Esta é...?

 

 

 

— Tatiana, esta é Camila — Lauren cortou a mulher, mas Camila a fitou, muda, se perguntando por que seu vestido chamava tanta atenção. Por que todos eram tão superficiais? Sim, o vestido era muito bonito e ela estava gostando de usar algo especial, mas, por mais bonito que fosse, não poderia compensar uma relação tão deficiente.

 

Eu não sou papa.

 

— Por que está olhando tanto para meu vestido? — A mulher riu alto.

 

 

 

— Foi feito por Lucy, não foi? Que sorte a sua. Ela só faz para algumas poucas favorecidas. É quase impossível ter uma de suas criações — Ela sorriu para Lauren — A não ser que você ocupe um lugar especial em seu coração.

 

Lucy.

Lucy?

 

Camila fitou Tatiana. Depois, olhou para o próprio vestido dourado e lembrou-se de como Lauren estava tensa quando lhe entregara o vestido. Fora por isso. Fora por isso que estava com um comportamento tão estranho. Lauren devia estar com medo de que ela descobrisse. Que tipo de pessoa tão insensível podia querer vestir a atual namorada com uma criação da sua ex-namorada? A mesma insensível que ainda negava a existência do bebê delas. A mesma insensível que não lhe dissera para trocar o anel de mão. Com os olhos rasos d'água, Camila fitou o Bellini na parede e se perguntou se as pessoas renascentistas tinham sido mais atenciososa do que as pessoas modernas. Suspendendo o vestido para não arrastar no chão, ela se dirigiu para a saída, esbarrando em uma escultura renascentista na pressa de sair dali o mais rápido possível. Ao correr novamente pelo tapete vermelho, os olhos ardiam e um nó apertava sua garganta. Ela esperava que alguma coisa se quebrasse em mil pedaços naquela, noite, só não imaginava que seria seu coração.

 

 

 

A suíte do hotel parecia ser uma redoma de vidro suspensa sobre a lagoa, mas se Lauren esperava uma demonstração de exuberante da parte de Camila ela ia se decepcionar muito. Ela alcançou Camila no final do tapete vermelho e logo a pegou no colo e a acomodou na parte traseira da limusine que as esperava, preocupada e achando que ela não sabia o que estava fazendo. Chegando ao hotel, ela disparou na frente, tirou o sapato e o largou para trás. Agora, toda contorcida, ela estava tentando baixar o zíper invisível do vestido, determinada a não pedir a ajuda de Lauren. Ela estava furiosa. Lauren se aproximou para ajudá-la, mas ela o enxotou.

 

 

 

— Não me toque — ela falou com voz trêmula — Pensando bem, abra o vestido estúpido para eu me livrar logo dele. Não quero usar uma roupa feita por uma de suas ex-namoradas.

 

 

 

— Só não lhe contei porque achei que ia se zangar se soubesse que o vestido fora feito por Lucy

 

 

 

— Teria sido melhor se não tivesse me dado um vestido feito por ela!

 

 

 

— Eu sabia que aquela exposição no tapete vermelho ia irritá-la — Lauren abriu o zíper e sentiu o corpo enrijecer ao ver as costas nuas de Camila — Achei que seria mais fácil para você se estivesse com uma roupa bonita, que lhe passasse confiança.

 

 

 

— Confiança? Acha que fiquei confiante ao saber por outra pessoa que estava usando um vestido criado por uma de suas ex-namoradas?

 

 

 

— Não podia imaginar que Tatiana fosse ligar uma coisa a outra.

 

 

 

— Ora, está bem, então! — Chorando, Camila se livrou do vestido como se ele estivesse infectado — Estou vendo a etiqueta, agora — Ela apanhou o vestido do chão e observou de perto a etiqueta "Por Lucy" que tinha sido discretamente costurada à mão por dentro do vestido. — Sou uma completa idiota mesmo — Tentando desviar sua atenção daqueles belos seios, Lauren tentou manter o foco.

 

 

 

— Não é nenhuma idiota.

 

 

 

— Fique longe de mim. Só você tem o poder de transformar a cidade mais romântica do mundo num inferno — Ainda vestida apenas de calcinha e sutiã, Camila foi até a janela para olhar a lagoa — Aquele lugar deve estar repleto de corpos de mulheres que se jogaram daqui por causa de pessoas como você — Lauren revirou os olhos.

 

 

 

— Lucy faz roupas exclusivas, vestidos elegantes. Tem gente que espera quatro anos em uma fila para ter a chance de vestir uma criação sua porque ela é a melhor, e eu queria que você tivesse o melhor.

 

 

 

— Você foi profundamente insensível.

 

 

 

- Eu estou com você, e não com ela.

 

 

 

— Não, você não está, você não está comigo, Lauren. Temos feito toda a encenação, não é mesmo? — Ela se virou para Lauren, os olhos cheios de lágrimas, sua maquiagem escorrendo pelo rosto. Lauren se deu conta de que nunca havia visto uma mulher de verdade não se preocupar com a própria aparência. Em vez de fungar delicadamente, Camila esfregou a mão no rosto sem se preocupar em borrar a maquiagem toda. Lauren, que nunca ficara comovida ao ver alguém chorar, ficou profundamente perturbada.

 

 

 

— Não estamos fazendo encenação nenhuma.

 

 

 

— Estamos sim. Por acaso alguma vez você me disse "Eu te amo"? Claro que não, pela simples razão que não me ama! No início, fui uma pessoa que você queria levar para cama e acabei sendo a pessoa que ia ter seu filho. E está tudo dando errado. E eu não deveria estar aqui — Ela caiu no choro e, quando Lauren se aproximou e colocou a mão no ombro dela, Camila a empurrou — Você fez aquilo novamente. Quando Constantine perguntou se você era papa, você disse que não! — Os olhos dela estavam cheios de lágrimas, vermelhos e inchados, mas Lauren ficou imóvel, sabia que se ela a tocasse nela explodiria.

 

 

 

— Camila...

 

 

 

— Não. Não quero mais saber de desculpas. Sabe de uma coisa, Lauren? Não vou continuar com isso. Não posso viver nesta insegurança, sem saber se hoje vai ser o dia em que você vai me dizer que não quer continuar comigo. Não quero que nosso filho cresça sem saber se você estará do lado dele ou não. Você não pode ser assim, num minuto você está ali, no outro não está mais. Eu sei como é viver nesta insegurança, ficar na porta de casa esperando por um pai que nunca aparece! — Chocada com aquela revelação, Lauren a fitou esperando que ela externasse a verdadeira razão de estar tão zangada. Mas naquela noite ela simplesmente se virou de costas para Lauren e ficou observando a lagoa — Quero ir para casa — ela disse chorando. — Quero ir para minha casa em Little Molting. Depois discutimos os detalhes.

 

 

 

— Você ficava na porta esperando? Foi isso que aconteceu com você? — Lauren perguntou com toda a delicadeza — Seu pai a deixou esperando por ele?

 

 

 

— Não quero falar sobre isso — ela respondeu ainda de costas para Lauren.

 

 

 

— Theé mou, você fala sobre tudo mais! Nunca deixa de me contar o que se passa nesta cabecinha, mas isto, que é importante, você não quer me contar. Por que não? — Camila levou alguns segundos para responder.

 

 

 

— Porque falar não vai ajudar em nada. Não vai fazer eu me sentir melhor.

 

 

 

— Camila, conte-me sobre seu pai. Eu quero saber. É importante.

 

 

 

— Minha mãe passou a metade da vida tentando transformar meu pai em quem ela queria que ele fosse.

 

 

 

— E o que era isso?

 

 

 

— Um marido. Um pai — Ela falava e chorava ao mesmo tempo — Mas ele não queria filhos. Minha mãe achou que ele ia acabar aceitando a ideia, mas isso nunca aconteceu. De vez em quando ele se sentia culpado, então me ligava dizendo que vinha me ver. Imediatamente eu contava para todos os meus amigos que ele vinha me buscar. Fazia minha mala e esperava por ele na porta de casa. Mas ele nunca aparecia. Isso faz a pessoa se sentir muito mal. Minha infância não foi nenhum conto de fadas.

 

E ela sempre quisera um conto de fadas.

 

— Por que você nunca me contou isso antes?

 

 

 

— Porque não tem nada a ver conosco.

 

 

 

— Tem tudo a ver conosco — Lauren disse. — Isso explica por que acha tão difícil confiar em mim. Explica também por que espera sempre que eu fracasse.

 

 

 

— Sei bem que você não queria isso. E sei que esta situação não vai ter um final feliz. Podemos mantê-la por um tempo, talvez nos separemos e depois voltemos a ficar juntas, mas isso não é o que eu quero. Não acredito mais em conto de fadas. Mas acho que mereço mais do que isso. E meu bebê também merece — E, sem olhar para ela, Camila se encaminhou para o quarto e fechou a porta. Olhando fixo para a porta, Lauren sabia que aquele era um gesto simbólico. Camila a excluíra de sua vida.


Notas Finais


heyyyy povo lindoo volteiii

Eita a Lauren piso na bola legal

oque vocês acham?

sera que camren acabo?

sera que a Camila vai perdoa a Lauren?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...